Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Keizer ou não, eis a questão

Com Bruno de Carvalho tivemos de facto 3 bons treinadores portugueses à frente do Sporting, e a carreira de cada um deles está aí para o comprovar, ainda agora Marco Silva à frente duma equipa inglesa que luta pela Europa conseguiu uma vitória histórica contra o ManUnited.

Depois duma fase transitória assegurada por um mal-amado (Peseiro) e por um treinador novinho oriundo das camadas jovens, Varandas escolheu um treinador holandês sem grande curriculum e ou dotes de comunicação, e que, como Peseiro, não entusiasma.

Depois duma fase inicial prometedora, vieram más exibições e maus resultados, que foram sendo lentamente ultrapassados, enquanto se procedia à substituição duma parte substancial do plantel, incluindo um dos capitães, Nani.

Há muita coisa a dizer (e temos dito por aqui) sobre o futebol que temos visto praticar o Sporting com Keizer, sobre a sua forma de gerir o plantel e um ou outro jogador, mas, e olhando para os resultados, pegando numa equipa a meio da época, com um plantel com grande deficit de quantidade de qualidade, é completamente descabido dizer que é um péssimo treinador, o pior desde sempre, e que o Sporting estaria melhor com treinadores portugueses de 2ª linha e futebol de luta e marcação como Abel Ferreira ou Luís Castro.

Até agora os números de Keizer são os seguintes:

V - 23 (2 via desempate p/ penaltis)

E - 4  

D - 5

e com as outras 4 melhores equipas da Liga (Porto, Benfica, Braga e Guimarães):

V - 4

E - 1

D - 3

Lugar na Liga: 3º

Conquistas: Taça da Liga, finalista da Taça de Portugal

Fracassos: Eliminatória da Liga Europa

Ponto mais alto do treinador: 3-0 ao Braga

Ponto mais baixo do treinador: 2-4 com o Benfica

Vem aí o Guimarães, com o tal Luís Castro na corda bamba, vamos ver se esta sequência de vitórias tem continuidade e se quase asseguramos o 3º lugar da Liga ao tal Abel Ferreira.

SL

 

Missão cumprida na Choupana

Não foi um grande jogo de futebol, não se assistiu a uma grande exibição do Sporting, não houve um grande resultado, mas foi uma vitória "sem espinhas", tão esmagadora que foi a superioridade da nossa equipa, traduzida em posse de bola, numa dúzia de oportunidades de golo não concretizadas por azelhice, azar ou boas defesas do guarda-redes adversário, sem uma sequer oportunidade de golo do adversário. Tarde mais que tranquila para Salin.

O duplo trinco Gudelj-Doumbia (fórmula para o Jamor?)  funcionou em pleno, dominou por completo o meio campo e proporcionou uma tarde tranquila da defesa. Gudelj o melhor em campo.

Os atacantes fartaram-se de falhar golos mais ou menos fáceis, mas para falhar tiveram pelo menos de estar lá e fazer por isso. Diaby entre aquilo que falhou, e aquilo que acertou mas alguém bloqueou, é responsável por 4 ou 5.

Não há comparação possível para já entre Bas Dost (um dos melhores pontas de lança de sempre do Sporting) e Luiz Phellype (o meu LP9). Mas também não entre o LP9 e o Castaignos, Barcos, André Balada e outros flops ($$$) que por aqui têm passado. Hoje mais uma vez esteve muito bem, peitudo, lutador e marcador de golos. Bela descoberta no mercado de Inverno.

Keizer esteve muito bem nas substituições, acautelando cansaços e cartões, e Jefferson a ala (a defesa é um susto) entrou para dar conforto a Acuña e centrar bolas para golo.

Sobre M. Luís e F. Geraldes, sou ferozmente a favor de quota para a formação no plantel, mas não no 11, e tem de justificar nos treinos e nos jogos que são melhores do que os titulares. Eles e os outros são para entrarem quando e como se justificar. Se calhar Jovane perdeu hoje uma oportunidade para demonstrar que é melhor que Diaby ou Raphinha, e eu até acredito que sim.

Resumindo e concluindo, tendo estado em Tondela, Chaves, Feira e Setúbal, tudo equipas do nível do Nacional, esta foi de longe a exibição mais segura e a vitória mais fácil e categórica.

Missão cumprida na Choupana, 3º lugar mantido, venha o Guimarães.

SL

Wendel

Pelos vistos mais um caso de más influências de empresários que se aproveitam da ingenuidade alheia para criarem condições para negociatas chorudas, à revelia das responsabilidades do jogador e dos interesses legítimos da sua entidade patronal.

Wendel veio muito jovem do Brasil, família pobre, enfrentou dificuldades, custou a encontrar o seu lugar, teve a sorte de ter chegado um treinador que apostou nele sem reservas, num momento em que tinha equipa e treinador a precisar do melhor dele, resolve ir viajar e mostrar-se ao mundo bem longe do seu local de trabalho de braço dado com um empresário qualquer.

