Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Isto é ser Sporting

jornal_record_31072020[1].jpg

 

«Também cheguei a treinar no Benfica, mas o Sporting cativou-me.»

«Por mim, fazia o máximo de jogos pelo Sporting, até acabava carreira aqui. Só tive dois clubes e o Sporting ajudou-me muito, dentro e fora de campo.»

 

Duas frases de Nuno Mendes em entrevista ao Record de 31 de Julho. Duas frases que comprovam todo o sportinguismo deste jogador.

Com apenas 18 anos, o novo lateral esquerdo titular da nossa equipa principal já é veterano em Alvalade: cumpriu todos os escalões da formação de verde e branco, tendo chegado à Academia de Alcochete com apenas nove anos, em Dezembro de 2011.

Ser Sporting? Se alguém sabe o que isto significa, é ele. Sem sombra de dúvida.

E a revelação verde-e-branca da temporada é...

Depois de ter votado na revelação (não verde-e-branca) da temporada 2019/20 (VER AQUI) a equipa do És a Nossa Fé votou também, e como não podia deixar de ser, na revelação verde-e-branca. Votação essa, importante notar, que foi feita ainda antes do último jogo da temporada.

E 2020 (mais do que 2019) foi um ano de diversas - e boas - revelações. Talvez seja o (único) ponto positivo que fica desta época no futebol leonino - os muitos jovens que tiveram a sua primeira oportunidade de representar a equipa principal do Sporting Clube de Portugal e de pisar o grande palco de Alvalade (ainda que, por ora e por força das circunstância, sem público).

Se a aposta em "Max" foi feita logo no início da época, outros jogadores só tiveram a sua oportunidade com Ruben Amorim. Talvez por isso, estes tenham ficado mais "na retina" do que o novo dono da baliza de Alvalade. Ou que Jovane, já na sua segunda época na equipa principal, e que foi essencial para o bom desempenho para a equipa no regresso das férias forçadas pela pandemia. 

Para revelação "verde-e-branca" de 2020, a equipa do És a Nossa Fé votou de forma expressiva no vencedor. Trata-se de um jogador que já vinha treinando com a equipa principal com Marcel Keizer. Um jogador cuja qualidade técnica, velocidade e inteligência já tinha dado (e muito) nas vistas nos Juniores e sub-23. E que, na transição para a equipa principal, revelou uma maturidade impressionante para a sua idade. Longe de se intimidar com os grandes palcos, este jogador demonstrou total à-vontade. Esforço, dedicação, devoção e glória. Tanto que foi mesmo considerado o melhor em campo pelo Sporting, por vários jornais, nos últimos jogos que fez. 

 

 

Nuno Mendes é, para a equipa do És a Nossa Fé, a revelação da temporada 2019/20. 

Mais imporante ainda, é já um valor seguríssimo no Sporting 2020/21. O corredor esquerdo será seguramente dele, por mérito próprio. Tal como Eduardo Quaresma, outro jovem agora lançado que esteve a bom nível  - e que, refira-se, ficou em segundo lugar na votação. 

Nestes tempos de incerteza, podemos pelo menos ter a certeza que a Academia continua a trabalhar bem e a formar talentos e campeões. Que ergam muitos títulos pelo Clube, é o que se deseja. E, no futuro, quem sabe sucederão a Ronaldo ou Figo representando Portugal nos grandes prémios futebol internacional. 

Parabéns à Academia, parabéns e a Nuno Mendes e aos novos valores leoninos.

E viva o Sporting Clube de Portugal!

Pódio: Nuno Mendes, Tiago, Max, Sporar

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Benfica-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Nuno Mendes: 16

Tiago Tomás: 16

Luís Maximiano: 16

Sporar: 16

Jovane: 15

Neto: 14

Matheus Nunes: 13

Wendel: 13

Eduardo Quaresma: 12

Acuña: 11

Ristovski: 11

Borja: 8

Vietto: 8

Plata: 8

Battaglia: 6

 

A Bola e o Record elegeram  Nuno Mendes  como melhor sportinguista em campo. O Jogo optou por  Sporar.

