Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Viva o VAR, mas ...

5-3.jpg

Jogo engraçado, ontem o Manchester City-Tottenham (vi-o pois aqui passou em canal aberto). Mal jogado, surpreendentemente mal jogado entre equipas destas e com tais jogadores. Erros de marcação, imensos passes errados, perdas de bola absurdas, um rol já nada usual em jogos de elite. Resultado? Espectacular. Não um jogo bom, mas um jogo espectacular. Divertidíssimo.

Torci pelo Tottenham, apesar de Bernardo Silva (já agora, porque não é ele tão relevante na selecção como o é no clube?). Torci pelo Tottenham muito pela minha tendência para torcer pelo desfavorito (o "underdog", ainda que "abaixo de cão" não seja bem aplicável ao duplo vice-campeão inglês nas 3 últimas épocas). Mas, e acima de tudo, pela minha falta de simpatia por estas grandes equipas europeias construídas com oleodutos de dinheiro, proveniente das economias paralelas e das apropriações das riquezas estatais ("oligarcas" russos, nobreza árabe, "tycoons" yankees, testas-de-ferro extremo-asiáticos, etc.), uma gigantesca lavandaria financeira que procura, mais do que tudo, comprar "portos seguros" para essa camada hiper-bilionária e, também, influência política - a nobreza qatariana despejando dinheiro para alegrar os parisienses mostra, acima de tudo, o quão incómoda é a vizinhança saudita, mas a gente fala é do Neymar e do Mbappé ... Processo este que conduzirá, mais cedo do que mais tarde, ao tal festival da Eurovisão do futebol, a liga europeia que será letal para os clubes dos países excluídos, a morte do futebol como o conhecemos. Enfim, deambulo, divago, apenas para sublinhar as razões pelas quais torci pelo Tottenham (um clube que não contratou jogadores para esta época, julgo que não estou em erro, mostrando o quão diferente vai o clube, que acabou de inaugurar um novo estádio).

Tudo isto é mero preâmbulo. Venho devido ao VAR, que foi influente no jogo. O 5-3 nos descontos finais, a suprema reviravolta, é a festa do futebol, o apogeu da ideia de clímax na bola. E depois anulado pelo VAR, o cume do anti-clímax. Ora isso está a acontecer imensas vezes, e é óbvio que vem retirando brilho, paixão, ao jogo. O VAR é fundamental, é óbvio que reduz os erros dos árbitros e que é um grande instrumento contra a protecção aos grandes clubes e contra a corrupção - promovida pelos clube e por essa relativa novidade das apostas desportivas privadas e avulsas. Mas ao quebrar o predomínio da paixão e da festa arrisca a tornar o jogo mais cinzento e, nisso, a ilegitimar-se. 

Assim, as suas imensas capacidades tecnológicas de observação desumanizam o jogo. Ontem foi exemplo disso. Para que o VAR seja protegido dever-se-á pensar a aplicação das regras, refrear a tendência legalista que ele trouxe, uma verdadeira ditadura milimétrica promovida pela tecnologia. Urge regressar, e reforçar, duas tradições na jurisprudência futebolística, pois humanizadoras, cuja relevância ontem foi demonstrada: por um lado a velha questão da intenção de jogar com os braços. Agora, mal a bola bate lhes toca logo se clama ilegalidade. Ontem o golo de Llorente é paradigmático: é difícil comprovar se a bola bateu no braço do jogador mas assim parece. E depois? Salta com o braço encostado ao corpo, não tem intenção de o fazer actuar, até prejudica a sua acção saltadora com isso, e, quanto muito, a bola talvez lhe tenha também resvalado. Ainda bem que o árbitro validou um golo que não tem qualquer ilegalidade, mas muito clamam o contrário. Há que defender esta valorização da intenção, que cada vez mais é posta para trás. Em suma, os braços pertencem ao corpo, se não são agitados com o intuito de impulsionar (ou de cobrir espaço) não há infracção. Era assim dantes, deve continuar a ser e isso está a ser posto em causa com o frenesim do fotograma.

Mas o segundo ponto ainda mais relevante é o fora-de-jogo. Há que recuperar o ideal da protecção do avançado em caso de dúvida na aplicação desta lei, de uma (muito) relativa indeterminação. Anda tudo a aplicar ilegalidades ínfimas, se o calcanhar de um está adiante ou não, se o nariz do avançado pencudo está à frente das narinas achatadas do defesa. Veja-se a imagem do tal 5-3, que beneficiaria o City: Aguero está em linha, de costas para a baliza tem apenas o rabo gordo à frente do defesa. Que interessa isso para o fluir do jogo? Urge recuperar essa ideia do "em linha", e permitir que o avançado esteja "ligeirissimamente" à frente do defesa: se confluem, relativamente, numa linha horizontal ... siga o jogo. Claro que depois se discutirá se o calcanhar dele estava ou não em linha com a biqueira do defesa. Mas serão muito menos as discussões. E haverá mais golos. E, acima de tudo, menos anulações diferidas. Donde haverá mais festa, mais alegria exultante. É esse o caminho para a defesa da tecnologia. E da paixão. Julgo eu, doutoral aqui no meu sofá. 

