Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

De táxi para o Cairo

21964642_OepJl.jpeg

 

Sorri ao ver a primeira página do Jornal de Notícias, hoje.

Pensei na subtileza de quem escolheu o título: "Ponto de passagem" (cidade internacional, os espiões vão de viagem, joga-se o xadrez mundial).

O parágrafo anterior remete-nos para os anos 80, para a banda Táxi, para o álbum Cairo. Esse álbum foi vendido dentro de uma lata.

Era aqui que queria chegar, Sérgio Conceição foi derrotado, em casa, pelo Marítimo, de Lito Vidigal, vem falar de "orçamento" para justificar a exibição de ontem?

É preciso ter lata.

Ó p'ra eles a encararem a realidade

"FC Porto SAD anuncia prejuízo de 58,4 milhões de euros

O FC Porto chamou esta quarta-feira os jornalistas ao Dragão Caixa para apresentar as contas anuais da SAD e anunciar um prejuízo de 58,4 milhões de euros.

Trata-se de um resultado negativo enorme, que ameaça bater recordes, mas que o administrador Fernando Gomes garante ser assumido. Ou seja, de acordo com o responsável das finanças portistas o clube preferiu assumir o prejuízo superior a 58 milhões de euros, de forma a não desinvestir e, com isso, enfraquecer o valor da equipa para esta época.

Fernando Gomes garantiu ainda que esta época é encarada no FC Porto como o ano zero: a partir da próxima época, a SAD portista vai reduzir progressivamente os salários, ajustando-se à realidade atual. Em dois anos, o FC Porto quer poupar vinte milhões de euros em ordenados."

in Maisfutebol

Portanto, aquilo que nós começámos a fazer há três anos e qualquer coisa e que tão bons resultados tem dado, cedo ou tarde todos terão que fazer. Estes já apresentaram o timming. Esperemos pelos relatórios dos restantes.

Custo igual a mais qualidade?

 
É comum apresentar como argumento a falta de dinheiro, concretamente no SCP, como óbice à construção de uma equipa competitiva e de qualidade superior.

Esse é um argumento verdadeiro, se estivermos a pensar tão alto como um qualquer sócio do Real Madrid, Barcelona, Chelsea, Bayern de Munique, etc., etc. dum campeonato de primeira linha do futebol europeu.

Já o mesmo não será tão líquido assim para a nossa realidade. É certo que há por aí valores de aquisição de jogadores que são tão proibitivos que estão a levar os clubes à falência (que foi o que esteve a um “niquinho” de acontecer com o Sporting), contudo todos sabemos porque são tão elevados: Interesses mais que conhecidos estão por detrás deste irracional inflacionamento de passes, onde todos ganham menos o clube que vende e o que compra. Os fundos, os empresários, alguns dirigentes e treinadores, agentes e representantes dos jogadores, que por vezes são uma única e a mesma entidade. Entretanto algures pelo meio, em banho-maria, vai ficando o jogador, que é quem dá o corpo ao manifesto e que é dos que também menos ganha com o negócio, até nova transacção do seu passe, para gerar mais uns milhões de lucro.


Passado o introito e esclarecidas as devidas diferenças, foquemo-nos no nosso campeonato, tentando demonstrar que não é por falta de dinheiro que não temos uma equipa competitiva (por acaso até acho que salvo algumas “paragens” a equipa pratica um excelente futebol). Como sabemos, temos comprado baratinho e vamos cumprindo o desígnio da campanha de Bruno de Carvalho, de utilizar a prata da casa. Ora assim sendo, convém comparar, sem equacionar custos, os jogadores que constituem a nossa equipa com os dos nossos rivais. Vamos lá, um por um:

GR - Rui Patrício: Não tenho dúvida que o GR mais valioso do campeonato português é o nosso.
DD’s - Cédric Soares: Sem invenções de Fernando Santos, é o titular da selecção nacional, nada inferior a Maxi e muito menos caceteiro, talvez um pouco inferior a Danilo, mas não perderá para o brasileiro a defender. Miguel Lopes: que belos jogos tem vindo a fazer.
DC’s - Ewerton/Paulo Oliveira/Tobias Figueiredo: sinceramente não vejo grande diferença em termos individuais entre estes três, agora temperados com a experiência de Ewerton e os dos nossos adversários. Com a vantagem de serem muito mais jovens e com uma enorme margem de progressão.
DE’s - Jefferson/Jonathan: bom, comparar estes com Eliseu...
Médios – Como um todo, sem posições definidas: algum dos nossos adversários tem melhor que William Carvalho? e ainda temos João Mário e Adrien que não me parecem muito inferiores aos seus homólogos.
Avançados – Extremos e pontas de lança: A nossa maior pecha é no campo da finalização, onde não temos ninguém ao nível de Jackson Martinez, ou de Jonas, mas em contrapartida ninguém tem Nani! Ou mesmo Carrillo.

 

O que atrás se defende, ficou demonstrado nos jogos entre os três; esta diferença que se diz haver, não existiu efectivamente (excepção feita para o jogo do dragão, jogado em condições...estranhas). Ou seja, o dobro ou triplo de dinheiro gasto pelos outros por época em relação ao SCP, não se traduz nos resultados entre os três. E se todos sabemos que até agora temos nove empates (deixemos os três contra os rivais), seis desses devem-se essencialmente a falta de eficácia contra clubes de menor dimensão, contra quem é proibido perder pontos. Aqui reside a diferença para os nossos rivais, o último terço da nossa equipa é mais fraco, ou pelo menos tem-se mostrado menos eficaz que o dos nossos rivais.


Não me parece ser necessário fazer qualquer licenciatura em rendimento desportivo, finanças ou economia, para concluir que para a próxima época é imperioso garantir a continuidade dos jogadores dos sectores onde temos tanta ou mais qualidade que os rivais e desinvestir/investir (quem é do meio dirá reinvestir, provavelmente) no último terço, tentando vender quem não demonstra qualidade e contratando um matador, mesmo dando de barato que temos Rúbio que pode e deve subir e que pode dar um excelente contributo ao ataque do Sporting.


Não perdendo nunca de vista a contenção financeira, é possível fazer tanto ou mais que os outros, com menos. Haja garra, orgulho e noção da exigência que é representar o Sporting Clube de Portugal!


E já agora, saber fazer passar "isto" para todos sem excepção, para dentro do balneário.

 

Adenda: uma falha enorme, os treinadores. Um aufere a módica quantia de 4 milhões de euros anuais, o outro não faço a mínima ideia e o nosso muito menos. O primeiro foi o único que ganhou títulos, o segundo corre o risco de ser o primeiro em trinta anos (ou quase) a não ganhar nada no FCPorto e o nosso está sujeito a ganhar, no primeiro ano, a Taça de Portugal. Não façamos futurologia, mas até aqui não estamos muito longe dos outros...

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D