Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Nós e os laços

Minuto 22, ontem, na Luz: Passe errado de De Tomas obriga Samaris a travar Tanque em falta. Livre para o Paços (do Record).

Aquilo que não nos dizem é que foi a segunda jogada cortada em falta por Samaris com os jogadores do Paços bem lançados para a baliza vermelha; o resultado estava em zero a zero e Samaris tinha de ser expulso neste lance. O jogo podia terminar na mesma 5-0 mas se os árbitros começam já a fazer vista grossa na primeira jornada, estamos mal, muito mal.

Dois jogos, dois jogadores expulsos nas equipas que defrontam o "Glorioso", ontem um penalty desbloqueou o 1-0 e uma expulsão desbloqueou o 2-0 e nós lá vamos, cantando e rindo, atirando pedras ao Keizer, levados, levados, sim.

"Preocupa-te mas é com nós" dir-me-ão. Estou preocupado (e chateado, também) mas não nos embrulhem logo na primeira jornada, com um lindo papel de lustro vermelho brillhante e um laço branco a condizer.

Um pedido simples...

À equipa do Sporting.

Logo à noite joguem, lutem, esfarrempem-se todos para ganhar a Supertaça.

Se tudo correr bem, entre muuuuuuuuitos adeptos sportinguistas presentes em Faro, vai estar um a quem a vida foi madrasta.

O JC vestirá uma camisola listada de verde e branco e provavelmente gritará pelo Sporting a plenos pulmões.

Pelo Johnny (é assim que gosta de ser chamado) e por todos os sportinguistas a quem a vida nem sempre brindou com alegrias, peço a todos os atletas que entrarem em campo que mostrem por que vale a pena ser do Sporting.

Desde já humildemente agradeço!

Palavra à direção

Consumada a expulsão, é imperativo que se faça uma leitura dos números. Entre os quarenta porcento de sócios (esqueçamos os votos por agora) que votaram o perdão de Bruno de Carvalho temos várias motivações. Neste exercício irei aplicar "etiquetas" aos grupos mas, por favor, não entendam como uma categorização. É apenas para tentar resumir as características.

Os Leais - Aqueles que foram aparecendo à volta de Bruno de Carvalho após a destituição. Saíram alguns e entraram outros mas é um grupo relativamente sólido e estável. Vêem em Bruno de Carvalho ainda potencial para voltar a ser presidente e tendem a recusar qualquer outra figura "alpha".

Os Anti-Poder - Pessoas que não estão confortáveis com quem quer que esteja na direção do Sporting a não ser que sejam os seus pares. O seu voto é maioritariamente de protesto.

Os Gratos - Pessoas que reconhecem o que de bom foi feito pela direção liderada por Bruno de Carvalho e que, apesar de não o quererem de novo como presidente, acham injusto que seja expulso de sócio. São votantes das mais variadas listas.

A existência de várias linhas de pensamento é salutar, principalmente num clube com mais de centro e treze anos de vida. Mas é também importante que, após aquilo que queira-se ou não foi um marco na História do Sporting, a direção comece a olhar para os mais variados tipos de sportinguistas e seja capaz de passar uma mensagem que cative. Não é preciso agregar de forma demagógica e/ou totalitária. É preciso é que a nação leonina olhe para o clube e pense "mesmo que não concorde a 100%, é aqui que eu pertenço".

Tem a palavra a direção.

«Sportingado»

1. O Sporting é dos sócios e são os sócios que determinam, de acordo com os estatutos, as decisões do clube.

2. Exceptuando o fundador, as figuras principais do clube devem ser sempre os atletas, nas mais variadas modalidades, pois são eles que trazem a glória ao Sporting.

3. Dos momentos altos da história do nosso clube recordamos, felizmente, os nomes dos atletas (no futebol, no hóquei em patins, no atletismo, etc. e, recentemente, no futsal) que corporizaram essas conquistas.

4. Do momento mais negro da nossa história, infelizmente, recordamos o nome do presidente.

5. Não concordando pessoalmente com qualquer tipo de expulsões, e repeitando o que disse no ponto 1., entendo que a maior pena que os sócios e adeptos poderão dar a figuras como Bruno de Carvalho é indiferença, o desprezo, pois sabemos no Sporting não há lugar para pessoas como ele: «Sportingado».

