Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

A pior equipa técnica de sempre !!! (Parte 4)

eq.jpeg

 

Não fazia conta de voltar a este tema, agora que ultrapassámos esse pesadelo e temos, não direi uma equipa técnica excelente mas pelo menos um jovem treinador de grande potencial, mas a triste entrevista do adjunto José Pedro vem forçar-me a voltar ao tema,

Confessa o adjunto que algum incompetente ou coisa bem pior do Sporting, fascinado pela brilhante táctica dos três centrais que os levou a enfardar 8-1 pelo Sporting de Marcel Keizer, e face às recusas de Pedro Martins, Abel Ferreira (só pensar neste já constitui um atestado de idiotice) e Leonardo Jardim, convenceu o presidente do Sporting a apostar nestes jovens.

Jovens estes que, mal entrados, se lembraram nada mais nada menos de deixar as duas maiores estrelas da companhia, Bruno Fernandes e Acuña, sentadinhos no banco, para sermos eliminados da taça pelo Alverca. E logo depois da derrota, veio o jovem chefe dizer que "Não precisamos de heróis, mas sim de uma equipa. Vai demorar, mas vamos conseguir". E agora vem o jovem adjunto dizer que havia resistência de alguns do plantel,  que "outra coisa pontual que acontecia no treino, nós chamávamos à atenção no final do treino ao Hugo Viana e ao Varandas e perguntávamos se eles tinham visto. Eles diziam que sim e nós dizíamos que achávamos que eles deviam agir de determinada maneira, punir o infractor e não falávamos mais sobre isso. Mas as coisas continuavam a correr da mesma forma e assim não dá."

Mas qual infractor, Zé Pedro? O Bruno Fernandes ou o Acuña? O Coates ou o Mathieu? Castigados para os sub-23? E que se passou exactamente no intervalo do jogo para a Taça da Liga com o Gil Vicente quando (dizem) foram forçados pelos capitães a mudar tudo e um par de botas?

A entrevista está aí, demonstra a total incompetência destes jovens para o lugar que ocuparam, mas na foto falta o tal incompetente director do futebol que tornou tal facto possível.

O mesmo que pelos vistos está a envidar os melhores esforços para rechear o banco do Sporting de coxos e desvalidos.

SL

Nunca mais

img_920x519$2019_10_17_22_46_15_1616255.jpg

Bruno Fernandes inconsolável, no momento da derrota em Alverca

 

Esta é uma época falhada, a vários níveis. 

Falhada a nível da gestão desportiva, com uma calamitosa pré-época, condicionada desde o primeiro instante pela iminente transferência de Bruno Fernandes, afinal não concretizada no mercado de Verão.

Para "manter" o então capitão leonino foram despachados três jogadores: Bas Dost, Raphinha e Thierry Correia. E logo a equipa que vencera dois troféus (Taça de Portugal e Taça da Liga) começou a jogar coxa: o goleador holandês cedeu palco a Luiz Phellype, Raphinha abriu terreno a Plata, Thierry foi rendido por um tal Rosier, entretanto posto fora de combate. No apeadeiro de Alvalade desembarcaram outros, sem a menor qualidade para o Sporting: Eduardo, Jesé, Bolasie, Fernando. O último era tão mau que nem chegou a calçar.

Afinal, no mercado de Inverno, perdemos também Bruno, o que invalidou toda a lógica anterior. Representou o nosso maior encaixe financeiro de sempre, escassas semanas antes da paralisação geral forçada pela pandemia, mas causou um rombo desportivo no futebol leonino até agora irreparável. 

 

Falhada também ao nível dos resultados, com dois instantes calamitosos: a goleada sofrida a 4 de Agosto frente ao nosso mais velho rival, na Supertaça, que custou o lugar a Marcel Keizer, e a humilhante eliminação, a 18 de Outubro, na Taça de Portugal perante o Alverca (equipa do terceiro escalão do futebol pátrio), que logo ditaria o fim de Silas em Alvalade. Ainda mais meteórica foi a passagem do fugaz Leonel Pontes pelo comando técnico da equipa, entre Keizer e Silas. Muito mais surpreendente (e dispendiosa) foi a chegada de Rúben Amorim, no início de Março.

Com tanta rotação no banco dos treinadores, confirmando o Sporting como uma espécie de cemitério desta classe profissional, valeu-nos apesar de tudo ter em campo dois talentos fora-de-série: Bruno (até ao fim de Janeiro) e Mathieu (prematuramente retirado por lesão, em 24 de Junho). Ambos foram disfarçando como puderam as gritantes lacunas no plantel.

 

Mais quatro momentos mancharam o percurso do Sporting nesta terrível temporada em que batemos o recorde das derrotas sofridas:

- 5 de Janeiro, com Silas: queda aos pés do FC Porto, ao perdermos por 1-2 no nosso próprio estádio para o campeonato, algo que há 11 épocas não sucedia com este adversário.

- 17 de Janeiro, com Silas: outro dia traumático, com a vitória imposta pelo Benfica em Alvalade, por 2-0. O SLB ultrapassou-nos em número de vitórias e golos marcados no reduto leonino.

- 21 de Janeiro, com Silas: derrota (e eliminação) frente ao Braga na meia-final da Taça da Liga, troféu de que éramos detentores desde a temporada 2017/2018.

- 27 de Fevereiro, ainda com Silas: eliminação na fase de grupos da Liga Europa, após goleada imposta em Istambul pelo modestíssimo Basaksehir. 

 

Para esquecer? Não: para lembrar. Só assim poderá ser evitada a repetição dos erros cometidos - e foram em quantidade inaceitável, insuportável.

Não queremos mais disto. Nunca mais.

Impressionante

Simplesmente impressionante a transformação que sofreu o futebol do Sporting com a substituição de Jorge Silas por Rúben Amorim. Qualquer semelhança entre a equipa confusa e desconfiada de si mesmo que perdeu em Famalicão e esta equipa confortável no seu modelo de jogo e atrevida nos duelos individuais é mera coincidência.

Ontem viu-se uma equipa que pressiona alto apenas quando precisa, que sabe estar confortável a defender a vantagem circulando a bola e desgastando o adversário, que promove variações de flanco por passes longos que encontram jogadores desmarcados, que finalmente consegue aproveitar lances de bola parada.

Finalmente também aquilo que tanto desejávamos está a acontecer, uma equipa composta por uma base de jovens da formação e alguns jogadores de classe experientes, um ambiente interno saudável que se viu bem no lance do golo do Jovane (todos estavam convencidos que o Mathieu ia marcar o livre, incluindo o guarda-redes do Tondela), uma equipa com ADN Sporting.

A transformação de alguns jogadores com Rúben Amorim é também colossal. Jovane Cabral, Coates e Wendel, simplesmente irreconhecíveis para melhor. Coates encontrou enfim a sua verdadeira posição e esteve imperial. Agora sim, "El patron".

Tem esta equipa condições para lutar pelo título? Ainda não. O modelo de jogo e treinador estão encontrados. A base de jovens também e basta apenas deixá-los jogar. Falta agora garantir que os melhores jogadores continuam e encontrar três ou quatro novos Mathieus (se este terminar a carreira), Bas Dosts, Slimanis e Gudeljs que façam a diferença e tragam coisas diferentes à equipa, especialmente jogo aéreo no ataque e poder de choque no meio-campo. Obviamente que para isso terá de se começar pelo óbvio: receber dos devedores, pagar aos credores, garantir verbas por vendas de excedentários e jogadores não essenciais, pôr as contas em pratos limpos, assegurar que vamos ter uma equipa mais barata, mas mais competitiva.

Estamos no bom caminho. Agora é ter sorte e não estragar o que custou muito a conseguir.

SL

O barato sai caro

Não há dúvida que, depois duma aposta completamente falhada, o Sporting acertou e foi contratar um jovem treinador de grande potencial. 

Isso é visível no discurso claro e assertivo, na aposta num modelo de jogo estável e coerente, no trabalho visível nos lances de bola parada, na coragem de apostar nos jovens e de sentar os mais velhos quando acha que não estão a render, e na transformação do desempenho de um ou outro.

