Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Felizmente temos Esgaio

Pedro Porro lesionou-se ontem, no amigável do Algarve contra o Belenenses SAD, e tem o início da época comprometido. Paragem prevista até dois meses

Felizmente temos Esgaio para a mesma posição. O que talvez cale enfim todos aqueles, até nas caixas de comentários do nosso blogue, que têm urrado contra esta contratação a pedido de Rúben Amorim. Talvez agora mordam a língua. Só lhes faz bem.

Balanço (27)

 

OS CINCO MELHORES GOLOS DO SPORTING - III

 

Porro, no Boavista-Sporting

(26 de Janeiro de 2021)

 

Se alguém ainda tinha dúvidas sobre a sua inegável mais-valia no plantel leonino, ficou com elas desfeitas neste desafio. Pelo extraordinário golo que marcou, fixando o resultado em 2-0. O jovem internacional espanhol pegou na bola e à meia-volta, a 30 metros da baliza, fez um disparo fortíssimo, indefensável, daqueles que fariam levantar qualquer estádio na era pré-pandémica. Naquele momento conquistou em definitivo o coração dos adeptos. 

Balanço (3)

https___mercadodofutebol.com_wp-content_uploads_20

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre PORRO:

 

- António de Almeida: «Deverá conquistar o lugar a Ristovski. Se é ou não o lateral-direito que precisamos, apenas o tempo o dirá, mas fazer melhor que o macedónio não parece muito difícil.» (29 de Agosto)

- João Goulão: «Perguntam vocês, e o Porro? Porra que o homem corre muito, mas ontem cansou-se mais depressa do que eu.» (29 de Outubro)

- Filipe Arede Nunes: «Há talento nesta equipa do Sporting: Pedro Gonçalves, Nuno Santos, Pedro Porro, João Mário acrescentaram muita qualidade ao plantel leonino.» (9 de Novembro)

- Pedro Boucherie Mendes: «Excelente jogo de Porro, como que a compensar com a sua energia alguma falta de confiança de Pote, Nuno Mendes e até Nuno Santos.» (2 de Janeiro)

- Eu: «Distinguiu-se nos desarmes, nas acções ofensivas pela ala direita, nos cruzamentos lá à frente. E com uma condição física invejável. É, naquele corredor, o melhor lateral do Sporting neste século. E nunca dá um lance por perdido. Quase no fim do jogo, celebrou com um punho no ar quando ganhou uma bola dividida que resultou em lançamento. Mal soou o apito final, foi exuberante e contagiante a sua alegria. À Leão.» (2 de Janeiro)

- Edmundo Gonçalves: «Aquele punho no ar de Pedro Porro quando ganhou um lançamento de linha lateral mesmo no final do jogo, fez provavelmente mais pela união dos sportinguistas que a desditosa direcção que o foi contratar.» (3 de Janeiro)

- Pedro Belo Moraes: «O Braga já caía ao tapete. Ao chão atirado pelo virtuosismo e pelas infindáveis ganas do enorme Porro, que, porra!, joga que se farta.» (3 de Janeiro)

- Luís Lisboa: «Tem vindo a demonstrar coisas dum lateral direito de topo, já é capitão dos sub-23 de Espanha e candidato à selecção A.» (3 de Janeiro)

- José Navarro de Andrade: «Os jogos do Sporting estão a ficar aborrecidos, enervantes e arrítmicos e lá está o patego do apito para garantir que isto seja assim. Também terão visto logo ao início aquele Khacef a fazer-se ao pé de Porro, este a sorrir-lhe e com um gesto de mão a dizer "vem cá, vem" e o longo assédio que se seguiu - como é diferente o futebol em Portugal...» (14 de Março)

- CAL: «Alguém saberá dizer se o Manchester City está feliz com a cláusula de compra de Pedro Porro?» (31 de Março)

- José Cruz: «"Tiras um Leão de campo e ainda ficam lá dez", foi a frase que ficou no ar da entrevista de Pedro Porro ao ADN de Leão. É uma frase forte e que significa muito mais do que uma metáfora para o que aconteceu contra o Braga.» (12 de Maio)

"Tirem um leão de campo e estão lá os outros 10"...

 

Esta frase pertence a Pedro Porro e perdurará na memória dos sportinguistas por décadas, ao nível de "por cada leão que cair, outro se levantará". 

Foi proferida pelo valoroso lateral-direito no podcast ADN de Leão e partilhada pelo SCP nas redes sociais, referindo-se à injusta expulsão de Gonçalo Inácio em Braga, e à resposta da equipa em campo. 

O dia seguinte

Começando pelo princípio, o Sporting continua na liderança da Liga, invicto, com uma margem ainda confortável relativamente ao mais directo perseguidor e só depende dele mesmo para assegurar o título. Nesta recta final nota-se também um cerrar de fileiras do universo Sportinguista à volta duma equipa maioritariamente jovem e sem experiência nestas andanças, treinadores incluídos, mas de enorme valor. O que nos fez chegar até aqui tem de servir para nos levar a bom porto, não podemos duvidar das nossas qualidades.

Mas parece-me evidente que esta pausa da Liga pelos compromissos das selecções fez mal ao plantel. Por um lado distraiu aqueles que como Nuno Mendes ou Porro foram justamente promovidos à titularidade das selecções respectivas, e falham o que dantes acertavam, por outro impediu a melhor integração de Paulinho. E se é verdade que o Paulinho já contribuiu com um golo e uma assistência para golo, também é que a equipa parece que joga como dantes, quando não tinha ponta de lança. Quantos centros de Nuno Mendes ou Porro já encontraram nestes dois jogos a cabeça ou os pés de Paulinho? Zero? Ontem até o Tiago Tomás, com o Paulinho completamente desmarcado atrás da linha da defesa, centra entre essa linha defensiva e o guarda-redes.

 

Por outro lado, e sabendo que os adversários chegam com a lição bem estudada, Rúben Amorim tem tentado algumas trocas posicionais que sinceramente penso que têm baralhado mais a própria equipa do que o adversário. Ontem até tivemos uma troca de alas que durou alguns minutos sem qualquer proveito. João Mário, nesta altura da carreira e até porque não tem golo, rende muito mais em posições recuadas. E golo é coisa que Daniel Bragança também não tem.

