Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Tudo isto é uma palhaçada

Texto de AHR

images.jpg

 

Se a margem de erro fosse 10cm, uma medição de 12cm não seria questionável. Teria que ser validada como fora-de-jogo.

Senão vejamos: os limites seriam 12cm - 10cm = 2cm (está em fora-de-jogo) e 12cm+10cm=22cm (está em fora-de-jogo). Ou seja, uma medição de 12cm daria sempre fora de jogo de acordo com a margem de erro do equipamento. Não há dúvidas. É assim que funciona.

Pôr em causa a decisão seria pôr em causa a margem de erro do equipamento e isso seria outra discussão. Ao contrário, se a medição fosse de 8cm, por exemplo, para a mesma margem de erro de 10cm, ter-se-ia: 8cm - 10cm = -2cm (não está em fora-de-jogo) e 8cm + 10cm = 18cm (está em fora-de-jogo). Como se vê, neste caso, haveria a possibilidade de não estar em fora-de-jogo, de acordo com a margem de erro, e portanto o fora-de-jogo não poderia ser validado com uma medição de 8cm para uma margem de erro de 10cm.

 

Já aqui escrevi aqui que bastaria ser divulgada a margem de erro admissível das linhas do VAR para se acabar com todas as suspeições.

Enquanto isso não acontecer, irão ainda aparecer foras-de-jogo de 1cm, 0,5cm e, quem sabe, de 1mm. Tudo é possível enquanto não sair cá para fora a margem de erro das medições.

Efectivamente, tudo isto é uma palhaçada. Não vale a pena estar a comentar que um fora-de-jogo de 10, 5, 2, ou 1cm é ridículo sem antes se saber qual a precisão do equipamento. Até pode acontecer que a precisão do equipamento seja de 1cm (o que duvido) e, assim sendo, uma medição de 2cm teria que ser validada. É assim que funciona.

 

Fico incrédulo como até agora fui o único a reclamar a divulgação da margem de erro do equipamento! Coisa tão simples e tão básica.

 

Texto do leitor AHR, publicado originalmente aqui.

Roubados

Falamos nós dos árbitros portugueses, apontando o dedo acusador à incompetência desses senhores de apito.

E há até quem defenda que os jogos do nosso campeonato devem passar a ser arbitrados por estrangeiros.

Recomendo a todos estes que reparem no roubo de catedral que hoje aconteceu em Belgrado. Um assalto do árbitro holandês à nossa selecção, anulando um golo limpo de Cristiano Ronaldo, que ao cair do pano nos daria a vitória por 3-2 frente à Sérvia na campanha para a qualificação do Mundial-22. 

Não faço ideia como se diz ladrão em holandês. Mas de uma coisa tenho a certeza: árbitros estrangeiros em Portugal, nem pensar. É mais patriótico quando são portugueses a roubar-nos.

 

ADENDA: Magnífico passe de Nuno Mendes assistindo no golo limpo de Ronaldo que o apitador anulou. Não entendo como Fernando Santos o retirou hoje do onze titular após exibição muito positiva do nosso ala esquerdo frente ao Azerbaijão.

Sim Ivone, assim não vamos lá

Há um ror de anos, numa rábula de revista, dizia o boneco interpretado pela grande Ivone Silva, confesso que já não me lembro p'ra quem, a determinada altura, referindo-se à confusão pós-25 de Abril ainda com cheiro a 24 e ao governo de Adelino da Palma Carlos, o primeiro provisório a seguir à Revolução e que foi de pouca dura (dois meses e dois dias): "Isto já lá não vai com palmas, Carlos!"

Pois no que toca ao CD da FPF, ou se faz uma revolução (com menos cravos e mais "pólvora") para correr com aquela brigada do reumático, ou nunca mais teremos direito a nada, que de palmas, já nem os actores vivem.

E quer esta tropa fandanga ser levada a sério e ser considerada íntegra e honesta...

Espero pela comunicação assertiva do clube já hoje pela manhã, sob pena de sermos ultrapassados pelo modesto, com todo o respeito, Torreense.

 

Não se pode telefonar ao Macaco?

Um nojo indizível

Ontem, em Famalicão, tivemos mais uma prova do nojo indizível para que caminha a Liga. 

Depois de marcar um golo de levantar o estádio (houvesse público), o melhor jogador do campeonato é expulso na segunda falta que faz (depois de levar um primeiro cartão amarelo forçado). 

