Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Wendel, o “soldado 20 mil milhões” na frente Leste

21918884_HgUbP.jpeg

 

Sabem vossas excelências porque é que a SAD do Sporting teve de fazer uma rectificação do comunicado da venda do passe de Wendel que enviou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários?
Cheguei a temer que a comissão paga se tivesse multiplicado em questão de minutos, que os 20,3 milhões de euros viesse encolhido ou que se tivessem equivocado na grafia do nome do internacional olímpico brasileiro, mais um dos jogadores de valor que partem depois de se terem recusado a aderir ao “toca a rescindir” no pós-ataque a Alcochete.
Nada disso. Pura e simplesmente, em mais uma demonstração de incompetência gritante, enganaram-se no número de casas decimais, pelo que o montante pago pelo Zenit ascendia a 20,3 mil milhões de euros...

Palavras para quê, são artistas portugueses.

Sonho de uma noite de Verão

Ontem, como milhões de pessoas no Mundo inteiro, assisti à final da Liga dos Campeões disputada no nosso país, ali naquele estádio junto ao Colombo.

Frente a frente dois conceitos de clube completamente antagónicos: O Bayern de Munique um clube dos sócios, há muito dirigido por ex-jogadores (deve ser coisa quase inédita no mundo do futebol), agora por Karl-Heinz Rummeningge e antes por Franz Beckenbauer e o Paris Saint-Germain, propriedade de um magnata do Qatar, que diziam os papagaios da TVI ter investido nos últimos anos 1,2 mil milhões de Euros em aquisições (alô fair-play financeiro!).

Nem sempre se pode ganhar por oito golos e mesmo que os golos sejam o sal do jogo, a final de ontem pareceu-me muito bem disputada, principalmente até ao golo dos alemães, curiosamente marcado por um miúdo que começou nos franceses, pelo qual foi duas vezes campeão, até. Depois disso, veio ao de cima o factor "equipa" do Bayern, e foi por aí abaixo o factor "conjunto" do PSG, que passou a praticar um futebol desgarrado, à procura do milagre Neymar que não apareceu.

Ganhou quem eu gostava que ganhasse. Não por ter uma simpatia por aí além com os bávaros, mas porque plasmam o que eu entendo dever ser um clube de futebol, nesta época mercantilista e da ditadura do dinheiro associada ao desporto. Um clube detido pelos sócios, terá sempre mais "um bocadinho assim" de energia na hora da verdade, porque a força dos seus associados está também lá dentro, onde os onze lutam pelo emblema. E porque o futebol é paixão e por uma questão de princípio, não me estou a ver um dia a torcer por um clube propriedade dum fulano qualquer, ou duma sociedade por quotas qualquer.

Chegámos ao ponto: Adormecida com a época das contratações, que desta vez foram cautelosas e aparentemente acertadas, que isto sendo como os melões, há sempre uma probabilidade de dar certo e bem se os contratados não forem cromos do catálogo de um qualquer fornecedor e sim analizados por quem vai trabalhar com eles, adormecida, dizia eu, está a venda da maioria do capital da SAD do Sporting a investidores. A coisa por cá, com vários exemplos atrozes, não tem dado certo e como não estou a ver um Xeique do Qatar ou das vizinhanças que gaste o mesmo que o do PSG no Sporting, a venda do capital, tida por uns como inevitável, por outros como necessária e por outros vital para a sobrevivência do clube, não será mais que, salvo as devidas proporções, criar um PSG em Lisboa que precisou de mais de 400 jogos na era "qatarense" para chegar à final da LC (numa situação muito especial de pandemia), para a perder de forma clara para um clube poderoso. Já havia passado os "quartos" com alguma felicidade, no tempo suplementar. Tem ganho a nível interno, os factos demonstram-no, é inegável, mas será caso para perguntar a que custo. A sua superioridade evidente entre portas, ter-lhe-á retirado a competitividade e a rotina de enfrentar equipas da sua igualha e a questão que se coloca é esta mesmo: Haverá necessidade de gastar tanto dinheiro, "apenas" para ganhar campeonatos? Não será essa "gastança" uma necessidade de fazer rodar dinheiro com objectivos pouco claros a que inevitavelmente o nome do Sporting estaria associado, não apenas a comissões pagas a um sem número de abutres que pairam sobre o futebol, mas a lavagem de dinheiro oriundo de actividades ilícitas, algumas de crimes de sangue?

O PSG contorna o problema do fair play financeiro com pagamentos "em géneros", tanto nas transferências como nos vencimentos aos jogadores, numa manobra que de transparente não tem absolutamente nada. Eu não quero isto para o Sporting, porque para aqueles que defendem a venda da SAD, se não for para ganhar sempre como ganha o PSG, para quê então? Não, eu prefiro continuar a ter a ilusão (sim, nos tempos que correm é apenas ilusão dos sócios pensarem que mandam no clube, mas podem a qualquer momento decidir mandar, podem fazê-lo) de que posso contribuir para que o clube (por consequência a SAD detida maioritariamente por ele) seja uma entidade de bem.

E como é Verão e o tempo vai estando agradável, sonhar que um dia o clube tem dinheiro para pagar aos investidores privados e compre o capital da SAD que anda disperso e feche a porta da sociedade, assumindo-se como um Bayern! Sonhar não custa, pois não?

O prémio pela extraordinária época

Em Outubro de 2019 levantou grande celeuma uma proposta de um significativo aumento da remuneração dos administradores da SAD do Sporting. 

Na altura foram os próprios accionistas da SAD que escreveram ao presidente da mesa da assembleia da SAD a questionar a oportunidade daquele aumento. A proposta não foi retirada e foi mesmo aprovada pela maioria dos accionistas da SAD. Salgado Zenha na altura, vendo toda a controvérsia que existiu, veio logo informar que embora aprovado este grande aumento das remunerações da administração, tinham decidido suspender por uma época estes aumentos.

Pois bem, a época terminou e não havendo qualquer outra novidade, a partir deste mês de Julho a administração da SAD foi recompensada, e bem recompensada, por esta extraordinária época.

