Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Olhar para casa antes de olhar para fora

Texto de Pedro Sousa

20200308_172417.jpg

 

No Sporting, temos a tendência para extremar posições. Nos dias que correm, uma opinião radical é considerada uma opinião independente e até, de confronto a quem pensa de forma diferente. Uns e outros, errados.

O SCP é um Grande, com a obrigação de jogar para ganhar todas as competições, sempre, com os melhores atletas possíveis. Por outro lado, temos o ADN formador que é a nossa imagem de marca. É na mescla entre bons jogadores adquiridos e os melhores jovens da formação que está o presente e o futuro, que honra o nosso passado.

Perante a nossa capacidade formadora, não faz sentido adquirir dez ou mais jogadores por época. Ainda menos se a qualidade é duvidosa ou tem o único propósito de gerar comissões. O ideal é [haver] menos aquisições por ano (três, quatro, cinco no máximo), mais qualidade (e só para posições deficitárias), mesmo que isso implique maior investimento individual. Olhar sempre para casa antes de olhar para fora. Os achados, por norma, não se encontram na loja da esquina. Slimani foi a boa excepção.

 

O plantel sénior deveria ter um máximo de 23 ou 24 atletas, três guarda-redes e 20 jogadores de campo, dois por posição (avançados-centros, talvez três). As finanças agradeceriam e os jovens das equipas inferiores também, que [assim] poderão ter mais oportunidades no plantel sénior.

A Taça da Liga, pelo menos numa fase mais precoce, deveria ser disputada pelos mais jovens, mesmo que isso implicasse uma eliminação. Os jovens de maior qualidade devem competir no escalão etário seguinte, como aliás, é política desta direcção (este bem-fazer em nada apaga tanta outra incompetência e a necessidade de mudarmos).

 

Em condições normais, se todos os anos conseguirmos integrar dois jovens no plantel sénior e um deles começar a jogar regularmente, é um êxito tremendo. Só em condições anormais é que costuma sobrar espaço para a entrada de vários jovens na equipa principal em simultâneo. E nem todos têm que entrar aos 18 anos. Não deverá acabar aí o sonho do atleta. Existirão a equipa B e eventuais empréstimos, para evoluir e reclamar uma oportunidade.

Para concluir, devem jogar os melhores. Sejam eles da formação ou não.

 

Texto do nosso leitor Pedro Sousa, publicado originalmente aqui.

Divagações em tempo de quarentena (6)

Quanto vale o plantel do Sporting? Ou melhor, qual é o valor de mercado do plantel do Sporting?

Vamos responder à questão utilizando os dados da plataforma Transfermarkt (TM), que foram revistos em baixa a 8 de Abril devido provavelmente à pandemia:

  1. Valores dos principais planteis, incluindo emprestados e vendas em curso:

 

Benfica               269,9M€

Porto                  217,53M€

Sporting             98,25M€ (c/ Jese e Bolasie)

Braga                  89,5M€  (c/ Trincão e Palhinha)

Guimarães        40,38M€

  1. Valor de mercado do plantel alargado do Sporting, ou seja, o conjunto dos jogadores com contrato profissional com o clube

 Sporting                          114,65

Jogador

Idade

ValorMercado

     

Marcos Acuña

28

12,00

Matheus Pereira

23

9,50

Sebastián Coates

29

8,00

Wendel

22

8,00

Luiz Phellype

26

6,50

Vietto

26

6,00

Rodrigo Battaglia

28

5,50

Palhinha

24

4,80

Valentin Rosier

23

4,80

Jovane Cabral

21

4,50

Abdoulay Diaby

28

4,00

Idrissa Doumbia

22

4,00

Rafael Camacho

19

3,60

Andraz Sporar

26

3,20

Stefan Ristovski

28

3,20

Cristian Borja

27

2,80

Luís Maximiano

21

2,70

Miguel Luís

21

2,70

Eduardo Henrique

24

2,40

Renan Ribeiro

30

2,00

Tiago Ilori

27

2,00

Misic

25

2,00

Luís Neto

31

1,60

Bruno Gaspar

26

1,20

Jérémy Mathieu

36

1,20

Mattheus  Oliveira

25

1,20

Chico Geraldes

25

1,00

Gonzalo Plata

19

0,90

Gelson Dala

23

0,80

Ivanildo Fernandes

24

0,80

Pedro Marques

21

0,50

Daniel Bragança

20

0,48

Pedro Mendes

20

0,45

Leonardo Ruiz

24

0,33

Joelson Fernandes

17

0,00

Eduardo Quaresma

18

0,00

Nuno Mendes

17

0,00

Matheus Nunes

21

0,00

Rodrigo Fernandes

19

0,00

 

 

 

 

           

Analisando estes valores, frutos de uma má época com maus treinadores, é óbvio que este lote de jogadores vale bem mais do que os 115M€. Desde logo porque os mais jovens não estão valorizados, excepção feita a Max e Miguel Luís, e os melhores estão mesmo subavaliados.

Por exemplo, falando de defesas esquerdos, no Benfica Grimaldo (24) está avaliado em 28M€ e no Porto Alex Telles (27) em 32M€. Nenhum deles é titular das suas selecções. Acuña só vale 12M€ ?

 

Quanto a Vietto, no Benfica Rafa (26) em 24M€ e no Porto Otávio (25) em 13,5M€. Vietto só vale 6M€?

Mas enfim, é o que temos.  Esta situação só pode mudar com um bom treinador, e duvido muito que Rúben Amorim nos desiluda porque parece mesmo que é um bom treinador, e com bons desempenhos nas diversas competições e entrada na Champions. Mas também pode ser ajudada pelo bom desempenho dos nossos estrangeiros internacionais nas respectivas selecções e temos Wendel, Plata, Doumbia, Battaglia, Coates, Acuña e Borja nessas condições.