Os dois laterais do Famalicão, que durante todo o jogo fizeram entradas duríssimas aos jogadores do Sporting (recordo uma a pés juntos no início da segunda parte, a Antunes), foram apenas amarelados. Cada um deve ter feito mais de 5 faltas. Várias entradas de jogadores do Famalicão (incluindo sobre Palhinha) dariam vermelho directo, em ligas a sério.

O golo anulado a Coates é, conforme demonstram as imagens, simplesmente ridículo. Mas nos jornais "amigos" de Benfica e Porto, os árbitros do costume opinam hoje que esteve muito bem o VAR. Não surpreende, pois são raras as pessoas com coluna vertebral no futebol hoje. 

Era mais ou menos evidente que estava a ser criado ambiente para um roubo descarado como o que assistiu ontem. Ao longo da semana, levantou-se entre pasquineiros uma "polémica" patética sobre uma alegada mão de Pote no segundo golo do jogo do passado fim-de-semana. Quando assim é, já sabemos o que aí vem. 

O Sporting, que consistentemente tem sido a melhor equipa do campeonato, perde de novo pontos às mãos de um árbitro com um vasto historial de roubar o Clube. E não pode contar com o seu melhor jogador no próximo jogo. Nem com o treinador.

Até amigos benfiquistas - os que vêem os jogos com olhos de ver, não com pálas - concordam: aquilo que se passou ontem em Famalicão foi um roubo descarado. 

Nós, Sporting, temos vários títulos roubados no passado recente, o último em 2015. Hoje sabemos bem que na altura o SLB estava a "financiar" indirectamente clubes como o Setúbal, através da compra e venda de jogadores - AQUI percebe-se bem. As mesmas equipas que comiam a relva contra o Sporting e tinham apáticas prestações contra o SLB. Havia várias outras. Valia tudo. Vale tudo, como ainda vemos.

Entretanto, a credibilidade da Liga vai caindo, caindo, caindo. 

As instituições do futebol vão apodrecendo. Tenho amigos portugueses que já nem assistem a Liga portuguesa, mas sim a inglesa e espanhola. 

E os processos envolvendo o Benfica e o seu presidente arrastam-se, arrastam-se, arrastam-se. E o DDT da Luz continua a ter uma quantidade de serviçais, desde o apito até ao comentário televisivo, que faria inveja a muitos ditadores, da Coreia do Norte à Venezuela. 

Até quando, isto?  

Quando é que o Sporting dá, de facto, um murro na mesa?  Não o blá-blá do costume, mas um murro a sério?

As costas de Coates

001.jpeg

002.jpeg

 

Estas imagens são do momento, imediatamente, anterior ao golo (mal) anulado.

O defesa mais afastado de Coates (na primeira imagem) está a olhar para cima acompanhando o percurso da bola, o nosso capitão, também. Agora, atentem na postura corporal do defesa mais próximo, está desinteressado do percurso da bola, o seu único interesse é empurrar o uruguaio como podemos ver na segunda imagem.

Deve ter sido isso que Artur Soares Dias viu, as costas de Coates agrediram com violência o braço direito do famalicense.

O Calabote do século XXI

 

Nunca é de mais lembrar um dos mais escandalosos roubos de que fomos vítimas. Aconteceu na final da Taça da Liga em 2009, quando um tal Lucílio Baptista - espécie de Inocêncio Calabote do século XXI - ofereceu de bandeja o título ao Benfica no momento em que inventou um penálti contra o Sporting e deu ordem de expulsão ao nosso lateral direito, Pedro Silva. Um penálti a pedido de um jogador encarnado, Di Maria, que logo levantou o polegar em sinal de agradecimento.

É instrutivo rever este vídeo para jamais esquecermos o obsceno nível de degradação a que chegou a descer a arbitragem em Portugal nesse tempo anterior ao VAR. Sob o irónico lema "limpinho, limpinho", imortalizado pelo neobenfiquista Jorge Jesus na sua primeira passagem pelo clube da Luz, onde nunca deixou de ser bafejado pelos apitadores de turno.

 

Neste caso concreto, lamento dizê-lo, a incompetência dolosa não foi apenas de Baptista: foi também dos jornalistas da SIC que narravam em directo esta final e que logo validaram a versão fraudulenta do herdeiro espiritual de Calabote. «Que é um facto que a bola bate na mão de Pedro Silva, é verdade: bate», apressou-se a declarar um deles. «A bola parece que bate claramente na mão esquerda do defesa do Sporting», corroborou o outro. Ambos coniventes com o atentado à verdade desportiva.

Não esqueçamos nunca. Porque estes (árbitros e jornalistas-comentadores) até já podem nem andar por aí, mas outros - pouco diferentes - tardam a sair de cena. Sempre prontos a embaciar a transparência desportiva ao serviço do emblema a que prestam vassalagem.

