Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Entrevista a Erick Mendonça - Jornal Sporting

Screenshot_20210304-142310~2.png

Maria Gomes de Andrade e Mário Morgado Ribeiro; Pedro Zenkl

 

Erick Mendonça renovou a ligação ao Sporting Clube de Portugal, onde chegou ainda em idade júnior. Depois de três épocas entre o CRC Quinta dos Lombos e a AD Fundão, o fixo regressou para se afirmar e tornar-se peça fundamental da equipa de Nuno Dias, tendo também já ganhado o seu espaço na selecção nacional. Em entrevista ao Jornal Sporting e à Sporting TV, Erick Mendonça falou do passado e do presente, deixando ainda um repto a todos os Sportinguistas.

 

Três temporadas depois do regresso, renovação. Era algo que já ambicionava?

Sim, por várias razões, mas principalmente porque se o Sporting CP renovou comigo é porque estou a fazer um bom trabalho e porque acredita em mim. É um casamento feliz e, por isso, cabe-me continuar a trabalhar para representar e dignificar esta instituição da melhor maneira.

 

Este novo contrato deu-lhe uma maior responsabilidade? 

Eu tenho uma forma muito peculiar de ver a responsabilidade. Sinto-me responsável, mas gosto de levar as coisas de ânimo leve. Ainda assim, obviamente, quem representa o Sporting CP sabe a responsabilidade que isso acarreta, mas gosto de pensar que tenho as mesmas obrigações que tinha antes de renovação.

 

O Erick Mendonça tem apenas 25 anos, é um jovem, mas ao mesmo tempo é já dos mais experientes do plantel. Vê isso de forma positiva?

Não sei se gosto que me coloquem no mesmo patamar do Cavinato, Merlim, Cardinal ou João Matos... (risos). Claro que é positivo ser dos mais jovens - ainda que agora tenhamos uma fornada ainda mais jovem - e já ter alguma experiência. Isso dá-me bagagem e a capacidade de transmitir algo aos mais novos.

 

"GOSTO DE PENSAR QUE TENHO A MESMA RESPONSABILIDADE QUE TINHA ANTES DE RENOVAÇÃO"

 

E os mais novos vêem-no como um exemplo e pedem-lhe conselhos ou não?

(risos) Alguns... o Zicky tem a mania que sabe tudo, a alcunha dele até é "o mais" porque ele diz que é o mais em tudo. Se alguém diz que salta 30 metros, ele diz que salta mais, se alguém faz quatro golos, ele diz que marca mais... Ele diz que só responde com trabalho, mas está de chuva (risos). Até é o pior no 25, que é um jogo que nós fazemos.

(...)

Agora mais a sério, fora de brincadeiras.. não sou o mais velho e por isso também acabo por ter uma proximidade maior com eles, mas, ao verem-me como um jogador experiente, esses conselhos acabam por surgir de forma natural. Penso que mais com o Tomás Paçó, porque jogamos na mesma posição, ainda que dê conselhos a todos.

 

Que tipos de conselhos é que lhes costuma dar?

Técnicos mais ao Paçó, mas, por norma, os conselhos que mais dou têm a ver com a forma de estar e de como lidar com algumas situações porque não é fácil, e há uma diferença muito grande entre um plantel de séniores e um de júniores. Eu que fiz essa transição noutras equipas e sei como é complicado, sobretudo no balneário. O nosso balneário é espectacular, mas, por vezes, é difícil encontrar o nosso lugar.

 

E o Erick fez a transição em balneários e clubes com objectivos totalmente diferentes dos do Sporting CP. Ter vivido outras realidades foi importante para si e para a sua carreira?

Foi muito importante. Eu saí do Sporting CP para o CRC Quinta dos Lombos quando tinha acabado de chegar aos séniores e apanhei uma estrutura incomparável à do Sporting CP e depois saltei para a AD Fundão num patamar mais profissional. Acho que é importante passarmos por essas fases. Se não tivermos de as passar e se nos soubermos adaptar, melhor, mas acho que é importante por vários aspectos e até para vermos a diferença entre ser amador e profissional. Por vezes, quando temos tudo, não damos valor ao resto - que até é o mais normal.

 

De tudo aquilo que viveu nessas experiências, o que é que o ajudou mais a crescer?

A derrota. Nesses clubes perdia mais vezes do que ganhava, sobretudo no CRC Quinta dos Lombos. E isso fez-me também batalhar por objectivos diferentes. São outras realidades. E o balneário também é muito diferente. O nosso é incrível, mas num balneário profissional, como é o do Sporting CP, os objectivos são outros e a exigência também. Num treino no CRC Quinta dos Lombos ou na AD Fundão se as coisas não me corressem bem, ok, no próximo corre melhor, mas aqui se não correr bem tenho logo o Cavinato a chatear porque falhei ou não lhe passei a bola. É uma exigência diferente.

 

Regressou totalmente diferente após três anos fora ou não?

Obviamente que sim e regressei com muita ambição, mas também sem saber aquilo que me esperava. Saí da AD Fundão um menino e tornei-me num homem. Defrontava o Sporting CP e tinha perfeita consciência da qualidade da equipa, então pensava 'onde é que eu me vou integrar ali? Qual vai ser o meu papel?' Felizmente, acho que soube perceber onde seria importante e, por isso, o primeiro ano acabou por ser superpositivo para mim.

 

Ainda assim, o Erick já conhecia a estrutura... ou encontrou muitas diferenças?

Encontrei. A organização era outra, assim como a competitividade e a qualidade. No meu regresso encontrei um Sporting CP mais profissional do que já era na minha altura.

 

E acreditava que se poderia afirmar tão depressa como veio a afirmar?

Não, de todo. Fizemos um primeiro estágio em Ansião, no qual jogámos com o CCRD Burinhosa, e depois tivemos a Master Cup, no Algarve, contra o Inter FS e o Magnus Futsal, e tive muitos minutos, mais do que eu achava que ia ter. Com isso senti que poderia ser aposta, ainda que com algumas reticências. Depois, felizmente, o meu primeiro jogo em casa, frente ao CF "Os Belenenses", correu-me muito bem.

 

Aconselhou-se com alguém ou no regresso já sabia o que tinha de fazer?

