Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Dois pesos, duas medidas

Como ontem acentuava aqui o João Goulão, é inaceitável que duas ligas de futebol profissional sejam tratadas de forma antagónica pelo poder político e pelas autoridades federativas. Em nome de que critério de equidade o modelo que serve para a Liga 1 (realização das jornadas em falta até à conclusão da época desportiva 2019/2020) é oposto ao modelo adoptado para a Liga 2 (conclusão imediata da competição, sem apuramento de vencedor)?

Entre os efeitos secundários da pandemia em curso no capítulo do desporto, o mais intolerável será o aprofundamento das chocantes assimetrias já existentes no futebol português - o que parece indiciar-se, desde logo, pelo facto de apenas representantes de três clubes terem sido admitidos na selecta reunião realizada há dias no palacete de São Bento para definir os passos mais urgentes a dar na modalidade. Que o Sporting tenha sido um desses três clubes não é motivo para silenciarmos a indignação.

O lugar certo do Sporting

21791170_VK6ei[1].jpg

 

O lugar certo do nosso clube só pode ser este, com Frederico Varandas ou seja com quem for, a defesa dos interesses do clube e do futebol profissional em Portugal, em frente ao poder político e desportivo, Governo, Liga e Federação, e num plano de igualdade com os outros dois grandes clubes portugueses.

A postura de desafio e hostilização permanente dos poderes instituídos nacionais e internacionais, com ou sem razão, não leva a lado nenhum, porque o Sporting não joga sozinho, não é dono da bola, se não gosta do que acontece não pode pegar nela e levá-la para casa, e no fim do dia são eles que mandam e o Sporting é prejudicado nas decisões, fora e dentro do campo. 

Há muitos anos que o Sporting por incapacidade, espírito de superioridade ou outra coisa qualquer foi deixando de ter peso nos poderes desportivos em Portugal e consequentente na arbitragem, peso esse que foi sendo ganho primeiro pelo Porto (o "sistema" denunciado por Dias da Cunha) e depois pelo Benfica (o "polvo vermelho") das mais variadas forma e algumas mesmo mafiosas. Ora isso teve reflexo óbvio no rendimento desportivo e também na relação com o poder político, um "cata-vento" sempre alinhado com os vencedores.

Ultimamente vimos a dificuldade que Frederico Varandas encontrou para ser ouvido pelo ministro para tratar do problema das claques. Se fosse o presidente do Benfica, o ministro viria a correr, sendo o do Sporting o problema era... do Sporting.

Mas também temos de nos lembrar que antes disso a última vez que o poder político tinha chamado o Sporting para intervir perante si, descontando as recepções pelas vitórias nacionais e europeias alcançadas na época passada, no caso na Assembleia da República a 3/4/2018, foi brindado por uma intervenção grosseira e infeliz do ex-presidente, sob um olhar envergonhado do Nuno Saraiva que não sabia em que buraco se havia de enfiar, e que terminou da forma mal-educada que conhecem: https://www.youtube.com/watch?v=tUiTwID32YA. 

Respeitar e ser respeitado. É isso que tem sempre de acontecer com o Sporting Clube de Portugal.

SL

Director Desportivo, precisa-se

Na sequência duma troca de ideias "on-line" com o "nosso" Pedro Azevedo, fui alinhavando algumas ideias sobre esta figura de director desportivo, com a ideia de fazer um post sobre o assunto, guardei-as em rascunho no dia de ontem por falta de tempo para as terminar mas também porque estava com a impressão de estar a debitar banalidades e que me estava a faltar o essencial.

Eis que leio hoje que Frederico Varandas anda à procura dum director desportivo e vejo Carlos Freitas metido na conversa, enfim, parece realmente então que vale a pena discutir a questão, e acabar o que me tinha proposto fazer.

Em primeiro lugar, acho que importa discutir a questão em termos de Sporting Clube de Portugal e não de Frederico Varandas, de Bruno de Carvalho, João Benedito, Ricciardi, ou seja quem for. Por isso, quem ande nessas guerras, passe à frente e ignore o que vou dizer, tem outros posts deste blogue, manifs, facebooks e tascas virtuais onde pode dizer de sua justiça.

Então vamos lá discutir a figura do director desportivo.

Em primeiro lugar quem é o melhor director desportivo da 1.ª Liga? Bom, se a pergunta fosse o treinador, enfim podia dizer quem no meu entender seria o melhor. Se a pergunta fosse o presidente, também teria uma opinião. Mas director desportivo? Nem sei quem são, quanto mais o que fazem ou deixam de fazer...

Mas se formos para outras Ligas e países, então já encontramos directores desportivos, alguns até famosos, alguns até portugueses (Antero Henriques e outros), alguns que até conseguem "pôr os patins" em treinadores que foram importantes no próprio clube (Leonardo Jardim).

Mas então porque não existem directores desportivos em Portugal como existem lá fora?

Bom, penso que será tudo uma questão de poder.

