Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Vergonha em Portimão

Todos viram a vergonha que se passou em Portimão. Insultos, dois treinadores pegados, os jogadores a abandonarem o campo e a correr para o túnel para defenderem o seu "chefe de fila" e uma "barata tonta" de um árbitro a pedir aos jogadores para regressarem ao campo. Tudo isto foi visto por aqueles que acompanhavam o jogo pela Sport TV.

Há uma personagem (delegado da Liga) nos jogos da Liga que tem como responsabilidade:

  • - Facilitar as relações entre os diversos agentes que interagem na organização do jogo: diretor de campo, diretor de segurança, comandante das forças de segurança, equipas, equipa de arbitragem, brigada antidopagem, comunicação social, entre outros;
  • Garantir as condições legais e exigidas por regulamento para a realização do jogo;
  • - Dirigir a reunião preparatória de jogo;
  • - Reportar à Liga toda a informação prevista e relevante, juntamente com a demais documentação do jogo.

Esperemos então com muita atenção o que o sr Delegado da Liga "irá reportar à Liga aquilo que toda a gente viu, e que foi... uma VERGONHA.

Os melhores prognósticos

Vamos lá então ao balanço dos prognósticos aqui feitos há uma semana para o Sporting-Portimonense. Como vem sendo hábito, não faltaram vários palpites que acertaram em cheio no resultado deste jogo, encerrado com a vitória leonina por 2-0. Golos de Feddal (em estreia a marcar de verde e branco) e Nuno Santos.

Quem venceu cá no blogue? Eis o quadro de honra, por ordem de alfabética: AHR, CAL, Carlos CorreiaCarlos DuarteDavid CraveiroEdmundo GonçalvesFernandoFernando AlbuquerqueFernando LuísJosé VieiraLeoa 6000Luís LisboaManuel ParreiraTiago Oliveira.

Quinze no total. Mas só dois prognósticos contaram realmente para o triunfo nesta ronda: os da minha colega CAL e do leitor Carlos Correia. Porque mencionaram Nuno Santos como marcador de um dos golos. Foi quanto bastou para subirem ambos ao pódio. E merecerem os meus parabéns.

O dia seguinte

Quando o Sporting, por alturas dos 30 minutos, conseguiu justamente traduzir em dois bons golos a superioridade evidenciada, logo pensei que o jogo tinha terminado, mais valia o árbitro apitar logo para o final da partida que a chuva molhava e a vitória do Sporting estava garantida.

Não foi logo assim. O Portimonense ainda estrebuchou um pouco, mas a segunda parte foi um passeio, deu para aperfeiçoar o que se treina, tentar o remate à baliza e rodar o plantel, sem nunca entrar em situações que podiam pôr de fora do Dragão aqueles que estão "à bica" na questão dos amarelos.

Com tanta chuva, relvado cada vez pior, equipa mais jovem e mais leve que o adversário, como pôde o Sporting passear tão tranquilamente a sua vantagem? Só pode ser mesmo com um grande lider no banco, muito talento no plantel e muito trabalho em Alcochete. Palhinha esteve mais uma vez em grande, William e Danilo correm mesmo o risco de aquecerem o banco da selecção A, Feddal e Nuno Santos também, mas mais importante que um ou outro esteve mais uma vez o colectivo. A orquestra cada vez está mais afinada e torna fácil o que à partida é difícil.

E foram mais três pontos ganhos, vamos entrar no Dragão com pelo menos 10 pontos de vantagem. Se ganharmos podemos mesmo sentenciar ali a temporada, se perdermos ficamos ainda com vantagem confortável na corrida para a Champions.

De qualquer forma agora é fácil elogiar Amorim e o plantel. No final da época passada, terminada no 4.º lugar, ou depois da derrota contra o Lask era bem mais difícil. Para algumas personalidades, e à luz do que disseram na altura, só mesmo o alcatrão e penas dos livros do Lucky Luke.

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Da conquista de mais três pontos, novamente em Alvalade. Desta vez derrotámos o Portimonense por 2-0, repetindo o resultado obtido em Portimão na primeira volta. A vantagem foi fixada antes do intervalo, como se fosse a coisa mais natural do mundo, com golos marcados em quatro minutos: primeiro por Feddal (27'), após conversão dum livre por Pedro Gonçalves e assistência de cabeça por Coates, depois por Nuno Santos (31'), aproveitando da melhor maneira um erro defensivo adversário.

 

De Palhinha. Elemento fundamental do onze titular leonino, não apenas na manobra defensiva (desta vez com cinco recuperações de bola no corredor central), onde é o rei dos desarmes, mas também nas acções ofensivas, com inegável qualidade de passe e acutilante visão de jogo. Apresenta-se em excelente forma física, com pulmão inesgotável. O melhor em campo.

 

De Nuno Santos. Uma das melhores exibições do ala leonino, muito dinâmico no corredor esquerdo, onde pôs em sentido a equipa rival. Bom remate rasteiro logo aos 6' dirigido à baliza, suscitando boa defesa do guarda-redes. Fez uma quase-assistência para golo, aos 48', servindo Nuno Mendes, que desperdiçou com um remate disparatado. E marcou ele próprio o segundo, com um disparo bem colocado, de meia-distância, após duas simulações com bola no corredor central. Fatigado, deu lugar a Tabata aos 71'.

 

De Feddal. O central marroquino atravessa a melhor fase desde que joga de verde e branco. Outra grande exibição, coroada com o seu primeiro golo ao serviço do Sporting. Um golo à ponta-de-lança clássico, compensando a ausência de Paulinho. E ainda serviu de bandeja Tiago Tomás, com um remate cruzado que podia ter sido assistência, aos 22'. Só não foi golo por centímetros.