Quando era novo, agarrei-me muito ao Matos, por várias razões. Vivíamos perto, ele dava-me sempre boleia e aí trocávamos muitas ideias. Quando regressei já conhecia o Matos, mas procurei beber um pouco de todos a todos os níveis. Inicialmente, acho que passei mais tempo com o Pany e, por isso, talvez seja aquele com quem me dou mais actualmente.

 

Que conselhos é que mais o marcaram?

(pensa) Ui, não sei, recebi tantos, mas acho que aquele que foi fundamental para eu dar um salto qualitativo no meu jogo foi um do Leo e depois do Nuno Dias. O facto de ser fixo e a bola chegar ao pivô e eu querer ir lá e bater nele a toda a hora, mesmo que ele estivesse nos dez metros e eu no meio-campo. Foi uma das coisas que o Leo me ensinou: não preciso de ir lá bater e fazer uma falta parva - ajudou-me muito.

 

"CHAMPIONS? FOI INCRÍVEL E FOI LOGO NO MEU PRIMEIRO ANO"

 

E tinha regressado com que objectivos?

Muitos. Ganhar todas as competições internas - até agora escapou-me uma -, afirmar-me, conseguir que o Sporting CP me levasse à selecção nacional e vencer a UEFA Futsal Champions League, mas o objectivo da Champions estava guardado na gaveta... não achava que ia ser logo à primeira.

 

A conquista da Champions League foi o ponto mais alto até este momento?

Sim, não tem como não ser. Além de ser o maior título europeu, também porque nunca pensei que o pudesse ganhar logo no primeiro ano. Os astros alinharam-se todos e aquela semana foi incrível. Desde chegarmos lá e as malas com os nossos ténis não aparecerem, à forma como tudo se desenrolou. Foi incrível.

 

O árbitro apitou para o final do jogo e o Erick ajoelhou-se e agarrou-se à camisola. Do que é que se lembra mais?

Lembro-me de o Leo aliviar a bola lá atrás, começar a correr e, depois, de ver o Luis Ribeiro (fisioterapeuta) a entrar no campo com uma bandeira do Sporting CP e o Cardinal a mandar vir com o árbitro para ficar com a bola de jogo, porque ele gosta sempre de ficar com a bola, e o árbitro dizer-lhe que não (risos). Depois disso, acho que não me recordo de mais nada.. foi só festejar.

 

Foi uma semana inesquecível que acabou da melhor maneira...

Sim. Foi uma semana incrível. Desde chatear o Castelo (Luis Santos Castelo, jornalista do Jornal Sporting) - só ele sabe o que sofreu, é bom rapaz - ao almoço com o presidente depois de vencermos. Os jogos com o Carlinhos [roupeiro], o Andrew [fisioterapeuta], o doutor. Essas são as memórias que tenho dessa semana. Os astros estavam alinhados e mesmo aquilo que correu mal antes serviu para embelezar ainda mais essa vitória.

 

Teve logo noção daquilo que tinham acabado de conquistar?

Lembro-me de só querer festejar e de dizer para não falarem comigo porque só queria era aproveitar, mas não tinha bem a noção do que se tinha passado. Só percebi quando chegámos a Lisboa, disseram-nos que tinhamos de sair por outra porta e ir para o pavilhão. Ninguém sabia como é que estaria e quando chegámos... estava cheio. Aí é que nos caiu a ficha.

 

Dedicou essa conquista à sua avó. Porquê?

A minha avó foi como uma segunda mãe para mim. É um cliché, mas é verdade. Foi com ela que viemos viver quando a minha mãe veio do México com os filhos nos braços e era ela que ficava comigo quando a minha mãe ia trabalhar. Mesmo depois de já não vivermos com ela, quando a minha mãe saía de casa às 7h30 para ir trabalhar e eu ia jogar para o ringue até às 9h que era quando a minha avó ia à janela e me chamava para ir tomar o pequeno-almoço com ela. Para mim é especial. Era a melhor avó do mundo.

 

Apoiava-o nisto do futsal?

Infelizmente, ela partiu quando eu comecei a ter algum relevo, mas ela adorava futebol e era louca, mesmo louca, pelo Sporting CP - e pelo CS Marítimo porque era madeirense. A minha família é toda do Sporting CP e havia todo um ritual em casa dela quando o Sporting CP jogava e foi ela quem me passou alguns valores do Clube. Tenho pena que ela não tenha visto alguns dos momentos que tenho vivido.

 

Tem até uma tatuagem em homenagem a ela...

Sim. Tenho uma estrelícia, a flor favorita dela - acho que é típica da Madeira -, e um M. L. de Maria Lídia para eternizar a memória dela. Com isso acabo por ter um ritual de jogo que é beijá-la a ela e ao meu avô.

 

Além dessa particularidade, o Erick tem também algo que o caracteriza muito. Porquê tantos penteados e cores de cabelo?

(risos) Há quem me diga 'Erick, representas o Sporting CP e já tens outro tipo de imagem no Clube, se calhar isso não cai bem aos adeptos', mas eu não deixo de ser quem eu sou pelo penteado verde, rosa ou amarelo porque cumpro dentro de campo. Eu sou assim, acabo por ter alguma irreverência e gosto que as pessoas se divirtam comigo. Não o faço para ser engraçado, é assim que eu sou e não tenho de ser julgado - atenção, não sou - por causa do cabelo. Esse é para aproveitar que seja agora enquanto não tenho filhos porque quando tiver eles vão querer fazer como eu (risos).

 

Sendo assim, qual vai ser a próxima cor?

Não costumo revelar, mas acho que vai ser rosa (risos).

 

Voltando ao futsal e falando sobre esta época. Soma 25 jogos e 14 golos marcados, tendo ultrapassado a sua melhor marca de golos. Podemos dizer que estamos perante o melhor Erick.

Eu quero acreditar que o melhor ainda está para chegar. Estou bem, mas ainda estou longe daquilo que posso fazer. Ainda assim, sim, estou no melhor momento tanto a nível de golos, como de assistências e de jogo jogado. Resta-me continuar.