Assim, no meio de todas as notícias sobre incumprimentos com terceiros, que arrastam o bom nome do nosso clube para a lama, a administração da SAD vai a partir deste mês ter as suas contas mais compostas, premiando deste modo a excelente gestão que foi feita ao longo desta extraordinária época. 

É este o Sporting que hoje temos. É esta direcção que está na frente dos destinos do nosso clube. Que aceita este aumento salarial depois de uma das piores épocas de que há memória.

 

 

Revelação em Espanha

domingos-duarte-granada-cf-1590760073-40021.jpg

Leio que Domingos Duarte, antigo jogador do Sporting, foi eleito para a equipa revelação da I Liga espanhola. Saúdo o facto, dada a simpatia que voto aos jogadores formados no clube. E não venho contestar a sua transferência. Por vezes os jogadores jovens saem porque não se prevê a sua utilização ou por necessidades de tesouraria ou porque assim o exigem, ou pressionam. Julgo saber que Duarte saiu por decisão interna. Legítima e nada dolosa, ainda que a possamos resmungar. No entanto também é possível que se Duarte tivesse ficado no plantel não se tivesse desenvolvido tanto, "tapado" por uma consistente e experiente parelha de defesas-centrais titulares e por um suplente de excelente currículo.

Venho saudar o facto também por outra ideia. Abaixo fui lembrando que nem todos os jogadores da formação cabem no plantel sénior, algo defendido pelo treinador La Palice. Mas também esta prática de fazer dos clubes uma placa giratória de jogadores é economicamente catastrófica. É uma deriva que implica dispensar jogadores da formação que podendo não ser Ronaldos ou Figos caberiam perfeitamente nos plantéis, seriam mais baratos - independentemente das remunerações, pois não haveria comissões e licenças desportivas a pagar.  E lembro dois jogadores que este ano foram notícia, Daniel Carriço e Wilson Eduardo, pois terminaram contratos de longa duração com as equipas para as quais se transferiram do Sporting. Sobre ambos correu o parecer colectivo de que "não eram jogadores para o Sporting". Carriço por razões de altura, perfeitamente estapafúrdias como o seu percurso posterior veio a demonstrar. Ambos são excelentes jogadores, muito melhores do que imensos contratados nos últimos anos. Teriam sido importantes para o clube. Isso poderá ser uma lição sobre como enquadrar estes novos jogadores. Não lhes exigir genialidade, titularidades absolutas. Mas perceber que, mesmo não tendo uma excepcional qualidade, será melhor integrá-los do que ir contratar fogos fátuos ...

Já agora, outro assunto: a trapalhada que acontece no Aves, que vem no seguimento do que se tem passado em vários outros clubes que independentizaram as suas "SAD"'s, mostra bem os riscos dessa suicidária opção. Também aqui o referi. Tenhamos muito cuidado com os defensores dessa opção, que nos vendem a ideia de que é o único caminho para o sucesso na bola. Alguns serão meros aldrabões, interesseiros na pilhagem do património espiritual do clube. Outros são bem-intencionados. Estes últimos são os piores, pois, como é consabido, são sempre agentes do demo.

Mais um clube ao fundo

Para os defensores da venda da maioria da SAD a um investidor, este final de campeonato não está a correr nada bem.

O Desportivo das Aves viu os donos da sua SAD fazer tudo o que podiam para que a equipa não dispute os últimos jogos desta liga. Esta situação surreal, em que os acionistas de uma SAD em sérias dificuldades financeiras, tudo fazem para a liquidar de vez, acontece em Portugal e não é caso único. Já existe uma longa lista de clubes que cederam a maioria do capital da sua SAD e que depois resulta no final da ligação da SAD com o clube, ou que leva mesmo o clube a descer aos distritais para de novo começar o caminho das pedras.

É sabido que os investidores que surgem a acenar com notas a clubes desesperados não estão, no fundo, muito interessados no real sucesso desportivo a longo prazo. Falamos de investidores obscuros, de quem nada ou pouco se sabe. O fim tem sido sempre o mesmo, separação litigiosa do clube, dívidas, falências, rescisões de contratos, salários em atraso.

O caso do Aves é o mais recente, não será o último. Foi um clube que não se importou de servir os interesses do Benfica, acolhendo jogadores supostamente vendidos, mas que depois de documentos apreendidos em casa da mãe de um dos seus dirigentes, foi descoberto que as vendas não eram bem vendas. Adulterou-se assim a verdade desportiva de uma competição, com jogadores que pela lei em vigor estavam impedidos de jogar contra o Benfica, a fazerem-no. E foram estes dirigentes, que aceitaram estas condições para o seu próprio clube que foram os responsáveis pela actual situação. Penso que já não há qualquer dúvida que resta ao clube Desportivo das Aves o mesmo caminho do Belenenses. Começar lá em baixo. Pelo meio há uma SAD, ou o que resta dela à venda, por 5 milhões de euros, que são a totalidade das dívidas. Aguardam mais um “investidor”.

Uma das equipas revelação desta época foi o Famalicão, cuja sad também não pertence ao clube. Ainda está, tal como a maioria dos clubes que optaram por esta via esteve, a viver a euforia da chegada de dinheiro fresco, de jogadores com um custo claramente acima das reais possibilidades de um clube da dimensão do Famalicão. A história diz-nos como vai acabar esta parceria do Famalicão.

No meio desta dimensão de casos, olhamos atónitos para o silêncio da Federação Portuguesa de Futebol e da Liga. Se se verificar a não comparência do Desportivo das Aves nos dois últimos jogos do campeonato, os dirigentes da Liga devem de imediato pedir a demissão e não voltar a pensar em ocupar qualquer cargo no dirigismo desportivo nacional. É inacreditável que seja possível num campeonato profissional de futebol que esta situação ocorra e de forma corrente.

Quando o clube Os Belenenses chegar à primeira liga e por cá ainda estiver o Belenenses SAD, como vai a liga descalçar esta bota? O mais certo é ignorar e fazer de conta que sempre foram clubes diferentes.

É este o estado do futebol português.