Um sortido de memórias a propósito do VAR

BBTnIuA-780x405.jpg

Muito se discute em Portugal isso do VAR. Ontem vi o Atlético de Madrid - Real Madrid.

As minhas simpatias no futebol espanhol mudaram ao longo dos anos. Comecei por ser adepto do Barcelona, devido a um jogo que vi na RTP - então eram muito raros os jogos transmitidos - e que imenso me marcou: a final da taça do Generalíssimo (pois, então era assim ...) de 1971, em que o Barcelona ganhou ao Valência por 4-3.

Esse ano foi a minha era formativa em termos de futebol, pois também fiquei adepto do Arsenal, e também devido ao triunfo na final da Taça, com um tipo chamado Charlie George, de cabelo comprido (à Beatles, como se diria na época) a brilhar na vitória contra o Liverpool. 

E, mais importante, muito mais importante, foi também nesse ano, e também na final da taça, vista na televisão - numa casa onde mais ninguém ligava a futebol - que me fiz sportinguista, tombado para sempre amoroso de Vítor Damas e do maravilhoso verde-e-branco, numa vitória sobre o Atlético de Carnide por 4-1.

Em Espanha depois mudei, já adulto. E claro que por causa de Paulo Futre, que então era rara a emigração dos futebolistas portugueses, passei a adepto do Atlético de Madrid. Algo que resistiu à chegada de Luís Figo ao Barcelona e à sua transferência para o Real Madrid. E à chegada de Cristiano ao mesmo Real. Até porque, de facto, não gosto da cagança merengue e do frenesim catalão. Mas mais do que isso porque essas transferências dos ídolos nacionais já aconteceram em minha fase mais madura, menos dada a paixões e muito mais propensa a irritações. E foram essas irritações que me afastaram, para sempre, do Atlético de Madrid, neste recente início de 2018/19, num "ficais com o Gelson? Ide bugiar". 

Como tal gostei bem da derrota de ontem dos colchoneros. Mas aqui entre nós, e a propósito do VAR, antes de protestarmos com o mílimetro a mais ou a menos que os árbitros portugueses concedem ou desconcedem, conviria ver o que fazem os árbitros espanhóis.

 

"Com a desgraça alheia posso eu bem"? Sim, também é verdade. Mas pelo menos dá para perceber que não estamos pior do que os vizinhos ... Que grande lata que por lá têm.

 

Adenda: hoje o grande Fernando Chalana faz 60 anos, mas sabe-se que essa chegada a sexagenário é feita em difíceis e tristes condições de saúde. Chalana, ídolo dos vizinhos ali de Carnide, foi um jogador extraordinário. Há cerca de 10 anos foi, como treinador principal interino daquele clube, a Maputo para um torneio quadrangular de fim de época, comandando uma equipa de reservas e jovens. Pude conhecê-lo. A delegação benfiquista foi a uma escola, eu fui lá ver a reacção dos miúdos. Estes estavam esfuziantes por ver os "ídolos" (de facto eram as reservas dos "ídolos" mas isso não alquebrava a euforia juvenil). E claro que ninguém ali conhecia Chalana. Aproveitei  para me apresentar e ficámos de conversa uma boa meia-hora. Um homem gentilíssimo. E interessado, coisa tão rara entre os visitantes portugueses - indagando sobre o país, sobre mim, como corria a vida, como a família se adaptava, etc. Tão diferente do "me, myself and I" dos inúmeros patrícios que por lá aportavam, qualquer que lhes fosse a profissão ou meio de origem. Fiquei ainda mais fã ...

Por isso, pelo magnífico jogador, e pela simpatia pessoal, aqui deste meu "Bordeaux" deixo a minha leonina hommage à Chalanix:

050.jpg

 

Setúbal e o VAR

Ristovski acaba de ser expulso. Terá dito demais ao árbitro. Mas é inacreditável que tudo isto se passe diante de um árbitro, dois fiscais-de-linha e a rapaziada do VAR (que deve falar em situações de expulsão). O homem leva uma cotovelada tamanha que logo lhe cresceu um gigante galo. Foi de propósito. Diante do árbitro. E todos se calam.

Não vale a pena. O futebol só dá para um tipo se irritar. Saudações leoninas. 

Assim é que é, Abel

Pois eu gostei muitíssimo das declarações de Abel no final do jogo de ontem.

