Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Matriz - parte I

Manda a regra que chegados a um qualquer espaço, nos apresentemos. Adiarei no tempo essa obrigação por confessa dificuldade actual em alinhavar ideias e traduzi-las em palavras. Impõe-se honrar a generosidade do convite, dar-lhe corpo sem demoras, por isso, enquanto organizo ideias, pensei deixar-vos um texto escrito a pedido, originalmente publicado na íntegra em LadosAB, o blogue de José da Xã. Não revela quem sou (identidade civil), mas parte substantiva dos alicerces do meu Sportinguismo, está ali espelhada. Poderá não parecer claro no início, mas é do Sporting, do meu Sporting, que o texto trata.

Dada a extensão do texto original, optei por segmentá-lo na expectativa de que facilite a leitura. Nos próximos dias, às 19:06, estarei por aqui. Deste outro lado. 

Ao caríssimo, que muito admiro, Pedro Correia, o meu agradecimento sincero e comovido.
Ao gentil José da Xã, renovado agradecimento pelo incentivo.
A todos quantos estão por aí, e com quem tenho tanto gosto em interagir, deixo o convite à partilha alargada.

Concordaremos, creio, que precisamos de PAz. Nas caixas de comentários destas publicações, acolherei contraditório. Proponho, contudo, exigência na hora de diferenciá-lo de enxovalho. 

Até já, Saudações Leoninas e... Sporting Sempre. 

 

Haverá dois anos? Três? Descobri-lhe o cartão de cidadão no meio de um relvado. Reconheci-lhe o rosto, registei - mentalmente - o seu nome e pedi aos colegas que o guardassem até que pudessem devolvê-lo ao titular.

Não mais me esqueci do seu nome. Não mais com ele falei, após confirmar que recebera o que lhe pertence, excepto, nos costumeiros cumprimentos de circunstância, enquanto deposito o lixo ou passeio o Dodi. Sei que, normalmente, aparece pelo Carnaval, Páscoa e Verão. Foi num Verão que o conheci.

João Carlos. Ou Johnny. Ou JC.

Fui eu quem o convocou, pelo nome, para uma reunião de improviso entre moradores do prédio e patrulha da PSP, ali mesmo, na rua em que o encontro em modo (eficaz) sinaleiro de lugares disponíveis para estacionamento. Era preciso encontrar uma solução, idealmente pacífica, para o cão sem trela de um dos seus colegas. Reagiu com muita surpresa e indisfarçável medo. Tratei-o pelo nome, sei, afinal de contas, o seu nome. É fácil detectar-lhe "medo’'. Aproxima-se cabisbaixo e de mãos atrás das costas. Participa activamente na troca de impressões, mas de olhos predominantemente no chão. Revelou proactividade e, falo por todos, deu-se por concluída a mini assembleia de ocasião, com a certeza de que o problema seria resolvido sem transtorno de maior e, claro, com a pronta e activa colaboração do João Carlos.

Vestia (ainda) a alternativa 2018/2019. Tenho sempre dificuldade em desligar-me de elementos visíveis de Sportinguismo, depois de ir a Alvalade. Algumas horas antes aplaudira aquele que, desconfio, foi (terá sido?) o último golo do capitão Fernandes, Bruno Fernandes, em Alvalade. Estreei-me em grande na A9.

Mentiria se dissesse que lhe vi alguma reacção que denunciasse que partilhamos amor clubístico. Mentiria se dissesse que sequer supunha que estava mesmo ali ao lado, quem mais revisse mentalmente golos de Bruno Fernandes, com a tristeza própria de quem antecipa que tão cedo não o verá repetir – uma e outra vez – tão maravilhosos movimentos, de verde e branca do Leão Rampante.

Ao final da tarde? Foi ele que me chamou. Senhora. A medo. E o medo, não me pareceu ser (só) do Dodi, ou, se preferirmos, dos 38kgs de puro charme canino e caninos, todos eles prontos a atestar (instinto de) protecção, defesa e contra-ataque. Mãos atrás das costas, outra vez, o branco dos olhos mais vermelho do que lho vira de manhã. Desculpou-se, a medo, pelo interpelo e explicou que de manhã não fora capaz de me dizer uma coisa que queria muito partilhar.

Ali? Na presença da polícia? É melhor nãoA sua camisola é tão bonita! É a mais bonita..! Já tive uma do Figo. E já apertei a mão ao Oceano.

Isto tudo, enquanto refugia, uma vez mais, os olhos no chão. A intensidade da luz dispensava ainda o uso dos óculos escuros com que, agora, se protege quase todos os dias.