 

It´s the football, stupid (adaptado de James Carville, 1992)

xSportingTaça.jpg

 

Faz-me alguma confusão que alguns Sportinguistas, se calhar ainda a pensar nos tempos de João Rocha, continuem a não entender que o futebol é a mola real do clube, que não existe futuro digno sem uma equipa que consiga disputar com os dois rivais os títulos, as Taças e o acesso à Champions, que nos tempos que correm qualquer proposta que seja desistir desse confronto, desinvestir, e vender uma fórmula conformista aos sócios e adeptos está condenada ao insucesso.

Despedindo Silas e contratando Amorim pelo balúrdio que se conhece, obviamente também como uma pandemia à mistura, Frederico Varandas passou em pouco tempo de presidente contestado à beira da demissão e em vias de sair de Alvalade pela porta dos fundos, para possível candidato à reeleição. As claques ressabiadas e desmamadas meteram a viola no saco, os brunistas como Alexandre Godinho ficaram com sensações agridoces, os outros candidatos ou não existem ou como Nuno Sousa já perceberam isso mesmo e iniciaram a sua maratona. Obviamente também tudo isto irá mudar se os resultados voltarem a ser o que foram com Silas.

No sentido inverso, foi também devido ao futebol e não a outra coisa qualquer que Bruno de Carvalho passou em poucos meses de presidente eleito por mais de 90% dos votos para sócio expulso por mais de 70% dos mesmos. Nesse caso a exponencial de investimento esbarrou na incapacidade do treinador (numa relação promíscua com o presidente do clube rival) traduzir isso em títulos, e deu na guerra que deu, com o desfecho conhecido.

Também por causa do futebol esse mesmo presidente lá no clube dele passou de repente de "dono daquilo tudo" para um dirigente contestado, com orçamento chumbado e a reeleição em risco.

E lá pelo Porto, o presidente vitalício Pinto da Costa, perdendo aqui ou ali, e tendo as finanças do Porto num poço sem fundo e património reduzido ao mínimo, lá continua de pedra e cal. Ninguém esquece o que o clube ganhava antes dele no futebol e o que passou a ganhar com ele, incluindo títulos europeus. E o que continua a ganhar, como vai ser este ano mais uma vez o caso. 

Então, muito mais que as finanças, muito mais que o património, muito mais que o ecletismo, muito mais que as modalidades de pavilhão, o futebol é a mola real dos três grandes clubes de Portugal. Com o futebol a ter sucesso, o estádio enche, a base de sócios aumenta, novos adeptos se criam, as crianças aderem, o clube pode ter maior orçamento para estimular o ecletismo e ter modalidades de pavilhão competitivas. 

E o futebol no Sporting tem que querer dizer formação. Mas para transformar a formação em sucesso desportivo e financeiro, é necessário implementar uma cultura de excelência a nível técnico, estrutural e metodológico, uma aposta na prospecção, recrutamento, formação, retenção e venda de talento jovem nacional e estrangeiro, e uma escolha criteriosa de jogadores experientes e consagrados que venham fazer a diferença desportivamente e ajudem na evolução dos jovens. Dito doutra forma: ter bons colchões, mas ter ainda melhor capital humano lá deitado. 

Só depois disso vem a questão do financiamento e do modelo de propriedade da SAD. Francamente ainda não me explicaram as vantagens do Sporting ceder a sua posição maioritária a um investidor qualquer, abundam os exemplos de conflito de interesses dos donos com os clubes e o consequente afastamento dos sócios. Se olharmos para outros sectores, casos como a TAP, a EDP ou a Altice demonstram a dificuldade de conciliar o interesse público com o privado. 

Mas obviamente que terão de ser encontradas formas de financiamento da actividade da SAD que não passem pela venda precoce do talento existente e que permitam mais e muitos mais momentos como o retratado na foto.

SL

Sporting, Sad, Maioria e Investidor

Muito se tem falado nos últimos tempos sobre a questão da perda ou não da maioria do capital da SAD pelo clube.

Importa primeiro esclarecer que o Sporting clube não detém, directamente, a maioria do capital da SAD. Quando se fala em perder a maioria do capital da SAD, está se a falar não da maioria das acções mas sim da cedência, pelo Clube, da prerrogativa de apenas este e só este, poder deter acções preferenciais de categoria A. Esta acções, que actualmente representam 26,656% do capital da SAD, dão ao Sporting Clube o poder de veto em determinadas matérias, consideradas vitais para o clube, o poder de nomear um elemento da administração da SAD, os outros são eleitos em AG da SAD e o poder de veto, deste elemento, na eleição dos outros elementos da administração da SAD. Esta protecção, em vigor, permite ao clube controlar os destinos da SAD e do futebol profissional. Actualmente já temos um investidor, a Holdimo, que detém 29,851% do capital da SAD e tem um representante na administração, Nuno Correia da Silva, administrador não executivo.

Em 2026 vão vencer as famosas VMOC´S. Se o Sporting Clube não adquirir estas acções, conforme está estipulado no acordo efectuado com as entidades bancárias, a percentagem que deterá do capital social da SAD irá diminuir, mas não o seu poder de veto e nomeação por via das acções de categoria A que, reforço, pelos estatutos em vigor, apenas o clube pode deter. Assim, em tese, o clube até poderia ter apenas 1 acção da SAD e não veria os seus poderes e direitos diminuídos.

O Sporting clube só perderá este direito especial que detém na SAD se os estatutos da mesma forem alterados e para isso é obrigatório que o clube, os seus dirigentes, obtenham esse mandato em assembleia do clube. Está assim na mão dos sócios.

Agora sobre o investidor, ou a entrada de novos investidores.

Os defensores da entrada de novos investidores na SAD argumentam, entre outras considerações, que apenas com um reforço do capital da SAD, a entrada de gestores profissionais, com outra experiência na gestão de grandes empresas, é que será possível voltar a ter contas equilibradas e por isso, ou também, conseguir ganhar títulos no futebol profissional.

Importa aqui realçar alguns pontos que julgo importantes.

O Sporting, pelo menos desde a entrada de José Roquette e do seu famoso projecto (foi na sua presidência que se criou a SAD) que é dirigido por gestores profissionais. Temos tido na direcção do nosso clube e da SAD gestores profissionais, detentores de empresas e na sua maioria administradores de empresas privadas. Assim, não vejo que seja relevante a entrada de um novo investidor para que cheguem ao Sporting gestores profissionais. O que precisamos, isso sim, é de uma nova política desportiva e financeira. São coisas diferentes.

