Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Faro também tem aeroporto

O Sporting viajou no sábado para o Algarve, deixando Acuña (até já lhe roubaram o número 9), Palhinha e Camacho para trás. Percebo que, sobretudo, os dois primeiros, possam ser transformados em 30 milhões de euros, essenciais para os cofres leoninos. Mas, a não ser que sejam transferidos hoje ou amanhã, deixa-los em Lisboa é dizer ao mercado que não contam para o treinador e encorajar os compradores a darem menos. Acuña parece não aguentar os noventa minutos, parece não controlar o seu feitio, mas está entre os melhores jogadores do plantel desde que chegou. Palhinha nunca se afirmou em Alvalade nem nas selecções de Portugal, mas hoje é o melhor médio defensivo com ligação ao Sporting e já conhece o treinador e os seus métodos. Camacho foi uma desilusão, mas é um jovem com margem de progressão e passagem pelo Liverpool. Estes três deviam estar com a equipa no Algarve, até porque, havendo propostas sérias, Faro também tem aeroporto...

Aprender com quem sabe

img_920x518$2019_03_18_12_14_34_1519624.jpg

 

O meu amigo Eduardo Hilário é muito mais benevolente do que eu na sua avaliação do plantel leonino. Embora eu perceba a defesa intransigente que faz de jogadores com um mínimo de qualidade para vestir de verde e branco, considero que leva a generosidade longe de mais.

A SAD não chegaria longe, em termos contabilísticos, se apenas vendesse Renan, Ilori, Rosier, Eduardo e Mattheus Oliveira: tudo junto, mal daria uns trocos. Apesar da minha reiterada simpatia pelo guarda-redes brasileiro, a quem devemos duas taças.

A incómoda verdade é que, para salvar a época em termos financeiros, o Sporting terá de recorrer novamente a receitas extraordinárias - e, excluindo a indesejável antecipação de nova fatia dos proventos da NOS, isto só se consegue vendendo jogadores pelo melhor preço de mercado possível. Não a preço de saldo, como aconteceu há um ano com Bas Dost, ou de borla, como acontecera pouco antes com Nani. Quando não havia sequer a crise pandémica a funcionar como desculpa.

 

Já sem Bruno Fernandes nem Raphinha, e com Mathieu agora retirado, resta-nos ver partir pelo menos três ou quatro jóias da coroa - jogadores com presença internacional ao serviço das selecções dos seus países ou um par de talentos da nossa formação.

Preparemo-nos, portanto, para a despedida de Acuña - sem dúvida aquela que mais nos custará, entre os jogadores estrangeiros. Creio que também Battaglia, Borja, Doumbia e Ristovski estarão junto à porta de saída.

O pior, para nós, será vermos partir Jovane, Joelson ou até Max: andando as coisas como andam, já nada me admira. Dou por adquiridas as saídas de Miguel Luís, Pedro Mendes e Rodrigo Fernandes, que não pesarão muito em termos contabilísticos. E só espero que pelo menos Eduardo Quaresma, Nuno Mendes e Matheus Nunes se mantenham. Embora sem fazer apostas, atendendo ao que foi a calamitosa gestão do mercado de transferências em Agosto-Setembro de 2019.

 

O que eu gostaria era de ver replicada no Sporting a capacidade de gestão revelada pelo FC Porto na época desportiva há pouco terminada. Tendo perdido - por motivos semelhantes aos nossos - jogadores da craveira de Brahimi, Herrera, Óliver, Felipe e Militão, além de ficar sem Casillas por doença do guarda-redes que foi campeão europeu e mundial, a agremiação portista conseguiu reinventar-se ao ponto de vencer o campeonato. Obteve êxito desportivo sem descurar a componente financeira. Mudou, sim, mas para melhor.

Será pedir de mais algo semelhante no Sporting? Não: seria reivindicar o mínimo num clube com a dimensão do nosso. Infelizmente, o nível de exigência vai baixando de ano para ano em Alvalade e a gestão das expectativas tornou-se tão baixa que já quase nada esperamos ainda antes de soar o apito inicial da temporada.