 

De Adán. Voltou a ser fundamental, desta vez ao abortar a única real oportunidade que o Portimonense teve para depositar a bola nas nossas redes. Aconteceu aos 66', quando saiu muito bem aos pés de Salmani, concentrado e rápido de reflexos. É um dos baluartes deste Sporting 2020/2021.

 

Do árbitro. Rui Costa teve o defeito - infelizmente generalizado nos estádios portugueses - de apitar em excesso. Mas adoptou critérios uniformes, sem inclinar o campo, e poupou os nossos jogadores aos cartões: este foi um dos raros jogos em que nenhum saiu amarelado. Incluindo Coates, Nuno Santos e Matheus Nunes, já com quatro cada. Assim qualquer deles poderá defrontar o FC Porto na próxima jornada.

 

Da atitude inteligente da equipa. Procurámos adiantar-nos no marcador tão cedo quanto possível. Alcançado o 2-0 antes do intervalo, soubemos gerir a vantagem durante todo o segundo tempo, defendendo em bloco compacto e garantindo com inegável competência a posse de bola, sem riscos desnecessários, até porque a chuva ia caindo com intensidade e o relvado de Alvalade foi-se tornando impraticável para a prática de um futebol artístico.

 

Das alternativas que vamos encontrando. Com o ponta-de-lança titular lesionado, soubemos apontar mais dois golos - um deles marcado por um defesa e novamente na sequência de uma bola parada. Mais uma prova da existência de várias soluções no plantel. E reforça-se a tendência: até agora, neste campeonato, o Sporting nunca ficou em branco. Temos marcado em todos os jogos.

 

De ver o Sporting ainda invicto. Vinte jogos, 17 vitórias, oito triunfos consecutivos em duas competições (Liga e Taça da Liga), nenhuma derrota até ao momento no campeonato. E reforçamos o nosso estatuto de equipa com menos golos sofridos: apenas dez, o que perfaz a excelente média de meio golo por desafio. Zero derrotas, 54 pontos amealhados: basta-nos um para atingirmos um "lugar europeu" nesta Liga 2020/2021.

 

Da contínua aposta na formação leonina. Rúben Amorim destacou Nuno Mendes (18 anos), Tiago Tomás (18 anos) e Gonçalo Inácio (19 anos) para o onze inicial. Que tinha mais dois jogadores formados em Alcochete (Palhinha e João Mário). E que incluía dois outros portugueses (Pedro Gonçalves e Nuno Santos). Depois entraram mais três, dois deles oriundos da nossa Academia (Joavane, Daniel Bragança e Matheus Nunes). Um contraste cada vez mais gritante com Benfica e FC Porto.

 

Da esperança que se vai consolidando. Reforçamos o nosso estatuto de equipa favorita a vencer o campeonato, que lideramos há 14 jornadas. Faltam-nos 11 vitórias em campo para conquistar o título. O próximo desafio será no Dragão, contra um rival directo.

 

 

Não gostei
 

 

Da ausência de Paulinho. Lesionado num treino antes do jogo, o ponta-de-lança recentemente contratado ao Braga não pôde alinhar contra o Portimonense. Também deverá ficar de fora no clássico da próxima jornada. Não será tão cedo, portanto, que o veremos marcar de verde e branco.

 

Da tendência crescente para o futebol "aquático". Começa a tornar-se banal que joguemos sob o signo do dilúvio nesta temporada. Voltou a acontecer neste desafio em Alvalade, com chuva forte do princípio ao fim. Todos sabemos que o futebol é um desporto de Inverno, mas já apetece ver uma partida da nossa equipa sem o terreno tão enlameado.

 

De Paulo Sérgio. No final do jogo, o treinador do Portimonense atribuiu a vitória leonina a meros erros defensivos da sua equipa e declarou que não tivemos qualquer oportunidade antes da marcação do nosso primeiro golo, esquecendo que Nuno Santos esteve quase a inaugurar o marcador, aos 6', e Tiago Tomás falhou por escassos centímetros o pontapé goleador à boca da baliza, aos 22'. Confirma-se: este é um técnico sem sucesso em Alvalade. Até a falar.

Prognósticos antes do jogo

Bem sei que o jogo é só depois de amanhã, mas lanço já a habitual ronda de prognósticos. Pedindo os vossos palpites para o Sporting-Portimonense que tem início este sábado, às 20.30, num estádio ainda sem público.

Recordo que na época passada a partida equivalente a esta ocorreu há pouco mais de um ano, a 9 de Fevereiro, e terminou com magra vitória leonina por 2-1, com Silas ao comando da equipa. Quando ainda tínhamos Mathieu, autor do nosso primeiro golo, na excelente conversão de um livre.

Recordo também que estavam decorridos apenas cinco minutos quando, no local do costume, começaram a ouvir-se gritos contra o presidente do Sporting, misturados com insultos e apelos histéricos à demissão dos órgãos sociais. Numa atmosfera de guerrilha permanente, oriunda da curva sul, quando a equipa mais precisava do apoio dos adeptos. A jumentude "leonina" fazia questão de dar incentivo e moral aos nossos adversários.

