Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Criar uma política de formação

Durante anos o Sporting vangloriou-se de ter a melhor escola portuguesa de formação de jogadores, frequentemente comparada ao Ajax. Paulo Futre, Luís Figo, Dani, Simão Sabrosa, Cristiano Ronaldo, Ricardo Quaresma, João Moutinho, Luís Nani, Rui Patrício ou William Carvalho entre vários outros que me dispenso de enumerar, sob pena de tornar a lista demasiado extensa, projectaram internacionalmente o jogador português e com eles, a selecção nacional cresceu exponencialmente, passando de esporádicas presenças nos grandes eventos a cliente habitual e até potencial favorito à conquista dos troféus.

Outros clubes, os rivais não andam propriamente a dormir, apostaram de forma séria na formação, ao passo que nós a descurámos, o resultado está à vista, nenhum jogador formado em Alcochete abaixo dos 23 anos tem hoje a mínima hipótese de aspirar a envergar a camisola da selecção nacional portuguesa. É um facto e se quisermos perceber como chegámos aqui, há que ser sérios, enquanto o principal rival prescindiu do treinador que não conseguiu ver em Bernardo Silva, João Cancelo ou Gonçalo Guedes, talento suficiente para evoluir na equipa principal, substituindo-o por treinadores que lançaram Renato Sanches, Ruben Dias ou João Félix entre outros, nem todos com igual sucesso, o que seria obviamente impossível, mas a aposta está lá, só não vê ou desdenha quem não quer ver ou estiver de má-fé. E nós que fizemos? Fomos buscar o iluminado mestre da táctica de que o rival em boa hora, para eles, se livrou e com ele um camião de entulho. Gelson Martins e também Ruben Semedo foram excepções, direi que as últimas apostas sérias da formação, ambos já com idade superior a 23 anos. Abaixo desse patamar havia Rafael Leão, que saiu do clube nas circunstâncias que conhecemos, em rota de colisão com o alienado que dirigia o clube de forma errática, do qual em boa hora nos livrámos.

Não adianta exigir a Marcel Keizer que coloque em campo jogadores da formação sem qualidade para ombrear com os rivais e exigirmos simultaneamente vitórias e títulos. Existe novamente talento na formação, mas abaixo dos 18 anos, pelo que será expectável que dentro de 1 a 2 anos possamos novamente ver a evoluir no relvado jogadores formados em Alcochete. Um clube como o Sporting precisa receitas, o que implica vender jogadores. Não é possível esperar que um jogador acabe de se formar aos 24 ou 25 anos, para depois valorizar 2 ou 3 anos na equipa principal e vendê-lo aos 28 anos. É tarde! O mercado não funciona assim.

Os melhores jogadores aos 20 anos já têm que merecer uma oportunidade na equipa principal. Outros, com elevado potencial, mas sem lugar na equipa, precisam rodar emprestados ou na equipa B, que foi extinta por uma má decisão do ogre. Eventualmente alguns poderão despontar de forma tardia, também acontece, pelo que deveria ser política do clube incluir cláusulas de recompra na cedência de jogadores, que por regra não serão accionadas, mas por vezes acontecem surpresas e não gostamos de ver os rivais abonados pelas pérolas que formámos. Confio na actual direcção, uma estratégia pode ser rapidamente delineada, mas coloca-la em prática requer sempre tempo, por isso defendo que as avaliações devem ser feitas no final dos mandatos. Para já, os sinais são positivos, a restruturação em Alcochete, o scouting, vamos confiar que a médio prazo estaremos de novo no lugar que nos pertence, mas até lá, não basta engrossar a voz, teclar, berrar ou insultar, é mesmo preciso trabalhar...

Vamos à negra...

21480199_uZ9s2.jpeg

 

Bravos leões, venceram um difícil e valoroso adversário, contra ventos e marés. Não bastam as dificuldades, a cada jogo de capital importância para o clube, assistimos nas redes sociais à manifestação do bando de hienas letais ao Sporting, aproveitando cada derrota, por vezes como hoje nem esperam pelo final do jogo e acabam ridicularizados, à semelhança do patético guru que servem. 

Agora é esperar que no último jogo da final os nossos deixem tudo em campo. Obviamente que para alguns energúmenos que se dizem sportinguistas, em caso de vitória o mérito irá inteirinho para o alucinado que os deixou órfãos, está prestes a fazer um ano, mas se perdermos, a culpa será dos actuais órgãos sociais. Tamanha imbecilidade já cansa, mas brevemente os legítimos e únicos donos do clube, os sócios, lhes darão a resposta adequada. 