O desastre era inevitável

Texto de Luís Ferreira

image.jpg

 

Devia existir alguma coisa positiva que se pudesse destacar nesta época que acaba amanhã.

Mas não encontro nada de significativo: o prazer de ainda ter visto Bruno Fernandes com a nossa camisola vestida, alguns bons jogos (com o Portimonense para a Taça da Liga e com o PSV e Basaksehir - que se sagrou campeão turco - para a Liga Europa) e o recente aparecimento de novos jogadores na equipa principal, dos quais destaco Nuno Mendes.

Os maiores erros foram cometidos no final de Agosto e início de Setembro, no fecho do mercado, com a incapacidade de encontrar um substituto para Bas Dost, a vinda de Jesé e de Fernando e a dispensa de Keizer. Recordando que a 31 de Agosto, a cinco minutos do fim do jogo com o Rio Ave em casa, éramos líderes do campeonato.

Mas a seguir à dispensa de Keizer, a cereja no topo do bolo foi a entrega do leme da equipa principal durante quase um mês a Leonel Pontes, que na época anterior tinha descido o Jumilla na 2.ª divisão B espanhola - na prática uma 3.ª divisão. No final de Setembro estávamos de rastos e, viesse quem viesse, o desastre era inevitável.

Em típicos exageros, o início de Rúben Amorim fez com que alguns começassem a pensar em lutar pelo título na próxima época e os últimos dois jogos levaram outros (ou os mesmos) a duvidar se conseguiremos sequer ficar em lugares europeus. Eu, que não sou crente, rezo para que Frederico Varandas e Hugo Viana tenham aprendido com os erros e que a próxima época seja mais bem preparada do que esta. Não é difícil.

A época acaba com o mesmo adversário com que começou. Também não será difícil fazer melhor do que no primeiro jogo. E que ao menos possamos garantir a entrada directa na Liga Europa.

 

Texto do leitor Luís Ferreira, publicado originalmente aqui.

Armas e viscondes assinalados: A triste realidade estava mesmo ali ao canto

FC Porto 2 - Sporting 0

Liga NOS - 32.ª Jornada

17 de Julho de 2020

 

Luís Maximiano (2,5)

Um resultado positivo frente ao inevitável novo campeão nacional passaria por uma exibição gigantesca do jovem guarda-redes leonino. E se é verdade que até à hora de jogo tudo correu bastante bem, destacando-se uma oportuna saída aos pés de Pepe, quando Danilo Pereira aproveitou um pontapé de canto para desfazer o nulo já o marcador poderia estar desequilibrado, pois na jogada anterior Maximiano ficou a observar a forma como Fábio Vieira fez estremecer a barra. No 2-0 pouco havia a fazer e, em boa verdade, pouco foi feito.

Eduardo Quaresma (2,5)

Danilo Pereira apareceu solto numa terra de ninguém entre o jovem central e o impassível Sporar, sendo a distribuição de culpas bastante subjectiva. Certo é que pouco tardou até ser retirado de campo, no âmbito de uma reconfiguração táctica bastante infeliz que não impediu Ruben Amorim de ver acabar a sua ausência de derrotas na Liga NOS e de ficar ligado ao recorde negativo de número de derrotas do Sporting numa só época. Até ao lance do 1-0 esteve tão bem quanto seria de esperar num jovem mesmo muito talentoso que está a fazer o seu primeiro “clássico”, ainda que bastante mal acompanhado na direita.

Coates (3,0)

Tornou-se a referência ofensiva do Sporting em todos os lances de bola parada, o que não diz muito dos recursos existentes no plantel leonino e seria melhor notícia caso o central uruguaio aprimorasse um pouco mais a sua aptidão de cabecear para o espaço delimitado entre os dois postes e a barra. Nas missões defensivas esteve tão bem quanto nos últimos tempos, evitando um golo madrugador do FC Porto mesmo em cima da linha de baliza e impondo voz de comando sobre colegas e adversários. Mas no lance do 2-0 deixou fugir Marega, sem imaginar que tinha ao lado quem o estivesse a colocar em posição regular.