Esteve muito bem o Sporting e o seu presidente a mostrar-lhe o cartão amarelo e deixá-lo em Alcochete a pensar no assunto, teremos concerteza o Miguel Luís ou outro na Madeira a defender a camisola e a ajudar a equipa a conquistar os três pontos.

O Sporting não pode nunca pactuar com este tipo de situações.

 

PS: Estamos realmente num clube que não tem sossego. Dívidas de Março pagas, lugar no Jamor assegurado e 3º lugar na Liga, logo aconteceu fuga de informação da auditoria, caso com jogador, enfim... 

SL

Javardice comunicacional

Cada vez mais o futebol português está à mercê da javardice nas redes sociais e meios de comunicação alimentada e muito patrocinada pelas estruturas de comunicação dos principais clubes e das suas "Young Networks", pressionando, insultando, ameaçando famílias, valendo tudo para defender o clube e atacar terceiros. A guerra suja da jagunçada a mando dos "coronéis", agora na versão Internet, com espiões e tudo. O último episódio foram as ameaças à família de Bruno Paixão, um medíocre árbitro é certo, com muitas culpas no cartório também. Há quem diga que pelo menos não lhe partiram os dentes. Vantagens dos novos tempos. Enfim.

E há quem no Sporting fale em "mansos" e coisas do estilo para classificar a rotura do actual presidente com este estado de coisas, a saída da lama comunicacional e a focalização na resolução dos problemas do clube. A jagunçada de Alvalade perdeu o seu "coronel", transformou-se num bando de viúvas letal ao clube a que dizem pertencer, entretendo-se em ajarvardar anonimamente os locais e blogues onde o Sporting está em lugar cimeiro, sem comparação possível com qualquer "maduro" que por aqui passe. Não esquecendo que entretanto "os bravos" da jagunçada, se lembraram de assaltar a própria casa e causar centenas de milhões de euros de prejuizos ao próprio clube. 

O Sporting não se revê e não se pode rever neste estado de coisas, o futebol não é isto, isto é a podridão das dinastias reinantes na Luz e nas Antas, às quais um alucinado aprendiz de feiticeiro se tentou comparar na estúpida ilusão de ser o próximo "presidente da junta". 

Vamos nós tratar dos nossos problemas, que temos muitos para resolver, defender a verdade desportiva e a ética no desporto, exigir qualidade na arbitragem e nomeações por sorteio, porque foi por aí que ganhámos no passado e continuaremos a ganhar no futuro.

SL

ADN de Campeão (parte 2)

Dizia eu em 07/03/2019:

"Já dizia Jorge Jesus que esta coisa do ADN de Campeão não surge do nada, constrói-se, é preciso muito tempo e muito esforço para ele surgir e demostrar o que vale. Já dizia também alguém que construir demora muito, destruir quase nada, e o destituido encarregou-se do assunto no que ao futebol diz respeito a partir do sofá.

Vem isto a propósito de ter ido ao Pavilhão João Rocha ver a nossa brilhante equipa de andebol estar quase todo o tempo a perder e acabar a ganhar ao concorrente directo ao título, o Porto, e chegar a casa e ver o mesmo Porto a ganhar a 3 minutos do fim ao Roma e ganhar quase tantos milhões quantos nós vamos ter com um fundo qualquer, é a triste situação em que nos deixou o dito cujo. E nessa magnífica jornada de andebol até estava um jogador de futebol na bancada, o Acuña, lá com o seu chazinho de mate e acompanhado daquela senhora que indispôs a mana do tal destituído, suspenso e em breve expulso.

E fiquei a pensar se haveria algum ponto comum ou semelhança entre esta nossa brilhante/fantástica, o que quiserem, equipa de andebol, a equipa do Porto que conseguiu a passagem à eliminatória seguinte no prolongamento e a nossa actual tristonha e deprimente equipa de futebol profissional. ... "

Bom, pois ontem vi em campo o tal ADN de campeão, uma grande equipa, solidária, coesa, que entrou com tudo, não conseguiu marcar, insistiu sempre sofrendo um ou outro susto pelo caminho, marcou a 15mn do fim e fechou o jogo, não permitindo veleidades ao adversário. Desta vez com um treinador que soube ler o jogo e colocar jogadores frescos nos momentos chave. E com um jogador de classe extra que espalhou classe e determinação em campo. Estamos no Jamor, para vingar o desastre do ano passado e ganhar. 

