Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Modelo de Governação de Samuel Almeida

Sporting com Rumo

Screenshot_20200623-104530.png

 

No dia 17 de junho, reuniram-se José Manuel Barroso (moderador), Samuel Almeida, Luís Filipe Menezes, José Braz da Silva, João Duque e António Pires de Lima em torno do tema modelos de governação, que já no dia anterior reuniu outro painel.

De entre todas as participações, destacaria parte da intervenção de Samuel Almeida - a que ocorreu a partir das 2:17:23 até sensivelmente as 2:24:18 - por duas razões muito simples, por um lado, é um modelo desenvolvido e sustentado por alguém que é frontalmente contra a perda da maioria do capital da SAD e, por outro lado, foi apresentado de uma forma estruturada, aspecto que facilita a organização da informação para este efeito: o da (eventual) troca de impressões entre Sportinguistas que frequentam o És a Nossa Fé

Transcrição das ideias principais contidas em cada diapositivo:

 

Screenshot_20200623-104645.png

 

«Defendo que o clube tem de ter uma estrutura profissional, permanente e duradoura e que ultrapasse claramente o mandato dos órgãos sociais; este princípio de base materializa-se no ir ao mercado buscar os melhores para as diversas funções de gestão e materializa-se num determinado organigrama [a imagem acima]

Saber se o modelo é presidencialista ou não depende da figura que encabeçar, ou não, esse projecto e esse modelo, não sendo para mim relevante se o presidente da SAD é o mesmo do Clube; depende muito do perfil das pessoas;

Em relação ao organigrama, não vou falar sobre outros órgãos sociais, sendo que o conselho fiscal e disciplinar devem ser separados, uma coisa é o conselho fiscal outra coisa é conselho disciplinar, até por razões óbvias e naturais, um tem uma função mais jurídica e outro é um órgão claramente de auditoria;

Em relação ao Clube: um Conselho Directivo, que é não executivo e que é o representante dos sócios e que tem os pelouros - não se afasta muito daquilo que é a realidade hoje - que é secundado dentro da estrutura por um Director Geral, que tem como função a coordenação de todas as áreas de gestão e a sua interligação com os órgãos sociais e com a estrutura profissional do Clube;

Um estrutura permanente em baixo, com todas as áreas de gestão e depois proponho duas coisas, que já proponho há muito tempo, que é, por um lado, um Conselho verdadeiramente Estratégico, e que permita dentro desse conselho estratégico – que nada tem a ver com o Conselho Leonino – que permita a representação de várias sensibilidades do Clube e nomeadamente que tenha assento, nesse conselho estratégico, várias entidades, desde patrocinadores e sponsors, que devem estar claramente envolvidos na política do Clube (não é só alguém que investe, que investe muitos milhões, tem o direito de ser ouvido e uma palavra a dizer sobre o caminho que o clube está a seguir) mas também, terem assento nesse conselho estratégico, por exemplo, os núcleos, - que têm um papel completamente desprezado dentro do Clube – e mesmo os G(rupo) O(rganizado) de A(deptos), para os quais devem ser claramente definidas novas regras, um protocolo claro e que seja aprovado por todos os sócios;

Democracia não é só participarmos nas Assembleias Gerais, é dar voz às várias sensibilidades do Clube e permitir-lhes uma participação activa, naquilo que é a definição da estratégia do Clube;

E por outro lado um Conselho composto pelos Presidentes que se reúne de acordo com a disponibilidade do Presidente do Clube; acho que todos, e são todos, os Presidentes do Clube, devem ter uma palavra e devem ser ouvidos ocasionalmente, porque todos eles são um activo do Clube; todos eles, todos eles tiveram uma experiência, passaram por determinadas circunstâncias, independentemente de gostarmos da pessoa, foram presidentes do Sporting Clube de Portugal; a figura do Presidente do Sporting Clube de Portugal, merece-me respeito institucional;

 

Screenshot_20200623-091627.png

 

Quanto à SAD:

Basicamente, o que defendo é um modelo que não é diferente do que existe hoje na SAD, que é uma comissão executiva e um conselho de administração, mas com uma organização completamente diferente; aqui, sim, já poderia acontecer o Conselho de Administração ter um CEO e um Chairman, depende até da entrada ou não de um Investidor;

Eu não defendo a falta de entrada de um Investidor, eu sou é total e frontalmente contra a perda da maioria do capital da SAD; são coisas distintas, o caminho das pedras que eu defendo, não defendo sem capital, defendo com capital, mas com determinadas regras e, sobretudo, que o Clube jamais perca aquele que é o seu maior activo;

Proponho um Conselho de Administração alargado na SAD, em que têm assento a estrutura de Gestão do Clube, e isso passa por ter presente o Director, membros do Conselho de Administração, que seria um órgão não executivo, o Director Geral, o Director da Formação – é impensável a SAD não ter um Director de Formação presente nas tomadas de decisões estratégicas da SAD -, o Director do Futebol, eventualmente, um representante ou mais dos investidores, o Presidente do Clube se for ou não a mesma pessoa, que é o Presidente do Conselho de Administração da SAD, um CFO – alguém que tenha a responsabilidade financeira – alguém que tenha a responsabilidade jurídica e, eventualmente, o presidente da Comissão Executiva, se não for a mesma pessoa que preside ao Conselho de Administração;

 

Screenshot_20200623-091616.png

 

Comissão Executiva: composta por 3 pessoas: o presidente dessa mesma comissão executiva, o CFO e o Director do Futebol;

- é impensável que o Director do Futebol, o Director da Formação, o Director Geral do clube não tenham assento até por uma razão muito simples: Clube e SAD, não são realidades separadas, quando o Sporting Clube de Portugal entra em campo, os adeptos não olham e dizem:”Olha, lá vai a SAD do SCP entrar em Alvalade, é o Sporting Clube de Portugal”.

Devemos ter uma política harmonizada, uma estrutura profissional e uma gestão que perdure para além dos órgãos sociais. Este meu modelo, passa por uma mudança completa daquele que é o modelo operacional do Clube.»

Samuel Almeida, jurista, esclareceu não ser candidato às próximas eleições em virtude de as suas obrigações familiares e profissionais não lho permitirem mas deixou claro que no dia em que for candidato, afirmá-lo-á antecipadamente e de viva voz.

