Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Quente & frio

descarregar.webp

Marcano acaba de marcar o segundo, aos 86', selando o resultado: Sporting perdeu final

Foto: Paulo Novais / Lusa

 

Gostei muito da exibição global do Sporting na primeira parte desta final da Taça da Liga disputada em Leiria com o FC Porto. Superioridade no terreno, aliás traduzida em número de remates: oito, contra apenas um da equipa adversária. Neste período tivemos duas bolas aos ferros (Porro mandou um petardo à trave, a mais de 30 metros de distãncia, Pedro Gonçalves viu uma bola desviar-se para o poste e um passe soberbo a isolar Edwards aos 13' dar golo, infelizmente anulado por deslocação de 41 cm). Partida disputada taco a taco até à expulsão de Paulinho, aos 71'. Mesmo com um a menos na meia hora final, o jogo terminou com superioridade leonina em remates: 11-4. Infelizmente, superioridade que não se traduziu no resultado: 0-2. Final perdida, após três vencidas - uma com Marcel Keizer, duas com Rúben Amorim. Pior: até agora, nesta época, fomos incapazes de marcar ao FCP. Balanço destes confrontos: dois jogos, duas derrotas, cinco golos sofridos. Nem um golito conseguimos marcar-lhes nesta que está a ser a nossa segunda mais negativa temporada de sempre.

 

Gostei das exibições de Pedro Gonçalves, já salientado, e de Edwards. Fizeram pressão alta, ganharam diversos lances individuais e revelaram boa reacção à perda de bola. Mas o nosso melhor, sem sombra de dúvida, foi Pedro Porro. Precisamente no dia em que se despediu dos adeptos, como ficou bem evidente na sua reacção emotiva junto da bancada no fim desta partida. Jogou e fez jogar, sempre em rendimento máximo. No primeiro tempo imperou no seu corredor, neutralizando Wendell. Grandes passes longos, infelizmente desaproveitados, para Nuno Santos (28') e Morita (31'). O petardo à barra foi dele (36'). Tentou novamente o golo num remate rasteiro que Cláudio Ramos só à segunda defendeu (47'). O melhor em campo. Infelizmente, na despedida.

 

Gostei pouco do desempenho de alguns dos nossos jogadores, que revelaram défice de inteligência emocional. Com destaque para Adán, um dos protagonistas - pela negativa - desta final perdida. Monumental frango logo aos 10', vendo a bola rematada à distância por Eustáquio escapar-lhe entre as luvas - a fazer lembrar aquela tarde negra em Marselha para a Liga dos Campeões. Também para Paulinho: após falhar o golo da praxe, aos 42', viu dois amarelos em oito minutos (63' por falta táctica e 71' por conduta antidesportiva ao acertar com um cotovelo na cara de Otávio quando conduzia a bola), levando-nos a ficar reduzidos a dez e pondo o campo inclinado em definitivo para o FCP. E ainda para Matheus Reis, que chegu a encostar o nariz à cara do árbitro aos 90'+6, totalmente descontrolado: viu só amarelo quando podia ter visto vermelho directo. Fala-se muito dos jovens, mas foram alguns dos jogadores mais experientes a enterrar a equipa nesta final. 

 

Não gostei da arbitragem de João Pinheiro, confirmando a sua inaptidão para esta tarefa e demonstrando por que motivo não houve apitadores portugueses no recente Mundial do Catar. Disparidade clara no critério disciplinar: poupou cartões a Pepê por tentativa grosseira de simulação de penálti e a João Mário por travar ataque prometedor a Fatawu, que lhe fez um túnel (65'). Poupou Wendell à expulsão (67') após o portista esmurrar Pedro Gonçalves no peito - sendo aqui a falha imputável sobretudo ao vídeo-árbitro, Tiago Martins. É certo que podia ter feito o mesmo ao  imprudente Tanlongo, que teve o mesmo gesto contra Otávio à beira do fim, mas aí o jogo já estava definitivamente estragado por acção e omissão do árbitro.

 

Não gostei nada de comprovar que as substituições feitas por Rúben Amorim não acrescentaram qualidade à equipa: é um problema estrutural, existente desde o primeiro dia desta triste temporada 2022/2023. Nem do clamoroso falhanço colectivo da nossa defesa que levou Marcano, central portista, a sentenciar a partida aos 86' isolado perante Adán. Gostei ainda menos de ver uma larga franja de membros da Juventude Leonina, uma vez mais, transformar o incentivo à equipa em berraria rasca contra a turma adversária gritando «O Porto é merda!» Comportamento indigno de um clube com as tradições e os pergaminhos do Sporting que acaba por dar moral à equipa que enfrentamos. Muito pior foi o arremesso de tochas, a partir dos 55', vindas do sector do estádio onde se concentravam esses elementos - em direcção ao nosso banco de suplentes, ainda por cima. Esta gente está a mais no futebol. Esta gente afugenta o cidadão comum dos estádios. Esta gente, que no final também queimou cadeiras, devia experimentar, na pele, as novas medidas punitivas para quem usa material pirotécnico em recintos desportivos: prisão até cinco anos ou multa até 600 dias

Quente & frio

descarregar.webp

Paulinho: figura em foco ao marcar os dois golos do Sporting contra o Arouca

Foto: Paulo Cunha / Lusa

 

Gostei muito de ver o Sporting chegar ontem à quinta final da Taça da Liga em seis temporadas - troféu que vencemos nas duas últimas épocas, já com Rúben Amorim ao comando da equipa. Levamos 12 jogos seguidos sem perder nesta competição. Desta vez derrotámos o Arouca por 2-1, em jogo disputado no estádio Magalhães Pessoa, em Leiria. Domínio total leonino no primeiro tempo, com 1-0 ao intervalo - resultado que só pecava por escasso. O segundo tempo esteve muito mais equilibrado, mas foi com inteira justiça que nos qualificámos para a final, a disputar no sábado, muito provavelmente contra o FC Porto.

 

Gostei de Paulinho, autor dos dois golos do Sporting, à ponta-de-lança, apontados aos 45'+6 e aos 82'. Confirma-se: o nosso avançado-centro, tão perdulário nos desafios do campeonato, tem vocação especial para marcar na Taça da Liga, onde leva já oito facturados nesta edição: merece ser distinguido como melhor em campo. Destaque também para o excelente desempenho de Nuno Santos, protagonista dos melhores cruzamentos desta meia-final. Quase marcou de livre directo num remate em arco muito bem colocado (45'). É dele a assistência para o segundo golo.

 

Gostei pouco da quebra da nossa equipa na primeira metade do segundo tempo, quando voltámos a pecar pelo defeito do costume: recuámos no terreno, parecendo estar a defender a magra vantagem conseguida ao intervalo. Algo incompreensível, que deu moral ao Arouca. Foi neste período (58') que a equipa adversária marcou o seu golo, aproveitando a má definição da nossa linha de fora-de-jogo e com Adán parecendo mal batido no lance. 

 

Não gostei de Esgaio, o mais fraco do onze titular leonino. Foi a maior surpresa reservada por Rúben Amorim para esta meia-final, mas a diferença do desempenho dele na comparação com o habitual dono da posição, Pedro Porro, é abissal. O que suscita legítimas dúvidas sobre o futuro imediato da nossa equipa se o internacional espanhol abandonar dentro de dias o Sporting rumo ao Tottenham.

 

Não gostei nada de ver St. Juste substituído aos 64' para dar lugar a Gonçalo Inácio, que desta vez ficou de início no banco. O central holandês, que chegou aureolado de grande reforço para a nossa temporada 2022/2023, persiste em evidenciar débil condição física após quatro lesões sucessivas em sete meses. Até agora só conseguiu disputar uma partida do princípio ao fim. Algo preocupante, atendendo sobretudo ao facto de se tratar de um jogador que custou 9,5 milhões de euros ao Sporting.

Quente & frio

descarregar.webp

Porro, um dos dínamos da nossa equipa na goleada de ontem ao Braga

Foto: Tiago Petinga / Lusa

 

Gostei muito da goleada desta noite em Alvalade. Houve manita: o Sporting fulminou o Braga por 5-0. Passámos às meias-finais da Taça da Liga, afastando a turma minhota da competição. Resultado construído ao intervalo. Com golos de Gonçalo Inácio (5'), Paulinho (7'), Pedro Gonçalves (20'), Trincão (41') e Edwards (45'+3). Um festival de futebol de ataque, com excelentes passes, recepções orientadas, assistências e golos numa partida em que todo o nosso onze titular esteve em alta rotação, exibindo intensidade e classe. Nada fácil escolher o melhor em campo: elejo Edwards por ter conquistado dois penáltis - o primeiro convertido por Pedro Gonçalves, o segundo por ele próprio - e protagonizado os momentos mais vistosos de futebol ofensivo com o seu inegável virtuosismo técnico como interior direito, marcando o compasso do nosso ataque. Também Paulinho, Trincão, Porro e Nuno Santos justificam destaque numa partida em que o colectivo leonino funcionou como raras vezes temos visto nesta temporada. Correspondendo ao apelo que aqui lhes fiz.

