Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Palhinha em discurso directo

«É sempre bom estar aqui. Destaco o trabalho da equipa: o mais importante nesta fase é ganhar ritmo para que, quando se comece a sério, termos o ritmo e competitividade necessária. Queremos sempre ganhar, é espírito de equipa grande. Temos feito uma boa pré-temporada. Já represento o Sporting há muitos anos e é sempre um prazer representar este clube e jogar aqui.»

 

João Palhinha, em declarações aos jornalistas após o Sporting-Valladolid (2-1). Desmentindo, de viva voz, todos quantos - inclusive em caixas de comentários deste blogue - tinham garantido que o jogador não queria jogar mais no Sporting e havia até jurado nunca mais vestir a camisola verde-e-branca.

Deixo um singelo conselho a todos esses: não confundam desejos com realidades.

Depois do jogo de hoje

7IQBTKGY.jpg

Jogadores do Sporting festejam o golo da vitória (2-1) contra o Valladolid

 

O quarto jogo de preparação do Sporting, desta vez contra a equipa espanhola do Valladolid, levou-me a concluir que tenho agora ainda mais razão para reiterar, linha por linha, tudo quanto escrevi aqui há dois dias, não apenas no texto principal como nas caixas de comentários: João Palhinha deve ficar e tem lugar de caras no onze titular do Sporting, como médio defensivo. Está bem adaptado ao modelo de jogo de Rúben Amorim, com quem trabalhou no Braga, e a nossa equipa precisa dele.

Esta noite o Sporting teve duas faces: uma sem Palhinha, até ao minuto 66'; outra com ele em campo. Mal o treinador o mandou ocupar o lugar no meio-campo que antes estivera confiado a um apático e errático Matheus Nunes, a equipa transfigurou-se. Virámos um resultado desfavorável (o Valladolid vencia por 1-0), marcámos dois golos (por Feddal e Jovane), houve um terceiro (por Vietto) invalidado por decisão errada do árbitro Tiago Martins e ainda atirámos uma bola ao poste (por Nuno Santos, bom nas bolas paradas). Quase todos os jogadores cresceram em rendimento - com destaque para Jovane Cabral e Pedro Porro, o novo lateral direito que a partir do minuto 80 recuou para central. Tudo terminou bem, com a terceira vitória consecutiva nesta pré-temporada, num estádio (o do Alverca) de péssima memória para nós.

Por isso repito: não consigo vislumbrar qualquer lógica na alegada intenção de enviar Palhinha para longe de Alvalade. Se isso acontecer, será um grande erro desta SAD leonina. Mais um.

No futebol não deve valer tudo

Texto de João Gil

image.jpg

 

Temos de perguntar a Frederico Varandas e a Rúben Amorim porque dispensaram Palhinha e onde é que para eles será mais útil ao Sporting.

Porque se não houver uma razão desportiva e o jogador é imprescindível nesta equipa por não ter quem faça o seu lugar natural e o treinador o quer(ia), há uma razão económica de certeza. O jogador tem contrato com o Sporting, não faz propriamente o que lhe apetece nem está em roda livre. Se for por uma questão desportiva podemos queixar-nos da opção de dispensar Palhinha como de dispensar qualquer dos outros. O treinador acha que ele não serve e ele é que treina e escolhe os jogadores. Se a razão for económica, é uma questão que transcende o treinador e se situa puramente no plano de negócio e de dinheiro.

Sendo, não faz sentido deixar de fora da possível resolução do problema com o Braga um jogador que o Braga quer(ia) e pelo qual o Sporting estabeleceu um contrato de empréstimo com um modelo que amarrava os dois clubes um ao outro no destino futuro do jogador. Indignidade, nestas coisas, é não pagar atempadamente os contratos.

 

Por mim vai dar ao mesmo se venderem hoje o jogador e amanhã transferirem o que devem para a conta do Braga, uma vez que desportivamente acham que não é útil. Acharia preferível, até. Mas isso não vai acontecer, presumivelmente e a julgar por declarações de gente afecta ao Sporting e que comenta nas tv e que acha que o Sporting pagará quando quiser e nos seus termos...