Borja (2,0)

Estava o jogo a correr-lhe bem melhor do que o temido quando resolveu deixar Marega em posição regular para sentenciar a derrota que nessa altura parecia inevitável. Até então concentrou-se a jogar simples e a afastar o perigo tão bem quanto consegue.

Ristovski (2,0)

O mais grave da exibição fraca do macedónio, tão incipiente no ataque quanto permeável na defesa, é a constatação de que não existe uma alternativa melhor no plantel após o investimento de quase uma dúzia de milhões de euros realizado pela actual gerência.

Matheus Nunes (3,0)

Integrou o curto rol de jogadores do Sporting que se transcenderam na visita ao Dragão, controlando bem a bola e manobrando por entre uma floresta de adversários. Tem nos próximos dois jogos novas oportunidades para provar que pode fazer parte da solução em vez de contribuir para o problema da próxima época.

Wendel (2,5)

Os azuis e brancos eram muitos, tal como quase acontece com todos os adversários que encontra pela frente desde a alteração táctica, e também não eram propriamente de se deitar fora, apesar das muitas ausências forçadas que tornavam plausível que o Sporting conseguisse pelo menos o empate que bastaria para os anfitriões festejarem. Mas a verdade é que o jovem brasileiro foi mais um dos que não tiveram engenho para mais.

Nuno Mendes (3,0)

Protagonizou a melhor jogada do Sporting logo nos primeiros segundos de jogo, entrando pela grande área do FC Porto, em registo “eu contra o mundo”, e fazendo um cruzamento para Sporar chegar atrasado e um remate na insistência que Marchesín só logrou rematar para a frente, valendo-lhe a posição irregular do esloveno na recarga que abanou as redes. Feitas as devidas apresentações, o lateral-esquerdo recém-chegado à maioridade continuou a mostrar que é o mais preparado de todos os jovens da formação que Ruben Amorim tem aproveitado, conciliando velocidade, inteligência táctica, “timing” de abordagem ao adversário e aquela pitada de descaramento necessária em quem tem a intenção de se afirmar.

Jovane Cabral (2,5)

O melhor jogador da Liga NOS no mês de junho tinha a oportunidade de se assumir como protagonista. Até ficou muito perto do golo, cabeceando (mal) após se livrar (bem) da cobertura na área do FC Porto, mas a triste realidade é que se retraiu demasiado quando a equipa mais necessitava de que se soltasse, acrescentando pouco mais de concreto do que um remate fácil para as mãos do guarda-redes argentino.

Gonzalo Plata (1,5)

Inconsequência em estado puro é a forma mais delicada de descrever a passagem do extremo sul-americano pelo relvado do Dragão. Afinar o seu talento e potencial é um dos principais desafios da próxima temporada.

Sporar (1,5)

Até encaminhou a bola para o fundo das redes, logo no primeiro minuto, mas encontrava-se em posição irregular. No resto do tempo também não esteve assim tanto em jogo, revelando-se presa fácil para uma linha defensiva do FC Porto assaz remendada. Ruben Amorim bem pode assumir a culpa pelo alarmante sub-rendimento, mas o esloveno começa a parecer mais um passageiro no vagão de contratações falhadas da actual gerência.

Francisco Geraldes (1,5)

Entrou para dar cérebro à manobra ofensiva do Sporting e não se pode dizer que tenha melhorado o que não estava a ser brilhante.

Rafael Camacho (1,5)

Voltou a demonstrar que é uma alternativa a Ristovski. Uma alternativa pior, bem entendido.

Tiago Tomás (1,5)

Foi para a frente na hora do desespero. 

Joelson Fernandes (2,0)

Único suplente a deixar alguma marca, não tem medo de assumir o jogo, mesmo sem parecer preparado para a alta roda, o que não deixa de ser compreensível em quem só na próxima temporada será um júnior de primeiro ano.

