Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O 15 de Maio... de glória!

«Na véspera, a 14 de Maio de 1964, Morais (na foto, em pontapé acrobático) tinha sonhado que daria a vitória ao Sporting na finalíssima da Taça das Taças frente aos húngaros do MTK de Budapeste, na marcação de um canto directo. De resto, o antigo jogador confessou a premonição ao DN, há semanas. No dia seguinte, o sonho tornou-se real.

A equipa leonina era capitaneada por Fernando Mendes, que levantou o troféu em Antuérpia, Bélgica. Neste conjunto de atletas também pontificavam outros nomes, casos de Carvalho, Pedro Gomes, Alexandre Baptista, José Carlos, Hilário (não jogou a final, devido a lesão), Pérides e Osvaldo Silva, entre outros. Há 41 anos, o Sporting conquistou o seu primeiro triunfo numa competição europeia de futebol.

Anselmo Fernandez, arquitecto, era o treinador do clube de Alvalade na época. Mascarenhas, Figueiredo, Geo e Dé foram os restantes quatro jogadores que integraram o onze inicial leonino. O dia 15 de Maio de 1964 ficará ligado, para sempre, à história do futebol português.

O 'CANTINHO DO MORAIS'. O êxito europeu do Sporting, materializado com o famoso "Cantinho do Morais", viria a ser "imortalizado" no disco lançado na altura, aproveitando o relato radiofónico da jogada, feito por Artur Agostinho, então em trabalho para a Emissora Nacional. A música, que resulta do golo decisivo apontado por João Morais, era interpretada por Margarida Amaral.»

In.: Diário de Notícias

 

P.S.: Relembrado ontem pelo nosso leitor «Leão de Queluz»

 

Olympique Lyonnais – Sporting (8 Abril de 1964)

 Ol. Lyon - 0 x Sporting - 0

1ª mão das 1/2 finais Taça das Taças

 

Emigração nos anos '60: A escolha de um destino

 

«“Não escolhi a França. A emigração clandestina fazia-se para lá”. A avó materna arranjou-lhe o dinheiro [1]. “Pediu-o emprestado a uns senhores. Disse-lhes que precisava de comprar duas vacas. Os animais nunca apareceram, claro, e eles ficaram chateados. Mas pagámos tudo que devíamos durante o ano seguinte”.

            Os três homens deixaram Louriçal do Campo no início de outubro, ao fim da tarde. O ponto de encontro era nas traseiras do posto de eletricidade que ficava a mais de dois quilómetros da aldeia. O passador tinha pedido que não levassem muita coisa. “Fugi para a França como se fosse para a festa, com o fato e os sapatos de domingo, sem casaco. Levava às costas um saco de pano com duas sandes que a minha mãe me tinha feito e na mão uma pasta de couro com dois pares de meias e 300 escudos em dinheiro (119 euros aos preços de hoje)”.

            A primeira hora de viagem foi feita de táxi. O passador recebeu todo o dinheiro de uma vez. “Comprometeu-se a levar-nos novamente sem receber mais dinheiro caso fossemos presos”. Deixou os três homens a 20 quilómetros da fronteira, na Serra da Malcata. Grande parte do caminho até França seria feita a pé. “Acho que a viagem durou uns 23 dias, mas perdemos a noção do tempo”. Atravessaram a fronteira naquela noite, sozinhos, e dormiram ao relento. O passador voltou para conduzi-los a uma casa numa aldeia perdida, quase abandonada. De vez em quando, dava-lhes chouriço, pão e chocolate. No fim do mês, quando entraram no comboio em Hendaia, receberam uma lata de sardinha. “Nunca na minha vida passei tanta fome. Chegámos a lutar uns com os outros por comida. Transformámo-nos em animais”.

