Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

No futebol, o que hoje é verdade, amanhã é mentira

E as caganças pagam-se com língua de palmo. Infelizmente, já passámos pelo mesmo depois de ir à Luz ganhar por 3-0.

O Sporting foi muito superior ao Benfica na Supertaça durante 40 minutos. Não conseguiu marcar em três ocasiões e acabou por perder por 0-5.  Bruno Lage, bestial.

O Porto foi muito superior ao Benfica, marcou numa carambola e depois o Benfica teve de correr atrás do prejuízo. Levou 2, podia ter levado 5. Bruno Lage, uma besta.

Dizem que o Sérgio Conceição deu um banho táctico ao Bruno Lage. Pois o Marcel Keizer também deu até aos 40 minutos. O mesmo Sérgio Conceição que sempre perdeu tacticamente com Marcel Keizer.

Marcel Keizer esse que amanhã tem um teste decisivo para voltar a ser bestial, colocando o Sporting à frente da Liga, ou passar, se calhar definitivamente, a ser uma grande besta. Aquela que continua a apostar em Diaby e conseguiu pôr Bas Dost fora do Sporting. 

Amanhã se verá.

SL

Fraco com os que parecem fortes

Sérgio Conceição com mau perder.jpg

 

O mesmo membro do Governo que foi incapaz de uma palavra de conteúdo pedagógico para se demarcar da grosseria que testemunhou, a um metro de distância, na tribuna de honra do Estádio Nacional, recolhendo-se a um pesado silêncio como se não tivesse observado uma triste cena que o País inteiro acompanhou em directo pela televisão, apressou-se agora a comentar algo que não presenciou: os assobios de três ou quatro energúmenos anónimos, de noite, junto a uma instalação hoteleira de Espinho, dirigidos à viatura em que seguia João Félix, jogador do Benfica convocado para a equipa das quinas. 

«O comportamento imbecil de um, dois ou meia dúzia de indivíduos não representam[sic] o apoio absolutamente hegemónico que o país dá aos nossos jogadores», diz agora o secretário de Estado. Insurgindo-se "corajosamente" contra gente sem nome nem rosto, talvez insatisfeita porque o jogador não parou para conceder autógrafos nem se deixou fotografar à entrada do hotel. 

Não direi que o secretário de Estado teve um comportamento imbecil. Mas não posso deixar de assinalar o chocante contraste entre a passividade que revelou no primeiro caso e o protagonismo que se apressou a assumir no outro.

Forte com os que parecem fracos, fraco com os que parecem fortes.

Está no Governo a fazer o quê?

joao-paulo-rebelo.jpg

Passaram quatro dias. Ainda não se ouviu um sussurro do responsável governamental. Refiro-me ao secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que se encontrava ao lado esquerdo de Frederico Varandas, na tribuna do Estádio Nacional, quando o treinador do FC Porto, num inadmissível gesto de lesa-desportivismo, se recusou a cumprimentar o presidente do Conselho Directivo do Sporting. Um acto totalmente condenável não apenas do ponto de vista da ética desportiva mas também do mais elementar civismo. Além de constituir um péssimo exemplo para todos os jovens que se interessam por desporto. Até porque o técnico em causa, naquele momento, não estava ali a título pessoal: representava esse respeitável clube desportivo que é o Futebol Clube do Porto.

Passaram quatro dias e nem um sussurro se ouviu da parte do referido governante, que foi testemunha directa do sucedido mas preferiu imitar o gesto de Pilatos, fazendo de conta que não era nada com ele. Perdendo assim uma ocasião única de fazer pedagogia desportiva e de incutir valores cívicos na juventude que ornamenta o seu cargo governativo. Se é incapaz de tomar uma atitude num momento destes, impõe-se a pergunta: afinal este senhor está no Governo a fazer o quê?

 

P. S. - Ao lado direito de Varandas encontrava-se o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. Tudo quanto escrevi acima sobre o seu secretário de Estado, até por maioria de razão, aplica-se também a ele.