Pelo contrário, Pedro Gonçalves é o melhor marcador da equipa, não pode abandonar a zona onde faz a diferença. Também Nuno Santos rende golos e faz assistências, o Tiago joga mal de cabeça e desperdiça mais oportunidades do  que marca. Marcar golos fica mais fácil contando com quem tem mais facilidade de os marcar...

E ontem a questão passou muito por aqui. Com este treinador e alguns reforços o Famalicão acertou agulhas e mostrou-se uma equipa organizada e perigosa, muito pelo talento dum ou doutro, tapando bem a sua baliza e lançando contra-ataques venenosos. O Sporting na primeira parte, num 3-5-2 muito assimétrico, sentiu muitas dificuldades em assentar o seu jogo, o amarelo cirúrgico a Palhinha cedo o condicionou, na ala esquerda a articulação Nuno Mendes-João Mário deixava muito a desejar, na outra ala a coisa era ainda pior. Pedro Gonçalves, vagabundo, compensava muita coisa, como no lance do golo onde caiu em cima e desarmou o miúdo adversário e ainda foi receber o passe de Paulinho para encostar para golo.

Mas logo a seguir veio o golo muito consentido do Famalicão: mais uma falha de Porro, no princípio daquilo tudo, impediu que a equipa serenasse e estabilizasse o seu jogo. 

 

Veio o intervalo e o Rúben entendeu (e bem) que tinha de agitar o jogo. Tentou melhorar a construção desde trás com Matheus Reis e Daniel Bragança. E tivemos um segundo tempo com menos controlo e mais intensidade, mais oportunidades de golo, mas todas ingloriamente desperdiçadas por outros jogadores que não Paulinho. A equipa parecia ignorá-lo na sua pressa para despachar o assunto.

Aqui temos de falar na saída de João Mário que levou Pedro Gonçalves para organizador de jogo. O melhor marcador do Sporting foi trocado por mais um Daniel Bragança. Os dois chegaram a atropelar-se em campo. E depois o Pedro falhava aquela bola que Jovane falhou? Se calhar não.

 

Concluindo, parece-me - e o meu sofá concorda - que nesta fase final do campeonato se deveria insistir na fórmula que nos ajudou a conquistar a liderança, o 3-4-3, com três avançados claramente assumidos, se calhar Nuno Santos - Paulinho - Pedro Gonçalves, e apostar num futebol menos rendilhado e mais directo aproveitando a capacidade de centro dos dois alas. Mas Rúben é que sabe, ou não tivesse sido ele quem inventou a dita fórmula.

Mas chega de resmunguices. Este período em que os remates saem prensados e os cabeceamentos para longe da baliza vai ter de terminar: Faro será o melhor local do mundo para voltarmos às vitórias. 

 

Força rapazes, nós acreditamos em vocês !!!

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

Ordem de mérito Liga (19.ª jornada)

22021410_rLtwn.jpeg

 

Concluídas as primeiras dezanove jornadas da Liga, com base nas apreciações dos três jornais desportivos diários que o Pedro Correia aqui nos traz, e se não me enganei a transcrever alguma pontuação, podemos então estabelecer a seguinte ordem de mérito:

1. Pontuação Total:

Porro308
Coates290
Adan285
Pedro Gonçalves284
Nuno Santos280
Tiago Tomás262
Palhinha255
Feddal248
Matheus Nunes233
10 Nuno Mendes223
11 Neto218
12 João Mário210
13 Sporar167
14 Jovane152
15 Tabata126
16 Daniel Bragança97
17 Antunes79
18 Inácio71
19 Plata53
20 Vietto44
21 Paulinho41
22 Wendel29
23 Matheus Reis26
24 Borja15
25 Eduardo Quaresma12
26 João Pereira10

 

2. Desempenho Médio:

Pedro Gonçalves16,7
Porro16,2
Coates15,3
Adan15,0
Palhinha15,0
Nuno Mendes14,9
Nuno Santos14,7
Vietto14,7
Feddal14,6
10 Wendel14,5
11 Inácio14,2
12 João Mário14,0
13 Tiago Tomás13,8
14 Matheus Nunes13,7
15 Paulinho13,7
16 Neto13,6
17 Matheus Reis13,0
18 Sporar12,8
19 Jovane12,7
20 Tabata12,6
21 Daniel Bragança12,1
22 Eduardo Quaresma12,0
23 Antunes11,3
24 Plata10,6
25 João Pereira10,0
26 Borja7,5

 

3. Número de vezes os Melhores em campo :

Pedro Gonçalves9
Porro4
Nuno Mendes2
Coates 2
Adán2
Wendel1
Tabata1
Nuno Santos1
Matheus Nunes1
Palhinha1
Feddal1

 

As contratações de Verão continuam a dominar estas classificações: Porro, Pedro Gonçalves, Nuno Santos, Adán, Feddal estão no topo, e todos eles já foram os melhores em campo nalguma jornada.

Quanto aos jovens de Alcochete, Nuno Mendes e Tiago Tomás continuam em plano de destaque.

Fica aqui aberta a discussão sobre estas pontuações.

SL

Rescaldo do jogo de anteontem

Gostei

 

Da nossa concludente vitória sobre o Boavista. Domínio total do Sporting do princípio ao fim da partida do Bessa, quase sempre de sentido único. Com Adán a fazer apenas uma defesa digna desse nome (82'). O resultado ao intervalo (1-0) era muito lisonjeiro para a equipa da casa. No mesmo estádio onde o Boavista vencera o Benfica por 3-0.

 

Do golo marcado cedo. Marcador inaugurado aos 22', por Nuno Santos, correspondendo da melhor maneira a um soberbo cruzamento de Nuno Mendes. Com notável sentido de posicionamento e desmarcação. 

 

De Porro. Para mim, o melhor em campo. Pelo extraordinário golo que marcou aos 77', fixando o resultado (2-0) e comprovando a sua inegável mais-valia neste plantel leonino. Pega na bola e à meia volta, a 30 metros da baliza, faz um disparo fortíssimo, indefensável. Desde já candidato a um dos melhores golos da Liga 2020/2021. E deste ano civil há pouco iniciado.

