Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Outras culturas

 

Este fim de semana cumpri um ritual (ainda que recente de sete anos), desloquei-me mais uma vez à Virgen del Rocio.

Não professo qualquer religião, mas aquela mistura de Fátima com a Feira da Golegã, em ponto grande e em bom, fascina-me desde a primeira vez que por lá passei por mero acaso, mas não é disso que vos quero falar.

O que vos quero contar é que, no meio de um magote de gente que ultrapassa o milhão naqueles dias, não há internet móvel que se safe, de modo que no domingo resignei-me a não ver o jogo da selecção e a, no mínimo, vê-lo quando regressasse a casa, ontem ao final do dia. Então passeando pela aldeia, circulando entre a multidão de gente, olhei para uma peña rociera (mais ou menos o que designamos por tertúlia) e lá estava uma televisão a transmitir o jogo. Por azar já depois do golo, que não vi, mas como as portas estão abertas a quem queira entrar eu entrei e vi com muito agrado uma plateia de espanhóis vibrando com Portugal, desde miúdos a graúdos. E fomos convidados a sentar e convidados a beber e convidados a comer e tudo aceitámos, que não fica bem rejeitar uma tão calorosa hospitalidade. E no final festejaram connosco a vitória com o mesmo entusiasmo que nós. Confesso que me surpreendeu que os miúdos (entre 10/12 anos) conhecessem os jogadores da selecção, com predominância dos que jogam em Espanha, claro, e que, pasme-se, quando eu disse que era do Sporting, levantaram os polegares e começaram "Carvalho", "Ronaldo", "Patrício"... Até ali, na Andaluzia "profunda", o Sporting é reconhecido e admirado. Terminámos com um "Portugal, Portugal, Sporting, Sporting" que me encheu o coração. Não foi pela fé, foi pelo futebol e pelo Sporting que de lá vim com o coração cheio. Ou como os fins justificaram os meios, ou ainda como me é difícil imaginar um grupo de portugueses a torcer por Espanha num jogo de futebol.

Para o ano há mais.

Ajax

30e604b8-3fd4-11e9-9462-47951df6ead3_web_scale_0.3

Rejubilei com a magnífica vitória do Ajax (resumo aqui). Meu clube, não por aqui no Benelux (quem se lembra ainda deste acrónimo?) - vi o jogo num canal flamão  (como aqui dizemos flamengo) no qual os locutores exultavam, naqueles seus sons tão africanderes, com o desenrolar do resultado. Mas porque me fiz adepto de futebol no tempo do seu expoente máximo, décadas depois subalternizado por esta economia de futebol totalmente desequilibrada, a da concentração dos clubes nas mãos dos oligarcas internacionais. 

Há pouco aqui evoquei a época em que me fiz adepto de futebol, a de 1971 que me tornou fiel ao Sporting e, lá (então muito) longe, um pouco ao Barcelona e ao Arsenal, devido a belas vitórias televisionadas, quando os jogos na tv eram bem raros. A mesma época em que o Ajax encetou o trio de taças dos campeões europeus (e o Feyennord tinha ganho na época anterior), com uma equipa fabulosa, da qual ainda tenho de cor alguns nomes - Krol, Haan, Hulshoff, Suurbier, Neeskens, Stuy na baliza, Rep, Muhren, um centrocampista magnífico, Keizer - o tio do nosso, que era um excepcional jogador. E o maior mestre do futebol mundial, Johan Cruyff, um jogador monumental, que comandou essa equipa e a selecção "laranja mecânica" que devia ter sido bicampeã mundial (ele já não participou em 1978 pois já num problemático ocaso de carreira), refez o Barcelona como jogador e depois viria a refazê-lo como técnico, nisso deixando como legado o clube destas últimas décadas - e o ciclo internacional Guardiola, também. Sim, o Ajax ainda viria a ser campeão em 1995, muito já em contra-ciclo no cada vez mais hierarquizado mundo do futebol, com uma bela e jovem equipa com jogadores (Litmanen, Seedorf, de Boer, Kluivert, Davids, Overmars, e o veterano Rijkard que não jogou pelo Sporting) que marcaram uma era no futebol europeu.