6. «Sportingado», uma palavra que Bruno de Carvalho inventou para si, pois disse que: "Um 'sportingado' é um misto de sportinguista com aziado.”!

7. No Sporting só há lugar para todos aqueles que amam o clube!!!

 

Viva o Sporting!!!

Hoje é dia de aprovarmos o orçamento do clube

Hoje é um dia importante para a consolidação do Sporting. A partir das 14h30 temos a responsabilidade de aprovar ou chumbar o orçamento do clube. Há praticamente um mês que a seita letal anda a mobilizar-se nas redes sociais para comparecer em massa, no sentido de votar contra. Já tinham o sentido de voto decidido antes mesmo de conhecerem a proposta, apenas porque sim. Sabem perfeitamente que mesmo em caso de chumbo não irão ser retiradas consequências por aí além, apenas implicaria a elaboração de nova proposta e submete-la à votação dos sócios. Na realidade o objectivo dos brunistas é medir forças, procurando explorar algum possível descontentamento ou falha na mobilização, todos sabem que as AG destinadas a discutir e aprovar orçamentos estão longe de ser as mais participadas. O brunismo joga por estes dias a sua sobrevivência, caso percam ambas as AG desaparecem de vez, mas se conseguirem impedir que o orçamento seja aprovado e evitar que o guru acabe expulso, podem os sócios do Sporting Clube de Portugal ter a certeza que o clima de guerrilha irá aumentar exponencialmente. O que assistimos até aqui não foi nada, comparado com o que pode estar para vir. Deixo por isso o apelo aos sócios, vamos aprovar o orçamento, não é sequer necessário passar a tarde no pavilhão João Rocha, basta que os sócio que queiram manter o clube no rumo actual passem por lá a partir das 15h00. É chegar, votar e podem ir às vossas vidas, mas votem, por amor ao nosso Sporting Clube de Portugal.

Saudações leoninas.

 

Actualização - O orçamento foi aprovado por 69% dos votos presentes na AG. O comportamento arruaceiro dos letais terá funcionado contra os próprios, boa parte dos sócios aproveitou a oportunidade para oferecer mais uma colossal derrota à seita.

👤 1151 votantes

✅ 69,01% votos | 701 votantes (60,9%)

❌ 30,99% votos | 450 votantes (39,1%)

Vírus!

Parece um vírus… Quando apanha terreno fértil ei-lo a mostrar-se e a tentar alastrar.

Falo obviamente daqueles adeptos que à sorrelfa, aproveitam os desaires do Sporting para surgirem numa invulgar pujança.

Nas redes sociais e em blogues é vê-los a denegrirem o clube e os seus responsáveis. Tudo porque não se ganhou um campeonato, tudo porque alguém considera que para o Sporting tudo é válido desde que se ganhe, tudo porque consideram que outrem faria muuuuuuuuuuuuuuito melhor.

Olvidam que após a triste Primavera do ano passado, com a debandada de algumas peças importantes da principal equipa de futebol, com a convulsão que seguiu, os jogadores conseguiram trazer para Alvalade dois troféus e curiosamente contra o mesmo adversário, sendo que na Taça de Portugal ainda eliminámos o Benfica.

Para este vírus os verdadeiros sportinguistas têm, todavia, um antídoto. Temos que ser mais fortes, mais unidos, mais imunes e jamais, repito jamais temermos o futuro.

Viva o Sporting!

Outras culturas

 

Este fim de semana cumpri um ritual (ainda que recente de sete anos), desloquei-me mais uma vez à Virgen del Rocio.

Não professo qualquer religião, mas aquela mistura de Fátima com a Feira da Golegã, em ponto grande e em bom, fascina-me desde a primeira vez que por lá passei por mero acaso, mas não é disso que vos quero falar.