 

Gostei que tivéssemos terminado mais um jogo sem sofrer golos. Foi o sexto consecutivo a vencer, para duas competições: registamos 23 golos marcados e apenas um sofrido nestas partidas. Só na Taça da Liga, título de que somos detentores há duas temporadas, levamos agora o melhor registo de sempre: quatro vitórias, com 18 marcados e nenhum sofrido. Demonstração inequívoca de saúde animica da nossa equipa. Conclusão óbvia: fez-nos muito bem esta interrupção do campeonato imposta pelo calendário do Mundial. 

 

Gostei pouco da chuva muito forte que caiu ontem em Alvalade durante toda a segunda parte, prejudicando o espectáculo e contribuindo para a quebra de rendimento do Sporting, que no entanto foi superior ao Braga, sem a menor contestação, até ao apito final. Adán limitou-se a duas defesas, uma em cada parte do jogo. Não era preciso carregar mais no acelerador: o resultado estava construído ao intervalo. Também é verdade que nenhum dos suplentes esteve ao nível dos titulares: Jovane (por Paulinho, 71'), Dário (por Ugarte, 71'), Esgaio (por Porro, 76'), Arthur (por Trincão, 76') e Sotiris (por Edwards, 86').

 

Não gostei da fraquíssima assistência, com pouco mais de vinte mil espectadores nas bancadas - mas o alerta das autoridades para outra noite de temporal em Lisboa - embora sem impor a realização do jogo à porta fechada, como tinha sucedido no Sporting-Marítimo - contribuiu decerto para desmobilizar muita gente. Foi pena: esta goleada leonina merecia ter sido testemunhada por muito mais adeptos ao vivo.

 

Não gostei nada dos "olés" soltados por certos membros das claques e da habitual javardice a que alguns chamam "cânticos". Nada disto tem a ver com o espírito leonino. Alguns imbecis teimam em copiar os piores modelos. Acabam por não se distinguir deles - e talvez a intenção seja mesmo essa. Deviam todos juntar-se num recinto qualquer e entoarem os tais "cânticos" uns para os outros. Tão distantes de nós quanto possível.

Quente & frio

 

Gostei muito da vitória tranquila do Sporting, na noite passada, contra o Marítimo. Triunfo que confirma a nossa presença nos quartos-de-final da Taça da Liga, a disputar segunda-feira, contra o Braga: somos bicampeões de Inverno, temos um título a defender. A qualificação estava assegurada, após os triunfos anteriores frente ao Farense e ao Rio Ave, mas nem por isso merece menor aplauso - até voltou a registar-se uma goleada, desta vez por 5-0. Cinco vitórias seguidas, algo para nós inédito nesta temporada. Com 13 golos marcados e nenhum sofrido só nesta competição.

 

Gostei de Paulinho, a figura da partida por ter marcado os três primeiros golos nas três primeiras oportunidades de que dispôs - aos 40", aos 15' e aos 31''. Eficácia total, com assistências de Arthur, Porro e Jovane. Há 22 anos que um jogador do Sporting não marcava três golos na primeira parte de um jogo: aconteceu em Agosto de 2000, por Acosta, contra o V. Guimarães. Também gostei das exibições de Porro (estreia a marcar de Leão ao peito nesta temporada, assinando o quarto golo, aos 73'), de Mateus Fernandes (estreante como titular e logo com uma assistência, num belo passe de ruptura para o lateral espanhol) e de Arthur (dinâmico ala esquerdo, em vez do habitual titular Nuno Santos, assistindo Paulinho no primeiro e centrando no lance que proporcionou o quinto, autogolo do infeliz guarda-redes Miguel Silva aos 86').

 

Gostei pouco de uma certa falta de emoção ao longo da partida, disfarçada pela vantagem muito dilatada que se verificou em campo. Isso deveu-se à ausência de público, à certeza de que o apuramento estava garantido e sobretudo à falta de réplica do onze adversário.

 

Não gostei do fraquíssimo Marítimo, que vai acumulando desaires: só venceu um jogo em 16 disputados até agora nesta época 2022/2023, segue em penúltimo no campeonato e parece condenado a baixar à Liga 2 após 37 anos no primeiro escalão do futebol português. Soma oito derrotas seguidas, com o pior ataque e a segunda pior defesa. Esta goleada certamente não lhe deu qualquer saúde anímica.

 

Não gostei nada que este jogo tenha sido ontem disputado à porta fechada, no estádio José Alvalade. A fazer lembrar a penosa quarentena imposta pela pandemia que já parecia interminável. Desta vez aconteceu em obediência aos alertas da protecção civil a propósito das enxurradas na região de Lisboa num dia em que choveu mais do que alguma vez aconteceu desde que há registos fiáveis. Foi um mal menor: pior teria sido o adiamento do jogo. E em primeiro lugar está sempre a segurança dos cidadãos, sejam adeptos de que clube forem.

Quente & frio

descarregar.webp

Gonçalo Inácio e Matheus Reis festejam o golo do primeiro em Vila do Conde

 

Gostei muito da vitória do Sporting em Vila do Conde. Triunfo tranquilo, por 2-0, contra uma equipa que já tínhamos vencido por 3-0 no início do campeonato 2022/2023. Desta vez foi para a Taça da Liga, competição que conquistámos nas duas épocas anteriores. Sem brilhantismo mas com eficácia mínima, construímos o resultado aos 62' (com Gonçalo Inácio a marcar de cabeça, em estreia absoluta como artilheiro nesta temporada) e aos 73' (autogolo de Boateng), ambos na sequência de lances de bola parada. Dois jogos, duas vitórias: oito golos marcados, nenhum sofrido. Temos assegurada a passagem aos quartos-de-final desta competição, onde iremos defrontar o Braga. E já vamos no quarto jogo consecutivo a vencer.

 

Gostei de Porro, ontem o melhor em campo. Incansável. Foi quem mais incutiu dinamismo e acutilância à nossa equipa. Com grandes centros aos 36' (Paulinho), 41' (Nuno Santos) e 59' (Paulinho). Tentou o golo aos 67': merecia melhor. Esteve na origem do segundo, ao marcar de forma exemplar o canto que daria o autogolo de Boateng. Este desempenho do nosso ala direito fez-me pensar que, dos jogadores convocados para Vila do Conde, ninguém merecia tanto ter ido ao Mundial como Pedro Porro. Luis Enrique, o seleccionador espanhol, deve andar a precisar de lentes novas.

 

Gostei pouco do resultado ao intervalo: mantinha-se o nulo inicial. Registou-se supremacia óbvia do Sporting, neutralizando a equipa da casa, mas este domínio não conseguia traduzir-se em oportunidades de golo. O nosso primeiro canto ocorreu só aos 30', a nossa primeira oportunidade surgiu apenas aos 41' (por Nuno Santos). Pareceu quase sempre faltar um suplemento de ânimo aos nossos jogadores.

 

Não gostei do relvado em péssimo estado, que ia ficando cada vez mais impraticável à medida que a chuva caía, copiosa, naquele estádio onde alguns dos nossos jogadores - como Matheus Reis e Nuno Santos - actuaram em tempos idos como profissionais do Rio Ave. O terreno empapado prejudicou os profissionais mais tecnicistas, como Edwards e Trincão, incentivando um jogo duro por parte da equipa da casa. Assim piorou a qualidade do espectáculo nesta noite fria.

 

Não gostei nada do excesso de golos falhados. Paulinho desperdiçou quatro - ou por rematar frouxo ou por pegar mal na bola, aos 33', 36', 59' e 68'. Trincão tem uma perdida clamorosa à boca da baliza, aos 59'. Sotiris (um dos mais fracos dos nossos) deixou fugir um golo cantado aos 90' que lhe foi oferecido por Arthur em passe de bandeja. O grego continua a suscitar muitas dúvidas: entrou aos 84' e dois minutos depois já estava amarelado. Pior talvez só Pedro Gonçalves, novamente remetido ao meio-campo, onde mal se deu por ele. Deixou escapar um ataque promissor ao desentender-se com Nuno Santos (31') e transformou um canto num inócuo passe ao guarda-redes (41'). Pode e deve render muito mais.

Quente & frio

descarregar.webp

Chuva de golos em Alvalade: Sporting derrotou Farense por 6-0

 

Gostei muito da goleada imposta esta noite pelo Sporting ao Farense no nosso estádio. Vencemos por 6-0: foi até agora o mais dilatado triunfo leonino desta temporada, na jornada inaugural do Grupo B da Taça da Liga. Temos uma reputação a defender nesta competição: somos bicampeões de Inverno, todos desejamos o terceiro título consecutivo. É verdade que o Farense compete na Liga 2, mas está muito bem colocado no segundo escalão do futebol português, a perseguir de perto o líder, Moreirense. Esta vitória por números tão expressivos parece reconciliar o Sporting com o futebol de ataque e com a produção de golos. Fica o registo dos marcadores: Paulinho (20' e 22'), Edwards (39'), Pedro Gonçalves (48'), Arthur (75') e Mateus Fernandes (84'). Um festival: sem dúvida o nosso melhor jogo da época.

