Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Toupeiradas

Imagem relacionada

 

Quando eu era miúdo havia na minha terra, no tempo da ditadura e de grande miséria, outros que, coitados, não tendo os pais posses para lhes comprarem um par de sapatos decente, guardavam o que tinham, feito pelo sapateiro da terra com solas de rasto de pneu e gáspeas de serrubeco ("sarrueco" naquelas bandas) para usarem de inverno, quando o chão estava gelado que queimava e o acto de ir à escola era suavizado por duas pedras de seixo que haviam ficado nos  restos da lenha do fogo e que viajavam enrolados em trapos dentro de cada um dos bolsos, bastante puídos as mais das vezes, das calças aos remendos. Não estou a efabular, eu felizmente não fui vítima desta "apagada e vil tristeza", mas convivi bastante chegado com quem foi. Ora esta rapaziada, logo que chegava a Primavera e a  geada deixava os caminhos, usava o seu calçado de "eleição", pés descalços pois então, que sandálias era um luxo a que não chegavam e de quando em vez, nas correrias pelos campos fora, ou nas grandes peladas do futebol do muda aos cinco e acaba aos dez, lá acontecia uma enorme topada e lá ficava a desgraçada da vítima incapacitada para uns largos dias das férias de mais de três meses.

Mas isto tem a ver com o quê, perguntarão e muito bem. Pois havia um daqueles miúdos, um pouco desastrado para o jogo da bola e mais propenso a chutos no chão, que volta e meia mandava uma "toupeirada" (na sua concepção) no chão de tal forma que, desgraçado, andava sempre de dedão entrapado. Curiosamente aquele miúdo é hoje um belo electricista de automóveis, profissão que começou a aprender aos catorze anos logo depois de concluir a 4.ª classe aos onze e ter "estagiado" três anos nas obras, alombando com baldes de massa de vinte quilos às costas sobre andaimes cuja sustentabilidade era mais ou menos comparável à situação do Benfica no caso, precisamente e nem a propósito, apelidado de toupeira. Este "miúdo" é benfiquista, é meu amigo e as suas "enormes" actuações nos derbis de rua em que a cada muda aos cinco e acaba aos dez ele era um dos seus ídolos dos encarnados, o Eusébio, quase sempre e apesar da falta de jeito, o Coluna, o Jaime Graça que "era" tantas vezes por coincidência de apelidos e até o Zé Henriques, quando um dos dedos andava entrapado e tinha que ser remetido para o "infame" lugar de guarda-redes, este miúdo hoje homem feito com quase sessenta anos, meu amigo, benfiquista, não merece que o seu clube do coração lhe faça esta sacanice.

Porque falo disto? Precisamente porque este foi um desabafo do meu amigo, um destes dias quando fui a Tomar, à aldeia, à volta dum petisco e dum belo tinto. Foi aí que me lembrei das suas "toupeiradas" e a resposta foi "mas aí era a brincar, ó Edmundo, isto envergonha qualquer benfiquista que se preze."

Haverá muitos como ele e com o mesmo sentimento. 

5 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D