Esse é o caminho errado, penso eu. Porque esse é o que cria inimigos e mete toda a gente contra o Sporting. Como se o Sporting precisasse de mais inimigos e já tivesse poucos. No futebol não deve valer tudo. Costuma dizer-se que as boas contas fazem os bons amigos. O Sporting não precisa de ser amigo do Braga, precisa é de manter o Braga no seu lugar natural.

 

Ser devedor do Braga e depender de favores do Braga é que me parece uma inversão perigosa daquilo que são os interesses superiores do nosso SCP.

Se Palhinha porventura servir para devolver a ordem natural à posição e à relação entre o Sporting e o Braga (que tem uma direcção histórica, um ascendente e um descendente), não veria nisso necessariamente um mal. Jogador por jogador, pessoalmente prefiro Matheus Nunes e Daniel Bragança, embora menos tarimbados.

Não seria pacífico ver Palhinha pagar Amorim, isso admito, mas ilógico não seria.

 

Texto do leitor João Gil, publicado originalmente aqui.

Não consigo ver qualquer lógica nisto

img_920x518$2017_11_15_18_31_39_1334511.jpg

 

Andamos desesperadamente à procura de um médio defensivo. Battaglia já não está, Idrissa Doumbia é para despachar, Miguel Luís não se adaptou à posição e deve ser emprestado, Eduardo Henrique foi um dos maiores fiascos impingidos por Hugo Viana ao presidente do Sporting, Mattheus Oliveira nem consigo classificá-lo como jogador.

Estes não servem. Mas temos João Palhinha: 25 anos, formado em Alcochete, esteve por empréstimo nas últimas duas épocas em Braga, onde foi titular com vários treinadores - Rúben Amorim incluído. Para quê dispensar um jogador que mantém ligação contratual com o Sporting até 2023 se logo a seguir, para compensar esta saída, teremos de ir a correr arranjar alguém para o mesmo lugar?

Tudo isto até pode ter lógica, mas eu não a descortino. Agradeço desde já a quem souber esclarecer-me.

Os ausentes que fazem sombra

Estou a ver o jogo do Sporting contra o Portimonense e fico a pensar na enorme falta que fazem a esta equipa os nossos 'ativos' Acuña e Palhinha. Ainda não estão vendidos e as alternativas são, para já, bem piores. Deviam estar a jogar com a nossa camisola e depois logo se via o que poderia aparecer em termos de negócio para o clube. Rafael Camacho também merecia outra oportunidade, tem qualidade e sempre podia ir ganhando alguma raça e músculo. O resto está lá.

Palhinha a 4.000 quilómetros da Premier

João Palhinha nunca se afirmou no Sporting. Esta época, com um treinador que apostou nele no ano passado e na véspera de um Campeonato da Europa, seria muito bem-vindo a um plantel sem grande qualidade e a precisar de um seis. Mas, Palhinha tem o sonho legítimo de jogar em Inglaterra ou pelos menos numa liga mais competitiva e o Sporting tem a necessidade de fazer dinheiro. O problema é que o trinco estará a caminho do CSKA por 12 milhões. Ou seja, o médio fica a mais de 4.000 quilómetros da Premier League; o Sporting não ganha grande coisa, já que ninguém parece chegar aos 15 milhões pedidos e o Braga a quem já devemos bom dinheiro, ainda fica com uma parte do bolo e o Sporting, continuará sem dinheiro nem médio defensivo. As boas movimentações por Santos e Pote foram sinal de melhoria na estrutura ou sorte? 

A cadeira de Palhinha

Li por aí que o futebolista João Palhinha não seguiu para o estágio com os seus, por agora, companheiros de equipa. O atleta não está vendido, que se saiba, por isso devia acompanhar o plantel às ordens de Rúben Amorim, trabalhando com afinco para quem o formou e lhe paga o salário. É isto que se pede a todos os profissionais do Sporting Clube de Portugal e estas situações de excepção não são um bom exemplo para o futuro.
Quem autoriza isto acha mesmo que estas decisões são boas para a gestão do dia-a-dia do SCP?