Com a entrada de um investidor, o que se espera, pela perda de controlo da sociedade, é um retorno financeiro, isto é, entrada de capital.

Neste momento, de acordo com o último relatório de Maio de 2020 a SAD tem um passivo corrente e não corrente, superior a 300 milhões de euros.

É isto que actualmente temos para oferecer a um investidor. Uma dívida gigantesca. Numa eventual negociação, com este passivo, quais seriam os argumentos que o Sporting clube teria para conseguir convencer um investidor a colocar capital na SAD? Será este cenário atractivo para quem tem disponibilidade financeira para investir? Quanto vale hoje a nossa SAD com mais de 300 milhões de passivos? Podemos argumentar que em causa está o maior clube de Portugal. Mas tal não é verdade, neste caso, pois aqui apenas estamos a ceder a nossa posição na SAD que controla o futebol profissional. A formação é do clube (até aos 16 anos), os sócios são do clube, as modalidades são do clube, o estádio, embora com o direito de superfície da SAD, e o pavilhão são do clube. O que temos para “oferecer” é a equipa de futebol profissional, os sub-23, o futebol feminino e porventura a equipa B, toda a gestão destes activos. Sempre com os 300 milhões de passivos. Parece-me óbvio que estamos em clara desvantagem negocial nas condições actuais.

Mas, imaginando que apareceria algum investidor interessado em entrar para o capital da SAD, o que aconteceria ao dinheiro investido? Serviria principalmente para diminuir o passivo de 300 milhões actual. Assim o cenário seria: Sporting clube sem o controlo da SAD do futebol profissional, a SAD sem dinheiro para investir e com o passivo reduzido. O mais sensato será sempre, se se optar pela venda do controlo da SAD, fazê-lo apenas com uma sociedade com saúde financeira, podendo nessa altura encaixar um valor muito mais significativo com a alienação pretendida. Porque no presente, sejamos honestos, um valor aceitável pelo controlo da SAD seria 1€.

Depois levanta-se a questão sobre o tipo de investidor. Qual seria na perspetiva do Sporting clube o investidor ideal? O histórico do investimento em clubes e sad´s, na Europa em particular, leva-nos a concluir que a maioria dos investidores são pessoas totalmente estranhas ao fenómeno desportivo em si. É isto que queremos? Qual o nosso interesse em ter alguém a controlar o futebol profissional do Sporting sem qualquer experiência em gestão desportiva? Queremos apostar no mesmo modelo  de gestão que nos trouxe até aqui?

O que precisamos mesmo é de alterar de forma definitiva a gestão desportiva do nosso clube. O que precisamos é de uma equipa que consiga gerir os destinos do clube e que entenda o que uma gestão rigorosa significa.

Somos 3.5 milhões de Sportinguistas.

Queremos perder o controlo do futebol profissional para quê?

A voz do leitor

«Não me choca o Sporting ceder a maioria da sua posição na SAD. Como em tudo na vida e até na morte, nem tudo é bom ou mau. Há exemplos de casos de sucesso, assim como existem maus exemplos. Há mais de 30 anos que somos mal governados, culpa em exclusivo dos sócios que são soberanos no que respeita ao destino do Sporting. Quem não se sabe governar muitas vezes tem que ceder a sua quota do negócio, sob pena desse mesmo negócio nem sequer subsistir.»

 

Balakov-Oceano, neste meu texto

Miserável gestão...

A concretizar-se a notícia avançada pela comunicação social que João Palhinha sairá do SCP após o final de época, estaremos em presença de mais um miserável acto de gestão da SAD, cuja responsabilidade será total e directamente imputada a Frederico Varandas.

O SCP está carenciado na posição 6, João Palhinha fez uma excelente época, o treinador Ruben Amorim conhece as potencialidades do jogador, pelo que o temos tudo a ganhar fazendo regressar o jogador a Alvalade. Concordo que todos os jogadores sejam negociáveis, mas sabendo que a venda no final da época implica o pagamento de 20% ao SCB, a entrada do jogador no plantel da próxima época representaria uma valorização imediata de 20% em caso de transferência no mercado de Inverno ou final da próxima época, evitando-se financiamento a rival directo. Mas ainda poderá ser pior, se descontadas as comissões para o empresário e percentual para o SCB, formos contratar refugo de fundo de catálogo a empresário amigo. E assim o plantel vai ficando cheio de entulho...

Gostaria também de saber as intenções dos dirigentes leoninos para Gelson Dala, Ivanildo e D. Bragança. Também são para continuar a emprestar? Ou servirem de moeda de troca nalgum negócio, que possibilite o ingresso de mais pinos no SCP? 

Os incompetentes que dirigem o clube podem até chegar a 2022, mas fiquem desde já com algumas certezas, não serão reeleitos com os meus votos em circunstância alguma. Até lá votarei contra o orçamento, qualquer que seja o mérito do documento. Se tentarem vender a SAD, votarei contra. Este mandato foi uma oportunidade perdida para reerguer o clube, miseravelmente apenas nos trazem agonia e angústia. Que 2022 chegue depressa...

SAD leonina: ceder ou não ceder?

Aos poucos, a ideia vai fazendo caminho. Já com defensores assumidos na mais destacada opinião leonina. E se a SAD do Sporting, perante as crescentes dificuldades de financiamento e de captação de receitas, se abrisse a capitais externos que suplantassem a actual maioria reservada ao próprio clube, blindada nos estatutos?

Entre os arautos dessa ideia, destacam-se nomeadamente os ex-dirigentes Tomás Froes e Carlos Barbosa da Cruz. O primeiro, em opinião ontem impressa no Record, retoma o assunto, nestes termos: «Defendo uma estratégia de venda qualificada a investidores nacionais com paixão sportinguista», garantindo haver «muitos empresários» portugueses - adeptos do Sporting - receptivos à ideia. Na sua perspectiva, só assim se conseguirá «fechar a porta a um qualquer especulador que aparecerá quando o clube não for capaz de aguentar o que aí vem.»

