Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O coração do futebol

«Se aprendemos algo durante esta pandemia é que o coração do futebol não bate em estádios vazios e que o ventilador mecânico da televisão, que o mantém vivo como indústria, é insuficiente. A paixão que pedimos ao futebol está está espalhada pelas casas e desvalorizada por não encontrar uma caixa de ressonância. Ninguém deixou de ser do Real Madrid ou do Barça por causa do Covid, mas nem há euforia para festejar o título do Real Madrid nem lenços brancos que ponham em perigo a presidência de Bartomeu. Até o VAR, como subproduto televisivo, dispara no escuro depois de ter convertido o futebol numa fantochada. Chegou em nome da justiça mas atropelou-a ao pretender que um jogo dinâmico se jogue em câmara lenta ou como uma foto fixa. Que devolvam as batidas ao futebol e que o coração aproveite para gritar aos quatro ventos e colocar as coisas no seu lugar.»

 

Jorge Valdano, em crónica ontem publicada no jornal A Bola

Será sensato terminar a época?

A decisão de retomar à pressa as competições de futebol, agendando o regresso para a última semana de Maio, apenas se percebe pela necessidade dos clubes receberem as verbas contratualizadas com os operadores televisivos pelos direitos de transmissão televisiva, mas coloca mais problemas e dificuldades que certezas, senão vejamos:

- Vários jogadores terminam contrato a 30 de Junho. O prazo até pode ser prorrogado por decisão FIFA, mas sabemos que vários atletas têm salários em atraso. Será legítimo obrigá-los a jogar? E se não jogarem, não estaremos a desvirtuar a competição? E caso alguém se lesione gravemente? Imaginemos que Trincão do S.C.Braga por exemplo se lesiona para lá de 30 de Junho, irá o F.C.Barcelona pagar a verba acordada pela transferência? Ou João Palhinha por exemplo, que estaria a jogar para lá do período de empréstimo acordado, como seria o Sporting C.P. ressarcido caso não tenha o atleta à disposição para o início da próxima época? Utilizei o SCB como exemplo, nada contra o clube e atletas mencionados a quem desejo as maiores felicidades.

- Discute-se se os jogos devem ser transmitidos em sinal aberto ou fechado. Estarão os detentores dos direitos disponíveis para ceder os mesmos, o que implica perda de receita e ainda assim pagar? Ou vai ser considerado serviço público pelo governo e uma vez mais o dinheiro dos portugueses é desrespeitado, chegando-se a RTP à frente?

- Outra questão em discussão é que estádios serão utilizados para disputar os jogos que faltam. Qualquer solução diferente da utilização dos estádios dos clubes coloca em causa a verdade desportiva. Bem sei que falamos do futebol português, onde tal não é historicamente o mais importante, mas convém apesar de tudo não abusar.

- As duas equipas insulares, Marítimo e Santa Clara, têm tanto direito de jogar em casa como as outras, o que implica deslocações aéreas entre continente e ilhas. Pelo menos a TAP, ao que se sabe, irá continuar a realizar voos regulares e existe sempre a hipótese de recurso a voos privados. Pensam subjugar os direitos destes clubes ao interesse dos outros? É que pode acabar por influenciar a classificação, várias equipas jogaram e perderam pontos naqueles campos.

- O plano aponta para terminar a época em Julho e começar a próxima em Setembro. Não se podem alongar porque existem Europeu de selecções, competições europeias e jogos de apuramento para o Mundial 2022. Não seria preferível dar a actual época por terminada, antecipar o início da próxima e ganhar margem de manobra para gerir eventuais dificuldades que possam surgir? Por exemplo uma eventual nova vaga de covid19.

- Bem sei que todos os atletas estão testados, até podem entrar em estágio durante o período da competição, mas que farão as entidades responsáveis caso um atleta teste positivo? Mandam toda a equipa para quarentena? Isso implica alterações no calendário e prazo para concluir a competição. Isolam apenas o que testou positivo?

- Falta um parecer da DGS, que será fortemente pressionada pela estrutura do futebol para permitir o regresso da competição. Ou percebermos o que acontecerá nas quatro principais ligas europeias, Inglaterra, Espanha, Alemanha e Itália, bem como a decisão da UEFA sobre o que resta das competições europeias desta época. Porque apesar de não termos já clubes envolvidos, existem implicações para Portugal, que terá clubes envolvidos nas pré-eliminatórias da próxima época e terá que competir em pé de igualdade.