Receio o pior

img_920x518$2019_07_10_01_26_23_1573848.jpg

 

1

Temo o pior neste curtíssimo defeso agora iniciado. Porque as decisões serão tomadas pelos mesmos que conduziram a catastrófica pré-temporada do Verão anterior. 

Sem surpresa, já se acumulam os maus indícios. Na imprensa amiga, a administração da SAD pôs a circular que Acuña e Palhinha serão vendidos. Soa a asneira.

Acuña é um dos raros internacionais que subsistem no plantel leonino. Em entrevista ao Record de hoje, Frederico Varandas sublinha a necessidade de «encontrar jogadores experientes»: isto não cola com a prioridade atribuída à saída do argentino.

Por outro lado Palhinha - que fez duas épocas de alto nível no Braga, como emprestado - preenche uma das mais gritantes lacunas do actual onze titular: a de médio defensivo posicional. Despachá-lo já constitui um duplo risco: prescindimos de mais um profissional formado na Academia de Alcochete e continuamos a precisar com urgência de alguém para aquela posição, que pode vir a ser preenchida por outro perna-de-pau importado (lembremos os maus precedentes de Idrissa e Eduardo).

 

2

Já que fiz alusão à entrevista do Record, deixo um apontamento rápido sublinhando a minha estranheza: afinal para que serve a Sporting TV? O presidente da SAD leonina manteve-se vários dias em silêncio, após o fim do campeonato, e rompe-o só agora para prestar declarações a um jornal diário quando tem à sua disposição a televisão do clube. Eis algo incompreensível.

Nesta entrevista, Varandas garante fazer «exercícios de autocrítica diariamente». Não parece. Voltou, por exemplo, a desperdiçar uma oportunidade de elogiar a Comissão de Gestão que o precedeu e conduziu o Sporting no turbulento Verão quente de 2018. Graças a essa equipa, liderada por Artur Torres Pereira no clube e Sousa Cintra na SAD, os estilhaços de Alcochete foram minorados, vários jogadores regressaram a Alvalade e foi possível formar um plantel competitivo.

Varandas já apanhou o comboio em andamento - de tal maneira que o Sporting até liderava a Liga no dia em que os actuais corpos sociais tomaram posse.

 

3

Vangloria-se o presidente de ter conseguido «vencer duas Taças no futebol» e de ter superado o difícil teste da «renovação do plantel devido às rescisões». Vai mesmo ao ponto de proclamar: «No ano passado, alcançámos a melhor época dos últimos 17 anos.»

Lamentavelmente, nem uma palavra de apreço por Sousa Cintra - obreiro dessa época que deixou um treinador (José Peseiro) despedido por Varandas quando o Sporting ia a dois pontos do primeiro já depois de termos jogado em Braga e na Luz. Outra oportunidade desperdiçada, portanto, para "unir o Sporting" - lema da candidatura à presidência do antigo director clínico do consulado Bruno de Carvalho.

A prova do algodão da actual gerência não foi a época 2018/2019: foi aquela que agora terminou, a primeira em que este presidente da SAD e este director desportivo lideraram todo o processo do princípio ao fim. Uma época em que se prometeu muito mas chegámos à meta com um recorde de derrotas numa temporada e todos os objectivos falhados: Supertaça, Taça de Portugal, Taça da Liga, Liga Europa e campeonato.

 

4

Ainda mal se iniciou o defeso e já receio o pior.

Por serem os mesmos a liderar o processo. E por ter a plena convicção de que a actual equipa dirigente nada quis aprender com a sucessão de erros acumulados.

Eric Dier, Zlatan Ibrahimovic e algumas ideias mais ancoradas à realidade

Este jogo com o Santa Clara demonstra que precisamos de um avançado que seja aquilo que Sporar não consegue ser e Pedro Mendes precisaria de um tirocínio numa equipa de meio da tabela para conseguir vir a ser. A este último, recomendaria um regresso às origens, num ano de empréstimo ao Moreirense, levando consigo, nas mesmas condições, Tomás Silva, com quem formou uma excelente dupla no arranque dos sub-23.