Bruno tem toda a razão

Bruno-fernandes.jpg

 

Grande Bruno Fernandes: não me canso de o elogiar. Há dias, o ex-capitão do Sporting deu uma entrevista ao canal 11, da FPF, em que deixou bem claro: «O valor que foi pago por mim [55 milhões de euros mais 15 milhões em objectivos diversos, um dos quais já concretizado] foi muito alto. Alguns jogadores que foram comprados por este valor há algum tempo foram Bola de Ouro.»

Bruno tem toda a razão. Basta lembrar qual foi a verba envolvida na transferência de Luís Figo do Barcelona para o Real Madrid: 60 milhões de euros. Nesse mesmo ano (2000), Figo - um dos mais talentosos jogadores saídos desde sempre da formação leonina - viria a ser galardoado com a Bola de Ouro

Basta esta comparação para se perceber o impacto financeiro da transferência de Bruno para o Manchester United - a maior venda de sempre de um jogador na história do Sporting Clube de Portugal, superando o anterior recorde, registado na saída de João Mário, ocorrida três anos e cinco meses antes.

Reitero, portanto, o que aqui escrevi há dois dias: foi não apenas o melhor negócio possível para o Sporting mas o melhor negócio registado este ano, até agora, ao nível do futebol europeu e provavelmente demorará a ser superado, dadas as circunstâncias que bem sabemos. Saiu pelo melhor preço na altura certa. Mês e meio depois já não aconteceria. E ele estaria agora a desvalorizar-se dia a dia, semana após semana, fechado em casa.

Bruno saiu na melhor altura

1024.jpg

 

Nada sabemos sobre o que irá seguir-se no futebol. Nem sobre o que será a época 2020/2021: estes são tempos inéditos para todos nós, à escala global. 

Mas podemos extrair conclusões do que já passou. E concluir, sem reservas mentais de qualquer espécie, que a transferência de Bruno Fernandes para o Manchester United, concretizada a 28 de Janeiro, foi o último grande negócio feito entre duas equipas europeias até cair o pano devastador do Covid-19.

Durante os meses que vão seguir-se, se não mais de um ano, será mesmo o último grande negócio na Europa do futebol. Tiro o chapéu à administração da SAD por isso. E estou à vontade, pois em Novembro tinha defendido aqui a saída de Bruno só no final da época, convicto de que iria valorizar-se no Campeonato da Europa. Se alguém tivesse seguido o meu conselho, Bruno estaria hoje a desvalorizar-se todos os dias como principal activo do Sporting, sem jogar, sem perspectivas de retomar a actividade a curto prazo, vendo o Euro-2020 adiado por um ano que parecerá interminável.

 

Há que sublinhar esta evidência sem rodeios: vendemos Bruno Fernandes na melhor altura, por um excelente preço.

Como sabemos, foi a nossa melhor venda de sempre, superando largamente o anterior recorde, que durou três anos e cinco meses: a venda de João Mário para o Inter. E ainda salvaguardámos uma percentagem de 10% em futuras transferências do jogador para outros emblemas a partir de Manchester.

 

Este negócio seria hoje irrepetível. E só passaram dois meses.

Os preços dos jogadores estão agora inflacionados: nos dias que correm, não correspondem nem de longe aos actuais preços reais do mercado. Esta é uma excelente oportunidade para comprar, por isso mesmo. E uma péssima ocasião para vender.

Eis um efeito colateral do coronavírus, que está a alterar radicalmente a bolsa de valores no futebol. Espero que no Sporting haja gente atenta a isto. Dando prioridade à recuperação dos melhores que formámos: não pode haver melhor ocasião para trazê-los de volta a preços módicos. Com a esperança, claro, de um dia voltarmos a ver o próprio Cristiano Ronaldo a equipar novamente de verde e branco.

O que seria de nós sem fé no futuro em tempos de pandemia?

A melhor venda de sempre no Sporting

image[1].jpg

 

Em Maio de 2007, Filipe Soares Franco protagonizou, como presidente do Sporting, a transferência mais bem remunerada de toda a história leonina até então. Quando Nani saiu para o Manchester United, a troco de 25,5 milhões de euros.