Para além disso entre Chaves e Alvalade esclareceram-se algumas questões sobre o futuro próximo do futebol do Sporting:

1. Keizer. Com estas duas vitórias Keizer assegurou o seu lugar para a próxima época. Insistindo sempre nos mesmos, com uma ou outra nuance de posicionamento e de modelo estratégico de jogo, conseguiu encontrar uma formula consistente para conseguir resultados. Nani e Montero sairam, Bas Dost encostou às boxes, e mesmo assim os resultados apareceram. Ontem e ao contrário de Chaves vimos os centrais descansados de sair a jogar, com Renan a colocar a bola na frente com critério e o PH9 a fazer de poste ao melhor estilo de Bas Dost. Vimos B.Fernandes a vagabundear confundindo marcações e Wendell a acelerar pelo centro do campo. Vimos Raphinha a fazer diagonais que desestabilizavam a equipa adversária (embora continuando a desperdiçar conclusões por jogar de pé trocado). Tudo coisas com dedo do treinador.

2. Formação. Mais uma vez não houve jovens da Academia em campo, Geraldes e Jovane no banco, M.Luis na bancada. Teriamos ganho com eles ? Não faço ideia. É mesmo teimosia do Keizer, ou falta algo no seu desempenho nos treinos ? Ou é apenas questão de estamos no final da época, sem a pressão competitiva doutras alturas da época, sendo mais fácil ter os titulares em boas condições para o jogo seguinte ? E para a próxima época como será ?

3. Plantel. Mal ou bem, ganhou ao Benfica uma equipa de retornados e adquiridos post assalto a Alcochete (apenas vinham de trás e passaram pelo assalto sem questões contratuais conhecidas Coates, Mathieu e Wendell):

Bruno de Carvalho: Bruno Gaspar, Raphinha (ingresso posterior)

Sousa Cintra : Renan, Gudelj, Diaby mais os retornados/mantidos B.Fernandes e Acuna

Varandas : Ilori, Borja, Doumbia e Luiz Phellype

Se calhar devemos alguma coisa a Sousa Cintra ou não ? O que seria desta época do Sporting sem B.Fernandes e Acuna ? Ou sem Renan, um guarda-redes que conseguiu colmatar muito bem a perda do grande Rui Patrício ? Relativamente às aquisições de Inverno é tudo gente sem grandes rasgos nem tiques de vedeta, mas esforçada e útil. Todos eles ainda muito podem melhorar.

Relativamente ao B.Gaspar começou bem com um remate ao lado e depois foi mais uma vez o pior em campo do lado do Sporting, perdendo-se a conta aos lances de progressão pelo seu lado que falhou, e às indecisões entre fechar o lado e encostar aos centrais... até sair. O pior defesa direito do Sporting desde o Quim Berto ? E também o mais caro de sempre ?

Pelo contrário, do lado do Benfica era tudo gente com mais ou menos anos de casa e que já lá estava no ano passado, a excepção era o médio brasileiro que saiu lesionado, e o próprio treinador também.  E mesmo assim conseguimos ganhar, se calhar porque tinhamos do nosso lado o melhor jogador da Liga. Do outro estava um rapazinho talentoso encandeado pelos holofotes da fama.

Concluindo, fazer uma grande equipa demora muito tempo, dar cabo dela é num dia, basta criar um ambiente hostil aos jogadores, arranjar umas dezenas de arruaceiros, invadir o balneário e dar cabo deles fisica e animicamente. Esta equipa precisa de tempo e estabilidade a começar pelo treinador (e só se muda de treinador em caso extremo), de confiança, do apoio de todos, de reforços e de manter os poucos jogadores de classe extra de que dispõe, a começar pelo grande Bruno Fernandes e a acabar no Bas Dost. Pode não ser possível, mas há que fazer tudo para isso.

SL

Sportinguistas ou javardos ?

Vendo o que vi em diversos estádios deste país e lendo o que disse Miguel Albuquerque depois da vitória na final da Taça de Futsal, importa saber quem é que vai estar em Alvalade amanhã como Sportinguista a sofrer pelo clube, a apoiar o clube, a cantar "O mundo sabe que", a suportar os profissionais, a ajudar a transportar a equipa à vitória e ao acesso ao Jamor, e quem vai lá estar para descarregar as suas frustações, fazer o seu número de circo foleiro e, se as condições se proporcionarem, ajarvardar o ambiente, ofender os profissionais e revoltar-se contra quem não embarca na javardice. 

Para javardos (ver dicionário) já bastam os lampiões, não precisamos dessa gente no nosso Sporting Clube de Portugal. 

SL

Copo meio cheio ou meio vazio ?

Com a vitória em Chaves chegámos ao 3º lugar da Liga. Ganhámos já a Taça da Liga. Na Liga Europa fomos eliminados por uma equipa espanhola que ainda lá está, depois de ter eliminado o Zenit. Estamos na luta pela final da Taça.

No futebol de formação competimos pelos primeiros lugares, tal como no futebol feminino.

Nas modalidades de pavilhão mantemos o nível da época passada. Ainda hoje ganhámos a Taça do Futsal ao Benfica.