Ruben Amorim (1,5)

Perdeu a oportunidade de prolongar o seu recorde de invencibilidade enquanto treinador, agravando o recorde de derrotas do Sporting numa só temporada, ao enfrentar um FC Porto desfalcado e não particularmente ambicioso. Não se lhe pode assacar responsabilidade nas flagrantes deficiências do plantel, duvidoso de raiz e dizimado por lesões prolongadas ou definitivas, mas a forma como mexeu na equipa após o 1-0 foi muito má, estando por compreender, por exemplo, os motivos profundos de Borja continuar em campo, em vez de Eduardo Quaresma, sendo entregue ao colombiano o lado direito da zona central. Resta-lhe vencer o Vitória de Setúbal, assegurando o terceiro lugar que garante acesso directo à fase de grupos da Liga Europa e descomplica a preparação da próxima época. E, já agora, ir à Luz causar mais problemas ao seu clube de coração.

Pódio: Nuno Mendes, Coates, Matheus

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no FC Porto-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Nuno Mendes: 16

Coates: 15

Matheus Nunes: 15

Luís Maximiano: 14

Wendel: 14

Joelson: 13

Eduardo Quaresma: 13

Borja: 13

Ristovski: 12

Jovane: 12

Sporar: 11

Tiago Tomás: 10

Francisco Geraldes: 10

Plata: 10

Camacho: 9

 

A Bola  elegeu  Joelson  como melhor sportinguista em campo. O Record  optou por  CoatesO Jogo escolheu Nuno Mendes.

Armas e viscondes assinalados: Jogo mexido resolveu-se nas bolas paradas

Sporting 2 - Tondela 0

Liga NOS - 27.ª Jornada

18 de Junho de 2020

Luís Maximiano (3,0)

Na primeira parte foi o único espectador permitido no estádio de Alvalade, tanto que só Mathieu o conseguiu inquietar ao atirar ao poste no desvio de um canto. Só depois do intervalo provou que integrava a ficha de jogo, aplicando-se em algumas boas defesas, a melhor das quais ao desviar com a ponta dos dedos um remate em arco, tendo sido o melhor que o Tondela conseguiu fazer num jogo em que nem parecia aquela equipa que nasceu para subtrair pontos ao Sporting.

Eduardo Quaresma (3,0)

O adolescente que ameaça tornar-se uma lenda, e que já nem foi o mais jovem de entre os titulares, não só policiou a contento a sua área de jurisdição como voltou a mostrar uma capacidade de saída rápida e criteriosa na condução de jogo que, se não existir um desastre na gestão de carreira habitual entre os verdes e brancos,  fará dele um futuro capitão de equipa e um indiscutível da seleção de Portugal. Mesmo sem grande ajuda de Rafael Camacho teve arrancadas que poucos esperam de um central.

Coates (3,5)

O central uruguaio terá levado ao engano aqueles que ouviam o relato, pois tantas vezes ouviram “corte de Coates” que poderão ter esquecido que Sebastián é o seu verdadeiro nome próprio. O gigante que enverga a braçadeira de capitão executou corte após corte, tirando partido da altura e do timing de abordagem aos lances, e contribuiu de forma decisiva para que o ataque do Tondela fosse uma nulidade na primeira parte e não tenha obtido resultados na segunda. Para que tudo tivesse corrido da î de drible invulgar, Jovane Cabral provocou tremores à defesa adversária até sair de campo, deixando as faltas como único recurso para o tentar impedir.

Mathieu (3,0)

Sendo certo que foi o autor do lance de maior perigo para a baliza do Sporting, cabeceando ao poste no desvio de um canto, e que fez alguns cruzamentos em direcção incerta, mesmo assim notou-se a diferença de contar com a classe do veterano francês. Tendo o condão de sair com a bola controlada pelo flanco esquerdo, o que potenciou as melhores exibições da equipa, o central regressou em boa hora à equipa titular. Só não conseguiu ficar até ao fim, pois o estouro físico num contra-ataque que o deixou furioso com a má execução de Ristovski levou a que fosse substituído pelo esforçado Borja.

