Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Adoro

Adoro as manhãs silenciosas, aqui no blogue, após uma vitória folgada do Sporting.

Fosse outro o resultado, logo isto fervilhava de adeptos indignados a comentar o jogo, a vergastar jogadores, a disparar contra as "opções tácticas" do treinador e talvez até a exigir a demissão do presidente.

Nada como um triunfo - com goleada, ainda por cima - para esses adeptos emudecerem. 

Desejo-lhes que passem um fim de semana tão excelente como o meu.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

De vencer em Arouca. Desafio difícil, triunfo sofrido por 2-1, num relvado encharcado, com chuva persistente durante toda a partida. O mais importante foi conseguido: viemos de lá com os três pontos.

 

Do golo marcado cedo. Desta vez não esperámos muito para ver o Sporting adiantar-se no marcador: apenas 14 minutos. Bela jogada colectiva, concretizada em sete toques rápidos. Intervenientes: Porro, Daniel Bragança, Sarabia, Paulinho, Nuno Santos, de novo Sarabia e Matheus Nunes, que a meteu lá dentro. Sem perdoar, à ponta-de-lança.

 

Da primeira parte. Domínio claro da nossa equipa. Indiscutível. Com processos simples, sem complicar. O 1-0 registado ao intervalo sabia a pouco para o jogo que desenvolvemos. 

 

De Nuno Santos. Melhor em campo. E o mais influente no desfecho da partida. Teve intervenção decisiva no primeiro golo e marcou o segundo, aos 54'. Um golo que nos valeu os três pontos. Logo aos 9', fez excelente cruzamento que Paulinho não conseguiu converter em golo. 

 

De Daniel Bragança. O nosso "Modric" estreia-se enfim a titular nesta época. Boa prestação, com notória qualidade de passe e grande capacidade para fazer circular a bola com critério e visão de jogo. Influente na construção ofensiva. Tem envolvimento nos dois golos. Saiu esgotado, aos 81'. Dever cumprido.

 

De Sarabia. O internacional espanhol vem apurando as exibições de jogo para jogo. Esta foi, de longe, a seu melhor. Coroada nas assistências para os dois golos. Quase marcou ele próprio, em dois remates consecutivos aos 40' travados a custo pelo guarda-redes. Após ser substituído, aos 71', a prestação da equipa baixou.

 

De Coates. Não foi uma das suas melhores actuações, longe disso, mas merece referência. Por ter cumprido o 250.º jogo vestido de verde-e-branco. É quanto basta para o nosso bravo capitão merecer destaque pela positiva.

 

De manter a tradição. Quinto jogo disputado pelo Sporting em Arouca para o campeonato nacional de futebol, quinta vitória. Sem hipóteses para a turma anfitriã.

 

De ver o Sporting ainda invicto. À oitava jornada, continuamos sem perder. 

 

Da nossa prestação como equipa visitante. Três vitórias em quatro desafios disputados fora de portas na Liga 2021/2022. E marcamos há sete meses em jogos do campeonato.

 

Do apoio dos adeptos. Foram muitos, e sempre a puxar pela equipa, no estádio do Arouca. Indiferentes ao frio e à chuva que já revelam a mudança de estação. 

 

Da estrelinha. Está de regresso. Três jogos, três triunfos tangenciais, três brindes dos guarda-redes: primeiro o do Estoril, depois o do Marítimo, desta vez o do Arouca, facilitando-nos a vida com a sua péssima intervenção no lance do nosso segundo golo. A sorte faz parte do futebol.

 

 

Não gostei

 

Dos vinte minutos finais. Entregámos a iniciativa ao Arouca, que nos confinou ao nosso reduto defensivo nesse período crucial do encontro. Jogámos aos repelões, perdendo o controlo do meio-campo, acusando cansaço físico e até emocional. Comportamento impróprio de campeão nacional. 

 

De haver só um central de raiz no onze inicial. Nada é mais revelador das carências do plantel leonino do que ver o tridente defensivo composto por Coates ao meio, coadjuvado por Matheus Reis à esquerda e Esgaio à direita. Apenas o uruguaio actuou na sua posição natural: os colegas foram adaptados. Isto contribuiu para o desposicionamento de Esgaio no lance do golo que sofremos, aos 51', muito facilitado pela nossa desorganização defensiva. 

 

De Paulinho. Oitavo jogo cumprido neste campeonato, apenas um golo marcado - na jornada inaugural, frente ao Vizela. Voltou a ficar em branco. E até teve duas oportunidades, aos 9' e aos 35'. Na primeira, permitiu a defesa; na segunda, cabeceou ao lado. Parece andar de relações cortadas com a baliza.

 

De Tiago Tomás. Em teoria, é alternativa a Paulinho. Mas também ele está muito longe da veia goleadora de outros tempos. Parece desmotivado ou com falta de confiança, até na forma displicente como recebe a bola. Actuação decepcionante.

 

De Jovane. Desta vez calçou apenas aos 81', rendendo Matheus Nunes. Prestação negativa: passou mal, perdeu a bola. Pareceu ter entrado em campo já cansado. 

 

Das substituições. Amorim esgotou-as entre os 64' e os 81'. Trocando Porro, Sarabia, Paulinho, Daniel e Matheus Nunes por Neto, Tabata, Tiago Tomás, Ugarte e Jovane. Nenhuma destas alterações beneficiou a exibição leonina. 

 

Das ausências de Gonçalo Inácio e Pedro Gonçalves. Continuam a fazer falta.

 

Da comparação com a época passada. À oitava jornada, temos agora menos dois pontos do que em 2020/2021. Seguimos em terceiro, quando há um ano comandávamos. Pior: levamos menos oito golos marcados.

 

De continuarmos a registar só vitórias tangenciais. Felizmente qualquer delas nos tem valido três pontos.

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Do domínio absoluto do Sporting neste desafio. Vencemos o Marítimo pela margem mínima, mas foi quanto bastou para sacarmos os três pontos e seguirmos em frente. Num jogo de sentido único, de pressão constante sobre a baliza adversária e de muitas oportunidades perdidas. Um desafio que merecíamos ter vencido por margem muito dilatada. O triunfo foi suado e sofrido, mas mais que justo.

 

Do regresso às vitórias em Alvalade. Este 1-0 contra o Marítimo acontece após um empate caseiro contra o FC Porto e a humilhante derrota sofrida contra o Ajax para a Liga dos Campeões, também no nosso estádio. Assim é muito melhor. 

 

De Porro. Volta a ser decisivo, pelo segundo desafio consecutivo. E da mesma forma: na conversão impecável de um pontapé de penálti. Sem tremer, sem vacilar, sem hesitar, meteu-a lá dentro aos 90'+8. Alguns adeptos já desesperavam, mas aconteceu ainda a tempo. Sem favor algum, o internacional espanhol merece ser destacado como melhor em campo. Grandes cruzamentos aos 622' e aos 62'. Melhorou mais ainda a sua prestação a partir do minuto 71, quando Sarabia saiu e ele avançou para extremo direito. Aos 74', enviou um míssil ao poste: merecia ter sido golo.

 

De Palhinha. Outra exibição irrepreensível, sobretudo na primeira parte, em que foi o melhor dos nossos. Recuperações sucessivas aos 7', 9', 14', 25' e 37'. Aos  54', quase marcou em jogada de insistência, de um ângulo muito apertado. Imprescindível no onze leonino. 

 

De Coates. Com ele em campo, a nossa defesa nunca se desequilibra. E Adán até tem uma vida mais descansada: a bola raras vezes lhe chega, como desta vez voltou a acontecer. O nosso capitão é claramente o representante do treinador em campo. Quando chegou o momento de avançar linhas, ele deu ordem de comando aos colegas. Voltou a terminar o desafio como ponta-de-lança, plantado na grande área adversária, como aconteceu em vários desafios decisivos da época passada. E a verdade é que esse foi o período em que conseguimos ser mais acutilantes lá na frente, dando a volta ao jogo.

 

Das substituições. Rúben Amorim mexeu bem na equipa. E a verdade é que a reviravolta aconteceu graças a um dos jogadores que saltaram do banco: Jovane (em campo desde os 71'), carregado em falta dentro da grande área num lance que conduziu à expulsão do guarda-redes quando o Marítimo já tinha esgotado as substituições. Daniel Bragança, igualmente em campo desde o minuto 71 (rendendo Matheus Nunes), também teve bons apontamentos. Tiago Tomás, Tabata e Esgaio cumpriram.

 

Do golo tardio. É verdade que assim sofremos muito mais, mas assim as vitórias acabam por ser ainda mais saborosas. E lembram-nos o que foi acontecendo na temporada 2020/2021, quando nos sagrámos campeões nacionais após um jejum de 19 anos.

 

De termos ficado invictos. Outro jogo sem qualquer golo sofrido. É um excelente indício de que continuamos a manter a rota que tanto sucesso teve na época anterior e nos conduziu a três títulos e troféus entre Janeiro e Julho.

 

De ver o estádio tão composto. Nas bancadas, 18.741 espectadores. Numa fase - felizmente quase a terminar - em que ainda só é possível ter público em metade dos lugares disponíveis. No próximo jogo em casa haverá certamente mais gente.

 

Do recorde batido por Rúben Amorim. A partir de hoje, o actual treinador leonino é o técnico português com mais jogos seguidos sem derrotas no campeonato ao serviço do Sporting: 27. Superando um máximo estabelecido por Paulo Bento. Melhor que ele só o inglês Randolph Galloway, imbatível durante 33 jogos em 1953. Quando ainda actuavam quatro dos cinco violinos: Albano, Vasques, Travassos e Jesus Correia.

 

 

Não gostei

 

Da bola que não foi entrando. Uma vez mais, um festival de golos desperdiçados. Quatro vezes por Nuno Santos (22', 26', 36', 46'), outra por Palhinha (54'), outra por Porro (74') e ainda uma por Tiago Tomás em posição frontal (89'). Uma vez à barra, outra ao poste. Assim fica mais difícil. 

 

Do empate nulo ao intervalo. Nada merecido, mas este resultado da primeira parte castigava por um lado a falta de pontaria dos nossos rematadores e por outro lado premiava o bom desempenho do guarda-redes do Marítimo, Paulo Victor.

 

De Vinagre. Volta a ser o elemento menos positivo do onze titular. Pouco ofensivo, nervoso, sem capacidade de desequilíbrio, fugindo ao confronto individual, errando nos cruzamentos. Foi o primeiro a sair, logo aos 58'. Faz-nos sentir saudades de Nuno Mendes.

 

De Sarabia. Ainda muito desligado da dinâmica colectiva. Bons passes para Nuno Santos, aos 25' e aos 36'. Ia marcando aos 41', num tiro que rasou o poste. Mas falta intensidade ao internacional espanhol, que se apaga em momentos essenciais. Deu lugar a Jovane, aos 71'.

 

De Paulinho. Sim, é combativo. Sim, pressiona lá na frente. Mas terminou outra partida em branco. Pior: fez apenas um remate em 106 minutos efectivos de jogo - contando com o tempo extra das duas partes. É muito pouco para um ponta-de-lança.

 

Das ausências de Gonçalo Inácio e Pedro Gonçalves. Fazem falta.

 

Do relvado. Francamente em mau estado. Difícil de entender: o novo tapete verde foi instalado no início da época e estamos longe do Inverno. Como é que ficou assim?

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Do nosso regresso às vitórias. Após dois empates seguidos no campeonato, contra Famalicão e FC Porto, voltámos a amealhar três pontos. E num campo tradicionalmente difícil: o do Estoril, de onde saímos derrotados (0-2) no último confronto que lá travámos, para a Liga 2017/2018. Um triunfo ainda mais importante por ocorrer quatro dias após a goleada sofrida em Alvalade frente ao Ajax, para a Liga dos Campeões. Soubemos dar a volta e mostrar que estamos apostados, mais que nunca, em revalidar o título conquistado em Maio.

 

Do nosso domínio de jogo. Sem qualquer discussão, este nosso triunfo no Estoril, que só peca por ser escasso (vencemos 1-0). Muito maior volume ofensivo leonino durante quase toda a partida, controlo de jogo com posse de bola, segurança a defender e acutilância a atacar. Fomos forçando a equipa anfitriã - que vinha de três vitórias consecutivas - a recuar as linhas e até os nossos centrais passaram a linha divisória, envolvendo-se na manobra atacante. 

 

De Palhinha. Melhor em campo. Um poço de energia: concentrado, com capacidade atlética e pleno domínio técnico. Foi dono e senhor do corredor central, abortando lances do Estoril e construindo jogo. Serviu Paulinho numa quase-assistência aos 29'. Excelentes recuperações aos 41', 57', 73', 74'. Cortes decisivos aos 31', 76' e 90'+6. Já no tempo extra, aos 90'+3, disparou um tiro com selo de golo, travado muito a custo pelo guardião do Estoril. 

 

De Porro. Jogou como tem habituado os adeptos: entrega total à partida. Começou a fazer a diferença logo aos 2', com um magnífico passe a isolar Sarabia. Excelente centro para Paulinho, aos 28'. Belo lance individual, tirando vários adversários do caminho, aos 60'. E aos 67' foi ele a converter a grande penalidade que nos valeu três pontos. Sem hipóteses para Daniel Figueira. O primeiro golo do internacional espanhol nesta temporada. Ficamos a esperar por mais.

 

De Paulinho. Não marcou, mas esteve quase. E bem merecia, sobretudo naquele remate em arco aos 48' que fez a bola, sem defesa possível, embater no poste. Teve duas outras grandes oportunidades de inaugurar o marcador: aos 28', num disparo à meia-volta, a passe de Porro, e aos 29', num cabeceamento muito bem colocado - travados in extremis por Figueira e um defesa. Desforrou-se aos 65': foi ele a sofrer o penálti, cometido pelo guarda-redes, do qual resultaria o nosso golo da vitória.