Depois deste dia, a larga maioria dos passeios do Dodi e das idas à ilha ecológica, deixaram de se pautar por meros cumprimentos de circunstância. São agora acompanhados pela partilha de pontos de vista, alegrias e carpires de mágoas verde e brancos. Tem umas quantas, o João Carlos. Ou Johnny. Prefere Johnny. Reage com fúria se me ouve tratá-lo por senhor. Eu, não sou senhor [danado, que intriga]. Sou o Johnny. Luso-americano. And, yes, his accent quite proves it. Sentiu a sagração do campeão da época passada, com redobrado pesar, porque frente ao Santa Clara que o faz luso. É que eu, não vi só as galinhas sagrarem-se campeãs, foi logo frente ao Santa Clara… Sempre ouvi dizer que um azar não vem só, JC, toda a razão.

Diz-me, desde que se conhece a data do jogo para a Taça Cândido de Oliveira, que dia 4 de Agosto, vamos depenar a galinha, e comer arroz de cabidela! Ahahaha

Ri-se, e rimo-nos.

Conta-me como o patrão lhe refreava os ânimos, sempre que tentava interpelar os jogadores. Estás aqui para trabalhar, rapaz, não podes ir com essa fome toda aos homens. Jogava-se ainda no antigo José Alvalade, o único que conhece, e o JC participava na construção das piscinas. Mas eles estavam mesmo ali...

[continua]

Hoje giro eu - O Sporting é a minha prioridade

Glosando esse título tão em destaque na blogosfera, não creio em delito de opinião. O brilhante jpt - a propósito, quem escreve prosas com esta qualidade, tem de assinar com letras maiúsculas -, na sua imensa erudição e com toda a urbanidade, tricota aqui em baixo um belo texto, dando conta da "camisa de sete varas" onde Bruno de Carvalho, aparentemente, insiste em se meter.

 

Embora não me custe a acreditar que a informação em que ancora a sua opinião tenha um fundo de verdade, o facto é que ela se baseia na leitura dos jornais, pelo que o grau de fidedignidade que lhe queiramos dar tem mais a vêr com um pré-conceito, um preconceito, vá lá, que se vai fazendo atendendo ao que tem sido o comportamento-padrão do actual presidente.

 

Insisto, no entanto, num ponto: eu que votei Bruno, não sou brunista. Eu sou é do Sporting. Não sei se Bruno insiste numa deriva, num desvario ou caminho persecutório sobre quem se lhe opõe, o que tenho como certo é que temos jogo no Sábado. E temos de vencê-lo! Por isso, e que me desculpe quem possa ter outra (legítima) opinião, entendo que o nosso foco deve estar aí. Todas as outras situações terão local próprio para serem dirimidas, idealmente no final da época e por quem entender (com igualmente toda a legitimidade) suscitá-las. 

 

Bastas vezes, em função da paixão que nutro pelo nosso leão rampante, aqui tenho expressado que não quero mostrar ao mundo que tenho razão. Obviamente, tenho uma opinião formada sobre o "status-quo" instalado em Alvalade e sinto-me desiludido com a forma desbragada como se tem processado a nossa comunicação e a gestão dos recursos humanos. Mas, querendo sempre que o Sporting ganhe, não quero que isso seja contra Bruno, muito menos aceito uma derrota só porque existe Bruno. Uma vitória do Sporting, é uma vitória de todos os sportinguistas. Ponto! 

 

Joga-se muito de uma época no Sábado. A vitória na Taça da Liga e um hipotético triunfo na final do Jamor serão interessantes panaceias, mas é difícil não pensar que o mal estará instalado caso não consigamos assegurar um lugar na terceira pré-eliminatória da Champions. Desde logo, pelo "upgrade" dos valores que, já na próxima temporada, premiarão a presença em tão prestigiosa competição, os quais ditarão o enfraquecimento do ausente face aos outros dois competidores. Enfraquecimento económico que, para ser resolvido, resultará na venda de jogadores e, concomitantemente, em perda de competitividade. É, por isso, de primordial importância, presidente, treinador, jogadores, sócios, adeptos e simpatizantes estarem com o clube. Com o clube, leram bem. E, neste momento, isso para mim representa não dar trunfos aos nossos adversários. Por isso, os jogadores terão muito mais força em campo se interiorizarem que vão jogar pelo Sporting, por um lugar de destaque na sua história e pela sua massa associativa. Isso é que serão os valores correctos. A minha experiência de vida diz-me que a estratégia de unidos contra alguém (que neste caso seria Bruno) tem apenas efeitos a curto-prazo (por exemplo, em ano de divulgação dos emails isso pareceu não ser causa suficiente para unir decisivamente o plantel no sentido da vitória). O ser humano precisa de desafios, mas ganha maior adesão com os seus valores um comprometimento a favor de uma causa ou, neste caso, de uma bandeira, de um símbolo, algo que congregue. É o nosso Sporting, a nossa razão, a nossa emoção, essa causa. Assim, termino, desejando que o mar de Portimão possa assistir à formação de uma gigantesca onda verde que mais tarde possa rebentar, serenamente, no areal de uma Champions League perto de nós. Isso sim, seria a "minha praia". Abraço a todos e vivó SPORTING!  

 

sportingsempre.jpg

 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D