Mas o encanto, a paixão mesmo, e nisso o júbilo de ontem, vem-me daquelas transmissões a preto-e-branco, de som roufenho de há quase 50 anos. Estou velho, não há dúvida. E como quase todos os velhos fiquei resmungão. O que faltou ontem? O equipamento

D_NP_739072-MLB26884852255_022018-X.jpg

Espero que na final possam jogar (e ganhar) com as suas cores. Espero mesmo e muito, a torcer (ainda vou a Amsterdão no caminho, se me sobrarem umas moedas).

Da derrota do horrível Real (sem Cristiano a gente já pode dizer isto) muitos dirão que lhe falta o CR7. Decerto que sim. Mas ao ver o jogo de ontem uma coisa salta à vista. As caras de putos (felizes) de tantos dos jogadores do Ajax (blindados com Blind, claro) e o ar maduro (se calhar uma média etária 5-7 anos superior) dos do Real. Zidane soube sair, percebeu o fim de ciclo e anunciou-o. Renovar uma equipa tricampeã é difícil e o Real vacilou nisso, e algo borregou - por melhor que seja o belga Courtois será que o problema do Real estaria na baliza?

O CR7 também o terá percebido. O seu ocaso também está a chegar, e ele está a enfrentá-lo com uma grandeza extraordinária. E nisto tudo, ontem pensei na nossa selecção. O "engenheiro  de Paris" estará consciente de tudo isto, e mais o deve ter apreendido ontem, se tal lhe fosse ainda necessário. E terá que o enfrentar, e parece está-lo a fazer. Mas enquanto o CR7 carbura e bem (e o nosso Patrício se afirma ainda mais), vêm-se chegar jogadores com as tais caras de putos, Dalot, os centrais do Benfica (e outros que poderão explodir, que em centrais é costume surgirem surpresas), Ruben Neves como jogador de excepção, este João Félix - e Sanches, se o Benfica usar a fortuna que vai agora fazer para o resgatar e o entregar a Lage que o conhecerá (sim, digam lá mal do sportinguista que louva o Benfica). O monumental Bernardo Silva, essa pérola que desperdiçámos Rafael Leão que tem tudo para ir aos céus, se tiver cabeça, aquele Jota que brilha na pérfida Albion, talvez Gelson se Jardim ... Temos Ajax na casa pátria.

Tê-lo-emos no nosso Alvalade?

Críticar, ou não criticar

Fernando Santos, diz-se por aí, recusou criticar os jogadores da selecção, concretamente os defesas que deram uma barraca tremenda no jogo contra o Uruguai. "Ó pá, eu sei dum gajo que começou por criticar dois defesas, acabou sem equipa e foi corrido do lugar", terá alegadamente dito o seleccionador nacional, que terá ainda confidenciado que o guarda-redes (que não quis identificar) há duas noites que tem pesadelos com o Cavani. À pergunta de um jornalista da CMTV, a televisão oficial do Sporting, se se tratava de Patrício, Santos não confirmou, mas adiantou que o dito jogador, na ralidade, no Domingo acordou com os lençóis ensopados em mijo. "Era mijo, pá, era mijo!" terá afirmado com um esgar no momento em que virava o pescoço para o seu lado direito. Apesar de todas as cautelas, de não se ter dado por qualquer publicação sua no face, Fernando Santos não está livre de ser destituído do cargo, conseguimos saber junto do outro Fernando, o da FPF, que ainda antes de lhe ser feita qualquer pergunta gritou bem alto: "Eu não me demiti, eu não me demiti". Falso. Como (a) Judas.

 

Muito Ronaldo para pouco Portugal...