 

"O SPORTING CP FORMA HOMENS DE CARÁCTER QUE SABEM LUTAR PELO CLUBE"

 

João Matos, Erick Mendonça e Tomás Paçó: os três formados no Sporting CP. Isso quer dizer que o Clube produz bons fixos?i

(risos) Isso quer dizer que se produzem, pelo menos, atletas com raça. Acho que ser fixo não é difícil, ainda que tenha de se saber ler o jogo, mas isso ganha-se, acho que é preciso é ter raça. Acho que a nível ofensivo é preciso possuir uma capacidade que se tem ou não, mas ao nível defensivo o fundamental é ter atitude. Só passa por mim quem eu quiser e se eu permitir. Ainda assim, mais do que se formarem bons fixos, formam-se homens de carácter que sabem o que é lutar e batalhar pelo Clube.

 

E o que dizia o Erick de hoje àquele que se estreou na equipa principal do Sporting CP em Agosto de 2013?

Diria tu não jogas nada (risos). Ainda hoje sou gozado, principalmente pelo Pauleta, que diz aos miúdos 'se vocês tivessem noção de como jogava o Erick quando era júnior, ninguém diria que estar aqui agora' (risos). Por isso, acho que era isso que lhe dizia: 'sai daí que não estas aí a fazer nada'.

 

E se não estivesse aqui hoje, estaria onde e a fazer o quê?

Boa pergunta. Gosto de muitas coisas, mas o que estaria a fazer não sei. Estou muito bem como e onde estou e não quero mudar para já.

 

Que objectivos é que se seguem então?

Ganhar tudo e aquilo que ainda não venci. Tenho em mente o Campeonato Nacional, que ficou pendurado no ano passado.

 

"NADA ME DÁ MAIOR PRAZER DO QUE VER O SPORTING CP A UNIR-SE NOVAMENTE"

 

E aos adeptos quer dizer alguma coisa?

Sim, que continuem a ser ecléticos e a apoiar o Sporting CP.

Nada me dá maior prazer agora do que ver o Clube a unir-se novamente e falar com algum amigo Sportinguista que estava bem escondido, porque não sentia a mística, e agora sente e diz que está nervoso antes de um jogo. Que isto nunca se perca. Somos o melhor Clube do mundo. Certamente que quando houver público isto vai ser ainda mais bonito e, se remarmos todos para o mesmo lado, o futuro será risonho.

Screenshot_20210304-142354~2.png

 

Fonte: Edição N.° 3809 do Jornal Sporting

Saudades suas, Jérémy

"Eu preciso de afeto e no Sporting tive-o, incentivavam-me, mas no Barcelona nada. Por exemplo, num jogo contra o Málaga cometi um erro, ninguém me disse nada no dia seguinte, nada, nem uma frase", acrescenta o antigo defesa do Sporting.  Jérémy Mathieu, entrevista à rádio RAC1

 

Screenshot_20210223-091734~2.png

Imagem: retirada da internet

O Santo Graal ignorado: a forma como nos fazem sentir. A base a partir da qual tudo se constrói. 

Terei sempre saudades suas, Monsieur Mathieu.

De pedra e cal - Formação de Talentos: duas actualizações e um agradecimento

Verdadeiro ADN Sporting

 

Acreditem na formação, estejam atentos à formação que o Sporting tem muito talento na formação e de mim, podem esperar tudo por este Clube.

 

IMG-20200802-WA0059~3.jpg

Aurélio Pereira e Gonçalo Simões Dias 

As palavras são de Gonçalo Simões Dias jogador que muito recentemente assinou contracto de formação com o Sporting Clube de Portugal o que, em termos práticos, significa que integrará uma equipa na nossa Academia, em Alcochete, e que não só já havia sido destacado, aqui, no És a Nossa Fé, como foi apresentado como central de 2006 de grande classe, jogador de enorme qualidade técnica e dimensão física.

Diz a voz off da peça apresentada pela Sporting TV (na qual se comunicava a assinatura deste jovem jogador) que veio da Academia Sporting do Sul do País. Digo-vos eu que este jogador fez apenas um jogo treino pela AFS – Algarve e participou apenas num torneio organizado pelo então responsável máximo pela AFS – Algarve, torneio este disputado por: Sporting Clube de Portugal, Linda-a-Velha, Quarteirense, Armacenense e Padernense. Gonçalo Simões Dias esteve integrado, sim, no Padernense Clube, clube ao qual pagamos para utilizar as instalações e onde acontecem os nossos treinos (AFS – Algarve).

O caminho é longo, este é apenas mais um pequeno passo, mas o Gonçalo é produto, sim, da teimosia e know-how (perdoem o anglicismo) feito de experiência acumulada de um ex-colaborador nosso. Homem que desafiou o cânone e ousou encontrar uma alternativa à rigidez estéril.

Esclareço: até aos 12 anos os jogadores são integrados nas AFS e a partir dessa idade, ou integram a Academia em Alcochete ou não preenchem os requisitos para treinar num Clube como o Sporting e são convidados a procurar outras solucções (o Sporting mantêm-os, ainda assim, em observação). Há quem, na área da formação de talentos, saiba que alguns jogadores revelam qualidades que nos interessam depois desse limite rígido. Foi com base nesse conhecimento empírico que João Nunes juntou vários jogadores com 12 anos que não interessavam ao Sporting Clube de Portugal, Sport Lisboa e Benfica (proveniência do Gonçalo, dispensado do Seixal) e a outros clubes, 13 anos em situações em que só o treinador acreditava, 14 anos apenas em condições muito excepcionais, e criou uma equipa em parceria com o Padernense. O Padernense pagou todas as despesas inerentes à existência desta equipa, competindo a mesma com as suas cores, constando Simão Mendes como treinador na ficha de jogo, e João Nunes treinou-a de forma pro bono, com um compromisso assumido: em caso de sucesso, seriam jogadores a integrar no Sporting Clube de Portugal. Foi a forma que encontrou para aumentar a possibilidade de “descobrir” (trabalhar) talentos para os do Leão Rampante para além das imposições ditadas pelo cânone e… pela sua folha de vencimento e orçamento nunca ultrapassado.   

No caso do Gonçalo, a Glória é ainda maior já que depois de os técnicos do Seixal dispensarem o jogador, só os responsáveis pela formação do Sporting, no Algarve, acreditaram no seu potencial e, acresce, que jogador e pais deram um verdadeiro salto de fé: se quiserem que o Gonçalo seja um jogador “normal”, que continue a lateral e extremo [posições em que treinou/jogou no Seixal]. Se quiserem excelência têm de deixar-me treiná-lo a central.