O que vos quero contar é que, no meio de um magote de gente que ultrapassa o milhão naqueles dias, não há internet móvel que se safe, de modo que no domingo resignei-me a não ver o jogo da selecção e a, no mínimo, vê-lo quando regressasse a casa, ontem ao final do dia. Então passeando pela aldeia, circulando entre a multidão de gente, olhei para uma peña rociera (mais ou menos o que designamos por tertúlia) e lá estava uma televisão a transmitir o jogo. Por azar já depois do golo, que não vi, mas como as portas estão abertas a quem queira entrar eu entrei e vi com muito agrado uma plateia de espanhóis vibrando com Portugal, desde miúdos a graúdos. E fomos convidados a sentar e convidados a beber e convidados a comer e tudo aceitámos, que não fica bem rejeitar uma tão calorosa hospitalidade. E no final festejaram connosco a vitória com o mesmo entusiasmo que nós. Confesso que me surpreendeu que os miúdos (entre 10/12 anos) conhecessem os jogadores da selecção, com predominância dos que jogam em Espanha, claro, e que, pasme-se, quando eu disse que era do Sporting, levantaram os polegares e começaram "Carvalho", "Ronaldo", "Patrício"... Até ali, na Andaluzia "profunda", o Sporting é reconhecido e admirado. Terminámos com um "Portugal, Portugal, Sporting, Sporting" que me encheu o coração. Não foi pela fé, foi pelo futebol e pelo Sporting que de lá vim com o coração cheio. Ou como os fins justificaram os meios, ou ainda como me é difícil imaginar um grupo de portugueses a torcer por Espanha num jogo de futebol.

Para o ano há mais.

Desafio

Volto a possíveis caras novas para o plantel leonino, no dia que se fala no jovem francês Rosier. Pergunto:

1. Que jovens da Academia devem subir ao plantel principal? (Considero que Diogo Sousa ou Max devem integrar o plantel para começarem a subir na hierarquia e que Thierry Correia, Abdu Conté, Pedro Marques e Pedro Mendes devem ser observados ainda mais de perto).

2. Que emprestados devem integrar o grupo? (A meu ver Domingos Duarte e Mama Baldé são opções obrigatórias e Ivanildo Fernandes, Daniel Bragança, Elves Baldé, Gelson Dala e Matheus Pereira devem pelo menos seguir para estágio).

Desafio

Quem deve ser o substituto de Bruno Fernandes no caso, mais do que provavel, do capitão sair? A meu ver, teriam que chegar um médio ofensivo e um extremo de muita qualidade, para combater o vazio deixado. As minhas apostas seriam Rodrigo De Paul, médio argentino de 25 anos, da Udinese e Cristian Pavón, extremo da mesma nacionalidade, de 23 anos, do Boca Juniors. (Bem sei que não são baratos mas se recebermos 60 a 70 milhões por Fernandes, acredito que possamos investir metade). 

Um Só Clube

Programa Team Building 2_Prancheta 1.jpg

21462021_51aih.jpeg

 

Enquanto as horas não passam e a bola não começa a rolar no Jamor, chamo-vos a atenção para o evento "Um só Clube" que reuniu técnicos, jogadores e estrutura das diferentes modalidades do Sporting, no qual participei dado que sou praticante e sócio fundador duma delas. Com a bancada central quase cheia, com muita juventude, vi por lá os craques do andebol e do hóquei (o futsal ia jogar a seguir), foi tocante ouvir as histórias de vida de Francis Obikwelu e Neide Gomes, e receber por alguns minutos e dar uma grande manifestação de confiança e de apoio incondicional àqueles que daqui a pouco irão estar no Jamor a tentar vingar a vergonha do ano passado. Com a equipa de futebol também nas bancadas, foi passado um vídeo emocionante com o lema "Até ao fim" e que está na página principal do site do Sporting.

A mensagem principal que retive é que este é o Sporting eclético, do futebol e das modalidades, um só Clube no estádio e no pavilhão, com muitas histórias para contar e muitos heróis de bastidores para relembrar. O palco é para quem defende no terreno e no banco as camisolas do clube, os ídolos disputam competições e ganham títulos, estrutura e direcção está lá para servir o Sporting e dar as melhores condições para que os triunfos aconteçam.

Não percam o vídeo, vale a pena.