Oh captain, my captain...

Taça.jpg

Sinto enorme orgulho em ser do Sporting. Todos sabemos o sofrimento por que passámos há um ano, não adianta continuar a chover no molhado. Hoje ganhámos com sangue, suor e lágrimas, lutando até final, com uma raça digna de verdadeiros leões, perante um adversário de grande categoria, com um plantel bem superior ao nosso, dispondo de mais soluções.

Considero um privilégio ter visto Bruno Fernandes vestindo a verde e branca, envergando a braçadeira de capitão, erguer a taça, um dos melhores jogadores de sempre na história do clube, um atleta de classe mundial, que liderou a equipa em campo, ao longo da época inventou golos que decidiram jogos.

Na minha qualidade de sócio com 42 anos de filiação no clube, quero agradecer a Sousa Cintra e restantes membros da Comissão de Gestão, pela estabilidade que devolveram ao clube após o período de desvario directivo. Não concordo com todas as decisões que tomaram, mas certamente fizeram o possível atendendo às circunstâncias. Obrigado ao presidente Frederico Varandas e restantes membros dos actuais órgãos sociais. Não foi fácil aturarem a suspeição, o insulto, as sucessivas delirantes teorias conspirativas, levantadas quase diariamente por um grupo de órfãos ou viúvas, adepto do rufia que em boa hora destituímos. A cada vitória das nossas cores a azia dos tristes aumenta, cada golo que sofremos lá estão esses tristes apontando o dedo. Para esses um conselho, aproveitem a pré-época para decidirem se querem ou não continuar sportinguistas, ou arranjem uma vida. O vosso guru é que não volta mais, não o queremos no clube.

Obrigado Marcel Keizer e todo o plantel, a vitória é vossa, entraram na galeria dos vencedores na história do nosso clube. Muitos de vós foram assobiados por energúmenos que duvidaram do vosso profissionalismo. Contra ventos e marés, venceram. E vamos continuar a vencer, porque o Sporting Clube de Portugal voltou ao bom caminho.

Boas notícias

JM.jpeg

Nos últimos meses temos sido brindados pelos aziados do costume, os órfãos e viúvas do destituído, com as mais diversas e rebuscadas, por vezes até delirantes teorias conspirativas sobre as intenções ou capacidades do actual Conselho Directivo, visando principalmente o nosso presidente, Frederico Varandas, quanto à construção do plantel para a próxima época. Desde jogadores a serem vendidos ao desbarato, ou dispensados, passando por contratações caras de jogadores em final de carreira ou sem qualidade, para favorecer empresários, os arautos da desgraça "sabem" tudo. Indifente a tais palermas, a direcção vai cumprindo a sua função, em silêncio, porque não é preciso andar aos gritos afirmando que se trabalha para apresentar trabalho. Hoje o clube anuncia oficialmente a renovação de contrato com o jogador Jérémy Mathieu, precisamente um dos visados pela seita letal ao Sporting. Aos imbecis apetece-me parafrasear o grande Maradona, "que la chupen y sigan chupando"...

Estádio nacional

EN.jpeg

Inaugurado em 1944, o velhinho estádio nacional no Jamor tem uma lotação de 37 mil lugares, manifestamente insuficientes para a procura no jogo da final da taça de Portugal, à excepção das épocas em que por um qualquer acaso fortuito do destino, nenhum dos chamados grandes chega à final.

Portugal investiu fortemente no Euro 2004, não importa aqui discutir a opção política e consequência económica de ter apresentado candidatura à organização de tal evento, mas uma vez que o país foi chamado a organizá-lo, houve um caderno de encargos a cumprir, entre os quais a reabilitação dos estádios. E aqui foi para mim incompreensível que  se tenha perdido uma oportunidade, deixando de fora o estádio nacional, quando em minha opinião deveria ter sido o palco dos jogos de abertura e encerramento do torneio. E também deveria ser hoje o estádio onde a selecção nacional de futebol disputa os jogos oficiais, cumprindo o desígnio que fundamenta a sua própria existência.

Apenas a lógica clientelar, favores políticos e tradicional incompetência lusa, permitiram chegar à bizarra situação presente, em que mantemos a final da taça no Jamor para justificar a existência do estádio nacional, mas a selecção joga noutros palcos, porque dá jeito a alguns. A Espanha não tem estádio nacional, agendando o local da final da taça do rei em função das equipas que disputam a final. A selecção vai rodando pelo país. Já a Inglaterra não dispensa que a época abra e encerre em Wembley, palco que também é utilizado para os jogos da selecção. Quando o estádio ameçava ficar obsoleto, foi temporariamente encerrado e reabilitado, voltando a cumprir a função que justifica a sua existência.

