Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Primeira parte

1) Dizem que o Wendel entrou em campo, será verdade?

2) Aquele Gaspar é a nossa desgraça. Não acertou uma, mesmo uma, que fosse.

3) Vamos ver quantos foras-de-jogo aquele bandeirinha vai marcar contra o ataque do Sporting.

4) Acabar o primeiro tempo empatado com o FCP a jogar com menos dois é obra.

Consistência

Poder-se-ia falar da desilusão de Ilori, um bailarino que não sabe onde se pôr ou quem marcar, como tão bem demonstrou no golo do Villareal. Ou de Phylippe, ou lá como ele se chama, que ainda não deixou de ser um jogador de 2ª divisão. Ou de Bas Dost que fez de Bryan Ruiz mesmo no final do jogo. Mas a verdade é que há coisas que não mudam, como Jefferson por exemplo. Dele saberemos sempre que será infinita e consistentemente estúpido.

 

Já agora...

Ainda a próposito dos famigerados 10-0: já alguma daquelas entidades que têm por ofício serem curiosas se lembrou de investigar se este resultado terá dado origem a um prémio chorudo nas casas de apostas?

Doutor Peres

21083733_wrTRd.png

Quando regressou a casa após um "exílio" na Académica Peres recebeu da bancada de Alvalade a alcunha de "Dr. Peres." Como de costume na ironia resguarda-se a verdade. A sua atitude assertiva dentro e fora do campo, a frieza que trazia ao jogo, faziam dele uma figura dominante e doutoral, que percebia tudo e punha tudo a funcionar. Isto não desencadeava paixões mas poucos terão sido mais respeitados do que ele. O título de "Dr. Peres" exprimia a distância e a consideração que havia entre ele e os adeptos. Com Peres era claro: não era ele que tinha de nos agradar, nós é que tínhamos que lhe agradecer. E a verdade é que havia quase sempre razão para isso e Peres nunca nos ficou a dever.

Que saudades desse Sporting. 

3 notas e nada mais

1. A prima donna pode falhar as notas todas, entupir a fluidez da récita, deixar o pianista sozinho e à deriva, ah!, mas se tira um dó de peito a casa vem abaixo em aplausos. Tudo isto é um grande equívoco, mas pronto, contra consensos estabelecidos nada a fazer e não vale a pena mostrar os números.

2. Coitado do Wendel que vai a todas sem descanso nem sorte, abandonado pelo tosco que não sabe fazer e pelo artista que só faz se for ele a brilhar.

3. Como sou dos que pagam para ver e não dos que recebem para fazer limito-me a falar do que vejo e não do que deveria ser visto. O menu é o chefe que o elabora, a mim não me resta mais do que estimar que estava sápido ou era uma merda. Mas por uma vez atrevo-me a dar palpite dada a calmidade em curso. Aquilo que se passa no lado direito da nossa defesa é tão catastrófico e tão irremediável, dada a consistência do desatino, que não seria melhor pôr ali o Thierry Correia? Pior de certeza não era porque nada é pior do que aquilo, e ao menos o rapaz lá se ia fazendo.

Petrovic!

Lembram-se da final de Paris? Numa questão de segundos Éder passa de tosco a herói nacional.

Os heróis nascem assim, instantaneamente e onde menos se espera.

De nariz partido Petrovic só quer saber de uma nova camisola para voltar ao campo. 

Doravante Petrovic merece ser um herói do Sporting.

https://www.facebook.com/nunoaragaomourao/videos/2066322693665670/?t=3

Assim é que é, Abel

Pois eu gostei muitíssimo das declarações de Abel no final do jogo de ontem.

Ingénuo embora prometendo precaução, extemporâneo apesar de jurar comedimento, falando em nome dos pais de família, o que é bonito, é sempre assim que os tolos confessam com o coração nas mãos o que a cabeça mandaria conter. Ou como diria Napoleão: “nunca interrompas um inimigo quando ele está a cometer erros.”

Acabem com o VAR, e vocês televisões não ponham a linha (aquela perpendicular amarela que mostra deveras o fora-de-jogo), exclamou Abel. E porquê? Deixem os árbitros errar, já que treinadores e jogadores também erram. Poderoso argumento, talvez um pouco corporativo.