Quente & frio

Gostei muito da conquista da Taça de Portugal no termo de uma partida épica, que jamais esqueceremos. Uma das finais mais esforçadas, uma das mais sofridas, uma das mais saborosas. Uma final em que soubemos fazer das fraquezas força, tendo alinhado de início sem nenhum lateral titular e com um banco de suplentes onde era notória a debilidade do plantel leonino. Marcel Keizer merece os nossos parabéns: soube interpretar muito bem estes pontos fracos e adaptá-los ao desígnio estratégico da equipa neste embate contra o FC Porto, fazendo diversas modificações tácticas no decurso da partida. Assim, tivemos uma defesa a quatro e depois uma defesa a três. Chegámos a jogar com dois pontas-de-lança. Jefferson entrou para ponta esquerda. Raphinha andou num vaivém, protegendo a manobra defensiva no seu corredor. Bruno Fernandes foi muito mais formiga do que cigarra, sacrificando o brilho individual em favor do esforço colectivo. Este é o Sporting de que eu mais gosto: o Sporting obreiro, o Sporting que sua, que sofre, que aguenta os embates. O Sporting que vence.

 

Gostei da condição anímica dos nossos jogadores, que foram capazes de superar o profundo trauma ocorrido um ano antes no Estádio Nacional, numa derrota frente ao Aves escassos dias após o assalto da jagunçada a Alcochete. Esta força mental bastou para compensar algumas insuficiências no plano físico, possibilitando que no mesmo palco do Jamor desta vez saíssemos vencedores. E logo frente ao fortíssimo onze portista, cheio de craques (vários deles preparam-se para rumar a Madrid, onde jogarão no Real e no Atlético). Destaco aqueles que para mim foram os maiores heróis desta conquista: desde logo esse gigante que se chama Mathieu, o melhor em campo: intransponível frente às vagas ofensivas da equipa adversária, lideradas por Marega. Mas realço também Renan, que por quatro vezes impediu o golo e ainda defendeu uma grande penalidade no fim. E Coates, que fez uma parceria irrepreensível com Mathieu. E ainda Bas Dost, inicialmente relegado para o banco de suplentes mas que entrou com ganas redobradas, marcando um golo que se revelaria decisivo. E Luiz Phellype, sem vacilar na hora de marcar o penálti que ditou o vencedor da Taça. E o nosso capitão Bruno Fernandes, que em boa hora Sousa Cintra recuperou para o plantel. Eles e os colegas estão todos de parabéns. 

 

Gostei pouco do estado do relvado. Há anos que se fala na má qualidade do tapete verde do Jamor. Tive esperança de que a Federação Portuguesa de Futebol corrigisse o erro a tempo de proporcionar condições aos jogadores para um bom espectáculo. Infelizmente, não foi assim: aquele "ervado" parecia ter sido invadido por toupeiras. Algo que considero inadmissível.

 

Não gostei da actuação do árbitro Jorge Sousa. Mas pior esteve o vídeo-árbitro Rui Costa, que devia ter analisado com atenção as imagens ao seu dispor na Cidade do Futebol, vendo Herrera ajeitar a bola com o braço direito no lance da marcação do primeiro golo portista. Um erro de palmatória, aliás denunciado por diversos especialistas de arbitragem (Duarte Gomes, Jorge Faustino, Jorge Coroado). 

 

Não gostei nada da reacção grosseira de Sérgio Conceição: o treinador do FCP voltou a revelar-se incapaz de aceitar a derrota com dignidade e galhardia. A recusa de cumprimentar o presidente do Sporting, na tribuna de honra do Estádio Nacional, foi o pior exemplo que podia dar a milhares de jovens que acompanhavam as imagens no estádio e pela televisão. O desporto nada tem a ver com isto. Pelo contrário: Sérgio Conceição, com estas atitudes reprováveis, acaba de cometer mais um acto de lesa-desporto. Não pode ter atenuantes pois está longe de ser o primeiro do género que protagoniza. Muito longe.

Notas sobre o jogo e o pós-jogo

 