            O grupo foi crescendo à medida que a viagem avançava - já eram 30 homens quando chegou o momento de cruzar a fronteira francesa. Manuel continuava a ser o mais novo. “Viajámos até Vitória, no País Basco, num camião de gado cheio de esterco, íamos de pé e o cheiro era insuportável. Chegaram de madrugada a outra pequena aldeia. Dormiram num aprisco, entre mais de 100 ovelhas. “Foi um dos momentos mais felizes da viagem, porque nós vínhamos cheiinhos de frio. Metemo-nos no meio dos animais, aquecemo-nos e bebemos leite quente, mungido ali”, recorda. Nesta altura, os sapatos de domingo de Manuel já estavam desfeitos - o passador deu-lhe umas botas de borracha para a travessia dos Pirenéus, mas isso serviu de pouco. “O frio era tanto, o martírio foi tão grande durante aquela semana a caminhar pelas montanhas, que se eu tivesse encontrado um polícia espanhol rendia-me e pedia para voltar”, garante. “O sentimento que mais recordo é o medo. Em certas ocasiões fomos deixados um ou dois dias abandonados. Pensámos que íamos morrer ali. Um dos homens do grupo perdeu-se pelo caminho - nunca chegou a França. Outro esteve quase a ser deitado por uma ribanceira pelos passadores. Via mal e começou a dizer, aos gritos, que não queria avançar. Pedia para o deixarem pelo caminho. Não podia ser: ou seguia ou morria. Vivo podia denunciá-los à polícia”.

            Antes de o grupo chegar à estação ferroviária de Hendaia - por onde, entre 1969 e 1971, mais de 300 mil portugueses entraram em França - o passador dividiu o grupo em três, consoante o destino de embarque: Paris, Toulouse e Lyon. Manuel Dias Vaz escolheu o último comboio. “Tinha um primo afastado a viver em Lyon e levava a morada dele escrita num papel. Para além disso, o meu Sporting tinha jogado há pouco tempo contra o Olympique Lyonnais e eu fiquei impressionado com o jogo, embora tenha acabado por nunca ir ao estádio”.

            O comboio chegou de madrugada, havia cinco centímetros de neve no chão. “As luzes impressionavam, davam uma ideia de festa”. Na gare, Manuel pediu ajuda para encontrar o endereço do primo. Um autocarro deixou-o quase à porta de uma empresa de construção civil. A mulher ao balcão ligou a um chefe de equipa português para pedir ajuda: “Ele veio. Conversou com ela à minha frente em francês. Só percebi a palavra miséria. Como sabia de carpintaria, decidiram dar-me emprego” Escreveu à família a dizer que tinha chegado bem e que estava feliz. O primo apareceu oito dias depois.»

 

[1] - Numa reportagem publicada a 4 de novembro de 1966, o jornal católico francês La Croix escreveu que o "salto" podia custar entre 4 mil e 8 mil escudos, 14211 e 2841 euros aos preços de hoje, respetivamente.

 

In: FERNANDES, Joana Carvalho - A porteira, a madame e outras histórias de portugueses em França. Lisboa : Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2015. pp. 38, 39

Isto do Barça foi giro mas...

...o Sporting perdeu 4-1 em Old Trafford e em Alvalade goleou o fabuloso United por 5-0. Como muitas vezes a minha avó contava, Artur Agostinho gritava, via rádio, "é o fim do mundo em Alvalade". Pelo Sporting jogaram: Carvalho, Gomes, José Carlos, Baptista e Hilário; Osvaldo (3 golos), Mendes, Morais (1 golo), Géo (1 golo), Mascarenhas e Figueiredo. Do outro lado moravam "monstros" como Best, Law ou Bobby Charlton. 

Em dia de

Apanhei este post sobre o Sporting no 25 de Abril de 74. Achei boa celebração, vale a pena a leitura do texto todo.

Onde estava o Sporting no 25 de Abril?

Lisboa, 10 de Abril de 1974. O Sporting está nas meias-finais da Taça das Taças e recebe o Magdeburgo, da República Democrática Alemã (RDA), vulgo Alemanha Oriental.

 

Palavra de João Rocha: “na manhã do jogo vinham os tipos das Caldas, e disse aos responsáveis do Exército que não se fazia uma revolução num dia de Sporting-Porto.

Bodas de Ouro

 

Faz hoje 50 anos, o Sporting Clube de Portugal conquistava em Antuérpia a única Taça dos Vencedores das Taças em futebol alguma vez ganha por um clube português. Sem claudicar na final, como acontece com os verdadeiramente grandes.

Parabéns a esses Leões que tão bem souberam honrar a camisola do nosso clube. Vários deles ainda estão entre nós, servindo-nos todos os dias de orgulhosa referência. Entre eles, quatro dos cinco que vemos nesta histórica fotografia: Alexandre Baptista, Pedro Gomes, Figueiredo e Fernando Mendes.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D