Aproveito a semana da final da taça para lançar esta discussão, sobre a qual não tenho à partida uma posição final definida, mas sou frontalmente contra o híbrido que temos. Para mim das duas uma, ou não precisamos de estádio nacional de todo, ou temos um estádio nacional, mas então que sirva para cumprir todas as suas funções, assim o exige o interesse público. E se optarmos pela manutenção do estádio nacional no Jamor, então há que ponderar a sua modernização, respeitando a sua história e arquitectura, mas ampliando a lotação e promovendo uma utilização regular. A actual situação de procurar servir a vários, na realidade não me parece servir ao país...

Na máxima força possível...

SCP1.jpg

 

Na antevisão da partida Marcel Keizer pareceu estar já a pensar no Jamor, admitindo que alguns jogadores precisariam descansar. No entanto recusou abrir o jogo, afirmando que amanhã saberíamos quem jogaria. A convocatória aponta para irmos na máxima força possível ao Dragão, ficando apenas de fora os castigados. Gostaria por exemplo que Mathieu, Bruno Fernandes ou Acuña fossem poupados, do outro lado alguma entrada maldosa pode condicionar os nossos jogadores nucleares e sabendo à partida quem é o padre que irá celebrar a missa, há que precaver possíveis incidentes disciplinares...

15 de Maio, o dia da infâmia na História do Sporting Clube de Portugal

Bas Dost.jpgFaz hoje um ano que o país ficou estupefacto com o bárbaro e infame assalto à nossa academia em Alcochete, protagonizado por uma ralé de grunhos desordeiros, a pior escumalha que gravita à volta do futebol, mentalidade ultra, dirão alguns, para mim é imbecilidade levada ao extremo. Sentado na cadeira que considerava de sonho, para ele, porque nós já vínhamos a viver um pesadelo há alguns meses, desde chantagem em AG ou estados de alma delirantes nas redes sociais, o ogre que presidia ao clube limitou-se a afirmar, “é chato”, prosseguindo no seu quadro demencial qual Nero tocando harpa, contemplando Roma a arder.

Um ano decorrido da página mais negra da nossa história centenária, ainda estão por apurar grande parte das responsabilidades, mas importa aprender com os erros e impedir que se repita uma conjectura como a que então se vivia, porque foi na total ausência de valores, dignidade e sentido de responsabilidade no exercício de funções, que o grupo de bandalhos se inspirou para praticar semelhante vil e cobarde acto.

Insultos a sócios do clube, quem não está comigo é sportingado ou serve interesses terceiros, chantagem tipo, “votam massivamente ou demito-me”, facilidade no acesso de jagunços da guarda pretoriana, vulgo claques, a área reservada do estádio, local de estacionamento dos jogadores, sucessivas e ridículas publicações nas redes sociais, apoiadas por uma minoria ainda hoje activa, que funciona numa lógica de seita fundamentalista para quem aprendiz de Napoleão é um guru, eram sinais evidentes que algo não estava bem no reino do leão.

Após o triste episódio a maioria dos sócios despertou do encantamento e resgatou o clube a 23 de Junho. As feridas continuam abertas, não faltam órfãos e viúvas letais ao clube, servos saudosos do destituído que não desistem de tentar fazer o clube regressar aos tempos tenebrosos. Uma breve passagem pelas redes sociais permite perceber que vários membros da seita apoiante do lunático relativizam o episódio, justificando o injustificável com a menor prestação dos jogadores, como estando na raiz do triste e lamentável episódio. Outros chegam mesmo a avançar com delirantes teorias conspirativas, num guião capaz de fazer inveja a muito bom argumentista em Hollywood. Suspeito que se fossem agredidos no seu local de trabalho mudariam de opinião. Importa pois que a maioria dos sócios não permita que uma minoria, por muito ruidosa e frequentemente mal-educada, não passa de minoria, volte a tomar o clube de assalto. Sob pena de um dia deixar de existir clube. Por agora estamos no rumo certo, como provam os resultados, com várias conquistas europeias que irão perdurar na galeria de troféus do clube. Após o estilhaçar da equipa de futebol, muitos auguravam um futuro negro, mas a direcção conseguiu estabilizar, no mínimo realizámos uma época idêntica à anterior, existe ainda a possibilidade de conquistar a taça de Portugal, a próxima época está a ser planificada dentro da tranquilidade possível. Podem ter a certeza que há um ano o leão ficou ferido, mas recuperou, está bem vivo e continua a rugir. Força Sporting!