Até ao fim !!! Mais logo, se Deus quiser, vamos sair do Jamor com a Taça !!!

SL

Sinais...

Sinais inquietantes ou fim de semana horribilis no Andebol, no Hóquei e no Futsal, para além do Futebol e apesar do tricampeonato de Rugby feminino e do tetra no Ténis de Mesa masculino (e nos sub14 de Futsal, o bicampeonato)? Prefiro pensar que houve dias assim.

No Voleibol já havíamos claudicado, com uma equipa incapaz de ter energia para discutir a final e erguer de novo o ceptro de campeão nacional, sobretudo nos momentos decisivos dos jogos.

A equipa de Andebol termina a época arrastando-se a cada jogo que disputa, desta vez no reduto do Águas Santas, depois de uma participação excelente na Champions.

O Hóquei comprometeu a remota hipótese de revalidar o título ao perder com a besta negra desta época, o Paço d´Arcos, uma semana depois de ter feito história ao vencer a Liga Europa.

E ontem foi a vez do Futsal perder o 1º jogo da meia-final contra o Modicus, por 5-4 no prolongamento, ainda que empurrados pelos senhores do apito. Mas aqui ainda temos uma palavra a dizer e já na 6ª feira à noite, no 2º jogo desta feita no Pavilhão João Rocha. Pelo menos a Taça de Portugal já cá canta e a Champions também, escrevendo a página que faltava na história do Futsal do Sporting.

No sábado vimos bem o que se passou em termos disciplinares no Dragão, dando ideia que os árbitros levam o nome do estádio à letra e tenham medo que das bancadas venha fogo, pelo que renunciam à coragem necessária para mostrar os cartões aos da casa (ou consomem muita Guerra dos Tronos e associam os dragões). A ver vamos no Jamor... 

Esta época, apesar de todas as dificuldades conhecidas que vivemos desde maio de 2018, já ganhamos muita coisa mas ainda há muito para ganhar. Já no sábado a Taça de Portugal em futebol, o campeonato de Futsal masculino, o campeonato feminino de Ténis de Mesa e a Taça de Portugal em Hoquei. São estes os sinais ou sejam, as vitórias que nos incutirão esperança para novo ano de competição.

Em jeito de balanço, resistimos e estamos na luta. Quem pensou que o nosso clube, após a espiral de problemas que atravessou no passado verão "quente", entrava em agonia e definhava irreversivelmente  enganou-se. Os nossos sócios e adeptos são os melhores do mundo. E em 2019/2020 voltaremos mais fortes. A próxima época é decisiva para afirmarmos a nossa força e a nossa grandeza. Com todos à volta do nosso símbolo e da nossa divisa seremos invencíveis. Esforço, dedicação, devoção, glória!

 

Sporting.jpg

 

Para o ano é que é!

98_jose_alvalade.jpg

(Contrariamente ao que sempre aqui fiz - pois penso que o clubismo deve estar apartado da vida político-partidária - este postal explicita algumas posições políticas. Permito-me a isso dado que se trata de uma despedida. E como é despedida é um texto longo.)

 

Após o acidente de viação acontecido com o antigo presidente do clube Santana Lopes deixei aqui um breve postal desejando-lhe rápida e total recuperação. De imediato surgiram os comentários no tom que aqui se tornou comum há já um ano, desde a crise presidencial no clube: "Só um blog como este é que enaltece Santana Lopes e critica BDC e Carlos Vieira", diz um anónimo, tratando-me sarcasticamente por "Sr. Jpt", e (ele ou outro anónimo) completa considerando-me entre uns "groupies" do Santana", enquanto [(ele ou outro(s) anónimo(s)] aproveitam o acidente para lançar(em) críticas ao actual presidente Varandas. Isto para além de críticas à competência política de Santana Lopes e dichotes sobre o acidente que o deixou hospitalizado. Note-se que este tom é radicalmente diverso do surgido noutros locais de discussão político-partidária, nos quais a oposição ao indivíduo não se expressa com tamanho acinte. E é um tom típico dos comentários aqui no blog, seja lá qual for o tema do postal comentado, bem como do que se vem passando em inúmeros locais de debate sportinguista.