 

De Neto. Exibição muito positiva do nosso central, regressando à titularidade colocado mais à direita (Matheus Reis estava à esquerda, com Coates ao centro). Muito atento, foi impecável no domínio da sua zona, revelou-se quase perfeito no passe e envolveu-se sem complexos no processo ofensivo. Podia ter marcado num remate rasteiro, em zona frontal, aos 61' - a bola só não entrou por desvio de Soria a dois metros da linha de golo.

 

De Adán. Mais discreto do que noutros jogos, foi ainda assim fundamental para impedir por duas vezes o golo do Estoril. Em lances sucessivos, logo aos 15'. A recente derrota frente ao Ajax não lhe parece ter deixado marcas.

 

Do apoio incondicional dos adeptos. Bancadas na Amoreira muito bem compostas de apoiantes leoninos, que não cessaram de incentivar os nossos jogadores com cânticos e aplausos do princípio ao fim. 

 

Da arbitragem de Tiago Martins. Deixou jogar, não apitou por tudo e por nada, mostrou-se indiferente às fitas e queixinhas dos jogadores. Só mostrou o primeiro amarelo aos 65', pelo penálti que o guarda-redes cometeu. Actuação na linha do que costumamos ver na Premier League ou observámos no recente Europeu de futebol. Custará assim tanto outros árbitros portugueses procederem desta forma?

 

De termos subido ao terceiro lugar. Antes desta partida, o Estoril estava à nossa frente. Já não está: seguimos agora em igualdade pontual com o FC Porto, continuando a depender apenas de nós próprios, mesmo que o Benfica vença a partida ainda por disputar nesta jornada. E permanecemos invictos no campeonato.

 

 

Não gostei

 

Dos golos desperdiçados. Da nossa parte, foram cinco. Três por intervenção do guarda-redes ou dos defensores do Estoril (Paulinho por duas vezes e Neto), outro porque a bola foi embater no ferro (ainda Paulinho), outro ainda porque Nuno Santos, isolado por Paulinho aos 37', permitiu que a bola fosse desviada por Patrick Willliam. Nada disto fez esmorecer o caloroso apoio dos adeptos.

 

De Sarabia. Rúben Amorim concedeu-lhe a estreia como titular. Mas o internacional espanhol que nos foi emprestado pelo PSG continua a parecer um peixe fora de água no onze leonino. Mesmo tendo usufruído de bastante espaço de manobra no flanco ofensivo direito, raras vezes fez a diferença - excepto no passe vertical lançando Paulinho que culminaria no penálti. Importante, mas escasso para um futebolista com o seu currículo. Percebe-se que lhe falta ainda articulação com os colegas. Saiu aos 82', dando lugar a Tiago Tomás.

 

Das ausências de Gonçalo Inácio e Pedro Gonçalves. Dois titulares indiscutíveis que continuam fora da equipa por lesão. Mas desta vez fizeram menos falta do que se poderia supor.

 

Do resultado ao intervalo. Mantinha-se o nulo inicial apesar de várias oportunidades que já tínhamos construído. Sabia a pouco e causava alguma apreensão para o segundo tempo. Felizmente nenhum mau augúrio se confirmou.

Rescaldo do jogo de ontem

Não gostei

 

Do segundo empate consecutivo em cinco jornadas. Após perdermos dois pontos em Famalicão, ontem voltámos a tropeçar - desta vez em casa, frente ao FC Porto (1-1). Amealhamos 11 pontos em 15 possíveis. Sabe a pouco. Sobretudo porque já vemos o Benfica quatro pontos acima de nós.

 

Dos três golos falhados. Tivemos hipótese de vencer por 4-1 a equipa azul-e-branca. Aos 31' e aos 36', Nuno Santos - duas vezes isolado perante o guarda-redes, em lances de bola corrida - permitiu a defesa in extremis de Diogo Costa, melhor jogador em campo. Ficou a sensação, em qualquer dos casos, que o extremo leonino poderia ter conseguido melhor. Aos 74', foi Paulinho a ver um cabeceamento interceptado pelo jovem guardião portista, quase em cima da linha de baliza. Quatro oportunidades, só uma concretizada.

 

Das baixas para este jogo. Pedro Gonçalves, Gonçalo Inácio e Tiago Tomás ficaram fora da convocatória por estarem lesionados. Ugarte, vindo de viagem à América do Sul, ficou igualmente  impedido de actuar. E Nuno Mendes, claro, ja não está em Alvalade: agora o seu lugar, no nosso onze titular, está preenchido por Vinagre. Sensação reforçada de que o nosso plantel é curto.

 

De Feddal. Exibição para esquecer. Aos 18' e aos 22', em dois momentos cruciais da primeira fase de construção de lances ofensivos, a partir do sector que lhe está confiado, o central marroquino entregou a bola de bandeja aos adversários. gerando perigo imediato. Muito abaixo do nível a que nos habituou.

 

De Paulinho. Voltou a ficar em branco: até agora, em cinco jogos, só marcou um golo. Anda com uma relação cada vez mais complicada com a baliza, como ficou patente aos 58': em posição frontal, sem marcação, recebe uma bola que sobrou para ele e em vez de fuzilar as redes vira-lhes as costas e lateraliza para um parceiro em pior posição, desperdiçando um lance soberano. Aos 37, em jogada colectiva de ataque rápido, demorou tanto a soltar a bola que já o fez com os defensores portistas reposicionados. E ainda foi amarelado por protestos, aos 14', como se fosse um principiante. Atravessa claramente uma crise de confiança. O problema é que corre o risco de ir contagiando toda a equipa.

 

De Matheus Reis. Rúben Amorim deu-lhe outra oportunidade, fazendo-o entrar aos 70' para substituir Feddal. Falhou passes, desposicionou-se, cruzou sem nexo. Parece não ter qualidade para integrar o plantel leonino.

 

De Nuno Almeida. Para os grandes jogos deviam ser convocados os melhores árbitros. Infelizmente, não é este o entendimento da Liga Portugal, que destacou para este clássico um dos piores. Nuno Almeida ia apostado em assumir pela negativa o protagonismo nesta partida. Aos 4', já tinha exibido três cartões amarelos. Quando apitou para o intervalo, já ia em sete (quatro para jogadores do Sporting, três do FCP). O jogo terminou com 12 amarelos e um vermelho (expulsão do portista Toni Martínez, aos 87'). Provavelmente um dos jogos com mais exibições de cartões de que há memória nos últimos anos em Portugal. O senhor Almeida não deve ter acompanhado as actuações dos árbitros europeus no recente Europeu de futebol. Apitavam o menos possível, interrompiam os jogos só em situações indiscutíveis e nunca banalizavam a amostragem de cartões. Ao contrário do que sucedeu neste Sporting-FC Porto.

 

Do golo sofrido. Luis Díaz movimentou-se como quis no nosso corredor direito e rematou cruzado, em arco, sem hipótese de defesa para Adán. Golo de belo efeito que poderia ter sido evitado pelo nosso bloco defensivo. Estava decorrido o minuto 71: o FCP empatava, conquistando um ponto em Alvalade, na única oportunidade de que dispôs no clássico.

 

Do acidente ocorrido no topo sul, agora quase sem público. Um adepto caiu da bancada, ao que parece quando festejava o nosso golo. Queda aparatosa, que fez temer o pior. Prontamente assistido, e conduzido ao hospital, verificou-se que tem uma perna fracturada. Do mal, o menos.

 

Da tradição que persiste. Há cinco anos - desde a época 2016/2017 - que não conseguimos vencer o FC Porto no nosso estádio.

 

 

Gostei

 

De Porro. Melhor sportinguista em campo. Reconquistou a titularidade com todo o mérito. O domínio claro do Sporting durante quase toda a primeira parte deve-se em grande parte a ele: imperou sem discussão no seu corredor, tanto na manobra ofensiva como na segurança defensiva. Venceu sucessivos confrontos individuais, recuperou bolas e cruzou com qualidade. Um desses centros resultou em assistência para o nosso golo. 

 

De Nuno Santos. Muito dinâmico, acelerando o jogo, criando desequilíbrios, fez a diferença no último terço do campo e no primeiro terço da partida. Momento culminante: o golo que marcou aos 16', correspondendo da melhor forma a um soberbo cruzamento de Porro. Dispôs de duas outras oportunidades flagrantes, sem concretizar. Esteve a centímetros de uma exibição de sonho. Mesmo assim, foi muito positiva. Tomou conta de toda a nossa ala esquerda nos dez minutos finais.

 

De Coates. Tem andado com problemas físicos, mas ninguém diria. Outra grande actuação do nosso capitão, com cortes impecáveis aos 12', 45'+3 e 67'. Pautando o jogo e conferindo-lhe equilíbrio a partir do eixo da defesa da forma quase irrepreensível.

 

Da estreia de Sarabia. O internacional espanhol, recém-chegado por empréstimo, foi brindado com entusiástica ovação ao entrar em campo, aos 61', rendendo um apagado Jovane. Mal teve tempo para treinar com a equipa, portanto dificilmente poderia mostrar tudo quanto vale nesta sua primeira exibição de verde-e-branco. Mas revelou apontamentos que confirmam a sua classe.

 

De voltar a ver um clássico com público em Alvalade. A sociedade vai-se libertando do espartilho da pandemia - e o mesmo vai sucedendo nos estádios de futebol, medida que só peca por tardia. Ontem houve 18.727 adeptos nas bancadas.

 

De termos cumprido mais um jogo sem perder em casa. Há 27 desafios consecutivos para o campeonato que não sofremos derrotas no nosso estádio.

Rescaldo do jogo de ontem

Não gostei

 

Dos primeiros pontos perdidos no campeonato. Desde que o Famalicão subiu novamente ao primeiro escalão do futebol português ainda não vencemos esta equipa. A tradição recente cumpriu-se: ontem fomos lá empatar 1-1. E estivemos a perder a partir dos 68'. Conseguimos anular a desvantagem, aos 82'. Mas foi um ponto arrancado a ferros. Numa partida em que o onze leonino teve uma exibição decepcionante. 

 

Do festival de passes falhados. Há muito que a nossa equipa não claudicava tanto no capítulo do passe - sobretudo na transição do meio-campo para o ataque. Quase nenhum titular está isento de culpas neste domínio.

 

De Jovane. Rúben Amorim apostou nele para o onze titular, mas o luso-caboverdiano não correspondeu a mais esta prova de confiança. Logo aos 2', teve o golo nos pés, isolado perante o guarda-redes, mas recebeu a bola com displicência e nem conseguiu dominá-la. Este lance marcou-o: foi incapaz de dar um contributo positivo à equipa. Saiu tarde, estavam já decorridos 56'.

 

De Matheus Nunes. Perdeu-se demasiado tempo, na semana que agora termina, a discutir se o luso-brasileiro merecia integrar a selecção nacional ou a "canarinha". Esta é daquelas discussões inúteis que volta e meia despontam no futebol português. Com a péssima exibição nesta partida em Famalicão, onde foi um dos piores em campo, o debate entre os adeptos deve ser outro: Matheus merece ou não ser titular no Sporting?

 

Do autogolo de Nuno Mendes. O jovem lateral esteve muito longe das melhores exibições a que nos habituou de verde e branco. Foi infeliz ao introduzir a bola na baliza, culminando uma série de intervenções atabalhoadas nesse lance iniciadas com uma perda de bola a meio-campo e consequente abertura de uma avenida para a cavalgada do Famalicão. Outros jogadores do Sporting tiveram responsabilidade neste golo sofrido, nomeadamente Gonçalo Inácio: é ele quem remata contra a perna de Nuno, que sem querer introduz a bola na baliza. 

 

Da posição de Gonçalo Inácio. Terceiro golo sofrido pelo Sporting esta época, terceira vez em que o jovem central tem alguma responsabilidade nesses lances. Gostaria muito de voltar a vê-lo actuar na sua posição natural, como central à esquerda, e não nesta adaptação de pés trocados que começou por ser provisória e se vai tornando definitiva. 

 

De Paulinho. Outra exibição de fraco nível do nosso "ponta-de-lança" que parece jogar cada vez mais longe da baliza. Uma vez mais, não pode queixar-se de ter sido mal servido pelos colegas. Aos 53', recebeu muito mal a bola que lhe fora endossada por Nuno Mendes. Aos 84', a passe de Porro, cabeceou à figura. No último minuto, aos 90'+7, atirou muito por cima em posição frontal, desaproveitando uma assistência de Pedro Gonçalves. Com prestações destas, não admira que em cinco jogos oficiais o ex-Braga leve apenas um golo marcado na temporada em curso.

 

Da primeira parte. Nem uma oportunidade de golo para o Sporting durante os 45 minutos iniciais. Actuámos neste período como se nos pesasse a condição de sermos campeões em título. Irreconhecíveis. A primeira oportunidade surgiu apenas aos 58', quando já estavam em campo dois jogadores que saltaram do banco: Porro (em vez de Esgaio) e Nuno Santos (em vez de Jovane). O primeiro cruzou, o segundo atirou ao poste.

 

Do árbitro. Não teve influência no resultado nem faz qualquer sentido atribuirmos a perda dos dois pontos a este senhor, um dos mais fracos apitadores que se pavoneiam nos estádios nacionais. Mas Fábio Veríssimo voltou a cometer um delito de lesa-futebol ao exibir três cartões amarelos antes de haver decorrido o primeiro quarto de hora. Por lances casuais, sem qualquer justificação para este absurdo critério que estraga o espectáculo e contradiz em absoluto as orientações dadas aos árbitros na sequência do recente Campeonato da Europa, em que houve poucas interrupções de jogo e foram exibidos escassos cartões. Alguns árbitros portugueses não parecem ser deste continente. É o caso de Veríssimo, que exibiu oito amarelos, incluindo cinco a jogadores nossos: Esgaio (5'), Palhinha (14'), Nuno Mendes (41'), Pedro Gonçalves (75') e Tabata (90'+5).

 

 

Gostei

 

De Adán. Pela segunda jornada consecutiva, o melhor Leão em campo. Salvou a equipa de sofrer três golos com intervenções decisivas aos 27', 39' e 90'+5. Começa a merecer a inclusão no lote dos melhores guarda-redes de sempre do Sporting. A ele devemos ter saído de Famalicão com um empate em vez de uma derrota.