 

Adenda: No dia de hoje, realizar-se-á debate sobre os Estatutos (Revisão Estatutária). Programa e informações sobre como ver e participar, aqui.

Sporting com Rumo

Primeiro as ideias, depois as pessoas

No próximo dia 16 inicia-se um ciclo de conferências promovido pela Sporting com Rumo, uma iniciativa da responsabilidade de Agostinho Abade (ex dirigente) e Ricardo Oliveira, subordinada aos seguintes temas:

 

Governance 1 (16 de Junho, 19h00) 

Moderador: Luís Marques; Comentadores: Ângelo Correia, Carlos Feijó, Diogo Lacerda Machado, Jorge Coelho, Pedro Mourisca e Ricardo da Silva Oliveira



Governance 2 (17 de Junho, 19h00)  

Moderador: José Manuel Barroso; Comentadores: António Pires de Lima, João Duque, José Braz da Silva, Luís Filipe Meneses, Miguel Relvas e Samuel Almeida


Revisão Estatutária (23 de Junho, 19h00) 

Moderador: António Sousa Duarte; Comentadores: Alexandre Mestre, José Eugénio Dias Ferreira, Rogério Alves, Rui Alexandre Jesus, Rui Januário e Sérgio Abrantes Mendes

 

Sustentabilidade Financeira (24 de Junho, 19h00)  

Moderador: Henrique Monteiro; Comentadores: Agostinho Abade, Carlos Vieira, Eduardo Baptista Correia, Miguel Frasquilho, Ricardo da Silva Oliveira e Sérgio Cintra


Futebol e Modalidades (30 de Junho, 19h00) 

Moderador: Rui Miguel Mendonça; Comentadores: Francisco Marcos, Luís Natário, Marco Caneira, Ricardo Pereira, Rui Oliveira e Bessone Basto


Estratégia Institucional e Segurança (7 de Julho, 19h00) 

Moderador: Carlos Andrade; Comentadores: António Martins da Cruz, Carlos Anjos, Miguel Poiares Maduro, Miguel Salema Garção, Rui Calafate e Tomás Froes


Marca e Comunicação (8 de Julho, 19h00) 

Moderador: Vítor Cândido; Comentadores: Carlos Miguel, Francisco Louro, Francisco Teixeira, Miguel Almeida Fernandes, Nuno Saraiva e Pedro Paulino

 

Ao contrário do que inicialmente se previra não haverá presença de plateia física, apenas os membros de cada mesa estarão reunidos presencialmente no Tagus Park. Haverá, contudo, oportunidade para participar a partir de uma sala virtual que obriga a registo prévio.

Para além da discussão acontecida no painel de cada dia e que será transmitida através da página Facebook e canal Youtube, haverá um ecrã gigante para onde passará a emissão sempre que um dos convidados/inscritos quiser esclarecer dúvidas. Quem estiver a assistir às transmissões no YouTube e/ou no Facebook poderá submeter perguntas que serão alvo de triagem e encaminhamento para o respectivo destinatário do painel.

É uma iniciativa aberta a todos os Sportinguistas e que se compromete a redigir um documento final que materialize a troca de ideias acontecida. 

Edição *composição dos painéis retirada daqui.

De pedra e cal - Chirola, por Carmen Yazalde

Screenshot_20200528-235117.png

Imagem: Jornal Sporting - edição 3777

Faria hoje 74 anos. Nasceu a 29 de maio de 1946, em Buenos Aires, e ocupa um lugar de destaque na galeria da 'Glória' do Sporting Clube de Portugal. 

Héctor Casimiro Yazalde, jogador que dispensa apresentações, aqui retratado pela sua mulher em entrevista a Rui Miguel Tovar:

Isso é amor.
Pois é, jajajaja. Eu sentia isso constantemente, era um homem arrebatador, muito sensível, muito humano. Quando acabava os treinos do Sporting, havia sempre uns meninos pobres à porta do campo e ele tinha sempre moedas boas, não daquelas de 5 escudos, para lhes dar. O Chirola sempre foi um homem atento aos pormenores e isso fazia a diferença nas relações humanas. Antes dos jogos, era costume haver um carro como prémio para o autor do primeiro golo. Como o Chirola era quase sempre o vencedor e já tinha um BMW bordeaux que adorava, ele fazia papelinhos e sorteava o carro pelos companheiros durante o treino do dia seguinte. Quando não era um carro, era um almoço do Gambrinus. Íamos lá muito com o Di Stéfano, antes e depois de ele ser o treinador do Sporting. Ainda está aberto?

E o Chirola acompanhava-te na bebida?
Antes de me conhecer, saía muito à noite com Damas e Laranjeira. [silêncio] [Carmen começa a fungar]. O Damas era sensacional e já sei que morreu. 

Dizia que o Chirola andava na noite com o Damas e o Laranjeira.
Jajajajaja, não deixas escapar nada. Antes de me conhecer, o Chirola não podia jogar no Sporting, porque chegou a meio a época, em fevereiro, e porque as duas vagas de estrangeiros já estavam ocupadas. Ele então saía com frequência. A partir do momento em que começámos a namorar, ele passou a fazer uma vida caseira que coincidiu com o início da época em que ele já jogava.

Ai jogava, jogava.
Ele era um íman, todos gostavam dele. E não digo só os adeptos do Sporting, os do Benfica também. Notava-se na rua, o carinho dos adeptos. Ele retribuía com golos, golos e mais golos. Quando foi receber a Bota de Ouro como melhor marcador da Europa, a organização fechou o Lido e o Beckenbauer disse-lhe ‘tens a mulher mais linda de todos os jogadores do mundo’. A mulher do Beckenbauer, a segunda, não a primeira que se parecia com um homem, jajajajaja, também lhe disse o mesmo.

O Chirola sempre se deu bem com o Eusébio, por exemplo. Às vezes, jogavam o dérbi de Lisboa e depois jantávamos juntos num restaurante em Lisboa. Eles e nós, as mulheres.

O Chirola ia visitá-lo a casa quando ele não estava bem e o Eusébio retribuía as visitas durante as lesões do Chirola. Era uma amizade boa. Mas há mais do Sporting, como o Marinho.