 

Gostei de Paulinho, desta vez o melhor em campo. Não apenas pelos dois golos que marcou, com apenas dois minutos de diferença, mas também pela primorosa assistência para o quinto, apesar de ter desperdiçado uma primeira oportunidade, isolado face ao guarda-redes, logo aos 8'. Duplicou, neste seu 15.º jogo da temporada, o número de golos que registara até agora. Destaque também para as exibições de Porro (assiste nos golos 3 e 4), Trincão (é dele a assistência no primeiro e participa na construção do segundo) e Pedro Gonçalves (assiste Paulinho no segundo, inicia o terceiro com um magistral passe que cruzou todo o campo e marca o quarto).

 

Gostei pouco que Dário tivesse desperdiçado a aposta que o treinador fez nele para titular, compensando a ausência de Ugarte no Mundial: o jovem médio defensivo viu um cartão amarelo, sem qualquer necessidade, logo aos 10'. Muito melhor esteve Mateus Fernandes nesta partida, que para ele será de sonho: entrou aos 69', rendendo Nuno Santos com inegável competência, foi carregado em falta dentro da grande área aos 83', quando protagonizava uma magnífica jogada individual, e quem a mete lá dentro é ele próprio, convertendo de forma irrepreensível o penálti. Assim se estreou a marcar, aos 18 anos, pela equipa A do Sporting. Um passo decisivo no início de uma grande caminhada.

 

Não gostei das exibições de Sotiris e Jovane. O grego fez toda a segunda parte, rendendo Dário, mas deixou evidentes as suas fragilidades não apenas no processo defensivo mas sobretudo como construtor de lances ofensivos: está ao nível de um jogador da nossa equipa B, não do onze principal. O caboverdiano, que há muito não calçava, substituiu Trincão aos 61'. Teve o golo à sua mercê, aos 74', mas rematou ao lado. Andou algo perdido na frente de ataque: acusa falta de confiança. Mas protagonizou um gesto bonito ao oferecer a Mateus a oportunidade de ser ele a converter o penálti, entregando-lhe a bola. É assim que se cimenta um verdadeiro espírito de equipa.

 

Não gostei nada da fraca "moldura humana" ontem registada nesta partida em Alvalade: só 17 mil espectadores, incluindo cerca de meio milhar de adeptos do Farense. É verdade que a temperatura fria e a chuva que caiu durante todo o jogo contribuíram para esta desmobilização, mas os tais sportinguistas que juram nada querer saber do Campeonato do Mundo e garantem só gostar de ver partidas do nosso clube parecem ser muito menos do que fazem supor nas caixas de comentários. Afinal o alegado amor à equipa não é suficiente para arrancá-los do sofá enquanto vão espreitando o Mundial do Catar.

Quente & frio

descarregar.webp

Ugarte, aqui enfrentando o ex-campeão mundial Mario Götze, não merecia esta derrota

 

Gostei muito da exibição de Ugarte no jogo de ontem, em que recebemos o Eintracht no mais decisivo embate da Liga dos Campeões. Jogou à campeão: ele e Porro foram dos nossos raros jogadores que mereciam seguir em frente na prova milionária. Mesmo com notórios problemas físicos, aguentou-se durante mais de uma hora. Saiu aos 63', claramente diminuído mas como exemplo de robustez psicológica para alguns colegas. O melhor Leão neste jogo já de má memória, com mais de 41 mil espectadores nas bancadas. O jovem uruguaio ganhou confrontos, fez recuperações, bloqueou o acesso da equipa adversária ao nosso reduto defensivo. E ainda foi dele a assistência para o nosso golo solitário, marcado por Arthur aos 39' - havia 1-0 favorável ao Sporting quando soou o apito para o intervalo. Estivemos a vencer durante 23 minutos graças a esse golo - o segundo do brasileiro ex-Estoril na Champions, também ele com actuação positiva. Se o nosso médio defensivo pudesse continuar até ao fim, mas em boa forma física, talvez a sorte desta partida tivesse sido outra.

 

Gostei do jeito que nos deu o Tottenham ao apontar o golo da vitória (1-2) em Marselha, no último lance do desafio, já com sete minutos extra de jogo. Golo que ocorreu escassos minutos após o fim do Sporting-Eintracht, com a nossa equipa fora das competições europeias quando havia entrado para a segunda parte em primeiro lugar no grupo D. Mas derrapámos ao permitirmos o empate (62', de penálti) e o triunfo da turma germânica (72', com Gonçalo Inácio batido em corrida numa fracassada tentativa de travar cavalgada de Muani). Dez minutos que nos levaram do céu estrelado ao fundo do poço, tombando do primeiro para o último posto. O golo salvador da equipa londrina colocou-nos no terceiro lugar, que dá acesso ao playoff da Liga Europa. Do mal, o menos.

 

Gostei pouco de confirmar que a nossa equipa só dura 45 minutos. Depois rebenta, no plano físico e anímico. Voltou a acontecer, mesmo tendo desta vez o treinador apostado num inédito onze titular (Adán; St. Juste, Coates, Gonçalo Inácio; Porro, Ugarte, Pedro Gonçalves, Nuno Santos; Edwards, Arthur e Paulinho). Daí a desorganização táctica em que mergulhou o Sporting após sofrer o segundo golo, nuns penosos 20 minutos finais em que o lema parecia ser «tudo ao molho e fé em Deus». Coates lá foi picar o ponto à frente, em desespero, como ponta-de-lança improvisado, e até Adán lhe imitou o exemplo no minuto que antecedeu o fim do jogo. Uma caricatura de futebol.

 

Não gostei do árbitro, que assinalou penálti a Coates aos 60' num lance em que o nosso capitão sofreu falta de Kamada - que viria a converter o castigo máximo. E permitiu que Jakic continuasse em campo mesmo tendo cometido segunda falta para cartão amarelo - que lhe valeria a consequente expulsão. Mas há que reconhecer: o Eintracht foi superior, sobretudo na segunda parte, que dominou por completo. Após o intervalo, o Sporting concedeu toda a iniciativa de jogo aos alemães, recuando 30 metros e remetendo-se como equipa pequenina ao reduto defensivo, procurando aliviar a bola de qualquer maneira. Uma vez mais, pecámos no capítulo ofensivo: só três remates, dois enquadrados, em toda a partida - nenhum na segunda parte. Incapazes de aproveitar um canto ou um livre. Sempre a perder no jogo aéreo. Alguns jogadores passaram ao lado da partida, com destaque novamente para Trincão: entrou aos 63' (rendendo um Edwards bastante apagado) e voltou a ser uma nulidade. Amorim insistiu em remeter Pedro Gonçalves ao meio-campo, retirando dele todo o potencial como goleador. Paulinho esteve quase a marcar... na própria baliza, logo aos 12', mas felizmente Adán impediu a bola de entrar com a melhor defesa da noite. Destaque ainda, pela negativa, para Nuno Santos. Mas só porque saiu lesionado, aos 32'. Outro jogador leonino no estaleiro.

 

Não gostei nada de vermos fugir mais um objectivo da época com esta derrota (1-2) em Alvalade frente à equipa de Frankfurt. Ao contrário do que sucedeu na temporada anterior, caímos na fase de grupos da Liga dos Campeões. Aqueles adeptos que adoram assobiar o hino da Champions devem estar felizes: não o ouviremos no nosso estádio durante o resto da temporada e provavelmente na próxima também não. Este tombo sucede após termos sido eliminados pelo Varzim da Taça de Portugal e quando a conquista do campeonato não passa de miragem, com o Benfica 12 pontos acima de nós e quatro outras equipas agora à nossa frente. Pior ainda: registámos esta noite o oitavo desaire da temporada em 18 jogos. Balanço: oito vitórias, dois empates, oito derrotas. Com 29 golos marcados e 24 (!) sofridos. É mau? Não: é péssimo.

Quente & frio

Gostei muito do nosso empate (1-1) ontem, em Londres, contra o Tottenham - terceiro classificado da Premier League. Resultado que nos coloca em segundo no grupo D da Liga dos Campeões, com 7 pontos. Como o Marselha perdeu em Frankfurt, basta-nos um empate no desafio da próxima terça-feira, quando recebermos o Eintracht, para seguirmos rumo aos oitavos-de-final da prova. Com vantagem sobre a equipa londrina em caso de igualdade pontual. Estivemos a vencer entre os 22' e os 80'. Sofremos um segundo golo no último lance do desafio, por Harry Kane, mas acabou anulado após intervenção do VAR. 

 

Gostei dos 45 minutos iniciais, com atitude desassombrada do onze leonino que teve a primeira oportunidade por Paulinho, aos 20', e marcou à segunda. Mérito de Edwards, autor do golo: comprovou no estádio da equipa onde foi formado que merecia ter lugar naquele plantel e talvez até ser chamado à selecção inglesa. Exibições muito positivas também do regressado Coates, comandante da defesa, Porro com o seu habitual dinamismo no corredor direito, Ugarte a trancar o meio-campo. E sobretudo de Adán, com quatro grandes defesas - aos 51', 52', 56' e 69'. Ficou mal no golo dos spurs, marcado por Betancourt, mas mesmo assim merece ser eleito o homem do jogo. Sem ele, sairíamos derrotados. 