 

Sobre a questão política - excêntrica ao sportinguismo, repito - a coisa é simples: eu blogo há 15 anos, muito botei sobre esse tipo de matérias. Alguns dos co-bloguistas conhecerão (parcialmente) o que fui botando, quiçá também um ou outro dos leitores. Não sou militante nem mesmo simpatizante do partido de que PSL foi presidente, ainda que ocasionalmente nele tenha votado - mas nunca, por coincidência, em legislaturas nos quais ele tenha pertencido ou presidido ao governo. PSL lançou agora um partido novo e eu, desgostoso com as grandes forças da oposição, botei noutros blogs onde escrevo que oscilo na simpatia entre dois partidos, bem contrastantes, para estas próximas eleições, devido ao apreço que alguns candidatos dessas listas me convocam. Um desses é exactamente o partido de PSL e explicitei que a minha simpatia advém de um candidato colocado em lugar inelegível, um confrade bloguista, e isso apenas porque ele - do qual me separam perspectivas ideológicas - tem um imenso mau feitio que muito me agrada. Entenda-se, dá porrada que se farta nos poderes instituídos. Sobre a minha propalada ligação política a PSL está tudo dito.

 

Sobre a sua presidência do clube já aqui referi, e até por mais do que uma vez, um texto meu de 2008: O Sporting e o Projecto Roquette. Não julgo que esteja muito conseguido. Mas nele expressei (repito, em 2008) o meu radical desagrado com a gestão do Sporting desde a chegada a presidência de ... Santana Lopes. Mesmo sabendo que ele foi então um presidente episódico. Considerando que entre esta e a de Bettencourt ocorreu uma devastação estrutural do clube, conduzida por um grupo social, constituído por uma elite socioeconómica ligada à construção civil e à banca (por isso aparto Godinho Lopes, do qual não tenho boa memória mas que me parece proveniente de outras dinâmicas sociais). Considerei na altura que o Sporting era como que um micro-cosmos do país, como os anos subsequentes vieram a demonstrar. Mais ainda, já aqui escrevi que foi durante a sua presidência que me apartei da vida associativa do clube: ele pediu aos associados um ano de quotas adiantadas enquanto contratava um caríssimo jogador checo que nada fez. Achei que tudo isso era um despautério e neguei-me. E depois emigrei ... Sobre a minha propalada ligação à presidência clubística de Santana Lopes está tudo dito.

 

Tanto nesse postal como no imediato - um postal sobre o "A Bola", que eu tinha em rascunho e terminei hoje -, surgem comentários dizendo-me ao serviço de uma agenda, obscurecedora, defensora de Frederico Varandas. Eu não blogo por agenda, faço-o por mero prazer. Nem este blog tem agenda, a gente não combina nada, não há instruções nem contactos internos para conduzir os textos ou os temas. De vez em quando há um jantar, aparecem alguns dos co-bloguistas, a gente come um bife, fala (muito) do Sporting, bebe umas imperiais, fala (um bocado) de outras coisas. E até à próxima ... Mas continuamos, sistematicamente, a ter comentários anónimos dizendo-nos "ao serviço" de algo e de alguém. Eu desejo todos os sucessos a Frederico Varandas. Mas quando ele anunciou a sua candidatura aqui expressei o meu desagrado pelas suas declarações, pelo conteúdo cultural que veicularam.  E critiquei a demissão de Peseiro, e a forma como escolheu o treinador seguinte. E bastante resmunguei com a continuidade deste, o que chamei, se não estou em erro, uma teimosia ingénua do actual presidente. Só espero estar enganado. Mesmo assim os anónimos invectivam-me (e aos co-bloguistas) de estar(mos) "ao serviço" ... Sobre a minha propalada avença (moral que seja) da presidência de Frederico Varandas está tudo dito.