Quanto ao modelo de jogo, o Sporting está a transformar-se aos poucos numa equipa que conjuga mecanização com imprevisibilidade, que sabe sair a jogar acelerando o jogo pelo centro ou pelas alas, que rapidamente transforma uma recuperação defensiva numa bola em profundidade a solicitar o ponta de lança, que cria perigo nos lances de bola parada. Falta ainda traduzir isso em boas decisões no passe e no remate.

Vemos por exemplo agora um Coates "patrão" na posição central dos três defesas sem ser obrigado a dobras no limite e sem aquelas investidas suicidas pelo campo fora, um Acuña ainda à procura da melhor forma mas que joga concentrado e não vê amarelos, um Wendel a demonstrar uma inteligência de jogo nunca vista e Jovane com espaço a dinamitar a defesa contrária (embora continuando mal no último passe). 

No que respeita aos jovens, e para além de Wendel e Jovane, Max, Quaresma e Matheus Nunes já agarraram a oportunidade e está ali matéria para Fernando Santos a seu tempo se debruçar (imagino que Matheus tenha os requisitos necessários). Camacho luta ainda consigo próprio pela adaptação ao lugar e Nuno Mendes está na calha. Plata perdeu um pouco a embalagem com o confinamento e está a demorar um pouco mais.

Obviamente está tudo ainda em construção, falta ainda ali muita coisa, apostar na juventude tem custos e vamos ter um dia destes o Max, o Camacho ou outro qualquer de novo a falhar e a comprometer o resultado, mas estamos no bom caminho.

Quanto valia o plantel com Silas e quanto vai valer no final da temporada ? Realmente, o barato sai caro.

SL

Cinco treinadores em dezoito meses

transferir.jpg

 

«José Peseiro é um homem competente. É o treinador do Sporting Clube de Portugal e será o meu treinador caso eu seja eleito.»

Frederico Varandas, 4 de Julho de 2018

 

naom_5de67b340aad6.jpg

 

«Quero deixar aqui um agradecimento a todas as equipas técnicas que desde a pré-época serviram o Sporting, com especial agradecimento para José Peseiro e Tiago Fernandes, por tudo o que fizeram.»

Frederico Varandas, 12 de Novembro de 2018

 

frederico_varandas_apresenta_keizer_foto_mario_cru

 

«A competência de um treinador deve ser avaliada segundo a capacidade técnica e táctica, a capacidade de gestão do grupo e a capacidade de comunicação. Acredito que Keizer tem o perfil para agarrar este projecto.»

Frederico Varandas, 12 de Novembro de 2018

 

transferir (2).jpg

 

«Alguém iria despedir um treinador que venceu duas taças?» 

«O Leonel Pontes não tem um prazo, tem uma tarefa. Depois cá estaremos, juntamente com ele, para observar e tomar decisões. Não há um timing para encontrar um novo treinador.»

Frederico Varandas, 4 de Setembro de 2019

 

mw-860.jpg

 

«Estou a apresentar a nova equipa técnica do Sporting. Uma equipa jovem, com competência, com coragem e com muita vontade de aqui estar. (...) A primeira vez que vi o mister Silas, na altura jogador do U. Leiria, foi em 2002 na praça do Rossio a festejar o título do Sporting.»

Frederico Varandas, 27 de Setembro de 2019

Varandómetro

Quando José Peseiro foi despedido, na véspera do Dia de Finados de 2018, por pressão das claques e dos lenços brancos, o Sporting ia a dois pontos do líder - já depois de ter jogado na Luz e em Braga. Agora, o sucessor do sucessor do sucessor do sucessor de Peseiro deixa a equipa a 20 pontos do primeiro. Quando ainda faltam disputar onze jornadas.

Toda a sorte do mundo, Silas

silas.jpg

«Entrei pela porta 10 A aos 10 anos e jamais quero prejudicar o Sporting»
(Jorge "Silas")

Obrigado Silas. Pela entrega, pela dignidade e respeito pelo Clube. Não são tudo, mas são a base de tudo.

Desde o primeiro dia levaste o rótulo de "o que se arranjou", dado (Varandas dixit) "ninguém querer treinar um clube de Malucos". Ao contrário desta direcção, nunca te ouvi uma palavra de crítica ou sequer de queixume em relação ao Clube, ou à direcção, mesmo quando elas eram mais do que merecidas.

Todos erramos, mas nem todos sabemos ser Homens e Líderes. Tu soubeste, e sais de cabeça erguida.

O dia 3 de Março de 2020 ficará na minha memória como um dos mais tristes (ou, perdoa-me, "estristes") da História do Sporting Clube de Portugal. Mas também ficará como o do teu exemplo de Frontalidade e Hombridade. E isso enche-me de coragem para a luta que se adivinha ser necessária depois da derrocada a que assistimos no Clube.

Acima dos resultados estão os Valores. Estar no Desporto é dar tudo pelos resultados, sem comprometer os nossos Valores - nunca, jamais, nem um segundo. Destes teus meses no Sporting, sei que os teus Valores são os meus Valores. E assim estarei, juntamente com milhões de sportinguistas, a torcer pelo teu sucesso como treinador, seja em que clube for. 

Nunca visto

Confirma-se: o Sporting é um clube inovador.

Esta noite aconteceu algo absolutamente inédito: quem apresenta aos jornalistas o novo treinador é o treinador que vai embora. Perante o silêncio sepulcral do presidente (que quis assumir o futebol), do director desportivo e do gestor do balneário.

Varandas, Viana e Beto deviam, a essa hora, estar a jogar à lerpa com o doutor Zenha. Com uma deselegância sem par perante o técnico cessante, o plantel e a própria massa adepta leonina. Como se esta lhes fosse olimpicamente indiferente.

Armas e viscondes assinalados: Foram a Istambul e afogaram-se num dilúvio turco

Basaksehir 4 - Sporting 1

Liga Europa – 2.ª mão dos Dezasseis-avos de final da Liga Europa

27 de Fevereiro de 2020

 

Luís Maximiano (2,0)

Ao longo dos séculos milhares de portugueses tiveram o azar supremo de atingir a maioridade em tempo de guerra, morrendo ou ficando estropiados nas trincheiras lamacentas europeias ou na curva de uma picada poeirenta africana. Mais afortunado, Luís Maximiano limitou-se a conquistar a titularidade na baliza do Sporting quando este é treinado por Silas, dirigido por Hugo Viana e presidido por Frederico Varandas. Algo que se traduz em 27 golos sofridos nos 21 jogos desta temporada em que lhe coube calçar as luvas, sendo as derrotas (9) quase tantas quanto as vitórias (11). Desta vez fica ligado a mais um recorde negativo da actual gerência, pois o Sporting nunca tinha perdido na Turquia, e com responsabilidades inegáveis no segundo golo, por muito que o livre directo tenha sido bem cobrado. Mas nem por isso deixou de ter intervenções que impediram o resultado de atingir proporções em que a humilhação pública da equipa superaria decerto a potente anestesia que leva os adeptos a convencerem-se de que o lema do clube é “esforço, dedicação, devoção (desde que bem-comportada, claro está) e miséria”. Assim foi no lance da segunda parte em que não só defendeu o remate de Demba Ba como também a recarga que o avançado – apenas um dos sete “trintões” que foram titulares no Basaksehir, juntando-se-lhe o veterano Robinho para as derradeiras estocadas ao leão assarapantado – teve liberdade de executar mesmo estando caído do relvado. Ou na forma como evitou um azarado autogolo de Tiago Ilori. Encontra-se entre os raríssimos jogadores que mereceriam uma passagem aos oitavos-de-final que só não aparentava estar garantida após o 3-1 trazido de Alvalade porque já toda a gente sabe do que este Sporting é capaz.

 

Ristovski (1,5)

Assenta sobre os seus ombros grande parte da responsabilidade pelo tardio terceiro golo turco que forçou o prolongamento, pois demorou a acercar-se do jogador que tinha a bola nos pés e concedeu-lhe ampla liberdade para o remate em arco que prenunciou um dilúvio no qual o Sporting voltou a ver-se sem arca. Fustigado ao longo de todo o jogo pelo caudal ofensivo do adversário, nem sempre esteve ao seu nível, tal como raramente contou com o auxílio de que necessitava, terminando o prolongamento em péssimas condições físicas. Ligeiramente melhor só mesmo em missões ofensivas, assinando um cruzamento com selo de golo que seria o 3-2, mas que Vietto carimbou para cima da barra.

