Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Rui Patrício foi guardião do(s) Arco(s) do Triunfo

A haver justiça no futebol - e (ao longo dos anos) ninguém melhor do que um sportinguista sabe que não há -, o Rio Ave teria ganho este jogo disputado no Estádio dos Arcos, em Vila do Conde. Com 22 remates (contra 7) e 58% de posse de bola, a equipa vilacondense magistralmente treinada por Miguel Cardoso foi superior ao Sporting, mas acabou por perder a partida. O causador deste paradoxo foi o "arqueiro" (denominação brasileira para guarda-redes) Rui Patrício: duas defesas, uma em cada parte, qualquer uma delas candidata ao prémio de melhor "parada" do campeonato - indo buscar a bola ao ângulo superior, lá bem onde a "coruja dorme" - para além de outras duas bolas, defendidas por puro instinto, acabariam por ser os momentos-chave que permitiram ganhar tempo para a entrada em cena do inevitável carteiro Dost, o qual com uma cabeçada mortífera selou uma dificílima vitória leonina. Não foi uma questão de sorte, mas sim de talento, inspiração, trabalho e preparação de Rui, o Homem Elástico, que deu uma resposta cabal a quem possa ter considerado exagerado o meu comentário aqui.

O Rio Ave entrou bem, contornando sem problemas a tentativa de pressão à saída da sua área por parte dos avançados e médios leoninos, a qual de tão trôpega se assemelhava ao jogo da "cabra cega". 

Jesus errou quando lançou apenas dois médios centro no desafio. Não só Bruno Fernandes se desgastou sem sentido, num desdobramento constante entre defesa e ataque, como William, uma vez mais, mostrou que contra boas equipas não tem a intensidade suficiente para jogar nesse sistema, passando a maior parte do tempo num universo paralelo ao do portador da bola. A solução estava no banco e chamava-se Rodrigo Battaglia. A equipa melhorou bastante com o argentino em campo, especialmente quando passou a jogar à frente de William. Foi daí que irrompeu numa cavalgada, por sugestão de Acuña, que terminaria num centro de régua e esquadro para a cabeça do holandês voador.

No balanço final, JJ tentou diluir a estatística de remates do Rio Ave, esboçando uma comparação com o rugby, em vez de ter tido a humildade de reconhecer que levou um ensaio de táctica (o seu ponto forte) de Miguel Cardoso. Foi galo, não Gales, caro Jorge "jogam sempre os mesmos até estourarem" Jesus. Este, não deixará de marcar uma época pelo seu engenho, mas ontem salvou-se por ter melhores jogadores de campo e um guarda-redes de enorme categoria, o que fez toda a diferença.

Duas notas finais: uma para o VAR, que anulou (bem) um golo a Bruno Fernandes, ignorou (bem) uma possível penalidade (em caso de dúvida não sinalizar nada) sobre o mesmo jogador e sancionou (no limite) o golo de Dost (os braços não contam para o fora-de-jogo); última nota para o argumentário do senhor Nuno Farinha: o Sporting "só" ganhou 2 jogos nos últimos dois que disputou...  

 

As notas dos nossos jogadores, em escala musical:

 

Rui Patrício - É um pássaro? Um avião? Não. É o Super-Homem! Atrás da personalidade calma e avessa às luzes da ribalta de Rui Patrício - o Clark Kent leonino que vive em Alcochete - esconde-se um herói cujos super poderes estão a mudar a história do clube de Alvalade. Por detrás daquelas luvas, não há kryptonite que o ameace, nem vedetite que o afecte. Ele é a nossa FÉ!

Nota: Dó Maior

 

Piccini - Um dia negro na vida do italiano: o jogo estava a correr-lhe mal. Complicativo, perdia bolas à saída do seu meio campo e não conseguia chegar à linha de fundo adversária. E pioraria ainda mais, quando o músculo da sua perna esquerda rasgou. 

Nota: Mi

 

Coates - Ontem foi Ministro da Defesa, Secretário de Estado, Sub-Secretário e Assessor do Ministro. Tudo ao mesmo tempo. Um pronto-socorro, ou todos (4) em um ("e pluribus unum", lagarto, lagarto!!). Já se está a vêr a falta que nos vai fazer aquando da recepção à Juventus...

Nota:

 

Mathieu - O que esperar quando jogam sempre os mesmos? Eu sei, a pergunta é rétorica...

Nota:

 

Fábio Coentrão - O seu regresso a Portugal coincidiu com aquele seu novo estilo de "faz que vai, mas não vai", em que a linha de fundo adversária parece uma miragem. A defender também não esteve particularmente feliz no regresso à sua terra-natal. No entanto, coincidência ou não, com mais ou menos mialgia, como por magia ficou os 90 minutos em campo e não sofremos golos. Espera-se que se mantenha como talismã na terça-feira visto ser o único elemento da defesa disponível para esse jogo.

Nota:

 

William Carvalho - É o senhor Carvalho, quando Jesus o expõe a um meio campo a dois com Bruno Fernandes, ficando assim a nu toda a sua falta de intensidade defensiva. Mas, transforma-se no Sir William, quando tem por perto "pit bulls" do género de um Adrien ou de um Battaglia, momentos em que consegue libertar em todo o seu esplendor o perfume do seu majestoso futebol. 