- A meu ver, seria preferível seguir o exemplo das modalidades de pavilhão, não haver campeão e utilizar a classificação actual para efeitos de qualificação para as provas europeias, subidas e descidas.

Futebol e televisão

Ó rapazes isto é simples. A economia do futebol está toda pendurada nos direitos televisivos, o resto são peaners como diria Jesus, o brasileiro. Quem pagou uma batelada por esses direitos está com a corda na garganta: sem jogos não há assinaturas nem publicidade. Ou seja não há dinheiro para pagar aos clubes, no mesmo passo em que o valor dos jogadores cai a pique.

Mais um mês disto, se os jogos não recomeçam rapidamente, com ou sem espectadores - isso agora é com os governos - o negócio vai à falência pela base.

Isto é bom? É mau? O que seja, mas é assim.

Impor condições, como obrigar os jogos a passarem nas televisões abertas caso sejam à porta fechada? Quem paga? As televisões abertas? Com que dinheiro? E os direitos pagos pelos canais de subscrição? Pode-se fazer uma negociação decente debaixo de uma imposição legal que obrigue ao acordo? Querem lá ver que ainda sobra para a subsidiação estatal?

Craque também é estrela... de televisão!

O nosso craque e capitão, Bruno Fernandes, é sem dúvida um fora de série. Daqueles que deixam sempre um boa marca nos relvados por onde passam.

Todos lhe atribuímos mérito pela carreira que fez no Sporting, na derradeira época (e espero que continue a fazer!!!). Os passes, os remates, os dribles, a visão de jogo tudo faz parte das fantásticas características do nosso médio.

No entanto jamais imaginaria que um dia poderia ver o nosso capitão numa telenovela portuguesa. Ei-lo aqui em "Alma e Coração" na SIC.

b_fernandes (1).jpg

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Televisão e outras cenas

O futebol português é um negócio sui-generis, onde os estádios estão às moscas e os cafés, pastelarias, bares e tascas enchem à hora dos jogos. Neste ramo de actividade, e sem que a Liga ligue o suficiente ao que se passa, os consumidores de futebol não dão dinheiro aos clubes, mas sim ao sector de restauração e bebidas. (Às televisões também, embora mesmo assistindo do sofá contribuam indirectamente para os proveitos dos clubes via valor da venda dos direitos de transmissão televisiva.)

 

O público que aí se concentra funciona como caixa de ressonância do que se passa num campo por vezes distante em muitas centenas de quilómetros. De facto, há todo um mimetismo a acompanhar este fenómeno: uma grande penalidade a favor da nossa equipa é usualmente comemorada com um “penalty” numa taça de vinho branco - a sua concretização merece logo um golo num cálice de Brandymel (o Santo Graal do “merchandising da bola” no seu estado líquido) - e o seu grau de conformidade, que no estádio envolve a figura do VAR, pode ser atestado por uma visita de um perito da ASAE. E todo o adepto impersonifica o treinador sentado no banco e emite comentários mais ou menos doutos e elaborados sobre o que vê e o que é preciso fazer, como se o simples acto de escovar os dentes e neles passar fio dentário numa base diária lhe desse automaticamente qualificação como estomatologista. Isto não acontece por acaso: é que, de todas as ciências, o futebol é a mais intuitiva, aquela em que o conhecimento se democratizou e se estendeu ao homem comum. Por exemplo, no que concerne aos sportinguistas, toda a gente sabe que em cada um de nós há um treina-(a)-dor. Também “olheiro”, ou membro do Scouting como agora pomposamente se diz, aparentemente qualquer um pode ser. Proponho até que se passe a designar de “zarolho”, principalmente a partir do momento em que um clube do sul de Itália (Nápoles) ultrapassou os nossos e foi o primeiro a ver valor num tal de Carlos Vinícius que jogava no Real (Massamá) e agora anda por aí, emprestado ao Rio Ave, a levantar as redes adversárias, perante alguns defesas que mais valia se dedicarem à pesca, de tal maneira são infernizados em terra por esse dianteiro brasileiro.

 

Tal como nos filmes, é da ilusão de se estar lá dentro que se faz o sortilégio do futebol. Disso e de se fazer parte de algo grandioso, maior do que nós e do que as nossas vidas, razão pela qual em Portugal (Guimarães talvez seja a excepção) quase todos escolhem um “grande” como clube da sua paixão (razão?), mesmo que o estádio do clube da nossa cidade esteja ali ao virar da esquina.