Deste modo singelo Abel, sem que o proferisse, explicou o que entende por “errar”: é acertar a favor dele. E a sua exaltação mostra também que algo correu mal ao ter havido interferência nos “erros” do árbitro. Isto, claramente, não estaria no plano do jogo o que foi brilhantemente coadjuvado por aquela abjecção que está presidente do Braga. “Abel” e “Salvador” que bela comédia bufa não se escreveria com personagens com estes nomes.

Fizeram muito bem em ter desabafado a sua frustração. Ficámos todos a perceber.

Telepatias

Tenho que vos confessar um segredo: sou um mestre da telepatia. Sempre que na bancada começo a ralhar com um jogador, mesmo nas raras vezes em que de voz baixa, ele ouve-me e num rasgo de brio trata de me desmentir. Suspeito mesmo que nalgumas celebrações de golo os "toma!" são para mim.

Ontem confirmei, de vez, este meu dom.

Tendo chegado atrasado, entrei pela porta mais imediata e durante a primeira parte fiquei num canto junto ao terreno, subordinado a uma perspectiva semelhante à que se tem do banco, ou seja, sem perceber nada das posições dos jogadores. Mas quase lhes via o branco dos olhos. Diante de mim, andava para trás e para a frente Bruno Gaspar e por ele passava quem quisesse, sobretudo com tabelas que o deixavam de pés trocados. Com frequência Coates dava-lhe indicações mais ou menos ríspidas, Diaby fazia leves gestos de impaciência em face de tanto desentendimento, e os jogadores do Belenenses, ou lá o que era aquela equipa anónima que ontem nos visitou, abeiravam-se ou desviam-se dele com algum descaso. Na pose de Gaspar, assim vista de perto, era perceptível uma certa consumição à beira do desânimo. Sentia-se evidentemente abandonado à sua sorte, sobretudo quando da bancada se levantava aquele bruaá de desagrado de cada vez que o jogo passava - literalmente - por ele.

"Que nulidade!" desabafei em voz alta, com a concordância dos outros espectadores a meu lado.

Bruno Gaspar de certeza que me ouviu e na segunda parte, estando já eu no meu posto natural de observação, tratou de me obrigar a meter a viola no saco. Marcado o golo, bem o vi virar-se na minha direcção claramente com um "toma!" e a fazer-me um manguito mental.

É o que há

Uma equipa curta, mais curta fica sem Nani, Battaglia, Coates, Montero e o renascido Wendel. Contra uma equipa robusta e confiante, orientada por um dos treinadores mais inteligentes do campeonato, entrámos com duas promessas ainda em formação, a Jovane falta-lhe discernimento e apuro (aquelas biqueiradas..), a Miguel Luís poder de choque e malícia, mas que, sem dúvida e a breve trecho, virão a ser peças importantes - cresce-se na luta, não no banco. E acabámos com Mané e Petrovic - é preciso dizer mais?

Keizer continua a mostrar espírito analítico, prudência e objectividade. Quem não se excita tanto nas cabazadas como nas derrotas merece confiança.

O que é isto?

A minha explicação é que eles agora comem bifes mal passados, os banhos de imersão foram a reduzidos a um máximo de 3 por semana e a videoteca está mais provida de filmes do Jet Li. Há também novos jogadores que ainda não tínhamos visto, o Wendel, o Gudelj e o Diaby e um Bruno Fernandes que está mais Pirlo, o que só lhe fica bem. Não consigo imaginar outra teoria para a formidável metamorfose a que estamos a assistir. É para durar?

Aprender com Peseiro

O mais divertido de Peseiro - mas não quando me toca vê-lo treinador do Sporting - sempre foi a sua capacidade de demonstrar quão torpes são os clichés.

Mente simples, Peseiro absorveu-os sem filtro de seu mestre, o inefável Prof. "Projectos" Queiroz, de modo que eles lhe saem com toda a sua esplendorosa imbecilidade à mostra.

Assim, após uma vergonhosa derrota dizem os manuais da comunicação que é de manter um "espírito positivo", reiterar a "confiança no rumo seguido",  desvalorizar os defeitos, como meros incidentes de percurso, enaltecer as qualidades, como provas do um "trabalho de fundo." 

Aquele arzinho sonso que Peseiro põe, aquele desbobinar tosco de frases feitas, para nos convencer que está tudo bem, depois de termos claramente visto que está tudo mal, apenas nos convence que ele é lunático e não percebe nada da poda.