 

PS: Gostei de ler o elogio (merecido) de Bruno Fernandes a Marcel Keizer, um treinador que, como Boloni, continua a ser de alguma forma menosprezado pelos Sportinguistas. No pouco tempo que cá esteve ganhou duas taças ultrapassando Braga, Benfica e Porto. Há sempre quem prefira recordar aqueles que com muita presença e atitude falharam nos momentos críticos e deixaram as taças nas salas de troféus dos outros.

SL

Divagações em tempo de quarentena (1)

Tenho para mim que a fórmula de sucesso para o futebol do Sporting está há muito inventada, um plantel com 1/3 de jovens de elevado potencial, 1/3 de jogadores de classe com alguns anos de casa e o resto de "carregadores de piano" que saibam compensar com a garra e força do seu carácter as suas limitações técnicas, e por cima disso tudo um treinador disciplinador, exigente e inspirador. Foi assim com Malcolm Allison, foi assim com Boloni, podia ter sido assim com Bobby Robson.

Olhamos para o plantel actual do Sporting: dos 26 contam-se 9 sub-23, dos quais se destacam Wendel e Plata, um da selecção olímpica do Brasil, outro da selecção A do Equador, entre todos imagino que tenham um valor de mercado de cerca de 50M€. O terço de jovens de elevado potencial está lá.

Já quanto aos craques, e com boa vontade, apenas posso vislumbrar quatro: Mathieu, Acuña, Coates e Vietto.

E quanto aos carregadores de piano, os que lutam até ao fim e raramente comprometem, apenas posso vislumbrar cinco: Renan, Neto, Battaglia, Sporar e Luiz Phellype.

Sobram assim 8 em 26 que se afastam desta tipificação e que em meu entender pouco acrescentam ao plantel. Já têm 23 ou mais anos, e ou não são suficientemente bons ou não são suficientemente fortes psicologicamente, raramente resolvem e muitas vezes comprometem.

É muita gente e é gente que custou muito dinheiro. Não falando no caso muito especial de Francisco Geraldes, temos Ristovski, Rosier, Ilori, Borja, Eduardo, Bolasie (emprestado) e Jesé (emprestado) que penso que custaram cerca de 25M€. Salários à parte, excepto nos emprestados.

Obviamente que, com Rúben Amorim, um ou outro destes jogadores poderá revelar qualidades nunca vistas e demonstrar a sua importância, mas quando falamos num plantel pobre para as necessidades do Sporting este é o maior problema.

O outro é que com as saídas de Bas Dost e de Bruno Fernandes ficaram apenas quatro para fazer a diferença. E se Mathieu arrumar as botas, restarão apenas três...

SL

O terceiro melhor plantel da Liga

Se dúvidas existissem na cabeça de alguns, esta última sequência de jogos do Sporting depois da saída do seu capitão, melhor jogador e melhor jogador da Liga, vieram demonstrar que dispomos sem dúvida alguma do terceiro melhor plantel da Liga, porventura inferior aos dois rivais mas muito acima dos outros competidores pelo terceiro posto.

Dispomos de internacionais pela Argentina, Brasil, Uruguai, Colômbia, Equador, Eslovénia, Macedónia, França, para além de Portugal, alguns deles julgados imprescindíveis pelos respectivos seleccionadores. Quantos existem no Braga, no Guimarães ou no Rio Ave? Se calhar um ou outro de que sinceramente não me recordo. E se calhar os melhores que lá estão vieram de Alvalade...

Dispomos de um conjunto de jovens com tremendo potencial: Max, Plata, Camacho, Jovane (as lesões o permitam), Doumbia e Pedro Mendes. E outros a rever: Miguel Luís e Francisco Geraldes.

Passámos a dispor do artilheiro da Liga Europa, que já começou a facturar.

Continuam a não existir de facto muitos jogadores de classe extra, e quando faltam um ou mais (Mathieu, Coates, Acuña, Vietto) nota-se logo e às vezes paga-se caro. 

A verdade é que temos um treinador que demorou uma eternidade a fazer o óbvio: dar sequência ao trabalho de Marcel Keizer e pôr a equipa a jogar naquele 4-3-3 que facilmente permite que cada um saiba o que anda a fazer em campo. Com o trio do meio-campo estabilizado, Battaglia a 6 (a subir de jogo para jogo depois da lesão grave que teve), Wendel a 8, e Vietto a 10, temos logo bom futebol e não aquela "mastigação" inconsequente que fomos vendo, muitas vezes disfarçada pelo talento do Bruno. 

Pois esse treinador não conseguiu fazer durante demasiado tempo do terceiro melhor plantel da Liga pelo menos a terceira melhor equipa da Liga, menos ainda conseguiu ganhar taças derrotando os dois rivais como fez Marcel Keizer. 

Esperemos que agora que já interiorizou que não vai continuar finalmente demonstre que o consegue. 

SL

A importância de falar claro

image[1].jpg

 

«O plantel do Sporting fica muito longe do plantel do Benfica e do Porto. Muito longe. Tem alguns bons jogadores, mas não tem muitos bons jogadores. Tudo aquilo que aconteceu na Academia vai demorar dois, três anos a recompor-se. Foi muito grave o que aconteceu na Academia. Com poucos resultados, esta situação ainda se agrava mais. Mas devemos constatar que este plantel do Sporting não é tão bom (ou perto disso sequer) como o do Benfica e o do Porto. Daí a diferença pontual que já existe relativamente a essas duas equipas e esta irregularidade que o Sporting vem demonstrando. Jogadores de top, o Sporting tem muito poucos. O Sporting, para ter melhores resultados, precisa de melhores jogadores. Pode andar a mudar de treinador, a mudar de presidente, mas aquilo de que precisa é de um plantel mais reforçado.»