Portugal venceu Marrocos, é o mais importante, mas a exibição foi paupérrima, diria que a nossa selecção é Ronaldo e mais 10. Rui Patrício fez uma grande defesa no único remate com perigo à nossa baliza, Cedric, Pepe e João Moutinho sem realizarem uma exibição por aí além estiveram a um nível aceitável, com os restantes a oscilarem entre o fraco e o mau. Gonçalo Guedes, Bernardo Silva e João Mário muitos furos abaixo do que podem, foram os elementos mais fracos, não se percebendo a teimosia de Fernando Santos na manutenção do avançado do Valência. Mas os substitutos estiveram ao mesmo fraco nível dos substituídos.

Mas também sabemos que a selecção com Fernando Santos pode jogar mal, por vezes nem ganhar e contudo chegar longe. Hoje valeu apenas o resultado, porque em nada fomos superiores a Marrocos, apenas a eficácia inicial de Ronaldo bastou para a vitória, porque perante tanta mediocridade nem o capitão esteve perto do seu nível, até os livres bateu de forma desinspirada, no entanto uma vez mais carregou a equipa, o que não é coisa pouca.

O pior estádio do mundo

Seria fácil não escrever aquilo que vou escrever mas acredito que os prognósticos se fazem antes dos jogos.

É antes dos jogos acontecerem que temos de antecipar os problemas.

Vou recuar ao programa da Antena 1, Grandes Adeptos, de 2017.10.02, na parte final deste programa, o comentador benfiquista (sr. Telmo Correia) diz esta frase: "esperemos que esteja assim na selecção" (cerca do minuto 37) comentava-se a excelente exibição do Rui no Sporting vs. Porto.

Ora a frase carregada de ironia queria dizer o quê... «espero que o Seferovic lhe marque três ou quatro golos em pleno estádio da Luz e que isso lhe sirva de motivação para repetir o mesmo no campeonato».

É este (penso) o sentimento do sr. Telmo Correia e, certamente, não estará só.

Amanhã muitos benfiquistas/lampiões vão ao Estádio da Luz para ver golos de Seferovic.

Eles, coitados, não têm culpa.

Quem marcou o jogo para esse estádio, tem.

Foi uma péssima escolha pelo que vimos acima.

Foi uma péssima escolha pois a maioria dos jogadores da selecção portuguesa que entrarão em campo amanhã são oriundos do Sporting ou do FC Porto, logo terão sempre a sensação de estarem a jogar fora.

Foi uma péssima escolha pela carga negativa que envolve aquela infra-estrutura de cimento inacabado e de lã de vidro displicente, foi ali que perdemos um Europeu para a Grécia.

Por todas as razões que apontei, anteriormente, é o pior estádio do mundo para se realizar o Portugal vs. Suiça mas esperemos que mesmo com toda esta carga negativa desnecessária, amanhã os nossos rapazes consigam vencer; é isso que esperamos, é isso que desejo.

À atenção de todos

Para quem espera um jogo fácil na próxima eliminatória da Taça de Portugal, o que vimos hoje em Andorra pode ser um aviso. Um grupo de jogadores tecnicamente muito evoluído viu-se e desejou-se para levar de vencida uma equipa quase exclusivamente constituida por semi-profissionais. E nada teve a ver com a qualidade dos Andorrenhos (que cá foram goleados), teve sim a ver com a dificuldade em jogar num relvado a brincar e com o receio de lesões.

Preparemo-nos, pois, para sofrer em Oleiros.

À atenção também de Jorge Jesus, que deve colocar gente que se adapte facilmente a tal piso.

 

Quanto à selecção, é fazer o que se lhe exige, na quarta-feira: GANHAR!

Uma selecção de cromos

Pegando neste post de Pedro Correia e na minha caderneta de cromos da Panini (Liga Nos 2017/2018) vamos então a uma selecção alternativa; atenção que as definições dos jogadores são da inteira responsabilidade dos criativos, muito criativos a maior parte das vezes, da Panini.

Bruno Varela; seguro e atento entre os postes e determinado e veloz nas saídas.