 

Gostei pouco de Trincão, o pior dos nossos no onze titular. Voltou a ser uma figura apagada, sem influência no colectivo. Rúben Amorim manteve-o demasiado tempo em campo, mandando-o sair só aos 71': outra oportunidade desperdiçada. Também gostei pouco das actuações de dois miúdos lançados pelo treinador - Mateus Fernandes (18 anos) e Nazinho (19 anos). O primeiro em estreia absoluta no palco da liga milionária acusando o peso da responsabilidade; o segundo desperdiçando dois golos cantados, aos 76' e aos 77', além de comprometer num lance defensivo crucial. Mas esta é a única forma de Amorim provar que aposta mesmo nos potenciais astros leoninos: lançando-os nos grandes jogos. Não há outro modo de ganharem calo e crescerem. Acabamos este jogo, aliás, com uma equipa extremamente jovem onde se incluía Gonçalo Inácio (21 anos), Porro (23), Ugarte (21), Arthur (24) e Fatawu (18), além dos já mencionados. O brasileiro e o ganês entraram muito bem, o primeiro como agitador lá na frente e o segundo forçando Lloris a uma das defesas da noite, aos 90', em remate fortíssimo que levava selo de golo. 

 

Não gostei do golo sofrido a dez minutos do fim do tempo regulamentar nem da nossa segunda parte, em que estivemos quase todo o tempo remetidos à defesa, embora revelando capacidade de resistência e sacrifício. Mas convém não esquecer que o Tottenham é uma equipa cheia de craques: Kane (segundo melhor marcador da Premier League), Son, Perisic, Romero, Lucas Moura, Ben Davies e o "nosso" Eric Dier, que aliás falhou mais golos no Hotspur Stadium do que Nazinho.

 

Não gostei nada que Morita tivesse saído aos 62', com queixas físicas: oxalá não tenhamos outro jogador lesionado. Nem da ausência de Pedro Gonçalves, ausente por ter visto cartão vermelho, sem qualquer necessidade, no recente Sporting-Marselha. Nem do calafrio que passámos nos últimos segundos da partida ao ver a bola entrar na nossa baliza. Felizmente, após longa espera, foi assinalada deslocação e prevaleceu o empate. Agora está tudo em aberto: só dependemos de nós para nos mantermos na liga milionária. A acontecer, será inédito.

Quente & frio

Gostei muito do primeiro-minuto do Marselha-Sporting de anteontem. Estavam decorridos apenas 52 segundos quando Trincão, coroando excelente jogada individual, introduziu a bola na baliza - daí ser considerado, sem favor, o nosso jogador menos mau. Começava aí aquilo que parecia a terceira vitória consecutiva do Sporting na liga milionária, contra uma equipa que nem tinha marcado ainda qualquer golo na competição. Infelizmente, esse magnífico segundo inicial foi também o zénite da exibição leonina no Vélodrome marselhês. A partir daí foi-se descendo - até ao abismo.

 

Gostei de Edwards, que fez a assistência para o golo e ainda ofereceu a bola em condições propícias novamente a Trincão (4') e também a Pedro Gonçalves (9'). Estava a candidatar-se a ser o nosso melhor em campo quando o pesadelo colectivo provocado pelos erros de Adán forçaram Rúben Amorim a retirá-lo para meter Israel. O inglês saiu cabisbaixo, visivelmente decepcionado por sair tão cedo. Não custa entender tal decepção.

 

Gostei pouco que o jogo tivesse acontecido sem público, como se voltássemos ao tempo da pandemia. Consequência de um castigo merecido de que foi alvo o clube francês, mas não deixa de ser esquisito assistir a um desafio nestas circunstâncias. O futebol precisa de ter público para se mostrar realmente vivo.

 

Não gostei do desempenho de vários futebolistas do Sporting: em graus diferentes, oscilaram entre o medíocre e o péssimo. Refiro-me a St. Juste, Gonçalo Inácio, Matheus Reis, Ugarte, Nuno Santos, Pedro Gonçalves e Paulinho. Alguns deles até pareciam sem a menor vontade de jogar na Liga dos Campeões.

 

Não gostei nada da catastrófica exibição de Adán, responsável máximo por esta humilhante goleada que sofremos. Foi dele a "assistência" directa para o golo de Alexis Sánchez (13'), uma entrega de bola em zona proibida de que resultou o segundo do Marselha (16') e uma absurda saída dos postes com toque da bola com a mão fora da grande área que lhe valeu o vermelho (23'). Enterrou a equipa de alto a baixo nestes dez minutos fatais. Franco Israel, em estreia absoluta numa prova profissional de futebol, esteve também muito mal, com responsabilidades evidentes nos outros dois golos que sofremos (23' e 82'). Falta mencionar Esgaio, agora com novo desempenho inenarrável: partilhou culpas com Adán no lance do penálti e ofereceu a bola a Alexis Sánchez aos 86', em lance de que quase resultou o quinto golo do Marselha. Aos 43' merecia ter visto o vermelho por pontapear Nuno Tavares sem bola. O árbitro foi amigo: se aplicasse a lei com rigor, passaríamos a jogar só com nove.

Quente & frio

Gostei muito da nossa vitória (2-0) contra o Tottenham desta noite em Alvalade. Segundo triunfo consecutivo na Liga dos Campeões após a recente goleada frente ao Eintracht na Alemanha. Já lideramos o nosso grupo da Champions, com seis pontos, cinco golos marcados e nenhum sofrido. Ganhamos balanço para fazermos a nossa melhor prestação de sempre na prova máxima do futebol, embolsámos mais 2,8 milhões de euros graças a esta vitória e voltamos a apresentar uma equipa que faz lembrar a da conquista do campeonato há 16 meses. Mudam as peças, mas o colectivo mantém-se sólido. Agora com organização defensiva reforçada (apesar de termos dois centrais lesionados), a procura do golo acentua-se e o conjunto leonino demonstra não recear nenhum adversário, seja em que prova for: enfrentamos qualquer um de olhos nos olhos. Para alegria dos adeptos.

 

Gostei de quase todos os jogadores, embora alguns mereçam menção especial. Começando por Nuno Santos, que fez talvez a sua melhor exibição de Leão ao peito. Combativo, batalhador, recuperou bolas, ganhou duelos, sem dar um lance por perdido, partiu os rins a Emerson em vários confrontos individuais, fazendo-lhe marcação cerrada. E criando constantes desequilíbrios no seu corredor, que patrulhou com eficácia. Destaque também para Edwards, protagonista do mais belo lance do jogo, aos 45'+2, parecendo imitar Maradona ou Messi ao entrar como faca por manteiga pela defensiva do Tottenham - clube onde se formou. Lance que só não deu golo (tal como outro, aos 67') devido a magníficas defesas de Lloris. Adán, Ugarte, Pedro Gonçalves e Matheus Reis também estiveram muito bem. Mas o Sporting ganha o jogo devido à visão de Rúben Amorim, que lançou do banco os marcadores dos dois golos: Paulinho entrou aos 76' e meteu-a lá dentro de cabeça, na sequência de um canto, aos 90'; e o estreante Arthur Gomes, que entrou aos 90'+2. Em estreia absoluta de verde e branco, marcou o seu golo inaugural no primeiro (e único) minuto em que esteve em campo e na primeira vez que tocou na bola, partindo meia defesa do Tottenham. Estreia de sonho: o céu é o limite.

 

Gostei pouco que o número de espectadores ontem em Alvalade estivesse abaixo de 40 mil. Em rigor, havia 39.899 nas bancadas - número inferior às expectativas, atendendo ao facto de recebermos uma das cinco melhores equipas da Premier League. Também é verdade que o horário do jogo, nesta terça-feira, não ajudou: a partida tinha início marcado às 17.45 - creio que foi a primeira vez que o Sporting jogou em casa a esta hora para a Liga dos Campeões. Mas o mais importante é que quem lá esteve não regateou incentivos em forma de cânticos e de aplausos aos jogadores.

 

Não gostei do desempenho dos craques do Tottenham, uma das melhores equipas inglesas da última década: o Sporting conseguiu anular Son, Richarlison e Harry Kane. Que até estavam bem mais folgados que os nosso craques, pois a turma londrina não disputou a jornada do passado fim-de-semana, com o Manchester City como adversário. Também não gostei de ver Eric Dier, que esteve nove anos em Alvalade, jogar desta vez contra nós: mantenho a esperança de voltar a vê-lo de verde e branco.

 

Não gostei nada, uma vez mais, de ouvir o Hino da Champions ser assobiado por centenas ou até milhares de adeptos no nosso estádio. Insisto: é uma enorme estupidez. Esta gente parece que preferia ver o Sporting excluído da liga milionária. Questiono-me se também exigirão à administração da SAD que devolva de imediato os 5,6 milhões de euros que receberemos só pelos primeiros dois jogos nesta prova 2022/2023. Tão elevado encaixe financeiro também lhes dará vontade de assobiar?

