Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Podem continuar a assobiar o Viktor

Viktor-Gyokeres-x-Arouca.jpg

 

Viktor Gyökeres não saiu do banco no jogo particular da selecção sueca com a da Albânia (vitória nórdica por 1-0). Boa notícia para o Sporting. Corríamos o risco de ver o nosso goleador ainda mais desgastado e talvez até lesionado numa partida sem qualquer relevância. Após a derrota que a Suécia sofreu há dias contra a selecção portuguesa num desafio em Guimarães (5-2). Com Viktor a marcar um dos golos.

Precisamos dele na melhor forma. Para que Gyökeres continue a comandar a fabulosa onda goleadora da nossa equipa, com 22 golos marcados nas 24 partidas que disputou na Liga 2023/2024. Tem 36 apontados no conjunto das provas da temporada, além de 14 assistências - números que já fazem dele um dos nossos melhores avançados deste século. Para raiva e até desespero dos adeptos rivais - incluindo os idiotas que há dias o assobiaram no estádio D. Afonso Henriques.

Viktor é peça fundamental neste Sporting que lidera o campeonato e mantém intactas as expectativas de vencer a Taça de Portugal. Um Sporting até agora com 32 vitórias (74%), seis empates e apenas cinco derrotas nesta época. E um total de 117 marcados (excelente média: 2,72 golos por jogo). Estatísticas que enraivecem os nossos adversários mais fanáticos e menos esclarecidos.

Quando assobiam Viktor, é um excelente sinal. O melhor possível. Sinal inequívoso de que estamos no bom caminho. Próxima etapa: Sexta-Feira Santa, às 20.30.

Muito Sporting

Muito Sporting ontem em Guimarães contra a Suécia. Com Inácio no banco, Gyokeres a jogar e a marcar, e depois Rui Patrício, Nuno Mendes,  Matheus Nunes, Palhinha, Bruno Fernandes, Rafael Leão e Bruma.

Muito Sporting ontem também em Faro, com Mateus Fernandes o melhor em campo na selecção sub-21 contra a selecção das Ilhas Faroé. E também Renato Veiga, Chermiti e Tiago Tomás.

Mais ainda podia ser se não fossem as lesões de Pedro Gonçalves e Trincão.

Muito bom Sporting, jogadores que passaram vários anos em Alvalade, deram rendimento desportivo e proporcionaram vendas no total de algumas centenas de milhões de euros. Alguns deles são visitas frequentes na tribuna de Alvalade.

Algum mau Sporting, jogadores que sairam pela porta dos fundos depois do assalto a Alcochete e muito pela incapacidade do presidente de então assumir as suas responsabilidades e estancar ali mesmo o problema. Rafael Leão deu zero de rendimento desportivo na 1.ª equipa e passados quase seis anos do assalto a Alcochete o melhor que o Sporting conseguiu por ele depois de muita litigância foram 20 M€.

Foi então com lentes verdes que vi o jogo de ontem, mas de qualquer maneira acho que a selecção de Martinez está no caminho certo.

E melhor estará se terminarem de vez as naturalizações a martelo dos brasileiros vendáveis do Pinto da Costa. Já basta o que basta com um Pepe que não tem dignidade desportiva para lá estar e um Otávio que o Porto fidelizou com a ida à selecção e depois encaixou milhões . Como disse e bem o Fernando Mendes: "Isto não é a selecção de futsal do Azerbaijão."

SL

A ver o Europeu (9)

320 204.jpg

 

UM EXEMPLO DE POSSE ESTÉRIL

Tivemos hoje um exemplo claro de posse de bola estéril - desmentindo a tendência dos maníacos das estatísticas, que cultivam uma espécie de fetiche pela aritmética aplicada ao futebol. Como se os restantes aspectos (técnicos, tácticos, estratégicos físicos e psicológicos) não fossem mais importantes.

Neste Espanha-Suécia disputado em Sevilha, nuestros hermanos chegaram ao fim com 85% de posse de bola. De pouco lhes serviu: o empate a zero valeu-lhes o mesmo pontinho amealhado pela turma nórdica, remetida quase todo o jogo ao seu meio-campo defensivo, como se fosse um Arouca ou um Vizela a enfrentarem o Sporting no campeonato nacional.

Morata, aos 38', protagonizou a perdida da noite, num remate cruzado que passou ao lado, já com a defesa adversária fora de combate. De resto, a excelente organização defensiva sueca travou Espanha, onde apenas resta Jordi Alba daqueles gloriosos plantéis que entre 2008 e 2012 venceram um Mundial e dois Europeus.

Entre os suecos, destaque para o guarda-redes Olsen, intransponível. E para o jovem Isak (21 anos), protagonista do melhor lance ofensivo de todo o desafio, aos 41', fazendo a bola embater caprichosamente nos dois postes. Aos 61', noutra brilhante incursão na área espanhola, ofereceu de bandeja um golo que um colega perdulário viria a desperdiçar.

Ibrahimovich, ausente da convocatória por lesão, faz ainda falta à selecção sueca - mesmo aos 39 anos. O futebol é um desporto colectivo onde os talentos individuais continuam a fazer a diferença, digam o que disserem os papagueadores de estatísticas.

 

Espanha, 0 - Suécia, 0

Sub-21: os nossos jogadores, um a um

18567408_W8mCj[1].jpg

 

Portugal passou ontem à noite às meias-finais do Campeonato da Europa de sub-21 ao empatar com a Suécia. Com este resultado - o 17º jogo consecutivo sem perder - qualifica-se de imediato para os próximos Jogos Olímpicos, além de se confirmar como uma das quatro melhores selecções do Velho Continente após uma brilhante campanha rumo à fase final do Euro em que foi totalista nas vitórias.