 

Coates (1,5)

Merece mais meio ponto pela forma como pediu desculpa a todos os adeptos na “flash interview”, e prometeu uma autocrítica da equipa, sobretudo porque o adjunto que a UEFA finge acreditar ser treinador principal do Sporting preferiu mergulhar de cabeça na “verdade alternativa”, cantando loas ao domínio leonino num jogo em que foi goleado e saiu de cabeça baixa da única competição em que lutava por algo mais do que um terceiro a quinto lugar. Mas o central uruguaio teve uma noite muito abaixo do seu valor, começando por uma verdadeira assistência para o primeiro golo do Basaksehir, e nunca transmitiu tranquilidade aos colegas.

 

Tiago Ilori (1,5)

Teriam a goleada e o afastamento da Liga Europa ocorrido se Mathieu estivesse a jogar em vez desta esperança cancelada da formação leonina? Dificilmente, ainda que a presença do veterano francês permitisse toda outra qualidade na saída com bola, pois o problema de raiz foi mais uma das tácticas suicidas com que Silas vai distribuindo alegrias aos adversários do Sporting. Seria a hora certa para ir buscar Jesualdo Ferreira, apostar nos sub-23 e, sobretudo, eleger dirigentes que tenham noção daquilo que andam a fazer...

 

Acuña (3,0)

Ninguém lhe consegue apontar semelhanças físicas com Gary Cooper, mas chegou a parecer o xerife Will Kane de “High Noon – O Comboio Apitou Duas Vezes”, lutando contra tudo e contra todos por um desfecho melhor do que o esperado. Pertenceram ao lateral-esquerdo os melhores remates do Sporting na primeira parte, sendo um deles antecedido por uma maravilha de domínio de bola e de inteligência nos pés dentro da grande área turca. Já na segunda, quando havia mais alguns braços e pernas a remar contra a corrente, cruzou com precisão milimétrica para Vietto reverter o Alvaladexit que se adivinhava. Mas quis o destino que não fosse o suficiente, pelo que o argentino fica contido ao rectângulo à beira-mar plantado e poderá muito bem ser a próxima solução da gerência para conseguir mais uns trocos que paguem comissões dos próximos génios incompreendidos a aterrar na Portela.

 

Battaglia (2,5)

Esteve quase a ser o herói da noite, tão oportuno e preciso foi no corte que adiou o 3-1 por alguns segundos. Antes, quando pareceu que o Sporting poderia empatar ou até vencer o jogo, tamanha era a desorganização dos turcos em busca do prolongamento, teve uma arrancada em que recordou os adeptos de que não tem o remate de longa distância entre os pontos fortes. Resta-lhe a escassa compensação de ter sido um dos menos responsáveis por mais um desastre da equipa.

 

Wendel (2,0)

Melhor a transportar bola do que os extremos titulares, esforçou-se para que o jogo corresse melhor. E, sem culpa nenhuma, fica ligado à perda da eliminatória no tempo regulamentar, pois o “timing” da sua substituição contribuiu para abrir a cratera no posicionamento da equipa que permitiu o 3-1.

 

Bolasie (0,5)

Displicente no primeiro lance em que foi solicitado, ao ponto de permitir um contra-ataque perigoso, nunca mais se reencontrou, oscilando entre as habituais trapalhices na hora de driblar ou rematar e uma falta de atitude competitiva para a qual seria perfeitamente ajustado reagir com o proverbial “pano encharcado nas fuças”. Ter ficado perto de uma hora em campo só poderá ser explicado pela pulsão suicida que é marca de água do futebol de Silas.

 

Jovane Cabral (1,5)

Muito interventivo, faltou-lhe apenas o detalhe de intervir bem ou, no mínimo, decentemente. Remates de pendor surrealista mostraram que não era aquele o seu dia, embora não andasse muito distante de uma terra há uns milénios surgiu outro salvador que também parecia improvável.

 

Vietto (1,5)

Impõe-se a pergunta: será que o Sporting estaria agora a preparar-se para os oitavos-de-final da Liga Europa, vencendo o desempate da eliminatória através da marcação de grandes penalidades se o avançado argentino não tivesse feito tão lamentável e desnecessária falta na sua grande área quando faltava muito pouco para o final do prolongamento? É bem possível que assim fosse, o que não apagaria mais uma exibição vergonhosa, daquelas que causam danos reputacionais. E neste momento todos estariam a elogiar o cabeceamento irrepreensível de Vietto a desviar o cruzamento de Acuña para as redes do Basaksehir. No entanto, apesar do mérito nesse golo e na leitura de jogo, manteve-se o tendencial desacerto que o impeliu a desperdiçar um belo cruzamento de Ristovski.

 

Sporar (1,0)

Recordou-se tarde e a más horas de que estava presente no relvado e fez um remate descalibrado. Feita esta relativa prova de vida, remeteu-se à contemplação.

 

Gonzalo Plata (2,5)

Pôs a mexer a equipa, vergada pelo 2-0 aquando da sua tardia entrada no jogo. Bom a driblar e a encontrar espaços, pior esteve no instante em que era preciso decidir.

 

Idrissa Doumbia (2,0)

Entrou para segurar o resultado, mas a sua intervenção mais relevante foi a participação num contra-ataque em que quase voltou a marcar.

 

Eduardo (1,0)

Não tem culpa de que a sua entrada, com o claro objectivo de queimar mais uns segundos antes do iminente apito final, tenha aberto o buraco na defesa leonina que permitiu o 3-1. Mas também pouco ou nada ajudou a equipa durante o prolongamento.

 

Pedro Mendes (-)

Pôde entrar como quarto substituto durante o prolongamento, adoptando um registo muito parecido com a contemplação de Sporar.

 

Silas (0,5)

Ao contrário de Groucho Marx, Silas é capaz de mudar os seus princípios de jogo mesmo que gostem deles. Portanto, aquilo que fez depois de uma agradável exibição frente ao Boavista foi instruir os jogadores a darem a iniciativa ao adversário e retirar do onze titular Gonzalo Plata, que dias antes assinara a melhor exibição individual pós-Bruno Fernandes de que há memória. Vendo-se a perder e com a Liga Europa a fugir-se-lhe pelos dedos, teve a sanidade ao retardador de mexer na equipa à hora de jogo e quase de tal colheu agridoce fruto. Mas uma substituição pessimamente gerida ajudou a que o Basaksehir empatasse a eliminatória, servindo de prenúncio do dilúvio de água gelada que se iria abater. Este é mais um desaire que tem a marca de Silas, que provavelmente será mantido em lume brando para que as suas insuficiências sirvam de manto de ocultação de incompetências alheias. A não ser que seja goleado na visita a Famalicão, o que também já não espantaria ninguém...

O problema não é apenas Silas, é também Varandas

Jorge Silas, treinador que tenho criticado com frequência, é um homem digno. Consciente de não estar a corresponder às expectativas, terá colocado o lugar à disposição dos responsáveis pelo futebol leonino. 

Ao menos que o facto tivesse feito soar campainhas na cabeça de Frederico Varandas. Siga o exemplo da dignidade e coloque o lugar à disposição dos sócios, antecipando eleições. Vá a votos se assim o entender, mas permita-nos escolher o futuro. 

Um conselho ao presidente Frederico Varandas e seus pares, saiam a bem, porque inevitavelmente acabarão por ter de sair. Caso a gestão do futebol continue errática, não quero crer, nem aceito que João Palhinha, Gelson Dala ou Daniel Bragança não façam parte do plantel na próxima época. Nem quero ver mais pinos chegarem por empréstimo. E tenho sérias reservas à capacidade de contratarem um bom treinador. 