O Chirola morreu lá em casa, em 1997.

Ainda vivia o Sporting?
Claaaaaaro, foi a melhor experiência da vida dele.

Entrevista completa, aqui.

Peça Jornal Sporting, páginas 3 e 4 da edição n.º 3777 (gratuita). [Detectados problemas no servidor que poderão impedir a consulta do jornal] 

Calendário

Screenshot_20200522-193415.png

25.ª jornada: Vitória SC vs. SPORTING CP – 4 de Junho – 21h15


26.ª jornada:
 SPORTING CP vs. FC Paços Ferreira – 12 de Junho – 21h15


27.ª jornada: SPORTING CP
 vs. CD Tondela – 18 de Junho – 21h15


28.ª jornada: 
Belenenses SAD vs. SPORTING CP – 26 de Junho – 19h15* 


29.ª jornada: SPORTING CP vs. Gil Vicente FC – 1 de Julho – 21h15


30.ª jornada:
 Moreirense FC vs. SPORTING CP – 6 de Julho – 21h00


31.ª jornada: SPORTING CP
 vs. CD Santa Clara – 10 de Julho – 19h15

 

32.ª jornada: FC Porto vs. SPORTING CP – 15 de Julho – 21h30


33.ª jornada: SPORTING CP
 vs. Vitória FC – 21 de Julho – 19h00

*sujeito a alteração

Daqui

Direito de Resposta - Miguel Poiares Maduro

Modelo Presidencialista

Inicialmente sem link para o texto de 13 de Maio.

No dia 12 de Maio publiquei excertos de um artigo de opinião assinado por Miguel Poiares Maduro no qual defendia a sua visão sobre como gerir o Sporting Clube de Portugal. Tomei conhecimento da existência do mesmo como referi na caixa de comentários através de uma publicação no Twitter.

Foi para esta rede social que remeti um dos intervenientes na caixa de comentários quando surgiu uma dúvida a respeito do modelo. Assumi o compromisso de averiguar se haveria dúvida semelhante e respectiva resposta. Deixei um tweet que não chegou a ser respondido e que já removi.

No dia seguinte, a 13 de Maio, foi neste blogue publicado um texto em que era estabelecida uma relação entre os conteúdos de um texto de 24 de Julho de 2018 e o texto de 12 de Maio de 2020 assinado por Poiares Maduro.

Pensei reagir com base nos conteúdos disponíveis na caixa de comentários da minha publicação e com os links para textos de datas anteriores aos quais cheguei com relativa facilidade via motor de busca Google [1].

Mas e da breve passagem pela FIFA, haveria rasto que enquadrasse este texto de 12 de Maio? O ponto 2 do artigo de 12 de Maio não me parecia específico ao ponto de não puder ser da autoria de Miguel Poiares Maduro. Entre a autonomia científica que se lhe reconhece e o percurso recente…

Quando não sei ou tenho dúvidas, pergunto. E foi o que fiz em e-mail enviado às 18:33 de ontem sem mencionar qualquer nome (nem blogue, nem autores de artigos). Uma hora volvida, a resposta. Resposta por escrito, com link para vídeo de finais de 2017 e um documento elaborado aquando da passagem pela FIFA (https://resources.fifa.com/mm/document/affederation/administration/02/83/69/61/standardsforeligibilitychecks_8march2017_en_neutral.pdf)

E a chamada de atenção para outro texto fundamental, de 20 de Maio de 2018, https://www.publico.pt/2018/05/20/opiniao/ensaio/como-o-jogo-mais-bonito-ficou-tao-feio-1830715/amp

Dúvidas houvesse…

Acordou-se que haveria lugar a uma aproximação ao jornalístico ‘Direito de Resposta’. Enquanto se afinavam pormenores, a realidade precipitou a compreensível necessidade de Poiares Maduro reagir ao artigo assinado por Rui Calafate publicado no Record de hoje.

Com a autorização do próprio, gostaria antes de aqui partilhar a resposta de Miguel Poiares Maduro, mais do que algumas impressões minhas, algumas das suas palavras.

«Como pode ver até o meu longo ensaio no Público (que já inclui praticamente todas essas ideias que incluí de novo neste artigo mais recente) é anterior... Ou seja, quando muito teria sido essa pessoa que me copiou a mim...! Mas também não o vou acusar disso. Sendo várias dessas ideias comuns a bons modelos de governação (embora não frequentes no futebol) pode ter-se simplesmente inspirado nisso. Não vou presumir que as foi copiar do meu artigo do Publico.»

Sinais de zanga?

«E já agora se alguns dos membros do seu grupo quiserem conversar sobre futebol e estes temas terei muito gosto.»

A porta está aberta e a carpete verde estendida. Teríamos muito gosto em lê-lo, em ouvi-lo falar sobre futebol, sobre os temas de que se tem ocupado. No dia em que quiser, sobre o que quiser, sem qualquer tipo de restrição, faça chegar o texto que muito bem entender. Da mesma forma que o coordenador achou muito bem deixar-lhe o convite sine die para um dos jantares que acontecem no Café Império.

«Terei muito gosto em me encontrar e discutir com os membros “plurais” do vosso blog quando oportuno [ou] até num evento por skipe ou zoom.»

A genuína simplicidade, ponderação e boa fé de Miguel Poiares Maduro, o movimento claro a favor de ‘paz’ são o perfeito exemplo do que para mim é ser Sporting. Ser Sporting, o Sporting Clube de Portugal já que ‘Sporting’ temos mais alguns (bem lembrado, caro Anónimo). Unir o Sporting? É este o espírito.

Não ficaria em paz com a minha consciência se não assumisse aberta e frontalmente o meu envolvimento nesta questão. Ignorava, por completo, que Rui Calafate iria abordar o assunto. E a abordagem inicialmente pensada obedecia, de facto, a outro protocolo. A realidade a impor-se e a baralhar os planos, nada de novo.

Foi nesta casa que se levantaram mais do que dúvidas, é também nesta casa que fica registada a sua resposta e por quem a procurou.