 

Vítor Oliveira, na conferência de imprensa após o Gil Vicente-Sporting

Balanço provisório

 

Precisávamos de um ponta-de-lança. Não veio nenhum ponta-de-lança.

 

Precisávamos de reforçar a defesa. Não veio nenhum reforço para a defesa.

 

Precisávamos de um médio defensivo de raiz. Não veio nenhum médio, muito menos com características defensivas.

 

Temos portanto mais três alas. Quando já tínhamos/temos Jovane, Plata e Camacho nessas posições, além de Acuña.
Falta-nos um médio defensivo de raiz
Falta-nos, com manifesta urgência, reforçar a defesa.
Falta-nos, acima de tudo, um ponta-de-lança que concorra com Luiz Phellype.

 

Sobre isto, nada de novo.
Temos um dos plantéis mais desequilibrados de que há memória.
E só um português no onze titular - nem sequer formado no Sporting

As atenuantes de Keizer

As limitações de Keizer já foram expostas à saciedade. Sobretudo na "organização defensiva" (peço desculpa pelo jargão) que desde o primeiro jogo da pré-época deu sinais alarmantes que só se têm vindo a agravar. Os porquês disto, que sendo evidentes para quem está na bancada sê-lo-ão certamente ainda mais para quem lida com eles, só podem ser esclarecidos por quem está "lá dentro", coisa que nunca acontecerá.

Posto isto convém realçar que, desde que me lembro, nunca vi um treinador chegar a este ponto da época, já com o campeonato a decorrer a todo o vapor, e ver o ponta-de-lança de referência e toda a ala direita da equipa irem-se embora, sentir a falta gritante de um n.º 6 de raiz e ter que dar as boas vindas a uma carrada de extremos. Ou seja, ver todo o (fraco) trabalho de entrosamento deitado fora, ver a demorada adaptação de Vietto a uma nova posição tornada inútil e ter que desenhar e treinar toda uma nova articulação entre os jogadores.

(Fernando Santos ainda hoje se queixa de lhe terem subtraído o Simão por volta desta altura, dando este acidente como causa da sofrível época que padeceu.)

Do descalabro que se anuncia - adorava estar enganado - convém desde já dizer que Keizer terá não mais do que uma quota parte de responsabilidade.

 

PS - Só espero daqui a dois anos não estarmos a lamentar a venda de Thierry  Correia por uns 40M€ que podiam ser nossos se ele tivesse crescido (tem todas as condições para isso) no Sporting.

Um plantel do presente ou do futuro?

Não tendo visto o último jogo, não vou comentar a táctica e o desempenho de um ou outro jogador. À distância parece-me que, com a novela Bruno Fernandes, Marcel Keizer se encontra entre a espada e a parede, a rezar para que o dia 8 chegue depressa duma forma ou doutra.

De qualquer modo, a responsabilidade primeira pelo que se passou ontem em Alvalade é mesmo dele, quer pela organização (ou falta dela) da equipa em campo ou por apostar em jogadores que fazem a diferença ou por apostar naqueles de quem se espera sempre o pior, e o pior quase sempre acontece.

Mas a responsabilidade primeira pela constituição do plantel é do presidente, e é por aí que deveremos analisar a estratégia para o futebol do Sporting para esta época e seguintes.

Foram apresentados 29 jogadores, com uma média etária de 23,8 anos e um valor de mercado de 194 M€:  31% 17-20, 17% 21-23, 24% 24-26, 17% 27-29, 10% 30-35

Trata-se, como mais uma vez venho dizer, duma grande aposta na formação: 48% do plantel é sub-23, sendo que 60% desses, oito no total, são mesmo produtos de Alcochete (considerando Camacho de fora). 

Depois é um plantel equilibrado em termos etários, com apenas três jogadores a ultrapassar os 30 anos.

Quanto a jogadores de classe extra, existem apenas cinco: Bruno Fernandes, Coates, Mathieu, Acuña e Bas Dost. Qualquer saída neste sector vai ser muito difícil de colmatar.

Quanto a jogadores sem classe para jogar no Sporting, de capacidade insuficiente para os objectivos do clube, infelizmente existem alguns no plantel. Uns que escaparam à triagem do entulho da era Bruno/Jesus, outros que chegaram mais recentemente e sabe-se lá porquê. Bruno Gaspar, Ilori, Ristovski, Diaby e Vietto têm muito que mostrar para provarem a sua utilidade e serem mais-valias para a equipa em vez de pesos mortos.

Sendo assim, vamos ter um plantel à altura dos desafios desta época ou vamos ter um ano zero de algum futuro qualquer?

SL

O plano E, de Excedentários

O colega José Cruz fala e muito bem do plano B, venho aqui falar do plano que agora mesmo deve estar a consumir mais horas de trabalho ao presidente, o plano E.

Aparentemente os excendentários, jogadores que ultrapassaram o prazo de validade no Sporting e que não contam para o treinador, correspondem a 20-25% da despesa anual em salários da SAD. Ou seja, dava para pagar os 5M€ mais um ano de salário ao Bruno Fernandes, e ainda sobrava muito. São eles:

1. Viviano

2. Bruno Gaspar

3. André Pinto

4. Jefferson

5. Petrovic

6. Alan Ruiz (nem merece a pena falar do mano)

7. Leonardo Ruiz

Já tendo sido colocados:

8. F. Geraldes (empréstimo)

9. A. Geraldes (empréstimo)

10. Ryan Gauld (rescisão)

11. Carlos Mané (rescisão)

12. Iuri Medeiros (venda)

13. Mama Baldé (venda)

Independentemente do apreço pelas pessoas envolvidas, e por exemplo Petrovic e André Pinto sempre deram provas de esforço e dedicação, e das razões que tenhamos para contestar este ou aquele nome, eu por exemplo tenho muita pena que Ryan Gauld tenha saído, não há dúvida que a saída negociada deste lote será muito importante para o equilíbrio financeiro da SAD e para o bom decorrer da temporada.