 

De Porro. Amorim preferiu manter Esgaio como titular na ala direita, mas o reforço leonino - talvez por ter sido amarelado muito cedo, de forma injusta - esteve demasiado retraído, contribuindo pouco para a dinâmica ofensiva da equipa. Com o espanhol em campo, a partir do minuto 56, o nosso jogo acelerou muito naquele corredor, de onde surgiram sucessivos lances de perigo, fazendo o Famalicão encostar enfim às cordas. Aos 58', já servia Nuno Santos, que atirou ao ferro. Aos 60', tentou marcar de chapéu a mais de 40 metros de distância ao ver adiantado o guarda-redes, que defendeu in extremis: teria sido o golo mais espectacular deste campeonato. Aos 84', outro grande cruzamento, que Paulinho desperdiçou. Todas as dúvidas ficaram desfeitas: Porro merece regressar ao onze titular.

 

De Palhinha. Esteve longe do seu melhor, nomeadamente no capítulo do passe, mas foi um dos raros sportinguistas que se destacaram da mediania ou até da mediocridade. Mesmo com amarelo a partir do minuto 14, não virou a cara à luta, batalhando sempre pela bola. Devemos-lhe o golo do empate, aos 82', dando a melhor sequência a um pontapé de canto ao colocar-se junto ao segundo poste. E leva dois já marcados neste início de temporada.

 

De Daniel Bragança. Também ele entrou bem, mostrando-se muito mais em jogo do que Matheus Nunes, que rendeu aos 73'. Bom passe longo aos 90'+2. Passe teleguiado para Pedro Gonçalves aos 90'+7: foi a nossa última oportunidade real de golo.

 

Do Famalicão. Boa exibição global da equipa dirigida por Ivo Vieira - um dos melhores treinadores da Liga portuguesa. Destaco os desempenhos de Iván Jaime, Marcos Paulo e Ivo Rodrigues. 

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Da vitória indiscutível do Sporting em Alvalade. Derrotámos o Belenenses SAD por 2-0 num jogo de sentido único, em que só uma equipa procurou os três pontos. Superioridade total do onze leonino perante uma das equipas que mais problemas nos causaram na época anterior. 

 

Da nossa entrada em campo. Domínio absoluto do Sporting, traduzido num golo marcado muito cedo: cabeceamento de Gonçalo Inácio para o fundo das redes, logo aos 7'. Estivemos por cima desde o minuto inicial, com pressão intensa sobre a equipa azul. Excelente organização colectiva, robustez física e anímica, índices de confiança muito elevados.

 

De Palhinha. O melhor em campo. Não falhou um passe, recuperou várias bolas, foi o primeiro a construir jogo com critério, neutralizou Afonso Sousa - o mais talentoso dos adversários. Desta vez actuou em zonas mais adiantadas, com reflexos muito positivos para a equipa. Ponto algo de uma exibição digna de elogios: o golo que marcou de cabeça, aos 48', na sequência de um livre apontado por Pedro Gonçalves. Foi o primeiro dele nesta temporada. Todos esperamos que marque muitos mais com as nossas cores.

 

De Vinagre. Exibição de alto nível do reforço leonino, lateral esquerdo de características muito ofensivas. Na primeira parte esteve próximo da perfeição, dominando o seu corredor e causando calafrios ao B-SAD sempre que subia em apoio do ataque. Foi dele a assistência para o primeiro golo com um cruzamento teleguiado para a cabeça de Gonçalo Inácio. 

 

De Nuno Santos. O treinador apostou nele para jogar de início - e o nosso extremo esquerdo correspondeu em pleno. Sobretudo no capítulo dos cruzamentos, destacando-se aos 5', aos 11' e aos 13'. Este último foi quase um semi-golo, infelizmente não concretizado por Paulinho.

 

Das alterações no onze inicial. Rúben Amorim deixou de fora Feddal e Jovane, fazendo entrar Neto e Nuno Santos, ambos em estreia como titulares. Sinal transmitido pelo técnico ao grupo de trabalho: para ele, todos contam. Nenhum membro deste plantel 2021/2022 é dispensável. 

 

Dos regressos de Porro e Nuno Mendes. Mantiveram-se fora do onze titular, mas Amorim deu-lhes ordem para entrarem ao minuto 66. Mostraram ambos que estão em grande forma, totalmente recuperados das lesões. Excelente notícia para todos nós. 

 

Do nosso bloco defensivo. Irrepreensível, uma vez mais. Adán praticamente limitou-se a assistir ao jogo. O trio de centrais - mantendo mestre Coates no posto de comando - chegou e sobrou para as encomendas. Com Gonçalo Inácio devolvido à posição natural, a de central pela esquerda. Não admira que levemos apenas um golo sofrido em três jogos.

 

De ver nove portugueses entre os nossos onze que começaram o jogo. Só o espanhol Adán e o uruguaio Coates destoavam. E havia quatro da formação leonina quando soou o apito inicial: Gonçalo Inácio, Esgaio, Palhinha e Vinagre. Depois entraram mais quatro: Jovane (66'), Nuno Mendes (66'), Daniel Bragança (83') e Tiago Tomás (83').

 

De ver que estamos ainda melhor do que na época passada. Em Abril, no campeonato anterior, o Belenenses-SAD veio a Alvalade empatar 2-2. Já temos mais dois pontos na comparação com desafios homólogos dessa temporada em que nos sagrámos campeões.

 

Do segundo jogo consecutivo com público nas bancadas. Estiveram preenchidos 13.135 lugares do nosso estádio. Ainda pouco para o que se pretende, mas o caminho faz-se caminhando.

 

De termos cumprido o 28.º jogo seguido em casa sem perder. E andamos há 16 jogos consecutivos a marcar no Estádio José Alvalade, onde a nossa última derrota para o campeonato foi sofrida há 19 meses.

 

 

Não gostei

 

Do resultado. Por ter sabido a pouco: apenas um golo marcado em cada parte do desafio. Magro pecúlio num jogo em que fizemos 26 remates, sete dos quais enquadrados com a baliza. Podíamos ter goleado a fraca turma comandada por Petit.

 

De Paulinho. Mau na hora da decisão. Desta vez não pode queixar-se de falta de oportunidades. Dispôs de quatro e desperdiçou todas. Aos 13', falhou um golo cantado após Nuno Santos o ter servido de bandeja. Aos 32', voltou a ser perdulário depois de Matheus lhe ter entregue a bola bem redondinha. Aos 40', servido por Pedro Gonçalves, atirou um charuto para a bancada. E aos 50', após novo passe soberbo de Matheus, atirou à figura, virando de imediato as costas ao lance, o que o impediu de tentar a recarga. Para esquecer.

 

De ver o topo sul vazio. Que desolação, olhar para ali e não ver ninguém...

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Do difícil triunfo em Braga. Segundo jogo do Sporting na Liga 2021/2022, segunda vitória neste ansiado rumo ao bicampeonato que nos foge desde 1954. Esta, por 1-2, tanto mais saborosa por coroar um dos cinco ou seis jogos mais difíceis do calendário futebolístico português. 

 

Dos golos. O Sporting não se limita a vencer: também tem marcado grandes golos. Desta vez o primeiro foi aos 40' - fixando o resultado ao intervalo. O segundo surgiu cinco minutos após o reatamento. Golos de fazer levantar qualquer estádio. E desta vez, felizmente, já havia adeptos no municipal de Braga. Ainda em número reduzido, mas é melhor que nada.

 

De Pedro Gonçalves. Volta a ser decisivo. Desta vez porque marcou o golo que nos valeu os três pontos. Recebeu a bola muito bem colocada por Jovane e não perdoou no momento do remate. É um goleador nato, confirma-se. Já leva quatro golos em três jogos oficiais desta época - três do campeonato e o da Supertaça. Promete ser pelo menos tão decisivo nesta temporada como foi na que nos conduziu à conquista do título máximo a 11 de Maio.

 

De Jovane. Rúben Amorim apostou nele como titular - e fez muito bem, não o castigando pelo penálti falhado no jogo anterior. O jovem luso-caboverdiano correspondeu da melhor maneira, com um grande golo ao minuto 40, marcado de cabeça sem qualquer hipótese de defesa para o guarda-redes Matheus. E ainda foi ele a assistir Pedro Gonçalves no segundo, aos 50'. Um dos melhores em campo.

 

De Adán. Voto nele como figura do jogo. Gigante entre as redes, foi crucial para nos garantir os três pontos em Braga. Evitou golos aos 38', aos 45'+3, aos 84' e aos 87'. Para desespero de jogadores adversários como Fábio Martins e Iuri Medeiros. 

 

De Esgaio. Voltou a confirmar-se como excelente reforço deste Sporting. Exibição irrepreensível como titular do corredor direito, com um momento de luxo: a assistência para o golo inaugural, picando a bola por cima da defesa braguista. A segunda assistência em dois jogos. Missão de sacrifício a partir dos 83', quando o treinador lhe pediu que funcionasse como lateral esquerdo. Correspondeu bem, revelando excelente condição física.

 

De Coates. Impossível não mencionar o capitão leonino, que voltou a ser um baluarte defensivo. Cortes impecáveis aos 45'+6, aos 66', aos 85' e aos 90'+5. Podia ter marcado de cabeça, na sequência de um canto, aos 32': ficou a sensação que levou um toque de Matheus à margem das regras.

 

Do regresso de Porro. O internacional espanhol está recuperado da lesão. Não foi titular, mas entrou aos 83', ainda a tempo de ajudar a equipa a contrariar a pressão atacante da turma minhota. Boa notícia.

 

Da estreia de Ugarte. Infelizmente o contexto não foi o mais favorável: entrou aos 90'+2, substituindo Palhinha, sem tempo para exibir as suas qualidades como futebolista. Não lhe faltarão oportunidades para isso.

 

Da qualidade do jogo. Uma verdadeira partida de campeonato: intensa, emotiva, de resultado incerto até ao apito final. As duas equipas honraram a modalidade. 

 

Da nossa quinta vitória contra o Braga, sempre com Amorim ao leme. Em sete meses, os braguistas perdem connosco pela quinta vez. Duas para a Liga 2020/2021, em Janeiro e Abril, outra na final da Taça da Liga, também em Janeiro, depois na Supertaça, a 31 de Julho. Esta foi a quinta consecutiva, com saldo em golos largamente positivo para o Sporting (8-2). E aposto que a série não termina aqui. Desfazendo em definitivo qualquer dúvida que pudesse subsistir na comparação entre os dois emblemas.

 

 

Não gostei

 

De ver a equipa recuar em excesso quando passou a jogar só com dez. Não havia necessidade de nos remetermos tanto à defesa, como se não tivéssemos vasta experiência em defrontar o Braga com menos um. Foi o único período do desafio, a partir daquele minuto 80', em que abdicámos por completo da iniciativa de jogo.

 

Da saída de Palhinha aos 90'+2. Não percebi a troca do nosso médio defensivo pelo estreante Ugarte precisamente quando estávamos remetidos em exclusivo ao nosso último reduto. Isto desequilibrou a equipa e encorajou o ímpeto atacante do Braga, traduzido em golo no minuto seguinte.

 

Do golo solitário do Braga, aos 90'+3. A jogar com mais um, adivinhava-se que a equipa minhota poderia reduzir a qualquer momento a desvantagem no marcador. Tantas vezes tentou nos 20 minutos finais que acabou por conseguir, por Abel Ruiz. Felizmente para nós num momento já muito tardio do desafio.

 

De Matheus Reis. Entrou mal no jogo, aos 62', rendendo Vinagre. Intranquilo, acusando nervosismo em excesso, expôs-se aos cartões sem necessidade. Acabou expulso aos 80', o que afectou a nossa equipa mais do que seria previsível. 

 

De Paulinho. Exibição demasiado discreta do nosso ponta-de-lança, que pareceu afectado pelo coro de assobios que foi escutando do princípio ao fim da partida.

 

De ver o Sporting terminar o jogo sem um lateral esquerdo de raiz. Com Nuno Mendes lesionado, Vinagre substituído e Matheus Reis expulso, teve de ser Esgaio a deslocar-se para esse corredor. Cumprindo a missão que lhe foi confiada mas demonstrando como o plantel leonino pode ser curto.

 

Dos preços dos bilhetes que o Braga pôs à venda para este jogo. Para os adeptos do Sporting, chegaram a ser fixados em 90 euros, algo inconcebível. 

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Da entrada em grande do Sporting na Liga 2021/2022. Atitude de campeão que sonha revalidar o título, conquistando o primeiro bicampeonato do futebol leonino desde 1954. Sobretudo na segunda parte, em que foram marcados os nossos três golos em casa contra o Vizela. Desempenho brilhante do colectivo treinado por Rúben Amorim, que não abrandou o ritmo atacante mesmo quando já vencíamos por margem confortável.

 

Do regresso do público. Dezassete meses depois, 516 dias depois, o estádio José Alvalade voltou a ter público nas bancadas. Cerca de 10 mil adeptos nos lugares disponíveis, vários dos quais agora integralmente verdes. Foi um momento por que há muito esperávamos, este de podermos aplaudir ao vivo os nossos campeões - incentivados fervorosamente do princípio ao fim. Não podia haver melhor maneira de assinalar o 18.º aniversário da inauguração do actual estádio.

 

De Pedro Gonçalves. Melhor jogador em campo. Nenhum fez a diferença como ele - desde logo ao apontar os dois primeiros golos do Sporting, que foram também os dois primeiros golos do novo campeonato, contribuindo como nenhum outro para estes três pontos iniciais da equipa campeã. Marcou aos 48', com um primoroso chapéu ao guarda-redes, a passe de Paulinho após recuperação de Palhinha. Dezasseis minutos depois, aos 64', assinou uma obra de arte após cruzamento de Esgaio, com óptima recepção na grande área e remate muito bem colocado de pé direito, à meia-volta, sem a menor hipótese para Charles. Já leva três golos marcados em dois jogos oficiais. Tem claramente a ambição de voltar a sagrar-se rei dos goleadores no campeonato.