O empréstimo/resgate obrigacionista foi concluido.

A reestruturação da dívida bancária está prestes a ser concluída.

O processo das rescisões está a ser resolvido nas condições em que pode ser resolvido. Patrício e William já estão, importa terminar Gelson e aguardar os prazos da justiça para os outros três.

O relacionamento com as claques está péssimo, parece que sem amendoins não há macacos.

A reestruturação da Academia e do "back-office" do futebol profissional é um facto.

Depois de tudo o que se passámos, do assalto à Academia que conduziu à destituição e posterior suspensão dum presidente, da eleição do novo presidente por pouca margem nas eleições mais concorridas de sempre, o que já se conseguiu é muito ou pouco? 

O copo está como?

SL

Vitória sofrida com PH9

Isto de chegar, ver e vencer não é para todos, uns demoram tempo, outros nem lá chegam. Hoje tivemos um ponta de lança batalhador, com presença na área e frio na concretização. Pena apenas aquela cabeçada falhada da 1ª parte. Um Phyllipe que justificou enfim a contratação para a posição 9. Como alternativa a Bas Dost, obviamente.

Também tivemos Borja, que fez uma bela ala esquerda com Acuña, e Doumbia com prestações individuais agradáveis. Pelo que o mercado de Inverno não foi de todo desperdiçado. 

O que começa a ser um caso sério de desperdício é a teimosia táctica de Keizer, que continua a insistir em sair a construir desde trás, tornando os dois centrais alvos da pressão adversária e sujeitos ao erro, e fazendo de Gudelj polícia sinaleiro. E tudo começa em Renan, que se recusa a colocar rapidamente a bola à distância, e quando o faz, enfastiado, chuta para onde não há ninguém. Se calhar para Keizer é a escola holandesa versão Barcelona, mas está a ser aquele ponto fraco que todos os adversários exploram.

Resumindo, com Coates, Mathieu, Acuña e Bruno Fernandes devíamos ter jogado muito mais e sofrido muito menos. 

SL

Dá Deus nozes a quem não tem dentes...

Farto das baboseiras do destituído, que nem merecem resposta, andava a passear pelos canais quando oiço Tiago Fernandes na Sport TV a dizer o óbvio, que o Bas Dost com um modelo de jogo a privilegiar o jogo interior, extremos de pés contrários e laterais incapazes de centrar bolas em condições está condenado ao insucesso.

Só um cego é que não vê. Até pode ser holandês também mas, por amor da Santa, se tem um ponta de lança de eleição, ponha a equipa a funcionar em função dele.

Foi assim que Boloni fez com Jardel, com Quaresma dum lado e João Pinto do outro a centrar para o "cabecinha de ouro", mas se calhar com Keizer andava a fazer tabelinhas no meio campo... e haveria aqui quem se queixasse que o brasileiro era um cepo.

Se do lado esquerdo Borja e Acuña garantem profundidade e cruzamentos, mas é preciso insistir e rotinar os dois, do outro Raphinha não faz um centro e os dois laterais são mais que medíocres nesse domínio. Quando entra Diaby, pior um pouco. Nani jogava tambem de pé contrário. Que saudades Bas Dost deve ter de Gelson e Podence...

O desempenho extra de Bruno Fernandes tem tapado muita coisa...

SL

E não se pode naturalizar o Bas Dost ? (parte 2)

Dizia eu depois do jogo com a Ucrânia que "Mas que falta faz um verdadeiro ponta de lança à selecção portuguesa, um Benzema para o Ronaldo, um pinheiro que arraste a defesa e deixe espaços para o Ronaldo aproveitar.  André Silva e o faltoso e manhoso D. Sousa não dão conta do recado. Porque não naturalizar o Bas Dost, não este dos últimos tempos, post traumatismo craniano e pai recente, mas o outro, o letal ponta de lança que marcou dezenas de golos pelo Sporting?"

Bom, hoje depois da lesão de Ronaldo mais ainda se notou a falta dum ponta de lança de classe na selecção portuguesa. D.Sousa uma inutilidade, faltoso na área, e quase conseguiu não acertar um passe durante todo o tempo que esteve em campo.

Desta vez, Portugal apresentou 14 jogadores, 3 made in Alcochete (Ronaldo, Patrício e William), um deles o melhor jogador português de todos os tempos mas que não durou muito, 5 made in Seixal (Danilo, Cancelo, R. Dias, B. Silva e Guedes),  1 made in Olival (A.Silva), mais Pepe (que até passou pelo Sporting), Pizzi, Rafa, R. Guerreiro e D. Sousa.

Dos 3 made in Alcochete, 2 saíram com o destituído, aqueles que diz ele que já queria correr com eles há uns tempos mas o Jesus não deixou. E assim, do Sporting ZERO. ZERO. É o que temos. Uma dor de alma.

