Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Hoje giro eu - Triste futebol português

Um golo invalidado a Miguel Cardoso, quando é Luisão que levanta mais o pé que Tyler Boyd, um cartão vermelho perdoado a Ruben Dias (Nuno Almeida nem falta marcou) - e concomitante ausência no derby - quando Tomané ia isolado para a baliza e o treinador tondelense, Pêpa, expulso. Junte-se a tudo isto cinco minutos de descontos quando só houve 3 substituições antes dos 90 minutos. Ainda assim, vitória do Tondela, no Estádio da Luz, por 3-2. Atenção a Tomané, que belo jogador!

E então?

Sim, marcámos o golo da vitória aos 90’+8 (ou nove)! E Então?

A equipa do Tondela, terra de gente honrada, teve, pelo antijogo que praticou, o desfecho que mereceu.

Foi bonito. Muito bonito!!!

Quando o seu treinador diz, segundo o que ouvi o José Nunes na Linha Avançada (creio que podemos ouvir a Antena 3, ou não?), «Tondela é uma equipa ‘hardcore’», ontem representou (peço desculpa pela comparação) o papel da Cicciolina.

 

Olhando para nós.

Que jogo triste!!!

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Da vitória arrancada a ferros. Batemos o Tondela esta noite, por 2-1, com o golo do triunfo a ser apontado por Coates quando já se iniciara o nono minuto do tempo extra, que em princípio deveria escoar-se apenas em quatro. Registou-se uma explosão de justa e compreensível alegria entre os adeptos leoninos que se deslocaram ao estádio daquela cidade da Beira Alta e certamente um pouco por todo o País e nas partes do mundo que acompanhavam a transmissão em directo do jogo pela rádio ou pela televisão.

 

De Bas Dost. Regressou à equipa após três semanas de ausência e voltou em forma: à primeira oportunidade, com notável sentido posicional, marcou logo um golo. O nosso primeiro, aos 26', cabeceando da melhor forma com notável tempo de salto. Participou ainda na construção do segundo, amortecendo a bola que havia sido bombeada a 40 metros de distância por William Carvalho e servindo-a, na prática, como assistência para o finalizador Coates.

 

De Acuña. Para mim, o argentino foi o melhor em campo nesta partida: dinâmico, veloz, esticando o jogo, desequilibrando as marcações adversárias. E assegurou duas posições diferentes no seu flanco. Fez a assistência para o primeiro golo com um cruzamento milimétrico para o holandês. Repetiu a proeza em duas outras ocasiões: aos 45', servindo Mathieu (que cabeceou por cima) e aos 87' para Doumbia (que desperdiçou). Com a saída de Bruno César - hoje lateral esquerdo titular na ausência de Coentrão por castigo - recuou para a ala defensiva, onde também cumpriu a missão, mas sem nunca descurar a manobra atacante, bem útil quando a nossa equipa já jogava apenas com dez.

 

De William Carvalho. Falso lento, está sempre em jogo. E voltou a funcionar como o dínamo do onze leonino, pautando tanto a manobra defensiva como a corrente ofensiva. Hoje não se limitou ao meio-campo: quando foi necessário, cumpriu aquilo que o treinador lhe pediu, funcionando como defesa central de emergência após o vermelho exibido a Mathieu. Mas na retina dos adeptos ficou, acima de tudo, o seu espectacular passe longo do último lance que viria a ser muito bem recolhido por Bas Dost, daí resultando os três pontos que o Sporting trouxe de Tondela. Jogadores como o nosso capitão fazem a diferença nestes pormenores. Que são pormaiores.

 

De Bruno Fernandes.  Boa partida do nosso médio criativo, que a partir da recomposição táctica imposta pela expulsão de Mathieu recuou para médio de contenção, ocupando a posição antes confiada a Willliam: deu boa conta do recado. Os melhores remates de meia distância, como é hábito, saíram dos pés dele: um aos 45', travado in extremis pelo guardião do Tondela, outro aos 78', noutro disparo muito bem colocado.