Caso o presidente continue o autismo, além de ficar cada vez mais isolado, perdendo apoios de dia para dia, passará a ter oposição daqueles que até agora o têm deixado trabalhar. Pela minha parte, irei às próximas AG votar contra o Orçamento, contra o Relatório e Contas. Assumo esta posição, mesmo desconhecendo o teor dos documentos e sem lhes apreciar eventuais méritos. Porque não resta alternativa aos sócios face à sua teimosia em permanecer no cargo, apesar dos péssimos resultados que apresenta. Votar contra tudo o que nos seja apresentado, poderá boicotar o normal funcionamento do clube, mas será a nossa moção de censura à sua presidência. Para que perceba de vez e saia. 

 

P.S. - Não publicarei comentários insultuosos, nem recados a terceiros. 

A pior equipa técnica de sempre? (Parte 3)

21681441_3gYTz.jpeg

 

Espero sinceramente que seja a última vez que faça um post com este título e com estas caras. Tudo tem limites e se há quem queira ser "kamikaze", como o expulso ex-presidente, que o faça às suas custas e não às do Sporting.

Dizia a 29 de Setembro, no post "Silas no espeto", que:

"Leio hoje em "A Bola" um comentário que tenho de subscrever, do seu director (lampião) Vítor Serpa a dizer que "se (Varandas) continuar a fechar os ouvidos e os olhos a quem dele honestamente discorda, afinal, o que o separa de Bruno de Carvalho?"

Pese toda a recuperação da SAD realizada, os títulos alcançados e o trabalho bem feito em diferentes áreas, a dificuldade crescente de comunicação e envolvimento com os sócios, e o fecho em si mesmo do núcleo duro que gere o futebol, não conseguiu ultrapassar bloqueios e antecipar problemas, e a prova é que no caso dos despedimentos de Peseiro e de Keizer não havia alternativa pensada, preparada e adequada ao momento do clube e ao plantel que ia encontrar. 

Também hoje o "Record" anuncia que Silas tem tudo acertado para ser o novo treinador do Sporting, um treinador cujo curriculum se limita a um par de anos no Belenenses, onde conseguiu a maior derrota de (se calhar) todos os tempos desse clube com o Sporting,  e que nem sequer tem habilitação que lhe permita levantar-se do banco e dar instruções aos jogadores.

Pelos vistos o que dizemos aqui da necessidade de ter um treinador credenciado, experiente e agregador a tomar conta da equipa (coisa que teria de ser tratada com tempo e dinheiro), chame-se ele Jesualdo Ferreira, Scolari, Ranieri, Alegri ou outra coisa qualquer, não lhe diz muito, e prefere alguém à sua imagem, de Hugo Viana e de Beto, ou seja, mais uma boa pessoa, mais um jovem e inexperiente profissional.

Não está em causa a pessoa e o sportinguista Silas, as suas qualidades enquanto treinador, o beneplácito de que poderá gozar no imediato nos sócios e adeptos, mas a confirmar-se a notícia e na fornalha de Alvalade é quase uma certeza que Silas vai sair "bem passado". E se calhar não vai ser o único.

Obviamente não vai ser por minha culpa, estarei com ele como estava com Peseiro, Tiago, Keizer e estou ainda hoje com o Leonel. Até ao limite do possível."

 

Passaram-se cinco meses desde essa data e tudo o que escrevi nessa altura peca por defeito.

 

1. Desempenho

Com Silas, em 27 jogos, tivemos 17 V, 1 E e 9 D. Se olharmos apenas para os confrontos com as quatro melhores equipas (Porto, Benfica, Braga e Guimarães) tivemos 1 V e 4 D. Quanto a média de golos: marcados, 1,6; sofridos, 1,1. 

2. Conquistas

Eliminado da Taça de Portugal, da Taça da Liga, da Liga Europa (tudo contra equipas inferiores), 4.º lugar na Liga atrás do Braga e a ter de ir a Guimarães, Porto e Benfica.

3. Qualidade perceptível do trabalho

Uma lástima. Não existe fio de jogo que identifique a equipa, que não sabe defender e sofre golos sucessivos de bola parada, que ataca de forma individualista e muito pelo centro, sucedem-se jogo após jogo passes para ninguém, centros para nenhum lado, adormece-se o jogo quando temos que impor respeito, atacamos à maluca quando estamos a ganhar. A mudança improvisada é uma constante, sucedem-se sistemas tácticos, formas de sair a jogar bem distintas, diferentes onze de jogo para jogo, qualquer mecanização ou conhecimento mútuo é impossível nestas condições. Preparação física mais que deficiente (ver como acabaram alguns jogadores depois dos 120 minutos). Um festival de incompetência e de falta de capacidade de comando desde o banco (sem Silas sequer ter habilitações para se levantar e ordenar).

4. Evolução do plantel e preparação da próxima época

A verdade é que com Silas quase todos os jogadores deixaram muito a desejar, as mudanças constantes de posicionamento destroem a sua evolução, médios de transição passam a duplos e triplos trincos, os extremos são transformados em avançados móveis, pontas de lança jogam a médios. Mesmo Max tem lapsos de posicionamento que revelam muita incompetência de quem o treina. Quase todos valem bem menos do que valiam.

Isto realmente é mau de mais. Peseiro foi despedido sem se perceber porquê, o vencedor das Taças (ultrapassando Braga, Benfica e Porto) Keizer foi despedido por dois penáltis manhosos quando ganhava a 10 minutos do fim para tapar a incompetência de Hugo Viana (que apesar de tudo não fez mais asneiras em Janeiro para somar àquelas do início de época).

 

Silas não é despedido, PORQUÊ ??? Alguém me explica? 

Não há alternativas? Agora que o Sporting até encaixou uma boa maquia com a venda de Bruno Fernandes e temos o terceiro melhor plantel português? Tretas.

Ao pé de Silas até o Paulinho é alternativa. Só tinha de pôr o plantel em auto-gestão, os capitães tomavam conta da coisa, pior não ficava. 

Porque está de facto muito mau. 

SL

O primeiro dia do resto da tua época

A 28 de fevereiro de 2020, o Sporting já só tem doze jogos pela frente. Jogará apenas uma vez por semana, para o campeonato, onde ambiciona chegar ao terceiro lugar, hoje, pertença do Sporting de Braga. A humilhante goleada sofrida na Turquia, ante de um clube sem identidade, de nome impronunciável, só confirma aquilo que já sabíamos há demasiado tempo: a época falhou redondamente.

E agora? O que vai ser o resto da época? O primeiro nome que salta à vista hoje é o de Silas. Não chegará ao verão, mas parece-me que não há grande vantagem em que não chegue ao fim do dia. Parte da culpa é sua, claro, mas ter uma solução de recurso até fim da época, não parece vantajoso. Além disso, numa só frente, é de esperar que pare de inventar e que aposte num onze titular, de forma contínua.

O que se espera agora de Silas é uma aposta continuada em homens como Plata, Jovane, Camacho ou Geraldes. E que outros, como Mendes e Rodrigo, possam ter mais minutos. E ainda que outros, como Nunes, Echedey, João Silva, Bruno Paz, Nuno Moreira ou Tiago Silva possam espreitar a equipa A. Não tenho qualquer curiosidade de voltar a ver homens como Bolasie, Doumbia, Eduardo ou Ilori em campo…

Mas o resto da época não se jogará apenas no relvado. Partindo do princípio que a administração continua (se tivesse caído cada presidente que nos desilude, teríamos tido tantos presidentes como treinadores nos últimos trinta anos), espero que faça o trabalho que não fez a preparar esta época.

Que se escolha imediatamente novo timoneiro, mais experimentado e que este comece já a observar os jovens e os outros homens com os quais terá que trabalhar. Que se escolha imediatamente um homem mais experiente que ajude e guie Viana. Que o scouting identifique já os jogadores a contratar, que efetivamente tragam valor. Que se olhe para os homens que jogando pouco noutros contextos, possam renascer no Sporting (Rony Lopes) e para aqueles que em fim de contrato, possam ser bons negócios. No fundo, que se emende a mão e se faça o trabalho básico (nada do que aqui aponto é inovador) que se espera que um clube como o Sporting faça.

Do lado de cá, continuaremos a pagar a mensalidade de associado; comprar camisolas (das quatro deste ano, ainda me faltam duas) e ocupar os lugares comprados no verão apenas para ver espetáculos tristes na relva e em algumas bancadas. No fundo, nós, como sempre, fazemos a nossa parte. Façam o favor de fazer a vossa.