Quanto ao jogo, foi um jogo aberto à moda do Keizer, que podia ter terminado com 4-3 ou 5-2,  Portugal desperdiçou oportunidades para ganhar folgadamente, o guarda-redes defendeu magistralmente 1 ou 2, William falhou 2 ou 3, o árbitro foi enganado pelo assistente e lá se foi um penálti, e foi assim... dois empates em casa com os outros dois candidatos. Podia ser pior.

SL

E não se pode naturalizar o Bas Dost ?

Mas que falta faz um verdadeiro ponta de lança à selecção portuguesa, um Benzema para o Ronaldo, um pinheiro que arraste a defesa e deixe espaços para o Ronaldo aproveitar.  André Silva e o faltoso e manhoso D. Sousa não dão conta do recado. Porque não naturalizar o Bas Dost, não este dos últimos tempos, post traumatismo craniano e pai recente, mas o outro, o letal ponta de lança que marcou dezenas de golos pelo Sporting ?

Portugal apresentou 14 jogadores, 5 made in Alcochete, um deles o melhor jogador português de todos os tempos, 3 made in Seixal, 2 made in Olival, mais Pepe (que até passou pelo Sporting), Rafa, R. Guerreiro, o tal faltoso e manhoso D. Sousa filho de algum filho de algum patrício. Dos 5 made in Alcochete, 3 saíram com o destituído. Os 2 últimos diz ele que já queria correr com eles há uns tempos mas o Jesus não deixou.

E assim, do Sporting ZERO.ZERO. É o que temos. Uma dor de alma.

SL

 

Batucada

96843bd397fbcbb801ce77ac8a8d3c77--guiné-bissau-an

Cabo Verde é uma terra de gente boa, com poucos recursos naturais demonstram um nível cívico elevado e um histórico de tranquilidade e convivência. De Cabo Verde sairam para o Sporting atletas e homens como Oceano e Nani e mais recentemente Jovane. E gostam de batucada. 

Tal como a sardinha atrai tubarões, a gente boa atrai espertalhões, e houve um desses que resolveu inventar um protocolo com um tal clube chamado Batuque, com base em 7 nomes de jogadores mais ou menos desconhecidos e alguns em parte incerta, dias depois do assalto a Alcochete, e lá foram 330,000€ transferidos com as assinaturas de Bruno de Carvalho e Carlos Vieira destinados ao tal Batuque.

Dizem que o vinho melhora muito quando se leva a navegar pelos trópicos, parece que o "torna-viagem" esteve na origem do que é o vinho da Madeira.

O dinheiro também ? Mesmo com "marinheiros de primeira viagem", como dizia um empresário amigo do presidente do tal Batuque ?

SL

 

Sporting Clube de Portugal ou Sporting Clube de Lisboa?

Durante muitos anos foi possível ao Sporting manter o estatuto de Grande Clube Português, mesmo ganhando muito menos no futebol do que os outros dois rivais, e até tivemos um presidente, João Rocha, que apostou no ecletismo para complementar os feitos pontuais do futebol (que por algum motivo fazia gala em logo estragar) e assim manter esse estatuto. 

Com o anterior presidente foi feita uma aposta séria no sentido de o recuperar, investindo forte no futebol e nas modalidades, enfrentando e abrindo guerras com tudo e todos, por último com os próprios sócios e acabou destituído e suspenso, sem ganhar qualquer título relevante no futebol excepto um final de taça e não sem antes de sair ter dinamitado a própria SAD e estrutura profissional do futebol, com rescisões, dívidas, questões reputacionais e judiciais, corrupção das claques e divisionismo na massa adepta e sócios pagantes. 

No dia de hoje, e já com uma nova administração legitimamente eleita nas mais concorridas eleições de sempre, estamos em luta com o Sporting Clube de Braga para o 3º lugar da Liga, feito só possível pela recuperação (mérito de Sousa Cintra) de alguns dos que rescindiram ou que estavam com vontade de rescindir depois do assalto de membros da maior claque à academia do próprio clube. Sem esses, mais Renan e Nani (que entretanto encontrou um belo final de carreira nos States), estariamos a lutar para que lugar?

E, podendo realmente conquistar esse 3º lugar e até chegar ao final da taça, o que se ouve é a necessidade de baixar orçamento, de vender o pouco bom que temos, os tais que estão a segurar a fasquia no campo de jogo, Bruno Fernandes, Bas Dost, Acuña, Coates, Mathieu e até Renan, para ir arranjar tipos com muita atitude e vontade de ganhar, como se isso servisse para alguma coisa sem haver competência para o efeito. Como se com uma mão cheia de amendoins não aparecessem apenas macacos.

