Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Vistos de fora

Pote.jpg

(...) Podem os especialistas da bola dizer que, no futebol profissional, a alegria nada conta, é um vago estado de espírito que não se pode medir nem avaliar. Em parte, concordo, mas depois vejo a alegria de Pedro Gonçalves a jogar e aquilo que parece confuso torna-se claro. Pote, é assim que o chamam, joga com uma alegria transbordante. Arrisco dizer que, noutra época, jogadores com o perfil de Pote e, em certa medida, de Nuno Santos, já estariam queimados no Sporting. O público de Alvalade pode gabar-se de ser fiel, mas também pode ser uma cruz para os jogadores, uma nuvem negra geradora de uma ansiedade tóxica. E o que vejo é estes jogadores a jogarem sem complexos, sem traumas, sem o temor dos assobios.

A camisola do Sporting pesa-lhes, mas no bom sentido, que é o de jogarem num grande. Jogam leves, sem fatalismos. Pote joga com um sorriso, remata com um sorriso, festeja com um sorriso. Os golos que tem marcado são de uma simplicidade genial. Não têm arabescos, nem cornucópias, nem rodriguinhos, seguem apenas o caminho natural das botas para a baliza. É tão simples que dá vontade de rir. E é por isso que ele se ri muito. E nós também.

Se acham que a alegria é conversa de escritor, tudo bem. Voltem lá às análises das transições e desses bichos táticos. Eu recupero as palavras de um dos primeiros treinadores do miúdo: “Ele praticamente cresceu sozinho. Lembro-me que ele foi assaltado algumas vezes e houve um dia que estava triste porque lhe tinham roubado os cromos. Mas nos treinos e nos jogos era sempre um miúdo alegre.” Percebem? Bruno Fernandes – perdoem-me voltar à comparação – de cada vez que rematava fazia-o para pôr fim a uma maldição. Pote, em cada remate, em cada golo, reinventa a alegria.

Bruno Vieira Amaral numa magnífica crónica  a ler na integra aqui

4 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D