Os sete pecados de Silas

naom_5de67b340aad6.jpg

 

1

Fez entrar a equipa no estádio de Istambul em pose retraída, apenas para gerir o resultado da primeira mão (3-1) desde o apito inicial. Princípio errado, que transmitiu incentivo e confiança ao adversário: o Basaksehir foi acreditando na possibilidade de virar a eliminatória. E afinal bastaria ao Sporting marcar um golo fora, de preferência no quarto de hora inicial, para rumar com segurança à fase seguinte da Liga Europa.

 

2

Escalou de forma deficiente o onze titular para este embate na maior cidade turca ao deixar no banco aquele que tinha sido o elemento mais desequilibrador no jogo da primeira mão, votado por unanimidade como melhor em campo nesse desafio: Gonzalo Plata. Em vez de recompensar o jovem equatoriano pelo mérito, manteve-o uma hora sentado no banco de suplentes - emitindo assim outro sinal negativo aos seus pupilos.

 

3

Demorou imenso tempo a rectificar os erros gritantes de movimentação dos jogadores, que tremiam em cada bola parada, falhavam passes com uma displicência aterradora e se mostravam incapazes de construir um lance ofensivo digno desse nome. A entrada de Plata, significativamente, coincide com o melhor período do Sporting, culminado oito minutos depois, aos 68', com o golo de Vietto - a passe de Acuña, municiado pelo equatoriano - que parecia relançar a eliminatória.

 

4

Vendo a equipa em vantagem no conjunto das duas partidas, embora a perder 1-2 em Istambul, Silas toma outra decisão errada, como se gritasse aos jogadores que era o momento de se retraírem novamente em campo. A troca de Jovane por Doumbia, aos 73', produziu resultados desastrosos: o Sporting, que pouco antes subira com perigo à baliza adversária, baixou então os braços, abdicando da manobra atacante, quando ainda faltavam 20 minutos.

 

5

Em consequência desta substituição, fez deslocar Vietto do corredor central para a ala esquerda, onde o argentino rende muito menos, deixando assim de canalizar jogo para Plata e Sporar. A equipa partiu-se e perdeu a fluidez ofensiva que vinha demonstrando nos dez minutos anteriores.

 

6

Conhecendo a fragilidade da equipa nos lances de bola parada (os quatro golos sofridos neste jogo de má memória resultaram de dois cantos, um livre e um penálti), lembrou-se de fazer uma substituição para queimar tempo no instante mais inoportuno: aos 90', quando o Basaksehir se preparava para cobrar um canto. Esta troca de Wendel por Eduardo desconcentrou os jogadores num momento crucial: daqui nasceu o terceiro golo dos turcos e a consequente meia hora de prolongamento, que terminou como sabemos.

 

7

Acaba este jogo em que precisávamos de marcar mais um golo com três médios de contenção: Battaglia, Doumbia e Eduardo. Como timoneiro de equipa pequena, com o autocarro estacionado, perante uma banalíssima turma turca sem pedigree europeu. Convém recordar, a propósito, que os adeptos do Sporting pressionaram - com sucesso - Frederico Varandas a despedir José Peseiro porque este treinador punha a equipa a jogar num sistema com duplo pivô. Mal imaginariam muitos deles que, ano e meio depois, passaríamos a actuar com três trincos em vez de dois.

Desgaste total

Penso que todos os que gostam de uma maneira livre escrever umas linhas sobre o Sporting neste blog estão a atingir o estado de saturação e de desmotivação total. Começa a ser saturante, quer de quem escreve, quer de quem lê, o carpir constante de mágoas, as tristezas que nos invadem durante os jogos, o assistir a um conjunto de jogadores da "bola" (não jogadores de futebol) que, "desorientados" por um pseudo-treinador de futebol, vestem uma camisola com um símbolo que deveria merecer mais respeito.

Foi mau demais o que se passou hoje na Turquia. Não tenho vontade de dizer mais nada. Chega. 

Armas e viscondes assinalados: O silêncio é de outros e a alegria é de Plata

Sporting 2 - Boavista 0

Liga NOS - 22.ª Jornada

23 de Fevereiro de 2020

 

Luís Maximiano (3,0)

Teve que esperar pelo tempo de compensação da segunda parte para ser verdadeiramente posto à prova, evitando o contacto da bola com as redes com a mesma determinação do irmão mais velho de uma adolescente afoita. A estirada que desviou para canto um remate de fora da área que levava carimbo de golo de honra boavisteira serviu para recordar os compradores de bilhetes e recebedores de convites que o jovem guarda-redes é o único dos supostos suplentes da linha defensiva leonina aquando do início da temporada – todos eles titulares neste jogo – que se tornou titular indiscutível. Só precisa mesmo de melhorar o jogo de pés, como mais uma vez demonstrou, num jogo em que pouco mais fez do que encaixar escassos remates saídos à figura, para superar o actual guarda-redes do Wolverhampton nesta fase da carreira e dar início à luta pela baliza de Portugal.

 

Rosier (3,0)

A primeira intervenção do lateral-direito francês foi inaceitável num profissional de futebol, mas a verdade é que não demorou a carburar, combinando de forma muito positiva com o endiabrado Gonzalo Plata. Regressado à titularidade após prolongada ausência, tirou proveito da oportunidade e até chegou a rematar. Mas ainda tem hesitações na hora de avançar para a grande área adversária e sofre com as limitações físicas (já conhecidas aquando da sua contratação, e que conduziram à precoce titularidade e posterior entrada no carrossel de Thierry Correia) que aconselharam a sua substituição.

 

Neto (3,0)

Patrões fora, dia santo na loja? Acabou por assim ser, com a ausência de Coates e Mathieu a passar despercebida. Ainda que a ineficácia do ataque boavisteiro tenha dado uma ajuda, a experiência do central português contribuiu para o desfecho. Neto antecipou-se ao perigo, executou sem adornos e até procurou contribuir para a construção de jogo. Fossem todos os jogos assim.

 

Ilori (3,0)

Ainda teve uma hesitação e um atraso de bola arriscado, mas Luís Maximiano resolveu as duas situações sem problemas de maior. Posto isso... digamos que o central resgatado do esquecimento pela infinita generosidade de Frederico Varandas e Hugo Viana sossegou todos quantos temiam vê-lo lançar sete palmos de terra sobre a equipa. Intervenções certas e desassombradas, aqui e acolá merecedoras daquele tipo de aplausos que são reservados a quem supera (baixas) expectativas, contribuíram para manter o lado correcto do marcador a zeros. Se conseguir repetir o feito na Turquia é possível que lhe façam uma estátua equestre.

 

Borja (3,0)

Raras coisas são tão comoventes quanto o esforço do lateral-esquerdo colombiano para transcender as suas capacidades. Neste caso, ainda que se tenha remetido sobretudo a funções defensivas, prejudicado pela ênfase dada a Gonzalo Plata no lado contrário e pela tendência de Jovane Cabral flectir para o centro do meio-campo adversário, foram dos pés de Borja que saíram os bons cruzamentos com que Plata assinou o 2-0 e Jovane descartou o 3-0. Eis um caso paradigmático de um jogador que honra o Sporting mesmo que, pelo menos idealmente, possa não ter sequer lugar no plantel.

 

Battaglia (3,0)

Mais uma exibição positiva do médio argentino, mexido o bastante para fornecer linhas de passe aos colegas mais atrás e inteligente o suficiente para arranjar soluções aos colegas mais à frente. Acabou por não ser poupado para a segunda mão dos dezasseis-avos de final da Liga Europa, numa decisão que só pode ser aplaudida: além de melhorar o coeficiente na UEFA, já de olhos postos no regresso à Champions em 2021/2022, o Sporting tem de assegurar que para o ano poderá competir na Liga Europa. E alcançar o Sporting de Braga ou manter à distância Rio Ave, Vitória de Guimarães e Famalicão está longe de ser uma mera formalidade para este Sporting de pé descalço.