 

De Nuno Mendes. Temos de volta o nosso ala esquerdo após algumas semanas de menor brilho. Exibição de luxo coroada por três soberbos centros que levavam selo de quase-golo, aos 18', 22' e 33'. Infelizmente só um encontrou o melhor desfecho.

 

De Matheus Nunes. De jogo para jogo revela-se um dos jogadores mais consistentes deste Sporting 2020/2021, mesmo quando lhe cabe uma missão de especial dificuldade, como foi neste caso a de render Palhinha na posição de médio defensivo titular. Deu boa conta do recado, tanto no capítulo das recuperações de bola como na qualidade de passe. Nunca dá um lance por perdido: é um Leão da cabeça aos pés.

 

De Nuno Santos. Outro golo para a sua contabilidade pessoal. Aos 53' assistiu Sporar, entregando-lhe a bola de bandeja com um passe cirúrgico: só a inépcia do esloveno o impediu de empurrá-la lá para dentro. Jornada após jornada, vai-se confirmando como um dos elementos mais influentes do plantel. 

 

De continuarmos invictos. Somos a única equipa da Liga que prossegue sem derrotas, o que faz toda a diferença.

 

De ver a nossa liderança reforçada. Somamos já 39 pontos, em 45 possíveis. Estamos há nove jornadas consecutivas no primeiro posto - e assim continuaremos pelo menos até à entrada na segunda volta desta Liga 2020/2021. Continuamos a marcar em todas as partidas do campeonato. Conservamos a vantagem de quatro pontos face ao segundo classificado, o FC Porto, e ampliámos para seis pontos a distância que nos separa do Benfica, que empatou em casa com o Nacional. Se vencermos o SLB no dérbi de segunda-feira em Alvalade, passaremos a ter mais nove do que o nosso mais velho rival.

 

 

Não gostei
 

 

De Sporar. Exibição péssima do ponta-de-lança esloveno, que continua divorciado do golo. Desta vez não pode queixar-se de não ter sido servido pelos colegas, que lhe puseram a bola nos pés só para ele empurrar. Aos 33', falhou a emenda, a passe de Nuno Mendes. Aos 53', voltou a ser desastrado, desperdiçando uma quase-assistência de Nuno Santos. Não ataca a profundidade, não antecipa os movimentos dos companheiros, reage quase sempre tarde às solicitações que lhe fazem. É hoje, claramente, o principal ponto fraco da equipa.

 

Dos falhanços de João Mário. Também o campeão europeu mantém uma relação muito problemática com o golo, desperdiçando oportunidades sucessivas. Desta vez mais duas para a sua conta pessoal: aos 43', em posição frontal, optou pelo tiro-ao-boneco; aos 60', com Jovane desmarcado, atirou para a bancada. Além disso também não lhe saiu nada bem a marcação de um livre.

 

Do "critério largo" do árbitro Fábio Veríssimo. Deixou os jogadores do Boavista "distribuir fruta" desde o início do jogo, com 20 faltas deixadas impunes - metade das quais sobre Jovane, que passou grande parte do primeiro tempo estendido no relvado transformado em lamaçal. Aos 79', subitamente, decidiu mudar de critério, amarelando Palhinha - entrado três minutos antes - num lance de bola dividida, similar a dezenas do género que ocorrem em qualquer jogo. Por causa deste injustíssimo cartão, o nosso médio defensivo será em princípio excluído do Sporting-Benfica - um dos jogos grandes da temporada. Um acto de lesa-futebol. As imagens de Palhinha abandonando o campo lavado em lágrimas já fazem parte da iconografia leonina.

O dia seguinte

Não vou sequer falar do lance que todos sabem qual foi, muito me iria enervar e pouco iria acrescentar ao que os meus colegas muito bem disseram. Parece que o apitador esteve a falar com o Hugo Viana no final do jogo, o Sporting vai apresentar recurso, aguardemos. Vou falar apenas do jogo em si.

A lição que a equipa recebeu contra o Rio Ave funcionou e os primeiros minutos mostraram que o Sporting entrou no Bessa para resolver as coisas bem depressa. Ritmo vivo, bola a circular com critério entre sectores, Nuno Mendes e Porro bem soltos nos corredores, João Mário mais atrasado empunhava a batuta, Matheus Nunes vagabundeava e confundia marcações, Boavista em aflição constante e sem conseguir articular contra-ataques, o melhor que conseguiam era ter um ou outro livre a seu favor, fruto do mergulho de algum seu jogador, um primeiro golo já muito visto, centro tenso em diagonal do Nuno Mendes e desvio para golo do Nuno Santos, e depois... Sporar e João Mário a desperdiçarem, um, dois, três, quatro golos feitos, era só encostar, mas faltou o só. Era dia para Bas Dost fazer um "poker" como fez em Tondela há quase 4 anos, comigo na bancada.

Os minutos foram passando e quem não marca normalmente sofre, o desgaste da Taça da Liga começou a fazer-se sentir e Amorim refrescou a equipa, primeiro com Bragança, que pouco adiantou, depois com TT e Palhinha, e finalmente chegou o golaço do Porro. E o Sporting ganhou por dois, mas podia ter sido a goleada da época, Nuno Mendes voltou a ser quem é e foi de longe o melhor em campo nos 90 minutos, mas Porro mais uma vez marca um golo do outro mundo, e assim foi o herói da noite.

Concluindo, uma grande exibição do Sporting num campo sempre difícil, muito sofrimento desnecessário, Sporar está sem qualquer confiança, se calhar a pensar se fica ou se vai não sei para onde, falta um ponta de lança de nível para projectar esta equipa para outros patamares. Continuamos na liderança da Liga com 4 pontos de vantagem do perseguidor mais directo a dois jogos do final da 1.ª volta, e temos sem dúvida treinador e equipa, com ou sem um ou outro, para ganhar os dois jogos que faltam.

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

A voz do leitor

«Grande Porro, grande dedicação, o prazer que lhe deu esta vitória, as imagens dizem tudo. E Feddal, grande jogo. Tanto se disse quando da contratação: está velho, é só lesões, nunca fez nada em Espanha. Tomem e vão-se curar. Enorme Adán.»