Boas lições se tiram daqui: o "spin" é uma habilidade só alcance de grandes artistas da mistificação. Há muitos, mas Peseiro não é um deles.

Vá com Deus ou com o Diabo que para o caso tanto faz.

O que diz Peseiro

Sou adepto da última tese de Wittgenstein  no seu "Tratactus": "Acerca daquilo que não se pode falar, tem que se ficar em silêncio."

Não assisto aos treinos, não estive na sala quando se decidiram as contratações, nem sequer sei como funciona esse mercado, desconheço os meandros internos das relações de forças do futebol português. Assuntos, portanto, sobre os quais me devo abster de pronunciar para não dizer disparates desligados da realidade das coisas.

Mas fiquei intrigado com as declarações de Peseiro no final do jogo. A interpretação que ele fez do jogo que se viu - e é suposto eu não saber ver o jogo tão bem como ele, ou melhor seria que trocássemos de lugar - levanta questões.

Acerca da primeira parte Peseiro disse que a equipa não jogou coesa como devia e "esqueceu-se" (palavra minha) de fazer os triângulos defensivos. Ora se algum defeito se apontava a Jesus era o de prender os jogadores a um sistema táctico caracterizado por uma coesão (demasiado) rígida. É verificável que o Sporting jogava em 30 metros numa teia inabalável. Pergunta: porque diabo os jogadores, habituados a este modelo durante as 3 últimas épocas, se espalham agora no campo, muito à toa e sem conexão?

Acerca da segunda parte Peseiro declarou que a equipa veio para a frente na raça, cheia de vontade e de brio. Isto explica perfeitamente que tenha levado 2 golos em contra pé, ou, como parece que se diz em futebolês, se tenha desmantelado defensivamente na transição ofensiva. Também explica por que motivo os jogadores tenham entrado num espírito anárquico, cada um por si, com correrias malucas (aliás numa delas, de Acuña, resultou o primeiro golo) Porque sucedeu isto, numa equipa supostamente rotinada em nunca desguarnecer a retaguarda e que há um ano abusava da prudência?

As declarações de Peseiro dão assim lugar a algumas interrogações:

Se Peseiro sabia o que se devia fazer porque não fizeram os jogadores o que era devido? Por que razão os jogadores no mínimo informados de uma certa disciplina táctica a abandonaram por completo num trimestre? Entrando em terrenos um pouco mais especulativos: se Peseiro sabe, porque o diz, qual é a boa forma de jogar (qualquer que ela seja), porque não joga a equipa como ele diz?

Há uma resposta que parece óbvia (e alarmente), ainda por cima com fundamento histórico, mas talvez seja demasiado cedo para a considerar. Ou não?

Pesadelo em Portimão

É claro que o problema não são estes acabrunhados e perplexos jogadores que não fazem  a mínima ideia do que devem fazer, que estão para ali aos encontrões uns aos outros e jogam tão entrosados como se fosse a primeira vez que se vêem. Mas um descalabro destes não é inesperado, pois não? É o que há.

PS - assim que este post foi publicado o Sporting marca um golo. Nani é um problema, tem ideias, sabe o que faz, sabe explicar-se; irreverências que para um sargento que gosta de fazer voz grossa, de miolo-mole e pouco articulado, são muito desestabilizadoras

Bocejo de uma noite de Sábado

É possível que a culpa seja minha. Cansado de tantos jogos que se arrastam por decidir para além dos 80 minutos, não por serem um dramático choque de Titãs, mas por inépcia, incompreensão tática, fiadas de más decisões dos jogadores, ou mesmo azar (o qual, como se sabe, atrai mais azar), pedi ao mafarrico que por uma vez, umazinha, me fosse concedido, tal como aos adeptos doutras agremiações, o sossego de estar a vencer aos 60 minutos por duas bolas e sem perspectivas eminentes de susto. Isto era para o bem das minhas já fracas articulações de tantos pontapés que tenho dado na cadeira da frente nos últimos 2 anos.

O chifrudo ouviu-me, mas como é maroto deu-me presente envenenado. Seja como queres, murmurou ele, mas terás que gramar com um meio-campo balcânico com Petrovic, Gudelj e Misic, todos ao mesmo tempo, e passarás 45 minutos sem ver um instante de futebol a sério. Pungir-te-á o tédio e lamentarás ter faltado ao jantar combinado. E ai de ti se te queixas.

É o que há e se calhar não se pode pedir mais.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D