O sonho seria Zlatan Ibrahimovic (sonhar não custa) mas na nossa realidade triste já não espero melhor do que um "anjo caído" como Balotelli ou então um veterano como o retornado Slimani ou o emblemático Eder. Mais lúdico do que isso só forçar o miserável Rafael Leão a resolver o imbróglio da indemnização com uns bons anos de trabalhos forçados a marcar golos... Ou, lá está, convencer o empresário que mais lucrou com o ataque a Alcochete a convencer o AC Milan a pagar dois anos de salários ao astro sueco para seguir as pisadas de Schmeichel numa reforma gloriosa em Alvalade.

No meio-campo, como Palhinha aparenta ter a guia de marcha carimbada – juntando-se a Matheus Pereira, Demiral ou Domingos Duarte entre os escorraçados –, há que ter alguém capaz de ser o que Idrissa, Matheus e Battaglia não são: um muro dinâmico que faça acontecer e impeça que aconteça. Adrien Silva? Não sei se não será demasiado tarde, embora seja um jogador admirável. Sonho impossível? Eric Dier, mesmo que por empréstimo com ou sem opção de compra. Solução plausível? Não vender Palhinha ou apostar todas as fichas em Daniel Bragança.


E ainda mais um extremo. Ou uma oportunidade de “scouting” do género Gonzalo Plata ou então o regresso de Nani ou de Wilson Eduardo, para juntar experiência à miudagem. 

São os casos mais gritantes, mas outras trocas haveria para fazer: Beto Pimparel por Renan, um objectivo lateral não identificado (não digo que não ao espanhol Pedro Porro, ainda que seja ciência que desconheça...) por Rosier (fazendo o francês rodar em França e evitando dar meia-dúzia de milhões por Ricardo Esgaio depois de o termos oferecido ao Braga), em vez do marroquino sevilhano Feddal já apalavrado talvez José Fonte ou Marcos Rojo para apadrinharem o crescimento de Gonçalo Inácio ou o regresso de Ivanildo Fernandes, a contratação de Gonda do Portimonense ou o regresso de Lumor em caso de saída de Acuña (sendo a aposta em Nuno Mendes tão assumida quanto a feita em Eduardo Quaresma), Kraev como alternativa a Wendel se este sair ou Francisco Geraldes desistir de lutar, e a reintegração de Gelson Dala no plantel.

Qualquer coisa como isto:

Luís MaximianoBeto Pimpapel e Diogo Sousa (B e/ou sub-23)

OLNI/Pedro Porro, Ristovski, Coates, Neto, Eduardo Quaresma, Feddal/José Fonte/Marcos Rojo, Ivanildo Fernandes/Gonçalo Inácio, Nuno Mendes e Acuña/Gonda/Lumor

Dier/Adrien Silva/Palhinha, Matheus Nunes/Idrissa Doumbia, Daniel Bragança, Wendel, Francisco Geraldes/Kraev

Jovane Cabral, Gonzalo Plata, Nani/Wilson Eduardo e Joelson Fernandes/Bruno Tavares

Ibrahimovic/Balotelli/Slimani/Eder, Sporar, Vietto, Gelson Dala


Chegaria para o título? Talvez só com Dier e Ibrahimovic. Mas seria um início.

Miserável gestão...

A concretizar-se a notícia avançada pela comunicação social que João Palhinha sairá do SCP após o final de época, estaremos em presença de mais um miserável acto de gestão da SAD, cuja responsabilidade será total e directamente imputada a Frederico Varandas.

O SCP está carenciado na posição 6, João Palhinha fez uma excelente época, o treinador Ruben Amorim conhece as potencialidades do jogador, pelo que o temos tudo a ganhar fazendo regressar o jogador a Alvalade. Concordo que todos os jogadores sejam negociáveis, mas sabendo que a venda no final da época implica o pagamento de 20% ao SCB, a entrada do jogador no plantel da próxima época representaria uma valorização imediata de 20% em caso de transferência no mercado de Inverno ou final da próxima época, evitando-se financiamento a rival directo. Mas ainda poderá ser pior, se descontadas as comissões para o empresário e percentual para o SCB, formos contratar refugo de fundo de catálogo a empresário amigo. E assim o plantel vai ficando cheio de entulho...