Nuno Mendes (3,5)

A estreia a titular, na véspera de celebrar 18 anos e horas antes de renovar contrato com uma cláusula de rescisão milionária, só poderia ter sido ainda mais positiva caso tivesse direcionado melhor um remate de ressaca à entrada da grande área do Tondela. O lateral-esquerdo combinou às mil maravilhas com Jovane Cabral, ficando numa dessas jogadas isolado a poucos metros da baliza de Cláudio Ramos. Em vez de rematar preferiu servir um colega, tendo a bola sido cortada pelo braço de um adversário, o que levou à cobrança do pénalti que selou o resultado final. No resto do jogo mostrou-se incansável nas recuperações e antecipações ao adversário, com a particularidade de não ter cometido uma única falta.

Matheus Nunes (3,0)

Conseguiu uma exibição bem conseguida, na qual sobressaiu a qualidade de passe longo, procurando cumprir da melhor forma a missão de servir de pêndulo entre defesa e ataque, o que contribuiu para o jogo fosse bem mais mexido do que os adeptos leoninos estão habituados a ver nos tempos mais recentes. A continuar assim terá a titularidade garantida e merecida apesar da sombra do decreto presidencial.

Wendel (3,0)

Há ocasiões em que a inferioridade numérica no meio-campo imposta pelo esquema táctico de Ruben Amorim se torna particularmente ingrata. Assim sucedeu com o internacional olímpico brasileiro na recepção ao Tondela, ainda que tenha demonstrado em vários momentos a qualidade intrínseca que o acompanha.

Gonzalo Plata (3,0)

Bailou com a bola, deixando vários adversários a rodopiar, na jogada em que tiveram de o ceifar para impedir que entrasse na grande área. Daí nasceu o livre que desbloqueou o resultado e tornou mais fácil um encontro em que voltou a dar-se melhor no miolo do que na linha, no que é uma característica algo insólita para um extremo.

Jovane Cabral (4,0)

Habituado ao estatuto de protagonista, apoderou-se na bola com voragem de açambarcador, patente no segundo golo de livre directo consecutivo, desta vez (ainda) mais em jeito do que em força. Antes já tinha caído na grande área, e logo a seguir executou a assistência de calcanhar que deixou o seu "discípulo" Nuno Mendes isolado na baliza. E mesmo quando a equipa começou a perder gás, algures por meados da segunda parte, encontrou reservas de energia que lhe permitiram conduzir contra-ataques venenosos. O jovem que deve o lugar no plantel a José Peseiro, e aos seus desentendimentos com Matheus Pereira, agora irremediavelmente perdido para a pérfida Albion.

Sporar (3,0)

Marcou o pénalti com tanta força que pouco importou Cláudio Ramos ter percebido o lado para onde a bola seguia. Mas deu sobretudo nas vistas a sua vontade de sair em drible. Na primeira parte terminou caído no relvado, sem que o videoárbitro desse devida nota do empurrão que lhe deram, mas na segunda parte teve tudo para fazer o 3-0 e acabou por rematar ao lado depois de passar por um punhado de adversários.

Ristovski (2,0)

Entrou para o lugar do desinspirado Rafael Camacho e pouco mais ofereceu à manobra ofensiva leonina. Mau nos cruzamentos e no entendimento com os colegas, falhou a oportunidade de reconquistar o lugar.

Battaglia (2,0)

Regressou aos relvados com mais confiança do que havia deixado. Mas tarda em reencontrar-se.

Francisco Geraldes (1,5)

Uma espécie de assistência mal amanhada a que Ristovski não chegaria nem se tivesse asas foi o exemplo acabado do desaproveitamento do quarto de hora a que o talentoso meio-campista teve direito.

Pedro Mendes (-)

Entrou muito tarde e não teve tempo para fazer absolutamente nada.

Ruben Amorim (3,5)

A primeira parte foi o seu melhor momento desde que trocou o Sporting de Braga pelo Sporting. Apesar de o Tondela não ser propriamente um Barcelona, o domínio das operações foi extraordinário e a aposta em adolescentes como Eduardo Quaresma e Nuno Mendes totalmente conseguida. Ainda que o plantel não tenha melhorado com a pandemia, e de o meio-campo ficar por vezes à deriva, certo é que apareceram sete pontos nos últimos três desafios e o seu ex-clube passou a estar atrás na luta pelo terceiro lugar da Liga NOS.