Apresentando o mesmo onze inicial que enfrentou com êxito a Inglaterra, uma semana antes, Rui Jorge viu os seus pupilos tomar a iniciativa de jogo quase durante todo o encontro. É visível a construção de automatismos e rotinas nesta selecção, que em largos momentos exibe um futebol de qualidade superior ao que vem sendo revelado pela selecção A (Cristiano Ronaldo à parte).

Portugal foi superior no plano técnico e no plano táctico. Rui Jorge esteve igualmente em bom nível na leitura que fez do jogo: os homens que mandou saltar do banco foram vitais para desfazer o perigoso empate a zero que se registava ao intervalo. Se os suecos marcassem um golo sem resposta, diríamos adeus à qualificação para as Olimpíadas. Assim fechámos a fase de grupos no primeiro posto. Como desejávamos. E como nos competia.

 

Portugal, 1 - Suécia, 1

............................................................................................

 

Fica a minha pontuação aos jogadores:

 

José Sá (7). Seguro. Sofreu o primeiro golo nesta fase final, sem responsabilidades no lance. Mas manteve a boa imagem que tem revelado neste torneio, consolidada no anterior empate frente à Itália, em que fez uma exibição de luxo. Ontem, frente à Suécia, manteve as redes invictas até aos 88'.

Esgaio (7). Prudente. Não comprometeu nem arriscou. Os passes saíram-lhe quase sempre bem medidos. Aos 87' fez um excelente corte a evitar o golo sueco, que infelizmente aconteceria no minuto seguinte.

Paulo Oliveira (7). Inabalável. O central do Sporting continuou a ser o patrão da nossa defesa noutra exibição de grande nível. Responsável, em boa parte, pelo facto de Portugal ter sofrido apenas um golo nestes três jogos da fase final.

Ilori (5). Infeliz. Enquanto esteve em campo manteve a boa coordenação de movimentos com Paulo Oliveira que tão boas provas deu nos desafios anteriores. Um problema muscular levou-o a sair de campo prematuramente. Iam decorridos apenas 29'.

Raphael Guerreiro (6). Nervoso. Voltou a ser o elemento mais intranquilo do nosso reduto defensivo: é apanhado demasiadas vezes fora de posição, forçando um colega a ir à dobra. Mas compensa esta falha com uma inegável entrega ao jogo e um voluntarismo digno de elogio. Basta-lhe um pouco de calma suplementar para poder tornar-se mais útil à equipa.

William Carvalho (8). Sólido. Outra grande exibição do médio defensivo leonino que já se tornou um pilar da selecção. Neste jogo actuou em zonas mais avançadas do terreno, arriscando incursões que confirmam o seu poderio atlético e a sua destreza técnica. Teve o golo nos pés logo aos 7' após excelente tabela com Ricardo Pereira. Voltou a ser o líder do nosso meio-campo, comandando as operações com natural eficácia e uma inegável capacidade de concentração.

Sérgio Oliveira (7). Útil. Bom a fechar os flancos de ataque sueco. Bom também a pressionar o meio-campo adversário. Foi dele o primeiro remate que levava selo de golo, ao minuto 14, após um centro exímio de Bernardo Silva e uma primorosa simulação de Ivan Cavaleiro.

João Mário (7). Polivalente. O médio leonino voltou a desposicionar os defesas adversários graças à sua enorme mobilidade. Apoia com frequência William Carvalho nas missões defensivas e sabe transportar a bola para o ataque. Vai ganhando o estatuto de imprescindível nesta selecção.

Ivan Cavaleiro (6). Dinâmico. Recuperado da lesão que o afectou no primeiro jogo, regressou ao onze titular com vontade de confirmar a confiança nele depositada pelo seleccionador. Teve bons pormenores, pressionou muito a defesa sueca. Saiu por opção táctica aos 57'.

Ricardo Pereira (7). Acutilante. Outro regresso ao onze-base. Aos 18' já tinha arrancado um cartão amarelo aos suecos. Pressionou por sistema a equipa adversária na saída de bola, com saudável agressividade. Substituído aos 73', já muito fatigado.

Bernardo Silva (8). Virtuoso. Nas movimentações individuais, merece o título de melhor em campo. Tem um magnífico pé esquerdo com o qual faz quase tudo quanto quer. Protagonizou uma fabulosa jogada, pela ala esquerda, ao neutralizar os defesa suecos e centrar com precisão para a grande área num lance que Sérgio Oliveira acabaria por desperdiçar. Merecia ter sido golo.

Tobias Figueiredo (7). Combativo. O central leonino entrou aos 29', imprevistamente, por lesão de Ilori. Cumpriu a missão de forma irrepreensível - tarefa facilitada pelos jogos efectuados durante a Liga 2014/15 ao lado de Paulo Oliveira no eixo defensivo do Sporting. Muito positiva, esta sua estreia na fase final do Euro sub-21.

Gonçalo Paciência (7). Decisivo. Entrou aos 57', rendendo Ivan Cavaleiro, e não tardou a pôr a defesa sueca em sentido. Movimenta-se muito bem dentro da grande área. Aos 82' desfez o nulo com um belo golo que confirma o seu mérito enquanto ponta-de-lança - a posição mais deficitária do futebol português.

Iuri Medeiros (7). Irreverente. Substituiu Ricardo aos 73' e entrou em campo cheio de energia e dinamismo. Muito combativo, ajudou a criar linhas de passe no reduto defensivo sueco. Um bom remate aos 76'. E uma grande assistência para o golo de Gonçalo Paciência. Cumpriu com mérito a missão. Merece jogar mais.

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D