Curiosidade da 20.ª jornada: um Portimonense que se repete

Na época passada, na 20.ª jornada, o SPORTING recebeu o Portimonense em 9 de fevereiro. Ainda não sabiamos a tragédia sanitária que nos esperava e que perdura. Mas nem tudo é mau, futebolisticamente falando, dado que nessa altura o Sporting estava em 5.º lugar e hoje é primeiro com distanciamento suficiente para não ser contagiado na liderança. A história repete-se sábado, dia 20, quando os algarvios visitam Alvalade.  

Nesse distante 9 de fevereiro a vitória sorriu aos leões por 2-1, depois de uma reviravolta no resultado. Jackson Martinez foi o marcador do primeiro golo, aos 26´, tendo o nosso inesquecível Mathieu empatado a partida 5 minutos depois. Foram necessários longos 41 longos minutos, com intervalo pelo meio, para um tal Jadson fazer golo na própria baliza. E assim a vitória sorriu...

Para vermos como tanta coisa mudou no plantel, o treinador era Silas e nesse jogo alinharam de início e suplentes utilizados(): Max, Ristovski, Coates, Neto (Jovane), Mathieu (Doumbia), Acuña, Bataglia, Wendel, Camacho (Plata), Sporar e Vietto.  No banco, sem serem utilizados:  Diogo, Borja, Eduardo e Jesé.

Mais alguns dados estatísticos, com realce para os cartões amarelos pois só Vietto foi brindado com 1. Num jogo a equipa só ter 1 amarelo também já faz parte da história... O Portimonense teve 2; O Sporting cometeu 9 faltas, contra 18 do adversário, teve 60% de posse de bola e rematou 21 vezes contra 10 do Portimonense; cantos 3-2. Foi um jogo sensaborão e uma exibição pobre, como tantos naquela altura, e valeu pelo magnífico golo de Jeremy Mathieu. Um golaço do nosso grande defesa, que não me fez dar como perdida a noite em Alvalade. 

Só mais uma evocação. Esse foi o dia em que, após uma vitória no futsal sobre o benfica (2-0), houve uma concentração significativa de adeptos a contestar a direção de Varandas, com o grito: Demissão.  

O nosso melhor reforço


Acredito que a eliminação da LE tenha sido a nossa grande aquisição. Como se viu no jogo em Portimão, estamos longíssimo de controlar todo o jogo, táctica e fisicamente. Por mais que queiramos culpar o Amorim, o Varandas, ou agora o Miguel Braga, quem joga são os jogadores, quem está lá dentro são eles e quem se encolheu com o Portimonense foram eles. Só as boas mexidas de RA permitiram que o Portimonense não marcasse, bem como o acerto dos centrais e de Adán.

Para dizer que as coisas levam tempo. E que mudaram com isto do Covid. Vi o jogo do Porto com interesse e aquela armada de jogadores adultos e feitos, campeões, fortes como touros, foi relativamente bem manietada pelo Marítimo de Lito. Vi Mourinho anular por completo o United de Pogba, Bruno Fernandes, Martial, Rashford, Matic ou DeGea. Vi o Villa dar cabo de Klopp e dos seus jogadores. Vi o City a não conseguir vencer o recém-promovido Leeds.

Planteis de craques maduros, adultos e poderosos, também perdem ou empatam.

Tal como o Lask, o Portimonense jogou bem. Os nossos golos foram grandes golos, um inventado pelo Nuno Mendes, o outro uma criação excelente de jogo de equipa e uma enorme e rara concretização do Nuno Santos. Mas o Portimonense não jogou nada mal e fiquei espantado por terem dado pouco crédito ao Paulo Sérgio (como havia acontecido com o Lask). Fica-se com a ideia que o nosso Sporting joga sempre com adversários neutros de marca branca e quando perdemos ou empatamos, é sempre culpa do Varandas.

Não obstante, sobra a evidência que os nossos jogadores ainda não têm bateria para jogar à quinta e ao domingo. É um problema ou é uma fase? Tomara eu saber. 

Ao podermos jogar menos vezes que os nossos rivais diretos, poderemos desenvolver processos, coesão e ganhar vantagem pontual para com o Braga (que já leva duas derrotas).

Talvez dê para ultrapassar Porto ou Benfica, se algum destes tiver um annus horribilis. 

O melhor prognóstico

Isto está a correr bem em matéria de prognósticos. À terceira jornada (segunda, para nós) da Liga 2020/2021, a pontaria de quem aqui vaticinou o resultado do Portimonense-Sporting voltou a mostrar-se afinada. Sobretudo a do leitor Diogo Viegas, o grande vencedor desta ronda: não apenas antecipou a vitória leonina por 2-0 mas também o marcador de um dos golos, Nuno Santos.

Está, portanto, de parabéns. Também merecem ser felicitados os leitores Leão do Fundão, Rafael Marques e Tiago Oliveira, bem como o meu colega Ricardo Roque: todos previram o desfecho da partida, faltando-lhes apenas antecipar quem marcaria os golos. 

Será um bom auspício para os tempos que vão seguir-se? Espero bem que sim.

Uma equipa à Sporting

Ontem à noite em Portimão assistiu-se a uma demonstração cabal do ADN Sporting, onde se misturou o talento e irreverência da juventude formada em Alcochete, a competência e capacidade de sacríficio sempre discreta de alguns consagrados, e a liderança de alguém que sabe muito bem onde está e o que precisa para ter sucesso.

Depois duma derrota humilhante em Alvalade contra uns austríacos com outra capacidade de momento para dar ao pedal, o Sporting entrou em Portimão como deve entrar perante todos ou quase todos os adversários domésticos: a todo o gás, com pressão alta, desmarcações constantes do trio atacante, tentando chegar depressa à vantagem, sem dar tempo ao adversário para pensar e corrigir marcações. Foram dois golos, dois belos golos, mais dois podiam ter acontecido, e foi preciso muita pancada tolerada pelo apitador de serviço para fazer parar o vendaval atacante comandado por Matheus Nunes.