Henrique Monteiro, que integrou a Comissão de Fiscalização do Sporting no interregno que antecedeu o processo eleitoral de 2018, também já deixou claro, em artigo publicado no passado dia 14 n'A Bola: «A venda da maioria da SAD é coisa que parece ser obra do diabo para muitos sócios, mas o tempo ditará ser inelutável.»

 

A necessidade de implantar um modelo de gestão profissional com músculo financeiro num momento em que muitos clubes de futebol na Europa vêem a sua existência posta em causa devido à brutal queda de receitas por consequência da pandemia é invocada com insistência pelos defensores da mudança do actual modelo da Sociedade Anónima Desportiva do Sporting. Numa altura em que já circula a notícia de que o campeonato nacional de futebol deve perder o apoio financeiro da NOS, por aparente desinteresse deste patrocinador.

«A crise financeira, se não for travada, transforma-se na maior crise desportiva e social que alguma vez conhecemos. Se nas SAD de maior dimensão o problema afecta o presente e o futuro, nos mais pequenos pode significar o fim da linha. Se não forem criadas soluções rapidamente, tornar-se-ão moribundas e à mercê de qualquer predador mais ou menos escrupuloso», observou Nuno Correia da Silva - administrador não-executivo da SAD leonina, em representação da Holdimo - em texto publicado na edição de 1 de Maio do Record.

 

Este tema, estranhamente, esteve ausente da longa entrevista concedida anteontem pelo presidente do Sporting ao canal 11. Omissão difícil de entender, até porque tem suscitado opiniões muito acaloradas entre os adeptos leoninos.

Chegou a altura de apelar à participação dos nossos leitores, desafiando-vos a pronunciarem-se sobre esta questão. Deve ou não a maioria das acções da SAD passar a ser detida por investidores externos ao Clube, o que implicaria a revisão dos estatutos do Sporting? 

Prospecto de venda da SAD

Quatro pilares.

Pessoas; Estrutura; Sistemas de Suporte e Interacção com o Sócio.

É clara a intenção por parte desta direcção de continuar a cavalgar a onda da culpabilização alheia. Este pobre documento, hoje apresentado, demonstra-nos a incapacidade desta direcção. Ao fim de quase dois anos é aqui que estamos, num documento de 14 páginas em que para lá do folclore habitual desta direcção, ficamos a saber que vai ser desta. Não sabemos é o que é que vai ser. O documento - Visão estratégica para o futuro - traz-nos as ideias que esta direcção demorou quase dois anos a preparar. Ficamos a saber que as pessoas são importantes, devem ser retidos os talentos, e farão esta retenção dos melhores, por um processo holístico na transformação organizacional interna. Nem sei que diga a isto. Qualquer clube, qualquer empresa poderia ter esta visão. Os talentos? São para reter, claro. Como? através da nossa organização. Bem vindos à Varandas & Filhos, Lda., fazemos por medida.

Depois temos a Estrutura, a famosa estrutura. Era dela que Varandas falava, no início da época passada, sentado no meio do relvado do nosso estádio, e afirmava que esta época havia já uma estrutura sólida, silenciosa, que permitia almejar o sucesso. Afinal não havia, os reforços foram um flop, a equipa foi dizimada, os seus melhores jogadores foram vendidos e da formação apenas outros clubes puderam aproveitar. Bem, mas afinal parece que vai ser para o ano e ainda por cima uma estrutura eco-friendly. Sim, no prospecto de venda da sad a nossa estrutura aspira a ser eco-friendly. É óbvio que isto nada quer dizer, mas havia espaço em branco para preencher.

Vamos ao terceiro pilar, Sistemas de Suporte. Não, não pense que é aqui que entram os Sócios, ainda não. Aqui somos informados que vão implementar um software. É verdade, esta direcção considerou que a implementação de um software é um dos pilares do Sporting. Uma dica: não é a implementação do software que é o pilar, mas sim o modelo de gestão integrado, que um ERP permite. Não havendo um modelo integrado de gestão, um software de nada serve. 

Por fim temos os Sócios. Não é bem assim. Temos a interacção com o Sócio. Basicamente passámos a clientes do nosso clube. Bem sei que sim, o somos de certa forma. Somos aqueles para quem, em teoria, a direcção trabalha. Mas o conceito de interacção diz-nos muito. Diz-nos que de sócios, passámos a experiências. Vamos experimentar, ser experimentados.

Isto está na página 1 do prospecto de venda da SAD. As outras 13 páginas não passam de exercícios de mitómanos, distorcendo a realidade a seu favor.

Precisamos urgentemente de parar isto. 

Precisamos urgentemente de salvar o nosso clube.

Precisamos urgentemente de Ser Sporting.

 

Modelo Presidencialista - Miguel Poiares Maduro

Na sequência do texto que confrontou duas propostas de gestão do Clube/SAD, a de Tomás Froes e a de Pedro Azevedo, apresento-vos, hoje, excertos de um modelo defendido por Miguel Poiares Maduro (artigo de opinião publicado no Record). Entende que o modelo que propõe pode e deve exceder a realidade do Clube e alargar-se à própria gestão do futebol português.

«Qual é a probabilidade de encontrar nos associados do clube uma equipa altamente profissional de gestão desportiva? Nós somos apaixonados pelo clube mas poucos são profissionais de gestão desportiva.» 

«Devem ser eleições para escolher quem melhor representa os associados na escolha da gestão da SAD (e no clube onde isso também seja necessário). Desta forma alargamos substancialmente o campo de recrutamento para escolher os melhores (nacionais ou estrangeiros).»

«A concentração de poderes (na figura do presidente) que o atual modelo promove limita fortemente os instrumentos de escrutínio, responsabilização e controlo de poder. Dá-se o poder absoluto durante o seu mandato.»