 

Allfacinha, neste meu texto

O dia seguinte

(Hoje publicado no próprio dia)

"Agarraram-se uns aos outros", confessou Rúben Amorim no rescaldo da sofrida vitória de ontem em Alvalade. E foi assim mesmo. Duas equipas muito encaixadas, um Braga muito bem treinado e com rotinas que vem de épocas anteriores, um Sporting engasgado no seu processo de jogo e que resistiu na luta solidária. E mais uma vez... sem referência ofensiva, sem ponta de lança, que muita falta fez naquele primeiro tempo.

Assim, e depois de meia-hora de sofrimento, que incluiu um golo anulado por alguns centímetros, foi preciso uma jogada de oportunidade, com Nuno Mendes e Nuno Santos a interpretarem muito bem o que ali se pedia, para o até ali pior jogador do Sporting em campo encostar para o golo. Claro que até então existiram alguns lances que contra o Sporting seriam penáltis, mas que a favor existem as tais intensidades e factualidades que sempre servem aos ressabiados e comprometidos para justificar o injustificável.

E marcado o golo, o jogo mudou, as oportunidades ficaram muito mais repartidas, as substituições funcionaram, o segundo golo surgiu por Sporar e Matheus Nunes, e o 3-0 ficou mais próximo que o 2-1. O Braga ficou atordoado com o primeiro golo, caiu ao chão com o segundo.

Para mim, Porro foi o melhor em campo, conseguindo neutralizar Galeno e conduzindo lances de ataques bem perigosos pela sua ala. Mas Adán e os três centrais foram essenciais nesta vitória, foram a muralha que conseguiu travar os ímpetos dos bracarenses. Já Palhinha esteve uns furos abaixo do esperado, perdendo a posição e facilitando remates frontais dos adversários que podiam ter resolvido o encontro. João Mário foi tentando disfarçar muita coisa, nem sempre o conseguindo.

Podemos não ter o melhor treinador, podemos não ter o melhor plantel, podemos não ter o melhor onze, já nem falo no presidente que não vale a pena, mas temos de facto uma equipa em construção que honra os pergaminhos do Sporting, unida e moralizada, que conjuga a experiência de jogadores consagrados com o atrevimento dos jovens de Alcochete, e que tem tudo para ainda fazer mais e melhor.

E assim, continuamos à frente da Liga, o Braga (que alguns continuam a achar que tem melhor plantel que o Sporting) já está a 8 pontos e pode-se ir entretendo a lutar com o Guimarães pelo 4.º posto. Isto num ano em que três clubes portugueses terão hipótese de aceder à Champions...

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Do triunfo do Sporting sobre o Braga. Vitória leonina em Alvalade, por 2-0, contra um dos nossos mais temíveis adversários na Liga 2020/2021. Não esqueçamos que os vermelhos do Minho, há cerca de dois meses, venceram o Benfica na Luz (2-3). Superado este obstáculo, estamos agora oito pontos acima dos braguistas, que na época passada ficaram um lugar à nossa frente. 

 

De Porro. Melhor em campo: o jovem internacional espanhol superou com distinção o confronto individual com Galeno. Distinguiu-se nos desarmes, nas acções ofensivas pela ala direita, nos cruzamentos lá à frente. E com uma condição física invejável. É, naquele corredor, o melhor lateral do Sporting neste século. E nunca dá um lance por perdido. Quase no fim do jogo, celebrou com um punho no ar quando ganhou uma bola dividida que resultou em lançamento. Mal soou o apito final, foi exuberante e contagiante a sua alegria. À Leão.

 

De Adán. Grande exibição do nosso guarda-redes, que foi decisivo para bloquear o fluxo atacante do Braga nos momentos mais complicados da partida, nos últimos 15 minutos da primeira parte e no início da segunda. Duas enormes defesas, aos 32' e aos 63'. É um dos pilares desta equipa, que se apresenta em campo cada vez mais coesa e motivada.

 

De João Mário. Pura classe: fez o melhor jogo desde que regressou ao Sporting, imperando no meio-campo - tanto na construção ofensiva como no apoio à manobra defensiva. Superiorizou-se nos duelos com Musrati, incapaz de lhe travar o passo. Atravessa um excelente período também do ponto de vista físico: chegou ao fim do jogo sem acusar cansaço.

 

De Matheus Nunes. É um dos mais combativos jogadores leoninos, o que voltou a confirmar-se nesta partida. Entrou aos 72' para reforçar o nosso meio-campo e desta vez foi ainda mais eficaz do que já nos habituou: seis minutos depois, marcava o segundo golo, aparecendo com muita oportunidade em posição frontal. Ganhou o ressalto após excelente lance individual protagonizado por Sporar no corredor esquerdo e meteu-a lá dentro. Merecida estreia como goleador pela nossa equipa principal.

 

De mais um golo de Pedro Gonçalves. O médio ofensivo, alvo de marcação cerrada, teve uma primeira parte apagadíssima. Mas bastou-lhe uma oportunidade para aproveitá-la da melhor maneira, metendo a bola na baliza - o que já não sucedia há três jogos. Foi aos 54', convertendo em golo uma bola que vinha dos pés de Nuno Santos, já em desequilíbrio. Com este, já leva 11 marcados. Reforça assim a liderança na lista dos goleadores da Liga.

 

Do nosso bloco defensivo. Funcionou em sincronia perfeita, deixando os jogadores adversários em constante fora-de-jogo e neutralizando Paulinho, principal artilheiro do Braga. Qualquer dos centrais - Coates, Feddal e Neto - fez cortes providenciais e cirúrgicos. Não é por acaso que o Sporting mantém a melhor defesa da Liga: apenas oito golos sofridos em 12 jogos. Também não é por acaso que somos a única equipa invicta no campeonato nacional de futebol. 

 

Da nossa eficácia. Tivemos três oportunidades de golo, convertemos duas. Equipa com fome de títulos é mesmo assim: aproveita o que houver, sem desperdícios.

 

Da nossa sorte. Rúben Amorim costuma dizer que é um técnico "com estrelinha". Voltou a acontecer neste jogo: aos 40', na jornada mais perigosa do Braga, Musrati fez a bola embater no poste. Se entrasse, a história deste desafio teria sido diferente.