A segunda parte foi necessariamente diferente, o desgaste fez-se sentir pela primeira parte e pelos motivos que conhecemos e Rúben Amorim teve de fazer entrar sangue fresco para segurar a vitória.

Estes três primeiros jogos oficiais da temporada mostraram um Sporting a renovar-se, ainda bem longe do que pode render, desde logo porque está debilitado fisicamente, castigado que foi pela pandemia, com um plantel ainda carente de ajustamentos e dum ponta de lança em condições, mas também mostraram uma equipa solidária, combativa e com imenso potencial que importa desenvolver.

Tacticamente o 3-4-3 inicial de Amorim, com ponta de lança bem definido, tem-se vindo a transformar num 3-4-1-2, com um falso ponta de lança (Jovane ou Vietto) a recuar e a jogar entre linhas, lançando os dois interiores, e mais à frente no jogo mesmo num 3-5-2 com a entrada de Daniel Bragança. Ganha-se em mobilidade o que se perde na luta nas duas áreas.

Diz Amorim que "estes jogadores precisam da ajuda de todos". Mas o que tiveram à entrada do estádio foi uma "comissão de recepção" daquela malta que assaltou Alcochete e que bateu nalguns colegas seus, com cânticos de "joguem à bola". E a verdade é que precisam mesmo. Se não os ajudarmos, quem o vai fazer? Os lampiões?

SL

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Do nosso segundo triunfo consecutivo no campeonato. Fomos a Portimão vencer por 2-0 a equipa treinada por Paulo Sérgio - precisamente a mesma marca alcançada na partida anterior, em casa do Paços de Ferreira. Esta vitória, além de nos colocar no já restrito grupo das equipas ainda invictas e sem golos sofridos na Liga 2020/2021, tem ainda o mérito de funcionar como tónico psicológico para a equipa, abalada pela derrota caseira frente ao Lask Linz. Há seis anos que não ganhávamos tão cedo, por esta marca, fora de casa. 

 

Da nossa meia hora inicial. Há muito que não via o Sporting jogar tão bem: velocidade na transição, pressão alta lá à frente, bola trocada ao primeiro toque, organização colectiva, grande mobilidade. Neste período ficou sentenciada a sorte do desafio no Algarve. Com golos marcados bem cedo e gestão de bola no resto da partida, embora sofrendo alguns sobressaltos defensivos na segunda parte.

 

Dos golos. Surgiram cedo - e ambos excelentes. O primeiro, logo aos 4', fruto do esforço individual de Nuno Mendes, que driblou três adversários e fuzilou o guarda-redes após recuperar uma bola junto à ala esquerda. O segundo, aos 11', em consequência de um óptimo lance colectivo que levou Tiago Tomás a servir Vietto, o argentino a cruzar de forma impecável para o centro da área e Nuno Santos a surgir em velocidade ao primeiro poste, marcando de cabeça, à ponta-de-lança.

 

De Nuno Mendes. Estreou-se - com todo o mérito - a marcar pela equipa principal do Sporting. Sendo ainda júnior: tem apenas 18 anos e três meses. Vale a pena rever vezes sem conta este magnífico lance, que faz lembrar um dos mais célebres golos de Pelé: em dribles sucessivos, o jovem formado em Alcochete vai deixando sucessivos opositores para trás e não perdoa no momento de atirar à baliza. Melhor em campo, também com prestação muito positiva no plano defensivo, não tardará muito a ser chamado à selecção nacional dos mais crescidos. 

 

De Coates. Podia ter ficado desgastado em termos psicológicos por ter cometido um penálti e visto um cartão vermelho, prejudicando a equipa, no desafio ocorrido três dias antes contra a equipa austríaca em Alvalade. Mas não se notou nada disso neste jogo de Portimão, em que teve um desempenho irrepreensível no comando da defesa - bem complementado desta vez por Neto, à sua direita. E ainda foi à frente, marcar um golo de cabeça aos 81' que o árbitro entendeu invalidar, usando um critério oposto ao do seu colega que pouco antes arbitrara o jogo Benfica-Farense (3-2) num lance muito semelhante, culminado em golo marcado por Seferovic. 

 

De Adán. Concentração, eficácia, solidez. Três palavras que caracterizam o desempenho do guarda-redes espanhol, vital para garantir que a nossa baliza permanecesse intocável. Boas defesas aos 15', 45' e 88'. Grande intervenção no último minuto da partida, aos 90'+4, evitando um golo. Nota muito positiva.

 

Da primeira parte de Matheus Nunes. Talvez a melhor exibição do jovem brasileiro, desta vez no comando das operações do meio-campo devido à saída de Wendel para o futebol russo. Ousado no passe longo, rápido a tomar decisões, dominando a bola com critério, sem receio de ir ao choque. Caiu no segundo tempo, por notório desgaste físico, à semelhança de alguns colegas, como Vietto e Tiago Tomás.

 

Da aposta contínua nos jovens. Rúben Amorim contou neste desafio com nove jogadores sub-23: Porro, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Pedro Gonçalves (em estreia como titular, ocupando a vaga deixada por Wendel), Tiago Tomás, Daniel Bragança, Gonçalo Inácio, Plata e Tabata (em estreia absoluta de verde e branco, tendo entrado aos 71' para render Vietto). Quatro destes jovens fizeram toda a formação na Academia de Alcochete. 