 

De Coates.  Começou por ser o vilão e acabou por tornar-se o herói leonino desta partida. Primeiro, aos 13', quando por lentidão de reflexos falhou uma intercepção de bola, permitindo a cavalgada do Tondela para o golo inaugural. Depois, ao marcar um golo em que quase ninguém já acreditava mesmo ao cair do pano desta partida. Neste último lance, o central uruguaio confirmou aquilo que sabíamos: tem raça e garra de Leão. Conscientes disto, perdoamos-lhe as falhas ocasionais: a desta noite já está esquecida.

 

Da "estrelinha". Há muito venho observando por aqui que o Sporting, nesta temporada, tem "estrelinha de campeão". Talvez em nenhum outro jogo da Liga 2017/2018 isso tenha sido tão flagrante como neste embate com o Tondela, que foi um digno vencido. É uma boa notícia para nós: não há jogo sem sorte e não há campeão sem estrelinha.

 

De Jorge Jesus. O treinador teve bons reflexos ao gerir os efeitos da inesperada e desagradável expulsão de Mathieu. Deixou no banco um central alternativo, limitando-se a fazer recuar William para jogar com Coates no eixo da defesa leonina e pedindo a Bruno uma missão táctica suplementar como médio mais recuado. Foi recompensado por esta ousadia: os jogadores corresponderam e a sorte sorriu-lhe.

 

De concluir que nos mantemos na corrida ao título. Continuamos a depender só de nós, igualando o Benfica na segunda posição e apenas a dois pontos do Porto, ainda comandante do campeonato. Tudo é possível.

 

 

 

Não gostei

 

 

De Mathieu. Partida para esquecer do central francês, amarelado ainda no primeiro tempo pelo árbitro João Capela. Aos 60', num gesto irreflectido, levou as mãos à cara de um adversário, como se implorasse um segundo cartão. Assim aconteceu: foi para a rua e deixou o Sporting com menos um jogador. O jogo permanecia empatado e tudo a partir daí se tornou um pouco mais difícil.

 

De Montero e Doumbia. O colombiano na primeira parte, o marfinense que o substituiu na segunda: nenhum deles cumpriu os mínimos para justificar ser titular numa equipa que aspira à conquista do campeonato. Apáticos, trapalhões, sem intensidade, sem instinto goleador, sem conseguirem combinar com Bas Dost. Duas grandes decepções.

 

De Rúben Ribeiro. Vai desperdiçando oportunidade atrás de oportunidade. Hoje, lançado em campo aos 59' após a saída de Bruno César (e o consequente recuo de Acuña), teve a seu cargo a ala esquerda ofensiva, mas foi de uma vulgaridade gritante, incapaz de fazer a diferença. Lento, previsível, preocupa-se mais em adornar os lances de costas para a baliza do que em criar desequilíbrios que possam servir a equipa e incutir-lhe a dinâmica que tantas vezes lhe falta.

 

Do desgaste da nossa equipa. Esta vitória soube muito bem, mas o jogo, tal como decorreu, trouxe um adicional de fadiga aos jogadores do Sporting nada recomendável para os desafios que vão seguir-se.

 

Do empate a uma bola que parecia interminável. Chegámos assim ao intervalo e já imaginávamos que não seria desfeito. Felizmente Coates estava lá para provar que nos tínhamos enganado. Com o beneplácito do árbitro João Capela, a quem a partir de hoje não voltarei a dirigir impropérios. Foi uma vitória limpinha, limpinha.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Coates evita tombadela fatal

Na antecâmara do jogo, a Assembleia Geral do Sporting foi uma espécie de Festival do Escanção. Quem tome o que ali foi dito pelo seu Face "value" arrisca-se a ficar num estado de embriaguez permanente dos sentidos que não augurará nada de bom. Como tal, degustei e absorvi o (pouco) que foi de interesse e deitei fora tudo o resto...

 

Aprendi o valor do silêncio com o ruí­do. Por isso, remeti-me ao silêncio. Quis compreender o que ali se tinha passado.