Gonçalo Simões Dias, 15 anos, central, tem hoje em Gonçalo Inácio a sua grande referência.

O caminho é longo, este é apenas mais um pequeno passo, mas o Gonçalo é produto, sim, da teimosia, trabalho árduo e know-how (perdoem o anglicismo) feito de experiência acumulada de um ex-colaborador nosso e de um outro que ainda o será. Digo, ainda o será, já que neste período sombrio, prenhe de incertezas, não se sabe quando a implacável pandemia poderá alargar o raio de consequências condensado no despedimento colectivo de todos conhecido.

Já se sabe que, ser bom, muito bom, ter provas dadas ao serviço do Sporting Clube de Portugal, pode não ser suficiente para assegurar que um colaborador se mantem ao serviço… do Sporting Clube de Portugal. 

 

Screenshot_20210212-160823~2.png

João Simões

Diz a peça escrita que João Simões, outro jovem jogador que assinou contracto de formação com o Sporting, nos chegou vindo do Portimonense. João Simões fez a sua formação inicial no Portimonense. É, dentro do universo Sporting, o chamado jogador de fim-de-semana. Ou seja, durante toda a época 2018/2019, treinou sempre na Escola Academia de Formação Sporting Algarve (AFS - Algarve), rumando a Lisboa, ao Pólo EUL, ao fim-de-semana, para competir. Situação que se repetiu durante a toda a época 2019/2020, até ao confinamento. Também João Simões já foi apresentado aqui, no És a Nossa Fé: 8, que pode ser um médio de cobertura também.

 

Screenshot_20210212-161750~2.png

Afonso Atanásio Cunha

Há um terceiro jogador que aqui, no És a Nossa Fé, foi apresentado como Afonso Cunha, que se intitula 'Afonso Cunha' no seu perfil de facebook, que se chama Afonso Atanásio Cunha, e que foi apresentado pelo Sporting Clube de Portugal como ‘Atanásio Cunha’ aquando da assinatura do seu contracto de formação em Janeiro último. Foi, aqui, no És a Nossa Fé, dado a conhecer como central, pé direito, posição 3 e na condição de aluno de uma EAS resgatado numa captação do FC Porto.

Desengane-se quem pensa que esta é uma iniciativa para glorificar João Nunes. João Nunes é, muito infelizmente, navio que já zarpou. Este texto tem por objectivo constituir uma dupla actualização e um renovado agradecimento. Um follow-up, se preferirem e, claro, para aqueles que privilegiam a utilização de anglicismos. Parece nota dominante, nos dias de hoje, anglicismos e frases inspiracionais. Para alguns, dois pilares fundamentais, diria mesmo. Para outros, a formação tem mais de transpiração (muito trabalho) do que de inspiração.

Infelizmente, para além das boas notícias que exponho acima, volvidos seis meses, nada mais de positivo tenho para partilhar na sequência dos três textos que aqui foram apresentados a 2, 3 e 8 de Agosto de 2020. Versavam ‘Formação de Talentos’ e a situação específica da ‘Escola Academia de Formação Sporting Clube de Portugal – Algarve (AFS – Algarve)'.

Pese embora o aumento da despesa feita com as condições proporcionadas na AFS - Algarve, que se traduziu no aumento de técnicos (curiosamente, André Gomes, de Portimão, que em tempos fez formação no Pólo EUL, e foi admitido em Agosto de 2020, já nos deixou), no oferecer de equipamentos do Sporting aos irmãos de jogadores nossos e… na disponibilização de um número de telemóvel e de e-mails para os quais os pais poderão dar nota de situações que lhes mereçam reparo (anteriormente, o element de liaison entre pais/encarregados de educação e "Sporting" era um ser-humano), os pais referem que as condições trazidas por Paulo Poejo, o agora responsável máximo pela AFS – Algarve (funções que desempenhava anteriormente, aqui), não estão a funcionar. Acrescentam que há quem relate alterações negativas muito visíveis ao nível da motivação para treinar e até ao nível do desempenho escolar. É em competição que muito do trabalho diário - feito nos treinos - é avaliado, é certo que as competições foram interrompidas, contudo, face ao que observam, as expectativas dos pais não são boas e, claro, o facto de ter sido feita a avaliação regular em Alcochete e, desta feita, nem um ai ter sido divulgado sobre o resultado da mesma, não augura nada de bom. Sim, é verdade que em teoria aos pais não é devida essa informação mas foi dos mesmos sempre conhecida e chegou a merecer ampla cobertura pelos órgãos de comunicação do Sporting Clube de Portugal, nomeadamente através da Sporting TV. Infelizmente, rumor has it (é outra vez aquilo dos anglicismos super cool, sabem?) que os pais têm razões justificadas para preocupações. Não nos esqueçamos, também, que todos os jovens jogadores de norte a sul do país estão sujeitos às limitações trazidas pela pandemia, daí que dificilmente se poderá apontar ‘efeito da pandemia’ como causa maior ou única, para justificar alterações negativas. Sobretudo, quando as alterações são… grandes. Mesmo muito grandes.

Actualizações feitas, uma dor de alma maior do que o rio Guadiana ou do que um ou dois dos oceanos que nos separam daqueles que deram provas de saber trabalhar talento futebolístico, passo ao agradecimento aos membros da estrutura invisível que ao longo dos últimos muitos anos asseguraram a Glória que o Sporting tem conseguido alcançar, no fundo, aqueles cujo trabalho tem permitido que o Sporting Clube de Portugal esteja de pedra e cal.