 

 

Não gostei
 

 

Do critério disciplinar do árbitro. Manuel Oliveira permitiu que os jogadores do Portimonense se sentissem à vontade para fazerem sucessivas faltas destinadas a travar lances do Sporting em momentos cruciais do jogo, deixando-os impunes. Há muitas maneiras de arbitrar mal: ser permissivo com os lances faltosos é uma delas. 

 

De Feddal. Foi claramente o elemento mais intranquilo da linha defensiva a três, faltando-lhe velocidade nas acções de cobertura e precisão de passe na fase de construção, abusando dos chutões para onde estivesse virado. Acabou por dar lugar a Gonçalo Inácio, aos 62', tendo saído com queixas de ordem física.

 

De Tabata. Estreia infeliz de verde-e-branco do extremo que escolheu jogar com o n.º 7 na camisola, em confronto com a sua anterior equipa. Isolado aos 86', em posição privilegiada para fazer o terceiro golo do Sporting, imitou Sporar no jogo contra o Lask: em vez de um remate potente, saiu-lhe um frouxo passe ao guarda-redes. Parece faltar capacidade de finalização ao mais recente reforço da nossa equipa.

 

Das ausências. Não pudemos contar ainda com Jovane (que recupera de lesão muscular) e Palhinha (recém-saído de quarentena por ter sido contagiado com Covid-19). Dois elementos nucleares: qualquer deles tem lugar garantido no onze titular leonino. Faltou ainda Sporar, aparentemente afectado por uma tendinite: nem sequer figurou na ficha do jogo. Esperemos que o mercado de transferências não feche sem recebermos um reforço para o nosso sector mais ofensivo. Há que preencher esta lacuna.

Uma boa venda

Como é que uma derrota humilhante pode ser o ponto de partida para algo que se vislumbra de muito melhor?

Ora, ter que vender (não gosto do termo, mas vai assim) o Wendel para fazer face a despesas de funcionamento, que empastelava o jogo a meio-campo, que permitia a colocação das defesas adversárias (sim, muito bom tecnicamente, mas também muito trapalhão) e que por via disso a maior parte das vezes ou vinha ele, ou vinha a bola para zonas recuadas do terreno de jogo, perdendo-se inúmeras ocasiões de "dar cabo" do adversário.

Ora hoje marcámos cedo, como se pedia depois do desgaste de quinta feira e em jogadas rápidas e com dois maravilhosos golos; Um deles, o primeiro, por Nuno Mendes, um jovem de 18 anos lá do alfovre, de levantar o estádio estivessem lá espectadores.

Nem tudo está bem, aquelas saídas de bola dão-me cabo do coração, mas também tivemos um Neto que talvez tivesse hoje feito o melhor jogo de listada no corpo.

Como quem aqui faz a análise ao jogo é o "chefe de redacção", eu vim cá só registar que por vezes há males que vêm por bem, mas também que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

Quero registar também que foi um final de semana 100% vitorioso. Ganhámos todos os jogos de todas as modalidades em que estivemos envolvidos, masculinos e femininos. Um clube grande, como os maiores da Europa, já está quase...

Prognósticos antes do jogo

Segunda ronda do campeonato, para a nossa equipa. Na ressaca da goleada sofrida quinta-feira frente ao Lask Linz que nos impediu de aceder à Liga Europa. Amanhã defrontamos o Portimonense, no Algarve, a partir das 21 horas.

Há um ano, no mesmo cenário, vencemos a equipa da casa por 3-1. Com dois golos de Raphinha (na sua despedida do Sporting) e o terceiro apontado por Luiz Phellype.

Quais são os vossos prognósticos?

Zidanes e Pavones

21890732_wr7Vj[1].jpg

 

Na era dos “galácticos”, com Carlos Queiroz como treinador, o presidente do Real Madrid prometeu uma equipa de “Zidanes y Pavones”, que misturava craques feitos com jovens talentos da academia. A ideia não resultou.

Nesta nova era do Sporting, com Rúben Amorim a substituir um desorientado e desorientador Jorge Silas como treinador, a promessa do presidente tem alguma coisa de parecido com a do Real Madrid, só que os Zidanes são quase todos Ristovskis, não é bem a mesma coisa. E só com Pavones, por muito bons que sejam e são, a coisa não vai lá, como se viu nos recentes confrontos com os rivais.

Não vai lá pelo menos em termos desportivos, porque a jogarem assim daqui a um ano estamos a falar de muitas dezenas de milhões de euros de valorização do plantel. O Sporting conseguiu ontem pôr em campo toda uma equipa de jogadores abaixo dos 23 anos de grande potencial: Max, Porro, Quaresma, Inácio, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Pedro Gonçalves, Wendel, Plata, Tiago Tomás, Jovane,  Daniel Bragança e Rodrigo Fernandes (este parece primo do Ilori, precisa duma lavagem ao cérebro).

O problema é que, dos mais velhos, apenas Coates está noutro nível. Todos os outros são iguais ou piores que os putos, e nalguns casos muito teriam que aprender com eles se tivessem idade para isso.

Alguns dos dispensados ou colocados no mercado seriam titulares nesta equipa? Acuña, claramente, mas a jogar mais à frente do que ia acontecendo com Amorim, a ala ou interior esquerdo. Mas existe Nuno Mendes e veio Nuno Santos.

Palhinha tirava o lugar a Wendel ou a Matheus Nunes? Nem pensar. Seria um suplente para determinados jogos, como seriam Battaglia ou Doumbia se ficassem.