Ou seja, enquanto Benfica e Porto lutariam pelos milhões da Champions, e sabemos que existe uma grande pressão para que o clube dos Grandes de Portugal se reduza a dois nomes, ficariamos então nós a lutar com Braga e Guimarães pelos tostões da Liga Europa. Porque o que contaria seria o orgulho, a atitude, as modalidades, a maioria absoluta na SAD, bilhetes à borla, substâncias à farta, ladrar bem alto nas tvs, cantos ordinários e porrada no estádio e fora dele, tudo muito Ultra e Mustaphakiano, e já nos chegaria. O Sporting Clube de Lisboa.

Para mim o essencial é relançar o Sporting Clube de Portugal, na visão dos seus fundadores  e na luta com os seus rivais Benfica e Porto. E para isso é preciso por um lado o saneamento financeiro da SAD que parece estar a ser tratado com um fundo investidor e por outro a associação a parceiros que tragam dimensão e ambição (controlada) que permita atrair e reter talento e obter resultados. No curto prazo, que permita reter B. Fernandes e companhia e juntar-lhes meia dúzia de jogadores à sua dimensão, expurgando o entulho que ainda subsiste no plantel e abrindo vagas para os melhores da formação. Com um treinador à altura da empreitada. E com ética, competência e determinação na Administração do Clube e da SAD.

Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

O que sempre deve ser e devia ter sido o Sporting.

SL

Temos jogadores que nunca desistem (Marcel Keizer)

Realmente é verdade, Mr. Keizer. Não são todos, temos no plantel jogadores que desistem bem depressa de demonstrar a sua utilidade e justificar o que ganham. Mas alguns são verdadeiros heróis, guarda-redes que evitam golos em momentos críticos, alguns defesas centrais avançam no terreno como locomotivas e fazem de pontas de lança quando a coisa está preta, alguns médios defendem, atacam, correm os 90 metros, marcam de livre e de penálti, alguns avançados preenchem o corredor, atacando e defendendo com bravura, alguns pontas de lança não desistem de somar golos ao seu pecúlio.

Meia dúzia de bravos do plantel, que têm de aguentar com os tais colegas que desistem sempre de ajudar, arbitragens manhosas que os castigam, adeptos que os insultam quando a coisa não corre bem (e ameaçam voltar aos apertos e agressões), treinador perdido algures entre a Eredivisie e a Liga Tuga e que não lhes permite descanso, um presidente pressionado pelos sócios e uns empresários sempre dispostos a arranjarem motivos para viajarem para outras paragens.

Um deles por acaso é holandês, muito bom de cabeça e a concluir cruzamentos, e passa longos minutos a secar na frente do ataque, porque o senhor insiste em jogo interior e extremos de pé trocado. Quando não há holandês, é quando o senhor manda cruzar, vá lá entender-se porquê.

Dois são defesas centrais, que jogam sem a protecção dum trinco e são obrigados a dobrar constantemente defesas laterais em parte incerta. Isto porque o senhor insiste num outro holandês que anda por ali perdido no meio-campo sem saber o que fazer.

Os outros, os que não desistem, também é fácil perceber quem são.

A questão então é se o senhor já desistiu de ajudar os tais jogadores que nunca desistem.

SL

Império Leonino

esanossafe.jpg

 

O histórico café Império, agora muito IURD (não é B, é D), acolheu mais uma vez o jantar deste grupo heterógeneo de Sportinguistas, unidos pela participação num espaço de  discussão da actualidade do Clube, e coube-me a mim como caloiro fazer o relato para memória futura. 

Desta vez e enfrentando uma táctica de disposição de mesas que lembrava um duplo pivot à moda de Peseiro e que dificultava um pouco a comunicação do grupo, para além do habitual bife com ovo a cavalo regado com uma cerveja holandesa (que não se chamava Keiser) terminámos com um duplo shot de potente medronheira e licor de mel da serra algarvia atenciosamente oferecido pela nossa colega CAL, à qual muito agradecemos.

Foi realmente um grande prazer conhecer ao vivo as pessoas por detrás das opiniões e comentários expressos no blogue, ouvir das suas experiências e percursos, trocar ideias sobre muita coisa e sair mais rico em termos de entendimento do passado e presente do nosso clube. A conversa prolongou-se já depois na rua, as horas passaram bem depressa, e depois, já na volta para casa, e com a A5 mais uma vez entupida, lá tive que fugir pelo Estádio Nacional e passar em frente do local para mim marcado pela tristeza e vergonha que presenciei na ultima final da Taça. O Sporting é assim, capaz do melhor e do pior.

De tudo o que ouvi, parece-me que, existindo opiniões diferentes sobre muita coisa (por exemplo, de quem seria o treinador mais indicado para substituir o Keizer, não queremos de todo que se repita despedir um treinador sem substituto à altura no dia seguinte), registou-se um grande consenso sobre as mais importantes, a preocupação pela situação financeira do clube, a vontade de que o clube esteja bem e ganhe no estádio e pavilhão seja quem for o presidente, a importância de derrubar trincheiras e unir o clube, de manter a decência e urbanidade no blogue e de existir uma comunicação efectiva entre o clube e os sócios.