Confiança no Sporting

Desde que o líder espiritual de certa seita foi destituído, seus apóstolos quais arautos da desgraça não se cansaram de alertar a nação sportinguista para os enormes perigos que o clube corria. A cartilha foi sendo actualizada, primeiro não deveríamos ter feito regressar nenhum dos jogadores que rescindiram, apelidados de ratos e traidores pelos patetas que tentaram puxar o clube para a lama, uns tristes, incapazes de desfrutarem da presença de Bruno Fernandes, jogador de classe mundial, daqueles que raramente nos aparecem. Depois, começada a época, não iríamos além do 7º lugar, mais tarde afinaram o discurso que terminaríamos em 4º lugar atrás do Sporting de Braga. Falharam, iremos terminar o campeonato em 3º lugar, nas últimas 5 épocas conseguimos duas vezes o segundo lugar e três vezes o terceiro lugar.

Estamos na final da taça, o que também conseguimos duas vezes nas últimas 5 épocas, a última perdida com a equipa apresentando-se no Jamor psicologicamente destroçada pelas razões que conhecemos.

Incapazes de contestar os números, hoje o discurso é que Marcel Keizer não serve para treinar o Sporting, porque não aposta na formação. Dez vitórias seguidas para o campeonato, eliminação do rival na meia-final da taça de Portugal, para estes tristes não são suficientes para permitir ao holandês preparar e iniciar a próxima época. Pelo meio vão levantando sucessivas teorias mais ou menos conspirativas sobre venda de jogadores e diminuição da aposta nas modalidades, sempre na tentativa vã de desestabilizar o clube e minar a credibilidade dos actuais órgãos sociais. Desiludam-se, não irão conseguir lograr os seus intentos, porque a esmagadora maioria dos sócios não o permitirá. Querem mesmo ir a votos?

Hoje vitória histórica 1-8 diante do rival Belenenses, hat-trick de Bruno Fernandes, que acaba de se tornar o médio mais goleador na história do futebol mundial. Até Gudelj que tem sido com frequência o elo mais fraco, hoje conseguiu marcar e Bas Dost não poderia pedir mais, para um goleador que regressa após crise, nada melhor que marcar. Sem dúvida que o Sporting Clube de Portugal está no bom caminho.

Nuvens negras...

Ponto prévio, com o mal dos outros, posso eu bem. Sou sportinguista, por isso problemas ou questões internas dos rivais passam-me ao lado, mas também sou adepto de futebol, em especial de futebol internacional, porque cada vez gasto menos tempo com o tuga soccer, à excepção dos jogos do meu Sporting.

Por uma questão de princípio, defendo que as claques não são mais importantes que qualquer outro adepto que pague bilhete e vá ao estádio assistir a uma partida de futebol e muito menos têm qualquer direito de avaliar o grau de profissionalismo de qualquer atleta ou técnico dos clubes. Essa é uma tarefa que cabe única e exclusivamente aos dirigentes responsáveis de cada clube, pese embora todos tenhamos direito à opinião enquanto apaixonados do futebol.

Confundir direitos e obrigações de cada um, levou a que no nosso clube, jagunços imbecis tenham pretendido tirar satisfações no aeroporto do Funchal e garagens do estádio, iniciando uma escalada que levaria ao infame e cobarde assalto à academia. Ontem no estádio do Dragão, uma claque recusou sair das bancadas, forçando mesmo os jogadores a um regresso do balneário. Os vídeos andam por aí, as imagens já passaram nos noticiários, não me vou pronunciar sobre o conteúdo, é um assunto do F.C.P., não comento, mas caso algo idêntico se passasse em Alvalade, ou qualquer outro campo em que o Sporting se desloque, por mim os energúmenos ficariam mesmo a urrar e grunhir sozinhos na bancada.

Órfãos, viúvas e agora pândegos...

Alguns ressabiados com o bom momento que o Sporting atravessa colocaram ontem a circular nas redes sociais mais delírios conspirativos, desta vez a teoria que a direcção do Sporting evitou a saída pelo aeroporto da Portela, preferindo o Figo Maduro para fugir aos sócios. Estas patéticas almas nem se dão conta do ridículo a que se expõem, uma vez que a comitiva foi à praça do município para ser recebida oficialmente na C.M.L. e depois o pavilhão João Rocha foi aberto aos sócios que quiseram receber os jogadores, o que deita por terra qualquer tese destes saudosos do defunto aspirante a Napoleão do Sporting Clube de Portugal, que em boa hora os sócios resolveram destituir. 

