Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Treinador de bancada - O sistema táctico

Segundo a Wikipedia, em 1872 no primeiro desafio internacional de futebol de sempre, Inglaterra e Escócia entenderam por bem arrumar os jogadores de campo de diferentes formas, a Inglaterra em 1-1-8 / 1-2-7 e a Escócia em 2-2-6. O futebol dessa altura devia ser qualquer coisa muito "kick and rush" bem parecida com o rugby.

Se calhar começou aí a discussão sobre os méritos e deméritos de cada sistema táctico. Se por um lado as características dos jogadores disponíveis são essenciais na escolha do sistema táctico por parte do treinador, tentando potenciar os pontos fortes e minimizar as fraquezas, por outro um bom sistema táctico do treinador é indispensável para fazer o todo bem maior que a soma das partes.

Depois daquela data, as alterações sucessivas na regra de fora de jogo foram transformando avançados em defensores, e os técnicos estrangeiros que foram chegando a Portugal, em particular ingleses e húngaros, foram trazendo novidades tácticas e fazendo evoluir o futebol caseiro.

 

Assim, ao longo dos anos o Sporting conheceu diferentes sistemas tácticos e alguns foram mesmo marcantes, porque estiveram nas maiores conquistas de sempre do clube:

1. 3-4-3 WM ou 3-2-2-3 (46/47, Robert Kelly, Peyroteo e os 5 violinos, Campeonato Nacional)

I1-wm.png

Equipa emblemática: Azevedo; Barrosa, Manecas e Álvaro Cardoso; Canário e Veríssimo; Vasques e Travassos; Jesus Correia, Peyroteo e Albano.

 

2. 4-2-4 (63/64, Anselmo Fernandez, Figueiredo "Altafini de Cernache", Taça das Taças)

4-2-4.png

Equipa emblemática: Carvalho; Pedro Gomes, Alexandre Baptista, José Carlos e Hilário; Fernando Mendes e Geo; Osvaldo Silva, Figueiredo, Mascarenhas e Morais.

 

3. 4-3-3 (73/74, Mário Lino, Yazalde, Campeonato e Taça)

Association_football_4-3-3_formation.svg.png

Equipa emblemática: Damas; Manaca, Bastos, Alhinho e C.Pereira; Wagner, Nelson e Baltasar; Márinho, Yazalde e Dinis.

 

4. 4-4-2 Losango (2006/07, Paulo Bento, Liedson, "A mão de Ronny", Taça de Portugal)

Association_football_4-4-2_diamond_formation.svg.p

Equipa emblemática: Ricardo; Caneira, Tonel, Polga e Rodrigo Tello; Miguel Veloso, J.Moutinho, Nani e Romagnoli; Liedson e Alecsandro.

 

5. 3-4-3 Amorim (2020/21, Rúben Amorim, Pedro Gonçalves, Campeonato Nacional)

Tanto quanto posso entender, e não estou a esperar que o próprio confirme, prefiro ir ganhando no entretanto, o sistema táctico de Amorim é o seguinte:

I1-wm.png

Equipa emblemática: Adán; Gonçalo Inácio, Coates e Feddal; Porro, Palhinha, João Mário e Nuno Mendes; Pedro Gonçalves, Paulinho e Nuno Santos.

 

Este diagrama, com algumas semelhanças com o WM doutros tempos, ajuda a perceber algumas coisas. Quando o Sporting entra em campo e independentemente do que acontece depois com as incidências do jogo :

1.  Não joga com 3 defesas centrais. Joga com 3 defesas, escola Guardiola, não necessariamente todos eles com características de defesas centrais. Ver as declarações de Amorim e a referência sobre o 3-4-3 Guardiola

2. Não joga com defesas laterais. Joga com alas que fazem todo o corredor, que acumulam funções dos defesas laterais e extremos do 4-3-3. Por isso, são quase todos jogadores que fizeram a formação como extremos e depois foram recuando no terreno. São estes alas que permitem que o Sporting defenda pontualmente com uma linha de 5 e ataque pontualmente com uma linha de 5 também. São estes alas responsáveis pelos centros longos característicos dos extremos do 4-3-3.

3. Não joga com 3 médios. Os 2 médios centros que se projectam à vez para o ataque são ajudados na luta do meio-campo pelos alas e pelos avançados, que em transição defensiva tentam pressionar e matar o lance à nascença, se não conseguem correm para ajudar a defender.

4. Não joga com médio ofensivo (não existe "10"). Não há lugar para um médio à frente dos demais que só joga para a frente e pouco ajuda a defender. 

5. Não joga com extremos. Joga com avançados que ocupam zonas interiores do campo, que entram na área e rematam ao golo. Aliás são eles que marcam a grande maioria dos golos da equipa.

6. Não joga com ponta de lança (não existe "9"). Nunca Amorim deu hipóteses a avançados-centro clássicos como o Luiz Phellype o Pedro Marques ou o desejado por muitos Slimani. Joga com um avançado-centro recuado ("False 9" na terminologia inglesa), algures entre o clássico ponta de lança do 4-3-3 (o "9") e o médio ofensivo do 4-4-2 (o "10"), que para além de marcar golos e arrastar os defesas centrais adversários para os interiores marcarem, se constitui como o pivot ofensivo da equipa, recebendo de costas para a baliza contrária, solicitando os interiores ou os alas e entrando na área para concluir. Nessa posição passaram na época passada Sporar, Jovane Cabral, Pedro Gonçalves, Tiago Tomás e Daniel Bragança, mas desde que o Paulinho chegou a posição é dele, e muitas vezes, ele é a posição. 

 

A chave do sucesso de Amorim tem sido esta. Um sistema táctico moderno, inegociável e camaleónico através da rotação de jogadores de diferentes características pelas diferentes posições.

E um plantel curto que compromete todos os jogadores e os obriga a sairem da sua zona de conforto, ocupando posições a que não estão habituados. Que os faz crescer e valorizar.

Um Amorim com muito para evoluir e aprender, mas já na linha dos grandes treinadores da actualidade, dum Klopp e dum Pep Guardiola.

Um Klopp que ainda agora, com uma linha avançada sem ponta de lança clássico, com Salah, Jota e Mané, cilindrou um Porto com dois, Taremi e Toni Martínez. Um Pep Guardiola igualmente alérgico a pontas de lança clássicos, os dois ainda agora se defrontaram num jogo que terminou em 2-2 e onde não houve nenhum Lewandovski, Cavani ou Lukaku.

Ou até um Luis Enrique que colocou a Espanha na final da Liga das Nações com uma equipa em que o tal "False 9" era Sarabia e os interiores eram Oyazabal e Ferran Torres, este último marcou os dois golos.

Não acredito que os espanhóis, dos galegos aos catalães, dos asturianos aos andaluzes, andem a comparar as estatísticas de Sarabia com as de todos os pontas de lança que passaram pela selecção espanhola. Há coisas que realmente só acontecem no Sporting. 

 

E pronto. Começo aqui esta rubrica dedicada aos aspectos mais técnicos do futebol com a perspectiva nem do relvado nem do sofá, mas da bancada.

Espero que gostem. Fico então a aguardar os vossos interessados, identificados e Sportinguistas comentários.

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

 

73 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D