Aqui:

«O futebol é um terreno irracional e emocionalmente violento em que se aplica bem aquela máxima inglesa de que não há uma boa ação que não seja punida...
Na sequência do artigo que publiquei esta semana defendendo um modelo não presidencialista para o futebol (e o meu clube - o Sporting - em particular)
chamaram-me a atenção para que nalguns blogs sportinguistas circularia que algumas propostas do meu artigo desta semana seriam idênticas a um post publicado num blog sportinguista em 24 de Julho de 2018 por um outro associado do Sporting (nalgumas dessas críticas estaria mesmo implícito que teria plagiado estas propostas; nota importante, penso que não foi o autor do post que fez essas acusações e por isso não menciono o seu nome).
Curiosamente esse post até defende um modelo presidencialista (o total contrário do que defendo) mas há, de facto, coincidências noutros aspectos: limites à renovação de mandatos, controlos de integridade e comissão de ética para os aplicar. Acontece que eu já tinha defendido estas propostas antes de 24 de Julho de 2018... Como podem verificar já constavam, por ex, neste longo ensaio que escrevi para o Público em data anterior:
https://www.publico.pt/…/como-o-jogo-mais-bonito-ficou-tao-…
E já nem falo de as defender bem antes disso, durante a minha presidência do comitê de governação da FIFA e depois. Só que, nesse caso, são documentos e declarações em inglês. Mas para quem tiver interesse tem por exemplo alguns desses temas tratados nesta conferência que dei no Asser Sports Institute em 2017 sobre Boa Governação no Futebol (video):
https://www.lawinsport.com/…/report-from-the-first-islj-ann…
Se alguma coisa, portanto, seria eu a vítima de plágio. Mas também não acho que tenha sido isso que aconteceu com a pessoa em causa. Acontece simplesmente que alguns destes mecanismos são hoje comuns como formas de boa governação. Quem quer que estude minimamente estes temas conhece-os e pode sugerir a sua aplicação ao seu clube. Não acho que fui plagiado, mas era bom que pessoas que saltam para fazer essas acusações tivessem um pouco mais de cuidado... Ou se calhar não quiseram mesmo ter cuidado...
Um dos problemas dos que, com a sua irracionalidade e violência, passam o tempo a lançar bombas no futebol é que um dia arriscam que lhes rebente na cara»

WhatsApp Image 2020-05-12 at 16.34.54.jpeg


[1] 

https://www.tsf.pt/desporto/sporting/presidencia-do-sporting-questao-nao-se-coloca-11795272.html

https://desporto.sapo.pt/futebol/primeira-liga/artigos/futebol-internacional-tem-uma-logica-de-cartel-miguel-poiares-maduro
 
https://www.dn.pt/desporto/poiares-maduro-abandona-fifa-com-violentas-acusacoes-8470152.html
 
https://www.eui.eu/Documents/DepartmentsCentres/Law/Professors/PoiaresMaduro/cvMaduro.pdf
 
https://tribunaexpresso.pt/futebol-internacional/2017-05-11-Poiares-Maduro-Tomei-varias-decisoes-que-desagradaram-aos-interesses-fortes-no-futebol-internacional

Jornal Sporting - Sumário executivo

Pontapé de saída

Screenshot_20200514-101826.png

 

14 páginas de reflexão sobre a realidade do Clube, às quais a actual Direcção chamou 'sumário executivo'. Gráficos, tabelas, algum texto. E, acredito eu, muito material para análise e discussão.

Apresenta-se assim:

«A Estratégia do Sporting CP assenta em 4 Pilares – Pessoas, Estrutura, Sistemas de Suporte, Interacção com o Sócio – fundamentais para o cumprimento da sua missão: dar ao Sócio a melhor experiência.»

Screenshot_20200514-111127.png

Começa na página 10-11 e é de acesso gratuito. Aqui. 

 

Algumas ideias e imagens chave:

«A performance desportiva do Sporting Clube de Portugal no futebol nos últimos 20 anos teve inevitavelmente impactos directos  indirectos, no retorno financeiro do Clube. Neste período o Clube foi campeão 2 vezes, a última das quais há 18 anos, na época 2001/2002.»

«No âmbito organizacional, a estrutura do Clube tornou-se obsoleta, sobretudo fruto de desinvestimento profundo e transversal aos últimos dez anos.»

Dificuldades trazidas por Alcochete e pelo actual momento, a pandemia.

Screenshot_20200514-124934.png

Priorizou-se a correcção do déficit de tesouraria

WhatsApp Image 2020-05-14 at 13.21.22.jpeg

Screenshot_20200514-134140.png

 

Alterações aos contratos de financiamento com bancos

Screenshot_20200514-105752.png

Diz-se, entretanto, que caso o actual cenário (pandemia) tivesse acontecido em 2018, o Sporting teria colapsado financeiramente...

De seguida, e já de olhos no futuro:

Screenshot_20200514-111247.png

Screenshot_20200514-110650.png

Screenshot_20200514-110729.png

Screenshot_20200514-110559.png

Screenshot_20200514-110841.png

Esta selecção de imagens é meramente ilustrativa. Pretende, tão somente, facilitar a (eventual) interacção na caixa de comentários. Recomenda-se, vivamente, a consulta do documento original bem como o seu cruzamento com a informação contida nos RC desde que se iniciou o actual mandato. 

Edição: introdução de subtítulo.

Modelo Presidencialista - Miguel Poiares Maduro

Na sequência do texto que confrontou duas propostas de gestão do Clube/SAD, a de Tomás Froes e a de Pedro Azevedo, apresento-vos, hoje, excertos de um modelo defendido por Miguel Poiares Maduro (artigo de opinião publicado no Record). Entende que o modelo que propõe pode e deve exceder a realidade do Clube e alargar-se à própria gestão do futebol português.

«Qual é a probabilidade de encontrar nos associados do clube uma equipa altamente profissional de gestão desportiva? Nós somos apaixonados pelo clube mas poucos são profissionais de gestão desportiva.» 

«Devem ser eleições para escolher quem melhor representa os associados na escolha da gestão da SAD (e no clube onde isso também seja necessário). Desta forma alargamos substancialmente o campo de recrutamento para escolher os melhores (nacionais ou estrangeiros).»

«A concentração de poderes (na figura do presidente) que o atual modelo promove limita fortemente os instrumentos de escrutínio, responsabilização e controlo de poder. Dá-se o poder absoluto durante o seu mandato.»