Passada esta introdução, esta noite o Sporting desloca-se a Tondela, uma cidade do distrito de Viseu com cerca de 29000 habitantes e um clube na Primeira Liga. Ao contrário da época de 2016/17, em que após uma viagem acidentada de carro, que envolveu o rebentamento de um pneu a cerca de 200 km/h (os senhores da Brigada de Trânsito queiram fazer o favor de saltar esta parte) e a concomitante impossibilidade de degustação prévia de um leitãozinho, ainda assim observei os leões a vencerem ao vivo os tondelenses, em Aveiro, com um golo marcado nos últimos minutos por Adrien e, no fim, celebrei…a vida - e de uma noite longa (golo de Coates aos 98 minutos) na temporada passada em que acabei com um nó no estômago e quase agarrado ao desfibrilador - , desta vez o jogo disputar-se-á no estádio João Cardoso, em Tondela, e eu, com essas emoções fortes ainda bem presentes (e de novo sem leitão), irei optar pelo conforto do sofá cá de casa para acompanhar a partida através das imagens, que não os sons, que me chegarão por via da SportTV. Que venha a décima (vitória de Keizer)!

Levem-no!

Confesso que não vejo os programas, ditos, desportivos da televisão portuguesa. Porém, pelos ecos que, por vezes, ouço, sei que podem ser programas “muito educativos” onde as diferentes cores clubísticas se respeitam com profunda cordialidade. Nesse particular destacam-se duas personagens (não sei se as mesmas correspondem a personalidades): Pedro Guerra e Rui Gomes da Silva, um na TVI24, outro na SIC Notícias).

Por vezes, em conversa com amigos meus, da mesma cor dessas duas personagens, defendia que o sonho de Bruno de Carvalho, ao contrário do que dizia, não era ser presidente do Sporting mas sim comentador num desses programas. Creio mesmo que se uma qualquer televisão depois das eleições perdidas para Godinho Lopes o tivessem contratado para um desses programas nunca teria existido Bruno de Carvalho presidente.

Agora que está livre de afazeres profissionais é uma oportunidade única para uma qualquer televisão, não esquecer a CMtv, o contratar. Tem um público fiel e, atendendo às suas recentes actividades, poderá ser um comentador apto para discorrer em diversas realidades... ... ... desportivas, claro está!

Errático

Não vi mas dizem-me que ontem, após uma emissão documental de um juiz sobre o Sporting, Bruno de Carvalho contactou duas estações televisivas. E nelas esteve a dar a sua interpretação, dos factos e do parecer emanado do tribunal.

 

Tudo bem? Enfim, o que surge de imediato é mais esta demonstração de comportamento errático. Legítimo no cidadão, inapropriado num presidente de um grande clube desportivo. Pois o Sporting anunciou, há pouquíssimo tempo, a contratação do conhecido jornalista Fernando Correia. Para ser porta-voz do presidente. E exactamente para anunciar uma nova era comunicacional, constatação de que a exposição pública de Bruno de Carvalho estava defeituosa. 

 

15 dias depois nota-se o quão incongruente foi essa contratação. Sai  decisão jurídica? Lá acorre o presidente à TV para vozear. E o porta-voz, para que serve, afinal? Tal como em quase tudo, este pequeno exemplo mostra como o actual rumo de Bruno de Carvalho é errático. 

 

E os que o rodeiam, por lealdade, deviam - pois mais vale tardíssimo do que nunca - perceber isso. Isso de que sinuoso é uma coisa, talvez estratégica, mesmo que titubeante. Mas errático é bem diferente. E sempre infértil. 

Séries televisivas

Ontem, na RTP1, passou mais um episódio de uma série escrita por Nuno Markl, cuja acção decorre no ano de 1986 (ano que dá nome à série).

Recuar, na memória, às séries televisivas dos finais dos anos ’80 e início dos '90 seria um desenrolar de um novelo muito extenso, porém recordo uma:

 

 

Peço desculpa por não ter falado do Sporting…

Merece registo

O minuto da semana entre 14 e 20 de Agosto que concentrou mais gente em simultâneo a ver o mesmo canal de televisão ocorreu na terça-feira, dia 15, na RTP: eram 21.36 desse dia e transmitia-se o Sporting-Steaua de Bucareste, primeira mão de um play off de boa memória para todos nós.