Ingénuo embora prometendo precaução, extemporâneo apesar de jurar comedimento, falando em nome dos pais de família, o que é bonito, é sempre assim que os tolos confessam com o coração nas mãos o que a cabeça mandaria conter. Ou como diria Napoleão: “nunca interrompas um inimigo quando ele está a cometer erros.”

Acabem com o VAR, e vocês televisões não ponham a linha (aquela perpendicular amarela que mostra deveras o fora-de-jogo), exclamou Abel. E porquê? Deixem os árbitros errar, já que treinadores e jogadores também erram. Poderoso argumento, talvez um pouco corporativo.

Deste modo singelo Abel, sem que o proferisse, explicou o que entende por “errar”: é acertar a favor dele. E a sua exaltação mostra também que algo correu mal ao ter havido interferência nos “erros” do árbitro. Isto, claramente, não estaria no plano do jogo o que foi brilhantemente coadjuvado por aquela abjecção que está presidente do Braga. “Abel” e “Salvador” que bela comédia bufa não se escreveria com personagens com estes nomes.

Fizeram muito bem em ter desabafado a sua frustração. Ficámos todos a perceber.

Vamos ao CAR - Court Assistant Referee

A sensação mais estranha do mundo: estar sentado no José Alvalade, vestido a preceito para os dias de jogo. Eis que de repente, entram duas equipas em campo, de um lado o Sporting do Bruno de Carvalho, do outro o Sporting dos Croquetes. Todos de verde e branco, meio esbatido. Nas bancadas estamos impecavelmente equipados, mas não nos deixam entrar em campo. 
Tratando-se de um jogo à porta fechada, o árbitro vem a passo do túnel - e o jogo já começou.
Nós apupamos de fora, jogo feio e mal jogado. Sem arte e sem rigor técnico, mas cheio de táctica. Resultado: produz aquele jogo mastigado a meio campo que dá sono.

De jogadores experimentados que são, não precisam correr muito ambos os lados, fazem as jogadas e marcam o golo, ora, vejamos a repetição deste empate e impasse jurídico a uma bola nas redes judiciais (desculpem a "filmagem", pode não ter a melhor qualidade, e uma ressalva, ambos gritam para o árbitro - que ainda não saiu do túnel - pedindo cartão vermelho para o adversário):

1-0) Jaime Marta Soares, Presidente da AG (ou Presidente demissionário) pede a demissão, seguindo-se toda a MAG e o Conselho Fiscal. O número 10 pede a demissão do Conselho directivo, alguns saiem por desgaste outros parecem o Douala a correr no flanco. Servindo-se dos estatutos toma a dianteira e distribui o jogo: 1) Recolhe 1000 votos para convocar uma AG destituitiva; 2) Põe uma providência cautelar; 3) Institui uma Comissão de Fiscalização; 4) Convoca a AG distituitiva; 5) A Comissão de Fiscalização suspende o Presidente do Conselho Directivo (ou Presidente suspenso) enviando a nota de culpa por fax, e tendo este 10 (dez) dias úteis para se defender; 6) Refere que a culpa das rescisões por justa causa são de sua responsabilidade.
Jaime Marta Soares diz ainda que Bruno de Carvalho não tem condições para continuar à frente do clube, sentindo-se legitimado pelos estatutos, dizendo que lhe conferem poderes e competências até uma nova MAG ser eleita. 

1-1) Bruno de Carvalho, Presidente do Conselho Directivo (ou Presidente suspenso) não se demite mantendo o bloco defensivo e fazendo pressão alta, joga no contra-golpe. 1) Não se demite, convocando umas quantas conferências como forma de defesa; 2) Cria uma Comissão de Transição da MAG; - sai um post no facebook - 3) A providência cautelar, é indeferida (tradução nossa: o pedido não foi acolhido pelo juíz); 4) Convoca duas Assembleias Gerais, a primeira para alteração estatutária, onde dos vários pontos constam o reforço dos poderes dos órgãos e ainda o artigo sobre a Dissolução do Sporting*), a segunda é para eleição de nova MAG (salvo erro); - uma conferência e post no facebook; 5) A Comissão de Transição da MAG diz que existe uma lacuna nos estatutos, e que a partir do momento que Jaime Marta Soares não cumpriu com as competências enquanto Presidente demissionário da MAG concentrando os esforços para a demissão do Conselho Directivo na vez da Assembleia eleitoral de uma nova MAG, e não havendo Conselho Fiscal, este fica impedido de exercer as suas funções; havendo este vazio o Conselho Diretivo nomeia a Comissão de Transição; 6) Bruno de Carvalho acusa as propostas de rescisão de serem uma chantagem e devolve dizendo que pede a demissão caso os jogadores voltem atrás e se comprometam a ficar no Sporting (caso as suas cláusulas não sejam batidas e caso ele volte a ganhar eleições); 7) Num comunicado auxilia-se ainda de um parecer jurídico de um ilustre e conceituado Professor de Direito, pedido por Godinho Lopes.