 

Aldous Huxley - autor de "Doors of Perception" - dizia que depois do silêncio, o que mais se aproximava de expressar o inexprimí­vel era a música. Coincidência ou não, um dia depois, estava ainda eu neste estado de espí­rito quando me entra pela televisão o Festival da Canção. Hoje, enquanto assistia à  Nossa vitória em Tondela, lembrei-me dele: o Sporting ganhou e, como cantou, nos 3 minutos da praxe (não havia um presidente de AG por perto a ameaçar "cortar-lhe" o microfone ao fim de 1 minuto), a doce Catarina Miranda - canção nº5 da primeira eliminatória (espero que a vencedora final) - "não há nenhuma necessidade, hoje para sorrir eu não preciso de (mais) nada". Afinal, (en)cantar no campo é a verdadeira essência do Sporting, o clube do GRANDE e para sempre RESPEITADO João Rocha. Está dito e da forma como quis dizer, pois, parafraseando o autor de "Austrália", "quem koala consente". 

 

Vamos ao jogo: triste pelas últimas narrações que ouvi na TV decidi testar uma nova modalidade. Assim, tirei o som da televisão e liguei o meu Spotify, mais a coluna JBL. Tinha duas pré-selecções à escolha: música brasileira ou pop/rock. Optei pela primeira. 

 

A equipa foi basicamente a de sempre, com a novidade(?), face à ausência de Coentrão, de o sonolento Bruno César ter entrado em vez do sonolento Bryan Ruiz (nesse caso implicaria o recúo de Acuña), voltando JJ, uma vez mais, a privilegiar o 4-4-2 em vez de um bem mais confortável 4-3-3. A pergunta que faço é a seguinte: este último sistema, dada a acumulação de jogos, não pouparia a equipa a um maior desgaste? Estavam decorridos 12 minutos quando Miguel Cardoso abriu o marcador para o Tondela. Gilberto Gil cantava "aquele abraço". Ao som de "Burguesinha", de Seu Jorge, Acuña tirou um adversário do caminho e centrou para a cabeça do em boa hora regressado Bas, que "dostou".

 

Ao intervalo, a SportTV mostrava um anúncio da Bet.pt com um senhor com 3 olhos na face, certamente inspirado no surrealismo de Salvador Dalí...

 

Para dar sorte, mudei o som para a Playlist pop/rock. Doumbia entrou em campo quando tocava "Like a Rolling Stone", de Dylan, Mathieu foi expulso à toada de "The whole of the moon", dos Waterboys e Piccini, hoje irreconhecível, fez o seu habitual atraso arrepiante reconhecível para Patrício quando entoavam os acordes de "God only knows", dos Beach Boys.

 

Estávamos já na compensação dos descontos - os tondelenses ficaram compreensivelmente insatisfeitos, mas Capela estava só a compensar os 4 minutos que Luis Ferreira nos havia sonegado na primeira parte contra o Feirense - quando ao som de "The Unforgiven", dos Metallica, Coates ocorreu a um desvio de Dost, entretanto deflectido para o poste por um defesa do Tondela, e marcou o golo da vitória, o seu 4º da época. Uff!!!

 

Liguei o som da televisão. Em conferência de imprensa, Jorge Jesus, a propósito do apoio das claques, endereçava os parabéns à do Boavista(!?), por ter tido uma atitude que lhe ficou na "rotina". Voltei a desligar o som ao aparelho. E dei graças a Deus por não ter ficado com azia, tal o refluxo de ácido gástrico que o meu estômago deve ter produzido até ao golo salvador.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bas Dost (Bas esteve nos 2 golos, Acuña seria uma boa alternativa pela combatividade, Patrício pela fiabilidade de sempre - só traído por um desvio da bola em Mathieu)

tondelasporting.jpg

 