 

De Paulinho. Não dá espectáculo, dirão. Mas é um elemento cada vez mais influente no nosso onze titular. Sai deste jogo com um golo - o nosso terceiro, aos 74', com soberba assistência de Nuno Santos - e uma assistência. Trabalha muito para a equipa, abrindo espaços, arrastando marcações. Bom cabeceamento aos 26', para defesa apertada do guardião forasteiro.

 

De Vinagre. Estreia absoluta de verde e branco na equipa principal do Sporting - e logo como titular, colmatando ausência de Nuno Mendes por lesão. Desempenho muito positivo do ala esquerdo emprestado pelo Wolverhampton. Dinâmico, veloz, com bom drible, sem receio dos duelos individuais. Cruzamentos muito bem medidos aos 22' e aos 26'. É ele quem inicia o terceiro golo, com um passe vertical que desmarcou Nuno Santos, numa fase do jogo em que já acusava alguma fadiga física.

 

De Esgaio. No corredor direito, também ele cumpriu com distinção. Como reforço do Sporting, clube que o formou e a que regressa quatro anos depois. Com Porro ausente por lesão, foi dono e senhor da sua ala, tanto no plano defensivo como ofensivo. Cruzamentos dignos de nota aos 12', 30', 53' e 63'. Ponto alto desta exibição: a assistência para o segundo golo, servindo Pedro Gonçalves com boa execução técnica e excelente visão de jogo.

 

De ver a nossa baliza inviolada. Adán fez uma única defesa complicada, quando se viu forçado a socar uma bola aos 71'. O trio de centrais - Gonçalo Inácio, Coates e Feddal - comportou-se da melhor maneira, ao nível a que habituou os adeptos na época passada. 

 

Da consistência colectiva do Sporting. Jogo desenrolado ao primeiro toque, constantes aberturas de linhas de passe, atenção permanente às dobras, pressão intensa no portador da bola sem deixarmos a equipa adversária em posse mais que uns segundos. Entramos neste campeonato melhor ainda do que há um ano. Ninguém se iluda: existe treino muito competente por detrás disto.

 

De Rúben Amorim. O treinador entra com o pé direito neste regresso a casa, com nova competição já em marcha. Pormenor a destacar: nunca perdeu um jogo em Alvalade desde que orienta a equipa principal do Sporting.

 

Da ovação a Jorge Fonseca ao intervalo. O nosso campeão olímpico, bronze no judo em Tóquio, exibiu a medalha recém-conquistada nos Jogos Olímpicos tanto no relvado como nas bancadas. Recebeu merecida chuva de aplausos e um pequeno banho de multidão.

 

 

Não gostei

 

Do empate a zero que se mantinha ao intervalo. Boa réplica do Vizela neste seu regresso à primeira divisão do futebol português 36 anos depois, o que dificultou a nossa capacidade ofensiva nos 45 minutos iniciais.

 

De Jovane. Não foi a sua noite - longe disso. Pela primeira vez na carreira, enquanto profissional, falhou a marcação de uma grande penalidade atirando por cima, a rasar a barra. Foi aos 32', o que pareceu afectá-lo em termos anímicos. Aos 45'+1 desperdiçou outra oportunidade, rematando ao lado. No minuto seguinte, atirou para a bancada. Bem substituído por Nuno Santos aos 68'.

 

Da lentidão das decisões do VAR. Foi muito demorada, a análise do vídeo-árbitro Nuno Almeida ao nosso terceiro golo, apontado por Paulinho. Que foi de uma legalidade irrepreensível. Não havia necessidade de manter o jogo interrompido por tanto tempo.

Balanço (34)

Antes do início do campeonato nacional de futebol 2021/2022, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio. Esta é a última de quatro partes.

 

16 de Abril (Farense, 0 -  Sporting, 1): ADÁN

«Para já, fica matematicamente garantido o quinto lugar da Liga 2020/2021. A sete jornadas do fim da prova. Ainda podemos totalizar 90 pontos, se vencermos todos os jogos até ao fim. À condição, levamos agora nove de avanço sobre o FC Porto, 12 sobre o Benfica e 15 sobre o Braga.»

 

21 de Abril (Sporting, 2 - Belenenses SAD, 2): COATES

«A perder por 0-2, os nossos jogadores encheram-se de brios, carregaram no acelerador e fizeram enfim enorme pressão sobre o Belenenses SAD, que passou a aliviar de qualquer maneira. Só foi pena terem esperado tanto tempo para mostrarem como se deve fazer. Não podiam ter despertado mais cedo?»

 

25 de Abril (Braga, 0 - Sporting, 1): COATES

«Terceiro embate da época entre as duas equipas, terceiro triunfo leonino. Não pode ser coincidência, numa temporada em que a esmagadora maioria dos comentadores antevia a turma minhota "já como equipa grande" e até "a praticar o melhor futebol" do campeonato português. Palavras que foram levadas pelo vento: agora derrotado por 0-1, o Braga segue na quarta posição da Liga 2020/2021, com menos 15 pontos que o Sporting.»

 

1 de Maio (Sporting, 2 - Nacional, 0): JOVANE

«Vitória categórica contra três equipas: o onze adversário (reduzido para dez aos 67'), o árbitro que fez vista grossa a uma grande penalidade cometida sobre Paulinho logo aos 7' e o vídeo-árbitro Luís Ferreira, incapaz de detectar um murro na cara de Daniel Bragança aos 45'+1 e um ostensivo agarrão a Coates aos 80'.»

 

5 de Maio (Rio Ave, 0 - Sporting, 2): PAULINHO

«Domínio leonino absoluto na primeira parte, em que condicionámos toda a manobra do Rio Ave. A vantagem começou a ser construída aos 34', na conversão de uma grande penalidade (a nona de que beneficiámos nesta época), por Pedro Gonçalves, e ficou selada aos 63', quando Paulinho marcou um grande golo. Que só não fez levantar o estádio porque - apesar do desconfinamento geral - o público continua impedido de frequentar as bancadas.»

 

11 de Maio (Sporting, 1 - Boavista, 0): PALHINHA

«Feddal faz um passe vertical lá de trás e coloca nos pés de João Mário, que consegue libertar-se da marcação simultânea de dois adversários e serve Nuno Santos, entretanto desmarcado. Do canhoto sai um centro teleguiado para a grande área: Paulinho encosta. Missão cumprida.»

 

15 de Maio (Benfica, 4 - Sporting, 3): PEDRO GONÇALVES

«Entrámos a pressionar, mas com incompreensíveis falhas posicionais. Sobretudo na linha defensiva do meio-campo, onde se abriam crateras entre Daniel Bragança e Matheus Nunes - ontem titulares em vez de João Mário e Palhinha - e entre estes dois jogadores e o trio de centrais. O Benfica explorou inteligentemente estes espaços vazios lançando ataques demolidores que produziram estragos.»

 

19 de Maio (Sporting, 5 - Marítimo, 1): PEDRO GONÇALVES

«Aconteceu a nossa maior goleada da Liga 2020/2021, com um dos mais belos golos da prova, uma das melhores assistências que vimos nos últimos meses e um extraordinário quase-golo que merecia outro desfecho, lá no fundo das redes adversárias.»

Balanço (33)

Antes do início do campeonato nacional de futebol 2021/2022, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio. Esta é a terceira de quatro partes.

 

9 de Fevereiro (Gil Vicente, 1 -  Sporting, 2): COATES

«Vendo o Sporting perder ao intervalo, o treinador tentou tudo para virar o rumo da partida. E conseguiu: esgotou as substituições e, a cada mexida que fazia, o Sporting foi ficando melhor. Saíram jogadores mais fatigados ou desinspirados, entraram outros mais velozes e acutilantes. Foi assim logo no minuto inicial da segunda parte, quando Gonçalo Inácio e Tiago Tomás renderam Neto e Antunes.»

 

15 de Fevereiro (Sporting, 2 - Paços de Ferreira, 0): PALHINHA

«Quatro oportunidades de golo, duas concretizadas. Aos 20', na conversão de um penálti, por João Mário - que apontou muito bem o castigo máximo. E aos 48', por Palhinha, naquele que é desde já um dos melhores golos deste campeonato. Na sequência de um canto, o que merece ser assinalado: foi a primeira vez que aproveitámos da melhor maneira um pontapé de canto nesta Liga 2020/2021.»

 

20 de Fevereiro (Sporting, 2 - Portimonense, 0): PALHINHA

«Procurámos adiantar-nos no marcador tão cedo quanto possível. Alcançado o 2-0 antes do intervalo, soubemos gerir a vantagem durante todo o segundo tempo, defendendo em bloco compacto e garantindo com inegável competência a posse de bola, sem riscos desnecessários, até porque a chuva ia caindo com intensidade e o relvado de Alvalade foi-se tornando impraticável para a prática de um futebol artístico.»

 

27 de Fevereiro (FC Porto, 0 - Sporting, 0): COATES

«Dois objectivos nos serviam: a vitória ou o empate. Prevaleceu o segundo (0-0), confirmando que os portistas são incapazes de nos vencer esta época: em três confrontos, perderam um e empataram nos restantes. Ao contrário do que sucedeu na temporada anterior. Mantemos os dez pontos de vantagem em relação ao FCP, ainda segundo. Estamos a dez triunfos de nos sagrarmos campeões nacionais de futebol. Nota a reter: não empatávamos neste estádio desde 2008/2009.»

 

5 de Março (Sporting, 2 - Santa Clara, 1): COATES

«Triunfo começado a construir aos 22' e consumado já no tempo extra - uma vez mais - quando estava decorrido o penúltimo dos quatro minutos de compensação concedidos pelo árbitro. Desatando assim o empate que a equipa açoriana ameaçara impor aos 84'. Este Sporting soma e segue. Com estrelinha, sim. Mas não há campeões sem sorte, nunca houve.»

 

13 de Março (Tondela, 0 - Sporting, 1): NUNO MENDES

«Neste mesmo estádio, só Benfica e V. Guimarães tinham saído antes com três pontos na Liga 2020/2021. Nós próprios perdemos lá nos dois campeonatos anteriores: 1-2 em Janeiro de 2019 e 0-1 em Novembro de 2019. O que torna esta vitória ainda mais saborosa. Foi a décima nos últimos 11 jogos.»

 

20 de Março (Sporting, 1 - V. Guimarães, 0): PALHINHA

«Domínio total do jogo e conquista de mais três pontos nesta recepção à turma minhota, apanhada de surpresa pela mudança do sistema táctico intoduzida por Rúben Amorim na nossa equipa, que actuou sobretudo em 3-5-2, com Daniel Bragança como médio colocado logo atrás do duo de avançados (Pedro Gonçalves e Tiago Tomás). Desta forma o corredor central foi todo nosso. E os de Guimarães viram-se incapazes de desatar o nó.»

 

5 de Abril (Moreirense, 1 - Sporting, 1): JOÃO MÁRIO

«Nos 20 minutos finais, a equipa usou e abusou das trocas de bola entre os centrais e dos atrasos ao guarda-redes, atitude imprópria de um emblema que sonha ser campeão nacional. Tentar segurar 1-0 com tão estéril "posse de bola" conta apenas para as estatísticas. E basta um deslize para correr mal. Foi precisamente o que aconteceu.»

 

11 de Abril (Sporting, 1 - Famalicão, 1): PEDRO GONÇALVES

«Entre o golo marcado e os vinte minutos finais, em que acentuaram enfim a pressão sobre a baliza adversária, voltaram a abusar da "posse de bola" inconsequente, feita de saída a passo, sucessivas trocas entre os centrais, passes curtos no miolo do terreno, lateralizados e à retaguarda, sem variações de flanco, sem explorar as alas, sem arriscar no remate de meia-distância. Dando quase a sensação de que o empate já servia.»

 

(Conclui amanhã)

Balanço (32)

Antes do início do campeonato nacional de futebol 2021/2022, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio. Esta é a segunda de quatro partes.

 

5 de Dezembro (Famalicão, 2 -  Sporting, 2): PORRO

«Aconteça o que acontecer nesta jornada, e apesar dos dois pontos hoje perdidos em Famalicão, manteremos o primeiro lugar. Continuamos a ser a única equipa invicta. E até agora marcámos em todas as jornadas do campeonato.»

 

19 de Dezembro (Sporting, 1 - Farense, 0): TABATA

«Vitória conseguida após se ter esgotado o período regulamentar de jogo, já em tempo de prolongamento. Mas é quanto basta para seguirmos na frente da Liga 2020/2021, que comandamos há cinco jornadas consecutivas, desde 1 de Novembro. Quase 20 anos depois, voltamos a ser líderes isolados no Natal: a última vez foi em 2001/2002, quando fomos campeões.»

 

27 de Dezembro (Belenenses SAD, 2 - Sporting, 2): ADÁN

«O Sporting foi surpreendido por um Belenenses SAD muito avançado no terreno e que nunca abandonou a pressão atacante. Confronto difícil no Jamor, em noite gelada e com chuva na segunda parte, contra um adversário que há duas jornadas venceu o Braga naquele mesmo cenário. Soube a pouco em termos exibicionais, mas a nossa equipa cumpriu no essencial.»

 

2 de Janeiro (Sporting, 2 - Braga, 0): PORRO

«Tivemos três oportunidades de golo, convertemos duas. Equipa com fome de títulos é mesmo assim: aproveita o que houver, sem desperdícios.»

 

8 de Janeiro (Nacional, 0 - Sporting, 2): PEDRO GONÇALVES

«Num terreno absolutamente impróprio para a prática desportiva, muito menos para uma competição de futebol profissional, o onze leonino dominou do primeiro ao último minuto, vulgarizando o Nacional, que não produziu qualquer lance de perigo para a nossa baliza. Vencemos por 2-0, com um golo em cada parte, e podíamos ter marcado pelo menos mais dois. Mas melhor do que o resultado foi a exibição, num autêntico futebol de lama, sob um dilúvio implacável que se abateu sobre o Funchal: triunfo da vontade, da atitude competitiva, do espírito colectivo, da garra leonina.»