Nélson Semedo; energia inesgotável, processos simples e voraz apetite atacante

José Fonte; porte atlético, poderio nas jogadas aéreas e compenetração a marcar

André Almeida, brioso, concentrado e carismático, fecha o corredor direito à chave

Fábio Coentrão, pé esquerdo requintado e condutor de muito e bom futebol leonino

Renato Sanches, um guerreiro de incontido espírito ganhador, verticaliza o jogo

André Gomes, retumbantes dotes no tratamento do esférico e qualidade de passe

Gonçalo Guedes, veloz com e sem bola, pressionante, concreto e de temível disparo

Bernardo Silva, um sobredotado humilde e com magia na hora de isolar colegas

Pizzi, mima a bola, desconcerta no drible e "inventa" passes de golo certo

Seferovic, em permanente movimento desmarca-se com classe e é matador

Nota: Estava limitado a utilizar jogadores (com ligação actual ou passada às "papoilas saltitantes") referenciados no "Top Aquisições" e no "Portugal Top Stars" [sim, para quem escreveu a prosa deliciosa que tiveram oportunidade de ler acima, o "guerreiro incontido" e o que "fecha o corredor direito à chave" fazem parte dos melhores dos melhores, Top Stars, Renato Sanches e André Almeida].

Como não consegui reunir onze jogadores portugueses inclui o avançado suiço num post futuro explicarei a razão.

O qué queu explico? Fale com o Fernando Santos

Para contextualizarmos o título do "post" recuemos ao Mundial 2010.

Nesse Mundial, Ronaldo (como agora) não marcou nenhum penalty e fomos eliminados (tal como agora).

A culpa foi do Carlos.

Agora terá sido do Fernando?

Factos:

1. A selecção portuguesa não venceu nenhum jogo nos 90 minutos contra selecções que se tenham apurado, dentro do campo, para disputar a Taça das Confederações.

2. A selecção portuguesa foi, escandalosamente, beneficiada pelas arbitragens+vídeo árbitro, tanto no jogo com o Chile, como neste jogo com o México (parecia o "cólinho" a que o Benfica está habituado).

3. Em seis tentativas para converter penalties acertámos dois.

4. Continuámos a entrar em campo para conseguir um empate (tal como fizemos em França).

Haverá futuro para esta selecção orientada por Fernando Santos?

Vamos assistir ao Mundial 2018 pela televisão a apoiar selecções como a da Suiça, a da França, a dos Estados Unidos ou a do Brasil, onde temos muitos emigrantes, pois Fernando Santos e os seus apaniguados, estão sentados no sofá ao nosso lado? 

Recado ao presidente da MAG, Jaime Marta Soares

Caro consócio, antes de mais a minha solidariedade pela ameaça à sua integridade física e pela agressão verbal e intimidatória de que foi alvo no estádio alugado pela federação portuguesa de futebol para a realização do jogo de qualificação para o Mundial, no passado Sábado, 25.

Se graves eram já os acontecimentos, eles são tão mais graves porquanto o caro consócio exerce, por legítima vontade dos demais associados do Sporting Clube de Portugal, o honroso cargo de Presidente da Mesa da Assembleia Geral.

Sendo públicas as agressões de que foi alvo, terá cada um de nós, sócios e por extensão cidadãos, o dever de as denunciar às autoridades, se estas não tiverem agido em conformidade com a legislação em vigor e que é a de informar as autoridades judiciais acerca de acontecimentos tão graves e lesivos da sua integridade física e moral, que nos atingem a todos, que o caro PMAG representa e que são mais de 150.000.

Vivendo num país onde a impunidade impera infelizmente, e nomeadamente no que ao futebol e demais desportos diz respeito, o meu conselho, meu caro consócio, é que estando muito dentro do prazo legalmente concedido, exerça o seu direito de ofendido e proceda a queixa-crime contra os energúmenos que tão cobarde e insidiosamente o ofenderam. Eles estão claramente identificados.

Não se trata de ser queixinhas, caro Marta Soares. Sabemos que irá dar em nada, mas é um elementar exercício de cidadania.

 

Saudações Leoninas

 

Faz tão bem!

O jogo de ontem não foi transmitido pela RTP internacional, mas felizmente houve um canal alemão que o fez: o RTL Nitro. Nunca a seleção portuguesa teve este estatuto e faz muito bem ouvir o comentador alemão Markus Kavka referir-se aos nossos jogadores como "os campeões europeus", ou "a seleção campeã da Europa".