Posto isto, o árbitro ainda não entrou em campo, e reclama-se das bancadas que se faça justiça desportiva, ou simplesmente justiça e que se dê o apito final. Este é um caso paradigmático onde será necessária a ajuda do CAR - Court Assistant Referee - para ver qual dos golos foi em posição irregular.
É daqueles momentos em que o estádio está suspenso, e o árbitro demora a ir ao ecrã. 

Pede-se celeridade, não pela próxima época, não pelos treinadores ou jogadores, não por nós, mas pelo Sporting Clube de Portugal. O clube da verdade desportiva precisa hoje urgentemente de verdades jurídicas.

Enquanto isto a Comunicação Social faz o que sempre tem feito com o Sporting e os seus jogos, aproveita-se de qualquer coisa para tentar construir um caixão, bater uns pregos, escavar uma cova, enterrar, sem direito a lápide (pior que tudo, é haver Sportinguistas nesta tentativa de funeral).

A solução de muitos Sportinguistas é simples (e a mais democrática): Eleições! Eleições! Eleições!
Mas sendo realista, só os tribunais podem solucionar este triste jogo que se assiste em Alvalade.


*Este ponto preocupa-me bastante. Além disso ainda não foi divulgado o anexo com as alterações aos estatutos.

IV Congresso ‘The Future of Football’

Abriu ontem portas e encerra hoje.

Tem convidados de peso e gabarito a nível internacional, portugueses e estrangeiros, com responsabilidades em diversas federações e na UEFA e FIFA.

Como em relação às tv´s não levei em conta a sugestão do presidente, estive ontem especialmente atento, agora que o futebol anda nas parangonas pelos piores motivos, a ver se algum dos canais se teria dado ao trabalho de mandar um reporter de imagem que fosse ao Pavilhão João Rocha, para fazer a cobertura do evento. Moita! Népia! Nickles! Nem uma notícia de rodapé, quanto mais imagens ou referência a uma organização louvada pelas instâncias do futebol e que obrigou Fernando Gomes, o dourado apitador ora nas funções de presidente da FPF, a dizer “O Pavilhão João Rocha será a verdadeira casa da discussão do futebol, quer nacional, quer internacional. Aplaudo a coerência do Sporting CP na defesa do debate aberto sobre temas que interessam à modalidade. Desejo, ainda, que o futuro do futebol seja discutido para que se se encontrem os caminhos que o seu futuro merece”. Aquela coluna deve ter dados tantos estalos...

Ontem falou-se do VAR e Bruno de Carvalho não foi meigo, ao seu estilo, tendo sido apoiado por Greg Barkey, director técnico da MLS, dos Estados Unidos quando abordou a necessidade de se transmitirem no estádio as imagens do VAR, corroborado por Lukas Brud, CEO do International Board, que afirmou não haver qualquer indicação em contrário. Ficou o desafio a Fontelas Gomes, que logo ali, meteu a viola no saco.

IV Congresso continua e termina hoje, por volta da hora do almoço. Pode ser que ainda alguém se lembre de aparecer...

O VAR? Se não fosse o VAR onde isto chegaria!

A Tasca do Cherba merece ser citado: “...culpar o VAR será um nojento exercício de desonestidade. O VAR continua a ser uma ferramenta fantástica, que diminuiu erros grosseiros e que quando eles acontecem deixa a nu a incompetência (ou qq coisa mais) de quem utiliza esta tecnologia. Aliás, se não fosse o VAR, onde andaria já este campeonato…”

e lido não íntegra, pois é isto:

http://atascadocherba.com/2018/02/22/o-var-se-nao-fosse-o-var-onde-isto-chegaria/

 

Ver mais longe, para lá da nuvem

Começa a ser clarinho como água, daquela dos glaciares, gelada, que há uma campanha contra o VAR. E contra o Sporting. Ontem foi mais uma jornada desse campeonato. Tão explícito que daria para rir se não fosse trágico. Lendo e ouvindo opiniões, há unanimidade quanto ao golo anulado ao Sporting, e quase unanimidade quanto ao penalti não assinalado contra o Feirense. Para quem lá esteve, só deu para enerVAR. Citando aquela grande referência de Palmela, eles sabem o porquê. Dividir para reinar, campeonato a dois tem mais encanto, tentando relegar o Sporting para a discussão da Liga Europa com a agremiação da cidade dos Arcebispos. Mas de Papas, padres, cardeais e missas no nosso futebol, estamos já fartos.

Portanto,

1º: descredibilizar o VAR (fazendo 2 em 1, prejudicando o Sporting);

2º manter o sistema bem iluminado e frutado (ocupando os órgãos de poder da Liga e da Federação, com centenas de apaniguados a ganhar dinheiro e a controlar, na organização dos eventos (e muitas vezes mal, como foi o caso da Taça da Liga), na classificação dos árbitros, no controle do Vídeo árbitro etc)

3º ocupar o espaço mediático com o Sporting e os nossos devaneios.