Quente & frio

Gostei muito da nossa vitória neste jogo de estreia na Liga dos Campeões, ontem, em Frankfurt. Derrotámos o Eintracht por 3-0, com todos os golos a serem marcados na segunda parte, e amealhámos 2,8 milhões de euros para os cofres leoninos graças a este triunfo. Iniciamos assim da melhor maneira a nossa campanha europeia da nova temporada, conseguindo enfim vencer na Alemanha - meta nunca alcançada nos 14 anteriores desafios que ali disputámos. Acresce que não se trata de uma equipa qualquer, mas da detentora da Liga Europa 2021/2022. É um jogo que vai perdurar na memória da massa adepta sportinguista - sobretudo a segunda parte, que teve diversos momentos a roçar a perfeição, com inequívoca classe, incluindo nos três lances de golo. 

 

Gostei da exibição de Edwards, o melhor em campo. Foi ele a marcar o primeiro, aos 65', rasgando a linha defensiva germânica, e o autor da assistência no segundo, dois minutos depois, num passe lateral para Trincão, que se estreou a marcar de Leão ao peito. Também Morita se destacou nesta sua estreia na Liga dos Campeões: mesmo amarelado aos 5', não se deixou condicionar e foi fundamental na construção dos dois primeiros golos. Destaque ainda para Adán, que regressou às grandes exibições, logo com uma enorme defesa aos 2', revelando-se muito seguro entre os postes. Porro, que aos 83' constrói o lance do terceiro golo, assistindo Nuno Santos após galgar 50 metros com a bola dominada junto à linha, foi outro herói do jogo. Destaque enfim para a maturidade de Coates, a combatividade de Ugarte e o regresso de Paulinho (só aos 79') após um mês de ausência por lesão.

 

Gostei pouco da primeira parte, em que segurámos bem os caminhos para a nossa baliza, mas só fizemos um remate, desperdiçando demasiado tempo em trocas de bola no nosso meio-campo defensivo e abusando de passes à queima que causam sempre sobressaltos, sobretudo nas linhas recuadas. Faltou baliza nesse primeiro tempo e alguma ousadia táctica assim que se percebeu que o Eintracht estava longe de ser a equipa dominadora e até avassaladora que alguns temiam. Felizmente Rúben Amorim soube dar um saudável abanão aos jogadores, motivando-os na conversa que travou com eles ao intervalo. Como se percebeu mal a partida foi reatada.

 

Não gostei do desempenho de Gonçalo Inácio, que continua a entrar em campo intranquilo e a errar passes em doses inaceitáveis - mesmo a jogar na sua posição natural, que é a de central à esquerda. Trincão ficou aquém do exigível na primeira parte, mantendo a tendência para adornar lances em excesso e revelando algum défice de intensidade no ataque ao portador da bola, embora acabasse por redimir-se quando marcou o golo. 

 

Não gostei nada da lesão de St. Juste, ocorrida aos 50'. O central holandês, que foi titular em Frankfurt e estava a ter uma exibição muito positiva, viu-se forçado a abandonar o campo, cedendo lugar a Neto (que se mostrou à altura). Parece andar em onda de pouca sorte: viu-se impedido de actuar na pré-época por uma lesão traumática contraída num treino, atrasando a sua integração no grupo. Agora volta a parar, esperemos que não por muito tempo. Porque faz falta.

Quente & frio

image.jpg

Coates começou a central e terminou a ponta-de-lança: mudança inútil

 

Gostei muito de Adán. O nosso melhor em campo, ontem no Dragão. Sem culpa no golo sofrido, protagonizou duas grandes defesas (negando o golo a Fábio Vieira aos 57' e a Vitinha aos 72') e fez muito bem a mancha, fechando o ângulo a Zaidu, que esteve a centímetros de marcar aos 38'. Se algum dos nossos pode orgulhar-se do desempenho nesta segunda mão com o FCP que nos afasta da final da Taça de Portugal (derrota por 0-1 após perdermos em Alvalade por 1-2 no desafio da primeira mão) é o guarda-redes espanhol. Valor seguro da baliza leonina. 

 

Gostei de Matheus Reis. Exibição quase irrepreensível do lateral esquerdo, recuperando a titularidade no Porto após um jogo de castigo que o afastou da derrota anterior, para o campeonato, frente ao Benfica. Batalhador, seguro a defender e acutilante a atacar numa partida que decorreu sob chuva forte do princípio ao fim. Talvez o futebolista do Sporting que mais se valorizou nesta época.

 

Gostei pouco da primeira parte, única em que demos luta à equipa da casa. Criámos desequilíbrios e bons lances ofensivos, mas falhámos sempre no momento decisivo, lá na zona em que se resolvem os jogos. Apenas um remate enquadrado nesses 45' iniciais, sem qualquer oportunidade de golo. Mas pelo menos conseguimos manter a turma portista quase sempre afastada da nossa baliza. Uma coisa e outra explicam o empate a zero que se registava ao intervalo.

 

Não gostei dos desempenhos de vários futebolistas, que pareciam alheados do jogo ou nem sequer estar em campo. Paulinho mal tocou na bola, chegou ao fim desta partida sem fazer um só remate. Pedro Gonçalves voltou a ser um corpo estranho na equipa: não está em forma, tanto do ponto de vista físico como psicológico, e não merece tanta insistência do treinador em integrá-lo no onze inicial. Gonçalo Inácio é comido no solitário golo portista, marcado aos 82' por Toni Martínez, que tinha entrado no minuto anterior. Também não gostei da lentidão do treinador em reagir ao mau desempenho colectivo à medida que se mantinha o empate a zero e o tempo se escoava. A primeira alteração que Rúben Amorim fez, num jogo em que precisávamos de marcar pelo menos dois golos, foi uma troca de defesas ao minuto 56: saiu Neto, entrou Esgaio. Incompreensível.

 

Não gostei nada da falta de golos: pelo segundo jogo consecutivo, ficamos em branco. Nem de ver novamente o técnico mandar Coates avançar para ponta-de-lança, em desespero final, por ausência de soluções alternativas: Tiago Tomás foi emprestado, Slimani parece ter sido excluído do plantel. Nem daquela falta injustificada de Porro, que o levou a ser expulso aos 89', quando a nossa equipa já aliava o desequilíbrio defensivo à inoperância atacante. Nem de termos cedido cerca de 60 metros de terreno ao adversário durante quase toda a segunda parte: até parecia que estávamos a defender o resultado. Mas aquele resultado só interessava ao FCP, não tínhamos nada para defender assim acantonados no nosso reduto lá atrás. 

Quente & frio

sporting.jpg

Edwards: boa exibição em Manchester 

 

Gostei muito da vibrante atmosfera nas bancadas do estádio do Manchester City, onde alguns milhares de adeptos leoninos nunca deixaram de puxar pela nossa equipa. Um exemplo do que deve ser uma verdadeira claque - neste caso alargada praticamente a todos os portugueses ali presentes. Que motivaram e galvanizaram a nossa equipa neste que foi o nosso melhor resultado de sempre na Liga dos Campeões. Empatámos lá, sem golos, frente a um dos emblemas milionários do futebol contemporâneo que actuou com um naipe de craques: Ederson, Stones, Laporte, Fernandinho, Sterling, Bernardo, Foden, Gundogan e Gabriel Jesus. Nada a ver com o desafio da primeira mão, em que fomos goleados pelo campeão inglês.

 

Gostei do nosso jogo colectivo, sempre compacto e bem organizado, com Rúben Amorim a distribuir bem cada jogador no terreno, encurtando distâncias e anulando linhas de passe aos adversários. Com dois capítulos diferentes: a primeira parte desenrolou-se quase apenas no nosso meio-campo defensivo enquanto na segunda fomos arriscando acções ofensivas, em contra-ataques que até podiam ter ditado a vitória leonina. No nosso lance mais perigoso, Paulinho falhou o golo, permitindo a defesa do "ressuscitado" Scott Carson, substituto de Ederson. Edwards, que substituiu Sarabia aos 58', foi um dos elementos em maior destaque: fez grande cruzamento a sobrevoar a área para Matheus Reis (73'), picou a bola no tal lance que Paulinho desperdiçou (76'), serviu Slimani (82') e lançou bem Nuno Santos (90'). Imprimiu velocidade ao jogo, desequilibrou, protagonizou aqueles três passes de rotura. Gonçalo, Coates, Ugarte e Porro foram obreiros incansáveis. Adán negou um golo a Sterling com uma defesa monumental (38'). Mas o meu destaque nesta partida vai para o veterano Luís Neto, numa das suas melhores exibições de verde e branco: cortes providenciais ao 8', 38', 54', 63', 64' e 69'. Nunca se atemorizou por ver Sterling como adversário directo. Exemplar.