A todos quanto:

- abandonaram situações laborais estáveis, prescindindo de direitos relevantes para abraçar funções no Sporting Clube de Portugal, dando provas máximas de competência e ainda assim foram dispensados;

- pagaram do vosso bolso aquilo que em clubes rivais é pago ou estornado pelo próprio clube;

- prescindiram de férias, folgas, licenças de parentalidade (!) de maneira a proporcionar que fossem asseguradas as melhores condições possíveis a jogadores, ou ao próprio Sporting Clube de Portugal, e, pior, quando o fizeram sem que o Sporting sequer vos pagasse um vencimento;

- disponibilizaram gratuitamente as vossas viaturas* para serem percorridos inúmeros quilómetros a favor da observação de jogadores que poderiam interessar ao Sporting Clube de Portugal;

- mudaram de área profissional quando nos deixaram, para não vermos a vossa expertise ao serviço dos nossos adversários (profissionais de craveira, país pequeno, 3 clubes grandes...);

- mudaram de país e/ou de continente para não vermos a vossa expertise ao serviço dos nossos adversários (profissionais de craveira, país pequeno, 3 clubes grandes...);

- após anos de trabalho meritório, viram-se ultrapassados por colaboradores recentemente chegados ao Clube sem que a qualidade do vosso trabalho declinasse;

- após anos de trabalho meritório, sem que a qualidade do vosso trabalho tivesse declinado, viram-se excluídos do Clube de uma forma em que os direitos acumulados possam ter sido franqueados;

- trabalharam o dobro por conta de indisponibilidades de última hora de privilegiados,  e continuaram a trabalhar debaixo de intenso sol, chuva, quando o hotel onde estavam instalados deixava muito a desejar (por contraponto a quem ficou no aconhego do seu lar), enquanto outros estavam (coitados) privados de trabalhar porque a VPN estava indisponível;

- trouxeram verdadeiras pérolas da formação, nacional e estrangeira, à Academia Sporting para verem o vosso parecer abalroado por especialistas e directores nossos, e estas mesmas pérolas ao serviço de outros clubes (arqui-rivais ou mundialmente muito reconhecidos);

- não se calaram, não se deixaram intimidar, não deixaram de tecer considerações úteis ao Clube, pondo a vossa permanência no Sporting Clube de Portugal em risco, já que ao fazê-lo, poderiam estar a demonstrar/mostrar a inadequação de medidas e, por arrasto, a impreparação de superiores hierárquicos...

a todos, o meu reconhecidíssimo agradecimento e sinceríssimos votos de enormes felicidades, também profissionais. 

Antes de concluir, a correcção de uma imperdoável omissão. Publico hoje o rosto de um elemento da estrutura invísivel que nos deixou recentemente: o de Nuno Mota (16 anos ao serviço do Sporting Clube de Portugal): coordenador operacional de recrutamento do futebol de formação.

Screenshot_20210212-190723~2.png

Imagem: Sporting TV, Fevereiro de 2020

Termino, com imagens. As de Bernardo Busatori, reconhecido talento inato, exactamente como gosto de vê-lo, e onde só quero vê-lo: ou lá no alto (de troféu nas mãos), ou connosco aos seus pés. É a única posição em que admito ver talentos inatos que nos são confiados e que só aparecem a cada muitos anos.

IMG-20210212-WA0005.jpg

(1)

IMG-20210212-WA0007.jpg

(2)

Imagens 1, 2: Bernardo Busatori e José Peseiro, Torneio José Peseiro 2019, daqui.

* Em alguns casos, existe a possibilidade de pagamento de uma pequena quantia (por ex. 100€) quando são transportados jogadores para a AFS.

**Edição: Padernense Clube em vez de Padernense Futebol Clube

Rúben, Rúben... (3)

Ainda o Clássico

- Onde é que aprendeu aquele passinho de dança?

1612648991-picsay.jpg

- Rúben, então...

1612651900-picsay.jpg

- Vá lá Rúben...

1612651833-picsay.jpg

- Dificilmente o levaria longe num Dancing with the Stars, mas que nos tem deixado nas nuvens, tem. 

1612654288-picsay.jpg

Imagens: Sport TV - Declarações após o Sporting - Benfica; Sporting TV, antevisão Boavista - Sporting
Video: Perfil IG do Sporting Clube de Portugal

Rúben, Rúben...

IMG-20210126-WA0003.jpg

[***]

IMG-20210126-WA0005.jpg

1611705391-picsay.jpg

Palavra de honra, Rúben, mas palavra de honra, que gostaria mesmo de saber o que é que lhe passou pela cabeça. 

Bem-vindo ao Sporting. Um ano depois, espero que já saiba mesmo o que (também) é ser do Sporting.

 

***[Lançado aos 76', aos 79' - sem justificação plausível - João Palhinha vê cartão amarelo...]

Imagens: Boa tarde, Sporting - Sporting TV, antevisão jogo contra o Boavista.

24 horas depois, mantém-se a dúvida

Como, mas como!, é que marcámos aos 90+4!? Aos 90+4!? Tendo a partida a duração de 90+6!? A sério!?

Estará a nossa sorte a mudar? Somos seres-humanos, assim, subitamente, é?

Agora, só faltava o 'B' ganhar ao 'A'. Se acontecesse (AHAHAHAHAHAH), diria qualquer coisa como: não mexe mais, Criador, está bom assim. Se melhorar, estraga. 

P.S. Escrevam o que vos digo, o melhor para JJ, seria que se tivesse juntado 5 Jotas ao avio dos melões! Aí sim, era certinho que começariam a jogar o dobro. Para os lados. 

«Jovane é fisicamente 'anormal' para a idade que tem»

Estrutura visível

João de Deus vinca que o desenvolvimento de Jovane se deve, em grande parte, ao trabalho de Carlos Bruno, preparador físico dos leões e responsável pelo laboratório de otimização do rendimento da Academia. "Tem muito mérito. Ele trabalha na sombra, mas na verdade é, talvez, o maior responsável pelo Jovane ser o que é hoje", sublinhou João de Deus.

image.jpeg

Chama-se Carlos Bruno Charrua, foi preparador físico do Sporting Clube de Portugal desde 1998 até ao mais recente despedimento colectivo.

Parabéns, caro Carlos Bruno. Muito obrigada pelo EsforçoDedicação e Devoção ao longo dos últimos 23 anos e os meus sinceros votos de boa sorte nesta nova etapa.

Screenshot_20210119-223749~2.png

Ficam as palavras de quem melhor o conhece e a certeza de que muita da Glória da última noite, é sua. 