Matemática, lógica e futebol

Num jogo de futebol, o árbitro, alguns instantes antes de se chegar aos 90 minutos informa o 4º árbitro do tempo de compensação.
Teoricamente (e na prática) a partir daí pode acontecer que se justifiquem compensações adicionais caso as situações habituais que levam à necessidade de compensar o tempo de jogo se justifiquem.
Curiosamente, no último Tondela-Sporting, quando o cronómetro atinge os 90 minutos - certamente já depois de o 4º árbitro saber qual o tempo de compensação - o jogo estava interrompido tendo o árbitro que intervir porque, tendo assinalado uma falta, o jogador faltoso impediu a rápida marcação do livre e lá foi afastando a bola do local, sucessivamente.
Algum sururu com o Bruno Fernandes a dar-lhe um chega para lá na tentativa de recuperar a bola, o jogador o Tondela a cair, o árbitro a ter de acalmar as hostes.
Foi assim repito, que se começou o tempo de compensação, os 4 minutos: com o jogo parado.
Durante a compensação houve mais duas situações, ambas pontapé de baliza para o Tondela, em que o árbitro teve de servir de despertador ao guarda redes do Tondela - apitando - pois no processo de repor a bola em jogo, conseguiu queimar cerca de um minuto.
Aos 93 minutos e 40 segundos o jogo é interrompido.
Quando faltava para jogar? 20 segundos? Ou cerca de dois minutos?
O jogo é retomado exatamente 2 minutos e 28 segundos depois, aos 96 minutos e 8 segundos de contagem contínua.
Exatamente ao minuto 98 e 00 segundos o Sporting marca o golo da vitória.
Votos de muito boa noite e saudações leoninas.
 

Uffff......é demais!!

Já aqui escrevi, mais do que uma vez, que não se compreende como a equipa dá sempre meio-tempo de vantagem às equipas contrárias. Com raras exceções, nunca entramos em campo com vontade de arrumar o jogo, impondo uma dinâmica forte, e remetendo as equipas contrárias à defesa. Corremos sempre atrás do prejuízo, e depois quando queremos, às vezes já é tarde, não conseguimos, e sofremos...sofremos...sofremos ...ufff é demais. As primeiras partes são sempre dóceis, sem correr muito, lateralizando uma vez e mais outra, passando de jogador para jogador, esperando esperodicamente uma falha da equipa contrária para chegar à baliza contrária. Hoje o primeiro remate foi feito aos 16m, com um remate de Bruno César que bate num defesa contrário. Antes já o Tondela tinha chegado à nossa baliza por algumas vezes e algumas delas com relativo período. Não era necessário tanto sofrimento. Bastava a equipa perceber que aquilo que faz nas segundas partes, começe a fazer a partir do momento que o jogo se inicia. Sim, foi com garra, com vontade, com espírito de sacrifício, mas ....por favor, tenham mais vontade de resolver os jogos logo na primeira parte.Os sócios já estão a sofrer de mais. Uffff

 

Jogo de campeão

Só um campeão ganha um jogo como este. Tínhamos de ganhar. Quisemos ganhar. Jogámos para ganhar. Ganhámos.

Um campeão é feito disto: sofrimento, muita entrega, um enorme compromisso. Os nossos nunca atiraram a toalha ao chão. Parabéns, equipa!

Obrigado, Leões. Para rima só me lembro de campeões, leões.  

Verdade Desportiva... Sempre

Chega de confusões. Que amanhã a equipa que entrar em campo consiga fazer um jogo que faça esquecer as coisas menos boas que se foram passando nos últimos dias. Chega de patetices, de tontadas, de formas de estar que nada dignificam a comunicação social e especialmente os tais comentadores desportivos. Sabemos que somos os alvos a abater. Uns mais descaradamente, ou sem vergonha, outros mais subtilmente, apontam tudo para que amanhã as coisas nos corram mal. É preciso estar preparados. Tenham a certeza que mais dificuldades vamos encontrar a partir do jogo com o Tondela..... 

Um abraço para Tondela

Confesso-vos que estava hoje a torcer pela vitória do Tondela. Passei duas temporadas este ano no distrito de Viseu, de que tanto gosto, e foi com o coração apertado que faz hoje oito dias acompanhei a nova tragédia dos incêndios que este ano fustigou o País em geral e a Beira interior em particular.

O concelho de Tondela foi um dos mais devastados pelas chamas. Por isso os seus habitantes bem mereciam hoje uma pequena alegria no futebol. Tiveram-na, com a primeira vitória em casa, por 2-0, conseguida há pouco frente ao Belenenses.

Torci por eles. E dou-lhes os parabéns.

De Senhor, meu caro Jorge Jesus

Passámos um jogo que nos andava "entalado". Nas duas últimas temporadas perdemos pontos em casa com o Tondela. Não é, de longe, o melhor clube da Primeira Liga, mas era uma espécie de malapata que nos estava atravessada. É bom relembrar que bastaria uma vitória há dois anos ao Tondela e o tão ambicionado título teria acontecido. 