Esta é a agenda de rivais adversários.

Entretanto, no Sporting, há quem se ponha a jeito. Temos um Presidente eleito com quase 90% dos votos há menos de 1 ano. O Sporting vinha afirmando-se nas modalidades, e a disputar bem tudo o que é troféu, inclusive com a liderança na Liga NOS. Nada de extraordinário ocorria no clube que exigisse, nesta altura, uma assembleia geral para revisão dos estatutos que, a ser aprovada, só vigorará daqui a uns anos, no próximo mandato. Dividiu os sportinguistas misturando trigo e joio, alguns maus sportinguistas com gente do bem (não são sportingados - expressão infeliz - nem gente do croquete). E também teve como resultado retirar da agenda mediática o escândalo dos emails, da "teia" asfixiadora do futebol português, da vergonha que muitos, de certa comunicação social até altos responsáveis, teimam em abafar.  Bruno de Carvalho tem nisso responsabilidades diretas, não pode atuar como Presidente de uma parte, tem de ser do todo, tem de saber unir e não dividir. Tem de saber ouvir críticas, porventura injustas. E aceitar o que de positivo outros propõem (basta lembrar-se, há uns anos, da sua condição de crítico feroz de outras direções). Isso é o que faz dum Presidente um líder. Atravessamos uma fase crucial do campeonato onde, como se viu ontem, o "inimigo" é externo, é uma luta jogo a jogo, nas redes sociais, nos órgãos de comunicação social. Não há tempo a perder a afirmar internamente o poder, a atual direção tem toda a legitimidade para gerir o clube e Bruno de Carvalho de ser o Presidente de todos os Sportinguistas. Eu, que nunca fui seu eleitor, não tomo a nuvem por Juno. Reconheço-lhe dedicação, determinação, aposta nas modalidades e resultados, com títulos que nos orgulham. O Sporting está melhor e maior. Não é por mim que o clube se precipitará para eleições antecipadas. Bom senso e responsabilidade nunca foram tão necessários como agora. 

Portanto, não devemos:

1º voltar a marcar assembleias gerais em plena época desportiva;

2º fazer da próxima assembleia geral um exercício de maniqueísmo, com a divisão simplista entre bons e maus;  

3º desrespeitar, em circunstância alguma, a vontade dos sócios expressa nas eleições de 4 de março de 2017 e a na próxima assembleia geral, sábado 17 (vide "Guia das Assembleias Gerais", de Roque Laia). 

Logo, devemos:

1º Encerrar rapidamente este capítulo na vida do clube, ultrapassando querelas estéreis; 

2º Continuar a lutar pela verdade desportiva, no campo e nas instituições desportivas;

3º Manter na agenda mediática o foco sobre "a teia" e o ensurdecedor silêncio à sua volta;

4º Encher estádios e pavilhões a apoiar o Sporting Clube de Portugal.

Esforço, Dedicação, Devoção, Glória: todos queremos o Sporting campeão! 

 

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Feira da ladra

Concordo com Jorge Jesus, o VAR é uma "farramenta" (e não, uma ferramenta). Esta noite, em Alvalade, a visita da equipa da Feira foi uma farra...

 

Durante o jogo sonhei (com os olhos bem abertos) que estava numa feira: Rui vendia amuletos de São Patrício, Piccini era o pizzaiolo, Coates grelhava carne de vaca gaúcha maturada, Mathieu amassava a baguete francesa, Bruno César comia croissants, William era o operador do carrossel, Bruno Fernandes pintava Rembrandts, Gelson testava as motos do poço da morte, Bryan Ruiz permanecia na secção de antiguidades, Montero mostrava as novas fragrâncias, cheirinhos (a golo), Rafael Leão estava na banca (ou banco) das verduras, Battaglia engolia fogo, o recém-chegado ganês alegrava a multidão com o seu sentido de Lumor e Doumbia, na barraca dos tirinhos, entretinha-se a atirar ao alvo Caio Secco e vendia elefantes de marfim com a tromba para baixo. Este último pormenor (o da tromba para baixo) não augurava nada de bom. A adicionar a este sentimento, a expressão que se podia observar nas pessoas que rodeavam a tenda da cartomante mostrava que a sina lida não tinha sido auspiciosa. 