Gostaria também de saber as intenções dos dirigentes leoninos para Gelson Dala, Ivanildo e D. Bragança. Também são para continuar a emprestar? Ou servirem de moeda de troca nalgum negócio, que possibilite o ingresso de mais pinos no SCP? 

Os incompetentes que dirigem o clube podem até chegar a 2022, mas fiquem desde já com algumas certezas, não serão reeleitos com os meus votos em circunstância alguma. Até lá votarei contra o orçamento, qualquer que seja o mérito do documento. Se tentarem vender a SAD, votarei contra. Este mandato foi uma oportunidade perdida para reerguer o clube, miseravelmente apenas nos trazem agonia e angústia. Que 2022 chegue depressa...

A aposta na formação... de capital em Braga

WhatsApp Image 2020-05-26 at 05.16.16.jpeg

(A Bola)

WhatsApp Image 2020-05-26 at 05.44.07.jpeg

(Correio da Manhã)

A ser isto verdade, vamos receber à volta de 10 milhões de Euros pelo jogador revelação da liga deste ano. (LER) Um jogador de selecção. E lá vamos dar mais uns milhões ao Braga, depois dos 10 milhões de Euros (mais juros, mais penalizações) por um treinador com quase zero experiência de Primeira Liga. 

Entretanto, no Sporting do Dr. Varandas os títulos são coisa do passado, reduziu-se a ambição do clube a níveis do Braga (se formos à Champions, maravilha!). O título deixou de ser para nós (apesar de no triste dia em que o inacreditável Dr. Varandas tomou conta do Clube estarmos no topo da tabela). Só se fala de vendas e de promover jogadores para vender. O próprio Amorim - diz Varandas com um ar meio-tolo, meio-ufano - estará num "grande europeu" dentro de algum tempo. 

E assim continua o processo de saque do Sporting. Suspiros de gente contente por mais voltas no carrossel.

Demissão. Três vezes demissão. Demissão, Já! (LER)

Que vá o Dr. Varandas para o Departamento médico do Braga. (Sim, porque não creio que os adeptos do Braga sejam tolos o suficiente para tolerar tamanha destruição do seu clube)

Palhinha é para deitar fora?

«Rúben Amorim quer central e trinco.» Exigência do técnico, segundo noticia hoje o jornal mais próximo da Direcção leonina. 

Traduzido em linguagem corrente, isto significa que João Palhinha - o melhor trinco que formámos na última década e um dos melhores jogadores a actuar nesta posição no campeonato português, como demonstrou em Braga - será mesmo deitado fora, aos 24 anos e uma carreira promissora pela frente. Apesar de ter contrato válido com o Sporting até 2023, que prevê uma cláusula de rescisão avaliada em 60 milhões de euros. E apesar de Frederico Varandas ter garantido há três meses, em entrevista ao mesmo jornal: «Vai regressar. Foi um empréstimo da Comissão de Gestão. É jogador do Sporting.»

Palavras leva-as o vento.

Gestão do plantel ou busca por comissões?

Frederico Varandas entrevistado pelo Record, afirmou em Março, que João Palhinha regressará na próxima época ao Sporting.  Jogador importante na estratégia vitoriosa de Ruben Amorim em Braga, decisivo em vários jogos, com contrato até 2023 e sabendo que o plantel não tem hoje qualquer jogador que lhe seja superior na posição, é perfeitamente natural o seu ingresso no plantel após término do empréstimo. Durante o período de confinamento, foi publicada a notícia que o jogador terá mudado de empresário.

Hoje, sem qualquer razão plausível, o Jogo afirma que o jogador não entra nos planos de Ruben Amorim para a próxima época, atendendo à prestação do jogador em Braga, ao facto de não se jogar futebol desde Maio e nem sequer existirem treinos colectivos, quero acreditar que é apenas carvão, pois a ser verdade, contituiria um daqueles mistérios inexplicáveis do mundo de futebol. 