«É verdade que outros têm tido vitórias com tais modelos, mas com duas características: a criação de cultos de personalidade, independentemente do que faça para vencer; a eternização no poder e a perda de controlo sobre o que se passa dentro do clube. Na prática, teme-se a venda do clube mas, depois, dá-se de graça a alguns para porem e disporem…»

«O modelo que defendo permite e exige ainda a criação adicional de um conjunto de princípios de bom governo interno: limitação de mandatos; controlos de integridade para os titulares dos órgãos sociais e os gestores da SAD; declaração de interesses e de património e controlo dos conflitos de interesse; código de conduta para dirigentes, atletas e funcionários do clube; promoção da transparência, desde a situação financeira e contratações de jogadores aos concursos para funcionários e prestações de serviços; uma unidade de ‘compliance’ e uma comissão independente de ética no clube que monitorize estas diferentes dimensões (separando as funções do Conselho Fiscal e Disciplinar).»

«Num clube com a cultura certa de gestão estas diferentes dimensões são não apenas necessárias como se alimentam mutuamente. É essa cultura que temos de promover.»

«Se passarmos a escolher quem nos representa em vez de escolhermos o ‘Imperador’ do Sporting retiramos boa parte dos incentivos perversos que fraturam o clube.»

«Esta semana tivemos um debate de qualidade entre o Tomás Froes e o Samuel Almeida iniciado nas páginas do Record. Eu estou mais de acordo com o Samuel [1], mas reconheço que ambos querem o melhor para o Sporting.»

«(…) temos de retirar o ‘Santo Graal’ do poder absoluto à presidência. Quem for eleito deve antes de mais moderar várias sensibilidades numa proposta aos sócios de um modelo de gestão profissional e na escolha dos gestores que o irão implementar. Não precisamos de mais dirigentes arrogantes mas sim de quem conheça os limites do que sabe. Não precisamos de quem queira mandar na SAD, mas de quem esteja disposto a representar os sportinguistas na escolha dos profissionais que a irão gerir.»

WhatsApp Image 2020-05-12 at 16.34.54.jpeg

Imagem: Record

[1] Está contra a venda da maioria da SAD.

Tempo de Paz?

A propósito de João Palhinha, António de Almeida reafirmava, no dia de ontem, a sua posição face ao desempenho da actual Direcção, da qual comungo plenamente:

«Frederico Varandas não pode continuar autista, ou percebe os sócios, ou tem de sair. Pela minha parte, não lhe quero dar mais benefício da dúvida, já lhe demos tempo mais que suficiente, ou mudamos de rumo, ou mudamos de presidente.»

Temo, contudo, que enquanto socialmente procuramos um novo equilíbrio no meio do caos trazido pelo coronavírus, a urgência que encontro (amos?) no esclarecimento da posição dos sócios, se esbata fatalmente. Estaremos, no Sporting, em paz? No rumo certo?

Há um rumo, sugerido por Tomás Froes, em artigo de opinião publicado no jornal Record que defende, aberta e frontalmente, a venda da SAD:

«Um caminho que se deverá iniciar com a venda da maioria do capital da SAD a um grupo de investidores, nacionais, que o deverão fazer por paixão clubística e simultaneamente como acionistas e gestores de um negócio que exige investimento (alto), competência (muita) e ADN (‘cheiro’ a futebol). Com um modelo de governance que deverá ser liderado por profissionais com elevado grau de experiência no futebol profissional. Sem olhar a nacionalidades ou preferências clubísticas, mas apenas e só aos seus CV e competência. Com um plano de investimento focado em talento, competência e profissionalismo, neste caso fora e dentro das quatro linhas. E com um plano financeiro que deverá estar comprometido com um plano estratégico a cinco anos e sustentado em três eixos. Portugal, formar! Europa, competir! Mundo, projetar.»

Há quem - para sempre parte desta casa - se oponha à venda da maioria da SAD, falo-vos de Pedro Azevedo que, de resto, já se assumiu disponível para encabeçar lista em futuras eleições para os órgãos sociais do Sporting Clube de Portugal.

«Simplesmente, sou frontalmente contra a perda de maioria da SAD por parte do Sporting. Desde logo porque seria um atestado de menoridade a todos os sócios do clube, também porque o Sporting que me deram a conhecer não é esse nem essa era a filosofia dos fundadores do clube, finalmente porque a simples mudança de mãos da gestão não significaria à partida a garantia de qualquer melhoria. Aliás, o que provocaria certamente seria maior endividamento e , caso a política desportiva continuasse no seu percurso de Titanic, seria o naufrágio total. E depois? Pedia-se ao Estado para nacionalizar o Sporting

Há, quero eu crer, quem mais no universo de adeptos, simpatizantes e sócios do Sporting Clube de Portugal, esteja disponível para constituir alternativa e sinta premência em agir.

Enquanto procuramos um novo equilíbrio no meio do caos trazido pelo coronavírus, há quem, muito legitimamente, use os instrumentos ao seu dispor para demarcar território. É neste espírito, que vos peço, Sportinguistas, que reflictam de forma fundamentada e que se posicionem. Muito para além desta caixa de comentários. No espaço cibernético de jornais desportivos. Em telefonemas para os Sportinguistas que reconheçam como alternativas válidas, às aqui enunciadas (projectos e pessoas). Para aquele jornalista realmente amigo, disponível para dar voz mediática à alternativa Pedro Azevedo. Através do envio de e-mail para os jornais desportivos, na qualidade daquilo que são, leitores atentos e interessados em ver consideradas todas as propostas apresentadas a favor do Sporting Clube de Portugal. Chamem-se os proponentes Pedro Azevedo ou John Doe.  

Não sei se os sócios decidirão ser tempo de PAz. Sinto, contudo, que a aparente paz que se vive, está podre.

O Sporting? Pela parte que me toca, estará de pedra e cal.

O recuar final? Absolutamente estratégico, acreditem. Típico leoa sabida: marco posição e, logo de seguida, deixo-te acreditar que quem manda, és tu, querido. 

De pedra e cal - Pelado em frente à porta 10 A

167082_108009149277603_4362336_n.jpg

Na imagem: Baltazar, Carlos Pereira, Carlos Espírito Santo e Vagner

 

Se a porta 10 A dispensa apresentações, o pelado contíguo, outrora palco onde craques to be se mostravam pela primeira vez, não menos.