 

Por momentos, e dado os últimos pormenores que vislumbrei, detive-me na suspeição de que o sonho afinal poderia virar pesadelo. Um pesadelo com nome próprio e apelido: Luis Ferreira

 

O árbitro protagonizou um erro no protocolo do vídeo-árbitro (ou será ele próprio um erro de protocolo, confesso que não percebi). Sugestionado pelo VAR (Manuel Oliveira), Luis Ferreira anulou um golo limpo de Doumbia (que, por ironia, assistido por Montero, finalmente tinha acertado com a baliza) por considerar uma alegada falta (de Bruno Fernandes), tão, mas tão anterior ao lance de golo, que se diria ocorrida no milénio passado, porventura aquando da nossa fundação. Para além da alegada falta não ter sido clara, esta, a ter existido, aconteceu antes do início do movimento atacante que resultou em golo. Logo, uma péssima decisão, aos 18 minutos de jogo.

 

Não ficaria por aqui o árbitro do encontro: aos 29 minutos, William tentou passar a bola na área e esta foi interceptada deliberadamente com a mão (baixou-se para interceptar a bola) por Tiago Silva, jogador dos fogaceiros. Luis Ferreira (desta vez não reviu as imagens) ouviu o VAR e mandou seguir. Um "penalty" por marcar...

 

Ainda na primeira parte, o árbitro apitou (mal) para "penalty" favorável ao Sporting. Após consultar o VAR anulou a sua decisão. O problema foi o tempo que gastou nestas "demarches" todas. Ora, revejam comigo: o golo anulado implicou que a partida esteve parada 2 minutos e 48 segundos (entre os 18:00 e os 20:48), a revisão do "penalty" não assinalado custou 30 segundos (entre os 29:30 e os 30:00), finalmente a análise da possível grande penalidade, mais a lesão de um jogador feirense, manteve o jogo parado por 4 minutos e 42 segundos ( entre os 43:08 e os 47:50). O homem do apito tinha dado 5 minutos de desconto (já vimos que deveria ter dado 8, sem falar de outras paragens para assistência de jogadores), mas acabou por abreviar a coisa para uns míseros 3 minutos e 30 segundos (houve jogo entre os 47:50 e os 51:20), sonegando quatro minutos e trinta segundos ao jogo. Se não acreditam, vejam as imagens. O senhor precisa tanto de uma reciclagem como de umas aulas de aritmética. É obra!!! 

 

Perante isto, Luis Ferreira até poderia ter feito (que não fez) uma exibição de final de Champions na segunda parte, que mesmo assim não mereceria deste Vosso autor uma nota melhor que DÓ MENOR. Sem dó nem piedade...

 

Para além destes incidentes, o Sporting protagonizou um Festival de Futebol...e de golos perdidos. Caio Secco negou o golo aos leões, com enormes defesas, aos 7, 12, 13, 28 e 41 minutos. Doumbia por mais 3 vezes e Bryan Ruiz falharam sozinhos outros golos cantados. E assim, perante todas estas contrariedades, chegámos injustamente ao intervalo com o nulo no marcador.

 

O Sporting entrou mais nervoso no segundo tempo e o critério disciplinar de Luis Ferreira também não ajudou. Aos 47, 52 e 54 minutos foram perdidas mais 3 oportunidades. Aos 61 minutos, mais uma "imoralidade": cartão amarelo a William, após uma normalíssima disputa de bola. JJ mandou avançar Rafael Leão e o jovem foi o talismã que quebrou a maldição do apito. Já consigo em campo, a bola beijou o poste de Patrício (ainda desviou) e ressaltou para fora. Aos 78 minutos, finalmente o golo. Confusão, bola bate na cara de Coates, ressalto para os pés de William e golo. Os leões cresceram e Montero - que perfume tem o seu futebol entrelinhas, que inteligência têm as suas movimentações! - , a passe de Gelson, estrear-se-ia a marcar neste regresso a Alvalade. O jogo acabaria a fazer jus àquilo que foi a sua tónica: Bruno Fernandes, isolado por Gelson, falhou na cara de Caio Secco.

 

Parece que todos sempre esperam que seja Bruno de Carvalho a quebrar o protocolo, mas afinal Luis Ferreira e Manuel Oliveira é que o fizeram esta noite, ajudando a que este autor considere que esta vitória foi contra tudo (má sorte, guarda-redes adversário) e contra todos (arbitragem infelicíssima incluida). É Carnaval, ninguém leva a mal!? (blague subtraída ao Nosso Leão de Queluz)

 

Tenor "Tudo ao molho...": William Carvalho

sportinhfeirense.jpg

 

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Chiclete, mastiga e deita fora

"E como tudo que é coisa que promete

a gente vê como uma chiclete

que se prova, mastiga e deita fora, sem demora"

- Chiclete, Taxi

 

Infelizmente, o Porto venceu o jogo. E de goleada! Pelo menos, esse foi o resultado do jogo visto por Luis Freitas Lobo. O mesmo jogo em que um Martins (Gelson) é durante todo o jogo chamado Fernandes (obrigado Pedro Correia!!) pelo narrador de serviço. Mas, não é que uma imagem vale mais do que mil palavras e eu estou a ver os jogadores do Sporting a festejar no relvado! Confusos? É simples: perdemos a partida dos comentadores, mas ganhámos o jogo real. E esse ainda é o que conta, a não ser que as regras desta competição sejam insólitas. Esperem lá, tendo em conta que estamos a falar da Taça da Liga...