Quanto a Gelson Dala ficaria muito satisfeito se ele ficasse em detrimento de Diaby. Matheus Pereira mais uma vez está a pôr-se a jeito para sair também.

SL

Bruno, fica! Senão, estamos fodidos... (Ristovski)

Não sei se será exactamente assim, mas pelo que se vê vai ser bem complicado que assim não seja. A equipa que ganhou a Taça no Jamor foi retocada com base em jogadores de segundo plano e jovens promissores e não se vê mais ninguém que possa ser ao mesmo tempo a voz de comando e o desequilibrador. Nem tão pouco dois jogadores que no conjunto possam cumprir essa tarefa.

Keizer volta a apostar na fórmula do ano passado. Nas suas palavras, o "passing game". Quatro defesas clássicos, ausência de trinco, antes dois médios de construção a revezar-se na protecção central à defesa, um ponta agressivo de pé contrário a procurar a profundidade com o outro ponta a jogar por dentro e a entrar nos terrenos do ponta de lança, o ponta de lança a bascular e solicitar tabelas, poucos cruzamentos por alto e... o Bruno Fernandes. Com o regresso dos que ainda estão em férias e a recuperação do Rosier, imagino que a equipa tipo que ande na cabeça de Keizer seja:

Renan; Rosier, Coates, Mathieu e Borja (ou Acuña); Eduardo, Wendel e B. Fernandes; Acuña (ou Vietto), Dost e Raphinha.

Depois temos vários jogadores que poderão em qualquer momento substituir qualquer um destes sem grandes problemas, Ristovski, Neto, Doumbia, Luiz Phellyppe. 

Dos mais novos, Max, Camacho e Plata parece-me que vão ser aposta, Miguel Luís e Jovane estão a passar um pouco ao lado da oportunidade e se calhar precisariam de crescer um pouco mais num empréstimo a uma equipa da 1.ª Liga. Os outros jovens "muito verdinhos" parece-me que estariam melhor para já na equipa sub-23. Desses gostei particularmente do Nuno Mendes a lateral esquerdo.

 

Ficam então (pelo menos para mim) as grandes dúvidas no que respeita à constituição do plantel.

Jogadores que estão a render muito pouco com a camisola do Sporting: Bruno Gaspar, Ilori, Ivanildo, Diaby e Matheus Pereira, o regressado de lesão grave Battaglia. Daqui a poucos dias iremos saber quantos destes se vão juntar aos excedentários que já treinam por Alcochete.

E falta ver também o que vai acontecer a Gelson Dala, que se calhar não deve nada a Diaby ou a Vietto. Ryan Gauld também não percebo porque não tem lugar no plantel, o seu futebol intuitivo e vertical tinha tudo para fazer de Wendel no modelo de Keizer. Coisa que Miguel Luís não consegue.

Mas realmente fica, Bruno!! Senão...

 

PS: O penteado de Thierry Correia deve ter com certeza a ver com aprimorar a técnica de cabeceamento... 

SL

Uma nova época, uma época nova

Começou hoje uma nova época de futebol no Sporting, com um primeiro grupo de 22 jogadores a realizar testes médicos e os primeiros treinos, 13 jogadores da formação no grupo.

Com um outro grupo de jogadores importantes (Bruno Fernandes, Acuña, Wendel, Diaby, Coates, Plata, Dala e alguns outros) ainda envolvidos nos compromissos com as selecções nacionais, ou a competir ou a gozar férias pré-competição, alguns deles que poderão sair por ofertas difíceis de recusar, e com algumas contratações ainda a decorrer, nem todos esses jogadores integrarão o plantel no ínicio do campeonato. Alguns serão emprestados ou vendidos.

De qualquer forma, cada um terá oportunidade de justificar perante Keizer a permanência. Alguns deles, sinceramente, estão a mais do que a tempo de o conseguir, porque não basta serem da formação, terem feito uma ou outra coisa excelente aqui ou ali, terem o seu espaço no afecto dos sócios: têm mesmo de justificar competência para ombrear com os melhores do plantel e serem candidatos consistentes à titularidade. E não uma eterna promessa. Ilori, Matheus Pereira e Iuri Medeiros estão neste lote.

Além disso, e para estarem nesse grupo, alguns outros ficaram de fora da apresentação e estão na calha para sair: Viviano, André Pinto, Jefferson, Petrovic, Ryan Gauld, Mattheus Oliveira, Alan Ruiz e alguns mais. E Gudelj, pelos vistos, é carta fora do baralho.

Parece assim que o plantel vai levar uma volta considerável na linha do que aqui se foi dizendo e comentando. Mais barato, mais equilibrado, mais peso da formação. Mas, como dizia Keizer, tudo vai depender da permanência ou não dos poucos jogadores de classe extra de que dispomos. 

SL

Ouvindo e lendo

Parece que não, mas a final da Taça já foi há duas semanas e um dia destes teremos o regresso aos trabalhos de Keizer e a sua equipa.

Do que se vai ouvindo e lendo, que Sporting vamos ter?

1. Continuidade absoluta no que respeita aos guarda-redes, com Max a assumir o lugar de n.º 2. Com Salin como terceiro guarda-redes, parece-me muito bem. 

2. Banda direita com Ristovski e talvez Rosier (Dijon), Mama Baldé e R. Camacho (Liverpool). Se fosse assim, despachando-se Bruno Gaspar, e pelas boas referências de Rosier e Camacho, ficávamos com uma ala direita promissora.