 

Imagem de Carlos Bruno daqui

Perfil IG Francisco Geraldes

Pedras e progesterona verde e branca

884ad753d97c21c635a7481254215fbe.jpg

Sou natural do concelho de Monchique, pelo que, creio, virá daí a precoce paixão assolapada por vulcões. Cresci rodeada por sienito, razão pela qual sei, desde tenra idade, que uma pedra granítica, brilha... Mas se estiver no meio de diamantes, fica a nú o que é verdadeiro brilho. Se afastar os diamantes, a pedra granítica consegue brilhar. Não deixa é de ter as qualidades de uma pedra granítica. Nunca será um diamante. 

Cresci e refinei gostos, como se percebe. 

Que as jóias da Coroa Leonina estejam rodeadas por diamantes, passou a ser o meu desejo leonino para 2021.

«Academia não trata só dos pés, trata também da cabeça» - Aurélio Pereira

0_IMG-20200906-WA0001~3.jpg

Fonte: Sporting Clube de Portugal, por ocasião da remodelação efectuada nas instalações da Academia Sporting, em Alcochete, nas paredes da qual Aurélio Pereira foi retratado. Na imagem, Aurélio Pereira e Paulo Gomes

 

O nome dispensa apresentações. A obra, fala por si e excede há muito as paredes de Alcochete. Dele se diz ser o grande responsável pela captação de talento para os do Leão Rampante e da listada verde e branca. Dele se diz, ainda, ser o enorme responsável pela forma de trabalhar, no seu todo, com crianças e jovens que vestem as nossas cores.

Mais do que a imagem colada na parede, cada tijolo em que assenta o às de trunfo do Sporting, a AS*, foi por si e por aqueles que escolheu, cimentado. Um dos pilares desta complexa estrutura, Nuno Mota, deixou-nos. Certamente não por sua vontade, mas no âmbito das exigências trazidas pela pandemia - e que pandemia...! -, que conduziram ao despedimento colectivo anunciado recentemente.

Na hora de render homenagem ao Homem, mais do que plasmar um rosto na parede, manter vivos os pilares que o mesmo escolheu e aprimorou, parece tarefa muito exigente. Impossível, até. Medonha pandemia...

Difícil de digerir, este Janeiro de 2021, já que ainda a 19 de Novembro de 2020 foi anunciado Carlos Tavares, vindo do Futebol Clube do Porto, como reforço para a estrutura de recrutamento da Academia de Alcochete.

Entristecida, ainda que não surpreendida, com o rumo dos acontecimentos, escolhi relembrar Aurélio Pereira e trazer os desenvolvimentos trazidos pela actual Direcção da Academia Sporting, por mais do que deferência, reverência para com Homem, Obra e obreiros.  

A frase que titula este texto é, naturalmente, de Aurélio Pereira e serviu de título para a entrevista concedida a António Pedro Pereira e Isaura Almeida (Diário de Notícias) a 25 de Outubro de 2008

Nessa altura, há 12 anos, dizia-nos Aurélio Pereira:

«[...] E que tipo de jogador formamos na Academia? Com cabeça, tronco e membros. O número de ingredientes que contribuem para o sucesso é menor dos que levam ao insucesso. Hoje temos todas as condições, com uma equipa extraordinária de pessoas e onde se respira um ambiente de sã camaradagem, e isso passa para os jogadores. [...]»

 

“No Sporting o mau aluno não tem lugar.” Este é o lema?

«Não, não é esse o lema. Criámos uma Academia essencialmente para formar jogadores, não vamos ignorar isso. A filosofia da Academia é essa. Quando escolhemos o nome de Academia Sporting em vez de centro de estágio não foi por acaso, porque a Academia não trata só dos pés, trata também da cabeça. Maus alunos, felizmente temos poucos.»

 

«É por isso que é importante ter um Gabinete Psicopedagógico?

Os clubes têm de ter capacidade para poder dialogar com os pais e eu sou normalmente a primeira cara que a família vê. Por vezes querem entrar mais na esfera desportiva do que na sua, de educadores. Isto não é uma crítica aos pais, mas é assim que funciona. Quando um jovem não joga o tempo que o paizinho quer e eles mostram descontentamento, eu digo sempre que ele devia ir a pé a Fátima agradecer ter filhos numa instituição chamada Sporting, onde estudam, são acompanhados e sabem que estão em segurança

 

Antes ainda, a 3 de Junho de 2007, em entrevista concedida ao jornal Público: 

«Não é só de futebol que estamos a falar. O acompanhamento dos jovens jogadores tem de se estender às mais diversas áreas, dos estudos à formação cívica, do ensino das regras do desporto até aos conselhos sobre nutrição, higiéne, vícios. Entre o sucesso desportivo e o insucesso às vezes vai apenas um pormenor", avisa Aurélio Pereira. E ele sabe do que fala. Ele viu crescer alguns dos melhores futebolistas mundiais das últimas décadas.»

«Hoje, com a Academia de Alcochete, o Sporting é apresentado como um exemplo de excelência na área da formação de futebolistas. "A nossa missão é produzir jogadores que possam jogar na primeira equipa. E a missão está a ser cumprida", diz o responsável pelo recrutamento (...)» [negrito meu]

 

A 9 de Julho de 2016, Tiago Palma desafiou Aurélio Pereira a falar para O Observador, sobre cada um dos jogadores do Sporting que, no dia seguinte, bom, no dia seguinte Portugal conquistaria o Campeonato da Europa com, apenas, 10 jogadores formados no Sporting Clube de Portugal. Retalhos preciosos cuja leitura recomendo, também, por permitir ver no plano concreto aquilo que acima, de forma teórica, Aurélio Pereira foi, ao longo dos anos, dizendo. E mais do que dizer, fez. E fê-lo tão bem, que chamar aos 10 jogadores da nossa formação "Os Aurélios" é da mais elementar justiça. 

 

Já a 12 de Setembro de 2019, neste blogue, Pedro Correia partilhou alguns trechos de uma entrevista que Aurélio Pereira concedeu nesse mesmo dia ao jornal A Bola, de entre os quais destacaria, para já, apenas um:

«O foco é no jogador e nos seus comportamentos; o acompanhamento, quer social, quer escolar, somos nós que fazemos. Isso é um trabalho altamente complexo. Tomar conta dos filhos dos outros é muito pior do que os nossos. Temos de estar preparados para isso.» [verdito meu]

 

Mais recentemente, nas páginas 16 a 19 da edição 3780 do Jornal Sporting (9 de Julho de 2020) encontramos uma entrevista a Tomás Morais, director de futebol de formação e liderança, a partir da qual é possível obter os seguintes esclarecimentos quanto ao inovador trabalho que está a ser feito na Academia Sporting:

 

«O que é o modelo centralizado no jogador que tem sido trabalhado e implementado no Sporting CP?