Mas, mais do que vencer o Tondela, mais do que finalmente vencer um jogo pós-Liga dos Campeões, o que mais saliento é o discurso de Jorge Jesus após o jogo. Ponderado, sereno e com os pés na terra. É fundamental manter o registo. O Sporting não pode embandeirar em arco quando faltam tantas jornadas e tantos problemas pela frente. E é preciso perceber de uma vez que o nosso foco é só um: o Sporting Clube de Portugal. Focados no nosso trabalho, nos nossos jogadores e no muito que temos que fazer. 

Vamos a isso Mister. Seguimos #Juntos. 

 

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Ronaldo inspirou 2 golos de antologia

Em plena ressaca europeia, acabadinhos de descer do Olimpo, os Leões receberam a visita do deus do futebol - Cristiano Ronaldo - e depararam-se com uma verdadeira figura da mitologia do apito português, o senhor Manuel Oliveira, que depois de ter permitido todo o tipo de ofensas à integridade física dos jogadores do Sporting acabaria por mostrar o primeiro amarelo do jogo apenas aos 74 minutos e a ...Bruno Fernandes. Um "must"!

A equipa leonina apresentou-se com 4 alterações face ao jogo europeu, sendo que Alan Ruiz e Iuri Medeiros foram as surpresas (Coentrão e Dost regressaram à titularidade habitual). O argentino apresentou-se no seu costumeiro registo de "morto de sono", como se vivesse num permanente "jet lag" entre a hora do jogo e a hora da sesta. 

Os 42.401 espectadores tiveram o privilégio de assistir a 2 grandes golos: o primeiro, de livre directo, ao ângulo superior, apontado por Mathieu, o segundo, numa folha seca, de fora da área, marcado pelo inevitável Bruno Fernandes.

Ainda houve tempo para o concurso "Bola no Ferro", que consistiu em cantos marcados por Bruno Fernandes e remates alternados de William, com o pé e de cabeça. Aqui foi obtido o pleno: duas tentativas, dois disparos do (2º) capitão leonino aos ferros, um deles com a preciosa assistência de Cláudio Ramos, guardião tondelense. 

E assim terminou um jogo em que o Sporting venceu à bomba e a equipa de Tondela não realizou um único remate enquadrado à baliza de Rui Patrício.

 

Os nossos jogadores:

 

Rui Patrício - Esteve em campo, mas dada a inoperância dos tondelenses, o espírito andou longe dali. Deu para pensar onde passar as próximas férias, que presentes comprar no Natal ou em encomendar a série completa de "Orange is the new black" (Netflix), retirando ideias para futuras cores da sua camisola de jogo. Entretanto, naquele semi-anonimato que o jogo lhe proporcionou, quase não nos apercebemos que voltou a ser o capitão. 

Nota: Sol

 

Piccini - Compete com Gelson e Mathieu para protagonista da próxima sequela de "Velocidade furiosa" - versão a pé - , tal a rapidez com que se desloca, com ou sem bola. Com Iuri muito colado à linha, avançou frequentemente em diagonais criando desequilibrios na defesa adversária. Aos poucos, o "flecha" vai conquistando o coração dos adeptos.

Nota:

 

Coates - O uruguaio não deu quaisquer veleidades aos avançados do Tondela, fazendo jus à sua condição de Ministro da defesa do "governo" instalado em Alvalade. 

Nota:

 

Mathieu - A importância de ter jogadores como o gaulês é que quando os jogos estão fechados, as defesas adversárias cerradas, dá muito jeito ter jogadores de categoria extra que consigam individualmente encontrar soluções para os problemas que a equipa colectivamente mostra dificuldade em resolver.

Nota: Si

 

Coentrão - Muito contido, não fosse aparecer um espasmo aqui, uma mialgia ali, ficou na maior parte do tempo a assistir da Varanda. Algumas, poucas, iniciativas concluidas com cruzamentos rasteiros interceptados pela defesa tondelense.