3. Banda esquerda com Borja, mas talvez não Acuña. Borja pode chegar à titularidade da Colômbia com Queiroz, Acuña já está titular da selecção da Argentina, e os 20M€ que o Sporting pede por ele podem facilmente ser assegurados. Aqui ficaríamos pior, Acuña é um dos pilares deste Sporting. Não sei se algum da outra banda se adapta à esquerda.

4. Centro da defesa com Mathieu, Coates, Neto (Zenit) e mais dois a decidir conforme ofertas. André Pinto e Ilori no mercado. Domingos Duarte com propostas. O essencial foi já resolvido.

5. Meio-campo sem Bruno Fernandes mas com Gudelj, Wendel, Miguel Luís e talvez Eduardo (Belenenses) e Malinovski (Gent). Mais alguém dos excedentários (Petrovic, Misic, A. Ruiz, F. Geraldes) conforme ofertas que existam. Seria uma evolução na continuidade. O ucraniano tem coisas do Bruno Fernandes, capacidade de remate e assistências. 

6. Extremos "bi-laterais" à moda de Keizer,  Diaby, Raphinha, Jovane e Plata (grande campanha nos Sub-20), Iuri Medeiros e Matheus Pereira no mercado. Tudo muito levezinho, falta um "Marega" . Não há ofertas pelo Diaby??? Vamos ver o que faz pelo Mali.

7. Pontas de lança: Bas Dost, Luiz Phellype e Vietto, talvez Gelson Dala e Slimani. Vejo muito mais o Slimani como o tal "Marega" do que como concorrente de Bas Dost. Poucos golos marcou Slimani nos ultimos anos. Bas Dost teve a sua pior época ao serviço do Sporting, mas pode facilmente voltar a ser o grande artilheiro da equipa. Não há muitos como ele por aí.

 

Concluindo, muitos jogadores ainda sob contrato para decidir o que fazer, vender ou emprestar. Mais um que não motivou a compra, Geraldes que foi emprestado ao Gijon, uma descoberta brilhante de Inácio num sítio qualquer.

 

Outras questões:

1. Acabaram as conversas com o Benfica de Braga sobre Palhinha. Mantém-se a situação actual e o jogador poderá voltar ou ser vendido. Grande aplauso. Fiquem com o Paulinho (mas quem é que quer o Paulinho ???).

2. O plantel (sem emprestados) valorizou-se 26M€ nesta época, dados do Transfermark. E com emprestados como seria?

3. Saindo Bruno Fernandes (já me conformei) e talvez Acuña (este ainda não), com Mathieu e Gudelj a baixar de ordenado, e com excedentários caros a serem despachados, como Petrovic, com certeza a folha salarial vai baixar significativamente.

SL

Sporting 2019-2020 - Algumas ideias para debate

Acabada que foi com relativo grande sucesso a presente época, com um treinador estabilizado e mais adaptado à realidade portuguesa à frente da equipa, que Sporting vamos ter para enfrentar a época que se aproxima, desde logo para ganhar a Supertaça em Agosto?

Algumas ideias sobre o que penso que deveria ser a construção do plantel:

1. Garantir a continuidade dos craques. Temos cinco: Coates, Mathieu, Acuña, Bas Dost e Bruno Fernandes. O último já se percebeu que está de malas aviadas para o futebol inglês, logo se verá para onde. Sobram quatro que não devem mesmo sair porque, por muito caros que sejam, contratar iguais ou melhores ainda mais caro vai ser.

2. Limpar o entulho, jogadores que passaram ao lado da titularidade ou fora do prazo de validade. O Pedro Correia já comentou o assunto, dos que começaram a época, Salin, B. Gaspar, A. Pinto, Jefferson, Lumor, Misic, Petrovic, Diaby, F. Geraldes, Mané e Matheus Pereira podem sair com algum encaixe financeiro. Iuri Medeiros também. Mesmo Battaglia poderá sair porque já tem 27 anos e vai ter uma temporada de recuperação da grave lesão que sofreu. 20 ou 30 M€ no conjunto? Ou mais?

3. Recuperar os jogadores emprestados que mais se distinguiram e que merecem uma nova oportunidade. Mama Baldé, Gelson Dala,  Ivanildo, Domingos Duarte.

4. Recuperar jogadores que custaram bem caro, que se tresmalharam nos empréstimos para uma nova oportunidade. Por exemplo, "el loco" Alan Ruiz: se calhar valerá a pena arriscar no rapaz porque como está não interessa a ninguém. A mesma coisa se aplica a Ryan Gauld.

5. Manter quatro ou cinco dos melhores sub-23 no plantel em posições onde possam ter oportunidades, emprestar para rodar os restantes. Max, Miguel Luís, Jovane, mais um ou outro, entre Daniel Bragança, Thierry Correia, Pedro Mendes ou Pedro Marques.

6. Contratar bons jogadores para as posições mais carenciadas: defesa direito, defesa esquerdo, médio ofensivo, avançado rompedor. Que tragam peso, altura, jogo de cabeça, capacidade de centro e remate ao plantel.

Seria então um plantel do tipo:

GR: Renan, Max, Aquisição1

DD: Aquisição2, Ristovski

DE: Borja, Aquisição3

DC: Coates, Mathieu, Neto, Ilori e Ivanildo

MC: Doumbia, Gudelj, Eduardo, M. Luis, Wendel

MO: Aquisição4, Ryan Gauld, Alan Ruiz

Int/Ext: Acuña, Raphinha, Jovane, Plata, Mama Baldé

Avançados: Bas Dost, Luiz Phellype, Gelson Dala, Vietto, Aquisição5 

Teríamos aqui um plantel de 30 jogadores, com 7 que passaram pela Academia, a tal quota que tenho referido.

Que vos parece?

SL

A festa foi de arromba, ficámos felizes !!! Mas... Queremos mais, muito mais !!!