Nesse preciso instante, 1.745.200 espectadores estavam concentrados a ver o jogo. Elevando a transmissão da RTP-1 a uma rara quota de audiência: 41,1% do total de pessoas que àquela hora viam televisão.

Merece registo, naturalmente.

Jogo perigoso

O dia seguinte.jpeg

Os programas de debate futebolístico à segunda-feira nos canais de notícias vêm-se tornando numa autêntica aberração imprópria para crianças e gente civilizada - caio lá demasiadas vezes nos meus zappings à procura de notícias depois do jantar e fujo quando a coisa azeda, que nunca demora muito tempo. Na busca de audiências, que o mesmo é dizer, transpondo para a discussão verbal o mais básico fanatismo das claques, a conversa descamba com demasiada frequência para a insinuação e o insulto, que propicia cenas de algum embaraço quando a ténue fronteira do descontrolo emocional ameaça desabar entre os oponentes.

Sou do tempo em que no Sporting se debatiam fórmulas de atrair a família, nomeadamente senhoras e crianças para as bancadas do estádio, mas receio que o percurso feito nos últimos anos pelos clubes, através de políticas de comunicação extremamente agressivas, vem sendo inverso: a seguir a cada jogo, no espaço público que vai entre as televisões e as redes socais, toma lugar uma batalha verbal com pouco compromisso com a verdade e ainda menos com a boa educação. Voltando às televisões, desconfio que os responsáveis dos programas, que se não são os primeiros responsáveis, são cúmplices activos, estão simplesmente esfregando as mãos expectativa duma cena de descontrolo ou até de pugilato que exponencie as audiências, que por um dia catapulte o seu programa para os píncaros da popularidade, como se de um radical reality show se tratasse. Veja-se o caso do “Prolongamento” da TVI de ontem em que José de Pina e Pedro Guerra despudoradamente perderam a compostura (presumo que seja habitual).
Acontece que sou um amante do futebol, que preza a rivalidade acesa dentro das quatro linhas, transposta para as bancadas dentro dos limites mínimos das salutares regras de civilidade. Não compreendo que se critiquem os jogadores ou os espectadores da bola quando se descontrolam e se aceite passivamente que esse jogo perigoso seja transposto para a televisão com um discurso que toca as raias do irracional como se fosse legítimo.

Sou do tempo em que as televisões e o jornalismo tinham pretensões pedagógicas e sabiam o seu papel na sociedade. Não me parece que a busca de audiências justifique um espectáculo tão indigno quanto aquele que se vê nos serões das segundas-feiras por essas TVs.

Direito à transparência

Janela "não confirma nem desmente" ser autor da cartilha lampiónica.

Nem precisa: o estilo, os temas e até o vocabulário utilizado denunciam-no. Como uma impressão digital.

Confessa entretanto o sujeito que tem uma empresa que trabalha "com vários clubes, nacionais e internacionais". Ora aí está um excelente início de conversa: saber quais são os clubes que lhe pagam, através da tal empresa. Com a certeza antecipada de que não é o Sporting, sobre o qual tem bolçado frases cheias de ódio vesgo e rancoroso. Falta esclarecer se isso também se insere no âmbito da relação de "trabalho" que mantém com outros clubes, servindo neste caso a estação de TV como involuntária barriga de aluguer.

Os telespectadores que assistem aos debates sobre futebol têm o direito - e até o dever - de exigir às empresas televisivas que esclareçam eventuais conflitos de interesses dos comentadores que contratam para os seus painéis.

Não basta reclamar transparência para o futebol em abstracto: é preciso fazê-lo no concreto. Começando precisamente por aqui.

 

................................................................

 

Adenda.

Oportuna pergunta do Mestre de Cerimónias: quantos jornalistas receberão os briefings e os usarão no seu trabalho?

Da necessidade de pôr fim a isto

Não faz o menor sentido haver um clube desportivo em Portugal autorizado pela Liga a transmitir e difundir em exclusivo as imagens dos jogos que realiza em casa. Isto possibilita que este clube seleccione as imagens que muito bem entenda para servirem de base à discussão dos lances mais polémicos.