«É verdade que outros têm tido vitórias com tais modelos, mas com duas características: a criação de cultos de personalidade, independentemente do que faça para vencer; a eternização no poder e a perda de controlo sobre o que se passa dentro do clube. Na prática, teme-se a venda do clube mas, depois, dá-se de graça a alguns para porem e disporem…»

«O modelo que defendo permite e exige ainda a criação adicional de um conjunto de princípios de bom governo interno: limitação de mandatos; controlos de integridade para os titulares dos órgãos sociais e os gestores da SAD; declaração de interesses e de património e controlo dos conflitos de interesse; código de conduta para dirigentes, atletas e funcionários do clube; promoção da transparência, desde a situação financeira e contratações de jogadores aos concursos para funcionários e prestações de serviços; uma unidade de ‘compliance’ e uma comissão independente de ética no clube que monitorize estas diferentes dimensões (separando as funções do Conselho Fiscal e Disciplinar).»

«Num clube com a cultura certa de gestão estas diferentes dimensões são não apenas necessárias como se alimentam mutuamente. É essa cultura que temos de promover.»

«Se passarmos a escolher quem nos representa em vez de escolhermos o ‘Imperador’ do Sporting retiramos boa parte dos incentivos perversos que fraturam o clube.»

«Esta semana tivemos um debate de qualidade entre o Tomás Froes e o Samuel Almeida iniciado nas páginas do Record. Eu estou mais de acordo com o Samuel [1], mas reconheço que ambos querem o melhor para o Sporting.»

«(…) temos de retirar o ‘Santo Graal’ do poder absoluto à presidência. Quem for eleito deve antes de mais moderar várias sensibilidades numa proposta aos sócios de um modelo de gestão profissional e na escolha dos gestores que o irão implementar. Não precisamos de mais dirigentes arrogantes mas sim de quem conheça os limites do que sabe. Não precisamos de quem queira mandar na SAD, mas de quem esteja disposto a representar os sportinguistas na escolha dos profissionais que a irão gerir.»

WhatsApp Image 2020-05-12 at 16.34.54.jpeg

Imagem: Record

[1] Está contra a venda da maioria da SAD.

Ser Sporting. Terra queimada...

Anda por aí um grupo de sócios do Sporting, a reboque desta pandemia que veio pôr a nu que as contas da SAD estão também elas de pantanas, que pensou apanhar os sócios preocupados com a sua saudinha e vai daí toca de lançar a ideia de que a solução milagrosa é vender a maioria do capital da sociedade, para a salvar e para salvar o clube. Ora bem, o clube, se forte nas modalidades, gerará certamente receita que baste para se manter, estando portanto o problema da saúde financeira do clube resolvida, o dinheirinho das quotas continuará a pingar.

Já quanto à sociedade, com o enorme passivo que tem e que se prevê que piore, a ver pela amostra dos últimos meses e das ameaças que quase diariamente saem nos jornais (o affaire João Palhinha foi o mais recente), é terreno que cativa a sementeira de dinheiros que costumam brotar do meio de nenhures e florir entusiasticamente com cheiro a lavadinho. Dispenso! Dispenso a venda da SAD, quero é que quem vier rapidamente substituir Frederico Varandas seja de boas contas e que tenha um projecto decente, capacitado com gente honesta e "trabalhadeira", isso sim, um futuro que será difícil porque se parte do inferno, mas com um objectivo claro: o saneamento financeiro da SAD sem perda da competitividade mínima. Competitividade que passa pela exigência de transparência dentro e também, com a mesma veemência, fora de portas. Não vale a pena, não sejamos ingénuos (ficou demonstrado no primeiro ano de Jorge Jesus), mesmo com as contas limpinhas e a casa arrumada, só seremos competitivos se conseguirmos dar a volta ao futebol português, doutra forma não iremos lá ou só lá chegaremos por mero acaso.

Não, vender a maioria do capital da SAD, é capitular perante o inimigo. É entregar o ouro ao bandido, é vender ao desbarato um activo com um capital incalculável.

E não, não é inocente esta tomada de posição. Todos sabemos quem são e o que fizeram e como fizeram quando por eles próprios ou por interpostas pessoas estiveram à frente dos destinos do clube.

Não gosto de estigmatizar e dividir os sportinguistas em "castas", mas que há uma enorme mão-cheia de associados e adeptos do Sporting que muito contribuiram e continuam a contribuir para este estado de coisas e a pobreza franciscana em que estamos, disso não tenho qualquer dúvida. Agora "acham" que será bom vender a maioria da SAD. Todos sabemos quem são, todos sabemos o que pretendem...

Chico-espertice de eficácia duvidosa...

Não pagamos seja a quem for, parece ser a divisa actual do SCP. A fazer lembrar perigosamente os tempos que vivemos na presidência de Jorge Gonçalves e que os rivais também experimentaram com Vale e Azevedo. Para já o caso Bruno Fernandes segue para a FIFA após queixa da Sampdória, veremos o que acontece, mas desde já manifesto o meu desagrado pelo estilo caloteiro que não se coadugna com a história do Sporting Clube de Portugal. 

Divagações em tempo de quarentena (7 e... última)

21793952_wbiGf[1].jpg

 

Apesar das duas taças ganhas no primeiro ano de mandato aos rivais directos, uma das críticas recorrentes a Frederico Varandas é a falta de competência demonstrada por si e pela sua equipa na gestão da SAD e do futebol profissional.

Uma “equipa de estagiários”, como dizia Ricciardi, todos (Salgado Zenha, Miguel Cal, Hugo Viana, Beto) mais ou menos da idade do presidente e com notória falta de experiência e curriculum para os lugares que ocupam.

Aliás a mesma coisa acontecia já com a equipa de Bruno de Carvalho (Carlos Vieira, Rui Caeiro, André Geraldes).

E realmente, quando olhamos para as SADs dos rivais vemos gente com outro “peso”, por exemplo Domingos Soares de Oliveira no Benfica, e SADs a gastar muito mais em salários mas também a ter profissionais de outro calibre.

Sendo uma SAD uma sociedade cotada em bolsa da qual o Sporting Clube de Portugal é sócio maioritário, pode-se de facto questionar como é que os investidores privados aceitam que a gestão do seu investimento seja confiada a gestores inexperientes eleitos pelos sócios do clube, correndo o risco de serem hostilizados ou verem os activos da sociedade serem maltratados ou assaltados sem nada poder fazer em sua defesa. Ou como é que o Sporting pode atrair novos e melhores investidores com uma SAD a funcionar desta forma.