Algum outro? Diaby, Bruno Gaspar, Misic? Francamente não vejo.

Enfim. Zidanes (ou novos Slimanis) precisam-se. 

SL

Talvez seja bom sinal

Bons 20 minutos - os últimos - deste Portimonense-Sporting. Primeiro jogo de preparação a sério desta pré-temporada, com vitória leonina, por 2-1, em desafio disputado no estádio municipal de Portimão.

 

Começou tudo com demasiada lentidão: passes transviados, excessiva "lateralização", sem fio condutor para a baliza. Max, numa fífia, quase ofereceu a bola, redimindo-se logo a seguir com uma grande defesa. Wendel parecia anestesiado. Plata, com a mesma falta de atitude competitiva que já lhe conhecíamos: parece um brinca-na-areia. Neto com preocupante tendência para cortar em falta.

Num penálti inexistente, inventado pelo árbitro ao imaginar ter visto falta de Feddal para castigo máximo, o Portimonense adiantou-se no marcador, aos 54'.

O nosso empate surge também de penálti - com a diferença de este não ter sido falsificado. Sporar invade a área, com a bola dominada, e é derrubado em falta, convertendo a grande penalidade, aos 65', de forma impecável.

 

Rúben Amorim decide então mudar todos os jogadores de campo (na baliza, Max já cedera lugar a Adán logo no recomeço da partida) e só então o Sporting carrega no acelerador e exibe todo o potencial do seu jogo colectivo. Pormenor a destacar: tinha então apenas três jogadores com mais de 23 anos em campo.

Com pouco mais de três toques na bola, metêmo-la lá dentro, aos 75', e vencemos a partida. Gonçalo Inácio (em estreia na equipa principal) serve na perfeição Pedro Gonçalves, este progride junto à linha e cruza de forma impecável para o centro da área, onde Tiago Tomás aparece a disparar em cheio.

Parece fácil, mas não é. E neste vistoso lance de futebol ofensivo já se viu bom trabalho da equipa conduzida por Amorim.

 

Há três anos que não vencíamos um desafio na pré-temporada: talvez seja bom sinal.

 

Nota muito positiva para Pedro Gonçalves, que tem a titularidade garantida no Sporting 2020/2021.

Dos restantes reforços falarei mais tarde. Mas o meu maior elogio vai para estes miúdos que em pouco mais de 20 minutos mostraram ser leões em campo: Nuno Mendes, Tiago Tomás, Jovane Cabral, Daniel Bragança (outra estreia na equipa A), Matheus Nunes, Eduardo Quaresma, Gonçalo Inácio.

O futuro está na nossa formação. Alguém tem dúvidas?

Um genuíno momento de alegria

20200603_211426.jpg

 

Quatro minutos da segunda parte do Portimonense-Gil Vicente de ontem. Lucas Fernandes acaba de fazer um grande golo, num disparo em arco fora da área, carimbando a vitória tangencial da equipa algarvia. Num estádio despido de público em consequência das dúbias normas sanitárias emanadas do mesmo governo que já autorizou os portugueses a frequentar restaurantes, teatros, cinemas, salas de concerto e centros comerciais.

Acto contínuo, os colegas de equipa romperam o gelo, envolvendo Lucas em calorosos gestos de júbilo pelo golo, que lhes valeria os três pontos. Mandando assim às malvas as draconianas recomendações da Direcção-Geral da Saúde, entidade que assobia para o lado quando toca a encher voos comerciais enquanto ordena que as bancadas permaneçam vazias: «Nenhuma competição pode ocorrer com público no interior dos estádios até ao final da temporada.»  Mesmo naqueles - e são muitos - que já nem se lembram da última enchente registada.

Manda o código de conduta em vigor que se imponha o "distancimento social" (estúpida expressão) num jogo de futebol, desporto que vive do permanente contacto físico entre os protagonistas, em situações que vão da simples disputa da bola à marcação de livres ou cantos. E, claro, dos instantes que se sucedem aos golos - expoente máximo desta modalidade que apaixona o mundo.

 

Fizeram os jogadores do Portimonense muito bem. Ao contrário do que sucede na Alemanha, onde se recomenda expressamente aos profissionais do futebol que «evitem contactos com as mãos para comemorar os golos», devendo usar-se em alternativa os cotovelos ou os calcanhares. Coisa mais imbecil.

Foi um momento de genuína alegria numa partida amorfa e cinzenta que assinalou o controverso regresso às competições nesta era pandémica: um futebol "mascarado", sem emoção e sem público.

Chamar-lhe "25.ª jornada da Liga 2019/2020", que fora suspensa três meses atrás, é um embuste. Porque estamos, na prática, perante um futebol de pré-época. Num contexto tão diferente e tão cheio de condicionalismos específicos que só num exercício de profunda abstracção podemos estabelecer linhas de continuidade entre um período e outro.

 

No final do jogo, o treinador do Gil Vicente falou como de costume, sem papas na língua. Dizendo em voz alta o que quase toda a gente pensa mas evita exprimir: «Os clubes aceitaram tudo o que a DGS propôs para retomar o futebol, mas não o deveriam ter feito. Futebol sem público não é o futebol a que estamos habituados. Precisamos de público.»

Fez Vítor Oliveira muito bem.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

De ver o Sporting ganhar. É certo que foi em casa, e o triunfo ocorreu pela margem mínima, mas é um facto que vencemos o Portimonense (2-1) num jogo em que dominámos praticamente do princípio ao fim embora só na segunda parte a nossa equipa tenha demonstrado aquilo que realmente vale, mesmo com Bruno Fernandes já fora do plantel.