Nota:

 

Bruno Fernandes - Repito aqui a ideia que tenho vindo a expressar desde o início da época: Bruno só tem cabimento num meio campo a 2, eventualmente com Battaglia. Refiro-me, obviamente, a jogos com boas equipas, como é o caso do Rio Ave. Desgastou-se, com pouco sucesso, num inglório vai-vém. Ainda assim mostrou a qualidade do seu futebol num passe açucarado a isolar Podence (que se atrapalhou), num centro para Dost (que chegou atrasado) e num remate colocado que bateu Cássio, onde alegoricamente lhe foi assinalado um fora-de-jogo.

Nota: Sol

 

Gelson - Em terra de pescadores, andou naufragado a maior parte do tempo. Sem conseguir dar à costa, acabou por se refugiar junto da frota pesqueira situada na orla inferior direita do mar vilacondense, onde recolheu abrigo junto de Piccini, primeiro, e depois de Coentrão.

Nota:

 

Acuña - Em dia de turbulência só os homens de "barba rija" vão ao mar. O argentino não se atemorizou e lá foi lutando, contra ventos e marés, até descobrir a ponte - o seu conterrâneo Battaglia - para o caminho marítimo até à baliza de Cássio. Acabou a fazer-se valer da sua polivalência, recuando para defesa esquerdo após a lesão de Piccini.

Nota:

 

Podence - Marcado (nos tornozelos) pelos jogadores vilacondenses, raramente conseguiu traduzir a sua inegável dinâmica em algo de produtivo para a equipa, acabando substituido ao intervalo apenas porque Jesus não poderia substituir os outros nove.

Nota:

 

Bas Dost - Ganhou menos bolas pelos ares do que é seu (bom) costume e momentos houve em que pareceu meio perdido em campo, desnorteado com a saída de bola dos jogadores do Rio Ave. Mas, a confiança voltou e, à primeira oportunidade, "dostou". Antes, assistira Bruno para o golo que foi invalidado.

Nota:

 

André Pinto - Sem a autoridade de Mathieu, exibiu-se acima das expectativas, eventualmente mostrando que essas expectativas - que decorrem de "jogarem sempre os mesmos e..." - podem ser uma treta. Retirou um golo cantado a Dost, na primeira parte, e voltou a ganhar de cabeça numa bola parada ofensiva, na segunda parte.

Nota: Sol

 

Battaglia - Jesus colocou-o em campo após o intervalo, mas pareceu enjaulado atrás de William durante bastante tempo. Subitamente, JJ libertou-o desse jugo, posicionando-o à frente do "sir", e imediatamente se viu a sua influência no jogo, bloqueando passes e encontrando espaços vazios de onde assistiu (de pé esquerdo) Dost para o golo, o que nos deixa a seguinte interrogação: a qualidade de passe não era o seu ponto fraco?

Nota:

 

Doumbia - Poucos minutos em campo para alardear muito mais do que aquilo que já mostrara anteriormente, ou seja, um péssimo domínio de bola e uma habilidade natural para disfarçar/mascarar oportunidades de golo nas estatísticas (não constou). Parece ser um jogador útil apenas quando bem servido só tem de dar o toque fatal. Imaginar que pode jogar por detrás de Dost é pura utopia.

Nota:

 

Tenor "Tudo ao molho...": Rui Patrício

  

ruipatricio2.JPG

 

8 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 28.10.2017

    Caro JHC, o Rio Ave teve mais bola, mais remates, mais oportunidades. Jesus errou na equipa e o coração dos nossos adeptos tinha sobressaltos de cada vez que os vilacondenses tinham bola. Não dar o devido mérito e vir falar de Gales...só se for conversa para impressionar ovelhas. É possível sermos ferrenhamente sportinguistas e ao mesmo tempo elogiar um treinador que nos deu um banho e que tem de ser estimado pelo contributo que traz ao bom futebol. Ontem, salvou-nos não a sorte, mas o fenómeno de talento que é Rui Patricio. Esconder isso é ficar mais perto de uma futura derrota.
  • Sem imagem de perfil

    JHC 28.10.2017

    Caro Pedro Azevedo,
    Não pretendi desvalorizar o Rio Ave. O Rio Ave mandou no jogo e merecia outro resultado.
    O futebol é mesmo assim. São feitas escolhas e estratégias. Neste caso atribuo mais mérito ao valor do Rio Ave e a forma inteligente como se apresentou. Mesmo com Battaglia em campo continuou a ser o Rio Ave a comandar as operações.
    Na minha modesta opinião, Miguel Cardoso preparou muito bem o jogo para roubar pontos ao Sporting, como fez ao Benfica. E isto diz muito da equipa que o Rio Ave é hoje.
    Não fomos capazes de jogar bonito ou rematar com critério mas fizemos dois golos, um deles invalidado, e bem. Mas não foi sorte. Foi competência de Patrício e dos seus colegas a defender e a atacar que resultaram na vitória. Conquistamos 3 pontos essenciais para a conquista do campeonato.
    Teremos mais jogos destes em que teremos que jogar feio e ganhar. Todas as deslocações a Norte serão difíceis.
    Agora não gosto e não quero exacerbar os erros de JJ. Olho para estes últimos três anos e vejo um Sporting capaz de provocar estas discussões por ganhar e não ter feito um grande jogo, ao invés de anos anteriores por perder devido a incapacidade, ausência de qualidade ou falta de determinação.
    E continuo a apreciar o facto de podermos expressar opiniões e pontos de vista diferentes sobre o mesmo tema.
    SL
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 28.10.2017