 

Gostei pouco da primeira parte, em que resistimos às investidas do City mas fomos quase sempre incapazes de transpor a linha do meio-campo, com todos os jogadores atrás da bola. A fase inicial do plano estava cumprida: faltava a outra, que falhara por completo em Alvalade, quando não fizemos um remate à baliza dos ingleses. Desta vez isso não aconteceu. As primeiras investidas, muito tímidas, resultaram em quase-passes para Ederson aos 57' (por Tabata) e aos 60' (por Edwards). Mas a partir daí as oportunidades sucederam-se. Podíamos ter marcado por Matheus Reis (73'), Porro (74') e Esgaio (90'+1), além do tal lance de Paulinho, que envolveu também Porro e Edwards. O 5-4-1 apresentado em campo por Amorim desta vez funcionou, para satisfação de todos nós. Ficou comprovado que Slimani e Paulinho podem actuar juntos, ao contrário do que alguns diziam. E ainda vimos o treinador lançar em estreia absoluta na equipa principal - e logo num cenário destes - o jovem avançado Rodrigo Ribeiro, ainda júnior, que promete fazer furor já na próxima época leonina. Entrou aos 89', para render Slimani: jamais esquecerá.

 

Não gostei que tivéssemos sido eliminados da Liga dos Campeões. Mas foi o nosso melhor desempenho nesta prova, em que afastámos Besiktas e Borussia Dortmund, além do empate agora alcançado em Manchester. É assim, por etapas, que uma equipa cresce e ganha prestígio também nos palcos internacionais. Bónus adicional: o 0-0 de ontem valeu meio milhão de euros aos cofres leoninos e reforçou a pontuação das equipas portuguesas na UEFA pouco depois de o FC Porto ter sido derrotado em casa pelo Lyon, nono classificado da Liga francesa.

 

Não gostei nada do resultado da primeira mão, que logo nos impediu de disputar o acesso aos quartos-de-final: por mais que fizéssemos, seria impossível superar uma diferença tão desnivelada frente ao líder do campeonato inglês. Até porque voámos para Manchester sem elementos nucleares: Matheus Nunes (castigado), Palhinha, Daniel Bragança e Pedro Gonçalves (lesionados). Também não gostei nada de ver o City introduzir a bola na nossa baliza, aos 47': felizmente o golo foi invalidado, por fora-de-jogo milimétrico do marcador, Gabriel Jesus. E o empate a zero prevaleceu até ao fim, confirmando a pista que eu tinha aqui lançado ontem: fomos mesmo capazes de fazer um brilharete em Manchester.

Quente & frio

Gostei muito da reacção calorosa e vibrante da massa adepta leonina no final deste Sporting-Manchester City. Grande ambiente. Comunhão plena com jogadores e equipa técnica mesmo após termos sido goleados em casa frente àquele que é hoje talvez o mais temível adversário que pode ser encontrado num estádio de futebol no continente europeu. Este é o verdadeiro espírito: para onde vai um, vão todos. Nos momentos maus como nos momentos bons. Os adeptos sabem que, apesar dos tropeções e das quedas, os jogadores campeões nacionais comandados por Rúben Amorim mantêm enorme crédito. E continuam a merecer aplausos, já a pensar no desafio seguinte.

 

Gostei de ver o nosso estádio quase com lotação esgotada: 48.129 espectadores - uma das melhores casas de sempre em Alvalade. Nisto, pelo menos, foi uma grande noite europeia. Pena só ter sido nisto.

 

Gostei pouco que tivéssemos chegado aos oitavos-de-final da Liga dos Campeões para tombarmos logo na primeira mão desta eliminatória com um resultado tão negativo como foi o Sporting-Bayern de má memória, em Fevereiro de 2009, quando Paulo Bento comandava a nossa equipa. 

 

Não gostei que Rúben Amorim tivesse mantido inalterado o seu habitual sistema de jogo, planeando o embate com o City como se estivesse a enfrentar o Vizela ou o Tondela na noite de ontem. Nem da justificação que deu após a derrota, em conferência de imprensa: «Eu não quis tirar as rotinas aos jogadores.» Se há desafio que não podia ser encarado como rotineiro, à semelhança de mais um dia no escritório, era precisamente este, contra um dos maiores colossos do futebol europeu e mundial. Também não gostei do onze inicial, com Esgaio claramente deslocado como lateral esquerdo sem ser canhoto, perdendo quase todos os confrontos com Mahrez e cruzando lá na frente de forma defeituosa. Nem que o treinador tivesse feito apenas uma substituição (troca de Pote por Ugarte) antes do minuto 75, quando já perdia 0-5. Nem das exibições desastrosas de alguns jogadores, como Pedro Gonçalves, incapaz de travar João Cancelo ou Bernardo Silva, incapaz de fazer um passe bem medido. Toda a equipa derrapou perante o City - de Adán a Paulinho. O menos mau acabou por ser Porro, que ensaiou alguns lances ofensivos no seu corredor, ainda no primeiro tempo.

 

Não gostei nada que tivéssemos chegado ao intervalo com apenas três faltas cometidas e ao fim do jogo com nove: a estatística parece demonstrar que queríamos facilitar a vida ao adversário. Quando soou o apito final, não tínhamos um só remate enquadrado nem sequer conquistado um pontapé de canto. Na baliza do City, o ex-benfiquista Ederson foi mero espectador, sem nunca ter sido solicitado: neste capítulo, não cumprimos os mínimos. Na defesa, outro descalabro - pior ainda que na goleada em casa contra o Ajax, que se deveu em larga medida a erros individuais de Vinagre na ala esquerda. Desta vez o falhanço foi colectivo. Coates, Gonçalo Inácio e Matheus Reis, que compunham a linha de três centrais, estiveram irreconhecíveis. Adán tremeu em duas ocasiões. E Neto, que entrou aos 82' para render Porro, ia marcando um autogolo, evitado in extremis pelo guarda-redes três minutos depois. Se as "bombas" de Bernardo Silva aos 17' (golo 2) e de Sterling aos 58' (golo 5) eram absolutamente indefensáveis em qualquer estádio, Mahrez dispôs de imenso espaço para a meter lá dentro aos 7' (golo 1) enquanto Reis e Esgaio paravam de braço no ar alegando fora-de-jogo, o mesmo jogador centrou sem que Esgaio, Reis e Coates conseguissem interceptar a bola, empurrada por Foden em zona frontal aos 32' (golo 3) e Bernardo, novamente, viu Sterling chegar à linha de fundo e servi-lo sem que ambos tivessem sido importunados aos 44' (golo 4).

Quente & frio

Gostei muito de ver o Sporting qualificar-se ontem, em Leiria, para a final da Taça da Liga, a disputar no próximo sábado contra o Benfica - com menos 24 horas de descanso para o nosso lado. Somos favoritos à conquista do troféu: nas últimas quatro épocas levámos três destas taças para o museu leonino. A maior responsabilidade, portanto, é nossa. Queremos sagrar-nos novamente campeões de Inverno.

 

Gostei dos primeiros 20 minutos da actuação do Sporting nesta partida contra o Santa Clara, que vencemos 2-1. Pressão alta, velocidade, passes de ruptura, bom desempenho de Matheus Reis e Nuno Santos na ala esquerda. Infelizmente, neste melhor período não construímos qualquer lance de verdadeiro perigo. E foi até a equipa açoriana a marcar primeiro, aos 32', de livre directo, aproveitando a deficiente formação da nossa barreira. 

 

Gostei pouco que só tivéssemos chegado à vitória graças à "estrelinha" do nosso treinador, que ontem voltou a brilhar. Fixámos o resultado sem criar uma só oportunidade de golo. O primeiro, aos 40', entrou na baliza do Santa Clara devido a um caricato lapso do central Villanueva, que apareceu na área como se fosse ponta-de-lança leonino, metendo-a lá dentro na sequência de um cruzamento de Nuno Santos, sem nenhum jogador nosso a pressionar a bola. O segundo resultou de um penálti assinalado por António Nobre, após advertência do VAR, Nuno Almeida: lance que com outros árbitros talvez passasse em claro. Somado a isto, foi expulso Rui Costa, o jogador que fez a falta. Chamado a converter, Sarabia não falhou: a nossa passagem à final deve-se ao internacional espanhol, para mim o melhor em campo também pelos desequilíbrios que criou à frente em jogadas de bom recorte técnico. Além de ter sido ele a pressionar o adversário no lance de que resultou a grande penalidade.

 

Não gostei da falta de energia anímica dos nossos jogadores, que mesmo em superioridade numérica desde o minuto 65 (e houve oito minutos de tempo extra) quase se limitaram só a trocar a bola no meio-campo ofensivo, sem aproximação à baliza, proporcionando um espectáculo deplorável aos 7332 adeptos presentes no estádio leiriense. E fiquei perplexo por termos entrado em campo com dois médios defensivos, Palhinha e Ugarte. Nada digno de um plantel que é campeão nacional. Atitude de equipa pequena, resultadismo no seu pior.

 

Não gostei nada de um falhanço inacreditável de Paulinho em recarga à boca da baliza, a um metro da linha de golo e sem opositor pela frente: fez quase o impossível, atirando ao lado com o seu melhor pé. Parecia uma rábula humorística, para os "apanhados". Mas sem graça alguma. Desta vez fora do onze titular, o ex-avançado do Braga entrou aos 67' para substituir Pedro Gonçalves, que andou perdido no campo, sem nada ter feito digno de nota. Paulinho desperdiçou três oportunidades para o 3-1: aos 83' optou por um passe ao guarda-redes; aos 89' rematou sem eficácia, permitindo a defesa; no minuto seguinte, teve aquela perdida incrível. Não nos iludamos: temos um sério problema lá na frente. E a nossa consistência defensiva deixou de ser o que já foi, como comprova o golo sofrido de bola parada. Sem a tal "estrelinha" que costuma acompanhar o nosso técnico, não teríamos vingado ontem a derrota sofrida frente ao Santa Clara para o campeonato a 7 de Janeiro. Foi aí que a maré baixa começou.