 

De Mathieu. É, aos 36 anos, o maior baluarte do onze leonino, como ontem voltou a confirmar-se em campo. Sobretudo pelo grande golo que marcou - de livre directo, com o seu potente pé esquerdo, num remate muito bem colocado e totalmente indefensável - e ajudou a desbloquear a partida, aos 32', recolocando o empate no marcador e abrindo caminho ao triunfo. Mas também pela forma como comandou o nosso reduto defensivo, embora Silas - com o seu permanente experimentalismo, sempre a alterar o sistema táctico - tenha ajudado pouco ou nada. O internacional francês foi o melhor em campo. Resta ver se poderemos contar com ele na próxima partida, pois saiu do campo lesionado.

 

De Max. A administração da SAD, acumulando erros sobre erros na gestão do futebol, sonha agora trazer um guarda-redes sueco. Precisamente a última posição em que estamos carenciados. O jovem Luís Maximiano, aos 21 anos, dá bem conta do lugar, como voltou a demonstrar neste embate contra o Portimonense. Com grandes defesas aos 28' e aos 88'. No próprio lance do golo adversário, em que Jackson Martínez remata aos 26' com excelente colocação para o poste mais distante, ainda chega a tocar na bola, embora sem possibilidade de a desviar. Não teve muito trabalho, mas voltou a evidenciar técnica e segurança.

 

De Jovane. A partida arrastava-se monótona e triste, após uma penosa primeira parte, quando Silas decidiu enfim alterar o onze-base. Mandou entrar Jovane logo no início do segundo tempo - e logo o jovem formado em Alcochete agitou o ataque, tornando-o mais vertical, veloz e acutilante. Aos 72', num destes lances, nasceu o nosso golo da vitória, quando o cabo-verdiano foi recuperar uma bola junto à linha final, no lado esquerdo, e centrou na medida certa: só faltava encostá-la para as redes, o que viria a ser feito em autogolo por Jadson, antecipando-se a Sporar, que se encontrava a um metro de distância, pressionando-o.

 

De Plata. Também foi remetido ao banco, ficando fora do onze inicial. Mas Silas recorreu a ele aos 60', mandando sair Camacho. Ao contrário do colega, o equatoriano jogou bastante colado à linha, fazendo funcionar enfim o corredor direito do Sporting. Daí nasceram vários lances perigosos, nomeadamente aos 81' e 86'. No primeiro, Plata quase marcou à meia-volta, forçando o guardião do Portimonense à defesa da noite.

 

Da subida do Sporting na classificação. Recuperámos o lugar no pódio do campeonato a que temos direito, beneficiando da goleada sofrida pelo Famalicão em casa frente ao V. Guimarães (um vergonhoso 0-7), e vendo o Braga empatar também em casa perante o Gil Vicente (2-2). Estamos isolados no terceiro posto.

 

 

Não gostei

 
 

Das oscilações tácticas de Silas. O técnico insistiu num sistema inicial alheio à tradição leonina: 3-5-2, percebendo-se mal o que o levou a preparar uma linha de cinco em processo defensivo quando jogava em casa contra o penúltimo da tabela. Isto forçava criativos como Rafael Camacho a encarrilar o jogo pelo corredor central, com manifesta falta de resultados. Ao intervalo, Silas alterou o xadrez táctico, mandando sair Neto e regressando ao processo clássico no Sporting, com dois flanqueadores que servissem jogo ao elemento mais avançado (Sporar). Este foi, sem coincidência, o melhor período da equipa, que terminou a partida num autêntico vendaval ofensivo, só não se traduzindo em golos por azar ou inépcia dos jogadores.

 

Do irritante conceito "construção em posse" definido pelo técnico.  Silas privilegia a organização do processo defensivo a partir de trás, com sucessivas trocas de bola no nosso meio-campo. Processo alheio à tradição leonina e entorpecente para o espectáculo desportivo, além de não proporcionar vantagem no terreno. Isto agrava-se por não termos a meio-campo um verdadeiro distribuidor de jogo desde a saída de Bruno Fernandes - Wendel, está visto, não tem vocação para tal tarefa, que exige disponibilidade constante e concentração máxima.

 

Do 1-1 ao intervalo. Consequência directa do que ficou escrito nos parágrafos anteriores, este desolador resultado que se registava aos 45'. E o empate apenas tinha conseguido ser desfeito, seis minutos após o golo inicial da equipa de Portimão, num lance de bola parada, graças à mestria de Mathieu - digno sucessor de Bruno Fernandes na cobrança de livres.

 

Das hipóteses perdidas. Pelo menos em duas ocasiões tivemos possibilidade de marcar, o que só não sucedeu devido à falta de perícia ou excesso de nervos dos jogadores. Na primeira aos 66', quando Vietto se isolou mas permitiu a defesa ao guarda-redes. Na segunda aos 86', quando Sporar, igualmente em excelente posição para marcar, atirou para fora, sem nexo.

 

Da lesão de Mathieu. O francês saiu aos 78', a passo, com queixas físicas - dando lugar a Idrissa Doumbia enquanto Silas fazia recuar Battglia para segundo central, ao lado de Coates, até ao fim. Esperamos que Mathieu recupere a tempo do próximo embate, que será muito difícil, frente ao Rio Ave, no próximo sábado. Um jogo em que não contaremos com Vietto, por acumulação de amarelos.