Nota: Sol

 

William - Imperial! Num meio-campo central a 2, o Sir deslizou pelo terreno, sempre de forma esclarecida. Quando joga assim, transforma-se numa hidra, um monstro sempre com uma cabeça a mais a pensar o jogo e, simultaneamente, a destruir pela raiz qualquer pretensão ofensiva do adversário. Vencedor do concurso "Bola no Ferro" e o melhor em campo.

Nota: Si

 

Bruno Fernandes - Bruno, o influente, recebeu um passe de William, rodou e, de fora da área sem olhar para a baliza, disparou um míssil que só parou no fundo das redes de Cláudio Ramos. Assim, marcou o seu 6º golo em 9 jogos (melhor marcador) e participou no 13º golo da equipa (em 23), números que não deixam dúvidas a ninguém. Antes do jogo, recebeu os seguintes prémios do Sindicato de Jogadores do mês de Agosto: melhor jogador, melhor jogador jovem, melhor médio, melhor golo. Durante o jogo, Manuel Oliveira também lhe atribuiria o galardão do primeiro cartão da noite, o que arrancou sorrisos amarelos nas bancadas. Quase que aposto que será o primeiro da Liga a acumular 5 amarelos, "prémio" que lhe permitirá descansar em algum dos duelos importantes que teremos pela frente.

Nota:

 

Iuri Medeiros - Demasiado preso na ala, esteve na origem do primeiro golo quando se soltou, deambulou pelo centro do terreno e acabou carregado pelas costas, originando o livre que Mathieu transformou em golo.

Nota: Sol

 

Alan Ruiz - Mais uma exibição dentro da sua linha: lento na definição, preso de movimentos, pouco jogo colectivo. Tem de melhorar rapidamente pois, com o regresso de Podence, a manter este registo terá muito pouco espaço para jogar.

Nota: Mi

 

Acuña - O Muro geriu o tremendo esforço desenvolvido nas últimas semanas refugiando-se mais em tarefas defensivas. Na fase final do jogo, a sua imponência física veio ao de cima, dinamitando todos os que se encostavam. Quase marcava em mais uma bomba de fora-da-área.

Nota: Sol

 

Bas Dost - O holandês teve um jogo inglório. Correu e saltou muito entre os centrais adversários, mas não foi bem servido, nem teve qualquer oportunidade de golo. Pareceu ter sido subtilmente tocado perto do final do jogo quando tinha a baliza à mercê.

Nota: Sol

 

Battaglia - A sua entrada em campo coincidiu com o melhor períoda da equipa. Arrastou o jogo para o meio-campo adversário quando a equipa tondelense começava a subir no terreno e permitiu que Bruno Fernandes procurásse outros espaços, o que foi providencial na obtenção do segundo golo leonino. Continua a fazer jus ao seu epíteto de Exterminador Implacável.

Nota: Sol

 

Gelson - Dá sempre jeito ter uma mudança a mais quando as coisas ameaçam complicar-se. Com ele em campo, o Tondela perdeu qualquer ambição atacante, preocupando-se apenas com diferentes formas, legais ou não, de parar a velocidade e o talento do jovem prodígio leonino.

Nota: Sol

 

Bruno César - Desta vez entrou bem e ajudou a estabilizar a equipa. Teve alguns lances atacantes bem delineados, prometendo voltar ao seu melhor período do ano passado.

Nota: Sol

 

Tenor "Tudo ao molho...": William Carvalho

 

alvalade.JPG

Os nossos jogadores, um a um

Levámos enfim de vencida o Tondela em Alvalade. Após duas épocas em que tropeçámos frente a esta equipa.

O triunfo leonino começou a ser construído aos 12', com um tiro certeiro de Mathieu na conversão de um livre directo. E consolidou-se aos 72', com um remate-bomba de Bruno Fernandes, muito saudado pelos mais de 42 mil espectadores que esta noite acorreram a Alvalade.

Outro jogo sem sofrermos golos, comprovando-se a solidez da nossa defesa. E sem acusarmos o cansaço do jogo a meio da semana frente ao Olympiacos. Desta vez com Coentrão em campo, Iuri Medeiros no lugar de Gelson Martins, Battaglia e Doumbia no banco, Alan Ruiz e Bas Dost no onze titular.

O melhor, para mim, foi novamente Bruno Fernandes.

 

............................................................................