Concluindo, num momento marcado pela desconfiança e comportamentos agressivos entre sócios do mesmo clube foi com enorme satisfação que passei a integrar este grupo e voltar aos tempos em que cada Sportinguista era um amigo.

Saudações Sportinguistas e Sporting Sempre !!!

ADN de Campeão

Já dizia Jorge Jesus que esta coisa do ADN de Campeão não surge do nada, constrói-se, é preciso muito tempo e muito esforço para ele surgir e demostrar o que vale. Já dizia também alguém que construir demora muito, destruir quase nada, e o destituido encarregou-se do assunto no que ao futebol diz respeito a partir do sofá.

Vem isto a propósito de ter ido ao Pavilhão João Rocha ver a nossa brilhante equipa de andebol estar quase todo o tempo a perder e acabar a ganhar ao concorrente directo ao título, o Porto, e chegar a casa e ver o mesmo Porto a ganhar a 3 minutos do fim ao Roma e ganhar quase tantos milhões quantos nós vamos ter com um fundo qualquer, é a triste situação em que nos deixou o dito cujo. E nessa magnífica jornada de andebol até estava um jogador de futebol na bancada, o Acuña, lá com o seu chazinho de mate e acompanhado daquela senhora que indispôs a mana do tal destituído, suspenso e em breve expulso.

E fiquei a pensar se haveria algum ponto comum ou semelhança entre esta nossa brilhante/fantástica, o que quiserem, equipa de andebol, a equipa do Porto que conseguiu a passagem à eliminatória seguinte no prolongamento e a nossa actual tristonha e deprimente equipa de futebol profissional. 

Se calhar existe. Renan, Coates, Mathieu, Acuña, Bruno Fernandes, Bas Dost e o lesionado Battaglia têm aquela coisa que falta para dar "a extra mile" e conquistar. Já o demonstraram. Outros havia, mas o destituído correu com eles. Adrien e Patrício à cabeça. 

Por muito que aposte na formação, olho para todas as promessas actuais e parece que lhes falta muita coisa. Um tal Mama Baldé é a excepção.

Não será possível manter estes, pagando o que for preciso, ir buscar mais uns iguais a estes, já temos outros que não são estes mas que fazem umas flores de vez em quando, e ter um treinador que consiga extrair o melhor de todos eles, e fazer do todo uma coisa maior do que a soma das partes, como consegue um tal Canela no andebol ?

E mandar embora os emplastros que abundam no plantel? E não trazer mais porque sim?

Ou é pedir muito?

E ainda há quem fique incomodado com 1,6M€ para o Bruno Fernandes ficar? Ou o que custou a permanência de Acuña e Battaglia? Comparado com o que custaram Viviano e B. Gaspar, dois emplastros de todo o tamanho?

SL

Croquetes marados

Toda a gente saberá como se faz um bom croquete. Carne picada, cebola, alho, farinha, margarina, leite, mais uma coisa ou outra e vai fritar. Juntando à mistura uns pozinhos de coisas que rapidamente nos conduzem a realidades paralelas, temos uma mistura potencialmente explosiva. Pelo menos para quem a consome. E que não se apaga com cerveja. 

Vem isto a propósito deste post e dos comentários que originou,  https://www.facebook.com/elsa.tiagojudas/posts/631283553985834

Croquetes e Brunistas a mesma luta ? Com Bruno Mascarenhas a descobrir o caminho terrestre para o pote ?

A minha alma está parva...

SL

 

 

Bruno Fernandes e mais 10

Hoje foi mais um jogo onde isso aconteceu, patrão do meio-campo, passes para golo, ocasiões de golo, falta sofrida e penálti convertido.

Até aí tudo bem.

O problema é que, dos outros dez, metade esteve simplesmente imprópria para integrar o 11 e auxiliar Bruno Fernandes a ganhar o jogo.

Não sei o que se passa com Bas Dost. Guarda-redes e pontas de lança têm destas fases e nada lhes sai bem. Mesmo o que lhe sai bem, os outros desperdiçam. 

Mas custa ver Gudelj, Diaby (excepto no improvável golo que marcou) e Ilori a somarem asneiras atrás de asneiras, e a estragarem constantemente o trabalho dos outros. 

Com tanta asneirada junta, e com a teimosia de Keizer em apostar num 4-3-3 sem trinco, com extremos a fugir da linha do fundo, a abusar em passes interiores, o Sporting transformou um jogo fácil, contra uma equipa limitada que jogou aberta e uma arbitragem que deixou jogar, num sofrimento que só terminou a poucos minutos do fim.