 

Quase uma década depois, em Agosto de 2016, também Bruno de Carvalho conquistou merecido lugar na restrita galeria dos presidentes que geraram enormes mais-valias com transferências de jogadores. Quando fechou acordo com o Inter de Milão para a venda de João Mário, que acabara de sagrar-se campeão europeu.

Por 40 milhões de euros, estabelecendo novo máximo que parecia muito difícil de suplantar.

 

Bastaram afinal três anos e cinco meses para o Sporting superar o ambicioso tecto estabelecido neste historial de transferências. Com a saída, agora finalmente anunciada, do nosso capitão Bruno Fernandes - o melhor médio que passou por Alvalade no último quarto de século - para o Manchester United. Rendendo 55 milhões de euros, mais 10 milhões em objectivos facilmente concretizáveis. O primeiro concretiza-se mal Bruno faça 20 jogos ao serviço do histórico clube inglês. O segundo atinge-se quando o United marcar presença nas próximas três edições da Liga dos Campeões (estão previstos 3 milhões no primeiro ano e os restantes 2 a dividir nos anos subsequentes).

Aspecto muito importante: o Sporting salvaguardou uma percentagem de 10% em futuras transferências de Bruno para outros emblemas a partir de Manchester.

 

Frederico Varandas entra assim também na história do nosso clube, à semelhança daqueles dois antecessores, por ter batido largamente o recorde absoluto de angariação de receita pela saída de um só jogador do plantel leonino. Tem motivos para se sentir satisfeito e orgulhoso, certamente com a noção do dever cumprido.

 

Chegou, pois, a altura de dizer sem mais rodeios: obrigado, Sousa Cintra.

Bas Sporar

Sporar acaba de ser oficializado. Custa 6 milhões. É difícil não pensar que há meia época Bas Dost saiu por sete milhões, tendo em vista o emagrecimento da despesa. Não ignoro o peso dos ordenados mas é bem provável que com o holandês as debilidades estivessem mais disfarçadas. Aos 25 anos, o esloveno tem pouco cartel mas, pago a preço de ouro (deve estar no topo das vendas mais caras da poderosa liga eslovaca), só pode ser craque. Certo?

Leonel Pontes

Com todos os seus defeitos Marcel Keizer conseguiu chegar ao Sporting, encontrar uma equipa debilitada, muito mais fraca que os rivais e levá-la ao 3º lugar da Liga, à conquista da Taça de Portugal e também da Taça da Liga. Marcel Keizer foi uma aposta pessoal do presidente e facilmente se percebe que iria insistir nele até ao limite do possível.

A época começou muito mal, com uma derrota copiosa na Supertaça, mas três jornadas depois parecia que o pior tinha passado e estávamos na calha para um resto de temporada à semelhança da anterior.

Mas em pouco mais de 10 minutos, e por acção dum artista de circo irianiano e duma noite infeliz do nosso sub-capitão, tudo caiu por terra e a liderança da Liga transformou-se numa derrota humilhante em casa, e logo na véspera do fecho do período de transferências. E esse fecho traduziu-se na saída de dois dos titulares da véspera, e na entrada de três emprestados de potencial duvidoso, mas que se encaixavam nas necessidade apontadas por Keizer. 

Depois disto tudo despedir Keizer foi por um lado incontornável dadas as prestações da equipa e a derrota, mas por outro significou um fracasso colossal do presidente/estrutura na sua aposta para treinador, obrigando-os agora a colocar um técnico que estava a fazer um óptimo trabalho nos sub-23 a lidar com um plantel desequilibrado e fragilizado, se calhar bem distante das suas ideias de jogo, e sem espaço para recorrer aos seus jovens. Não custa muito prever que Leonel Pontes vá ter uma vida breve como treinador principal do Sporting. 

Pelo que, mais dia menos dia, veremos chegar um novo treinador. Quando se ouve falar em Pedro Caixinha ou Claude Puel, fica-se logo com um receio enorme de que venha por aí um novo Marcel Keizer, um treinador de segunda ou terceira linha europeia com umas coisas boas outras nem por isso, sem capacidade para transformar e potenciar a equipa e galvanizar os sócios. E duvido muito que valha a pena pensar em Leonardo Jardim, cidadão do belo principado do Mónaco e a facturar 4K euros líquidos por ano.