Bafejado por este privilégio, o Benfica divulgou excertos filmados das grandes penalidades cometidas por Pizzi e Nelson Semedo frente ao Sporting em que estes jogadores eram vistos de lado ou à distância, permitindo que pairassem dúvidas, em qualquer desses lances, sobre o castigo máximo negado à equipa anfitriã pelo árbitro Jorge Sousa.

As imagens esclarecedoras acabaram por ser exibidas só cerca de hora e meia após o apito final do Benfica-Sporting, quando o observador do árbitro já lhe havia atribuído a nota e os especialistas em arbitragem já tinham proferido os seus veredictos nas colunas dos jornais.

Deve ser posto fim sem demora a esta situação de excepção, que concede ao Benfica um estatuto privilegiado de que mais nenhum outro clube nacional usufrui. Em nome da transparência competitiva e pelo combate sem tréguas à mentira no futebol português.

Se eu mandasse...

No que se refere a jornalistas, colunistas, paineleiros e comentadores todos temos os nossos preferidos e os nossos ódios de estimação. Se pudéssemos escolher, de certeza que colocávamos fulano no programa X e retirávamos sicrano do programa Y.

 

Tendo isso em conta, digam de vossa justiça acerca de quem acham que deveria representar-nos e quem deveria ser enviado para uma ilha longínqua.

BTV (B)

O Dia Seguinte, o programa mais escandalosamente pró-Benfica da televisão portuguesa, fez desta vez a coisa sem qualquer disfarce. Durante quase meia hora, entre as 22.09 e as 22.34, ocupou-se de um só tema: Renato Sanches. Vinte e cinco minutos, quase o tempo de um telejornal.

Quando não havia uma só gota mais a extrair deste limão já tão espremido, o moderador muda enfim a agulha e vira-se para Rogério Alves, atirando-lhe esta pergunta: "Não ficou desiludido com o rendimento dos três jogadores do meio-campo do Sporting no jogo da selecção de sexta-feira em comparação com aquilo que já se viu eles serem capazes de fazer nos jogos do Sporting?»

Não vi o resto. E cada vez mais me interrogo: o que estarão os representantes do Sporting e do FCP a fazer neste programa?

Pára tudo!

A ver se entendi perfeitamente: O presidente da Liga acordou com a Altice a venda dos direitos da segunda liga por três épocas, à razão de 10,85M€ por época e uma comissão constituida por clubes da mesma segunda liga, num verdadeiro braço de ferro com a empresa de comunicação, conseguiu o astronómico valor/época de... 9,5M€????

E a assinatura do acordo foi no estádio... da Luz??????

 

Cheira-me que o NOS accionará aquela clausulazita de renovação com um prazer...

vieira2.jpg

vieira2b.png

 Via o artista do dia

Inacreditável

ecedc7ba6643101f79b80ddab7352488[1].jpg

 

No habitual serão das segundas-feiras na SIC Notícias - que mais se assemelha, nestes dias, a uma sucursal da Benfica TV - foram esta noite exibidas 67 vezes (repito por extenso, para que não restem dúvidas: sessenta e vezes vezes) as imagens do lance em que André Pinto intercepta com a mão, dentro da grande área do Braga, a bola cruzada por Gelson Martins.

Tentavam dois dos intervenientes neste programa, no meio de uma monumental algazarra desenrolada sem qualquer intervenção do moderador, provar que o árbitro marcou penálti sem justificação. Isto apesar de toda a imprensa desportiva de hoje, como já referi, ter concluído por unanimidade que o jogador do Braga cometeu mesmo penálti. E mais que isso: minutos depois ficou outra grande penalidade por marcar contra os bracarenses, lesando o Sporting.

Indiferentes ao rigor dos factos, num aparente ódio vesgo ao Sporting que critério editorial algum justifica, os responsáveis deste programa insistiram em exibir aquelas imagens até à náusea - como se elas comprovassem aquilo que os dois promotores da algazarra teimavam em demonstrar. Durante treze minutos, entre as 22.39 e as 22.52, a SIC Notícias nada mais teve para mostrar ao País do que aquilo. Sem imagens dos golos do Sporting marcados por Montero e Slimani - como se o golo não fosse o elemento fulcral da festa do futebol e apenas a discussão de café foi-penálti-não-foi-penálti tivesse relevância.

Ou então queriam entrar para o Guinness Book: talvez isto ajude a explicar as 67 vezes que exibiram o tal lance.

Ignoro se depois disso voltaram a mostrá-lo. Porque mudei de canal.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D