Mais, não sendo desejado em Alvalade, o jogador rumaria ao Wolverampton. O que significaria 15% para o S.C.Braga, mais as devidas comissões aos agentes envolvidos na transferência. Enquanto isso os adeptos do Sporting C.P. teriam que se contentar com a titularidade de I. Doumbia, isto se não vier mais um daqueles pinos que nem teriam lugar na equipa B, por 5 milhões de Euros ou mais, para gastar de imediato a parte que caberia ao SCP no negócio. 

Os sócios querem ver no plantel jogadores da formação, João Palhinha, Daniel Bragança, Ivanildo, Gelson Dala, entre outros, têm que estar no Sporting para o arranque da próxima época. Frederico Varandas não pode continuar autista, ou percebe os sócios, ou tem de sair. Pela minha parte, não lhe quero dar mais benefício da dúvida, já lhe demos tempo mais que suficiente, ou mudamos de rumo, ou mudamos de presidente. ´

 

Divagações em tempo de quarentena (4)

drpalhinha2.jpg

(De A Bola, "João Palhinha, 24 anos, está na mira de clubes espanhóis e ingleses para a próxima temporada e tem novo empresário, uma vez que passou a ser representado pela Traquifoot, empresa liderada por Luís Neves e Pedro Traquino.")

 

Longe vai o tempo em que Manuel Fernandes assinava de cruz o contrato que lhe estendia João Rocha, o tempo em que presidentes e jogadores se entendiam directamente na base da exigência e do incentivo, muitas vezes nos momentos mais improváveis das épocas e dos jogos.

Depois disso a profissionalização dos jogadores de futebol foi avançando em paralelo com a industrialização do próprio jogo, e foram surgindo as obrigações fiscais, as SADs e as obrigações de mercado, os agentes, os investidores, os fundos, a separação entre direitos económicos e desportivos, os acordos sobre mais-valias, os mecanismos de solidariedade, etc. Hoje em dia cada jogador transporta consigo todo um conjunto de responsabilidades que importa entender.

Apesar disso, a ideia de muitos ainda é que os jogadores continuam a ser carne para canhão, podem ser maltratados pelas claques ou enxovalhados publicamente pelos presidentes quando as coisas correm mal, e até existem aqueles presidentes que dizem que estão lá para defender os interesses do clube e os jogadores que defendam os deles. Ou seja, parece que muita gente ficou no tempo do... Manuel Fernandes.

O Sporting sofreu na pele as consequências dessa atitude com o assalto a Alcochete e o processo litigioso que se seguiu demonstrou a complexidade actual da relação entre clubes e jogadores, bem como as diferenças de entendimento entre as instâncias jurídicas chamadas a resolver os conflitos, a nacional (TAD) e a da UEFA.

Estando esse processo praticamente terminado, importa agora é que o clube consiga enfim ter uma gestão de activos eficaz e suportada pela formação, que permita extrair o máximo de cada jogador do ponto de vista financeiro e desportivo, de acordo com os condicionalismos e oportunidades do mercado. Para isso importa conjugar a defesa intransigente dos seus interesses com um espírito de parceria com os jogadores e as entidades que os representam, com vista a garantir tranquilidade, focalização e espírito de corpo no balneário, tudo isto necessário à superação do grupo e às conquistas.

Parece simples, parece óbvio, mas estamos num clube que ao longo dos anos tem sido muito incompetente nesta área, desperdiçando talento que fugiu do clube ou foi vendido ao desbarato, como Paulo Futre, Fernando Mendes, João Moutinho e muitos mais, que acabaram por ir reforçar e ajudar a ganhar títulos nos clubes rivais. E de muitos ex-jogadores que passaram ou foram formados em Alvalade, muito ao contrário do que acontece noutras paragens, apenas se ouvem mágoas e ressentimentos para com o clube.

Mas também tivemos e temos casos em que as coisas funcionaram bem para todos, e no caso Bruno Fernandes conseguimos resgatá-lo duma saída pela porta pequena, mantê-lo como capitão e melhor jogador em campo até ao momento em que conseguimos uma grande transferência e ele saiu para um grande clube e um grande contracto. Ainda por cima, ficámos com um “tiffosi” que à distância não deixa de moralizar e incentivar os ex-colegas. Parabéns a todos os envolvidos, incluindo os agentes envolvidos no negócio.