 

Wendel (3,0)

Terá feito um dos seus melhores jogos nos últimos meses, demonstrando sabedoria na condução de bola, ausência da recorrente e irritante displicência na movimentação e no posicionamento e vontade de conduzir os colegas ao “só mais um” que erros alheios mantiveram no registo “dois é bom, três é de mais”. Só não merece melhor nota pela forma infantil como viu o cartão amarelo que o afasta da deslocação a Famalicão, onde o Sporting tem demasiado em jogo para não contar com todos os melhores.

 

Gonzalo Plata (4,0)

No final do jogo, recomposto da tentativa perpetrada pelo central boavisteiro Ricardo Costa de lhe desatarraxar a perna (sem que o infame Nuno “Ferrari Vermelho” Almeida, um dos maiores escroques apitadores nacionais, discernisse mais do que um pontapé de canto apesar da insistência do videoárbitro), o jovem extremo equatoriano ouviu o mesmo treinador que lhe nega oportunidades de afirmação dizer que poderá encontrar-se em Alvalade um futuro caso sério do futebol mundial. Inequívoco homem do jogo, Gonzalo Plata fez mais do que cobrar de forma irrepreensível o livre que permitiu a Sporar inaugurar o marcador e do que rubricar o 2-0 num lance em que a execução do remate ficou em segundo plano perante a rapidez e inteligência com que se dirigiu para as “sobras” do cruzamento de Borja. Mais do que isso, devolveu alegria ao Estádio de Alvalade, que pela primeira vez em muito tempo teve momentos de comunhão nas bancadas, juntando “escumalha”, “croquetes” e milhares de convidados que ali estavam para a média de ocupação do estádio parecer menos desoladora. Quando Plata for o jogador que já acredita ser, apesar da taxa de sucesso nas iniciativas individuais ainda ter considerável margem de progresso, é possível que seja um dos pilares de um Sporting que conte para o Totoloto. Mas mesmo nestes dias sombrios pode e deve contribuir para a obtenção dos poucos objectivos que restam à equipa, o que passa necessariamente por mais do que 10 ou 20 minutinhos em campo, quase sempre numa fase em que o resto dos colegas já desmobilizaram.

 

Jovane Cabral (3,0)

Repetiu a titularidade sem repetir os resultados virtuosos obtidos no jogo com o Basaksehir. Voltou a mostrar-se mexido e a pôr os outros em movimento, mas pouco lhe saiu bem ao longo do jogo. O momento mais paradigmático da exibição foi o falhanço dentro da grande área, em posição frontal, após um bom cruzamento de Borja. Ainda assim, poderia ter mantido a série consecutiva de contribuições para o placard, isolando de forma perfeita Gonzalo Plata frente a frente com o guarda-redes do Boavista. Mas calhou ser o momento do jogo em que o equatoriano não esteve à altura.

 

Vietto (3,5)

Promovido a força tranquila da manobra ofensiva leonina, muito ele fez jogar, ainda que não tenha concretizado uma oportunidade flagrante de golo, servido com requinte pelo rompante Plata. Tem muito em si de futura referência leonina e cabe-lhe escrever um melhor futuro em que deixe de passar pela vida futebolística como uma esperança adiada.

 

Sporar (3,5)

Estreou-se a marcar na Liga NOS, dias após marcar na Liga Europa, com um toque oportuno que desviou da melhor forma o livre marcado por um equatoriano de que já talvez tenham ouvido falar. Mas também garantiu espaços para os colegas e continua a aumentar os níveis de confiança, o que vem mesmo a calhar numa altura em que se descobre que os bónus previstos na sua transferência podem fazer de si a contratação mais cara de sempre do Sporting. Lá seria mais um recorde batido pela presidência de Frederico Varandas...

 

Pedro Mendes (2,0)

Teve direito a 20 minutos pelo segundo jogo consecutivo, e pelo segundo jogo consecutivo padeceu de ter entrado numa fase em que o Sporting abandonara a nobre arte do ataque continuado. Voltou a fazer o possível por deixar boa impressão ao estádio, ainda que pouco mais tenha feito além de pressionar o início da construção de jogo dos adversários.

 

Ristovski (2,0)

Saltou do banco de suplentes para fazer face aos problemas físicos de Rosier e ajudou a manter uma rara ausência de golos concedidos. Segue-se a viagem à Turquia, onde viria a calhar repetir a proeza.

 

Francisco Geraldes (2,0)

A ovação que recebeu quando entrou para o descanso de Vietto é o tipo de fenómeno sportinguista que carece de estudo académico. Além de ser um futebolista com talento inato, “Chico” não se limita a ser o leão aspiracional, capaz de conciliar a bola com os estudos, mais dado a leituras do que a vídeos , como também simboliza na perfeição o Sporting dos nossos dias, com o seu potencial (ainda) por concretizar, em grande parte por culpas alheias (treinadores avessos à aposta na formação, péssima gestão de activos do clube) mas decerto também por culpa própria. Nos dez minutos que lhe couberam em sorte procurou e conseguiu mostrar serviço, lamentando-se apenas que num lance de contra-ataque não tenha sentido a confiança suficiente para rematar ou tentar irromper na grande área boavisteira, optando por assistir um colega que não entendeu o passe. Fica de fora na Liga Europa, mas pode ser que o castigo de Wendel leve a que Silas lhe dê uma hipótese de provar valor na deslocação a Famalicão. Embora seja mais provável que regresse a um daqueles meios-campos a tresandar de medo da própria sombra que juntam Battaglia a Idrissa Doumbia e Eduardo.

 

Silas (3,5)

Teve a inteligência de apostar numa táctica alicerçada no célebre princípio de jogo “metam a bola no miúdo e logo se vê”, retirando faustosos dividendos da aposta em Gonzalo Plata. Vendo-se a ganhar desde cedo, e a dominar as manobras no meio-campo, respirou de alívio e nem o facto de apresentar uma linha defensiva composta quase exclusivamente por suplentes trouxe um décimo das preocupações que esperaria. Numa semana em que exibiu dotes de comunicação quase tão fracos quanto os do responsável pela sua contratação, pondo em causa o empenho de um dos melhores jogadores de sempre do futebol leonino, Silas ganhou algum oxigénio. Para encher a botija terá de selar o apuramento para os oitavos-de-final da Liga Europa em Istambul e regressar de Famalicão com mais três pontos de vantagem em relação a um dos adversários directos na luta pelo terceiro, quarto ou quinto lugares. Mas para tal seria aconselhável que resolvesse a recorrente quebra que faz das segundas partes do Sporting o equivalente táctico de uma pessoa remediada que (sobre)vive de rendimentos.

O terceiro melhor plantel da Liga

Se dúvidas existissem na cabeça de alguns, esta última sequência de jogos do Sporting depois da saída do seu capitão, melhor jogador e melhor jogador da Liga, vieram demonstrar que dispomos sem dúvida alguma do terceiro melhor plantel da Liga, porventura inferior aos dois rivais mas muito acima dos outros competidores pelo terceiro posto.

Dispomos de internacionais pela Argentina, Brasil, Uruguai, Colômbia, Equador, Eslovénia, Macedónia, França, para além de Portugal, alguns deles julgados imprescindíveis pelos respectivos seleccionadores. Quantos existem no Braga, no Guimarães ou no Rio Ave? Se calhar um ou outro de que sinceramente não me recordo. E se calhar os melhores que lá estão vieram de Alvalade...

Dispomos de um conjunto de jovens com tremendo potencial: Max, Plata, Camacho, Jovane (as lesões o permitam), Doumbia e Pedro Mendes. E outros a rever: Miguel Luís e Francisco Geraldes.

Passámos a dispor do artilheiro da Liga Europa, que já começou a facturar.

Continuam a não existir de facto muitos jogadores de classe extra, e quando faltam um ou mais (Mathieu, Coates, Acuña, Vietto) nota-se logo e às vezes paga-se caro. 

A verdade é que temos um treinador que demorou uma eternidade a fazer o óbvio: dar sequência ao trabalho de Marcel Keizer e pôr a equipa a jogar naquele 4-3-3 que facilmente permite que cada um saiba o que anda a fazer em campo. Com o trio do meio-campo estabilizado, Battaglia a 6 (a subir de jogo para jogo depois da lesão grave que teve), Wendel a 8, e Vietto a 10, temos logo bom futebol e não aquela "mastigação" inconsequente que fomos vendo, muitas vezes disfarçada pelo talento do Bruno. 