 

Sobre Bruno de Carvalho já repeti ene vezes o percurso. Apoiei-o desde que foi em campanha a Maputo. Até mesmo aos momentos em que a mínima razoabilidade deixou de existir no seu percurso. O Pedro Correia tem vindo a lembrar os postais do ano transacto, dia a dia. Terei sido dos últimos deste blog a esperar uma inflexão, diante do evidente desatino (disse-o com alguma ironia aqui, ainda em Fevereiro de 18, e depois já em Abril, ainda que de facto já descrente dessa possibilidade, num #Je suis Bruno). E ainda propus que se afastasse uns tempos, para repousar, recalibrar, deixando a gestão à sua equipa - então ainda em torno dele congregada. Mais ainda, quando em Setembro foi noticiada a hospitalização de Bruno de Carvalho aqui deixei um enfático postal desejando-lhe rápida melhoria do seu estado de saúde (bem mais enfático do que o agora deixado a Pedro Santana Lopes, ainda que este tenha sofrido algo fisicamente mais gravoso). Mesmo assim os anónimos apoiantes de Bruno de Carvalho aqui vêm invectivar, de modo sarcástico e insultuoso, o acto curial de desejar uma rápida e total recuperação a um antigo presidente do Sporting.

 

Este longo texto não é auto-justificativo. Com ele quero apenas sedimentar a perspectiva que esta barreira constante de comentários anónimos defendendo a anterior presidência e invectivando o(s) bloguista(s) não se relaciona com o conteúdo dos postais (seja Jovic, seja Santana Lopes ou outro tema qualquer). Desde a crise presidencial do ano passado que os comentários do És a Nossa Fé conhecem esse registo abrasivo, insultuoso e, acima de tudo, deturpador. Mas algo mudou desde então. Pois no ano passado aqui abundaram comentários cuja forma muito concordava com o que se encontra nas páginas digitais dos jornais desportivos: o uso recorrente das maiúsculas, o exagero da pontuação, a estreiteza lexical e, acima de tudo, as imensas incorrecções ortográficas e sintácticas. Nisso demonstrando que muitos dos aqui invectivadores apoiantes de BdC provinham de núcleos sociais pouco letrados, por ele e seu peculiar carisma congregados. Isto não é uma crítica, é uma constatação de um fenómeno sociológico. Ora isso desapareceu, aqui e em alguns outros locais, correspondendo ao óbvio esvair desse fenómeno, o qual, como sempre nestas questões, não se repetirá com o mesmo formato. As insatisfações e os anseios, refractados naquela "onda verde", estão aí para serem captados por alguém (partidos, igrejas carismáticas, agentes de clubes, etc.). Até um neo-brunismo poderá surgir. Mas já não aquele, com aquela personagem.

 

O que ficou neste blog, enquanto comentadores residentes e abrasivos, foi outro núcleo que já então também abundava. São todos anónimos e letrados. Uns serão adeptos daquilo. Mas outros são muito mais do que isso: já então se percebia mas a constatação surgiu há pouco. O Sporting encomendou uma auditoria. Inaceitavelmente os resultados desse trabalho surgiram na imprensa - e eu não acredito que tenha sido a empresa a provocá-lo, as empresas levam por demais seriamente o seu trabalho para se arriscarem a prejudicar a sua reputação e o seu futuro dessa forma. Mas essa indiscrição, que julgo responsabilidade interna do clube (não afianço, presumo apenas), permitiu saber os sobre-gastos com trabalhos de comunicação oficiosa. Entenda-se, a presença na internet, a "contra-informação", exercida de modo anónimo, constante. Essa actividade não foi monopólio ou invenção do Sporting, é habitual noutros clubes, existirá nas empresas, e está viçosa na política. E subsiste, pelos vistos, nos resquícios do "brunismo".

 

Creio que o que se passa neste blog é apenas isso, um total abastardamento do debate sportinguista por parte não só de alguns adeptos do antigo presidente mas também de alguns dos seus agentes. Para além daqueles que defendem essa economia paralela, que subsiste nas claques, e que enfrentam a renitência da actual presidência em continuar a financiar as suas chefias e facilitar o seu pobre fruir existencial. 