Assim não vamos longe, Mr. Keizer, e o senhor também não. Um dia destes o Bruno é capaz de achar que já chega, e partir para alguma equipa que jogue com 11 .

SL

Castigo merecido

Depois duma primeira parte medíocre em que praticamente não criou perigo, Keizer deu a volta ao texto, a equipa encostou o Marítimo às cordas, mas as defesas incríveis do GR do adversário, a complacência manhosa do árbitro com as atitudes anti-desportivas e queima de tempo do mesmo, e alguma falta de sorte, conduziram a uma perda de dois pontos que, apesar de tudo o atrás referido, achei merecida. 

Merecida porque quem não aborda estes jogos para entrar com tudo, marcar primeiro, e gerir o resultado depois, põe-se a jeito para perder pontos.

Merecida também porque Keizer insistiu em jogadores fatigados fisica e mentalmente, não refrescou a equipa depois duma jornada europeia onde jogámos meia parte com 10, e apresentou mais uma vez um modelo de jogo que não facilita minimamente o trabalho de Bas Dost (também ele mais que fatigado). Muito jogo interior que se perde em passes sem nexo, extremos de pé trocado que não vão à linha centrar com precisão, laterais que não têm prontidão a centrar, tudo muito à base da inspiração e da capacidade extra de Bruno Fernandes e de mais um ou outro.

Não foi pelos reforços de inverno Borja (mesmo com o amarelo), Ilori, Doumbia e Luiz Phellipe que perdemos pontos. Se calhar todos eles deviam ter jogado de início.

O final da partida demonstrou mais uma vez a falta de tranquilidade que reina naquele balneário e à qual tem de pôr cobro urgentemente, mas que tem de se compreender à luz do sentimento de impotência de corresponder aos objectivos do clube, e também pela atitude vergonhosa de muitos "Letais ao Sporting" que, em vez de irem ao estádio apoiar e aplaudir, assobiam, intimidam e agridem, verbal e fisicamente.

De facto, não me recordo de nenhum periodo com tal quantidade de cartões amarelos e vermelhos mostrados ao Sporting, muitos por protestos e questiúnculas, a obrigar a substituições, a comprometer resultados e a desfalcar a equipa em desafios importantes.

SL

O rumo certo

Tendo visto a conferência de imprensa da Direcção do Sporting Clube de Portugal e o que se disse dela, parece-me que a mensagem essencial ficou um pouco diluída no que foi a defesa do clube face àqueles que foram responsáveis por um colossal rombo financeiro e desportivo e que continuam a ser responsáveis pelo clima de guerrilha aos órgãos eleitos e à estrutura de futebol profissional do clube. 

E a mensagem essencial de Varandas é que com esta Direcção o Sporting tem um rumo bem diferente do que vinha a ser seguido por Bruno de Carvalho. Um clube honesto e com gente honesta à frente do clube, um clube que quer respeitar e ser respeitado, um clube de trabalho e competência, um clube contido no discurso, um clube sustentável, um clube formador, um clube ganhador. 

Falou do investimento que está a ser feito na Academia, em infra-estruturas, em técnicos, em especialistas de alto-rendimento, em coaching comportamental. Para que não existam mais Podences, Rafaeis Leões e Tiagos Djalós, prontos a fugir à primeira oportunidade, acrescento eu.

Falou na reestruturação do plantel principal, juntando o ganho financeiro ao equilíbrio competitivo, na aposta num treinador duma escola de futebol ofensivo, na integração gradual dos poucos jovens sub-23 que já atingiram o nível mínimo para o efeito, da Taça da Liga já ganha aos rivais. 

Miguel Cal falou na reestruturação organizativa do clube, deixando perceber que muito irá melhorar nessa área, tornando o Sporting um clube moderno e funcional, no estádio, no pavilhão, na internet, na relação com os sócios, o que manifestamente agora não é.

Zenha abriu muito pouco o livro, pelos motivos conhecidos, e ficou por saber-se qual o rumo financeiro do Sporting. Falou nas contas que Bruno de Carvalho deixou por pagar, não falou nem podia falar de quanto e quando é que o Sporting pensa receber (ou pagar) pelas rescisões, não falou nem podia falar da reestruturação da dívida com base no contrato com a NOS ou doutra forma qualquer, não falou nos orçamentos das modalidades.

Muito mais importante do que comunicar bem é fazer bem. O que não quer dizer que a comunicação não tenha que melhorar também. 

Cão que ladra não morde. O destino dos touros bravos é o talho. 

Que o Sporting possa prosseguir o rumo apresentado, com a estabilidade e tranquilidade necessárias para ganhar, trabalhando mais e falando menos, e nunca se deixando tourear pelos Vieiras e Pintos da Costa deste mundo. 

Nós aqui estaremos para apoiar o que for de apoiar, criticar o que for de criticar, mas Sempre Sporting e Sporting Sempre.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D