Consideramos que o modelo centralizado no jogador é a capacidade que toda uma equipa multidisciplinar formativa tem para colocar o foco no jogador e não apenas num sentido colectivo. Nesta perspectiva, o atleta é o principal interveniente no processo. Tencionamos, acima de tudo, formar jogadores completos, que se tornem autónomos, resilientes e que sejam física e cognitivamente superiores. Desta forma, acreditamos estar a valorizar e a maximizar o talento individual de cada um sem retirar a capacidade criativa que mais tarde irão fazer toda a diferença.
Acreditamos que com esta visão estratégica podemos dar cumprimento aos princípios gerais e específicos de um modelo formativo que vise essencialmente o desenvolvimento e potencialização do jovem jogador enquanto pessoa e atleta, estamos em simultâneo a formar equipas no expoente máximo das suas plenitudes. Para que tal aconteça e para que estejamos mais perto do sucesso, é fundamental a existência de um ambiente positivo entre todas as áreas suportado por bom senso, comunicação permanente, capacidade crítica construtiva e a vivência diária de valores comuns.

 

Quais são as suas características mais importantes?
Numa fase inicial procurámos definir um propósito sustentado na nossa visão, missão e valores. Numa segunda fase definimos uma estratégia para estarmos efectivamente capacitados para potenciar não só o talento existente, mas igualmente preparados para o que nos vai chegando através da nossa área de recrutamento e identificação de talento. Numa terceira fase apostámos na nossa estrutura de forma a maximizar a competência interna e criar padrões de coerência. Por último, contruímos um processo multidisciplinar para a essência: o futebol. Só com um ambiente positivo de aprendizagem conseguimos que todos os jovens evoluam diariamente com o processo de treino e retirem o maior número de ferramentas que lhes garanta a revelação de todas as suas capacidades, em qualquer que seja o contexto competititvo onde joguem. Este modelo acaba por valorizar, envolver, motivar e mobilizar a excelência profissional existente em todos os colaboradores da Academia nas suas diferentes áreas. [negritos e sublinhados meus]

 

O longo e reconhecido passado no râguebi infuenciou, de alguma forma, o modelo centralizado no jogador que implementou no Sporting CP?

Não especificamente porque a norma deste modelo holístico é a sua implementação pelas direcções técnicas, por todo o quadro de treinadores e técnicos desportivos que, desde a base até ao longo da pirâmide da formação desportiva, diariamente trabalham com os jogadores. Compete-me, enquanto director, proporcionar reflexões, discussões, a revisão do pensamento e caminho estratégico, bem como a criação de um ambiente propício a que tudo se desenvolva. Como acreditamos que este é o modelo certo, gostaríamos que ficasse e fosse implementado independentemente de quem estiver na liderança directiva ou técnica do futebol de formação. Temos a responsabilidade de melhorar o legado que nos foi deixado! O maior exemplo passa por dar expressão a tudo o que o senhor "formação" Aurélio Pereira continuamente nos ensina e transmite. Na formação estamos sempre a aprender... [verdito e sublinhados meus]

 

Qual é o objectivo primordial do modelo centralizado no jogador?

É potenciar todas as qualidades futebolísticas que o jogador tem individual e colectivamente. Suportado por um trabalho orientado nas áreas mental, física e estrutural. Sabemos que todas a funcionar numa dinâmica perfeita resultam naquilo que se pretende: um atleta integral, dentro e fora do campo. O foco no jogador permite a conciliação perfeita entre a sua vida futebolística e as vertentes familiar, social e escolar, dado que neste processo participam diferentes agentes desportivos para que em sintonia ponham em prática todos os detalhes tanto educativos como formativos. Deste modo, podemos atingir aquele que é o grande propósito da Academia Sporting: formar jogadores capazes de chegar e afirmarem-se na equipa principal do Sporting Clube de Portugal. Para que isso aconteça, as nossas acções diárias têm de ser boas e detalhadas, mas também de grande consistência entre toda uma vasta equipa que tem por único objectivo pensar que a razão da sua existência é a construção do jogador e do homem na vida e no campo.

 

O que foi necessário alterar para implementar este modelo?

Acima de tudo, a construção de um plano estratégico que envolveu na sua liderança e administração, o director técnico, o director da formação, o director  da Academia e os coordenadores de cada área multidisciplinar. Conscientemente no nosso modelo operacional motivámos todos os colaboradores da Academia a revelarem as suas competências num único propósito. Encontramos em todos aqueles que estão de corpo e alma no Clube uma vontade férrea de continuar a colocar a Academia Sporting como uma referência mundial em termos formativos. Os que entraram, depressa se enquadraram neste estímulo e nesta enorme vontade organizacional de fazer mais e melhor pelo Sporting Clube de Portugal. [negrito e sublinhados meus]

 

Fora de campo, a nível cívico, social e educacional, o que tem sido feito?

Devemos sempre associar a vertente desportiva à vertente humana. Um atleta é tão ou mais capaz de revelar as suas competências e qualidades quanto melhor pessoa for. Tentamos a todos os níveis incutir uma liderança ética e construtiva baseada no exemplo, com responsabilidades partilhadas, princípios de proximidade e acompanhamento. Queremos, na Academia, criar um conjunto de estímulos com origens muito diferenciadas para os sensibilizar que a vida passa por momentos contínuos de sucesso e frustração e a forma como sabemos estar e reagir perante os obstáculos vai fazer toda a diferença. O valor do jogador não está apenas na paixão que coloca no treino e no jogo, mas também na sua capacidade de se sacrificar para aquilo que é a missão do Clube. Só assim poderá dar corpo aos seus sonhos. [verdito, meu]

 

Qual era a urgência de mudar o paradigma quando chegou ao Sporting CP?