O Sporting não precisa de jogadores emprestados para reciclar. O Sporting precisa dum treinador experiente, carismático, inovador, potenciador da formação e sem olhar a idades ou estatutos no momento de escolher. Precisa dum novo Malcolm Allison (ou Bobby Robson ou Boloni) no banco, precisa dum novo Manuel Fernandes (ou Oceano) como adjunto, precisa dum novo Roger Spry na preparação física, para dar exemplos que todos percebam.

Por muito agradecidos que estejamos a quem nos deu duas taças, o Sporting não pode dar-se ao luxo de vir a ter um novo Marcel Keizer, acompanhado por um conterrâneo boa pessoa mais um jovem adjunto que andava pelas arábias e um preparador físico que ainda há pouco era fisioterapeuta.

Com tudo isto, Leonel Pontes só pode mesmo ter todo o nosso apoio. Incondicional.

SL

Apertar do cinto

download.jpg

 

Não conheço ao pormenor a situação financeira da SAD, incluindo a questão da negociação com a banca. Vou sabendo mais por jornais e comentadores do que pelo Sporting, o que é triste, mas não é difícil perceber que deve estar bem complicada e isso explica muito do que foi a actuação do clube nesta janela de mercado. Deixando de parte a questão desportiva, já por demais aqui comentada e vamos ter o resto da temporada para avaliar, podemos constatar que o Sporting fez negócios de venda/empréstimos com opção de compra obrigatória (incluindo Gelson Martins e Podence, Bruno Fernandes à parte) de 19 jogadores no valor de (números redondos) 90,000€ e de compra/entrada por empréstimo de oito jogadores no valor de 25,000€, um saldo positivo de 65,000€. 

Além disso, emprestou 11 jogadores com salários quase todos pagos pelos clubes de acolhimento. Foram então 30 jogadores que saíram da folha salarial, entrando 8. Não sei o que isto representa em poupança anual de salários, mas sairam vários jogadores de salários elevados a começar por Bas Dost e Petrovic, imagino da ordem de 30%. 

Resumindo, foi mesmo um grande apertar do cinto este verão em Alvalade. 

E ainda ficaram alguns casos para resolver:

1. Rafael Leão

2. Ruben Ribeiro

3. Mattheus Oliveira

4. Viviano

5. Irmão do Alan Ruiz, dizem que joga futebol

 

PS: As minhas contas foram as seguintes:

Saídas: 89,5
1. Gelson Martins 22,5
2. Raphinha 21,0
3. Thierry Correia 12,0
4. Matheus Pereira 10,0
5. Bas Dost 7,0
6. Podence 7,0
7. Felix Correia 3,5
8. Jonathan Silva 3,0
9. Domingos Duarte 3,0
10. Tiago Djaló 0,5
11. Salin 0,0
12. André Pinto 0,0
13. Petrovic 0,0
14. Mama Baldé 0,0
15. Wallyson 0,0
16. Jefferson 0,0
17. Ryan Gauld 0,0
18. Carlos Mané 0,0
19. Abdu Conté 0,0

Empréstimos:
1. Diaby
2. Gelson Dala 
3. Bruno Gaspar 
4. Ivanildo Fernandes
5. Lumor
6. Bragança
7. Francisco Geraldes
8. André Geraldes
9. Misic
10. Alan Ruiz
11. Leonardo Ruiz


Entradas: 23,5
1. Rosier 8,0
2. Vietto 7,5
3. Camacho 5,0
4. Eduardo 3,0
5. Neto 0,0
6. Jesé Rodríguez 0,0
7. Bolasie 0,0
8. Fernando 0,0

Saldo: 66,0

Estado de choque

Não há que esconder, a combinação entre a derrota caricata em casa que nos custou a liderança da liga, as últimas notícias de entradas e saídas de jogadores, e o silêncio ensurdecedor da comunicação do clube, colocaram-me em estado de choque, já nem sei se devo rir ou chorar quando oiço sobre titulares a sair e emprestados a entrar. A minha vontade de ir a Eindhoven acompanhar a equipa foi por água abaixo. Mas a minha Gamebox ninguém ma tira, estarei lá para o bom e para o mal. 