 

Da forma como Amorim mexeu na equipa. Mal marcámos o primeiro golo, o treinador trocou um desgastado Tiago Tomás por Sporar e Nuno Santos por Tabata aos 57'. A mudança produziu efeito, dando consistência à equipa: o Sporting passou a assumir o controlo definitivo do jogo, o que ainda mais se acentuou com a troca de Pedro Gonçalves por Matheus Nunes aos 72'.

 

De saber que nenhum dos jogadores tapados com cartões viu o amarelo. Coates, Feddal, Neto, Nuno Santos e Palhinha vão poder jogar contra o Nacional.

 

De ver sete portugueses no nosso onze titular. De início alinharam Neto, Palhinha, João Mário, Nuno Mendes, Pedro Gonçalves, Nuno Santos e Tiago Tomás. Em nítido contraste com Benfica e FC Porto, que têm entrado em campo com equipas quase só compostas por jogadores estrangeiros.

 

De ver a liderança reforçada. Somamos já 32 pontos, em 36 possíveis. Cumprimos a quinta vitória consecutiva, há 15 jogos que não perdemos em casa para a Liga. Vencemos dez dos últimos 11 jogos do campeonato. Estamos há seis jornadas consecutivas no primeiro posto. E continuamos a marcar em todas as partidas já cumpridas desde o início da temporada. 

 

 

Não gostei
 

 

Da nossa primeira parte. Entrámos bem, com aparente intenção de resolver cedo o desafio, mas por volta dos 20 minutos deixámos o Braga avançar no terreno e assumir o domínio do jogo, o que nos provocou alguns calafrios. Foi o período menos bem conseguido do Sporting. Ao intervalo, registava-se um empate a zero que castigava sobretudo o nosso desempenho, só com dois remates nesse período da partida - e nenhum deles enquadrado com a baliza. 

 

Da arbitragem. Fábio Veríssimo foi complacente e conivente com o comportamento antidesportivo de jogadores como Raul Silva (que fez várias faltas duríssimas mas só viu o amarelo aos 59'), Galeno (que rasgou propositadamente a sua camisola, quando já estava amarelado, e regressou ao campo vestindo a camisola de um colega, provocando duas paragens consecutivas no jogo sem receber sanção disciplinar) e o guarda-redes Matheus (que devia ter recebido vermelho directo quando entrou de sola às pernas de Sporar, junto à linha lateral, pondo em risco a integridade física do esloveno). 

 

Da vídeo-arbitragem. João Pinheiro, com os ecrãs à sua frente na chamada "cidade do futebol", não viu um empurrão de Rolando a Feddal, uma mão na bola de Fransérgio e um derrube de Tiago Tomás, sem bola, na grande área braguista. Três penáltis que ficaram por assinalar - dois dos quais, o primeiro e o terceiro, sem qualquer margem para dúvida. O VAR volta a inclinar o campo contra o Sporting. Já começamos a estar habituados.

 

De ver o nosso estádio sem público. Este Sporting-Braga merecia assistência ao vivo em Alvalade. Nem que fosse apenas 10% ou 20% da lotação habitual das bancadas. Lamentavelmente, as autoridades sanitárias que continuam a autorizar todo o género de espectáculos mantêm em quarentena sine die o futebol. É algo cada vez mais inaceitável.

And the winners are... Porro e Pedro Gonçalves

Concluídas as primeiras onze jornadas da Liga, com base nas apreciações dos três jornais desportivos diários que o Pedro Correia aqui nos traz e, se não me enganei a transcrever alguma pontuação, podemos então avaliar o desempenho dos jogadores deste plantel.

1. Pontuação Total:

Porro 175
Pedro Gonçalves 166
Nuno Santos 162
Adan 158
Coates 156
Tiago Tomás 151
Nuno Mendes 147
Neto 147
Feddal 140
10  Palhinha 137
11  Sporar 127
12  Matheus Nunes 126
13  João Mário 110
14  Jovane 85
15  Tabata 56
16  Daniel Bragança 54
17  Antunes 49
18  Vietto 44
19  Plata 39
20  Wendel 29
21  Inácio 23
22  Borja 5

 

2. Desempenho Médio:

Pedro Gonçalves 16,6
Porro 15,9
Palhinha 15,2
Nuno Santos 14,7
Nuno Mendes 14,7
Vietto 14,7
Wendel 14,5
Adan 14,4
Coates 14,2
10  Feddal 14,0
11  Tabata 14,0
12  João Mário 13,8
13  Tiago Tomás 13,7
14  Daniel Bragança 13,5
15  Neto 13,4
16  Sporar 12,7
17  Matheus Nunes 12,6
18  Jovane 12,1
19  Inácio 11,5
20  Antunes 9,8
21  Plata 9,8
22  Borja 5,0

 

3. Melhores em campo :

Pedro Gonçalves 18
Porro, Coates e Wendel 19
Nuno Mendes 19
Pedro Gonçalves e Nuno Santos 18
Pedro Gonçalves 20
Pedro Gonçalves e Sporar 20
Pedro Gonçalves 21
Pedro Gonçalves 19
Porro 19
10  Tabata 16
11  Adan 18

 

As contratações de Verão continuam a dominar estas classificações: Porro, Pedro Gonçalves, Nuno Santos, Adán estão no topo, Feddal está bem colocado, Tabata está em movimento ascendente, o único que destoa é Antunes.

Quanto aos jovens de Alcochete, Nuno Mendes e Tiago Tomás continuam em plano de destaque.

Coates, Palhinha e João Mário seguem num bom registo.

Sporar, Jovane e Neto continuam sem corresponder ao esperado.

Fica aqui aberta a discussão sobre estas pontuações.

SL

Pódio: Porro, Coates, Antunes

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Famalicão-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Porro: 19

Coates: 16

Antunes: 15

Palhinha: 15

Tabata: 14

Pedro Gonçalves: 14

Feddal: 14

Neto: 14

João Mário: 12

Tiago Tomás: 11

Sporar: 10

Nuno Santos: 10

Adán: 9

Borja: 5

Matheus Nunes: 5

 

Os três jornais elegeram Porro como melhor Leão em campo.

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Da nossa superioridade frente ao Famalicão. Empatámos 2-2 no mesmo estádio onde na época passada havíamos perdido por 1-3. Infelizmente o resultado da partida de hoje não traduz a qualidade da exibição leonina. Este nosso primeiro empate fora de casa da Liga 2020/2021 acaba por saber a pouco.