Ontem com a cerimónia na CML fechou-se a melhor época desde há muitos anos do futebol do Clube em termos de títulos conquistados, mas não chega para nós Sportinguistas, queremos mais, muito mais. Não nos conformamos em ser o terceiro clube português, queremos ganhar a Liga, queremos andar na Champions.

Para lá chegarmos temos de produzir mais e melhor que este ano, e para isso precisamos também duma estrutura financeira que não temos. E de investir com cabeça.

Mas temos alguma coisa:

1. Uma estrutura de futebol coesa e competente, desde o treinador ao roupeiro, passando pela área médica e de performance desportiva. Vimos isso na final da Taça, uma equipa que aguentou 120 minutos a correr e a lutar e a ganhar nos penaltis. Com o "velhinho" Mathieu a encostar Marega às cordas, a sprintar no prolongamento e a fuzilar no penálti.

2. Alguns (muito poucos) jogadores de classe extra: Bruno Fernandes, Mathieu, Coates, Acuña e Bas Dost, que não podem mesmo sair, ou melhor, só podem sair em condições irrecusáveis. Saindo Bruno Fernandes, que venham dois ou três iguais ou melhores que estes.

3. Outros (poucos) jogadores que vão entrar no 2.º/3.º ano de clube e que poderão render muito mais do que renderam este ano: Renan, Borja, Doumbia, Wendel, Gudelj, Luiz Phellype, Raphinha.

4. Outros (poucos) jogadores da formação, sub-23/24, já com alguma rodagem nos seniores, que poderão ser mais valias importantes para o plantel: Miguel Luís, Jovane, Mama Baldé, Ivanildo, Matheus Pereira, Gelson Dala, Plata (foi uma formação de dois meses...) e, porque não, aqueles que estão a passar ao lado duma grande carreira: Francisco Geraldes e Ryan Gauld.

Mas o que também temos é um conjunto de jogadores sem as condições necessárias para este novo desafio, que fracassaram ou que não conseguem manter o rendimento de outrora, pela idade, lesões ou outra coisa qualquer: Salin, Bruno Gaspar, André Pinto, Petrovic e Jefferson, além dos emprestados como Viviano, Lumor e Misic, sendo que Ristovski, Diaby e Ilori acumularam más exibições e duvido que consigam lá chegar. Battaglia é uma incógnita, depois da lesão grave que teve, análoga à do promissor Paz. Alan Ruiz parece que fundiu o fusível, tinha todas as condições para estar no conjunto dos craques. E na equipa sub-23 o único jogador que vejo com rendimento de 1.ª Liga é Pedro Mendes. Tudo o resto muito verdinho.

Quanto a aquisições, Neto, Vietto e Eduardo (?) vêm enriquecer o plantel, mas não parece que venham fazer a diferença.

Saindo Bruno Fernandes e só Bruno Fernandes, olhando para o que existe, quem é que iria procurar no mercado ?

  1. Um defesa direito sólido, eficiente, que feche bem por dentro, e com muito boa capacidade de centro/remate. Coisa que não temos há muitos, muitos anos. Assim um Alex Telles de pé direito. 
  2. Um distribuidor de jogo com chegada à área e marcador de golos. Assim um novo Bruno Fernandes.
  3. Um avançado dextro que saiba descair para a ala, peitudo e rompedor, com bom jogo de cabeça, tipo Slimani. Mais um marcador de golos.
  4. Um guarda-redes para lutar com Renan pela titularidade e libertar Max para ir rodar noutro clube. Cláudio Ramos, do Tondela?

Não vale a pena comprar por comprar, ou trazer alguém que venha estragar o bom ambiente e a dinâmica de vitória que se regista. Por isso, da Argentina, da Argélia ou doutro sítio qualquer, que venham jogadores com espírito de equipa, com cabeça, com raça, ambiciosos e determinados. Que venham leões. 

Esqueci-me de alguém? Que vos parece? 

SL

Quem são os três melhores?

Quando vão decorridas 32 jornadas deste campeonato, chegou o momento de - pela quarta e última vez - dirigir aos leitores a seguinte pergunta: quem são, na vossa opinião, os três melhores jogadores do Sporting?

Peço-vos que respondam por ordem de preferência para eu poder atribuir um valor decrescente a cada um: três pontos ao primeiro, dois ao segundo, um ao terceiro. No final, daqui a poucos dias, farei aqui uma leitura dos resultados e a comparação com as vossas avaliações no final da jornada 8, no final da jornada 16 e no final da jornada 24

Os três melhores: Bruno, Acuña, Coates

Conforme prometido, divulgo hoje o resultado o inquérito promovido aqui há quatro dias, junto dos nossos leitores e também dos meus colegas de blogue, sobre os melhores jogadores do Sporting nesta época 2018/2019, quando já se disputaram mais de dois terços das jornadas do campeonato.

Houve muitas respostas, como previ: registei 45. Correspondendo ao meu pedido para a indicação de três nomes por ordem decrescente.

Decidi atribuir três pontos ao jogador mencionado em primeiro lugar, dois ao que figurava em segundo e apenas um ao que ficou em terceiro.