Oa acólitos da seita da igreja universal do reino do Bruno tiveram muito espaço e tempo para mostrar cartazes, mas cada vez menos sportinguistas lhes passam cartão, porque a agenda está gasta e não será pelo cansaço que nos vencem. Por duas vezes a esmagadora maioria dos sócios se pronunciou e muito provavelmente não haverá duas sem três. No passado sábado o estádio voltou a encher, ontem assistimos a um banho de multidão na recepção à equipa de futsal, estamos no bom caminho.

Metam uma coisa na cabeça, se querem continuar ou não a ser sócios e apoiar o clube, ou preferem continuar a carpir mágoas pelos cantos, é convosco, mas fiquem com a certeza que os sócios não querem regressar a um triste passado que nos envergonhou e enxovalhou, por isso podem ter a certeza, o nosso presidente chama-se Frederico Varandas e no dia em que deixar de o ser, alguém lhe sucederá no cargo, mas não será o vosso líder espiritual, porque tal profeta só traz desgraça, o clube pertence aos sócios e a esmagadora maioria quer ver tal figurão bem longe...

Tão grande como os maiores da Europa

Futsal.jpg_large

Ao contrário do que algumas aves agoirentas que pululam à volta do clube apregoavam, o Sporting C.P. não desinvestiu nem diminuiu a aposta nas modalidades. Não conseguimos é ganhar sempre, porque jogamos contra adversários que também têm valor, investem e são competitivos. Aliás, só assim as vitórias têm valor. Hoje foi o futsal, orgulho enorme nos atletas, treinadores e dirigentes que uma vez mais ergueram bem alto o nome do clube, Sporting Clube de Portugal, tão grande como os maiores da Europa.

No rumo certo

O jogo dos núcleos foi hoje uma aposta ganha do Sporting Clube de Portugal. Mais de 44 mil espectadores esgotaram praticamente os lugares disponíveis, há que contar com as gameboxes, sabendo que nem todos os detentores destes lugares vão assistir aos jogos ou cedem os lugares. Obviamente que também ajudou o agendamento do encontro para um final de tarde ao sábado, para além da preciosa colaboração da meteorologia, porque esteve um excelente dia de Primavera.

Os aziados, órfãos ou viúvas sofreram hoje uma dupla e inequívoca derrota, a primeira com a assistência, a segunda com mais uma vitória da nossa equipa de futebol. Salta à vista que estamos no caminho certo, há que pensar nos sócios e adeptos que verdadeiramente amam e sentem o clube, para os quais a verde e branca, o leão rampante, o estádio José de Alvalade ou Pavilhão João Rocha são símbolos e territórios sagrados, mais importantes que qualquer dirigente que exerça funções. Somos do Sporting, estamos no Sporting, mas não somos o Sporting, é uma evidência que muitos parecem às vezes esquecer.

Futebol, presente e futuro próximo...

Não há muito tempo, fui crítico de Marcel Keizer, mas com esta série de vitórias, incluindo a passagem à final da taça de Portugal, o holandês merece o meu respeito e principalmente o direito de iniciar a próxima época, assumindo responsabilidade na planificação da pré-época e escolha do plantel, pormenores de grande importância. Não vale a pena estar sempre a recordar, pese embora nunca possamos esquecer, as atribulações com que iniciámos a presente temporada, que muito condicionaram a prestação da equipa quando o calendário apertou entre Outubro e Janeiro.

Qualquer plantel equilibrado precisa no mínimo dois jogadores para cada lugar, o Sporting até para colocar um onze equilibrado em campo apresenta lacunas, por exemplo, quando Mathieu esteve lesionado, o cenário piorou, sucederam-se os maus resultados.

Ao contrário de épocas anteriores, o mercado de Inverno foi bastante positivo, com as entradas de Borja, Doumbia, Ilori e Luiz Phellype, todos eles já utilizados em vários jogos, o que transmite confiança na competência da actual direcção do clube, mas a prova definitiva será o mercado de Verão, desde logo a forma como poderão lidar com potenciais ofertas por Bruno Fernandes, Bas Dost ou Marcos Acuña, a par da política de contratações. Frederico Varandas chamou a si a gestão do futebol, ficará obviamente associado ao resultado que vier a ser alcançado, não existindo para a próxima época qualquer desculpa quanto à não planificação da mesma.