Quente & frio

Gostei muito da goleada (0-4) do Sporting frente ao Leça, em Paços de Ferreira. Uma goleada que aqui exigi horas antes, enquanto adepto leonino, para ajudar a superar a derrota anterior, perante o Santa Clara. A equipa correspondeu ontem àquilo que eu esperava dela: quatro golos, dois em cada parte, domínio total do jogo. Era mesmo esta a nossa obrigação, atendendo ao facto de o adversário militar no quarto escalão do futebol luso, agora denominado Campeonato de Portugal. Para a vitória tão robusta contribuiu - tenho a certeza - o facto de Rúben Amorim ter voltado ao banco, já recuperado do coronavírus. Seguimos para as meias-finais da Taça de Portugal, único troféu que o actual treinador ainda não conquistou em Alvalade. Esta foi a nossa primeira vitória no ano civil agora iniciado. A primeira de muitas, todos esperamos.

 

Gostei da exibição de Tabata, de longe o melhor em campo. O brasileiro, ex-internacional olímpico, marcou dois grandes golos - o primeiro, aos 12', culminando uma excelente jogada individual, e o terceiro, aos 80', após cruzamento impecável de Esgaio - que já soma sete assistências de verde e branco. Quase marcou outro, aos 43', num belíssimo remate que proporcionou ao guardião do Leça a defesa da noite. E ainda fez uma assistência para o segundo, marcado por Matheus Nunes aos 31'. Merece, sem dúvida, mais oportunidades neste Sporting 2021/2022: estou certo que Amorim tomou boa nota do seu desempenho esta noite. Tal como terá gostado das actuações de Ugarte (magnífica, aquela recuperação de bola ultrapassando três adversários no início do segundo golo), Matheus Nunes (inegável qualidade na ligação entre o meio-campo e o ataque) e Nuno Santos (actuando desta vez como avançado e marcando o quarto golo aos 90'+2). Também merecem registo positivo Feddal e Gonçalo Inácio, ambos regressados. O primeiro de lesão prolongada, o segundo após ter testado positivo à covid-19.

 

Gostei pouco de algumas exibições. Tiago Tomás, desta vez titular, esteve 90' em campo sem fazer um só remate enquadrado: outra oportunidade desperdiçada para mostrar o que vale, parecendo ter regredido face à época anterior. Vinagre, regressado ao onze inicial após longa ausência, continua a parecer carta fora do baralho: é uma espécie de corpo estranho nesta equipa. Ala esquerdo, actuou sem rasgo, sempre muito colado à linha, e desperdiçou vários cruzamentos - excepto o último, que funcionou como assistência para o golo de Nuno Santos, embora ainda tenha sofrido desvio num defesa do Leça. Também a exibição de João Virgínia - desta vez no lugar de Adán - deixou a desejar: não sofreu golos, mas teve duas saídas em falso e entregou uma bola em zona proibida por deficiente jogo de pés.

 

Não gostei da hora do jogo. Em noite fria de semana, com início às 20.45. Mesmo assim as bancadas estiveram animadas, com cerca de cinco mil espectadores, boa parte dos quais adeptos leoninos. Também não gostei da súbita lesão de Porro, quando já aquecia para entrar: Esgaio acabou por ser titular na ala direita, ao contrário do que fora anunciado uma hora antes do início da partida. Amorim aproveitou para descansar sete jogadores: Adán, Coates, Matheus Reis, Palhinha, Pedro Gonçalves, Sarabia e Paulinho (tendo este entrado aos 83', substituindo um Matheus Nunes já muito fatigado).

 

Não gostei nada que até esta fase da Taça de Portugal, segunda mais importante competição do futebol nacional, a vídeo-arbitragem estivesse ausente. Algo totalmente incompreensível, quando todos dizem pugnar pela verdade desportiva e é inquestionável que este instrumento se tornou decisivo para trazer transparência e equidade às decisões assumidas pelos árbitros de campo. Felizmente o desafio de ontem já contou com o VAR. Espero que na próxima edição da Taça os novos meios tecnológicos apareçam mais cedo nesta competição. 

Quente & frio

Gostei muito de confirmar que o Sporting chega ao Natal mantendo-se em todas as frentes desportivas, algo que não aconteceu no ano passado. Seguimos no topo do campeonato, permanecemos na Liga dos Campeões, transitámos para as meias-finais da Taça da Liga e esta noite chegámos aos quartos--de-final da Taça de Portugal derrotando o Casa Pia por 2-1 no estádio Pina Manique. Com boa réplica da equipa visitada, que ocupa o quarto lugar na Liga 2. Além disso continuamos invictos nas competições nacionais desta temporada: nem uma derrota sofrida.

 

Gostei de três desempenhos em particular. Coates, um dos centrais mais goleadores da história do Sporting, voltou a ser decisivo ao desbloquear o 1-0 que se mantinha desde os 8'. Desta vez o nosso capitão não marcou de cabeça, na sequência de um canto: o seu golo, aos 33', foi com o pé direito. Sarabia marcou hoje pela quarta vez nos últimos cinco jogos - um golão que fez a bola embater com estrondo na barra, ultrapassar por centímetros a linha de baliza e voltar a subir à trave, tal foi a potência do remate: estavam decorridos 58', selava-se o resultado do encontro. Destaco ainda o desempenho de Daniel Bragança, para mim o melhor em campo: respira classe tanto na recepção como no passe no corredor central, desta vez com mais liberdade para avançar no terreno. Serviu sempre bem os colegas e tentou ele próprio o golo em dois disparos bem colocados, aos 23' e aos 42'.

 

Gostei pouco da lentidão da nossa equipa na primeira parte, com vários jogadores presos de movimentos. Nazinho, como ala esquerdo titular, não resultou. Pedro Gonçalves andava meio perdido. Sarabia mal se viu neste período inicial. Após o intervalo, Rúben Amorim trocou Nazinho por Paulinho: rima e bateu certo. O n.º 21 fez a diferença assim que entrou, arrastando marcações e abrindo diagonais em movimentações constantes. Não tardou muito para que o empate a uma bola registado ao intervalo se desfizesse: foi, de longe, o melhor período do Sporting. Durou até ao minuto 71, quando Tabata viu o cartão vermelho. Depois, imperou a preocupação de segurar a vantagem tangencial e até de recorrer a expedientes típicos do futebol português para queimar tempo à espera que soasse o apito final. Terá sido eficaz, mas não foi bonito.

 

Não gostei de verificar que o Sporting continua a marcar poucos golos. Estivemos a perder durante um quarto de hora, a partir dos 8', empatámos e após o intervalo carimbámos a vitória contra o Casa Pia. Sem ambição de ampliar a vantagem. É verdade que tivemos um a menos nos 20 minutos finais, mas defrontávamos uma equipa do segundo escalão do futebol português. Também não gostei que se cumprisse o sétimo jogo seguido sem Pedro Gonçalves a marcar. É certo que mandou uma bola ao poste, aos 53', e foi ele a pontapear o canto de que resultou o primeiro golo, mas habituou-nos a ser mais acutilante e concretizador do que mostrou nesta difícil vitória frente ao Casa Pia.

 

Não gostei nada da actuação de Rui Costa, um dos piores árbitros ainda em actividade quando já podia e devia ter arrumado as botas. Perdoou dois penáltis à turma da casa, esteve prestes a anular o golaço limpo de Sarabia (valeu-nos a intervenção da vídeo-arbitragem, já existente nesta fase da Taça de Portugal) e tomou uma decisão desproporcionada ao expulsar Tabata num lance em que apenas se impunha o amarelo. De qualquer modo, o brasileiro deve rectificar o comportamento em campo: esta é a segunda vez em que é expulso num intervalo curto. Só é útil para a equipa quando está em jogo, não quando recebe ordem de expulsão.

Quente & frio

Gostei muito que o Sporting confirmasse esta noite, em Penafiel, o acesso à final-a-quatro da Taça da Liga, que confere o título de campeão de Inverno no futebol português. Nas duas últimas épocas, este troféu foi nosso: queremos revalidá-lo, estamos no bom caminho. Continuamos invictos, nesta temporada 2021/2022, nas várias competições nacionais.

 

Gostei que Tiago Tomás tivesse regressado aos golos: foi dele o único desta partida, marcado aos 16'. Esteve quase a marcar um segundo aos 60', num remate em arco muito bem colocado que o guarda-redes adversário impediu. O nosso jovem avançado entregou-se ao jogo, revelou óptima condição física: elejo-o como melhor em campo. Nota muito positiva também para Gonçalo Esteves neste seu terceiro jogo de verde e branco em apenas nove dias: actuou como titular na ala direita aproveitando as ausências de Porro (por lesão) e Esgaio (infectado com covid-19), ganhando sucessivos duelos individuais tanto à frente como atrás. Destaque ainda para Ugarte, que recuperou sucessivas bolas, impondo-se no corredor central. 