Para terminar, apenas referir que se procurarmos os agentes dos jogadores do plantel principal do Sporting no Transfermarkt chegamos à lista seguinte: alguns pais e familiares, Ultimate Sports, LeaguePro, Invictus Team, Nomi Sports, TF Tribe, CLK Foot, Teixeira Players, Positionumber, Eleven Talent Group, Juan Manuel, TFM Agency, Gines Carvalhal, Eurodata Sport, MVP Group, Leonardo Corsi, Interlex Sport, First Acess Sports, AR Sports Management e... Bruno Carvalho (outro).

Agora veio o Rúben Amorim, agenciado pela Nomi Sports, a mesma de... Idrissa Doumbia. A Gestifute não consta, Rodrigo Fernandes não faz parte ainda do plantel principal. E agora, com o regresso de Palhinha, a Traquifoot.

SL

Eu dou-te o frustrante

Frustrante mesmo é dar uma oportunidade para o indivíduo que nos últimos anos mais tem gozado com o Sporting ainda se armar em vítima. Por culpa do Sporting. Espero que ele devolva o Palhinha, e se quiser devolver o Esgaio, não seja por isso. O Wilson Eduardo não está em fim de contrato? (Refiro-me ao topo direito desta capa deste jornal que também adora colocar o Sporting ao nível dos clubes regionais.)

 

Desnorte e descalabro

21702432_Yu4ar.png

 

Palhinha - o nosso Palhinha - por um treinador com menos qualificações e menos experiência do que Silas?

Palhinha, a jovem revelação/ confirmação da Liga deste ano, por um treinador promessa?

Palhinha, um potencial capitão do Sporting, por um símbolo do SLB?

E para director do futebol? Simão? 

É por estas e outras que a próxima época não pode ser preparada pela direcção que assinou o desastre que está a ser esta. 

Braga vence Taça da Liga com ajuda de Bruno de Carvalho e Sousa Cintra

image[1].jpg

 

O Sporting de Braga acaba de se sagrar campeão de Inverno, conquistando a Taça da Liga. E não vale a pena dizer que é uma competição menor pois ainda está para nascer o título do qual nós podemos abdicar.

O onze inicial do Braga contou com João Palhinha e Ricardo Esgaio. No banco esteve Wilson Eduardo. Três jogadores que o Sporting ofereceu, de borla, ao Sporting de Braga.

Estes três jogadores hoje conquistaram um título enquanto nós estamos no sofá. Obrigado, Jorge Jesus e José Peseiro. Obrigado, Sousa Cintra e Bruno de Carvalho. Reforçaram um rival, goste-se ou não, e contribuiram directamente para esta conquista.

Uma lição para a maneira como gerimos os nossos recursos. Quanto mais talento vamos ver desperdiçado a vencer títulos por outros clubes?

Inqualificável

img_920x518$2019_09_11_16_54_33_1600528[1].jpg

 

O comportamento do destituído presidente do Sporting perante o colectivo de juízas que aprecia o caso de Alcochete no Tribunal de Monsanto é inqualificável.

Compareceu no início e depois, alegando não ter meios de subsistência, solicitou autorização para faltar às sessões. Tem estado quase sempre ausente.

Num caso que lhe diz directamente respeito e em que é parte interessada, até por estar acusado de quase uma centena de crimes, Bruno de Carvalho comporta-se em estado de negação. Recusando ouvir os depoimentos que têm desfilado, presencialmente ou através de câmaras televisivas, nas sessões de audiência.

 

Evitou assim, por exemplo, escutar Mathieu a dizer isto:

«Nunca mais esquecerei o medo que senti. Ainda hoje, no final dos jogos, penso nesse dia. Tenho medo que isto volte a acontecer.»

 

Não teve ocasião de ouvir Palhinha dizer isto:

«Fiquei receoso pela minha integridade. Liguei logo ao meu pai, num estado de nervos… Só dizia que queria ir embora, que ia recolher as minhas coisas, chuteiras e afins, porque nunca mais queria voltar à Academia depois daquilo.»