 

Cada vez que abro o És a Nossa Fé, para ler ou para blogar, encontro um rosário desses comentários anónimos. Concebo, e já o disse aqui, o bloguismo como um espaço conversacional - isto não é um órgão de comunicação social, é um ponto de encontro entre pessoas que têm interesses algo comuns e opiniões compatíveis, mesmo que discordantes. É uma mesa de tasca, uma esplanada de café, um bom balcão de bar. Locais de convívio, entre amigos, conhecidos, vizinhos ou meros desconhecidos. Mas nunca anónimos. Nós frequentamos esses locais convivenciais porque nos agrada o ambiente, porque encontramos aqueles com quem nos sentimos bem. E porque neles não somos constantemente incomodados por gente desagradável. E eu esgotei toda a paciência para estar em sítios onde sou, e os meus convivas também, sistematicamente incomodados por gente anónima, insultuosa, que utiliza este espaço não para conversar, criticamente que seja, sobre os temas abordados mas para tentar manter viva a possibilidade de obterem recursos do clube, aparentar um viço brunista que inexiste. E fazendo-o de um modo desonesto. Pois anónimo. E deturpador. Insisto no que muitas vezes botei, e aqui também: não há espaço numa sociedade democrática para a opinião anónima. Haverá para a criação literária e artística. Mas para o apoiar ou desapoiar exige-se o nome. Mesmo que seja apenas sobre a, de facto, nada importante bola. Não é aceitável o anonimato explícito ou o mero amontado de letras. E não há espaço para esta contra-informação em busca da pilhagem dos recursos das instituições para benefício próprio.

 

Ou seja, vou comer codornizes (caracóis não) para outra tasca, beber umas imperiais para um qualquer café, e um ou outro uísque (novo, que é o que posso agora) num bar da vizinhança. Onde a clientela não tenha também desta gente. Intrusiva, deturpadora, incomodativa. Anónima. A ralé letrada. 

 

Aos co-bloguistas, aos tantos comentadores simpáticos (concordantes e discordantes) deixo um óbvio "Para o ano é que é!". E desejos que tenham muita paciência para aguentar estes visitantes. Anónimos. E deixo ainda um agradecimento por me terem aturado.

O que diz João Duque

«NÃO ERA ORÇAMENTO QUE SE APRESENTASSE»

«Tivemos que nos pronunciar sobre um orçamento que tinha sido feito por Bruno de Carvalho com pressupostos que, na altura, dissemos que estavam todos errados. Não era um orçamento que se apresentasse - e estamos a falar do clube, porque a Comissão de Fiscalização era só sobre o clube, não era da SAD.»

 

«ERA DE LOUCOS, ESTAVA TUDO MAL FEITO»

«O orçamento do clube estava assente em pressupostos de que iria continuar a crescer. Era de loucos, estava tudo mal feito. Como é que iríamos dar um parecer positivo sobre isto? Demos portanto um parecer negativo e nem houve assembleia para votar aquele orçamento porque era ridículo.»

 

«SE QUISESSEM UMA LÂMPADA, PEDIAM AO PRESIDENTE»

«Apercebi-me logo que o sistema de gestão do clube daria azo a tudo e mais alguma coisa: super-centrado numa pessoa, era de loucos. Imagine o que é um clube ter todas as despesas, mas todas as despesas, assinadas pelo presidente! Está tudo dito. Se quisessem comprar uma lâmpada, tinham que pedir autorização ao presidente. Isto é um clube? Isto é de loucos. Mas depois tinha saldos de tesouraria em cash elevadíssimos. Assim que soube disso percebi logo que tinha tudo para correr mal.»

 

«OS JOGADORES COMEÇARAM A SAIR EM MASSA»

«O jogo é uma coisa e a gestão das instituições é outra. Mas ali estavam a gerir a empresa e a actividade como se estivessem no campo. Bruno de Carvalho criava essa gestão de conflito e de ódio permanente a todos. Os jogadores começaram a sair em massa, nunca tinha visto isto, e escreviam cartas onde acusavam o presidente. Uma coisa inimaginável.»