Não tendo nada que ver com o que se passa em Inglaterra, onde os clubes históricos deram lugar a empresas com donos, existe um pouco de tudo em Portugal, desde SADs puramente instrumentais nas mãos dum presidente de clube “histórico”, àquelas em que o clube perdeu o poder de gestão da mesma (ex: Tondela, Portimonense) por incapacidade financeira. Algumas entraram mesmo em colisão com o clube original, como a do Belenenses e agora parece acontecer com a do Aves.

Não é isso no meu entender o que queremos para o Sporting. Queremos uma SAD que o clube efectivamente controle, por maioria absoluta ou qualificada, de forma a garantir os valores do clube e os interesses dos sócios, mas também uma SAD profissionalizada e competente, com directores financeiros e desportivos também eles profissionais e competentes na área do desporto profissional, que se possam manter para além dos mandatos presidenciais do clube de forma a gerir da melhor forma um volume de negócios de muitas dezenas de milhões de Euros. Queremos uma SAD capitalizada e sustentada de forma a poder competir com os dois rivais pelos milhões da Champions e não com clubes regionais como Braga e Guimarães para os tostões da Liga Europa.

Conjugar essa SAD profissionalizada com um clube eclético e democrático não é fácil, os altos salários estão na SAD e não no clube, nem todos os candidatos a presidente são empresários bem sucedidos que se podem dar ao luxo de abdicar do seu salário para servir o Sporting, e nem todos os presidentes querem deixar de ter o protagonismo de serem os “donos” do futebol.

Mas é possível, e se virmos bem, os presidentes do Sporting que ganharam campeonatos nos últimos 40 anos foram aqueles ou alguns daqueles que mais distância mantiveram com a gestão do futebol: João Rocha, José Roquette e Dias da Cunha, delegando em pessoas qualificadas para o efeito (respectivamente Sousa Marques, Luís Duque e Miguel Ribeiro Teles) que geriam estruturas que integravam dirigentes dedicados como Manolo Vidal ou profissionais como Carlos Freitas.

Diz Boloni no seu livro: “Gostei da postura de Ribeiro Teles. Muito pragmático e pouco dado a filosofias baratas, definiu as metas e foi direito aos assuntos sem desvios. Fui tudo muito fácil." Sobre Dias da Cunha (um empresário com um curriculim invejável que por muito pouco ia sendo bi-campeão nacional e vencedor da Taça UEFA)… “Representa a calma em pessoa… um grande senhor."

Concluindo e com pandemia ou sem ela, penso que o modelo actual da SAD não serve os interesses do Sporting. Mais tarde ou mais cedo terá de ser revisto em paralelo com os estatutos do clube, e que conviria ter um debate franco e aberto sobre o tema de forma a chegar a soluções de fundo e de futuro para o nosso grande clube. Entre outros, Dias Ferreira (*) já teve oportunidade de alertar para o tema.

Sendo assim, fica aqui o convite para reflectirem sobre o tema e deixarem as vossas opiniões sobre que modelo de SAD querem para o Sporting.

 

(*) Dias Ferreira, 28/10/2019,  “Sporting não sai desta crise se não apostar fortemente na SAD”,  https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/sporting/detalhe/dias-ferreira-sporting-nao-sai-desta-crise-se-nao-apostar-fortemente-na-sad

Tempos de incerteza

img_900x508$2019_09_30_18_29_04_889731.jpg

 

A recente entrevista de Francisco Salgado Zenha a um diário desportivo deixou-me, enquanto leitor, uma sensação de fim de ciclo. Pela quantidade de vezes que este dirigente do clube e da SAD alude à complexa gestão do futebol leonino - agravada no cenário de emergência sanitária que leva hoje cerca de um quinto da população mundial a viver em isolamento forçado, imposto pelo combate à pandemia.

Neste contexto, qualquer gestor responsável tem o estrito dever de baixar expectativas. Nada mais razoável, portanto, do que haver palavras de prudência no actual momento, cheio de incógnitas quanto ao futuro das agremiações desportivas, confrontadas com situações impensáveis há escassas semanas. O anúncio de um lay-off por parte da administração do Barcelona que poderá conduzir à decapitação do milionário plantel catalão é talvez o exemplo mais evidente de que as coisas mudaram no futebol. Como na sociedade em geral.

Mas nas declarações do n.º 2 do Sporting - e principal responsável pela área financeira - não vejo apenas cautela e prudência. Julgo detectar nelas algum desânimo - o que, associado ao anúncio da saída de Miguel Cal do Conselho de Administração da SAD e à presente impossibilidade física de Frederico Varandas assegurar a gestão corrente dos assuntos leoninos, prenuncia mudanças mais vastas. 

 

Vou destacar os trechos que me pareceram mais significativos da entrevista, que preencheu quatro páginas da edição de 23 de Março do Record:

  • «Não restem dúvidas: vão ser tempos difíceis para o futebol.»
  • «Se esta situação se estender pela próxima época, ninguém faz ideia das consequências. Serão seguramente dramáticas.»
  • «Em termos de geração de receitas, é quase impossível fazer mais, porque está tudo parado.»
  • «Temos feito um esforço e estamos mais preparados, mas vai ser muito difícil.»
  • «Temos muita dificuldade para fazer previsões sobre esses projectos [de reestruturação financeira]. Não sabemos como o mercado vai reagir depois desta crise, quanto tempo, sequer, vai durar esta crise, que impactos vai ter.»
  • «Há muitos dossiês que estão completamente parados.»
  • «Estas decisões, por vezes, não são fáceis [aludindo à recente contratação do técnico leonino, Rúben Amorim].»
  • «Tenho muitas dúvidas de que sairemos desta situação com igual ou maior capacidade do que tínhamos antes.»
  • «Vai continuar a haver Brunos Fernandes todos os anos? Não, isso é mais diícil. Infelizmente, é muito difícil que aconteça.»
  • «Vai ser uma janela de mercado [no Verão] muito difícil, devido à conjuntura em que estamos.»
  • «Confesso que não estou a pensar para além deste mandato. Se terminar o mandato e não ficar aqui, quem vier a seguir terá a responsabilidade de terminar aquilo que foi o princípio e o meio do processo de reestruturação e reorganização financeira do Sporting.»