 

Gostei pouco da falta de intensidade de alguns jogadores leoninos, em notório sub-rendimento, sobretudo na segunda parte. Admito que estivessem a poupar-se para o próximo desafio do campeonato, a decorrer este sábado em Barcelos. Mas os cerca de dois mil adeptos que compareceram nas bancadas do estádio 25 de Abril, incentivando sempre a nossa equipa, mereciam maior entrega ao jogo, menos lentidão na condução da bola e um espectáculo de maior qualidade no bom relvado de Penafiel.

 

Não gostei do resultado: este 0-1 é poucochinho. Além do golo, fruto de um bom trabalho de Tabata que Tiago Tomás soube aproveitar, tivemos só duas outras oportunidades flagrantes. A primeira aos 8', quando Coates cabeceou ao poste: esteve a centímetros de marcar o seu quinto desta época. A segunda no já mencionado lance que Tiago protagonizou. Soube a pouco.

 

Não gostei nada da actuação do árbitro Cláudio Pereira, recém-promovido à primeira categoria - sem revelar qualidade para o efeito. Começou por amarelar Tabata aos 20', por "simulação" inexistente: o brasileiro é derrubado dentro da área. Depois amarelou Neto, aos 35', num lance em que o central leonino só toca na bola. Aos 74', expulsa Tabata por acumulação de amarelos, forçando o Sporting a jogar com menos um nos 20 minutos finais, numa partida sem vídeo-arbitragem - como é possível isto existir no futebol português quase em 2022? Destes três cartões, apenas o último se justificava - mas nunca para excluir o jogador da partida. Assim, defrontaremos o Gil Vicente com oito baixas. Além de Vinagre e Jovane, lesionados de longa duração, iremos sem Palhinha, Porro, Esgaio, Feddal e provavelmente também sem Paulinho, ainda a recuperar do coronavírus. E de certeza sem Tabata, cumprindo castigo injusto por culpa deste apitador incompetente. Apesar disso - ou por causa disso - não me admirava que lhe impusessem a curto prazo as insígnias FIFA. Há razões que a razão desportiva desconhece.

Quente & frio

Gostei muito que o Sporting transitasse para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões, o que aliás já era garantido antes do desafio desta noite contra o Ajax. O que nos situa entre as 16 melhores equipas do futebol europeu nesta temporada 2021/2022, ao contrário do que sucedeu com o FC Porto, eliminado em casa pelo Atlético de Madrid.

 

Gostei que tivéssemos marcado dois golos: o primeiro aos 22' por Nuno Santos, o segundo aos 78' por Tabata. Este, que selou o resultado em 4-2, resultou de um vistoso disparo do pé canhoto do brasileiro, que elejo como melhor Leão em campo: já tinha sido dele a assistência para o nosso golo inaugural. Por ironia, mesmo derrotado, o Sporting consegue ser a única equipa a bisar até agora contra o Ajax numa época imparável para o campeão da Holanda, que em 15 jogos do campeonato ainda só sofreu dois golos. Gostei também que nos tivéssemos apresentado em campo com a nossa mais jovem equipa de sempre na principal prova organizada pela UEFA a nível de clubes. Quatro estreantes na Liga dos Campeões: João Virgínia (22 anos), Ugarte (20 anos), Gonçalo Esteves (17 anos) e Dário (16 anos). Nenhum deles esquecerá o dia de ontem. Para os jogadores, é importante ganhar experiência. Para o clube, é fundamental apostar no futuro.

 

Gostei pouco de ver tantas alterações à equipa titular promovidas pelo nosso treinador. Entrámos em campo com apenas dois dos habituais onze: Gonçalo Inácio e Matheus Reis. João Virgínia, Neto, Gonçalo Esteves, Esgaio, Bragança, Ugarte, Tabata, Nuno Santos e Tiago Tomás têm sido suplentes em grande parte dos jogos. Algumas poupanças foram forçadas, por lesão (Feddal, Palhinha) ou covid-19 (Coates). Outras para prevenir acumulação de amarelos (Matheus Nunes e Porro), o que também se justifica. Menos compreensíveis as ausências iniciais de Adán, Paulinho, Pedro Gonçalves e Sarabia - aliás os três últimos acabaram por saltar do banco entre os minutos 60 e 73, quando a pressão do Ajax ameaçava tolher por completo a nossa equipa. As mudanças produziram efeito: marcámos o segundo golo e podíamos até ter marcado um terceiro, por Bragança, a passe de Tabata (76').

 

Não gostei dos excessivos erros individuais contra o Ajax. Aos 8', Daniel Bragança falha a intercepção na grande área e comete penálti infantil sobre Haller, logo convertido no primeiro golo contra nós. Aos 42', Gonçalo Inácio entrega literalmente a bola a Antony em zona proibidíssima, quando a partida estava empatada 1-1, ditando assim o destino do Sporting em Amesterdão. Aos 58', Nuno Santos culmina uma noite de desacerto (apesar do golo que marcou) perdendo a bola no meio-campo defensivo, o que abriu uma avenida para o terceiro da turma holandesa, marcado por Neres. Tiago Tomás mostrou-se perdulário, desligado do conjunto e com fraquíssima pontaria. Tudo isto tem um preço elevado quando se disputa um desafio da Champions. Enfim, terminou um notável ciclo de 12 vitórias consecutivas da nossa equipa em diversas competições.

 

Não gostei nada das bancadas vazias e do deprimente silêncio no estádio Johan Cruyff que até parecem ter contagiado quem narrava e comentava o jogo na TVI. Picou-se o ponto mas a festa esteve ausente, confirmando que o pesadelo da Covid-19 continua a marcar o quotidiano europeu em geral e o futebol em particular. Andamos há quase dois anos nisto.

Quente & frio

Gostei muito de quase tudo. Antes de mais nada, da histórica vitória contra o Borussia Dortmund, actual segundo classificado do campeonato alemão: vencemos por 3-1, com golos nossos apontados por Pedro Gonçalves (30' e 39') e Porro (81'). E do apuramento directo para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões quando ainda falta disputar uma jornada - algo que não nos sucedia desde a temporada 2008/2009 - já com três triunfos e 12 golos marcados em cinco desafios. E da nossa décima vitória consecutiva, em várias competições. E de termos cumprido o 32.º jogo seguido sempre a marcar em casa. 

 

Gostei do desempenho de Pedro Gonçalves, que volta a bisar, algo que lhe sucede pela quarta vez nesta época: homem do jogo, foi ele o grande obreiro deste triunfo no plano individual, somando já quatro remates certeiros em três desafios da Liga dos Campeões. Gostei, uma vez mais, da exibição superlativa de Coates, autor do excepcional passe de 50 metros que funcionou como assistência para o primeiro golo, obra-prima da eficácia, construída com apenas dois toques na bola. Mas gostei sobretudo de ver a equipa consistente, compacta e muito bem organizada, sobretudo no plano defensivo. Sem esquecer o encaixe financeiro que este triunfo nos proporcionou: mais 12,4 milhões de euros entram de imediato nos cofres leoninos - 2,8 milhões pela vitória, 9,6 milhões pelo apuramento. Rúben Amorim está mais que pago: não restam dúvidas nem ao mais feroz militante antivarandista. 

 

Gostei pouco de ver a equipa desconcentrada, pela primeira vez, no longo tempo extra (sete minutos) concedido pelo árbitro quando vencíamos por 3-0 nos 90' regulamentares. E da aposta arriscada em excesso de Amorim, que estreou o ala esquerdo Flávio Nazinho aos 88'. É outro talento da formação lançado na equipa principal: merece aplauso. Mas talvez devesse ter ocorrido noutro palco. A verdade é que foi neste período que o Borussia marcou o golo de consolação, quando já estava reduzido a dez por justa expulsão de Emre Cam.

 

Não gostei da equipa alemã, que actuou sem ponta-de-lança e exibiu uma defesa precária e alas pouco acutilantes. A verdade é que o Borussia apresentou em Alvalade um onze muito desfalcado, com várias baixas: Haaland, Hummels, Thorgan Hazard e Raphael Guerreiro - em benefício da "estrelinha" deste Sporting treinado por Rúben Amorim. Mas alegados craques, como Reinier e Witsel, passaram ao lado do jogo.

 

Não gostei nada das "coreografias" com tochas e petardos que algumas claques insistem em exibir na topo sul do estádio, o que levará o Sporting - uma vez mais - a ser alvo de duras sanções pecuniárias da UEFA, que nestas coisas não perdoa. Nem do tapete verde, que continua a provocar perigosas escorregadelas mesmo após a intervenção de emergência ali ocorrida desde a recepção ao Varzim. Eram também escusados aqueles "olés" finais, muito mais apropriados para praças de toiros do que para estádios de futebol: acabaram por desconcentrar os jogadores num período crucial da partida e revelar uma arrogância mais própria de outros emblemas.

{ Blogue fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D