 

15 de Janeiro (Sporting, 1 - Rio Ave, 1): PEDRO GONÇALVES

«É verdade que [Amorim] não podia contar com Neto e Nuno Mendes, infectados com Covid-19, nem com Feddal, afastado por acumulação de cartões. Optou por Borja e Eduardo Quaresma para formarem o trio de centrais com Coates, quando tinha Gonçalo Inácio como alternativa viável ao colombiano, e podia ter apostado em Porro como central mais próximo da ala direita, fazendo entrar Matheus Nunes para médio-ala. Mais controversa ainda foi a sua aposta em Plata para fazer o corredor esquerdo, habitualmente entregue a Nuno Mendes: o jovem equatoriano falha clamorosamente nas missões defensivas e andou perdido na missão táctica que lhe cabia.»

 

26 de Janeiro (Boavista, 0 - Sporting, 2): PORRO

«Domínio total do Sporting do princípio ao fim da partida do Bessa, quase sempre de sentido único. Com Adán a fazer apenas uma defesa digna desse nome (82'). O resultado ao intervalo (1-0) era muito lisonjeiro para a equipa da casa. No mesmo estádio onde o Boavista vencera o Benfica por 3-0.»

 

1 de Fevereiro (Sporting, 1 - Benfica, 0): MATHEUS NUNES

«Desde Abril de 2012 (Godinho Lopes era o presidente e Sá Pinto era o treinador) que não vencíamos o Benfica, em casa, para o campeonato. Tinham Nuno Mendes e Tiago Tomás apenas nove anos. Era mais que tempo de pôr fim a isto. E faço desde já votos para que um tão grande período sem derrotarmos as papoilas em Alvalade nunca mais volte a acontecer.»

 

5 de Fevereiro (Marítimo, 0 - Sporting, 2): PEDRO GONÇALVES

«Fechamos com chave de ouro a primeira volta, derrotando sem discussão a equipa madeirense, que a 11 de Janeiro nos eliminara da Taça de Portugal, em partida também disputada no estádio dos Barreiros. A desforra foi requintada: dominámos esta partida do primeiro ao último minuto.»

 

(Continua amanhã)

Balanço (31)

Antes do arranque do campeonato nacional de futebol 2019/2020, relembro os meus apontamentos da época passada. Para recordar os jogadores que se evidenciaram mais em cada desafio.

 

27 de Setembro (Paços de Ferreira, 0 - Sporting, 2): COATES

«As equipas começam a construir-se de trás para a frente. É o que tem vindo a acontecer neste Sporting 2020/2021. Sem esquecer que a manobra defensiva, para ter sucesso, deve iniciar-se na zona mais adiantada do relvado. Os números confirmam que estamos no bom caminho: dois jogos oficiais disputados com apenas três dias de diferença, nenhum golo sofrido e apenas uma defesa do guardião Adán (no desafio anterior, em Alvalade, frente ao Aberdeen). Já quer dizer alguma coisa.»

 

4 de Outubro (Portimonense, 0 - Sporting, 2): NUNO MENDES

«Há muito que não via o Sporting jogar tão bem: velocidade na transição, pressão alta lá à frente, bola trocada ao primeiro toque, organização colectiva, grande mobilidade. Neste período ficou sentenciada a sorte do desafio no Algarve. Com golos marcados bem cedo e gestão de bola no resto da partida, embora sofrendo alguns sobressaltos defensivos na segunda parte.»

 

17 de Outubro (Sporting, 2 - FC Porto, 2): PEDRO GONÇALVES

«Dominámos no quarto de hora inicial, em que marcámos um golo e estivemos quase a marcar outro (Marchesín, com uma grande defesa, impediu aos 7' que Matheus Nunes a metesse lá dentro), e estivemos por cima durante quase toda a segunda parte, em que o melhor jogador adversário foi de longe o veterano central Pepe. Superioridade traduzida no segundo golo, o do empate, já com os campeões nacionais encostados às cordas.»

 

24 de Outubro (Santa Clara, 1 - Sporting, 2): PEDRO GONÇALVES

«Superioridade absoluta do Sporting na primeira parte, em que podíamos ter dilatado mais a vantagem. Com vários jogadores a fazer a diferença, além dos já mencionados [Pedro Gonçalves, Palhinha e Matheus Nunes]: Nuno Mendes como lateral adiantado junto à linha esquerda, Porro em constante vaivém no flanco oposto e Nuno Santos em contínuas acelerações no último terço do terreno, também à esquerda. Criando sucessivos desequilíbrios.»

 

28 de Outubro (Sporting, 3 - Gil Vicente, 1): SPORAR

«Vendo-se a perder, na sequência de um livre directo aos 52' (que acabou por ser a única oportunidade do Gil Vicente em todo o jogo), Rúben Amorim não perdeu tempo nas substituições: mandou sair Neto e Matheus Nunes, trocando-os por Tiago Tomás e Sporar. Dez minutos depois, aos 71', substituiu Porro por Daniel Bragança. Aos 86', trocou Jovane por Gonçalo Inácio. Alterações que foram decisivas para virar o jogo, transformando o 0-1 no 3-1 final.»

 

1 de Novembro (Sporting, 4 - Tondela, 0): PEDRO GONÇALVES

«O Sporting não empolgou apenas pelo resultado, mas também pela exibição, a melhor desde que o actual técnico foi contratado. Conjunto organizado, com boas movimentações colectivas, simplicidade de processos e sem perder de vista a baliza adversária. Também a evoluir na condição física, após os percalços iniciais desta temporada. É uma equipa jovem, coesa, confiante, ambiciosa - e que promete ir longe, sob a condução de Rúben Amorim.»

 

7 de Novembro (V. Guimarães, 0 - Sporting, 4): PEDRO GONÇALVES

«Pressão alta e fulgurante do Sporting no mesmo palco onde nos anteriores seis confrontos só tínhamos vencido um (em 2017/2018). Logo no primeiro minuto podíamos ter marcado duas vezes, primeiro por Sporar e logo a seguir por João Mário. Destaque para o disparo do campeão europeu, que foi bater com estrondo na trave.»

 

28 de Novembro (Sporting, 2 -  Moreirense, 1): PEDRO GONÇALVES

«Pedro Gonçalves [foi] a melhor contratação do Sporting desde a vinda de Bruno Fernandes. Voltou a bisar - é a quarta vez que comete tal proeza nesta Liga 2020. Marcou logo aos 8', num lance de insistência, à ponta-de-lança, e assinou o golo da vitória com um remate potente e bem colocado aos 55'. E ainda atirou à barra, aos 69', num disparo que esteve a centímetros de ser um dos melhores golos do campeonato. Veio de lesão, mas nem se deu por isso.»

 

(Continua amanhã)

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

De terminar a época com uma goleada. Vencemos ontem o Marítimo em Alvalade por 5-1. Num desafio em que comandámos do princípio ao fim, em que desenvolvemos um futebol de ataque, solto, alegre, bem ligado. E com frescura física, quase como se a equipa estivesse em início de temporada. Aconteceu a nossa maior goleada da Liga 2020/2021, com um dos mais belos golos da prova, uma das melhores assistências que vimos nos últimos meses e um extraordinário quase-golo que merecia outro desfecho, lá no fundo das redes adversárias.

 

De Pedro Gonçalves. Melhor jogador em campo. Maior goleador do campeonato. Marcou três golos nesta partida (17', 20', 64') e demonstrou a Fernando Santos que merece ser convocado para o Campeonato da Europa: não acredito que o seleccionador o deixe de fora da lista que divulgará mais logo. Chega ao fim da Liga 2020/2021 como autor de mais de um terço dos nossos golos, ultrapassando o benfiquista Seferovic como rei dos artilheiros ao apontar 23 (cinco dos quais nestes dois últimos jogos). É a primeira vez que um médio ofensivo vence a Bola de Prata. E há 25 anos que não era um português a vencer este troféu (o último tinha sido Domingos Paciência, pelo FCP, na temporada 1995/1996).

 

De Jovane. Rúben Amorim desta vez apostou nele como titular - e o jovem caboverdiano correspondeu à prova de confiança do treinador. Foi um dos motores do nosso ataque, partindo os rins aos defesas insulares. Faz duas assistências para golo - o primeiro e o quarto, ambos marcados por Pedro Gonçalves. A última, num passe vertical teleguiado, denota pura classe: se houvesse público, faria levantar o estádio. Como se estivesse em campo um Pirlo.

 

De Antunes. Desta vez foi ele a envergar a braçadeira de capitão - talvez pela última vez no Sporting. Correspondeu à responsabilidade. Desde logo com um disparo de meia-distância logo aos 2' que fez a bola embater com estrondo na trave. Teria sido, sem favor, um dos golos do ano. É também ele a iniciar o lance que dá origem ao primeiro golo, numa boa condução pela ala esquerda.

 

Do golaço de Plata. O equatoriano voltou a ter uma oportunidade, alinhando a partir dos 59' (substituiu João Pereira). E cumpriu, como ala direito, fazendo o vaivém no seu corredor. Exibição coroada com um golo magnífico, o nosso quinto, aos 75', fazendo um chapéu sobre o guarda-redes do Marítimo. A ver e rever: foi um dos grandes golos leoninos desta temporada.

 

Da estreia de André Paulo e Tomás Silva na equipa principal. Amorim concedeu ao terceiro guarda-redes do plantel e ao médio que se tem destacado na B a oportunidade de se sagrarem também campeões nacionais. Entraram ambos ao minuto 66 (o primeiro rendendo Max, o segundo para o lugar de Matheus Nunes) e certamente nunca esquecerão este dia.

 

Da despedida de João Pereira. O veterano lateral, com 40 chamadas à selecção nacional A, concluiu com êxito esta terceira passagem pelo Sporting. Foi dos últimos a chegar ao plantel mas integrou-se bem apesar de já ter 37 anos (mais velho que o treinador, e com o dobro da idade de Nuno Mendes e Tiago Tomás). Ontem foi titular e jogou até aos 59'. Recebeu aplausos prolongados dos colegas, da equipa técnica e dos dirigentes. No final, teve até direito a um vídeo especial: benfiquista de origem, tornou-se sportinguista por adopção e é agora um dos nossos de coração, sem favor algum. Permanecerá em Alvalade, integrado na equipa técnica. Bem merece.

 

De concluir o campeonato com 85 pontos. Foi a nossa segunda melhor pontuação de sempre. Chegamos ao fim com apenas 20 golos sofridos. E absolutamente invictos no nosso estádio. E campeões após um longo jejum que durou 19 anos.

 

 

Não gostei

 

Da hora do jogo. Começou às 21.45 e terminou perto da meia-noite. Horário impróprio, a meio de uma semana de trabalho. Anedótico, patético, quase ofensivo. 

 

Do guarda-redes do Marítimo. Charles tem culpas objectivas em pelo menos dois dos golos. Mas o seu pior momento é aquele que origina o nosso terceiro, num atraso de Karo ao guardião que este não consegue parar com o pé e fica a ver a bola a encaminhar-se lentamente para a baliza. Decorria o minuto 21: este autogolo parecia uma cena para os "apanhados".

 

Do golo sofrido. Aos 89', mesmo ao fechar da cortina, sem culpa para o estreante André Paulo. Mas fica-nos a saborosa sensação de termos visto as nossas redes invioladas em 20 dos 34 jogos disputados neste campeonato.

 

Da ausência de público. Se houve dia em que merecia ter havido espectadores nas bancadas de Alvalade, foi este. Por ser o da despedida de uma época gloriosa, por terminar da melhor maneira com uma exibição de luxo da nossa equipa, pela estreia de dois jovens que poderão singrar ao melhor nível e pela emocionante homenagem a João Pereira. 

Rescaldo do jogo de ontem

Não gostei

 

Da nossa primeira parte. Entrámos a pressionar, mas com incompreensíveis falhas posicionais. Sobretudo na linha defensiva do meio-campo, onde se abriam crateras entre Daniel Bragança e Matheus Nunes - ontem titulares em vez de João Mário e Palhinha - e entre estes dois jogadores e o trio de centrais. O Benfica explorou inteligentemente estes espaços vazios lançando ataques demolidores que produziram estragos. À meia hora de jogo, já perdíamos 0-2. Ao intervalo, perdíamos 1-3. Com o nosso golo surgido mesmo ao cair do pano.

 

De termos perdido este clássico. Este jogo entre os mais históricos rivais do futebol português pôs fim ao nosso mais longo ciclo enquanto equipa invicta: 32 jornadas sem um só desaire em campo. Precisamente desde o anterior Benfica-Sporting, ocorrido na última ronda da época anterior. Estivemos quase uma temporada inteira sem conhecer o sabor da derrota. 

 

Do onze montado por Rúben Amorim. Incompreensíveis, tantas mudanças - salvaguardando situações internas de que nós, adeptos, não temos conhecimento. Vendo de fora, faria muito mais sentido compensar as ausências de Porro (por fadiga muscular) e Feddal (por castigo) com uma linha de centrais composta por Luís Neto, Coates e Gonçalo Inácio (este devolvido ao lado esquerdo do terreno, que é a sua posição natural) em vez de insistir em Gonçalo pela direita e iniciar a partida com Matheus Reis, lateral de raiz, como central mais à esquerda. E, claro, incluir Palhinha e João Mário no onze - como aliás viria a acontecer na segunda parte, quando o técnico rectificou o erro, quase conseguindo virar o jogo. Com 45 minutos de atraso.

 

De Daniel Bragança. Tem bom toque de bola e é exímio no passe a meio do terreno. Mas falta-lhe intensidade e arcaboiço físico para enfrentar com sucesso uma equipa em contra-ataque rápido, como ontem se viu. Foi bem substituído ao intervalo.