 

São exemplos suficientes e esclarecedores para se perceber o que senti ao ler esta entrevista, que tem «difícil» como palavra-chave - até no título escolhido pelo jornalista João Lopes, que conduziu a conversa. Soaram-me a palavras de balanço e pré-despedida, tanto mais que o vice-presidente leonino assegura não pensar em prolongar o vínculo ao clube (e à SAD) para além do período previsto no mandato em curso.

O adjectivo "difícil" parece, aliás, cruzar-se com frequência no percurso de Zenha enquanto dirigente leonino. Noutra entrevista ao Record, publicada a 30 de Setembro de 2019, já tinha usado este vocábulo para encimar outro título: «Se a cada bola na barra se coloca tudo em causa, assim será difícil.» 

 

Articulou-se com Varandas e Cal no agendamento da mais recente entrevista? Não creio. Caso contrário, faria pouco ou nenhum sentido vê-la publicada na mesma semana em que um deles inicia uma nova "comissão de serviço" como médico do Exército e o outro anuncia a renúncia ao cargo de administrador da SAD - aliás não formalizada em qualquer comunicado interno até à data, mas apenas impressa em notícias de jornais.

São, pois, circunstâncias do acaso. Nestes tempos de incerteza à escala global, em que se torna inútil encontrar causas racionais para o que nos sucede, andamos assim. À mercê do imprevisto.

Director Desportivo, precisa-se

Na sequência duma troca de ideias "on-line" com o "nosso" Pedro Azevedo, fui alinhavando algumas ideias sobre esta figura de director desportivo, com a ideia de fazer um post sobre o assunto, guardei-as em rascunho no dia de ontem por falta de tempo para as terminar mas também porque estava com a impressão de estar a debitar banalidades e que me estava a faltar o essencial.

Eis que leio hoje que Frederico Varandas anda à procura dum director desportivo e vejo Carlos Freitas metido na conversa, enfim, parece realmente então que vale a pena discutir a questão, e acabar o que me tinha proposto fazer.

Em primeiro lugar, acho que importa discutir a questão em termos de Sporting Clube de Portugal e não de Frederico Varandas, de Bruno de Carvalho, João Benedito, Ricciardi, ou seja quem for. Por isso, quem ande nessas guerras, passe à frente e ignore o que vou dizer, tem outros posts deste blogue, manifs, facebooks e tascas virtuais onde pode dizer de sua justiça.

Então vamos lá discutir a figura do director desportivo.

Em primeiro lugar quem é o melhor director desportivo da 1.ª Liga? Bom, se a pergunta fosse o treinador, enfim podia dizer quem no meu entender seria o melhor. Se a pergunta fosse o presidente, também teria uma opinião. Mas director desportivo? Nem sei quem são, quanto mais o que fazem ou deixam de fazer...

Mas se formos para outras Ligas e países, então já encontramos directores desportivos, alguns até famosos, alguns até portugueses (Antero Henriques e outros), alguns que até conseguem "pôr os patins" em treinadores que foram importantes no próprio clube (Leonardo Jardim).

Mas então porque não existem directores desportivos em Portugal como existem lá fora?

Bom, penso que será tudo uma questão de poder.

O poder dos treinadores está nas vitórias, vivem na corda bamba dos resultados, passam rapidamente de bestiais a bestas e vice-versa. Seja quem for o presidente, enquanto o treinador for ganhando ninguém lhe toca.

O poder dos presidentes em Portugal está nos votos dos sócios. E os sócios querem vitórias. Então a primeira missão de qualquer presidente é encontrar um treinador que consiga as tais vitórias. E quer estar próximo e partilhar dos louros dessas vitórias. E descartar-se dos treinadores que não ganham.

O problema é que é preciso ovos para se fazerem omeletes, ou seja, é preciso jogadores para se conseguirem vitórias, e os jogadores bons para uns treinadores são maus para outros. Então um presidente não se pode dar ao luxo de cada treinador exigir um cabaz de jogadores que para ele são essenciais mas que passam a ser descartáveis para o treinador seguinte. Ou seja, tem de aguentar com o "entulho" que cada novo treinador deixa no final da "sua obra".

Então faz falta realmente uma figura que garanta os interesses a longo prazo do clube, construindo plantéis, gerindo carreiras, promovendo, contratando, dispensando e emprestando jogadores, articulando com a formação, promovendo um modelo de jogo e uma cultura táctica transversal a todas as equipas do clube, construindo uma "linha de montagem" de jogadores que garantam sucesso desportivo e financeiro ao clube.

Uma figura necessariamente profissional, conhecedora do mercado, explorando o scouting interno, não obrigatoriamente adepta do próprio clube, que até possa permanecer no cargo quando um novo presidente seja eleito.

No Sporting até existiram figuras assim, como Luís Duque e Carlos Freitas, e fomos duas vezes campeões com Duque. 

Mas existiram essas figuras quando na presidência do Sporting também existiram presidentes com uma visão empresarial do clube e da SAD, que pretendiam alguma distância do relvado e alguém a gerir a coisa. Como Roquette, Dias da Cunha e Godinho Lopes. Tal como existem esses presidentes ou donos de clubes nas Ligas estrangeiras, onde existem os tais directores desportivos.

Mas como podem existir directores desportivos em clubes portugueses onde os presidentes têm a mania que percebem de futebol, que contratam e despedem, vêm a público protestar contra tudo e contra todos quando a equipa perde, sentam-se no banco e andam aos pulos no relvado nas vitórias? Ou, pior um pouco, quando existem presidentes-adeptos?

Concluindo, sou a favor da criação na SAD do Sporting Clube de Portugal da figura do director desportivo profissional, que não seja um mero ajudante do presidente da altura, com um quadro de poder e de responsabilização adequado à configuração e capacidade financeira da SAD, tendo como limite a não criação dum poder bicéfalo e conducente ao divórcio entre as duas entidades (vide Belenenses). 

Fico a aguardar os vossos comentários.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D