Uma palavra sobre a formação, historicamente o Sporting é um clube formador, mas nos últimos anos a qualidade dos jogadores promovidos à equipa sénior está longe de épocas passadas, salvo algumas honrosas excepções, como Gelson Martins, o último grande talento da academia a alcançar rapidamente estatuto de titular indiscutível e internacional A. Outros tardam em conseguir impor a sua qualidade no Sporting ou mesmo nos clubes onde são colocados por empréstimo. Estranhamente alguns dos melhores como Tiago Djaló ou Demiral, foram desperdiçados, saindo por valor irrisório, situação que de futuro não pode voltar a ocorrer. Os atletas não são todos iguais, há quem faça a transição mais rapidamente que outros, sendo por isso fundamental uma política de acompanhamento aos nossos jovens, com especial cuidado na colocação por empréstimo e até mesmo quando os dispensamos, incluindo sempre que possível clausulas de recompra, algo que hoje em dia muitos clubes praticam, incluindo os nossos rivais.

O Sporting Clube de Portugal é um grande clube, com imensa massa adepta e milhares de sócios, não precisa inventar, mas praticar uma boa gestão, rigorosa, profissional, os resultados alcançados serão sempre um reflexo do trabalho e competência.

Tuga soccer...

É frequente ao analisarmos um lance mais duvidoso existam diferentes interpretações para o mesmo. Semanalmente “especialistas” analisam os lances mais polémicos com recurso a imagens e nem sempre existe consenso, sem que o facto provoque danos por aí além. Por norma, aferimos a uniformidade ou dualidade de critérios para considerar ou não uma arbitragem isenta, para aferirmos a competência de determinado árbitro, é preciso analisar o histórico das suas prestações, incluindo naturalmente a coerência.

Artur Soares Dias é considerado um dos dois melhores árbitros portugueses, insuficiente para garantir que a arbitragem portuguesa marque presença nos grandes palcos, porque em abono da verdade, o futebol português é uma trampa, cheio de manhas e trafulhice, sempre em prol dos mesmos. Alguém com um mínimo de lucidez, acredita que um dia em Portugal, poderia acontecer algo sequer parecido com o que sucedeu à Juventus? Costuma-se dizer que onde há fumo, há fogo, mas apesar da imensa fumarada, os poderes instalados teimam em assobiar para o lado e dizer que “no pasa nada”.

Voltando ao árbitro que “dirigiu” ontem o Desp. Aves-Sporting C.P., apesar da indignação, selectiva claro está, de Inácio, a verdade é que a expulsão de Renan Ribeiro é no mínimo discutível, porque o avançado do Aves não caminha em direcção à baliza, pese embora ninguém possa negar a perigosidade do lance. Ora, perante um lance muito parecido na época 2016/17, em Alvalade, jogo Sporting C.P.-S.L.Benfica, quando o guarda-redes Ederson cometeu grosseira falta sobre Bas Dost, o mesmo Artur Soares Dias assinalou falta, correspondente grande penalidade, mas não expulsou o guarda-redes porque Bas Dost não corria em direcção à baliza. Precisamente a mesma circunstância que se verificou ontem, o mesmo árbitro, diferente critério...

Sobre Inácio, tenho a dizer que se indignou com o lance de Doumbia, bem o percebo, gostaria de ter jogado contra 9, ou mesmo contra 8, já que também falou no segundo amarelo que ficou por mostrar a Acuña, sem referir como é óbvio, que o primeiro foi mostrado ao protestar uma falta inexistente, assinalada pelo talentoso árbitro. Prometeu que iria surpreender o Sporting e cumpriu, aquela forma de defender um livre directo não lembraria a ninguém, mas felizmente que lembrou a Inácio, porque permitiu a Mathieu recolocar o Sporting em vantagem, rectificando remate falhado de Wendel. Aliás, a azia de Inácio chegou ao ponto de dizer que o Sporting ganhou porque se uniu a jogar com apenas 10 jogadores, quando se apanhou a ganhar e que teria sido diferente se o jogo estivesse empatado. Inácio esqueceu que ficou em superioridade numérica com o jogo empatado e depois a perder, ainda conseguiu chegar ao empate. Só que pela frente apanhou um Sporting com garra, ontem finalmente, superiormente orientado por Marcel Keizer, que lhe deu um banho de táctica e motivação, para azia de muitos, incluindo sportinguistas, ou que se afirmam como tal...

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D