 

 

21320558_IlK75.jpeg

 

 

A classificação ficou assim estabelecida:

 

Bruno Fernandes: 134 pontos

Acuña:                        41 pontos

Coates:                       32 pontos

Renan:                        28 pontos

Mathieu:                    19 pontos

Wendel                         9 pontos

Nani:                             3 pontos

Raphinha:                    1 ponto

Montero:                      1 ponto

Salin:                             1 ponto

Francisco Geraldes    1 ponto

 

Breves comentários:

  • Há pouco mais de quatro meses, Bruno Fernandes - agora vencedor incontestado - nem sequer subiu ao pódio.
  • Inversamente, os dois mais votados em Novembro, Nani e Montero, obtêm agora votações residuais. Nenhum deles, aliás, se encontra já no Sporting.
  • Bas Dost, o segundo com mais votos há mês e meio, desta vez não recebe qualquer menção.
  • Coates tem uma subida fulgurante: de apenas um voto recolhido em Janeiro, ascende agora ao pódio, com 32 votos.
  • Entrada directa de Renan para o quarto posto, confirmando a simpatia dos adeptos pelo guarda-redes brasileiro, sucessor de Rui Patrício.
  • Francisco Geraldes, com um voto isolado, em estreia absoluta.
  • Jovane, Miguel Luís, Bruno Paz e Gudelj, mencionados na anterior votação, desta vez desaparecem do mapa.
  • Wendel progride, embora lentamente: sobe de cinco para nove votos.
  • Nenhum dos reforços de Inverno merece destaque: Borja, Ilori, Idrissa Doumbia e Luiz Phellype.
  • Desde a ronda inicial destas votações, há jogadores que nunca foram mencionados: Ristovski, Bruno Gaspar, André Pinto, Jefferson, Petrovic e Diaby.

 

Fica aberta a partir de agora a discussão sobre estas escolhas na caixa de comentários.

ADN de Campeão

Já dizia Jorge Jesus que esta coisa do ADN de Campeão não surge do nada, constrói-se, é preciso muito tempo e muito esforço para ele surgir e demostrar o que vale. Já dizia também alguém que construir demora muito, destruir quase nada, e o destituido encarregou-se do assunto no que ao futebol diz respeito a partir do sofá.

Vem isto a propósito de ter ido ao Pavilhão João Rocha ver a nossa brilhante equipa de andebol estar quase todo o tempo a perder e acabar a ganhar ao concorrente directo ao título, o Porto, e chegar a casa e ver o mesmo Porto a ganhar a 3 minutos do fim ao Roma e ganhar quase tantos milhões quantos nós vamos ter com um fundo qualquer, é a triste situação em que nos deixou o dito cujo. E nessa magnífica jornada de andebol até estava um jogador de futebol na bancada, o Acuña, lá com o seu chazinho de mate e acompanhado daquela senhora que indispôs a mana do tal destituído, suspenso e em breve expulso.

E fiquei a pensar se haveria algum ponto comum ou semelhança entre esta nossa brilhante/fantástica, o que quiserem, equipa de andebol, a equipa do Porto que conseguiu a passagem à eliminatória seguinte no prolongamento e a nossa actual tristonha e deprimente equipa de futebol profissional. 

Se calhar existe. Renan, Coates, Mathieu, Acuña, Bruno Fernandes, Bas Dost e o lesionado Battaglia têm aquela coisa que falta para dar "a extra mile" e conquistar. Já o demonstraram. Outros havia, mas o destituído correu com eles. Adrien e Patrício à cabeça. 

Por muito que aposte na formação, olho para todas as promessas actuais e parece que lhes falta muita coisa. Um tal Mama Baldé é a excepção.

Não será possível manter estes, pagando o que for preciso, ir buscar mais uns iguais a estes, já temos outros que não são estes mas que fazem umas flores de vez em quando, e ter um treinador que consiga extrair o melhor de todos eles, e fazer do todo uma coisa maior do que a soma das partes, como consegue um tal Canela no andebol ?

E mandar embora os emplastros que abundam no plantel? E não trazer mais porque sim?

Ou é pedir muito?

E ainda há quem fique incomodado com 1,6M€ para o Bruno Fernandes ficar? Ou o que custou a permanência de Acuña e Battaglia? Comparado com o que custaram Viviano e B. Gaspar, dois emplastros de todo o tamanho?

SL

Quem são os três melhores?

Quando vão decorridas 24 jornadas deste campeonato, chegou o momento de - pela terceira vez - dirigir aos leitores a seguinte pergunta: quem são, na vossa opinião, os três melhores jogadores do Sporting?

Peço-vos que respondam por ordem de preferência para eu poder atribuir um valor decrescente a cada um: três pontos ao primeiro, dois ao segundo, três ao terceiro. No final, daqui a dois ou três dias, farei aqui uma leitura dos resultados e a comparação com as vossas avaliações no final da jornada 8 e no final da jornada 16

A manta é curta... e quando tapa a cabeça, destapa os pés. (Parte 2)

Em 18/12/2018 dizia eu o seguinte:

 

"Quantidade de qualidade é o que falta ao plantel do Sporting esta época, e que está na raiz dos altos e baixos a que vimos assistindo. Problema esse agravado pelas lesões, se calhar muitas delas derivadas da indigente pré-época que tivemos. Peseiro pagou a factura, Keizer já veio de mansinho deixar o aviso à navegação.

 

Dividindo o plantel em quatro grupos, os "Bons", aqueles que fazem quase sempre a diferença, os craques, os "Suficientes", que justificam plenamente o lugar que ocupam e que fazem a diferença de vez em quando, os "Insuficientes", que por muito esforçados que sejam estão aquém das necessidades, e os "Maus", que estão a fazer número e que nunca se percebeu porque ali foram parar, se por miopia ou comixão, temos o seguinte:

Bons (21%): Acuña, Coates, Mathieu, Nani, Bas Dost, B. Fernandes

Suficientes (36%): Renan, Salin, M.Luís, Jovane, Montero, Raphinha, Gudelj, Diaby, Battaglia, Wendel

Insuficientes (25%): B. Gaspar, Ristkovski, Jefferson, B. César, A. Pinto, Petrovic, Mané

Maus (18%): Viviano, Marcelo, Lumor, Misic, Castaignos

Ora facilmente se constata que pouco mais de metade do plantel reúne condições para ajudar o Sporting a conquistar títulos, todo o restante muito precisa de melhorar ou então ser substituído.