O jogo iniciou-se com um "penalty" claro cometido por Danilo sobre Bas Dost, mas o AVARiado decidiu que se tratara de um acasalamento fortuito, sem intenções comprometedoras. O Sporting estava bem no jogo e a saída do mesmo Danilo, lesionado logo aos 9 minutos, era um bom prenúncio. Logo de seguida, Bruno Fernandes respondeu a uma excelente iniciativa de Fábio Coentrão e só Alex Telles evitou que os leões inaugurassem o marcador.

Subitamente, deixámos de jogar. O nosso meio campo deixou de funcionar e os alas não conseguiam dar a profundidade necessária. Com isso, o nosso jogo mastigou-se. Uma maçada, um empastelamento provocado por processos adinâmicos e previsíveis que retiraram espontaniedade aos jogadores e pela ausência de Bruno Fernandes na sua posição natural de organizador de jogo ("10"). O Porto começou a ganhar faltas no nosso meio campo, beneficiando da envergadura dos seus avançados. Numa transição rápida, acabaria por chegar ao golo, mas este viria a ser bem invalidado, por fora de jogo. Para agravar as coisas, e diminuir ainda mais a velocidade da nossa saída de bola, Gelson saiu aleijado numa coxa.

O segundo tempo foi pior. Jesus, que lançara Battaglia para render Gelson, desposicionou ainda mais Bruno Fernandes (até aí um "8"), colocando-o sobre a direita. Com o seu jogador mais influente (10 golos, 11 assistências e 12 participações decisivas) fora de posição e o recém-chegado Ruben Ribeiro a ocupar o seu lugar, ficámos sem acasalamento com Dost e sem possibilidade de explorar convenientemente a ausência de Danilo e o espaço entrelinhas. Em boa verdade, o ex-vilacondense saiu tarde (rendido pelo regressado Montero) e num momento em que a única parte do seu corpo que ainda estava oxigenada era... o cabelo.

Bruno ainda teve dois momentos em que se amotinou e procurou a zona central. Instantaneamente, causámos perigo. Após um canto, uma vez mais, Coentrão centrou e Coates cabeceou para a trave. Foi sol de pouca dura.

As substituições não alteraram o "status-quo". Voltámos a mastigar e, desta vez, deitámos mesmo fora a possibilidade de ganhar o jogo no tempo regulamentar. Aliás, não fora a atenção de Patrício e poderia ter sido pior.

Sem demora, chegámos à lotaria das penalidades e aí dá muito jeito ter São Patrício. Rui defendeu dois castigos máximos bem marcados, ao contrário de Casillas que teve pelo menos uma oferta (de Coates). Valeu o remate ao poste de Brahimi para, ao segundo "match point", o ressuscitado Bryan Ruiz, incrivelmente, não falhar perante um Casillas com a baliza, perdão, a porta escancarada (para sair).

Num jogo em que as circunstâncias nos foram favoráveis, valeu o triunfo para evitar a "lapidação" de JJ na Pedreira. Quem nunca errou que atire a primeira pedra - dirá Jesus - , mas hoje as asneiras provenientes do banco foram demais. Até a decisão de pôr William - reconhecidamente um não especialista - a marcar o quinto e sempre potencialmente decisivo "penalty" foi para esquecer. Além disso, o nosso jogo assemelha-se cada vez mais a uma chiclete: mastiga, mastiga, enrola, enrola, faz balão e, um destes dias, ainda explode.

Destaques pela positiva para Fábio Coentrão (o melhor em campo), Piccini (abafou Brahimi), Coates (cortes providenciais), Mathieu (impressionante aquele lance, na primeira parte, ganho em velocidade a Marega) e, obviamente, São Patrício, o guardião da nossa FÉ.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Fábio Coentrão

 portosportingtacadaliga.jpg

A canelada no Danilo

AvesPortoDR1.jpg

No Aves-Porto, mesmo no fim, houve uma canelada no Danilo. Seria penalti (aka, grande penalidade). Ok. A gente até assobia para o lado, primeiro porque nos chegamos ao malvado ao Porto; em segundo, porque o malvado Porto de Pinto da Costa (desde os tempos do Pedroto até aos tempos sei lá de quem) fartou-se de ser beneficiado, décadas de insuportável roubalheira, e não merece qualquer simpatia. Dito isto, houve ali um penalti (aka, grande penalidade) que talvez desse golo (se descontarmos a angústia do marcador antes do penalti [aka, grande penalidade]), vitória do Porto e os tais pontitos que tanto jeito nos deu recuperar .