Armas e viscondes assinalados: Foguete imparável em mais uma noite sem arraial

Sporting 1 - Paços de Ferreira 0

Liga NOS - 26.ª Jornada

12 de Junho de 2020

 

Luís Maximiano (4,0)

Compensou os dois pontos oferecidos em Guimarães com dois ou mesmo três pontos numa triste noite de Santo António, na qual a pandemia deixou as bancadas vazias e isentou vários jogadores de assobios e milhares de espectadores de uma nulidade intervalada por raros grandes momentos de futebol. A crise em curso no ex-clube de Ruben Amorim deixou-o em igualdade pontual com o clube que vai pagar 14 milhões de euros pelo treinador, mas convém não esquecer que o Paços de Ferreira, antepenúltimo classificado da Liga NOS superou a equipa da casa em remates enquadrados e saiu de Alvalade a queixar-se da sorte e do videoárbitro. Maximiano teve uma noite de excepção, impedindo a bola de encontrar as redes em sucessivas ocasiões, incluindo aquela em que a sua linha defensiva permitiu que um adversário lhe aparecesse isolado à frente. Sempre atento aos remates dos adversários, evitou males maiores numa equipa que precisaria de uma quarentena muito mais duradoura do que esta.

Eduardo Quaresma (3,0)

Só a intervenção no lance de maior perigo do Paços de Ferreira, deixando um avançado em posição regular, e a fraca percentagem de sucesso nos duelos aéreos – algo que poderá ser ultrapassado com treino, pois ninguém com 185 centímetros pode ser acusado de nanismo – impediram que a primeira titularidade em Alvalade fosse ainda mais memorável. Excelente no controlo das operações e saída da bola, apesar de desta vez ter menos ajuda do colega de ala direita, cimentou o lugar na equipa e no imaginário dos adeptos.

Coates (3,0)

Voltou a mostrar-se patrão, e até os seus vigorosos e sensatos protestos no lance em que chegou a ser assinalado pénalti contra o Sporting ajudaram a ganhar tempo para que o videoárbitro revertesse uma decisão que poderia permitir a Maximiano ser o homem do jogo, forçar Jovane Cabral a horas extraordinárias ou impedir os três pontos que tanto jeito dão numa corrida em que o terceiro lugar é tão possível quanto o sétimo. Pior acompanhado do que é costume, o uruguaio não deu tréguas aos adversários.

Borja (2,0)

Podemos recorrer à suspensão da descrença e dizer que o colombiano não cometeu qualquer irregularidade no lance do pénalti revogado, mas é inegável que deixou escapar um adversário rumo à baliza. Foi apenas a manifestação mais flagrante das limitações de um profissional que decerto procura dar o melhor, tendo o problema irresolúvel de não ser capaz de estar ao nível exigível como central descaído para a esquerda. Falta-lhe, além de tudo o resto, a capacidade de saída com bola que deveria fazer de Mathieu imprescindível enquanto as pernas aguentarem e o contrato for válido.

Rafael Camacho (2,0)

Fez o primeiro remate do Sporting, desenquadrado da baliza, e depois lançou-se numa colectânea de falhas técnicas indignas de quem custou mais ou menos o mesmo que o orçamento de algumas equipas da Liga NOS. Todas as boas indicações que deixou em Guimarães foram esquecidas, quase como se procurasse provar que não foi feito para lateral-direito.

Acuña (2,5)

Gastou quase tudo o que tinha para dar ao jogo logo nos primeiros minutos, arrastando a sua inegável classe no relvado até que Ruben Amorim decidiu recorrer ao trabalho infantil.

Matheus Nunes (3,0)

Manteve o lugar no onze titular, desta vez como médio mais defensivo, e esteve bem na missão de garantir posse de bola e servir de pêndulo entre defesa e ataque, arriscando-se a ficar na ficha de jogo ao fazer a recarga bem sucedida de um livre que entrou na baliza antes de ser devolvido ao campo de jogo. Pouco depois começou a perder gás, o que não é um bom cartão de visita num jovem de 21 anos, e deu lugar a quem fez bem pior do que ele.