 

De Matheus Nunes. É um médio com características ofensivas cujo sucesso está muito dependente de uma boa articulação com um colega como Palhinha, que funciona como tampão no meio-campo defensivo. Chamado ontem a exercer essa função, sem rotinas de jogo com Daniel, não foi bem-sucedido, tendo perdido várias bolas. E cometeu um erro grave, actuando já como ala direito, ao provocar um penálti totalmente desnecessário que acabou por permitir o golo da vitória encarnada aos 50' e ao suíço Seferovic marcar o 20.º nesta Liga, dando-lhe vantagem sobre Pedro Gonçalves (também com 20 golos mas com mais minutos jogados, o que o desfavorece para efeitos de desempate).

 

De Paulinho. É verdade que foi dele a assistência para o segundo golo. Mas ele está lá para os marcar, não para assistir. Sujeito à apertada vigilância de Otamendi, voltou a ficar mais um jogo em branco. Começam a ser de mais para o avançado mais caro da história do Sporting - embora não tão caro como o inútil Darwin que ainda equipou uns minutos de encarnado.

 

De sofrer quatro golos num jogo do campeonato. Nem três tínhamos sofrido numa só partida desta Liga 2020/2021, agora a uma jornada do fim.

 

De estarmos há quase seis anos sem vencer na Luz. O nosso último triunfo lá ocorreu no início da temporada 2015/2016, quando o actual treinador do Benfica orientava a equipa do Sporting. 

 

 

Gostei

 

Da nossa segunda parte. Se só esta valesse, teríamos vencido por 2-1 em vez de termos perdido por 3-4. Amorim rectificou os erros cometidos: trocou João Pereira e Daniel Bragança por Palhinha e João Mário, mais tarde mandou sair Matheus Reis para a entrada de Jovane. O Sporting foi a melhor equipa em campo neste segundo tempo: o jogo terminou com o Benfica a despachar bolas, acantonado no seu reduto defensivo, perante a pressão contínua da nossa equipa. Fica a lição para todos os adeptos que tanto gostam de denegrir João Mário: ele é um elemento indispensável como titular deste Sporting que acaba de se sagrar campeão nacional.

 

De Pedro Gonçalves. Melhor sportinguista em campo - e aquele que mais lutou para inverter a dinâmica ofensiva benfiquista, dando luta aos nossos velhos rivais ao movimentar-se muito bem entre linhas. Se todos tivessem estado ao nível dele, teríamos saído vencedores. Mais dois golos para o seu pecúlio: o primeiro aos 45'+1, após slalom que rompeu a defensiva adversária, disparando com sucesso de pé esquerdo na cara de Helton Leite; o segundo aos 78', convertendo uma grande penalidade que havia sido cometida sobre ele. Esteve a centímetros de marcar um terceiro golo - aos 52', quando rematou com força, fazendo a bola embater no poste.

 

De Nuno Santos. Deu importante contributo para inverter a maré do jogo fazendo canalizar pela sua ala grande parte do nosso caudal ofensivo. Exibição coroada por um golo de difícil execução técnica aos 63', em posição frontal, com assistência de Paulinho. Era o nosso segundo, reduzindo para 2-4 e permitindo discutir o resultado até ao fim.

 

De Nuno Mendes. Fundamental tanto na construção ofensiva, articulando bem com Nuno Santos no seu flanco, como na manobra defensiva. Pena não ter conseguido evitar o primeiro golo do Benfica: bem se esforçou, logo aos 12', já com Adán ausente da baliza, mas sem conseguir. Se há jogador que não merecia a derrota, é ele. 

 

Do cumprimento inicial entre Rúben Amorim e Jorge Jesus. Não houve a tal "guarda de honra" de que tanto se falou, mas houve desportivismo. 

 

De termos visitado a Luz já como campeões nacionais. Não me lembro se alguma vez tinha acontecido. Por mim, voltaria a trocar a vitória num jogo como este pela conquista antecipada do campeonato. Todos os anos, se pudesse ser.

 

Da qualidade do jogo. Sete golos, intenso combate em todo o terreno, resultado incerto e emoção até ao fim. Um verdadeiro clássico - mesmo quando lhe chamam "dérbi" - é mesmo isto. Um verdadeiro hino à modalidade, um cartaz à promoção do futebol. 

Rescaldo do jogo de anteontem

Gostei

 

De ver o Sporting campeão a duas jornadas do fim. Não precisámos de chegar à última ronda: ao minuto 36 deste confronto com o Boavista em casa, um tiro certeiro de Paulinho bastou para nos devolver o título que já fugia há 19 anos. Estamos de novo no topo do futebol profissional português - lugar que é nosso por mérito próprio. Não há praticamente uma voz a contestar esta nossa subida ao primeiro lugar do pódio. Porque não nos limitámos a vencer. Também conseguimos convencer.

 

De Palhinha. Exibição monumental do nosso médio defensivo - hoje, sem qualquer dúvida, o melhor n.º 6 do futebol português. É um luxo termos um talento destes no nosso onze titular. Neste Sporting-Boavista, Palhinha dominou por completo a sua parcela de terreno que lhe estava confiada, varrendo o que havia para varrer mas também sabendo construir com passes longos e bem colocados - aos 34', 38', 54' e 57', por exemplo. Excelente nos cortes e nas recuperações. O melhor em campo.

 

De Nuno Santos. Uma das mais seguras actuações do extremo esquerdo, que se confirma como verdadeiro reforço e é peça imprescindível desta equipa campeã. Entrou de pé no acelerador, cheio de vontade de resolver a partida logo nos primeiros minutos, empurrando os colegas lá para a frente. Nasce do pé esquerdo dele, aos 5', um tiro ao poste. E é dele a assistência para o golo. Já antes se destacara em dois outros cruzamentos. Pena não haver público no estádio: ele bem merecia uma calorosa ovação ao ser substituído por Matheus Nunes, aos 76'.

 

De Nuno Mendes. Outra actuação de grande nível, contribuindo para a constante pressão da ala esquerda leonina que pôs em sentido o Boavista. Aos 24', recuperou a bola, conduziu-a bem dominada e disparou, acertando na barra. Cruzamentos irrepreensíveis aos 15', 47' e 60'. Cedeu lugar a Matheus Reis aos 83', seguramente convicto de que foi um dos grandes obreiros deste triunfo - e deste título.

 

De Adán. Sem sombra de dúvida: o espanhol é um dos baluartes do nosso onze titular. Pode passar largos minutos sem intervir, mas quando o faz transmite segurança e maturidade ao colectivo, contagiando os colegas. Salvou um golo que parecia certo, na única oportunidade de que o Boavista dispôs, impondo-se entre os postes aos 46'.

 

Do lance do golo decisivo. Vale a pena recordá-lo: Feddal faz um passe vertical lá de trás e coloca nos pés de João Mário, que consegue libertar-se da marcação simultânea de dois adversários e serve Nuno Santos, entretanto desmarcado. Do canhoto sai um centro teleguiado para a grande área: Paulinho encosta. Missão cumprida.

 

De Rúben Amorim. Este título é de todos - mas é dele, antes de mais ninguém. Acaba de tornar-se o segundo treinador campeão mais jovem de sempre ao serviço do Sporting - após Juca, que aos 33 anos liderou a nossa equipa no vitorioso campeonato 1961/1962. Craque a treinar, craque a comunicar. Legou-nos um lema que fica para sempre: "Onde vai um, vão todos." Que bem serve de legenda desta Liga 2020/2021.

 

De continuar a ver o Sporting invicto. Única equipa sem derrotas desde há vários meses, temos um registo brilhante, inédito à 32.ª jornada: 25 vitórias e sete empates. Num campeonato que lideramos isolados há 26 jornadas. 

 

Do 20.º jogo da Liga sem sofrermos golos. Melhor defesa do futebol europeu: apenas 15 golos sofridos em 32 partidas disputadas. 

 

Da aposta clara em portugueses. Anteontem bem se viu em campo: quando Porro, lesionado, se viu forçado a ceder lugar a João Pereira, passámos a jogar com oito portugueses. Contra um Boavista que só tinha um no onze inicial. Aposta evidente também na juventude: há dez jogadores sub-23 no plantel leonino. 

 

De uma estreia. Este foi o primeiro título de campeão nacional que conquistámos desde sempre no actual estádio, inaugurado em 2003.

 

Dos 82 pontos que já somámos. A fria linguagem dos números diz tudo sobre o desempenho do Sporting. Ainda podemos ultrapassar a melhor pontuação alcançada desde sempre pela nossa equipa - na Liga 2015/2016, quando somámos 86 pontos.

 

 

Não gostei

 

Do festival de golos falhados. Pressionámos do princípio ao fim, estivemos sempre por cima neste desafio. Infelizmente as oportunidades criadas não tiveram o melhor desfecho. Quer porque a bola embateu três vezes nos ferros (Nuno Santos aos 5', Nuno Mendes aos 24', Pedro Gonçalves aos 78') quer por falta de precisão no último passe (João Mário falhou golos cantados aos 5' e aos 15'; Paulinho permitiu defesa aos 47' e desperdiçou aos 52' e aos 60').

 

Da lesão de Porro. O internacional espanhol estava a ser um dos melhores em campo, conduzindo sucessivos ataques pela ala direita, quando sofreu uma lesão muscular que o forçou a abandonar o jogo. Aos 17' saiu lavado em lágrimas, o que é outra forma de demonstrar que estamos perante um campeão digno desse nome.

 

Do amarelo exibido a Feddal. Difícil entender o que provocou esta advertência, que deixa o central marroquino fora do clássico na Luz, a disputar no sábado.

 

Da ausência de público. Os adeptos, impedido de entrar no estádio por motivos cada vez mais inaceitáveis, foram-se concentrando em vagas sucessivas no exterior. O que esteve na origem dos excessos que todos os portugueses viram na televisão. Uma minoria sem qualquer civismo e a inépcia da polícia contribuíram para isso em partes iguais.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Do triunfo tranquilo do Sporting em Vila do Conde. Pela segunda semana consecutiva, vencemos por 2-0. Domínio leonino absoluto na primeira parte, em que condicionámos toda a manobra do Rio Ave. A vantagem começou a ser construída aos 34', na conversão de uma grande penalidade (a nona de que beneficiámos nesta época), por Pedro Gonçalves, e ficou selada aos 63', quando Paulinho marcou um grande golo. Que só não fez levantar o estádio porque - apesar do desconfinamento geral - o público continua impedido de frequentar as bancadas.

 

Da nossa solidez defensiva. Não é por acaso que o Sporting mostra os melhores números nesta matéria de todos os campeonatos europeus: apenas 15 golos consentidos em 31 jogos, menos de meio golo por partida. Fora de casa, até agora, só sofremos seis. Uma vez mais, este desafio travado no estádio dos Arcos demonstrou a excelente organização da nossa equipa no plano defensivo, desta vez com um trio de centrais composto por Gonçalo Inácio (regresso em boa forma), Coates e Feddal. Com Neto a entrar aos 83', para ala direito, sem alterações no sistema táctico.

 

De Paulinho. Sem favor algum o melhor em campo. É ele que ganha o penálti aos 32', numa jogada de insistência em que fez embater a bola no braço de um defensor adversário (a falta foi assinalada pelo vídeo-árbitro Tiago Martins, que levou o árbitro Fábio Veríssimo a ver com atenção as imagens no monitor). E é ele a apontar o grande golo que ficou o 2-0 como resultado desta partida. Excelente disparo de meia distância, fortíssimo e muito bem colocado, fazendo jus à fama de artilheiro do jogador que veio do Braga. Foi o seu segundo vestido de verde e branco.

 

De Pedro Gonçalves. Irrequieto, sem posição definida, funcionou como abre-latas na muralha rioavista, articulando muitos lances com Paulinho, definindo linhas de passe. Sem nunca deixar de participar na manobra defensiva. Momento alto: chamado a converter o penálti, cumpriu a missão da melhor maneira, rematando sem hipóteses para o guarda-redes. Foi o seu 18.º golo deste campeonato - e o primeiro de penálti - que o recoloca no topo da lista dos artilheiros da Liga 2020/2021.

 

De Palhinha. Parece imune ao desgaste físico que começa a notar-se em certos jogadores. Varreu com mestria toda a zona do terreno que lhe estava confiada, desarticulando com desarmes cirúrgicos a construção ofensiva do Rio Ave. Excelente no desarme e nas recuperações, também se destacou nos passes longos. Podia ter marcado aos 87, num forte pontapé de recarga que saiu por cima.

 

Do regresso de João Pereira. Estreia a titular, nesta época, do veterano defesa leonino agora na terceira passagem pelo Sporting. Aos 37 anos, demonstra não ter perdido qualidades. Destacou-se num centro aos 13' que permitiu a Pedro Gonçalves recolher a bola junto à linha final do lado esquerdo. Entregou muito bem a Paulinho, aos 56'. Grande corte aos 69'. Manteve-se 83 minutos em campo. Missão cumprida.

 

De ver Rúben Amorim de volta ao banco. O Conselho de Disciplina fez tudo, uma vez mais, para afastar o nosso treinador. Mas o diligente departamento jurídico do Sporting trocou as voltas ao incompetente órgão ainda liderado pela deputada benfiquista Cláudia Santos, interpondo uma providência cautelar prontamente aceite pelo Tribunal Administrativo. E lá esteve o técnico, como lhe compete, a dirigir a equipa em directo, ao vivo e a cores. Também no capítulo jurídico vamos somando pontos. 

 

De termos garantido o acesso à Liga dos Campeões. Meta cumprida à 31.ªjornada, quando assegurámos também o segundo posto no campeonato. Regressamos à prova máxima do futebol europeu de que estávamos afastados desde a época 2017/2018. O que garante à SAD leonina cerca de 25 milhões de euros logo de início.