É certo que, apesar de uma certa força inicial, os húngaros se tornaram inofensivos, depois de sofrerem os dois primeiros golos, mas é igualmente isso que define uma boa equipa: Portugal dominou o jogo. Markus Kavka fartou-se de nos elogiar. Portugal jogou como se estivesse destinado a voos mais altos.
Esperemos que sim!

A angústia do árbitro perante o golo

Hoje, dia de jogo da nossa seleção, aproveito para falar de um antigo árbitro da FIFA: o suíço Urs Meier (eu já explico a ligação). É muito conhecido na Alemanha, já que, depois de terminada essa sua carreira, em 2004, inciou uma outra, como comentador do canal ZDF, ao lado de Jürgen Klopp (o famoso treinador do Dortmund, que está, neste momento, em Liverpool) e, por vezes, Franz Beckenbauer. Enquanto Jürgen Klopp analisava o desmpenho das equipas, Urs Meier funcionava como expert de arbitragem.

 

Du Bist Die Entscheidung.jpg

 

Recentemente, o suíço surpreendeu ao publicar um livro de auto-ajuda, com o título: TU és a decisão - agir rapida e resolutamente (tradução minha e literal do alemão). Urs Meier baseia-se na sua experiência como árbitro de futebol e defende a tese de que devemos confiar mais no nosso sexto sentido. O primeiro capítulo intitula-se precisamente: "Como usar a intuição numa decisão" e inicia-se assim:

 

"Quartos-de-final do Campeonato Europeu de 2004. Minuto 89 do jogo Inglaterra contra Portugal. 1:1 no marcador."

 

Urs Meier enche quatro (!) páginas (as primeiras deste livro) com esse minuto 89, em que ele assinalou uma falta contra Portugal, da qual resultou um golo de Campbell. O árbitro suíço anulou esse golo, porporcionando assim que Portugal passasse à meia-final por penáltis. Foi uma das piores decisões da sua vida, diz ele, porque, apesar de realmente ter havido uma falta de John Terry sobre o nosso guarda-redes Ricardo, ele não a viu! Confessa que estava em má posição e a confusão na grande área portuguesa era enorme, numa amálgama de vinte jogadores. Mesmo assim, ele quebrou uma regra dos árbitros que diz "só apitar o que se vê" e anulou o golo! Baseado na sua intuição! Quando a bola entrou na baliza e os ingleses festejavam, enquanto os portugueses reclamavam desesperados, Urs Meier notou que John Terry, em vez de se juntar ao regozijo dos seus colegas, olhou para ele. E a sua intuição disse-lhe: se o jogador olha para mim, numa altura destas, é porque tem a consciência pesada. E anulou o golo apenas baseado nisso.

 

Mais tarde, o vídeo do lance provou que houve falta. Mas também provou que era impossível Urs Meier tê-la visto. O árbitro teve problemas com a FIFA, um jornal inglês divulgou o seu endereço eletrónico e ele recebeu 16 000 emails de protesto, ameaças de morte inclusive. Deu por terminada a sua carreira ainda nesse ano.

 

Urs Meier proporcionou a primeira final portuguesa num Campeonato da Europa. E o minuto 89 do jogo entre Portugal e a Inglaterra fica eternizado e descrito ao pormenor neste seu livro.

Evidências

Não é só A Bola, Pedro! A RTP também entra no jogo.

 

Ontem, Pizzi veio garantir, em conferência de imprensa, que os jogadores do Benfica vão colaborar com os jogadores do Porto nos jogos da seleção, mesmo estando o derby à vista!

 

Como?

É preciso vir garantir uma coisa dessas perante os jornalistas? E é notícia de Telejornal?!

 

Pois foi com esta não-notícia que o serviço público de televisão, no seu principal noticiário, se referiu ontem aos jogos da nossa equipa de todos, dando largos minutos de tempo de antena a Pizzi e às suas bombásticas declarações.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D