Pois esse treinador não conseguiu fazer durante demasiado tempo do terceiro melhor plantel da Liga pelo menos a terceira melhor equipa da Liga, menos ainda conseguiu ganhar taças derrotando os dois rivais como fez Marcel Keizer. 

Esperemos que agora que já interiorizou que não vai continuar finalmente demonstre que o consegue. 

SL

Assim, quem é que quererá treinar o Sporting?

35750004_770x433_acf_cropped.jpg

 

O Sporting venceu, esta semana, o Boavista e o İstanbul Başakşehir com exibições personalizadas e, acima de tudo, qualidade.

Uma pequena declaração de interesses: Já tive oportunidade de falar com Silas. Gosto do Silas enquanto Homem, acho que inventou em alguns jogos e nem sempre estou de acordo com o que diz. Mas há algo importante: Silas é treinador do Sporting e tenho a certeza que faz sempre o melhor possível pelo Clube. Aliás, qualquer treinador sentiria imenso a falta de Bruno Fernandes e Jorge Silas conseguiu estabilizar o Sporting e metê-lo a jogar à bola.

SilasAtiraSeBruno.png

Em dia de jogo, o Record faz uma capa onde deturpa as palavras de Jorge Silas, dizendo que "Silas atira-se a Bruno". Jorge Silas sempre manteve uma excelente relação com Bruno Fernandes e na conferência de imprensa disse apenas o normal: o mercado traz instabilidade aos jogadores. E tanto traz ao Bruno, como ao Manuel, como ao Joaquim. O Record, talvez por não suportar o Sporting ter sido o único clube português a vencer na Liga Europa, não se conteve e decidiu lançar carvão.

A imprensa ser hostil ao Sporting não é novidade nenhuma. Desde que me conheço como pessoa que sinto isso. O que é novidade é total inércia da direção do Sporting no que toca a defender o seu treinador. Uma total insolidariedade institucional para com quem, por muitos defeitos que se lhe encontrem, é quem dá a cara todos os dias pelo Sporting.

Ainda sobre as obrigações da Direção: vimos ontem Nuno Almeida a ser chamado pelo VAR para assinalar uma grande penalidade a favor do Sporting e a ignorar olimpicamente a entrada de carrinho de Ricardo Costa sobre o pé de Gonzalo Plata. Mais uma vez, silêncio total da direção sobre o não ter sido assinalado o penalty. Silêncio total sobre um árbitro ignorar um VAR. Silêncio total sobre o Sporting ter sido, mais uma vez, prejudicado por Nuno Almeida.

 

A direção do Sporting é eleita para defender os interesses do Sporting. Nesses interesses estão os adeptos, sócios, profissionais, resultados, títulos, etc etc. Num só dia, a Direção conseguiu-se alhear de duas ofensas gravas aos interesses do Sporting.

Assim, sem solidariedade, sem querer proteger o Clube, quem é que quererá treinar o Sporting Que compromisso podemos pedir a um treinador quando o deixamos assim desprotegido?

Armas e viscondes assinalados: Equipa pequena consegue ponto fora de casa e contra a corrente do jogo

Rio Ave 1 - Sporting 1

Liga NOS - 21.ª Jornada

15 de Fevereiro de 2020

 

Luís Maximiano (3,5)

Contrariou a estatística, pois nenhum dos outros 44 golos do Rio Ave que se adivinhavam após sofrer o primeiro antes dos dois minutos de jogo encontrou o caminho das redes. Entre as excelentes intervenções que contribuíram para que o Sporting saísse de Vila do Conde com um ponto, apesar de mais uma exibição digna de dó e que desta vez nem sequer teve o álibi da falta de apoio das claques, destaca-se a leitura que fez da jogada mesmo ao cair do pano em que o ex-leão Carlos Mané teve nos pés a hipótese de dar justiça ao marcador. À medida que os sobreviventes do Sporting que contava para o Totobola são vendidos, acabam expulsos por apitadores sempre prontos a ajudar e sofrem lesões, a importância do jovem guarda-redes aumenta. Pelo seu valor intrínseco e pela triste realidade (tão triste que chega a ser “estriste”) de uma equipa apequenada como raras vezes se viu entre a rapaziada de leão ao peito.

 

Ristovski (2,0)

Apontaram-lhe a “autoria moral” do golo do Rio Ave, visto que a assistência ocorreu na sua área de jurisdição, mas não deixa de ser verdade que havia dois adversários para o macedónio cobrir (um dos quais até lhe deu um empurrão nas costas, sem que o sempre atento videoárbitro desse por isso). Ultrapassado o primeiro embate, procurou ofereceu soluções à incipiente manobra ofensiva, ainda que o seu melhor cruzamento tenha encontrado a cabeça desvairada de Rafael Camacho em vez de alguém que soubesse o que andava por ali a fazer. Mas, tal como todo o resto à sua volta, não deu para mais. Pensar que a expulsão de Coates levou a que Ristovski fosse até ao apito final o elemento com maior número de jogos pela equipa principal do Sporting deveria fazer pensar todos os adeptos.

 

Coates (2,0)

Impotente para contrariar o desastre no golo do Rio Ave, o uruguaio mostrou aos colegas como se faz uma jogada de ataque ao galgar terreno com bola até ficar perto de provocar um autogolo do defesa que arriscou cortar a bola à entrada da grande área. Melhor nota teria não fosse ter caído nas armadilhas do avançado iraniano que no jogo da primeira volta também lhe valera um vermelho por acumulação. Repetiu-se o mesmo cenário em Vila do Conde, com o árbitro Fábio Veríssimo a ser tão implacável quanto todos adivinhavam que iria ser, mas pelo menos foram-lhe assinalados três pénaltis a menos do que no jogo da primeira volta em Alvalade.

 

Neto (3,0)

Foi uma barreira quase intransponível ao ataque do Rio Ave, ao ponto de levar Fábio Veríssimo a pedir perdão à equipa da casa, quiçá esfolando os joelhos, por não ter assinalado pénalti na jogada em que o central viu um remate embater-lhe no braço encostado ao corpo. Quase sempre eficaz a afastar o perigo da sua baliza, Neto foi um dos dois esteios que permitiram o melhor resultado desta época em confrontos com o Rio Ave. Calha bem que tenha acabado com a braçadeira de capitão, um adereço que já esteve mais longe de ser oferecido nas embalagens de corn flakes.

 

Borja (2,5)

Permitir o cruzamento que deu origem ao golo do Rio Ave foi a única falha grave do colombiano. Elevado à titularidade devido à ausência de Acuña, Borja esforçou-se por dinamizar um ataque impregnado de espírito pacifista e fechar os caminhos para a baliza de Maximiano. Um ou outro cruzamento que poderia levar perigo ao Rio Ave se houvesse alguém para corresponder constituíram um fogacho numa exibição apenas esforçada, sendo evidente que raramente se poderá pedir mais do que isso ao lateral-esquerdo colombiano.

 

Idrissa Doumbia (1,5)

Recuperou a titularidade sem ter aprendido grande coisa no banco de suplentes. Deambulou pelo relvado sem razão e sem sentido, enquanto no Estádio da Luz um cavalheiro chamado João Palhinha marcou o golo que permitiu ao Sporting de Braga derrotar o Benfica. Dizem que cada um tem aquilo que merece, mas o Sporting Clube de Portugal merece certamente melhor do que o jovem e honrado meio-campista poderá dar.

 

Eduardo (2,0)

Deve-se-lhe o melhor remate do Sporting em todo o jogo, num disparo potente de longa distância que embateu com estrondo na barra. Um lance que pareceu inserido digitalmente por um estúdio de Hollywood numa exibição miserável de toda a equipa e também do seu autor, incapaz de tomar as rédeas do jogo e mais empenhado em fazer atrasos do que em progredir com a bola. É tristemente provável que Eduardo tenha sentido alívio no momento em que foi retirado do campo.