 

ADENDA: Alertado por um leitor, verifico que Baptista ainda anda por aí. Como vice-presidente da Secção de Classificações do Conselho de Arbitragem da FPF. Medalha por bons serviços?

Os filhos da puta, parte enésima

21854624_rEJcb.jpeg

 

Eu podia começar este post por reclamar sobre o desespero de colocar o Coates a jogar a ponta de lança (avançado centro, para o nosso querido presidente), tal como fazia Silas nos seus gloriosos dias como treinador do Sporting. Ou até sobre a oxigenação do cabelo de Jovane, que lhe deve também ter alterado a cor (e não só) dos neurónios (não há lá ninguém que lhe diga que ainda é cedo para se armar em vedeta?). Ou até relembrar a máxima de que em equipa que ganha não se mexe. Ou mesmo que não se compreende que a jogar contra dez quase meia-parte do jogo, apenas se tivessem feito dois remates enquadrados com a baliza e nenhum deles com verdadeiro perigo, o redes deles nunca deve ter tido uma noite tão descansada. Vá, basicamente, eu poderia começar por dizer que o nosso jogo foi vulgar, que alguns jogadores (curiosamente os mais "velhos") estão claramente a mais e é empandeirá-los enquanto é tempo e que outros naturalmente estão "crus" ainda e que cometem erros às vezes infantis e até podia começar por escrever que a nossa prestação foi uma valente porcaria.

Mas não. Começo e termino por dizer que mais uma vez fomos roubados. O resto são amendoins. Melhor, o resto continua a ser a acção de certos filhos da puta, que impunemente nos continuam a roubar.

A banalização da criminalidade

image.jpg

 

Se estivessem a atravessar a estrada, fora da passadeira, alguém tinha o direito de vos esfaquear?

Sim, é um reductio ad absurdum mas é a metáfora perfeita para o que se passou ontem em Moreira de Cónegos. O Sporting não fez uma exibição de encher o olho mas viu Tiago Martins e Jorge Sousa (VAR) prejudicá-lo de maneira inexplicável.

Jorge Sousa ignorou olimpicamente três grandes penalidades e Tiago Martins escolheu não expulsar Abdu Conté.

Jorge Sousa foi, durante toda a sua carreira, aquilo que na gíria se chama um "FILHO DA PUTA" para com o Sporting Clube de Portugal. O sindroma de pénis pequeno levou-o mesmo a ter este pequeno ataque de prepotência contra um dos nossos guarda-redes:

 

Já Tiago Martins pertence à nova escola de padres. Pelos vistos, esta semana, voltaram a rezar e a cantar bem.

Joguemos bem ou joguemos mal, nada dá o direito a ninguém de nos prejudicar! Nada!

Para os católicos: Há um mandamento que diz "Não roubarás!"

Para os ateus: Se forem assaltados, não perdoam o assaltante por irem mal vestidos, certo?

Para os Sportinguistas: Não se pode aceitar como normal que nos prejudiquem dentro de campo. Isto não tem que ser resolvido nos bastidores, isto tem que ser resolvido de forma clara e à vista de todos: Não devemos tolerar roubos! Não devemos aceitar maus árbitros. Não devemos aceitar menos que aquilo que é o nosso direito de ver os nossos lances bem ajuizados!

Do que é que a Liga e o CD da FPF estão à espera para suspender estes dois LADRÕES?

Árbitro detido

Trata-se do mesmo que num célebre jogo Torreense-Anadia marcou uma grande penalidade inexistente a favor da equipa da casa, expulsou dois jogadores do Anadia e ainda mandou repetir os penáltis até que a bola entrou... à terceira. A coisa foi de tal maneira escandalosa que acabou suspenso pelo Conselho de Arbitragem.

Falta acrescentar: este árbitro actuou quatro épocas na I Liga (2000-2001, 2007-2008, 2008-2009 e 2009-2010).

 

Agora está detido. Por peculato e falsificação de documentos.

Os restantes delitos, cometidos de apito na boca por este e outros, continuam impunes.

Estamos nisto sozinhos?

Hoje o Sporting perdeu. Jogou o suficiente para não perder mas perdeu. É a dura realidade. Acabamos esta jornada de volta ao quarto lugar, a dezasseis pontos do primeiro lugar e a doze do segundo. Não faz sentido atirar a toalha ao chão mas também não faz sentido andar a fazer sugar coating.