 

Dos nossos golos. O primeiro, apontado aos 37' por Pedro Gonçalves num excelente remate rasteiro, desenhando uma soberba diagonal com o pé esquerdo, após contornar uma floresta de pernas, para o ângulo mais difícil da baliza adversária. O segundo, um espectacular disparo de Porro na conversão de um livre directo quando estavam já decorridos 45'+4, no último lance da primeira parte, que terminou com o Sporting a vencer 2-1.

 

De Pedro Gonçalves. Vão escasseando os adjectivos para qualificar a actuação do ex-famalicense, o melhor jogador do campeonato. Hoje marcou o seu décimo golo em oito jogos da Liga: leva cinco partidas consecutivas a facturar, liderando destacado a lista dos goleadores. Infelizmente, no campeonato português os artistas como ele são tratados com desprezo e raiva pelos árbitros mais incompetentes, como o que hoje nos calhou pela segunda vez em nove jornadas.

 

De Porro. Incansável a controlar o nosso corredor direito, onde dá largas à sua vocação ofensiva. Mas o livre que transformou em golo foi marcado do lado esquerdo: é, sem dúvida um dos melhores do Sporting neste ano prestes a chegar ao fim. Já tinha ajudado a construir o nosso golo inicial, com uma recuperação de bola. E logo aos 7' cruzou de forma exemplar para Sporar, no que podia ter sido uma assistência para golo caso o esloveno não andasse em greve de remates. O jovem internacional sub-21 espanhol foi, para mim, o melhor em campo.

 

De Palhinha. Outra boa exibição do nosso médio defensivo, que no entanto parece algo desacompanhado naquela zona do terreno cada vez que Matheus Nunes fica fora do onze inicial. A sua influência na equipa mede-se não apenas pelos cortes que protagoniza e pelas recuperações que consegue, mas também pelas faltas que obriga os adversários a fazer. Desta vez, só à sua conta, foram amarelados três: aos 69', 83' e 87'. Destacou-se ainda por dois potentes remates com selo de golo, aos 32' e aos 54', forçando o guardião a defesas muito difíceis. Anda com vontade de marcar: não custa prever que vai conseguir metê-la lá dentro num dos próximos jogos.

 

Do centésimo jogo de João Mário pelo Sporting. O campeão europeu formado na Academia de Alcochete estreou-se na nossa equipa principal há nove anos, tendo sido lançado pelo treinador Domingos Paciência a 14 de Dezembro de 2011. Uma longa ligação, intensificada neste seu regresso ao clube em que espera sagrar-se campeão. Pena ter hoje falhado um remate crucial quando tinha só o guarda-redes pela frente, aos 78', atirando a bola para a bancada.

 

De ver o Sporting no comando da Liga. Aconteça o que acontecer nesta jornada, e apesar dos dois pontos hoje perdidos em Famalicão, manteremos o primeiro lugar. Continuamos a ser a única equipa invicta. E até agora marcámos em todas as jornadas do campeonato.

 

 

Não gostei
 

 

Do árbitro Luís Godinho. Saiu-nos na rifa pela segunda vez em nove jogos: é caso para dizer que andamos com azar. À terceira ronda do campeonato, o clássico Sporting-FC Porto, foi ele a inclinar o campo com uma arbitragem calamitosa, poupando o defesa portista Zaidu a duas expulsões ainda no primeiro tempo. Não contente com isso, expulsou Rúben Amorim ao intervalo por palavras em tudo idênticas às do treinador do FCP que fingiu não ter ouvido. Desta vez voltou a fazer estragos, novamente contra o Sporting: expulsou Pedro Gonçalves aos 80', por acumulação de amarelos com o primeiro cartão a ser exibido por alegada "simulação" que só existiu na cabeça dele, e aos 90' anulou um golo limpo a Coates que nos daria os três pontos. E voltou a expulsar o nosso técnico, imitando o que fizera em Alvalade, como se Amorim fosse uma espécie de hooligan dos treinadores portugueses. Uma vergonha haver sujeitos como este, que tudo fazem para lesar os virtuosos da bola e conspurcar o nosso futebol. 

 

De Adán. Muito intranquilo, o guarda-redes espanhol saiu disparatadamente dos postes, falhando o salto e permitindo que o Famalicão fizesse um golo no primeiro remate à nossa baliza, na sequência de uma bola parada, quando estavam decorridos 43'. Aos 89' sofreu o segundo golo - ao segundo remate - na conversão de um livre em que pareceu mal colocado na baliza e reagir tarde na tentativa de bloquear a bola.

 

De Sporar. Uma nulidade: com ele em campo, parecíamos jogar só com dez. Incompreensível, a decisão do técnico de mantê-lo em campo até ao minuto 63. Logo aos 7', incapaz de fazer a emenda frente à baliza, desperdiçou um cruzamento milimétrico de Porro. Aos 57', isolado por Coates, atrapalhou-se com a bola na grande área e acabou por oferecê-la a um adversário. E ainda foi ele a falhar a marcação a Gustavo Assunção no livre de que resultou o primeiro do Famalicão: ficou parado, de braços caídos, a "marcar" com os olhos. Merece ir para o banco.

 

Do penálti falhado por Nuno Santos. Estavam decorridos 22 minutos quando o ala canhoto, chamado a converter uma grande penalidade, rematou de modo muito denunciado, permitindo a defesa do guarda-redes. Teria sido o nosso primeiro golo - e, com a bola lá dentro, a história desta partida seria bem diferente. Mas é revelador que tenha sido Nuno Santos a marcar o penálti e não Sporar, ponta-de-lança, como seria mais lógico. Uma prova - mais uma - da falta de confiança do esloveno nos seus atributos goleadores.

 

Do nosso primeiro empate fora de casa. Até agora, só contávamos por vitórias todos os desafios na condição de equipa visitante. Não admira este desaire, pois passámos a jogar com menos um numa fase decisiva do jogo e ainda tivemos o apitador a actuar contra nós, permitindo entradas violentas, a todo o momento, aos jogadores do Famalicão enquanto mandou para a rua Pedro Gonçalves, um dos profissionais menos faltosos do campeonato português.