De facto a canelada não existiu. Eu não vi o jogo mas vi na internet imagens esclarecedoras, aconteceu uma jogada simples e uma reacção exagerada dos portistas, o tradicional choradinho, a ver se pega (durante o jogo) e, depois, as reclamações para ver se há recompensa em jogos futuros (os do Porto e os dos rivais). 

Mas, de verdadeiro facto, a falta existiu. As imagens que correram, transmitidas pela página oficial do Benfica, foram falseadas. Como se comprova nesta nota da TV Correio da Manhã. Ou seja, a página do Benfica distribui uma notícia que assenta na manipulação de imagens. Não é publicidade do Benfica, não é festividade do Benfica, uma qualquer iniciativa interna que apelasse à imaginação e criatividade dos seus empregados ou contratados. É uma peça que se insere na política de comunicação do clube. Assente na manipulação de imagens, na falsificação. O Benfica é uma empresa (os clubes andam todos ufanos porque são "cotados na bolsa", como se isso lhes significasse qualquer honorabilidade). E é também uma instituição de utilidade pública, o que lhe concede benefícios e reconhece prestígio. 

Imaginemos que se tratava de um caso similar noutro ramo de actividade. Uma grande empresa de comércio alimentar, de serviços médicos, de produção agrícola, etc., a divulgar (muito provavelmente a produzir) através dos seus departamentos de comunicação empresarial imagens manipuladas, falsificando dados sobre a sua concorrência. Seria um sururu. Mas como é "bola" o Estado (que concede o estatuto de utilidade pública) e o "mercado" (que se simboliza na bolsa) estão-se nas tintas para este aldrabismo empresarial/institucional. E a sociedade encolhe os ombros. Quanto muito os mais analíticos dirão o que é (ou deveria ser) óbvio - que o Benfica está a tentar descredibilizar ao máximo a tecnologia do Video-Árbitro, contra a qual tanto se insurgiram os seus avençados, funcionários e simpatizantes, temendo a redução do um qualquer favorecimento a que sempre aspiram.

Mas, de mais do que verdadeiro facto, isto é muito mais grave do que isso. A FPF, que vai sob tutela estatal, o Ministério que a tutela, bem como as gentes do mercado, assobiam para o lado (bem mais do que nós diante do penalti que não foi marcado). A rapaziada (e raparigada, que agora também conta) simpatizante apoia. É só "bola", vale tudo. E assim se faz esse tudo valer em tudo o mais.

Hoje giro eu - Fim de semana sem VAR

Terá sido coincidência, mas - em semana de Taça de Portugal - o Sporting foi prejudicado em 2 lances, o Porto foi beneficiado pela não expulsão de Alex Telles (primeira parte) e o Benfica viu ser perdoada uma grande penalidade na sua área (com o resultado em 1-0), havendo um lance de possível penalty a seu favor (difícil interpretação) pretensamente cometido sobre Krovinovic.

Conclusão: nós queremos o VAR!!!

 

https://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/vitoria-setubal/noticias/interior/jose-couceiro-e-o-lance-na-area-do-benfica-ja-estamos-habituados-8927777.html

 

https://www.ojogo.pt/futebol/1a-liga/portimonense/noticias/interior/vitor-oliveira-alex-telles-devia-ter-sido-punido-com-vermelho-8926199.html

 

 

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce

Anda muita gente incomodada com o apagão do VAR no jogo Aves-Benfica, facto que permitu à equipa de futebol do Benfica fazer coisas lindas, como um empurrão sobre um jogador adversário e uma simulação de penálti, de que resultou o seu terceiro golo. Não percebo: em Alvalade, o VAR estava a funcionar em pleno e o árbitro não marcou um penálti existente e deu um cartão amarelo a uma simulação inexistente. Deus quis, o homem sonhou, a obra nasceu. Donde se conclui que tanto faz haver como não haver VAR. Estamos em Portugal, o país onde as boas ideias tendem a desfazer-se em cinzas. Se fosse para a Liga portuguesa, com VAR e tudo, dá-me a impressão de que até aquele golo do Manchester United no estádio da Luz era anulado.

O vulcão de Alvalade

Ou, vinte e oito jogadores, três estarolas e uma televisão. E um VAR.

 

Ele viu que foi penalti, está de frente para o lance e a pouco mais de três metros.

Ele só foi ver a pantalha, porque há televisões no estádio e se viu que foi penalti e os apupos eram ensurdecedores.

Ele foi ver a pantalha segunda vez porque o VAR lhe disse que era penalti e que dava muita "bandeira" se não marcasse.

Ele viu e persistiu no erro.

 

Ter tomates, era a FPF divulgar a conversa entre Rui Costa e o VAR, isso é que era de valor!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D