Para mim, a grande derrota da noite não foi em campo. Foi no momento imediatamente a seguir. Alex Telles devia ter sido expulso ainda na primeira parte. Nem falta Jorge Sousa assinalou. E nós nem um piu. Silêncio, calados, resignados, vergados.

 

Eu, como outros Sportinguistas, não preciso que a direção critique a arbitragem para saber se foi boa ou má. Mas, depois de um fim-de-semana onde há um penalty não assinalado de Rúben Dias e uma expulsão perdoada a Alex Telles, é deprimente ver Sportinguistas a dar o peito, olhar para trás e não ver ninguém. É deprimente perceber que não exigimos que nos respeitem.

Eu acredito que esta direção ainda pode dar muitas alegrias ao Sporting. Mas não é aceitável que não exija o respeito dos restantes stakeholders do futebol português. Termos Sportinguistas lixados (com F) com isto e ver a direção calada é pior que um murro no estômago. É uma chapada da dura realidade. Estamos nisto sozinhos?

Um sentimento

da maioria de nós, sportinguistas, expresso em poema?

 

Roubam-me Deus
outros o Diabo
– quem cantarei?

roubam-me a Pátria;
e a Humanidade
outros ma roubam
– quem cantarei?

sempre há quem roube
quem eu deseje;
e de mim mesmo
todos me roubam
– quem cantarei?

roubam-me a voz
quando me calo,
ou o silêncio
mesmo se falo
– aqui del rei!

Jorge de Sena

 

(aqui em versão áudio: https://youtu.be/iOcDjUrjJVA)

Opinião unânime: foi penálti

«Bressan rasteirou Gelson Martins na área. A queda do extremo foi dramatizada, mas isso não anula a causa. Rui Costa falhou na análise, mesmo depois da acção do VAR.»

Duarte Gomes, A Bola

 

«Erro grave de Rui Costa. Gelson é claramente derrubado na área e a decisão teria de ser punir com penálti e não advertir o jogador. Decisão incompreensível, sobretudo com o VAR.»

Fortunato Azevedo, O Jogo

 

«Nem o vídeo-árbitro o convenceu [Rui Costa] que Gelson sofreu falta. Com Alvalade a pressioná-lo, consultou o VAR mas manteve a decisão: simulação. Mal.»

Hugo do Carmo, A Bola

 

«Rui Costa nem à terceira, e com duas ajudas do vídeo-árbitro, se apercebeu do penálti de Bressan sobre Gelson Martins - que, naturalmente, não assinalou, mostrando amarelo ao avançado dos leões. Uma dupla injustiça.»

João Lopes, Record

 

«Foi penálti evidente. Bressan, com a perna direita, derrubou Gelson Martins. Mesmo com recurso ao VAR por duas vezes, não foi capaz de ajuizar correctamente.»

Jorge Coroado, O Jogo

 

«Bressan derrubou Gelson Martins, tocando com o seu joelho direito na perna esquerda do jogador do Sporting. Deveria ter sido assinalado penálti. O VAR tentou "ajudar" Rui Costa, mas este manteve a sua decisão.»

Jorge Faustino, Record

 

«Gelson foi punido com amarelo por simulação, mas foi atingido no joelho. Mal ajuizado.»

José Leirós, O Jogo

 

«Má decisão do árbitro, num lance em que teve a boa intervenção do VAR, mas optou por manter a sua decisão em advertir Gelson por simulação. Existe mesmo um toque de Bressan com a coxa. Apesar do exagero da queda, o penálti existe.»

Marco Ferreira, Record

 

«Muito activo na direita, [Gelson] viu injustamente o cartão amarelo por pretensa simulação na área - o extremo levou mesmo um toque de Bressan.»

Miguel Correia, A Bola

15º

desengace.jpg

 

Cerca de 2.000 litros.

Chova ou faça sol ( convindo que comecem a fazer noites frias, para ajudar à fermentação ), dia 1 de Novembro serão abertas as hostilidades. Pelo teor de açúcar medido, e com a benção de Baco que foi este ano generoso, deve-se ficar pelos 14,5º/15º. Como de costume, só se nota quando é hora de levantar da mesa.

À vossa!

 

Entretanto ainda deu para ver o Sporting ganhar com alguma dificuldade, mas com justiça, à volta duns enchidos grelhados, de uns pãezinhos feitos no forno de casa da sogra e do antecessor do que acabáramos de envasilhar, também ele com uns orgulhosos 14 graus!

Entretanto, por curiosidade, deixo-vos com uma notícia de capa do jornal regional "O Mirante", lá do meu distrito, que não sei porquê me lembrou alguma coisa...