 

Wendel (1,5)

A saída de Bruno Fernandes, já patrão do meio-campo do Manchester United após dúzia e meia de treinos, exigia que o brasileiro desse o passo em frente, assumindo a liderança que tarda a confirmar. Dos noventa e muitos minutos que esteve em campo nada de particularmente positivo há a registar. Apenas uma tristeza latente perante a incapacidade demonstrada uma e outra vez por Wendel de cumprir todo o potencial do seu futebol.

 

Rafael Camacho (1,0)

Conseguiu ser ainda mais nulo enquanto extremo a flectir para o centro do terreno do que como segundo avançado descaído para as alas. Não é preciso ter excesso de má vontade para constatar que não teria sido nada diferente (a não ser que fosse para melhor) caso o Jubas ocupasse o seu lugar no onze titular. Talvez possa vir a ser útil para o clube em dificuldades financeiras que investiu meia-dúzia de milhões de euros no seu passe, mas neste momento já seria muito bom para a atual realidade do Sporting se algum clube aceitasse uma cláusula de compra obrigatória de dez milhões de euros no seu futuro empréstimo.

 

Bolasie (2,5)

Da lei da irrelevância se libertou mesmo ao cair do pano, quando tirou partido da força para irromper pela grande área do Rio Ave até ser derrubado em falta. Pouco importa que não tenha convertido a grande penalidade por si conquistada, pois a si e apenas a si se deve um dos pontos mais injustos que o Sporting amealhou neste século. Até então pouco se distinguira da esmagadora maioria dos colegas, especializando-se em floreados, perdas de bola e incapacidade de justificar o estatuto de elemento do plantel profissional de um dos trinta e tal melhores do ranking da UEFA.

 

Sporar (1,0)

Questão de ovo e galinha: terá sido Sporar inútil na deslocação a Vila do Conde por nunca ter sido servido pelos colegas ou será que os colegas nunca o serviram porque o avançado se revelou inútil do primeiro ao último minuto? Seja qual for a resposta, é inegável que nada andou a fazer no relvado, fazendo recordar que o seu país natal terá sido provavelmente o menos belicista de todos aquando da implosão da Jugoslávia.

 

Jovane Cabral (2,5)

Voltou a entrar com a missão de alterar o resultado e o certo é que cumpriu mais uma vez: depois de fazer uma assistência para o autogolo do Portimonense, encarregou-se desta vez de marcar de forma exímia um pénalti que o forçou a tirar a bola das mãos de Bolasie. Mas é de inteira justiça fazer notar que o seu contributo ficou por aí, pois as restantes jogadas e remates que protagonizou estiveram em linha com a mediocridade que grassa no futebol leonino.

 

Gonzalo Plata (1,5)

Chegou tarde ao jogo e nada de positivo logrou fazer.

 

Battaglia (2,0)

Contribuiu para que o segundo golo do Rio Ave não chegasse a acontecer, mas também esteve longe de deslumbrar.

 

Silas (1,0)

Ponto prévio: não tem culpa de que Matheus Pereira e Domingos Duarte tenham sido rifados, de que Raphinha e Bas Dost tivessem sido transferidos para que Bruno Fernandes permanecesse em Alvalade, de que o mesmo Bruno Fernandes tivesse acabado por sair na reabertura de mercado, de que Vietto tivesse completado uma série de cartões amarelos e de que Mathieu e Acuña se tivessem juntado a Luiz Phellype no rol de lesionados. Bem vistas as coisas, Silas não é o principal culpado da amarga realidade de o onze inicial do Rio Ave parecer manifestamente superior ao onze inicial do Sporting. Mas ficam por aqui as atenuantes: o treinador que escalou aqueles jogadores, regressados ao 4-3-3 com a mesma falta de qualidade que revelam no 3-5-2, 3-4-3 e no 4-4-2, tem de ser responsabilizado pela inexistência de um fio de jogo, pelas falhas nas marcações que originaram o golo do Rio Ave, pelo pavor de praticar futebol que impele dez em cada onze a privilegiarem os atrasos de bola (a bem dizer, só Luís Maximiano não os faz, até porque isso resultaria certamente em autogolo) e por escolhas de titulares que começam a tornar-se inexplicáveis, com Rafael Camacho à cabeça. A expressão derrotada de Silas quando se viu a perder tão cedo é o espelho de um vírus de conformismo e de, passe o neologismo, perdedorismo que só não atravessa por inteiro o futebol leonino porque decerto o mítico Paulo Gama continua a entregar os equipamentos sem buracos e as bolas sem estarem furadas. Isto para não falar na falta de oportunidades que a equipa técnica concede a jogadores como Francisco Geraldes e Pedro Mendes, os quais nada mais puderam além de fazer uns minutos de aquecimento e que, perante a falta de qualidade e de compromisso demonstrada pelos colegas que estavam no relvado, precisarão de uma auto-estima elevadíssima para não se considerarem escumalha – isto para não falar de Miguel Luís, de quem já começa a ser difícil recordar o nome quando se pensa no plantel principal do Sporting, ou de Rodrigo Fernandes e Matheus Nunes, promovidos ao plantel principal num golpe de teatro desprovido de consequências práticas. Pouco importa que Silas tenha a humildade de reconhecer a péssima figura do Sporting na visita ao Rio Ave, apresentando-se como uma equipa pequena que conseguiu um ponto fora de casa e contra a corrente do jogo. Mais importante seria que pudesse contrariar esse estado de coisas. Algo que a cada jogo se vai tornando mais improvável. Ao ponto de, como já li de um excelso jornalista da nossa praça, este Sporting se arriscar a ficar no segundo lugar se for a única equipa inscrita numa competição.

A pior exibição da época

Pelo menos foi o que disse Silas depois do jogo. Referia-se obviamente ao período em que está à frente da equipa, mas para mim foi mesmo a de toda a época. Valeu o emprestado, limitado mas sempre esforçado Bolasie para repetir o que fez na Vila das Aves: do nada cavar um penálti e assim evitar a derrota.

Com um plantel tão desequilibrado como o do Sporting, quando faltam três dos quatro melhores jogadores num campo difícil como o de Vila do Conde seria sempre de prever dificuldades. Mas quando mais uma vez se altera o modelo de jogo e o onze em posições chave, então está-se mesmo a pedi-las.

Do 5-3-2 contra o Portimonense com Battaglia e Wendel a médios mais recuados, passámos para um 4-3-3 com Doumbia e Eduardo nas mesmas funções. Não há equipa que aguente tanta alteração, tanta improvisação, tanta falta de articulação entre colegas. Sucederam-se passes para jogadores marcados em cima e de costas para a baliza, passes para ninguém, centros para lado nenhum.

SIlas já veio dizer que não se demora cá muito, quando quiserem pega nas malas e vai à sua vida. O plantel também sabe isso mesmo, a mensagem já não passa e a equipa transforma-se num bando que corre e luta sem critério. Ontem o Coates lá foi para rua mais uma vez na tentativa de travar adversários lançados pelo seu lado, onde o Ristovski anda sempre em parte incerta e foi responsável por mais um golo (já perdi a conta aos lances por alto perdidos por ele esta época ao segundo poste que dão origem a golos ou centros para golo), não sem antes tentar fazer por ele o trabalho dos onze e quase conseguir um autogolo. Se no caminho perdesse a bola, como normalmente acontece, seria mais um contra-ataque bem perigoso do adversário.

Pelos vistos com a saída de Bruno Fernandes deixou também de haver definição sobre quem marca livres e penáltis: fica à mercê de quem agarra na bola com mais força.

Enfim, que bom seria se a temporada acabasse já. Mas ainda falta muito. O Braga (terceiro com mais um ponto) realmente descobriu um magnifíco treinador que de parecido com Silas tem a falta de habilitações mas conseguiu em pouco tempo transformar aquela equipa que entrava para perder fora de casa contra os grandes e ganhar cinco vezes seguidas aos mesmos, o Rio Ave (quatro com manos três pontos) e o Guimarães (sétimo com menos oito) jogam bem e são adversários a considerar na luta pelo pódio. 

E voltamos também à questão de andarmos a emprestar e vender jogadores a clubes que acabam por competir connosco por posições importantes no acesso às competições europeias: Palhinha e Esgaio no Braga, Dala e Mané (que ontem teve azar no remate que daria a nossa derrota) no Rio Ave. Dá que pensar, de facto.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D