 

De ver mais um recorde batido. Trinta e uma jornadas consecutivas sem perder: acabamos de bater um máximo absoluto no futebol português. Rúben Amorim supera assim a fasquia de 30 jogos sem derrotas alcançada por quatro treinadores: dois do Benfica (Jimmy Hagan e John Mortimore) e dois do FC Porto (André Villas-Boas e Vítor Pereira). Mérito absoluto do nosso técnico, que devolveu a alegria e a esperança aos adeptos. Balanço da Liga até agora: 24 vitórias e sete empates. Nenhuma derrota.

 

De estarmos à beira de conquistar o título. Faltam-nos três partidas: contra Boavista, Benfica e Marítimo. Mas bastam quatro pontos para nos sagrarmos campeões nacionais de futebol. Uma vitória e um empate. Se o FC Porto perder hoje, no clássico da Luz, facilita-nos a tarefa. E se empatar contra o Farense, na próxima segunda-feira, podemos desde logo celebrar o título ainda antes do nosso confronto contra o Boavista.

 

Dos 79 pontos que já somámos. A fria linguagem dos números diz tudo sobre o desempenho do Sporting após 31 jornadas, quando só faltam três rondas para o campeonato chegar ao fim. Ainda podemos ultrapassar a melhor pontuação alcançada desde sempre pela nossa equipa - na Liga 2015/2016, quando somámos 86 pontos.

 

 

Não gostei

 

Dos golos falhados. Podíamos ter ampliado a vantagem pelo menos quatro vezes. Em duas ocasiões a bola foi aos ferros, por cabeceamentos de Coates aos 7' e Palhinha aos 15'. Aos 13', Nuno Santos disparou para as redes mas Kieszek defendeu muito bem. E Paulinho podia ter marcado aos 29'.

 

Da ausência de Porro. O internacional espanhol, por fadiga muscular, não pôde participar neste desafio. Mas João Pereira - jogador com mais 16 anos - cumpriu bem como seu substituto.

 

De ver quatro sportinguistas na equipa errada. Jogaram de verde e branco, mas as riscas são verticais. Quatro Leões que alinharam pelo Rio Ave: Fábio Coentrão (o melhor da equipa adversária), Francisco Geraldes, Gelson Dala e Carlos Mané.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

De vencer o Nacional em casa. Triunfámos por 2-0 - a mesma marca do épico desafio da primeira volta, realizado na Choupana, em noite de vendaval. Vitória categórica contra três equipas: o onze adversário (reduzido para dez aos 67'), o árbitro que fez vista grossa a uma grande penalidade cometida sobre Paulinho logo aos 7' e o vídeo-árbitro Luís Ferreira, incapaz de detectar um murro na cara de Daniel Bragança aos 45'+1 e um ostensivo agarrão a Coates aos 80'. 

 

De Jovane. Foi o homem do jogo, repetindo a excelente exibição daquela partida na Choupana, em que também fez o gosto ao pé. Rúben Amorim deu-lhe ordem de entrada para render Palhinha aos 62'. Fazia todo o sentido: mantinha-se o zero-a-zero inicial, a turma madeirense já estava remetida ao seu reduto, não precisávamos de um médio com características defensivas mas de um desequilibrador lá na frente. O jovem luso-caboverdiano cumpriu a missão com brilho: esticou o jogo, verticalizou o passe (notável, lançando Porro aos 65'), sofreu falta para expulsão já tardia de um dos sarrafeiros do Nacional. Fez magnífica assistência para golo, aos 83', picando a bola que sobrevoou a área e foi ter com Feddal, que lhe deu a melhor direcção: vinham mais três pontos a caminho. Cereja em cima do bolo: derrubado à margem da lei, na grande área, Jovane converte o penálti e sela o resultado aos 90'+2. Mostrando a alguns colegas como se faz. Parece fácil, mas é fruto de muito trabalho físico e mental.

 

De Coates. Cometeu um lapso defensivo aos 46', perdendo a bola em zona proibida. Mas em tudo o resto voltou a ser o líder de que a equipa tanto necessita nos mais diversos momentos do jogo. Foi ele a servir os colegas com diversos passes à distância bem calibrados (aos 42' e aos 43', por exemplo). Um desses passes, já no tempo extra, funcionou como autêntica assistência para golo: a bola é recolhida lá na frente por Jovane, derrubado em falta - de que decorreu o penálti e o nosso segundo. Nova missão de sacrificio e demonstração da versatilidade táctica do gigante uruguaio, que voltou a actuar como ponta-de-lança entre os minutos 80 e 87.

 

De Feddal. Como aqui escrevi no rescaldo da jornada anterior, funciona como complemento perfeito de Coates: o excelente rendimento de um não consegue ser explicado sem o sólido desempenho do outro. É uma das mais perfeitas parcerias defensivas alguma vez existentes no futebol leonino. Ao central marroquino só vinha faltando algum faro de golo nos lances ofensivos de bola parada, imitando o uruguaio. Também nisso evoluiu: é ele a abrir o marcador, de cabeça, aos 83'. Começa a tornar-se num segundo gigante, a justificar aplauso prolongado.

 

De Pedro Gonçalves. Desta vez não marcou. Mas jogou imenso, a merecer nota muito elevada. Parecia andar em todas as partes do terreno, abrindo linhas de passe, evitando marcações, sem nunca virar a cara a um confronto individual. Volta a estar em excelente forma. Ofereceu três golos a Paulinho: aos 70', aos 79' e aos 90'. E ele próprio esteve quase a marcar, num disparo aos 21', isolado perante o guarda-redes António Filipe, que lhe impediu o golo com bons reflexos.

 

De Luís Maximiano. Suplente de luxo para o nosso guardião titular, desta vez ausente por acumulação de amarelos(!), algo que só acontece ao Sporting com este sistema de arbitragem. Max estreou-se entre os postes nesta Liga 2020/2021 e correspondeu muito bem ao repto. Não porque tivesse muito trabalho, mas porque manteve sempre a concentração e demonstrou reflexos em momentos de apuro, como quando saiu sem hesitar, aos 46', neutralizando um lance perigoso. Ninguém diria que o seu anterior jogo para o campeonato havia sido a 25 de Julho de 2020.

 

Das oportunidades de golo. Doze, no total. Este foi o desafio em que dispusemos de mais claras oportunidades de fuzilar as redes adversárias. Objectivo que ficou por concretizar devido à boa exibição do guarda-redes adversário e a uma certa imperícia ou falta de sorte dos rematadores - com destaque para Paulinho. Além das grandes penalidades que ficaram por assinalar.

 

De outro jogo a marcar tarde. Sofre-se mais, mas assim o desfecho é duplamente saboroso. Esta foi a 12.ª partida em que conseguimos golos e pontos após o minuto 80. Confirmação inequívoca de que o Sporting está muito longe de ser uma equipa "com défice de estofo emocional", contrariando o bitaiteiro Joaquim Rita numa das suas "pérolas" mais desajustadas da realidade.

 

Do apoio vibrante dos adeptos. Largas centenas de sportinguistas acorreram ao encontro da equipa, saudando-a no trajecto entre Alcochete e Alvalade. E muitos, mesmo ainda impedidos de ver o jogo ao vivo apesar do fim do estado de emergência, foram incentivando os jogadores na garagem do estádio enquanto a partida decorria. Adoptando o lema que Amorim lançou: «Para onde vai um, vão todos.»

 

De estarmos invictos há 30 jogos consecutivos. Novo recorde batido. Desta vez ultrapassando a marca de 29 desafios do Sporting sem derrotas estabelecida em duas épocas diferentes por Fernando Vaz, no período 1969-1970. Igualamos agora um máximo de 30 partidas invictas do Benfica que remonta à década de 70 (com Jimmy Hagan e John Mortimore ao comando da equipa) e em data mais recente pelo FC Porto (treinado por André Villas-Boas e Vítor Pereira). Recorde que pode ser superado já na quarta-feira, em Vila do Conde.

 

Do nosso palmarés defensivo. Apenas 15 golos sofridos nas 30 partidas já disputadas. Só um golo nas nossas redes a cada dois jogos. Dezoito partidas sem sofrer um só golo. Isto ajuda a explicar por que motivo lideramos isolados o campeonato há 24 rondas consecutivas - outro máximo absoluto neste Sporting orientado por Rúben Amorim. Nunca nos tinha acontecido com treinador algum.

 

Dos 76 pontos somados até agora. Falta-nos disputar quatro "finais". Mas estamos apenas a uma vitória de conseguir um lugar de acesso automático à Liga dos Campeões. E faltam-nos duas, acrescidas de um empate, para garantirmos o título. Só dependemos de nós, sabendo que os nossos rivais se defrontarão entre si na quinta-feira: em caso de empate ou derrota na Luz, o FC Porto ficará ainda mais longe. Por agora permanece a seis pontos, enquanto o Benfica segue com menos dez. O Braga, que no início tantos apontavam como "equipa sensação" deste campeonato, caiu a pique: está 18 pontos abaixo do Sporting.

 

 

Não gostei

 
 

Do árbitro Manuel Oliveira. Sendo o futebol português o que é, e estando a classificação como está, enviam-nos um apitador do Porto - e notório adepto portista - para arbitrar esta partida. Tinha tudo para dar mal. E deu mesmo. Oliveira autorizou o arraial de sarrafada posto em prática pelos pupilos de Manuel Machado em Alvalade. O Nacional fez 30 faltas (assinaladas, fora as restantes) neste jogo mas ao intervalo, já com 25 cometidas, só tinha um jogador amarelado - tanto como o Sporting, pois Paulinho vira o cartão aos 31', por mero protesto, farto de ser carregado sem qualquer advertência aos robocops da Madeira. O mesmo Paulinho que aos 7' foi alvo de falta grosseira na grande área do Nacional sem qualquer consequência contra o prevaricador, um tal Júlio César, que só à oitava falta viu enfim o amarelo. O apitador - acolitado pelo VAR Luís Ferreira - fez igualmente que não viu mais duas faltas que justificavam penálti, por agressão e derrube de Daniel e Coates à margem da lei. Uma vergonha. 

 

De Manuel Machado. Se o paradigma do treinador da "velha guarda" é este, longa vida aos jovens treinadores. Técnicos como o "professor Machado", que dão ordem aos jogadores para travar por qualquer meio - lícito ou ilícito - as equipas adversárias, recorrendo em exclusivo ao jogo faltoso, estão a mais no futebol português. Este Nacional que na primeira meia hora de jogo já tinha feito 17 faltas bem merece a descida de divisão - com bilhete só de ida. E Machado que vá com ele.

 

Do festival de golos falhados. Excessiva ineficácia ofensiva de alguns jogadores leoninos - com destaque para Paulinho, que continua em jejum de golos. Desta vez até marcou, aos 35', mas não valeu pois Pedro Gonçalves, autor da assistência, arrancara em fora de jogo. Aos 11' mergulhou bem de cabeça para defesa muito apertada de António Filipe. Aos 45'+1, acertou no poste. Aos 70' e aos 90', voltou a estar quase, sem conseguir. Falhanços também de Nuno Santos (62') e Porro (65'), entre outros. 

 

Do 0-0 ao intervalo. O nulo que se mantinha ao fim dos primeiros 45 minutos trazia um travo de injustiça, em nada reflectindo o que se passara em campo. Felizmente foi rectificado na etapa complementar. Tarde de mais, para alguns adeptos impacientes, que gostam de ver tudo resolvido logo de início. Muito a tempo para outros - entre os quais me incluo.

 

De Daniel Bragança. Exibição modesta do nosso médio de construção, lançado por Amorim como titular em substituição de João Mário, que não saiu do banco. Mas o jovem formado em Alcochete não acelerou jogo, não criou desequilíbrios e desperdiçou o seu talento com passes lateralizados em vez dos lances de ruptura que o desafio exigia. Falta-lhe alguma robustez física para impor os seus inegáveis dotes técnicos.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Do resultado deste Braga-Sporting. Terceiro embate da época entre as duas equipas, terceiro triunfo leonino. Não pode ser coincidência, numa temporada em que a esmagadora maioria dos comentadores antevia a turma minhota "já como equipa grande" e até "a praticar o melhor futebol" do campeonato português. Palavras que foram levadas pelo vento: agora derrotado por 0-1, o Braga segue na quarta posição da Liga 2020/2021, com menos 15 pontos que o Sporting. 

 

Do golo da vitória. Marcado por Matheus Nunes aos 81', numa combinação perfeita com Porro, na conversão de um livre junto à lateral direita, logo à entrada do meio-campo braguista. Rápido pontapé vertical do internacional espanhol, muito bem colocado, e desmarcação exemplar do luso-brasileiro, que rematou cruzado, fuzilando a baliza à guarda do seu homónimo do Braga. Era o nosso primeiro remate enquadrado, era a nossa primeira oportunidade de golo - e foi golo mesmo. Aproveitamento máximo.

 

De Coates. Um gigante. Se o Sporting conquistar o título de campeão nacional, como quase todos desejamos, ele será o principal obreiro dessa proeza. Imperial nas alturas, assumindo por inteiro as operações defensivas, com notável maturidade quando alguns colegas pareciam à beira do descontrolo emocional, ele transmitiu força e consistência à nossa organização defensiva, funcionando como muralha intransponível. Impecável no corte, no desarme, na recuperação. O melhor em campo. 

 

De Adán. Cometeu um erro primário que nos custou dois pontos na jornada anterior, frente ao Belenenses SAD. Mas redimiu-se, e de que maneira, neste embate em Braga. Impediu por quatro vezes o golo da equipa anfitriã, travando ou desviando remates de Fransérgio (36' e 80') e Galeno (39' e 62'). Elemento nuclear da nossa coesão defensiva. Nota máxima para o espanhol, outro baluarte do onze titular leonino.

 

De Feddal. Fala-se pouco dele, mas o marroquino é o complemento perfeito de Coates: jogam juntos apenas há oito meses mas até parece que se conhecem há oito anos. Fundamental para completar a tarefa do uruguaio na manobra defensiva do Sporting numa partida em que jogámos mais de 70' com apenas dez jogadores, o que comprometeu todo o dispositivo táctico que Rúben Amorim havia montado para este jogo.