Foi neste espaço que muitos jogadores se revelaram e outros tantos se treinaram, para gáudio dos transeuntes.

Aqui fica o registo possível, com alguns protagonistas (de uma década) ainda hoje recordados como aquilo que constituem: parte importante no sedimentar do Sporting Clube de Portugal e do Sportinguismo.

Imagem: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

De pedra e cal - A mais distinguida filial algarvia

180316_108009332610918_4012987_n.jpg

Legenda: No Jamor, o Sporting Clube de Portugal defronta o Sporting Farense. O bloco de comandados por Ronnie Allen: (na primeira fila: Carlos Pereira, Tomé e José Carlos) vai enfrentar os representantes da mais distinguida filial algarvia. Luta Familiar que não pode resultar em problema leonino.

 

O jogo aconteceu a 14 de Janeiro de 1973 e o Sporting ganhou por 4-0. Mesmo assim a equipa de Faro conseguiria ficar em 11º lugar no campeonato e chegar até às meias-finais da Taça de Portugal, troféu ganho pelo nosso Clube. A nossa equipa era comandada por Ronnie Allen que nos deixou no final da época.

No dia em que se confirma a subida do Sporting Clube Farense (1 de Abril de 1910), filial n.º 2 do Sporting Clube de Portugal, congratulo-me e partilho esta memória longínqua. 

As minhas memórias, são outras. A primeira vez que vi o Sporting Clube de Portugal em campo, foi no S. Luís, em Faro. A primeira vez que pus o pé num estádio de futebol, foi no S. Luís, em Faro. O meu Farense, é o de Paco Fortes e do temível Hassan. O meu Farense, é o que na época 94/95 garantiu acesso à Taça UEFA. O meu Farense, nossa filial n.º 2, está de volta ao palco principal do futebol nacional e eu sinto-me duplamente feliz.

O meu coração é, e será sempre, exclusivamente verde e branco, mas na próxima época, estará ainda mais palpitante.

Seja bem-vinda à Primeira Liga, cara filial n.º 2. Estou absolutamente certa de que as disputas familiares da próxima época, não vão resultar em problema, mas em grande festa leonina.

Muito obrigada, caro Leão da Amadora.

 

Imagem: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

*Edição: distinguida por distinta (legenda e título).

Persistência da Memória II

Di Stéfano

ces_yazalde.jpg

Legenda: A equipa do Sporting efectuou ontem, no Estádio Nacional, o seu primeiro treino sob o comando técnico de Di Stéfano. Aqui vemos [Carlos Espírito Santo, círculo em redor da cabeça] o ex-barreirense Valter, o novo recruta «leonino», na execução de um exercício, seguido de Baltasar e Yazalde. [7-8-1974]

 

Após partilhar uma imagem de Alfredo di Stéfano no Estádio do Jamor na qualidade de treinador do Sporting Clube de Portugal, tomei conhecimento da existência de uma entrevista concedida por Fernando Massano Tomé, em 2018, a Rui Miguel Tovar ao longo da qual abordou a passagem de Di Stéfano pelo nosso Clube.  

 

E o que se passou entre ele o Di Stéfano?
Eles não se davam bem. Houve um dia, durante o estágio no Brasil, em que o João Rocha sentou-se ao lado do Di Stéfano e ele saiu da mesa. Beeeem, estás a ver? A verdade é que o Di Stéfano nem ficou aqui para a primeira jornada do campeonato, quando perdemos 1-0 em Faro com a Olhanense. Nesse dia, foi o adjunto Osvaldo Silva quem assumiu a equipa.
 
E o Di Stéfano, que tal?
Ele percebia de futebol, só que estava acostumado ao futebol espanhol.
 
Isso quer dizer o quê?
Por exemplo, ele só queria guarda-redes que fossem bisarmas. Chegou aqui e apanhou dois fininhos: Damas e Botelho.
 
Bolas, o Damas?
E o Damas já era da seleção, só que o Di Stéfano até disse ao João Rocha que precisava de um bom “portero”. E ainda um bom defesa-esquerdo, quando tínhamos o Inácio e o Da Costa.
 
E o João Rocha?
Disse-lhe que não, claro. E até sugeriu, em tom de brincadeira, que metesse o Chico Faria à esquerda.
 
E depois?
O Di Stéfano saiu e assumiu o adjunto Osvaldo Silva. Depois veio o Fernando Riera, chileno. Tinha o hábito de beber um Dão aquecido antes dos jogos.

 

Ficam esclarecidos os contornos da passagem de Di Stéfano pelo Sporting bem como os motivos que terão estado na origem da sua curta permanência.

 

Imagem: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

De pedra e cal - Gente que foi do Sporting

Gente queFoiDoSCP1980.jpg

A 5 de Janeiro de 1980 este grupo de ex-jogadores do Sporting reuniu-se em Leiria, treinou e, presumivelmente, jogou.

A de 1 Maio de 2020, no Dia do Trabalhador, aqui estão: Gente que foi do Sporting

Talvez não ambicionasse à data, talvez nem sonhasse que viria um dia a ser nosso treinador. Jorge Jesus, homem que desperta ódios e paixões, faz parte da história passada e recente do Sporting Clube de Portugal. 

À sua maneira, cada um destes homens contribuiu para o que o Sporting Clube de Portugal hoje é.

Legenda recorte: GENTE QUE FOI DO SPORTING - incluindo Fernando Peres, nada menos de dez unionistas já passaram pelo Sporting. Antes do treino de conjunto, os ex-leões: Jesus, Quaresma, Pinhal, Garcês, Fernando Peres, Espírito Santo, Dinis II, Tomé, Padrão e Dinis.

Comentários Facebook:
Carlos Padrão: LOL... o tempo volta para trás, boaaaaaaaaaaaa LOL

Fernando Massano Tomé: Do passado vivem os museus como alguém já disse, mas é tão bom recordar velhos tempos, irmanados no mesmo sentimento e amizade, um grande abraço para todos os da foto e para os outros.  