 

Por outro lado, e quanto à origem temos o seguinte:

Da formação:  4

Portugueses contratados: 3

Europeus: 9

Africanos: 2

Sul-americanos: 10

Ou seja, o plantel é dominado por uma verdadeira legião estrangeira (75%), sendo a parcela da formação diminuta. Também aqui o desequilíbrio é gritante.

 

Sendo assim, parece realmente que as expectativas criadas na cabeça de alguns pelos últimos resultados são exageradas, o próprio modelo de jogo desgasta e cria condições para lesões e baixas de forma, e o plantel tem de levar uma volta importante em Janeiro para que possa corresponder às necessidades do Sporting.

Alguns pontos que acho essenciais para essa volta:

1. Despachar pelo menos meia dúzia de estrangeiros que nada acrescentam.  

2. Aumentar a quota dos craques, indo buscar dois ou três jogadores de eleição, altos e pesados, que levezinhos já temos muitos, um defesa direito tipo Mathieu, um trinco tipo William/Danilo e um ponta de lança móvel tipo Slimani.

3. Aumentar a quota da formação, do ADN do Sporting, fazendo regressar jogadores como Adrien e/ou F.Geraldes e/ou Matheus e promovendo jogadores como B.Paz e/ou Thierry.

4. Aumentar a quota dos portugueses contratados, contratando um ou outro rapaz com talento e raça que se tenha destacado nas selecções, como Eustáquio.

 

Até lá temos que ter alguma calma, acho eu, e sempre e em todas as situações, apoiar a equipa e deixar o assobio em casa.

SL "

 

Este post, em que sublinhei algumas frases, foi amplamente debatido no blog, várias pessoas criticaram a classificação, uns pelas designações utilizadas, outros entendendo que tinha sido injusto com um ou outro, A.Pinto à cabeça.

 

Passados quase 2 meses, muitos jogos incluindo Porto, Braga e Benfica (2), uma Taça da Liga ganha (convém não esquecer, por pouco importante que seja a competição) que dizer da classificação e da reestruturação do plantel efectuada ?

 

1. Os Bons (6) continuam bons e continuam lá, mas Mathieu e Nani andam presos por arames e Acuna estará de saida.

2. Os Suficientes (10) continuam suficientes e continuam lá, pese as lesões, uma ou outra exibição menos conseguida ou estarem a jogar claramente fora do seu lugar (Gudelj).

3. Dos Insuficientes (7), 2 sairam e os outros se calhar deviam ter saído também, muitos directamente associados aos golos sofridos e às derrotas do clube. B.Gaspar e A.Pinto no topo. 

4. Os Maus (5)  sairam todos, um para os sub-23.

 

Quanto aos pontos que elencava para a volta necessária no plantel:

 

1. Despachar pelo menos meia dúzia de estrangeiros que nada acrescentam. Foram despachados exactamente 6, 1 para os sub-23.

2. Aumentar a quota dos craques, indo buscar dois ou três jogadores de eleição, altos e pesados, que levezinhos já temos muitos, um defesa direito tipo Mathieu, um trinco tipo William/Danilo e um ponta de lança móvel tipo Slimani. Nada de nada e estamos na iminência de perder Acuña.

3. Aumentar a quota da formação, do ADN do Sporting, fazendo regressar jogadores como Adrien e/ou F.Geraldes e/ou Matheus e promovendo jogadores como B.Paz e/ou Thierry. Vieram Ilori e Geraldes, mas M.Luis deixou de jogar.

4. Aumentar a quota dos portugueses contratados, contratando um ou outro rapaz com talento e raça que se tenha destacado nas selecções, como Eustáquio. Nada de nada.

 

E vieram Doumbia, Luiz Phellipe, Borja e Plata, se calhar para a classe dos Suficientes, ainda é muito cedo para dizer alguma coisa.

 

Resumindo e concluindo, saindo Acuña a manta corre o risco ficar ainda mais curta e vai ser difícil escapar ao 4º lugar na Liga, eliminação na Taça e eliminação numa das eliminatórias seguintes da Liga Europa. E Keizer corre o risco de ter uma passagem "à Vercauteren" pelo Sporting Clube de Portugal. Obviamente espero que esteja redondamente enganado.

 

Não estou com isto a desancar Varandas e as contratações de inverno, parte do trabalho ficou feito. Como dizia o Luís Duque "tragam-me o livro de cheques e a vassoura e eu resolvo o problema", e o livro de cheques ficou perdido algures no assalto terrorista de Alcochete e na actuação alucinada do destituido até ao último dia em que se manteve entricheirado em Alvalade. 

 

SL

Reforços ou nem tanto (parte 3)

A poucos dias de fecho do mercado, e com a grande dúvida ou não de Acuña (passou muito ao lado da festa, os colegas bem puxaram por ele, mas parece estar mesmo de saida), vai-se conhecendo a esperada arrumação de casa no plantel do Sporting:

Saem: Viviano (GR), Marcelo (DC), Lumor (DE), Misic (M), Bruno César (M), Mané (E),  possivelmente Castaignos (PL) e (que pena) Acuña (DE/E).

Entram: Ilori (DC), Borja (DE), Doumbia (M), Francisco Geraldes (M), Luiz Phellype (PL)

Plantel emagrecido, mais jovem, menos despesa, mais peso da formação, tudo coisas boas, mas... plantel reforçado?  Tenho dúvidas...

Entretanto os milhões das rescisões continuam em parte incerta, Patrício e William ajudaram o presidente na resolução do problema no que respeita a cada um deles, mas os restantes continuam bem complicados. A falta de rendimento do Gelson Martins no Atlético Madrid tambem em nada ajudou.

Vamos ver o que acontece ainda até ao fecho do mercado.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D