 

 

RUI PATRÍCIO (6). Pouco interventivo numa partida em que a equipa adversária não chegou a causar perigo. Quando foi preciso mostrou que estava lá.

PICCINI (6). Recuperou da lesão sofrida na jornada anterior. E apareceu de ânimo reforçado. Ainda com mais solidez a defender. E agora com mais critério nas incursões no ataque.

COATES (7).  Pouco exuberante desta vez nas incursões além da linha do meio-campo, mas de uma eficácia indiscutível no eixo da defesa. Travou tudo quanto havia para travar.

MATHIEU (8). Ganhou todos os lances aéreos, limpou a zona que lhe estava confiada e foi às dobras sempre que necessário. O melhor de tudo foi o grande golo que marcou, de livre, aos 12'.

FÁBIO COENTRÃO (7). Reapareceu e mostra-se cada vez mais confiante. Dominou o seu corredor, com inteligência e sabedoria. Falta-lhe apenas aprimorar a forma física para jogar os 90 minutos. Saiu aos 81'.

WILLIAM CARVALHO (8). Foi às segundas bolas e ganhou-as. Funcionou como tampão no corredor central. E lançou os companheiros na manobra ofensiva. Só lhe faltou marcar. Esteve quase, aos 83'.

B. FERNANDES (8). Começou como médio de transição, muito influente na construção ofensiva. A meio da segunda parte adiantou-se no terreno e assumiu-se como o melhor em campo. Marcou um golão aos 72'.

IURI MEDEIROS (5). Estreia pouco auspiciosa no onze titular deste campeonato. Teve muita dificuldade em libertar-se da marcação apertada que lhe fizeram na ala direita do ataque. Substituido aos 59'.

ACUÑA (5). Talvez o jogador que mais evidenciou sinais de fadiga após a jornada europeia. Podia ter marcado, no final da primeira parte, mas atirou ao lado. Segunda parte muito apagada.

ALAN RUIZ (4). Lento, previsível, sem capacidade de fazer a diferença nos confrontos individuais nem sequer nos remates de meia-distância. Fez um apenas, que foi defendido. Saiu aos 54'.

BAS DOST (5). Bem servido por Gelson Martins e Piccini, desta vez não chegou a marcar. O sistema de jogo do Tondela tolheu-lhe os movimentos e foi incapaz de se libertar das marcações.

BATTAGLIA (6). Rendeu Alan Ruiz aos 54', proporcionando que Bruno se adiantasse no terreno. Cumpriu a missão que lhe foi destinada: fazer a ligação entre o meio-campo e o ataque no eixo do terreno.

GELSON MARTINS (7). Substituiu Iuri aos 59' e logo imprimiu mais velocidade à equipa, arrastando os defesas contrários. Sem golos nem assistências, mas influente na dinâmica ofensiva dos 20 minutos finais.

BRUNO CÉSAR (5). Entrou para o lugar de Coentrão e deu conta do recado, demonstrando em dois ou três lances que é uma boa alternativa para esta posição. Como é para outras.

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

 

De ver o Sporting vencer o Tondela esta noite em Alvalade.  Após dois empates em casa frente a esta mesma equipa nas duas épocas anteriores (os dois pontos que deixámos fugir há dois anos ter-nos-iam valido o título de campeões nacionais), desta vez demos um pontapé nessa brevíssima e disparatadíssima tradição, superando outro obstáculo no caminho do título que queremos festejar em Maio. O triunfo, por 2-0, valeu-nos mais três pontos. E vão dezoito: seis jogos, seis vitórias.

  

De Bruno Fernandes. Outra excelente exibição do nosso médio ofensivo - talvez o mais vibrante jogador a actuar neste momento no campeonato português. Voto nele como melhor em campo. Não apenas pelo grande golo que marcou aos 72', num fortíssimo remate de meia-distância, mas por ter sido crucial na construção do nosso jogo ofensivo. Leva quatro jogos consecutivos a marcar.

 

De Mathieu. Partida quase perfeita do central francês, que hoje se estreou a marcar pelo Sporting, logo aos 12', na cobrança perfeita de um livre directo. Um míssil que saiu do seu pé esquerdo - indefensável para o guardião do Tondela. Na organização defensiva teve a influência a que nos vem habituando desde que começou a jogar de verde e branco.