  1. Impressionante a arbitragem a tratar o Sporting como “equipa pequena”, amarelando logo, depressa e muito os nossos jogadores como se os do Porto fossem “artistas” que é necessário proteger.
  2. Bizarro e inexplicável como o lance de Herrera (bola dominada com braço) não foi a VAR ou o VAR não zumbiu ao ouvido do árbitro. Não percebo nada de VAR, mas se não é usado num lance explícito e claro como este então é para quê?
  3. Substituições e armação de jogo final de Conceição (com muito melhor banco que o nosso) foi de amador e perdeu a final com isso. E no entanto, todos os tudólogos bem pagos da bola e “escribas” dos desportivos que ouvi e li passaram à margem, temendo certamente represália do nervosinho treinador perdedor e do sistema que o envolve.
  4. Próprio de uma criança mimada, o anti-desportivismo do treinador do Porto. Podemos dar as voltas que quisermos, mas há crianças e jovens a ver aqueles momentos em direto nas televisões, cuja personalidade, comportamentos e sistema de valores se está a formar. Vão achar legítimo que numa circunstância oficial e solene, de cumprimentos entre vencedores e vencidos, se possa ser birrento e infantil. Ora não se pode, não se deve,
  5. O tuguismo ainda mais infantil e degradante de justificar o ato do mau perdedor dá-me vontade de vomitar e confirma-me que Portugal nunca irá a lado nenhum. Um país onde a decência é relativa é um país mesquinho, pequenino, que pretende continuar assim.
  6. Continuamos a ser uma nação feita de regras arbitrárias que ora são para aplicar, ora não são, protegida pela sorte, pela posição geográfica, pelo ouro do Brasil e agora pela Óropa, para quem um comportamento adulto, responsável, assente em conceitos como a honra, a hombridade, o respeito e o fairplay são somente denotadores de ingenuidade.
  7. O assobiar para o lado do nosso football system, de dirigentes, assessores, comentadeiros, jornaleiros, exércitos de funcionários e apensos da FPF e da Liga, políticos e demais basbaques que vivem à custa da bola, demonstra que as unanimidades oportunistas e sonsas dos corporativos que viviam na esplanada da União Nacional do Estado Novo persistem.
  8. É evidente que o fulano que treina o Porto deveria ser censurado publicamente e castigado ou multado severamente.
  9. Também me é evidente que jamais acontecerá.

A (má) concepção do Sérgio!

Gosto de gente rebelde, de malta que não se verga a uma circunstância menos favorável, gente que luta por algo melhor. Mas gosto também de gente educada e acima de tudo bem formada.

Então no desporto todas estas razões fazem ainda muito mais sentido.

Sérgio Conceição como jogador foi um campeão, mas foi outrossim o tal rebelde que falei acima. Sempre pronto para uma demanda desportiva. Fundamentos que acabou por trazer para a sua função de treinador.

Todavia custa-me perceber que os anos não lhe tenham dado calo e experiência suficiente para enfrentar com estoicismo e alguma naturalidade as vicissitudes da sua vida desportiva. Porque se hoje perde amanhã ganhará. Ou vice versa.

Pois bem, no passado final de jogo nas Antas, em que o Sporting perdeu, o treinador portista agrediu o guarda-redes leonino. Entretanto hoje Sérgio Conceição na tribuna presidencial não cumprimentou de propósito o Presidente do Sporting, numa atitude anti-desportiva que condeno olimpicamente.

Obviamente que nestas relações desportivas não temos de ter “em cada cliente um amigo” como soe dizer-se, mas um pingo de educação e formação é o mínimo que se exige. Especialmente a um treinador de futebol, líder de muitos homens que poderão ver nele um exemplo.

Neste caso um mau exemplo!

denied.png

A diferença entre o Sporting e os clubes do sistema

Tenho algumas dúvidas sobre se pedir o castigo ao Sérgio Conceição após a agressão ao Renan terá sido a melhor atitude da parte do Sporting. O facto de o pedido de castigo ter partido da parte do Sporting poderá funcionar como um motivador extra para a equipa do FC Porto. O melhor mesmo seria que o Sérgio fosse castigado sem necessidade de o Sporting ter pedido a abertura do processo. Seria esse o procedimento se, em vez do Sporting, esta situação dissesse respeito a algum clube do sistema.

Conceição fora do Jamor

As últimas imagens não deixam margem para quaisquer dúvidas: Sérgio Conceição não só tentou como conseguiu agredir Renan. Como tal, aguarda-se a apresentação de uma exposição por parte do SCP ao Conselho de Disciplina da FPF. Conceição não sabe estar, não é a primeira vez e não será certamente a última que participa em cenas deploráveis.

 

Nós já tivemos o presidente-adepto, de má memória, parece que o FCP agora tem um treinador-adepto que merece ser alvo de sanção e ficar fora da final da Taça de Portugal. A bem do futebol e da urbanidade.