And the winners are... Porro e Pedro Gonçalves

Concluídas as primeiras seis jornadas da Liga, com base nas apreciações dos três jornais desportivos diários que o Pedro Correia aqui nos traz e, se não me enganei a transcrever alguma pontuação, já podemos começar a fazer uma ideia do desempenho dos jogadores, e assim também do que foram as contratações deste mercado de Verão.

 

1. Pontuação Total

1 Porro 95
Nuno Santos 94
Nuno Mendes 93
Pedro Gonçalves 89
Adan 86
Tiago Tomás 86
Feddal 84
Coates 83
Matheus Nunes 82
10  Neto 82
11  Sporar 68
12  Palhinha 60
13  Jovane 57
14  Vietto 44
15  João Mário 44
16  Daniel Bragança 42
17  Wendel 29
18  Plata 21
19  Antunes 18
20  Tabata 12
21  Inácio 11

 

Desempenho Médio:

Pedro Gonçalves 17,8
Porro 15,8
Nuno Santos 15,7
Nuno Mendes 15,5
Palhinha 15,0
Vietto 14,7
João Mário 14,7
Wendel 14,5
Adan 14,3
10  Tiago Tomás 14,3
11  Feddal 14,0
12  Daniel Bragança 14,0
13  Coates 13,8
14  Matheus Nunes 13,7
15  Neto 13,7
16  Sporar 13,6
17  Tabata 12,0
18  Jovane 11,4
19  Inácio 11,0
20  Plata 10,5
21  Antunes 9,0

 

3. Melhores em campo (Considerando o Gil Vicente na jornada 1):

Pedro Gonçalves 18
Porro, Coates e Wendel 19
Nuno Mendes 19
Pedro Gonçalves e Nuno Santos 18
Pedro Gonçalves 20
Pedro Gonçalves e Sporar 20

 

 

Que observações posso fazer:

1. A importância de Alcochete

Nunca é demais realçar a importância da Academia de Alcochete, fundada por José Roquette, no sucesso do Sporting. O actual presidente tem o mérito de ter percebido isso bem cedo e de a ter recuperado duma decadência causada por miopia, desleixo e falta de investimento. Com uma política de formação baseada no jogador e não na equipa do seu escalão etário, a definição e fidelização dum grupo de elite, a participação dos mesmos na pré-época do ano passado, a recuperação da equipa B, temos agora nesta lista nove jogadores formados ou acabados de formar em Alcochete. E ainda faltam Max, Quaresma, Joelson e Pedro Marques que um dia destes também aqui estarão.

2. Mercado de Verão muito bem conseguido

No topo das pontuações estão Porro, Nuno Santos, Pedro Gonçalves, Adán e Feddal. Os únicos que destoam são Antunes, que veio para suplente de Nuno Mendes, e Tabata. Quando pensamos que gastámos menos de 20M€ com estas aquisições para vendermos pelo dobro (Matheus Pereira, Vietto, Wendel e mais um ou outro), não há dúvida que desta vez Varandas e Hugo Viana estão de parabéns, mas isto só é possível porque Rúben Amorim veio no momento certo, com tempo: testou, escolheu, afastou quem teve de afastar, disse o que pretendia e veio quem ele entendeu que devia vir com o pouco dinheiro que existia. Só faltou o tal... ponta de lança. 

3. Dois futuros craques

Ainda com ambos nas selecções de sub-23 de Portugal e Espanha, não é difícil vaticinar que Porro e Pedro Gonçalves, com o grande potencial que demonstram, estão na calha para as selecções A e vão valer algumas dezenas de milhões de euros num futuro não muito distante. Depois de Bruno Fernandes, foram duas excelentes contratações e, tal como Bruno, não precisaram de grande tempo de adaptação: chegaram, viram e demonstraram.

4. Pontos fracos

Analisando as pontuações, facilmente se comprova que os sectores mais fracos são o centro do ataque e o centro da defesa. Em nenhum destes sectores existem jogadores no topo. Esperemos que a situação se altere para melhor.

 

Fica aqui aberta a discussão sobre estas pontuações.

SL

Um passeio em Alvalade

Foi uma noite tranquila que tivemos ontem em Alvalade, contra um adversário que se espalhou pelo terreno todo libertando o talento dos nossos jovens, os lances de golo foram-se sucedendo, a falta de pontaria dos nossos e o engenho ou a sorte do guarda-redes deles ditaram o resultado final. A Bola conta 21 remates enquadrados do Sporting contra um do adversário. Tratou-se dum Tondela tenrinho, bem diferente para pior daqueles de Petit, Pepa ou do espanhol do ano passado que nos roubaram pontos preciosos, desde logo com aquele golo a cair do pano em Alvalade no primeiro ano de Jorge Jesus que deu o empate.

Teríamos sido campeões com esses dois pontos.

 

Mas também fizemos por isso. Rúben Amorim acudiu às nossas preces e voltámos a ter ponta de lança.

Numa simulação Sporar começou por dar o golo a marcar a Pedro Gonçalves que falhou na cara do guarda-redes, esteve no seu sítio no 1.º golo, se calhar teria sido penálti se o Pedro não tivesse marcado, assistiu para o 2.º, marcou o 4.º. Ainda falhou um golo que não devia falhar, mas lutou muito e foi a referência atacante que faltava. João Mário voltou aos tempos de voz de comando do meio-campo, como fazia na equipa B anos atrás, com a classe do campeão europeu que é (salvo no capítulo do remate), Tiago Tomás foi um operário muito útil na faixa direita, e Pedro Gonçalves (a melhor aquisição do Sporting depois de Bruno Fernandes?) mais uma vez fez a diferença.

 

Todos os outros estiveram mais ou menos bem, Porro e Palhinha mesmo muito bem, e os três defesas cumpriram a sua missão,  Coates conseguiu mesmo provocar o fora de jogo que evitou o golo contra.

Até nas bolas paradas estivemos bem, criando perigo nessas situações com Coates a falhar o alvo por muito pouco numa delas. Onde continuamos a não estar bem é nos remates de longe, ou por falta de sorte, ou de treino, ou de jeito ou doutra coisa qualquer.