 

mirante.jpg

 

Leitura recomendada

«O Sporting é, entre os três grandes, o clube que em mais ocasiões foi prejudicado pelas arbitragens nas competições internas (Liga, Supertaça e Taça) desta época. Esta é a principal conclusão de uma análise feita pelo Correio da Manhã.»

 

Eis, segundo este jornal, os oito casos em sete jogos em que o Sporting tem amplos motivos para reclamar contra as arbitragens:

 

1. 9 de Agosto - Supertaça

Golo mal anulado por fora de jogo a Teo Gutiérrez. Confirmando o que logo aqui apontámos ao árbitro Jorge Sousa.

 

2. 14 de Agosto - Tondela-Sporting

Árbitro Carlos Xistra validou golo da equipa da casa marcado com a mão.

 

3. 30 de Agosto - Académica-Sporting

Grande penalidade da equipa da casa ficou por assinalar: árbitro Bruno Esteves, além de não sancionar a Académica, ainda mostrou cartão a Slimani.

 

4./5. 21 de Setembro - Sporting-Nacional

O árbitro Fábio Veríssimo, vítima de uma eventual lesão ocular, deixou passar em claro duas grandes penalidades cometidas pela turma madeirense.

 

6. 26 de Setembro - Boavista-Sporting

Artur Soares Dias, apitador de serviço, perdoou uma grande penalidade claríssima ao Boavista após ter invalidado um golo limpo a Slimani.

 

7. 31 de Outubro - Sporting-Estoril

Penálti por assinalar à equipa visitante: o árbitro Jorge Ferreira fez vista grossa à jogada.

 

8. 16 de Dezembro - Braga-Sporting (Taça de Portugal)

Novamente Fábio Veríssimo. E novamente asneira da grossa: anulado um golo limpo a Slimani que teria decidido a partida a favor do Sporting.

 

Ficamos conversados.

 

desNORTeADA, a cabeça dele

20151109_202512.jpg

 

20151215_180209.jpg

 

20151215_180229.jpg

 

20151215_180353.jpg

Peço desculpa pelo excesso de imagens.

A primeira foi obtida através do apontar do telemóvel à televisão, num daqueles dias em que Miguel Sousa Tavares nos entra pela casa "adentro".

A última é um extracto duma prosa chamada: "Nortada" publicada na pág. 38 d' A Bola d' hoje.

As outras duas são do jornal citado, uma apreciação de Gonçalo Gonçalves aos dois casos do jogo.

Poderia acrescentar mais algumas coisas mas acho que o Miguel diz-nos tudo... o primeiro lance não é penalty porque o braço está caído, só seria penalty se Marcano estivesse com os braços no ar em posição de regadinho ou de vira; o segundo talvez e estou a citar: talvez (talvez, não é claro).

O que será um penalty indiscutível para Miguel Sousa Tavares? 

 

Os nossos comentadores (não) merecem ser citados

20150927_111443.jpg

 

20150927_111502.jpg

Um anónimo que assina "olha o cisco no olho" escreveu - neste post do Pedro Correia - o seguinte:

«'penálti' perdoado -
bola na coxa ou NÃO INTENCIONAL bola no braço !?!...
depois de ver éne repetições da jogada, continuo sem certezas absolutas, não juro, nem teimo, que a bola tenha ido, sequer, ao braço do jogador
- fora-de-jogo -
BEM ASSINALADO, visível desde a superfície lunar, se ao João Pereira e ao Sporting se aplicarem as XVII Leis do jogo»

Afinal o fora-de-jogo visível da superfície lunar não existiu como a imagem documenta já a mão na bola existiu e foi visível, como aliás, já tinha referido ontem.

Os árbitros portugueses devem ser leitores assíduos de Antoine de Saint-Exupéry para quem o essencial é invisível (L'essentiel est invisible pour les yeux. Cap.XXI, Le Petit [não, não é o treinador do Boavista] Prince) embora seja mais complicado do que parece, pois ele vêem o que não existe (o suposto fora-de-jogo de João Pereira) mas não vêem o que existe, a mão marota de Paulo Vinicius a impedir a bola de se ir aninhar no interior da baliza.

Mais à frente na obra citada, Antoine refere: Os homens esqueceram a verdade (Les hommes ont oublié [...] vérité) esquecer não esqueceram, digo eu, mas a alguns dá-lhes amanho viver numa realidade paralela, ver o que não existe e não ver o que existe; curiosamente, sempre com o objectivo de prejudicar o Sporting Clube de Portugal.

[imagem retirada do Record d' hoje p. 6]

 

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D