Fonte: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

Persistência da Memória

Alfredo di Stéfano

A passagem de Alfredo di Stéfano pelo Sporting foi breve. Considerado por muitos o melhor jogador de todos os tempos, sentou-se na cadeira de treinador durante o início da época 74/75. Em comentário a esta imagem - no perfil Facebook de Carlos Espírito Santo - disse o nosso jogador Tomé que Di Stefano saiu após o primeiro jogo para o campeonato (que se jogou em Faro e que o Sporting perdeu por 1-0). Numa peça a propósito da sua morte, é dito que não chegou a sentar-se no banco. Podereis esclarecer, Sportinguistas?

Graças à natureza supersónica da sua passagem pelo Sporting, Alfredo di Stéfano não alcançou a Glória que se esperaria, ainda assim, aqui fica este registo para a posteridade efectuado no Estádio Nacional, no arranque da época 74-75. Nessa época o Sporting sagrou-se campeão nacional e o treinador nascido na Argentina, voltaria a treinar apenas na época seguinte (Rayo Vallecano).

Que me lembre, esta foi a primeira e única fotografia em que vi Don Alfredo di Stéfano ao serviço do Sporting.

167298_108009195944265_2406660_n.jpg

Fonte: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

De pedra e cal - Pedro Gil Gómez

IMG-20200217-WA0005~2.jpg

Desde o dia em que cheguei que tento, sempre, ser um profissional o mais responsável possível para que estejam orgulhosos de me ter cá. Tenho de dar retorno com esforço, dedicação e devoção, tendo conseguido a glória.

O nome é-lhe, certamente, familiar. O rosto não será excepção e às suas palavras - extraídas de uma entrevista concedida ao Jornal Sporting a 18 de Outubro de 2018 - associará, provavelmente, entrega, garra e uma combatividade dentro do rinque que fazem de Pedro Gil Gómez uma referência incontornável para os adeptos leoninos. O que talvez não saiba é que este mesmo Pedro Gil Gómez, todo ele bravura reconhecida e temida no terreno de jogo, é também disponível e afável comunicador, no um para um, fora do rinque. Sem a presença de câmaras, vem à superfície uma faceta bem disposta que (muito) me surpreendeu. De tal forma surpreendida que, ao vê-lo sair do Pavilhão Arena (antes de a equipa rumar a Lisboa), braços esforçados na contenção de inúmeras garrafas de água e maçãs arrebanhadas da área reservada do pavilhão que distribuiu pelos pequeninos a quem não negou conversa, não fui capaz de reagir a tempo de imortalizar o momento. Na fotografia que se segue, avista-se apenas uma maçã (ombro esquerdo da criança de camisola branca) e a atenção que o exigente público lhe devotava. Sim, Pedro Gil regressou ao local do saque para averiguar a possibilidade de desviar algo mais que servisse de memorabilia. Parece que a ideia de sair de Portimão em pelota, não o agradou muito. Para vosso descanso, informo que nenhum sofá, mesa ou cadeira passaram à frente dos meus olhos.

IMG-20200217-WA0006.jpg

Assisti à distância, fiz o registo físico possível - à traição, glup! - longe de imaginar que um dia estaria a partilhá-lo com uma audiência alargada. Sportinguistas? Com Pedro Gil Gómez confirmei que a verdadeira beleza não é ditada pela onomástica, não se esgota na rigidez da simetria e perdura no tempo muito para além do que é visível aos olhos. A beleza dos gestos de Pedro Gil Gómez perdurará - acredito eu - na memória da pequenada desfocada. Segundo o pai do guarda-redes da equipa infantil local - camisola e meias brancas, calção preto - o filho, é do Benfica no futebol mas é do Sporting no hóquei. Tenho as minhas protecções autografadas pelo Girão e pelo Zé Diogo!  - dizia-me, orgulhosa, a jovem esperança. Ai sim? Então agora, estás obrigado a ser o próximo guarda-redes da selecção nacional (nivelar por baixo, eu!?). Arregala os olhos, sorri em transe momentâneo, abre a boca: Woooow!Woooow passou por mim, sem dar pela minha presença, acompanhado pelas meninas e antes de mordiscar o pitéu (maçã verde) que lhe calhou em sorte, sentenciou: O Pedro Gil, é mesmo fixe!

Concordo, Woooow, o Pedro Gil, é mesmo fixe. Talvez não saibas, Woooow, mas o Pedro Gil, faz hoje 40 anos, e, desconfio eu, continuará na tua memória daqui a outros tantos. 

São estes pequenos apontamentos que aqui e ali, deixam marca de quem e como somos, e que me fazem crer que o Sporting jamais desaparecerá. São estes pequenos apontamentos que raramente chegam a grandes audiências, invisíveis aos sentidos da larga maioria de nós, que sedimentam e projectam o Sporting para o futuro.

Muito obrigada, Pedro Gil. Saiba que fiquei e estou genuinamente muito orgulhosa por tê-lo cá. Feliz aniversário e... até Setembro (espero eu). 

 

Caso queira saber mais sobre Pedro Gil Gómez:

Takeover Perfil Instagram do Sporting Clube de Portugal, 15 de Abril de 2020.

 

Excertos de entrevista concedida ao Jornal Sporting a 18 de Outubro de 2018

Seis vezes campeão do mundo e considerado um dos melhores hoquistas da actualidade, que fase representa o Sporting na sua carreira?

Aos 36, quando vim para cá, percebi que chegava a um Clube que me dava condições a nível desportivo e de tudo o resto. Como digo desde o início, fiquei impressionado com a sua grandeza. Surpreendeu-me muito. Temos tantas modalidades, tantos atletas… é o melhor, tantos atletas… é o melhor Clube em que estive. Com esta idade, sentir isso, é importante, porque tento estar sempre num sítio que me motive e estou no melhor por onde passei. Estou agradecido por poder vestir esta camisola, que tem muito peso. Desde o dia em que cheguei que tento, sempre, ser um profissional o mais responsável possível para que estejam orgulhosos de me ter cá. Tenho de dar retorno com esforço, dedicação e devoção, tendo conseguido a glória.

Tendo já passado por diversos campeonatos e clubes, o que é que difere este dos outros?

Cada clube tem a sua mística, a sua forma de viver, mas o Sporting tem um sentimento muito especial, com o qual me identifico. Gosto de viver as coisas muito intensamente, tal como fazem os nossos adeptos. Essa, é a melhor parte. Quando estás num sítio onde sentes que vivem ao máximo o Clube, em que vêm aos jogos e te apoiam tanto no Pavilhão como na rua, faz valer a pena.