O poder dos treinadores está nas vitórias, vivem na corda bamba dos resultados, passam rapidamente de bestiais a bestas e vice-versa. Seja quem for o presidente, enquanto o treinador for ganhando ninguém lhe toca.

O poder dos presidentes em Portugal está nos votos dos sócios. E os sócios querem vitórias. Então a primeira missão de qualquer presidente é encontrar um treinador que consiga as tais vitórias. E quer estar próximo e partilhar dos louros dessas vitórias. E descartar-se dos treinadores que não ganham.

O problema é que é preciso ovos para se fazerem omeletes, ou seja, é preciso jogadores para se conseguirem vitórias, e os jogadores bons para uns treinadores são maus para outros. Então um presidente não se pode dar ao luxo de cada treinador exigir um cabaz de jogadores que para ele são essenciais mas que passam a ser descartáveis para o treinador seguinte. Ou seja, tem de aguentar com o "entulho" que cada novo treinador deixa no final da "sua obra".

Então faz falta realmente uma figura que garanta os interesses a longo prazo do clube, construindo plantéis, gerindo carreiras, promovendo, contratando, dispensando e emprestando jogadores, articulando com a formação, promovendo um modelo de jogo e uma cultura táctica transversal a todas as equipas do clube, construindo uma "linha de montagem" de jogadores que garantam sucesso desportivo e financeiro ao clube.

Uma figura necessariamente profissional, conhecedora do mercado, explorando o scouting interno, não obrigatoriamente adepta do próprio clube, que até possa permanecer no cargo quando um novo presidente seja eleito.

No Sporting até existiram figuras assim, como Luís Duque e Carlos Freitas, e fomos duas vezes campeões com Duque. 

Mas existiram essas figuras quando na presidência do Sporting também existiram presidentes com uma visão empresarial do clube e da SAD, que pretendiam alguma distância do relvado e alguém a gerir a coisa. Como Roquette, Dias da Cunha e Godinho Lopes. Tal como existem esses presidentes ou donos de clubes nas Ligas estrangeiras, onde existem os tais directores desportivos.

Mas como podem existir directores desportivos em clubes portugueses onde os presidentes têm a mania que percebem de futebol, que contratam e despedem, vêm a público protestar contra tudo e contra todos quando a equipa perde, sentam-se no banco e andam aos pulos no relvado nas vitórias? Ou, pior um pouco, quando existem presidentes-adeptos?

Concluindo, sou a favor da criação na SAD do Sporting Clube de Portugal da figura do director desportivo profissional, que não seja um mero ajudante do presidente da altura, com um quadro de poder e de responsabilização adequado à configuração e capacidade financeira da SAD, tendo como limite a não criação dum poder bicéfalo e conducente ao divórcio entre as duas entidades (vide Belenenses). 

Fico a aguardar os vossos comentários.

SL

O Estado que é o futebol

Cada vez é mais notório que o futebol há muito que deixou de ser somente um desporto. É neste momento uma indústria que move pelo Mundo um número com demasiados algarismos.
De tal forma é importante que, em países como o nosso, o desporto-rei ganhou estatuto de um Estado, dentro de outro Estado.

O nosso futebol tem tamanho poder que não há político que não goste de aparecer ao lado dos homens da bola. Então em competições europeias é vê-los. Mesmo que noutros desportos a presença de equipas lusas em finais seja mais frequente.

A propósito, gostaria de saber quantos políticos estiveram presentes no Pavilhão João Rocha aquando da Final da Liga dos Campeões em Hóquei-em-Patins entre o FC Porto e o Sporting. Acho que nem é necessário responder. Agora imagine-se o que aconteceria se fosse no futebol…

Este novel Estado pretende ser tão independente que nem permite a intervenção da justiça fora dos seus próprios tribunais.

Mas, como qualquer Estado que se preze, este tem também os seus aliados. E as televisões são um dos exemplos.

Venho agora discorrer sobre este tema porque ainda estou para perceber porque é que a final da Supertaça se jogará domingo perto das 21 horas. É que se não houver atrasos, nem prolongamentos, nem grandes penalidades, este jogo acabará por volta das onze da noite.

Os adeptos da equipa vencedora certamente irão ficar no campo até a sua equipa receber a taça. O que equivale a dizer que só muito perto da meia-noite esses mesmos adeptos estarão de regresso a casa. Agora imagine-se se houver tempos adicionais a que horas se sairá do estádio…

Seria bom que este Estado percebesse que realmente o futebol só existe… porque há adeptos. E estes deveriam ser os primeiros a merecer respeito. No entanto tal não acontece.

Os clubes envolvidos são os verdadeiros culpados, ao deixaram que a organização deste evento esteja não só refém de um canal de televisão, mas também por não se imporem perante os patrocinadores.

Percebo que o adepto de sofá é deveras importante. Mas aquele que vai ao estádio mereceria muito mais consideração por parte das entidades organizadoras.

Digo eu…

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D