Não entendo porque Keizer não foi prontamente demitido após a derrota e em vez disso saem jogadores muito apreciados pelo mesmo Keizer, Raphinha, Diaby e mesmo Thierry Correia. Se Keizer com eles não conseguiu, com novos jogadores para integrar vai conseguir?

Não entendo como tendo Battaglia e Rosier ainda sem condições físicas para jogar se pensa em jogadores que registaram lesões igualmente graves há pouco tempo.

Não entendo quando se liberta Bas Dost para poupar no salário e se vai pagar pouco menos a um sucessivamente emprestado "Matheus Pereira" do PSG que poucos golos marca.

Não entendo o empréstimo de Bruno Gaspar (mais um protegido de Keizer) ao Olympiakos sem ficar bem claro para os sócios o acordo sobre a questão Podence.

Não entendo se o problema são as heranças do passado (com muitas contas para acertar com jogadores e empresários), se o problema é o aperto financeiro, se o problema é a falta dum profissional competente à frente do futebol profissional, se o problema é dar o braço a torcer no que respeita ao treinador e equipa técnica.

O que entendo é que os objectivos do clube para esta temporada estão a ser postos seriamente em causa, felizmente o Braga e o Guimarães vão andar distraidos por causa da Europa, mas a oportunidade para ultrapassar pelo menos um dos rivais e chegar à Champions está a perder-se por completo. E não são os Pedros Brazes deste mundo que me vão pôr a pensar o contrário.

E alguém vai pagar a factura.

SL

Matheus só será bom longe de Alvalade?

matheus-pereira-emprestado-ao-west-brom-com-clausu

 

Matheus Pereira - que, segundo propagandistas encartados nas tertúlias televisivas, «tem tido problemas de afirmação no Sporting» devido à sua «personalidade problemática» e à sua «falta de amadurecimento», acaba de chegar ao West Bromwich Albion, onde pode encontrar «um espaço de crescimento importante», a título de empréstimo, por apenas um milhão de euros.

Escuto estes hossanas à Direcção leonina por despachar mais um jogador da nossa formação para rotas bem distantes de Alvalade e questiono-me se Matheus, pelo simples facto de aterrar noutro país, deixa logo de ser um jogador problemático e cheio de problemas de afirmação, podendo enfim crescer como atleta.

Rezam os tais propagandistas que o luso-brasileiro formado em Alcochete é jogador «com potencial» mas muito propenso a «birras» e pecando por «alguma falta de empenhamento nos treinos». Extraordinário: todas estas características negativas, propaladas dias a fio para que ninguém estranhasse o reduzido preço a que o WBA veio agora buscá-lo, parecem destinadas a desaparecer num ápice mal Matheus comece a treinar lá por Inglaterra.

E é precisamente aqui que eu lanço a questão: então Marcel Keizer não seria treinador para trabalhar Matheus Pereira, limando os defeitos e potenciando as qualidades deste jogador que muitos de nós admiramos? Será o técnico do clube inglês mais competente do que o holandês para amadurecer e fazer crescer o talentoso extremo leonino que quase não teve hipóteses de mostrar o que vale na desastrosa pré-temporada 2019/2020?

Pergunta final: se Keizer chegou há nove meses a Alvalade aureolado da fama de «não ter medo de trabalhar com jovens», como na altura declarou Frederico Varandas, será que se amedrontou desde então?

Mistério. Quem souber, que me explique. Porque deste assunto eu já não percebo nada.

Porque em final de Agosto?

 

Eis o que retirei da net sobre as janelas de transferências:

A FIFA regula em geral que haverá duas janelas, uma no intervalo entre as duas temporadas (máximo de 12 semanas) e uma mais curta (máximo um mês) no meio de uma temporada. Os períodos específicos dependem do ciclo da temporada da liga e são determinados pelas autoridades nacionais de futebol.