 

Dos insultos nas bancadas. Estavam decorridos apenas cinco minutos quando, do local do costume, começaram a ouvir-se gritos contra o presidente do Sporting, misturados com insultos e apelos histéricos à demissão dos órgãos sociais. Quando a equipa precisava de apoio, estes jumentos da curva sul voltaram a dar alento à turma adversária - como já haviam feito em Alvalade quando ali jogaram Porto e Benfica. É óbvio que isto desestabiliza os nossos jogadores, que actuam em casa sempre sobre brasas, numa atmosfera de guerrilha permanente. Que a grande maioria dos adeptos está contra isto voltou a ficar bem demonstrado ao escutarem-se sonoras vaias à jumentude.

2019 em balanço (4)

luis_maximiano_sporting_foto_sporting13062d8d[1].j

 

 

CONFIRMAÇÃO DO ANO: LUÍS MAXIMIANO 

Já se esperava a notícia, era apenas uma questão de data. E ela chegou, a 26 de Setembro, quando Luís Maximiano se estreou na equipa principal a defender a baliza leonina. Num confronto que terminou mal para as nossas cores: perdemos com o Rio Ave na primeira jornada da Taça da Liga. Mas que ficará como marco na carreira do jovem guarda-redes a quem muitos auguram um percurso na esteira de um Rui Patrício, seu ídolo assumido.

O ano encerra com Max - o nome pelo qual é mais conhecido entre colegas e adeptos - já no onze titular. Culminando uma subida a pulso. Com muito esforço, muito trabalho, muita dedicação e muito mérito.

«É um guarda-redes com uma margem de progressão enorme. Sabe ouvir, sabe trabalhar. Quer sempre mais. É muito preocupado com os detalhes, com os pormenores. E isso é importante porque ele tem de perceber que tem de continuar a crescer, a melhorar, e não pode relaxar.» Palavras do capitão Bruno Fernandes há três dias, em entrevista ao Record. Palavras que expressam a confiança do grupo de trabalho neste talentoso guardião que aprendeu tudo quanto sabe no Sporting e é fruto da excelência da nossa Academia.

Já como guarda-redes titular, teve actuação louvável nos jogos desta época em que o Sporting mais brilhou: a 28 de Novembro, na goleada que impusemos em Alvalade ao PSV para a Liga Europa; e a 21 de Dezembro, na espectacular reviravolta leonina frente ao Portimonense, no Algarve, para a Taça da Liga.

Nada que surpreenda quem tenha acompanhado com atenção o percurso de Luís Manuel Arantes Maximiano, iniciado em 2012 de verde e branco, ligado por contrato ao Sporting Clube de Portugal até 2023.

Foi internacional em todos os escalões jovens. E em 2016 sagrou-se campeão europeu sub-17. Ao estrear-se em Novembro passado como internacional sub-21, convocado pelo seleccionador Rui Jorge num jogo contra a Eslovénia, declarou isto: «Sporting? Sei que a minha oportunidade vai chegar.»

Pois já chegou. A uma semana de completar 21 anos, Max é hoje mais uma confirmação do que uma promessa. Se prosseguir como até aqui, pode continuar a sonhar alto. Com a certeza antecipada de que o futuro vai sorrir-lhe.

 

Confirmação do ano em 2012: André Martins

Confirmação do ano em 2013: Adrien

Confirmação do ano em 2014: João Mário

Confirmação do ano em 2015: Paulo Oliveira

Confirmação do ano em 2016: Gelson Martins

Confirmação do ano em 2017: Podence

Confirmação do ano em 2018: Bruno Fernandes

Há (outra vez) dias assim...

Em que tudo corre bem, e mesmo quando algum percalço acontece, conseguimos dar a volta por cima.

Se já fomos para Portimão com poucas hipóteses de seguirmos em frente na Taça da Liga, menos ainda ficámos quando entrámos em campo sem ponta de lança, com o único que temos debilitado no banco, e ainda menos quando no final duma primeira parte onde o adversário foi superior e onde voltámos aos erros primários na saída a jogar, o árbitro nos reduziu por incompetência ou maldade a 10. 

Mas depois tivemos uma segunda parte (tirando o lance inicial que ia sentenciando o jogo) de garra, sofrimento e muito talento, verdadeiramente "à Sporting", e chegámos ao fim com uma vitória justissima selada por belos golos, de quatro dos reforços contratados já este ano.

Como o Gil Vicente nos fez o favor de ganhar em Vila de Conde, assim chegámos à fase final da Taça da Liga, com Porto, Braga e Guimarães, Benfica de fora. Estamos assim na luta para reeditar a conquista do ano passado.

E assim chegámos ao final do ano no terceiro lugar da Liga, com lugar assegurado na Final Four da Taça da Liga e na fase de eliminatórias da Liga Europa onde iremos defrontar uma equipa acessível, o Istambul BB. Enfim, é o tal copo meio cheio, que alguns persistem em ver vazio.

Diz o Record que o nosso presidente, revoltado com a expulsão, desceu da tribuna ao intervalo para confrontar o árbitro e intervir no balneário. Se foi assim, pois fez muito bem e já devia ter feito isso há mais tempo. A equipa tem que ter quem, com educação e competência, a defenda e se quem o devia fazer não faz porque não quer ou não sabe, então só lhe resta a ele fazer o trabalho.

Que Silas aproveite esta pausa para fazer um balanço do que tem sido o seu trabalho, que perceba duma vez por todas a importância de ter um onze estabilizado e rotinas de jogo consolidadas de forma a podermos enfrentar com sucesso os grandes desafios que se avizinham.

SL 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D