 

Não se apercebeu, em primeira mão, de que Ristovski declarou isto: «Ficámos alojados num hotel nessa noite, mandei a minha esposa e filho menor para Macedónia e no dia seguinte saí do país.»

 

Nem ficou ao corrente, de viva voz, deste depoimento de Acuña perante o tribunal: «Disseram que me iam matar, que sabiam onde é que eu vivia e onde é que os meus filhos iam à escola.»

 

No fundo, age como na recta final do seu mandato enquanto presidente do Sporting. Nos momentos decisivos, nunca estava lá.

Não esteve no estádio do Estoril, quando o Sporting perdeu um jogo decisivo que nos custou o comando do campeonato.

Não esteve em Madrid, na primeira mão dos quartos-de-final da Liga Europa disputada frente ao Atlético.

Não esteve no confronto com o Marítimo, no Funchal, que nos custou a despedida do acesso à Liga dos Campeões.

Não esteve na final da Taça de Portugal, de tão má memória, contra o Desportivo das Aves.

 

Em todas essas ocasiões, não foi por "falta de meios de subsistência", como agora invoca: foi por elementar falta de coragem.

Inqualificável antes, inqualificável agora. É o comportamento de alguém com jeito para soltar uns bitaites mas que não nasceu com capacidade para liderar.

Alcochete nunca mais

assalto.jpg

 

Os jogadores começaram a ser ouvidos no Tribunal de Monsanto e os seus testemunhos permitem perceber a dimensão dos danos causados, bem como explicar em que condições chegaram ao Jamor para perderem ingloriamente uma final da Taça de Portugal e serem insultados nas escadarias por alguns adeptos do próprio clube.

Foi todo um plantel atacado, jogadores de diversas origens e idades, cada um reagiu à sua maneira, mas se calhar os jogadores da formação, os jogadores da casa, sentiram bem mais que os outros.

Por exemplo, João Palhinha revelou em tribunal que, após o acontecimento, desabafou ao pai que "não queria voltar mais à academia" e que só queria "ir embora" do clube.

Acrescentou: "Os primeiros tempos não foram fáceis. Tive pesadelos por causa desse ataque, mas agora está completamente ultrapassado. Mas esse ataque à academia retirou um pouco da segurança que tinha dentro daquele clube. Fica-se com receio de que as coisas voltem a acontecer."

E a verdade é que João Palhinha não voltou, seguiu emprestado para Braga. E diz-se que poderá ir fazer companhia a William no Bétis.

Como não voltaram, estes duma forma mais radical, Rui Patrício, William, Podence, Gelson Martins e Rafael Leão. Enquanto Sousa Cintra conseguiu convencer Bruno Fernandes, Battaglia e Bas Dost a voltarem, com os da casa que rescindiram não teve hipótese.

Como também depressa saíram emprestados - muitos também por vontade própria, com ou sem opção de compra - Matheus Pereira, Francisco Geraldes e até Demiral (o melhor dos sub-23). 

Não podemos saber o que sentiram os restantes jogadores dos sub-23 e das camadas jovens, os então emprestados que pensavam regressar ou os jovens craques em vias de optar pelo Sporting, bem como as respectivas famílias. Desses não há testemunhos em Monsanto.

O único jogador da formação ainda no plantel presente no balneário aquando do assalto é Max. No seu testemunho disse que ficou "bloqueado e sem acção".  Antes disso tinha comentado a sua admiração por Rui Patrício. Para alguns passou rapidamente de bestial a traidor. Nos Açores foi, como os restantes, ameaçado de que "as coisas poderão mesmo de novo acontecer". É caso para dizer: só ele sabe porque ficou no Sporting.

Concluindo, o assalto terrorista a Alcochete constituiu antes do mais um atentado sem precedentes à nossa Academia, concebido, facilitado e executado por gente do próprio clube, do qual o Sporting vai levar muito tempo a recuperar.

No meu entender e de quase todos os Sportinguistas, o dia mais negro da história do Sporting Clube de Portugal.

Que a justiça tenha mão pesada.

SL

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D