 

De Matheus Nunes. Já mencionado acima como autor do golo, saltou muito bem do banco logo a abrir a segunda parte e confirmou que não treme em circunstância alguma: volta a marcar ao Braga, tal como também já tinha marcado ao Benfica. De olhos na baliza e com vocação para se agigantar nos desafios mais decisivos. Merece integrar o onze titular do Sporting. Acredito que assim acontecerá até ao final do campeonato.

 

Das mudanças operadas pelo treinador. Ao intervalo, com menos um em campo, mandou sair Nuno Santos e Paulinho, trocando-os por Neto e Matheus Nunes. Aos 65', deu ordem de saída a João Mário e Pedro Gonçalves, fazendo entrar Matheus Reis e Tiago Tomás. No fim, já aos 90'+1, trocou um magoado Nuno Mendes pelo regressado Plata só para congelar a bola, tarefa que o jovem colombiano desempenhou na perfeição. O essencial foi cumprido, prevalecendo a palavra de ordem: para onde vai um, vão todos. O colectivo é sempre mais importante do que o individual.

 

De termos cumprido o 29.º jogo seguido sem perder. Conquista atrás de conquista nesta equipa orientada por Rúben Amorim. Desta vez igualamos um recorde já com meio século de existência, igualando o máximo estabelecido em duas épocas consecutivas (1969/1970 e 1970/1971) pelo Sporting de Fernando Vaz. Somos, há muito, o único emblema invicto no campeonato em curso.

 

Do nosso palmarés defensivo. Apenas 15 golos sofridos em 29 partidas já disputadas. Praticamente apenas um sofrido de dois em dois jogos - notável estatística que diz muito do comportamento em campo da nossa equipa. Que lidera isolada a LIga 2020/2021 há 23 jornadas. 

 

Dos 73 pontos somados até agora. Quando faltam ainda cinco jornadas, garantimos o terceiro lugar que nos fugiu in extremis na época anterior. Estamos a seis pontos de conseguir o acesso directo à Liga dos Campeões. E a quatro vitórias do título. Continuamos a depender só de nós, neste momento em que levamos sete pontos acima do FC Porto e mais 13 do que o Benfica, equipas que só hoje jogarão.

 

Do balanço muito positivo no confronto com os principais adversários. Até agora, nesta época, enfrentámos sete vezes FC Porto, Benfica e Braga. Balanço: cinco vitórias, dois empates e nenhuma derrota. É assim que se conquistam títulos.

 

 

Não gostei

 

 

Do desempenho do árbitro. Começo a acreditar que não é coincidência: o Sporting tem sempre azar com Artur Soares Dias. Voltou a acontecer: houve uma chocante dualidade de critérios do juiz portuense já destacado para apitar no Campeonato da Europa. Estragou de vez o espectáculo desportivo logo aos 18', fazendo expulsar Gonçalo Inácio ao exibir-lhe o segundo amarelo quando no minuto anterior tinha perdoado uma entrada de pitons em riste de Fransérgio a derrubar Palhinha e aos 60' fez vista grossa a uma grande penalidade cometida pelo intratável Raul Silva contra Coates. Dois pesos, duas medidas. Mau no capítulo técnico, péssimo no capítulo disciplinar. Dizem que é "o melhor árbitro português". Por aqui já se percebe o nível dos restantes.

 

De ver o nosso treinador fora do banco. Não aconteceu com nenhum outro neste campeonato, nem sequer com os maiores arruaceiros reconhecidos e comprovados: Rúben Amorim esteve três jogos seguidos impedido de orientar a equipa na sua área técnica, cumprindo o terceiro em Braga. É assim a nossa "justiça desportiva", que continua sem penalizar Sérgio Conceição por ter dirigido graves injúrias ao seu colega Paulo Sérgio, com quem quase se envolveu à pancada no decurso do Portimonense-FC Porto, disputado há mais de um mês.

 

De Gonçalo Inácio. Entrou extremamente nervoso, como se lhe pesassem as pernas e o emblema do Braga fosse um bicho-papão. Ser esquerdino a alinhar como central mais deslocado à direita não ajuda: diminui-lhe os reflexos e a capacidade de reacção quando o adversário o apanha de pé trocado. Fez falta a justificar amarelo logo aos 10', num derrube a Gaitán, e oito minutos depois viu o segundo cartão, que o afastou do jogo, ao tocar em Galeno - a quem momentos antes entregara a bola. Soares Dias exagerou na admoestação, pois o lance desenrolava-se ainda longe da nossa baliza e Palhinha estalava lá também, a controlar o portador da bola. Mas Gonçalo foi imprudente por excesso de intranquilidade, aliás já revelada no jogo anterior. Neto saltou do banco para o seu lugar e cumpriu.

 

De João Mário. Voltou a demonstrar que está fora de forma e merece uma cura de banco. Continua a actuar com extrema lentidão, incapaz de verticalizar e agilizar o jogo. O primeiro cartão exibido a Gonçalo surge na sequência de um passe à queima do campeão europeu, virado para a baliza errada. Matheus Nunes e Daniel Bragança espreitam-lhe o lugar.

 

De Paulinho. Esteve toda a primeira parte em campo e novamente quase não se deu por ele. Mesmo no quarto de hora inicial, em que mantínhamos onze em campo, o ex-artilheiro do Braga só deu nas vistas aos 14', quando falhou uma emenda na sequência de um canto. Depois, sem bola disponível, desapareceu de vez do jogo e já não voltou do intervalo.

 

Do cartão exibido a Adán. Deve ser caso único: o nosso guarda-redes fica fora do próximo jogo por acumulação de amarelos. É quanto basta para se perceber como o Sporting é alvo preferencial da arbitragem. O quinto foi ontem exibido por Soares Dias, aos 90'+6, tendo o juiz portuense mostrado também cartão a Pedro Gonçalves, então já devolvido ao banco de suplentes. Na próxima partida, em que recebemos o Nacional, Max será pela primeira vez titular da baliza nesta Liga 2020/2021. Ausente estará também Tiago Tomás (que ontem viu igualmente o quinto cartão), além de Gonçalo Inácio.

 

Do campo inclinado. Soares Dias matou o desafio como espectáculo competitivo aos 18', fazendo expulsar Gonçalo. Isto condenou o Sporting a fechar-se no seu reduto, praticando apenas jogo defensivo enquanto aguardava a oportunidade de conseguir pontos - como viria a acontecer - em lance de bola parada. Um teste à resistência física e psicológica do onze leonino, que actuou mais de uma hora num inédito 5-4-0. Nove jogadores atrás da linha da bola. Um teste também à resistência anímica dos adeptos.

Rescaldo do jogo de anteontem

Não gostei

 

 

Do resultado do Sporting-Belenenses SAD. Terminou empatado 2-2: foi o nosso terceiro empate nos últimos quatro jogos, indício evidente de quebra global da equipa. Mas pior foi a exibição: só por volta dos 70' os nossos jogadores parecem ter despertado da letargia que se apoderou deles em campo. Jogando sem ritmo, falhando passes, abusando dos atrasos ao guarda-redes, com lentíssima circulação de bola. Pareciam estar a cumprir uma tarefa burocrática na repartição. Como se não quisessem ser campeões. 

 

De Adán. Tinha brilhado no jogo anterior. Desta vez borrou a pintura, com um erro inadmissível, daqueles que podem custar campeonatos: apertado por Cassierra, hesitou quanto ao pé a utilizar na saída de uma bola e acabou por chutar no ar, desequilibrando-se. Ofereceu assim ao Belenenses SAD o segundo golo. Iam decorridos 54', passávamos a perder 0-2. Nos minutos imediatos instalou-se o descontrolo emocional na equipa. A partir daí foi tremideira até ao fim.

 

De João Mário. Exibição apática do campeão europeu, que abusou de jogar a passo e das lateralizações sem rasgo, incapaz de queimar linhas ou de um passe de ruptura. Pior ainda: ao ser chamado para converter um penálti, aos 42', permitiu a defesa de Kritciuk. Foi substituído aos 67', tendo saído tarde de mais.

 

De Gonçalo Inácio. O pior jogo do jovem central desde que ascendeu à nossa equipa principal. Está de algum modo envolvido nos dois golos: no primeiro, logo aos 13', deixou-se fintar por Miguel Cardoso, que colocou a bola na área; no segundo, quando o Sporting precisava de construir um rápido lance ofensivo, optou por mais um burocrático atraso a Adán num passe de risco, que precipitou o erro do guarda-redes.

 

De Tiago Tomás. Outra exibição para esquecer. Aos 4' já estava a ser amarelado por uma entrada negligente, por trás, no meio-campo defensivo do Belenenses SAD, sem qualquer necessidade. Depois falhou três vezes a possibilidade de atirar com sucesso às redes azuis: aos 18' chutou para a bancada; aos 23', saiu-lhe um remate frouxo; aos 28', bem servido, desperdiçou a melhor oportunidade. Péssimo no capítulo da finalização. Foi bem substituído ao intervalo.

 

De Paulinho. Uma nulidade. Sucedem-se as jornadas com o nosso ponta-de-lança sem demonstrar em campo as qualidades que fizeram dele a contratação mais cara do Sporting. Atravessa uma evidente crise de confiança: nunca está no sítio certo quando é necessário. Foi preciso Coates, um central, ir lá à frente mostrar-lhe como se faz. O ex-artilheiro do Braga já parece ter esquecido. E nem serve para marcar penáltis. Como se implorasse ao treinador para o deixar fora do onze titular.

 

De Palhinha e Porro. Dois dos nossos melhores jogadores nesta época 2020/2021 vieram irreconhecíveis da mais recente pausa para desafios das selecções A em que ambos se estrearam. Em nítida quebra de forma, contribuíram ambos para a apagada exibição da equipa. 

 

Dos ataques inconsequentes. Em remates, o desequilíbrio neste dérbi lisboeta dificilmente podia ter sido maior: 28 do nosso lado e apenas três do Belenenses SAD. Problema: os nossos foram quase todos muito ao lado ou resultaram em pontapés frouxos que o guarda-redes deles facilmente interceptou. 

 

Das substituições tardias. Este desafio, contra uma equipa que defende com linhas muito baixas, pedia desequilibradores e criativos. Mas eles estavam quase todos no banco. E só foram lançados na segunda parte, por esta ordem: Nuno Santos (46'), Tabata (61'), Jovane (67'), Daniel Bragança (67') e Matheus Nunes (77'). Foi quanto bastou para o empate, alcançado no último lance do desafio. Mas já não chegou para a reviravolta que se impunha: ficaram mais dois pontos pelo caminho.

 

Das hesitações do treinador. Rúben Amorim, ausente do banco por castigo, demorou muito a desmanchar o sistema dos três centrais que já não fazia qualquer sentido com a nossa equipa a perder por 0-2 e o Belenenses SAD totalmente remetido ao seu reduto defensivo. Impunha-se reforçar as linhas dianteiras, o que só aconteceu aos 77', quando Coates - quase em desespero táctico - passou de central a ponta-de-lança improvisado. Lá atrás ficavam Gonçalo e Matheus Reis, que chegaram e sobraram. Não fazia falta mais nenhum.

 

 

Gostei

 

De Coates. Voltou a fazer a diferença, marcando o seu sétimo golo desta temporada. Este Sporting 2020/2021 - que já conquistou nove pontos no tempo extra - deve muito ao internacional uruguaio, não apenas no domínio defensivo, onde é um baluarte, mas também quando é preciso desatar os nós lá na frente. O nosso primeiro golo resultou de um forte cabeceamento do nosso capitão, elevando-se acima da muralha defensiva azul, aos 83'. Voto nele como melhor em campo.

 

De Jovane. Parece ser uma espécie de patinho feio no Sporting de Rúben Amorim. A verdade, porém, é que costuma corresponder quando é chamado. Voltou a acontecer: entrou aos 67', rendendo Palhinha, e funcionou como talismã leonino. Aos 90'+4 ganhou um penálti que ele próprio converteu num pontapé imparável. Valeu-nos um ponto e mostrou a João Mário como se faz. 

 

De Nuno Santos. Faltava quem soubesse cruzar com critério e qualidade. E foi do pé esquerdo dele que saiu esse centro que tanta falta nos fazia. Com precisão cirúrgica, a partir da linha, para a cabeça de Coates. Outra assistência para golo de um jogador que tão útil nos foi na primeira volta mas deixou de ser titular com a chegada de Paulinho. Tem de voltar ao onze inicial. O Sporting precisa dele em campo, não no banco.

 

De Nuno Mendes. Foi o único que na primeira parte sobressaiu da mediocridade e da mediania. Se alguém merecia a vitória, era ele. Bom nos duelos individuais, sem ter medo de transportar a bola, aos 41' foi ele a sofrer a falta que deu origem ao primeiro penálti de que beneficiámos neste jogo - o tal que João Mário foi incapaz de converter.

 

De termos cumprido o 28.º jogo seguido sem perder. Outro máximo ultrapassado: continuamos a ser a única equipa invicta na Liga 2020/2021. A seis jornadas do fim. 

 

Dos 70 pontos já atingidos. Estamos a três vitórias de conseguir o acesso directo à Liga dos Campeões.

 

De Nuno Almeida. Actuação impecável do árbitro algarvio, com critério largo e sem hesitar nos momentos potencialmente mais controversos, apontando duas vezes para a marca da grande penalidade. 

 

Da atitude da equipa nos 20 minutos finais. A perder por 0-2, os nossos jogadores encheram-se de brios, carregaram no acelerador e fizeram enfim enorme pressão sobre o Belenenses SAD, que passou a aliviar de qualquer maneira. Só foi pena terem esperado tanto tempo para mostrarem como se deve fazer. Não podiam ter despertado mais cedo?

 

De termos contrariado Petit. O benfiquista que treina o falso Belenenses, com a boçalidade que o caracteriza, tinha expressado na véspera do jogo o desejo de «tirar a virgindade» ao Sporting. A ele é que ninguém consegue tirar a grunhice. Trata-se de um caso irrecuperável.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D