 

Entrevista concedida ao site maisfutebol a 27 de Maio de 2019

Pedro Gil, o jogador de hóquei em patins, dispensa apresentações. E o homem, como é?

(envergonhado) Não há muito para dizer, sou uma pessoa muito simples e muito reservada, que gosta de estar com os seus - família, animais e amigos - em casa e que basicamente leva a vida de casa-treino e treino-casa. Não tenho grandes hobbies, sou muito focado no hóquei em patins e nas pessoas que me são próximas.

Não tem grandes hobbies, mas tem um grande vício...

Sim, as tatuagens são um vício (risos).

Quantas tem... sabe ou já perdeu a conta?

Já perdi a conta, devem ser umas 50.

Têm todas significado?

Não, nem todas. Algumas têm a ver com a minha família e com a minha carreira, outras são animais fortes com os quais me identifico - leão, tigre, dragão -, e outras foram feitas para encher ou porque o tatuador quis fazer.

E ainda há espaço para mais?

Há, claro, arranja-se sempre (risos).

E para si, no hóquei em patins? Tem 39 anos e joga há mais de 20....

Não sei dizer com que idade acabarei ou dizer o momento exato, a única certeza que tenho é que quero acabar em boa forma. Não me quero arrastar. De há algum tempo para cá, penso ano a ano porque não sei o que o corpo me vai deixar fazer.

Mas, e ao fim de tanto tempo, continua motivado?

Claro! Continuo super-motivado e acordo todos os dias com vontade de treinar e de ser melhor, porque sei que posso melhorar sempre alguma coisa.

E se terminasse agora a carreira, estava mais do que satisfeito com tudo aquilo que fez e conquistou?

Sim, mais pelo que fiz, e faço, do que pelos títulos. Os títulos, ainda que obviamente goste muito de os ganhar, dizem-me pouco. Interessa-me mais o meu trabalho diário, o querer ser melhor todos os dias e mostrar-me a mim mesmo que sou o melhor ou dos melhores nos treinos e nos jogos.

E quando terminar a carreira pensa ser treinador ou imagina-se a fazer outra coisa?

Já tenho o curso e fiz estágio nos juniores do FC Porto e nos sub-20 do Marmi. Gostei muito disso e gosto muito de ensinar os miúdos, mas para já não quero pensar nisso e sim em jogar que é algo de que gosto muito. O que eu gosto mesmo é de jogar e andar lá dentro a divertir-me. Sei que aquilo que fizer a seguir não vai ser tão bom, que não vou gostar tanto. Por isso, de há um ano para cá, tento desfrutar de todos os treinos e jogos porque sei que é menos um dia que tenho.

Fotografias: da minha autoria, tiradas a 22 de Setembro de 2019 em Portimão - Torneio Elite Cup

De pedra e cal - Do passado que nos liberta para o Futuro

Antes ainda de pai e mãe “AL” namorarem – acontecimento que precede o meu nascimento em muitos anos –, já Sporting Clube de Portugal contava com mais de 60 anos de existência, fizera-se representar em diferentes recintos desportivos em Portugal e pelo Mundo, conquistando simpatizantes e mobilizando adeptos. Afiliando, naturalmente, todos aqueles que, reunindo condições para o efeito, quiseram formalmente assumir-se Sportinguistas.

Quem, como eu, nasceu na década de 80, descobre rapidamente que há uma riquíssima história que nos precede, que se desenhou com base na visão extraordinária de um conjunto de Homens e co-construiu (e constrói) graças à acção directa de outros tantos.

Esta história que nos precede a todos ganha vida de cada vez que homem, mulher ou equipa se apresentam competidores de Leão Rampante ao peito. A cada entrada num recinto desportivo, é o Sporting Clube de Portugal que projectamos para o futuro.

No dia em que celebramos a Liberdade, evoco uma memória ainda viva – porque feita de experiência vivida – para alguns dos Sportinguistas que por aqui passam. Abro espaço a que o glorioso passado seja trazido para o presente, para que nunca esqueçamos como aqui chegámos, onde deve, por isso, estar a tónica, qual é o fim último da acção directiva e quem são os verdadeiros protagonistas. Foi em torno de protagonistas como aqueles que aqui vos trago, que Sporting Clube de Portugal cresceu, expandiu-se e existe até aos nossos dias.

No dia em que celebramos a Liberdade, agradeço – especialmente – aos estimados Leão de Queluz, Fernando Albuquerque e (saudoso) Carlos Silva, pela riqueza inestimável de tantas partilhas, acontecidas a cada interacção. São a viva voz, no presente, do glorioso passado, e que muito contribuem para que todos nós saibamos garantir o futuro. E o futuro assegura-se de cada vez que sedimentamos o que realmente importa. É graças à acção combinada dos protagonistas de outros tempos, à vossa devotada presença que sabemos exactamente como estar - quem somos, de onde vimos – e como manter os olhos postos na Glória, projectando-nos para o futuro.

Feliz dia da Liberdade, Sportinguistas. Contem comigo para ser sempre parte da acção combinada que assegurará que o nosso Sporting é livre.

Será sempre graças à acção combinada dos verdadeiros protagonistas que o Sporting Clube de Portugal está de pedra e cal.

179403_108009305944254_4096180_n.jpg

Na legenda: A 24 horas de ir para férias, o Sporting tira a clássica foto que recorda uma época de trabalho. Em cima, o treinador-adjunto Osvaldo Silva, massagista Monteiro, Damas, Chico, Fraguito, Espírito Santo, Tomé, Caló, Yazalde, o treinador Mário Lino, o novo reforço Baltasar, Bastos Alhinho, Carlos Pereira, Pinhal, José Carlos e o massagista Manuel Marques. Ajoelhados: Gonçalves, Hilário, Joaquim Rocha, Moniz, Álvaro Jorge, Márinho, Dinis, Nelson, Manecas, Manaca, Vagner e Botelho.

Fonte: acervo pessoal do antigo jogador Carlos Espírito Santo, com o meu sentido agradecimento ao seu filho, Ricardo Espírito Santo.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D