 

De William Carvalho. Havia já por aí uns "analistas" da treta a especular sobre o estado anímico do melhor médio defensivo português, que - felizmente para nós - viu gorada a transferência para o West Ham. O nosso capitão responde em campo a esses tontos, desmentindo-os em toda a linha. Frente ao Tondela, ganhou quase todos os confrontos e chegou a recuperar bolas em três ocasiões fazendo frente a dois adversários em simultâneo. No passe ofensivo, a mesma eficácia: foi dele a assistência para o golo de Bruno Fernandes. E poderia até ter marcado, aos 83', quando rematou ao poste.

 

Do regresso de Fábio Coentrão. Com ele no onze titular, o nosso corredor esquerdo fica muito mais compacto. Foi o que aconteceu. Não por acaso, o Tondela acabou por canalizar o seu esporádico fluxo atacante quase sempre pela ala oposta. Falta agora a Coentrão aprimorar a condição física. De qualquer modo, quando foi substituído, aos 81', recebeu uma sentida e merecida ovação.

 

Da nossa eficácia nas bolas paradas. Noutros campeonatos, decorriam meses sem vermos o Sporting marcar um golo de livre ou surgido de um canto. O treino específico, nesta área, está a produzir bons resultados, como o golo marcado por Mathieu bem demonstrou.

 

De termos superado o "efeito Champions". Ao contrário do que sucedeu em anos anteriores, em que acusava o peso físico e anímico das competições europeias, a equipa não claudicou nem antes nem depois da partida disputada em Atenas.

 

Da mobilização nas bancadas. Estivemos 42.401 em Alvalade. Apoiando a equipa do princípio ao fim.

 

Da homenagem póstuma a Maria de Lourdes Borges de Castro. Um minuto de aplausos intensos, antes do apito inicial, à nossa sócia n.º 4, falecida há dias. Com 94 anos de vida e de associada.

 

De ver Cristiano Ronaldo hoje em Alvalade. O melhor jogador do mundo, adepto e sócio do Sporting, teve direito a um cântico das claques e ajudou a moralizar ainda mais a nossa equipa com a sua presença na tribuna.

 

Que o Sporting tenha de momento o melhor ataque do campeonato. Quinze golos marcados nestes seis jogos da Liga 2017/2018.

 

 

 

Não gostei

 

 

Do resultado ao intervalo. Ganhávamos por 1-0, o que nos sabia a pouco.

 

De Iuri Medeiros. Decepcionante estreia a titular neste campeonato, para o lugar habitualmente ocupado por Gelson Martins. Podia e devia ter feito muito melhor. Aos 24', bem assistido por Bas Dost e sem oposição da muralha defensiva do Tondela, teve uma das melhores oportunidades do jogo. Mas desperdiçou-a atirando ao lado.

 

De Alan Ruiz. Fez um bom remate à baliza, aos 40', que o guarda-redes defendeu em esforço. Mas continua a faltar-lhe intensidade e velocidade. Não aproveitou a segunda oportunidade como titular da equipa que o treinador lhe concedeu.

 

Do árbitro Manuel Oliveira. Foi complacente com o jogo duro e até violento do Tondela, nomeadamente com uma agressão a Alan Ruiz que merecia cartão vermelho e nem chegou a ser sancionada com falta. Fechou os olhos a múltiplas cargas sobre Acuña e Bruno Fernandes no limite da ameaça à integridade física dos nossos jogadores. E acabou por mostrar o primeiro cartão amarelo da partida, iam decorridos 74 minutos, precisamente a Bruno Fernandes - premiando assim, por contraste, o jogo faltoso da equipa beirã. Um critério disciplinar inaceitável.

Prognósticos antes do jogo

Sábado, 20.30: dia e hora do apito inicial do Sporting-Tondela. Com arbitragem de Manuel Oliveira e Tiago Martins pela terceira vez como vídeo-árbitro num desafio protagonizado pela nossa equipa na Liga 2017/2018.

Espero que seja um jogo que nos deixe melhores memórias do que as visitas da turma beirã a Alvalade nas duas épocas anteriores.

Quais são os vossos prognósticos para esta partida?

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D