Um paradigma nunca é nem pode ser mudado por uma pessoa apenas. Venho de uma essência colectiva e acredito que o somatório de um conjunto de valências de vários especialistas é sempre superior a um pensamento egocêntrico. Como tal, havendo uma nova visão suportada por um propósito muito claro que a administração nos passou desde o príncipio, sentimos que era preciso aprender com o passado e reter todo o triunfalismo histórico que o Sporting CP tem na formação, mas também incutir novas reformas organizacionais e funcionais. Daí que a transparência entre todos e a capacidade de dar voz a todos os envolvidos, desde as escolas Academia, Academias Formação Sporting, Pólo EUL até à Academia, teriam de ser o lema de suporte para todas as transformações a efectuar. [sublinhados e negritos, meus]

 

O que falta fazer em relação ao modelo centralizado no jogador?

Continuarmos a aplicar o nosso esforço e conhecimento naquilo que é realmente importante: o jogador. Não perdermos energias e tempo com os factores que não levam o Sporting CP a caminho algum e focarmo-nos naquilo que importa e interessa. Temos, cada vez mais, de ser credíveis, coerentes e justos. Temos de deixar a cultura de depressão nas pequenas derrotas e a euforia nas vitórias, porque o objectivo é a criação de uma estabilidade que permita tornar estes momentos efectivamente naturais, como parte fundamental do processo de crescimento desportivo. [negrito e verdito meus]

 

Quais são os objectivos a curto e a longo prazo?

O grande objectivo, seja a curto ou a longo prazo, é formar e preparar jogadores para a equipa principal. A formação nunca está completa, é altamente dinâmica e aberta, sendo um somatório de todas as mais-valias daqueles que em dado momento contribuíram para as aprendizagens dos jogadores. Um projecto formativo deve ser silencioso e virado essencialmente para dentro. Só assim geramos a tão necessária confiança e a mobilização do contributo de todos os envolvidos.» [verdito, meu]

A entrevista de Tomás Morais prolonga-se para além dos trechos aqui partilhados, mas no essencial, esta foi a mensagem que quis transmitir aos leitores do Jornal Sporting.

 

Aurélio Pereira é unanimemente considerado "O Senhor Formação" (confira, por favor, a fotografia acima), foi o responsável pela criação do Departamento de Recrutamento do Sporting Clube de Portugal em 1987/1988** e disse-nos ainda em 2019:

«Há duas coisas que têm de caminhar lado a lado: o recrutamento e a área técnica. São dois pilares de uma academia, sem esses pilares conscientes não há trabalho de nível tão elevado. Temos nesta altura essa simbiose, está a crescer dia a dia. Falamos a mesma linguagem. O novo director técnico, o Miguel Quaresma, tem sido um homem certo no lugar certo.»

Infelizmente, também Miguel Quaresma e Raul José já nos deixaram (em Maio de 2020). 

 

Ao Mestre Aurélio Pereira e ao Nuno Mota, a este último pelos 16 anos de Esforço, Dedicação e Devoção à formação leonina, a minha vénia. A Glória, está em muito mais do que é visível aos nossos olhos, é verdade. Está na acção da verdadeira estrutura invisível que sempre foram. A Glória, estará sempre no pioneirismo e carácter que revelaram continuamente e na magia que os vossos diamantes espalham no relvado, cá e pelo mundo.

Obrigada, é pouco. É muito pouco. 

*Academia Sporting, actualmente conhecida por Academia Cristiano Ronaldo.

**Em entrevista ao jornal Público é dito 1987, na entrevista ao jornal Diário de Notícias, 1988. 

A Glória que não chegou

OlímpicosT2020.jpg

ImagemReuters/A. Perawongmetha

O conteúdo da entrevista dada ao Jornal Sporting de 16 de Janeiro de 2020, prometia. No imediato, e, mais do que isso, por materializar aquele que é o sonho de qualquer sportinguista: a aposta interna na formação de atletas olímpicos.

Que a almejada ‘Glória’ suprema entre desportistas não foi sequer tentada, já todos sabemos. O cancelamento dos Jogos previstos para Tokyo 2020 demorou, mas acabou por acontecer.

E a promessa feita de que findos, e para o arranque da próxima campanha, poderíamos contar com a aposta na formação de Atletas Olímpicos, manter-se-ia/á?

Em Agosto de 2020 surgiram os primeiros sinais de alarme. Nos últimos dias, sucederam-se mais do que sinais, evidências claras de desinvestimento: saíram no ano passado David Varela, Norberto Mourão (ambos já qualificados para Tóquio) e, mais recentemente, Nelson Évora (FC Barcelona) e Emanuel Silva. Diz-se, ainda, que o Sporting Clube de Braga poderá assumir o projecto olímpico de canoagem do Sporting. E a bonita Daria Bilodid, que eliminou a referência ao Sporting Clube de Portugal do seu perfil do Instagram, ainda é nossa atleta/colabora com o Sporting?

Hoje, a um dia de perfazer exactamente um ano desde que foi anunciado como Coordenador do Comité Olímpico do Sporting Clube de Portugal, Paulo Malico de Sousa, demitiu-se

Se não surpreende, pelo menos, preocupa. Sobretudo para quem, como eu, terá notado, aqui e ali, sinais de outras alterações estruturais, de cujo impacto, por especificidade do seu objecto, só a muito longo-prazo conheceremos resultados. Mexe-se em equipas vencedoras, com pinças ou com martelos pneumáticos?

Não aprendemos, simpatizantes e sócios, nada, com o desinvestimento na Academia Sporting que concordamos ter acontecido com o consentimento entorpecido de todos? Ou pura e simplesmente este desinvestimento olímpico é consensual? Doloroso, mas inevitável?

Estou genuinamente satisfeita com os resultados que a equipa sénior de futebol tem alcançado. Estendo a satisfação aos resultados alcançados, globalmente, pelas modalidades. Mas não esqueço, nem posso esquecer, que há pedras angulares de projectos importantes que, ou têm sido afastadas, ou viram o seu raio de acção drasticamente reduzido.

Que corra pelo melhor, desejo eu.

Screenshot_20210105-170317.png

Imagem: perfil Facebook do Gabinete Olímpico do SCP

 

P.S. Em Fevereiro de 2020, a página Facebook do Gabinete Olímpico leonino não era actualizada desde Novembro de 2019. A 5 de Janeiro de 2021, não é actualizada desde Novembro de 2019.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D