A maioria das grandes ligas europeias começam no segundo semestre do ano (por exemplo, agosto ou setembro) e se estende até o primeiro semestre do próximo ano (por exemplo, maio), resultando em uma janela de pré-temporada no verão que termina em agosto, e uma janela no meio da temporada, em janeiro.

Os períodos são diferentes quando a liga é executado ao longo de um único ano-calendário, como na maioria dos países nórdicos, devido a limitações meteorológicas, ou como a tradicional temporada no hemisfério sul. A primeira janela em geral abre a partir de 1 de março até a meia-noite de 30 de abril, seguido pela janela na temporada de 1 a 31 de agosto.

Pergunto: Alguém me pode esclarecer qual o argumento usado para que o campeonato comece duas semanas antes do final das transferências? 

Mercado de transferências

21490233_HynJE.jpeg

 

Aumentou o número de programas televisivos e espaço horário ocupado, em particular os que especulam sobre transferências do futebol, alimentando diariamente os mais diversos rumores sobre movimentações de mercado. Novelas existem para todos os gostos e cores, o objectivo salta à vista, cativar audiência nos adeptos dos três clubes que apaixonam maior número de adeptos. Diariamente, ao final da tarde e à noite, somos brindados com a opinião especializada de jornalistas ou comentadores supostamente bem informados, que umas vezes falham, outras acertam, porque ávidos de apresentar destaques, ficam eles próprios à mercê de rumores plantados por empresários ou palavras mal interpretadas de jogadores nas redes sociais, que por vezes não querem dizer nada, mas que são escalpelizadas ao ínfimo detalhe, ao ponto de muitos lerem o que não foi escrito. Isto nada tem de novo, nos anos 80 à segunda-feira comprava a Bola que apresentava as transferências iminentes, que eram depois desmentidas no Record à terça-feira para apresentar as suas, na quarta-feira lá estava a Gazeta dos Desportos a dizer que afinal já não vinha o X e Y, mas sim o W e Z. A diferença é que os jornais estão moribundos e tudo isto agora passa-se na TV.

Uma das principais novelas do Verão, no que ao Sporting diz respeito, é a possível saída de Bruno Fernandes. Sousa Cintra, que calado era um poeta, mas acenar-lhe com uma máquina fotográfica e colocar-lhe um microfone à frente, equivale a descer a serra num carro sem travões, confirmou que existe a cláusula de 5 milhões, caso o Sporting rejeite alguma oferta superior a 35 milhões. Ao contrário do que afirmam, o Sporting não está refém de coisa alguma, porque seria impensável manter Bruno Fernandes, de longe o nosso melhor jogador, nas condições da época passada, quando não era, longe disso, sequer um dos 3 jogadores mais bem pagos do plantel. Das duas uma, ou Bruno sai, ou fica. Se sai, apenas devem ser equacionadas verbas a rondar no mínimo os 80 milhões de Euros. Se fica, há que avançar para a renovação do contrato, onde existirá seguramente um prémio de assinatura, melhoria de condições salariais tornando o capitão no jogador mais bem pago do plantel, seria incompreensível que assim não fosse e naturalmente a cláusula de rescisão teria que subir para 150 milhões de Euros.

Diariamente, de forma cínica os comentadores vão fabricando uma cartilha segundo a qual, ninguém paga o que estamos a pedir pelo nosso capitão, é incompreensível, mas o mercado é assim, o agente do atleta não é Jorge Mendes, o Sporting é uma marca de valor inferior aos rivais, mas está pressionado por falta de liquidez, etc. Estão à espera, direi mesmo que muitos ardentemente o desejam, que acabe vendido por 50 milhões ou até menos. Enquanto sportinguista, espero sinceramente que a direcção não faça cedências neste assunto, até aqui nada a apontar ao clube, que tem mantido uma postura low-profile, neste e outros casos, muito menos ao atleta, que até afirmou que existem ainda muito para conquistar. Se Bruno Fernandes permanecer, liderando a nossa equipa em campo, será o melhor reforço que poderíamos conseguir na próxima época e para conseguir liquidez imediata, que o clube bem precisa, existem mais algumas opções no plantel ou activos que pertencem ao clube.