Keizer ou não, eis a questão (parte 2)

A final do Jamor vai decidir tudo, mas ontem Keizer demonstrou mais uma vez que merece continuar como treinador do Sporting e que nos pode conduzir aos sucessos.

Até ao disparate de B. Gaspar/Borja só deu Sporting. Depois disso ainda conseguimos o golo numa bela jogada ao primeiro toque mas os minutos foram passando demasiado devagar.

Mas não é só por isso.

É também porque Keizer é um senhor. Como também Lage tem demonstrado que o é.

Sérgio Conceição é um labrego de mau perder, que ontem tentou pôr fora do Jamor, à má fila, Acuña e Bruno Fernandes, e que pôs a mão na cara ao nosso Renan (se calhar lembrando-se da segunda parte do Estoril-Porto do ano passado, onde foi Renan contra 11).

Azar dele. Ficou o Corona de fora. Péssimo actor, de facto.

Que se repita a cena canalha de Braga na final da Taça da Liga, é o que eu lhe desejo.

SL

Aumenta o fosso

Com a vitória de ontem contra a Roma, que o qualifica para os quartos-de-final da Liga dos Campeões, o FC Porto acaba de somar 78,5 milhões de euros recebidos esta época só da UEFA. Assim acentuando a diferença entre o Sporting e os principais rivais - neste caso, o rival situado mais a norte.

Nota a destacar: o excelente desempenho portista na prova máxima do desporto-rei acontece sob o comando de um treinador português.

Diz que é a taça da carica

São estas vitórias contra a narrativa dominante que sabem melhor. Já se sabe qual é a narrativa dominante: Sérgio Conceição é a melhor coisa que aconteceu ao futebol português desde os tempos do Mantorras e o Porto é uma equipa do outro mundo. Conceição e o Porto acreditaram tanto nisto que, quando se viram a chuchar no dedo, nem perceberam o que lhes aconteceu. Vai daí, falharam todos os testes de decência: Conceição (e não só) passou ao lado dos jogadores do Sporting e largou a medalha na bancada, o outro atirou a medalha à cabeça de um desgraçado qualquer e, todos juntos, saíram do relvado antes de os jogadores do Sporting receberem a taça. Dois dias depois ainda andam a inventar desculpas ranhosas para justificarem isto.

E estamos só a falar da famosa "taça da carica". Eu até me estava a preparar para não celebrar ou chorar muito o resultado da final, dependendo do resultado. Afinal, é só a taça da carica. Mas, com o chinfrim que fizeram e ainda fazem, a coisa começou a saber melhor. Vendo bem, depois deste chavasco todo, não podem dizer que o Sporting não ganhou nada de especial, que só ganhou a "taça da carica". É que se fosse só a "taça da carica", precisamente, não faziam chavasco. Fazendo, acabam por valorizar aquilo que à partida não parecia nada de especial. Obrigadinho.

Este título é um bocadinho estranho, não?

"Sérgio Conceição, Sporting e penáltis. Uma equação que não combina"

Bem, isso até pode ser verdade do ponto de vista de um adepto do FC Porto. É capaz de ser esse o ponto de vista do jornalista: desconheço. Mas não é, de forma nenhuma, o ponto de vista de um sportinguista, para quem a história demonstra que Sérgio Conceição, Sporting e penáltis combina muito bem. A que propósito é que, neste título, o Diário de Notícias adotou um ponto de vista preferencial?

Um quis ganhar, o outro não

A minutos do fim do clássico em Alvalade, os dois técnicos deram sinais antagónicos para dentro e para fora do campo.
Sérgio Conceição trocou Danilo por Hernâni: queria vencer.
Marcel Keizer trocou Wendel por Petrovic: queria empatar.

 

Neste sentido, Keizer venceu: o resultado ajustou-se ao desígnio estratégico do técnico holandês.
Infelizmente, só venceu mesmo neste sentido.

Terminámos o jogo com Jovane e Luiz Phellype no banco: nenhum deles calçou, o que diz tudo sobre a falta de ambição leonina neste clássico.


Mais de 45 mil espectadores teriam merecido seguramente mais do que este comportamento de equipa do meio da tabela.

Infelizmente, é o que há.

