Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Tudo ao molho e FÉ em Deus - o Carteiro toca sempre duas vezes

Na antecâmara da partida para a Taça CTT, duas ideias me assaltaram o espírito: a primeira, relacionava-se com as declarações de Jorge Jesus no final do jogo anterior, a contar para as meias-finais. Nessa Conferência de Imprensa, Jesus queixara-se de que faltava velocidade à equipa. Eu discordei. Afinal de contas, ultrapassar um Ferrari Vermelho não está ao alcance de qualquer um. A segunda, prendia-se com o facto de a Liga ter disponibilizado a tecnologia do VAR para a "Final Four": um desperdício de dinheiro, pensei eu na altura, porque para o nosso primeiro jogo o Vídeo-Árbitro havia ignorado aquilo que dez milhões novecentos e noventa e nove mil e novecentos e noventa e nove (10.999.999) portugueses viram e, para a final, tinha sido designado o árbitro que em Alvalade, contra o Chaves, não aquiescera aos sucessivos apelos que lhe chegaram ao ouvido para que fosse apontada uma grande penalidade por falta sobre Gelson. Em suma, umas grandes "encomendas".

Em Taça dos CTT, o carteiro Dost não poderia faltar. O carteiro toca sempre duas vezes e o holandês também, ainda que o último toque tenha sido já após o horário de expediente. Bas Dost é cada vez mais um investimento seguro, um certificado de aforro, com rendimento garantido. Nessa linha, carimbou 2 selos num envelope de Correio Verde com destino a um código postal de Setúbal. Dost devia ser elevado a sí­mbolo de promoção dos Correios: nunca falha, entrega a sua correspondência sempre a tempo, faz horas extraordinárias se necessário e ainda distribui abraços por todos com que se cruza no caminho.

Com a Via Verde activa, e sem portagens em dívida, a comitiva leonina não necessitou de visitar um balcão dos Correios, a Taça foi entregue na Tribuna. Tal como este Postal, mais Vale tarde que nunca e, à  11ª edição, lá ganhámos o troféu. Curioso é o facto do vencedor crónico desta competição patrocinada pelos correios portugueses nunca ter optado por receber a sua correspondência mais sensível através da segura Caixa do Correio CTT...

Agora o jogo em si: na primeira parte, Jorge Jesus levou um banho táctico de José Couceiro. Um golo sadino logo aos 4 minutos, marcado por Gonçalo Paciência (o tal que JJ não queria ver em campo), deixou a equipa leonina à beira de um ataque de nervos. William provou mais uma vez não ter intensidade para segurar um meio campo a dois (a 3, fá-lo bem) e Coates cometia erro sobre erro. Sem meio campo e com o Vitória a pressionar bem à frente, a nossa equipa desorientou-se e poderia ter chegado ao intervalo a perder por mais.

Na segunda parte, Jesus mexeu logo de iní­cio, colocando Battaglia para dar músculo ao meio campo e Acuña para dar profundidade (retirando os inoperantes Ruben Ribeiro e Bryan Ruiz). Um exemplo de como, com um passo atrás, se pode dar dois em frente. Após uma primeira oportunidade do Vitória (49 minutos), o Sporting teria a sua primeira ocasião, desperdiçada por Coates à  boca da baliza. Desde aí­ e até aos 64 minutos, o Sporting pressionou muito, com Montero finalmente a encontrar espaço entre linhas. Eis senão quando JJ voltou a mexer, substituindo o colombiano (não jogava desde o início de Novembro e poderia estar no limite) por Doumbia e perdemos a ligação ao ataque. Até aos 75 minutos, com o costa-marfinense posicionado ao lado de Dost e Bruno Fernandes fora do centro da acção (desviado para a direita), o jogo tornou-se incaracterí­stico.

A partir daí,­ jogámos mais com o coração do que com a cabeça. A táctica tornou-se um efectivo "tudo ao molho e fé em Deus". Ganhávamos com facilidade a bola a meio campo e despejávamo-la  sucessivamente para a área setubalense. Num desses lances, e após insistência de Bas Dost, a bola foi desviada com a mão sobre a linha de golo por Tomás Podstawski. Depois de visionadas as imagens, dez milhões novecentos e noventa e nove mil e novecentos e noventa e nove (10.999.999) portugueses aperceberam-se logo que foi "penalty", vídeo-árbitro incluí­do. Rui Costa - como São Tomé, "ver para crer" - teve dúvidas e foi consultar as imagens. Mesmo a ver continuou indeciso. Demorou tanto tempo que na cabeça de todos estava a repetição da rábula do jogo contra o Chaves. Em todo o processo perderam-se 4 minutos e 36 segundos, mas ficou para todos evidente a importância do recurso ao VAR. 

Bas Dost, chamado a marcar a grande penalidade, não perdoou, marcando o seu primeiro da noite. Com tantas substituições, jogadores lesionados, simulações e atrasos na reposição de bola, o árbitro não deu qualquer compensação adicional e o jogo chegou ao fim.

A partida decidiu-se nas penalidades e, uma vez mais, fomos mais eficazes. Marcaram Dost (pela segunda vez), Bruno, Mathieu (outra boa exibição, alternativa para melhor em campo) e Coates e William (mérito deles que não se escondem e mostraram nervos de aço) que Jesus entendeu voltar a chamar para marcar. Falhou Tomás Podstawski, o do "penalty", que não tinha sido expulso (duvidosa decisão, embora houvesse uma mão de Trigueira por detrás). Ganhámos a competição com 10 "penalties" (só um no tempo regulamentar) na Fase Final e apenas uma vitória nos cinco jogos disputados. Mas, nos livros da história, o que constará é que o Sporting venceu a Taça da Liga de 2017/18, o 3º troféu da era Bruno de Carvalho.

No final, JJ disse que há gente com "sapos na garganta". Eu estou muito feliz, quero sempre que ganhemos e não desprezemos qualquer competição, Taça da Liga incluí­da. Já era do Sporting muito antes de Jesus ser o nosso treinador e continuarei a sê-lo enquanto tiver saúde, que é coisa que meio maço de tabaco consumido a ver estes jogos não garante de todo. Por isso, desejo ardentemente que este dia seja o primeiro (de glória) do resto das nossas vidas desportivas.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bas Dost 

taçadaliga.jpg

 

11 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D