 

«ESTAVA TUDO A DESMORONAR-SE»

«O Sporting estava com problemas sérios de tesouraria e precisava de cumprir prazos. Aliás, já estava com um problema com o Guimarães, que ameaçava requerer a falência da sociedade. Acho que no fim disto tudo é um milagre o Sporting ainda existir formalmente. Este Sporting tal como nós temos. O clube estava a implodir: oito ou nove jogadores a saírem porta fora, o treinador também. Estava tudo a desmoronar-se.»

 

João Duque, ex-membro da Comissão de Fiscalização do Sporting entre Maio e Setembro de 2018, hoje, em entrevista ao jornal i

Sporting Clube de Portugal ou Sporting Clube de Lisboa?

Durante muitos anos foi possível ao Sporting manter o estatuto de Grande Clube Português, mesmo ganhando muito menos no futebol do que os outros dois rivais, e até tivemos um presidente, João Rocha, que apostou no ecletismo para complementar os feitos pontuais do futebol (que por algum motivo fazia gala em logo estragar) e assim manter esse estatuto. 

Com o anterior presidente foi feita uma aposta séria no sentido de o recuperar, investindo forte no futebol e nas modalidades, enfrentando e abrindo guerras com tudo e todos, por último com os próprios sócios e acabou destituído e suspenso, sem ganhar qualquer título relevante no futebol excepto um final de taça e não sem antes de sair ter dinamitado a própria SAD e estrutura profissional do futebol, com rescisões, dívidas, questões reputacionais e judiciais, corrupção das claques e divisionismo na massa adepta e sócios pagantes. 

No dia de hoje, e já com uma nova administração legitimamente eleita nas mais concorridas eleições de sempre, estamos em luta com o Sporting Clube de Braga para o 3º lugar da Liga, feito só possível pela recuperação (mérito de Sousa Cintra) de alguns dos que rescindiram ou que estavam com vontade de rescindir depois do assalto de membros da maior claque à academia do próprio clube. Sem esses, mais Renan e Nani (que entretanto encontrou um belo final de carreira nos States), estariamos a lutar para que lugar?

E, podendo realmente conquistar esse 3º lugar e até chegar ao final da taça, o que se ouve é a necessidade de baixar orçamento, de vender o pouco bom que temos, os tais que estão a segurar a fasquia no campo de jogo, Bruno Fernandes, Bas Dost, Acuña, Coates, Mathieu e até Renan, para ir arranjar tipos com muita atitude e vontade de ganhar, como se isso servisse para alguma coisa sem haver competência para o efeito. Como se com uma mão cheia de amendoins não aparecessem apenas macacos.

Ou seja, enquanto Benfica e Porto lutariam pelos milhões da Champions, e sabemos que existe uma grande pressão para que o clube dos Grandes de Portugal se reduza a dois nomes, ficariamos então nós a lutar com Braga e Guimarães pelos tostões da Liga Europa. Porque o que contaria seria o orgulho, a atitude, as modalidades, a maioria absoluta na SAD, bilhetes à borla, substâncias à farta, ladrar bem alto nas tvs, cantos ordinários e porrada no estádio e fora dele, tudo muito Ultra e Mustaphakiano, e já nos chegaria. O Sporting Clube de Lisboa.

Para mim o essencial é relançar o Sporting Clube de Portugal, na visão dos seus fundadores  e na luta com os seus rivais Benfica e Porto. E para isso é preciso por um lado o saneamento financeiro da SAD que parece estar a ser tratado com um fundo investidor e por outro a associação a parceiros que tragam dimensão e ambição (controlada) que permita atrair e reter talento e obter resultados. No curto prazo, que permita reter B. Fernandes e companhia e juntar-lhes meia dúzia de jogadores à sua dimensão, expurgando o entulho que ainda subsiste no plantel e abrindo vagas para os melhores da formação. Com um treinador à altura da empreitada. E com ética, competência e determinação na Administração do Clube e da SAD.

Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

O que sempre deve ser e devia ter sido o Sporting.

SL

Vitamina S!

Ontem foi noite de vitamina S!

S de saudade das grandes vitórias.

S de sabor de um medronho excepcional.

S de simpatia da fantástica companhia.

S de seriedade que queremos no desporto.

S de sentimento de partilha.

S de solidariedade permanente.

S de Sporting.

Pode lá haver melhor vitamina!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D