Um homem para as ocasiões

A única coisa que peço aos jogadores do Sporting até ao fim do campeonato é que não desistam. Devem recordar-se que do outro lado está o Sérgio Conceição, um verdadeiro especialista em dar alegrias ao Sporting. Na meia-final da Taça de Portugal, o Porto veio com a passagem quase garantida: bastava-lhes marcar um golo em Alvalade e tudo se tornava praticamente impossível. Foi o que se viu. Na meia-final da Taça da Liga, o Porto jogou melhor, mas no fim foi o que se viu. E há a inolvidável final da Taça de Portugal de 2015, em que, a 15 minutos do fim do jogo, o Braga ganhava por 2-0 a jogar contra 10 (desde o minuto 14) e depois foi o que se viu. Parece vocação. De cada vez, dava a impressão de que seria muito difícil o Sporting ganhar, senão mesmo impossível (como na final da Taça). Quem sabe, agora, não lhes caiu mal o churrasco, atrapalham-se e perdem com o Feirense. Ficam todos baralhados e, depois, é só contar com o Peseiro (sim, eu sei, é o Peseiro...) para dar ao Sporting aquilo que não soube dar quando treinou o clube. Parece que é pedir demais e é mesmo capaz de ser. No sábado, pode já estar tudo acabado. Mas imaginem que não... É isso, não desistam.

Mal, Sérgio. Mal.

Contrariando o princípio básico de não falar dos adversários, deixo hoje aqui uma nota a Sérgio Conceição.Gosto do Sérgio, acho que é competente e que tem conseguido criar espírito de equipa, amor à camisola, união entre adeptos, jogadores e direcção. Mas ontem esteve mal.

Ao tentar menorizar o Sporting, sublinhando o percurso alegadamente fácil da nossa equipa até ao Jamor, o treinador do FC Porto acabou por desrespeitar todas as equipas que referiu (sem necessidade nenhuma) e por diminuir o próprio Clube, incluindo-o no lote das equipas "fáceis" que o Sporting teve que defrontar e vencer.

 

Hoje giro eu - O momento Mourinho de Sérgio Conceição

Estava a época 2002/2003 no seu início quando um jovem José Mourinho tomou a decisão de afastar Vitor Baía após um incidente disciplinar protagonizado pelo guardião. Com esta decisão, o treinador portista conseguiu afirmar-se perante o grupo, acabando por vencer a Taça UEFA nesse ano (já com Baia a titular), a que adicionaria a conquista da Champions no ano seguinte.

A decisão tomada hoje por Sérgio Conceição - que tem excedido largamente as expectativas, tanto na liderança do grupo como no nível de jogo apresentado - de optar por José Sá em detrimento de Iker Casillas "cheira" a tentativa de afirmação por parte do técnico dos dragões. Independentemente de ter havido ou não algum motivo de ordem disciplinar - algo puramente especulativo neste momento - o promissor treinador admitiu publicamente que escolheu Sá porque produz as suas escolhas através dos treinos e o jovem guardião lhe dava mais garantias para este jogo. A verdade é que, ao contrário de Mourinho, Sérgio começa a perder esta aposta: a equipa jogou bastante mal, foi claramente dominada pelo Red Bull Leipzig - ao ponto de o resultado ter sido lisonjeiro - e a sua aposta para a baliza falhou clamorosamente, abrindo caminho ao primeiro golo dos alemães. Para além disso, coincidência ou não, a defesa portista pareceu sempre pouco confortável e, fundamentalmente, o Porto foi derrotado e está neste momento fora dos lugares de qualificação para a próxima fase da Champions.

Casillas é um jogador difícil de ter no banco. Está habituado a ter protagonismo e à sua volta existe sempre imenso mediatismo. Quem ganha tem sempre razão, mas o Porto perdeu. E agora, Sérgio?

 

P.S. Existe um tipo de técnico, de que o melhor exemplo será Manuel Machado, que permanentemente ajusta o seu modelo de jogo ao adversário. Outros, como Mourinho ou Jesus, não perdendo a sua identidade, produzem algumas adaptações face à observação dos adversários. Sérgio Conceição parece pertencer a uma terceira estirpe, a dos treinadores que não prescindem das suas ideias, do ADN do seu futebol, independentemente do adversário, um pouco ao estilo da escola do Ajax. Posso estar a ser injusto - Sérgio até disse que tinha avisado para os movimentos interiores dos alas -, mas ficou a ideia de que o Porto não estudou suficientemente o Leipzig, algo que já tinha transparecido aquando da visita do Besiktas.

casillas.jpg

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D