Confiança absoluta em Frederico Varandas pelo que fez até aqui, mas gostaria que alguns atletas vestissem a verde e branca, Mama Baldé por exemplo, apontado como moeda de troca no dossier Rosier, justifica no mínimo fazer a pré-época. É um jogador polivalente, possante, muito útil em qualquer plantel, mesmo que não se perfile como indiscutível titular. Gelson Dala, Ivanildo ou Domingos Duarte serão jogadores a merecer a atenção de Marcel Keizer. Tenho mais dúvidas em Iuri Medeiros e Matheus Pereira, no caso do primeiro porque tem desperdiçado várias oportunidades, no segundo porque a cabeça não acompanha os pés e sendo bom jogador, está longe de merecer o estatuto de vedeta a que aspira. Para o conseguir, terá que ser humilde e trabalhar muito, porque qualidade tem de sobra. Contratar por contratar não faz sentido, acabamos sempre com demasiado entulho que depois temos dificuldade em despachar. O Sporting não precisa revolucionar o plantel, apenas pequenos ajustes para continuar a crescer.

Desafio

Quem deve ser o substituto de Bruno Fernandes no caso, mais do que provavel, do capitão sair? A meu ver, teriam que chegar um médio ofensivo e um extremo de muita qualidade, para combater o vazio deixado. As minhas apostas seriam Rodrigo De Paul, médio argentino de 25 anos, da Udinese e Cristian Pavón, extremo da mesma nacionalidade, de 23 anos, do Boca Juniors. (Bem sei que não são baratos mas se recebermos 60 a 70 milhões por Fernandes, acredito que possamos investir metade). 

Obrigado Fredy

21355116_7JSZD[1].jpg

 

O facto de não ganhar nada com isso, não impediu o Sporting de deixar sair Montero. Desta vez, a custo zero, depois da tuta-e-meia (mais Barcos, esse Luiz Phellype argentino), pela qual o libertou quando estava quase quase a ser campeão e talvez só não o tenha sido porque na hora da verdade estava lá um Bryan em vez de um Fredy. Dir-me-ão que se poupa no ordenado. Eu preferia aumentar Montero e não pagar sequer um ordenado mínimo a Gaspar, Pinto ou Petrovic. Pela porta pequena sai um homem que venceu três taças, participou em 131 jogos e marcou 46 golos. Segundo avançado, franzino mas com faro de golo, Montero, espécie de João Vieira Pinto dos 150´, apresentou-se em Alvalade, numa tarde de agosto com um hat-trick ao Arouca. Marcaria 16 vezes no ano de estreia e mais 18 no seguinte. Sairia para a China, voltaria aos EUA (onde soma 75 golos em cinco épocas), antes de regressar a Lisboa. E agora, isto. Se Pedro Mendes subir já à equipa A e passar a suplente direto de Bas Dost, ainda podemos começar a pensar em perdoar esta jogada. Se não, é um sinal de desistir da época, quando ainda há Taça e Liga Europa. Ah, e 13 jogos do campeonato. E lá está, o Barcos brasileiro...

Reforços ou nem tanto (parte 3)

A poucos dias de fecho do mercado, e com a grande dúvida ou não de Acuña (passou muito ao lado da festa, os colegas bem puxaram por ele, mas parece estar mesmo de saida), vai-se conhecendo a esperada arrumação de casa no plantel do Sporting:

Saem: Viviano (GR), Marcelo (DC), Lumor (DE), Misic (M), Bruno César (M), Mané (E),  possivelmente Castaignos (PL) e (que pena) Acuña (DE/E).

Entram: Ilori (DC), Borja (DE), Doumbia (M), Francisco Geraldes (M), Luiz Phellype (PL)

Plantel emagrecido, mais jovem, menos despesa, mais peso da formação, tudo coisas boas, mas... plantel reforçado?  Tenho dúvidas...

Entretanto os milhões das rescisões continuam em parte incerta, Patrício e William ajudaram o presidente na resolução do problema no que respeita a cada um deles, mas os restantes continuam bem complicados. A falta de rendimento do Gelson Martins no Atlético Madrid tambem em nada ajudou.

Vamos ver o que acontece ainda até ao fecho do mercado.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D