    Caro JHC, não me preocupam as opiniões divergentes. Sabe que estimo os seus comentários. O que discordo no seu argumentário é a teoria de que se criticarmos alguma coisa estamos a desestabilizar o clube. Olhe, nós não nos conhecemos , mas eu sou uma pessoa conservadora. Mas, não sou situacionista. Um líder fraco reúne-se de "yes man", um líder forte quer obter diversas opiniões de forma a decidir melhor. Uma opinião construtiva, nunca pode ser considerada desestabilizadora.
    Ontem, além dos erros na montagem táctica da equipa houve mais um lapso de comunicação quando JJ assumiu que "jogando sempre com os mesmos...". O que sentirão os jogadores que não têm oportunidades ao ouvir isto? O sporting não pode ter 2 linhas de 11 jogadores do mesmo nível e/ou maturidade. Principalmente, depois do que foi o despautério da época passada, onde se "queimou" dinheiro. Vai daí, precisamos de um treinador que ajude a melhorar os "onze" alternativos, em vez de deixar sempre caír que não tem alternativas. Consequência: não só parte dos nossos activos (quase todos para além dos 14/15 que são opção) se desvalorizam como, por sobrecarga, os titulares se lesionam. É isto que eu quero passar no texto, de forma construtiva e desejoso que não nos preparemos para receber outro camião de jogadores.
    Quanto a Miguel Cardoso, suspeito que venha a fazer menos pontos do que muita gente apostaria, eu incluído. Poderá vir a ser vítima da fama do seu jogo. As equipas pequenas esperá-lo-ão no seu meio campo (ao contrário do que fez ontem o Sporting) e tentá-lo-ão abater por cansaço, esperando algum desposicionamento para contra-atacar. Desejo que a direcção vila-condense tenha paciência com este treinador que julgo ter potencial de treinar um "grande", pelas boas e ofensivas ideias que tem do jogo. Saudações leoninas
  • Sem imagem de perfil

    JHC 28.10.2017

    Mas não foi essa a minha intenção, de conotar a opinião do caro Pedro Azevedo com desestabilização.
    Tenho a convicção que todas as suas críticas são construtivas e apontam para falhas reais da equipa e treinador.
    O que quis foi destacar que o jogo de ontem teve características que nos obrigaram a jogar com um desconforto que não estamos habituados. Mérito do Rio Ave. Psicologicamente foi importante vencer onde perdemos a época passada.
    Continuo a ouvir elogios de jogadores ao nosso treinador. O último foi Palhinha na Sporting TV, esta semana. Não ouço dizerem o mesmo de outros treinadores. Piccini é exemplo do trabalho e teimosia de JJ. Agora é notória a desconfiança de JJ para com alguns jogadores e assim a menor aposta nos suplentes. Mas não esquecer que Iuri e Jonathan foram apostas e muito criticados pelos sportinguistas.
    Concordo com a apreciação ao Miguel Cardoso. Tem potencial. Saudações Leoninas
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 28.10.2017

    Caro JHC, eu de Jonathan não vou falar hoje, já conhece a minha opinião. Acho que Jesus tem de prestar mais atenção às segundas linhas e arrisco dizer que Gelson Dala é um diamante. Iuri desvalorizou nestes meses. Irá ser vendido, presumo. Tenho pena que nunca se tenha imposto perante os nossos adeptos. Reconheço-lhe talento. Geraldes e Matheus têm feito uns bonitos, mas estão abaixo do que esperava deles. Mais ganas, por favor. Saudações para si, também
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 28.10.2017

    entre as idas e vindas do autocarro, obviamente que se nota que existe um onze titular de determinado nivel, mas sobreutilizado e cansado, e um onze suplente de nivel abissalmente diferente. agora que as maleitas comecam a ser evidentes nalguns do onze titular, tambem sera evidente a parvoice dalgumas opcoes da pre-epoca, com ou sem caneleiras, beto, p.oliveira, f.geraldes, m.pereira, r.gauld, e b.ruiz (este ainda la anda a pastar).

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 29.10.2017

    No mercado de Janeiro (e é importante que cheguemos lá "vivos") poderemos resgatar alguns dos emprestados que estão a rodar. Infelizmente, Geraldes é o único que tem tido alguma consistência. Gauld teve uma lesão e Matheus tem estado entre lesões e castigos .
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    { Blog fundado em 2012. }

    Siga o blog por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Pesquisar

     

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D