Uma palavra para a arbitragem, sóbria e competente, nos antípodas dos artistas de apito na boca que sempre nos enviam. Nada a dizer sobre os amarelos. Completamente escusados nos casos de Matheus Nunes e Nuno Santos.

 

Enfim, há dias assim, têm sido é muito poucos. Aproveitemos o momento, mas não nos esqueçamos que o caminho é longo e difícil, a começar pelo Guimarães. E o Braga continua próximo.

2.ª feira, 2 de Novembro de 2020: o Sporting a liderar  a 1.ª Liga. Quem diria?

SL

Uma equipa competente

Ontem em Paços de Ferreira vimos uma equipa do Sporting que, embora atravessando as maiores dificuldades em termos de disponibilidade do plantel, treinador incluido, para treinar e jogar, entrou em campo lançada ao ataque para resolver o jogo bem depressa. Assim deverá ser sempre: contra as equipas pequenas o tempo joga sempre a desfavor.

Mais uma vez a falta dum artilheiro fez-se sentir. Se contra os escoceses foi Jovane, agora foi Tiago Tomás que esteve particularmente desastrado em frente à baliza adversária e foi preciso o apitador de serviço, no intervalo da sinfonia de amarelos com que brindou o Sporting, descortinar um penálti pelo facto de Tanque ter levado com uma bolada no braço, para nos adiantarmos no marcador. Valha a verdade que pelo menos estava de frente para a bola: em Portugal já vimos muitas vezes coisas semelhantes e em Inglaterra a coisa foi ainda bem pior, com o nosso Eric Dier, de costas para o adversário, a levar também com a bola no braço, o Mourinho a perder dois pontos nos descontos e o treinador adversário a dizer que "é um total disparate... isto tem de acabar". Isto é a lei da "bola na mão" ou a interpretação da mesma feita pelos árbitros. 

O golo, a lesão de Jovane poucos minutos depois e o teatro constante dos jogadores do Paços acabaram por desconcentrar o Sporting. Tiago Tomás foi egoísta e estragou uma jogada de golo. Chegámos ao intervalo com a vantagem mínima. O intervalo fez bem à equipa e passámos a controlar o adversário sem grandes problemas, ganhando tranquilamente. Adán, que esteve muito bem a desfazer dois centros do Paços e a colocar a bola à distância, não teve um remate enquadrado para defender.

Se a equipa valeu pelo todo, com Coates "el patron" imperial, os dois alas, Porro e Nuno Mendes, estiveram particularmente bem. Matheus Nunes é aquele jogador de que muitos não gostam, mas luta que se farta, varia jogo com qualidade, tem sido o carregador do piano que Wendel toca naquele meio-campo.

Bragança dá gosto ver jogar. Com Palhinha, Matheus Nunes, Wendel e também Pote temos um meio-campo com muitas soluções, sendo que Wendel se assume como titular indiscutível.

No ataque Amorim tem procurado tirar o melhor partido do plantel disponível e fisicamente capaz. Esta ideia de alinhar com três avançados móveis bem perto uns dos outros está a dar frutos, retirando referências e baralhando marcações às equipas adversárias, mas não chega para o que aí vem. Embora reconhecendo o esforço de Sporar, falta mesmo alguém que do pouco faça golos.

 

PS: Entretanto parece que se confirma que Ristovski é uma carta fora do baralho de Amorim. Depois de Plata, ontem foi Nuno Mendes que substituiu Porro na ala direita. A Bola fala na possível promoção de Bruno Gaspar. Já que ninguém pega num jogador que custou 5M€...

SL

A rede

Sem argumentos físicos para aguentar com os matulões escoceses durante 90 minutos, o Sporting lançou-lhes uma rede feita de passes e temporizações de que eles quase nunca se souberam libertar.

Assim Adán chegou ao fim sem qualquer intervenção digna desse nome, se excluirmos ter enviado para canto um centro de longe, mais ou menos transviado, que se dirigia para o canto superior direito da baliza.

Já o Sporting teve quatro oportunidades flagrantes. Tiago Tomás concretizou uma e falhou outra na sequência dum grande centro de Porro (jogo de cabeça precisa-se), e Jovane desperdiçou ingloriamente as duas que teve.

O melhor em campo do Sporting foi mesmo Porro. Bem a defender, incisivo a atacar, centros por alto e por baixo bem medidos, temos finalmente um defesa/ala direito em condições.

Coates, "el patrón", esteve imperial. Sempre o considerei como um dos craques do plantel, andou sempre num enquadramento que muito o prejudicava, sempre a ter de sair da posição para dobrar um defesa direito ausente em parte incerta, sem rins para aguentar a velocidade dos extremos contrários. Agora bem no meio da defesa é simplesmente imprescindível.

Tiago Tomás, mau jogo de cabeça à parte, continua a surpreender. Não se dá muito por ele, mas naquela posição de interior direito luta, assiste e marca. E neste sistema do Amorim é isso que se pede àqueles dois jogadores mais próximos do ponta de lança.

Depois deles, e com tudo o que tem acontecido, muita gente sem ritmo competitivo para os 90 minutos, jogadores que já vimos fazer bem melhor. Vietto é o melhor exemplo. 

Depois do Paços vem já aí o Lask, e muito há que melhorar para ultrapassarmos os austríacos, basta lembrarmo-nos daquela primeira parte em Alvalade na época passada onde nos livrámos por pouco de ir para o intervalo com três ou quatro golos sofridos. Depois acabámos por dar a volta ao resultado e ganhar o jogo, e na Áustria foi o que se conhece, muito por culpa da rotação de jogadores que Silas resolveu promover.

Mas esta equipa do Sporting não é a barata tonta desse tempo, mesmo desfalcado dos melhores jogadores de então entra em campo com a lição bem estudada, sabe o que quer fazer e o que não quer deixar o adversário fazer, e luta pela vitória. E acredito que vamos conseguir entrar na Liga Europa.

Finalmente, chamou-me a atenção a entrada de Plata para render Porro. Ristovski cada vez mais está na porta de saída? Porque também acho que o melhor lugar para Plata é mesmo esse, e não em zonas mais interiores do terreno. Tem o físico e a concentração que Camacho não tem. Com Porro a jogar assim e Plata a especializar-se na posição se calhar estamos finalmente bem servidos à direita. Um tema a acompanhar.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D