Wendel (3,5)

Regressou a Alvalade sem o mesmo grau de exposição corporal e com visual renovado. A barba talvez tenha servido para o brasileiro se assumir como o ancião de 22 anos em que se tornou, tendo em conta a quantidade de adolescentes ao seu lado e a veterania decorrente da terceira época no plantel principal, apenas superada por Coates e Acuña entre os titulares. Mas o mais importante de Wendel são os pés com que executa arrancadas como a que deu origem ao livre que resolveu a embrulhada. Tenha ele confiança para repetir mais vezes tais iniciativas, em vez de se deixar enredar na modorra, e o Sporting poderá ir mais longe, mesmo que à custa de o internacional olímpico brasileiro ir para ainda mais longe.

Jovane Cabral (4,0)

Também ele passou a maior parte da primeira parte à espera do comboio na paragem do autocarro. Mas quando engrenou, ocupando-se da esquerda, fez o que faltava ser feito. Já tinha partido os rins a um adversário, cruzando para um Sporar em dia nunca, quando pegou na bola para marcar um livre ainda a uns passos da grande área e soltou um foguete imparável para animar mais uma noite sem arraial em Alvalade. A pontaria e potência com que a bola embateu na trave, bateu dentro da baliza e voltou a sair  pareceu uma segunda passagem de Bruno Fernandes pelo estádio, com o detalhe do festejo de mãos na orelha, a homenagear o ex-capitão leonino, que a partir de Manchester continua a servir de mentor. Seria justo que Jovane conseguisse bisar mesmo no final da partida, após um fulgurante contra-ataque, mas dessa vez a barra reagiu mal ao estrondo da bola.

Vietto (3,0)

Pouco antes de se lesionar num embate com um adversário, ficando com uma luxação que lhe poderá custar as oito jornadas restantes, protagonizou o melhor momento da primeira parte, numa assistência de génio a que Sporar não deu seguimento. E estava a conseguir fazer acelerar o processo ofensivo da equipa, impondo o seu estilo de camisola 10 vendido como avançado.

Sporar (1,5)

Foi a antítese do aproveitamento pleno de oportunidades em Guimarães, desperdiçando duas boas ocasiões de golo. Na primeira parte, servido por Vietto, conseguir avançar até à grande área mas rematou muito acima da baliza, e na segunda parte dessincronizou-se com o cruzamento de Jovane Cabral, mesmo em frente à linha de golo. Tirando estes dois momentos foi discreto, quando não inexistente.

Gonzalo Plata (1,5)

Passou mais de 50 minutos em campo sem propósito e quase como um corpo estranho na equipa, falhando no flanco e no miolo. Tem de afinar o seu enorme potencial, o que talvez passe por uns telefonemas de Bruno Fernandes.

Nuno Mendes (2,0)

Estreou-se na equipa principal ainda com 17 anos, reforçando a ideia de que a pandemia está a fomentar o trabalho infantil. Algumas arrancadas deram boas indicações de quem já parece estar à frente de Borja.

Eduardo (1,5)

Pouco depois de entrar já tinha cometido uma fífia que felizmente não foi aproveitada pelo Paços de Ferreira. Não satisfeito, participou num sururu, recebendo um amarelo dois minutos após substituir Matheus Nunes. Seguiram-se mais uns 15 minutos de incapacidade a níveis pré-pandémicos.

Francisco Geraldes (1,5)

Terá percebido que conta muito pouco quando Vietto ficou agarrado ao braço e Ruben Amorim mandou aquecer Gonzalo Plata. Teria direito a pouco mais de dez minutos, destinados a fazer descansar Wendel e num momento do jogo em que o domínio dos visitantes era cada vez mais pronunciado, nos quais nada mais pôde fazer além de cometer faltas.

Ruben Amorim (2,5)

Alcançou o Sporting de Braga, que mantém o terceiro lugar por todos os critérios, mas para lá chegar venceu pela margem mínima o antepenúltimo, jogando em casa, e ficando atrás no número de remates. Dizer que é poucochinho passa por eufemismo, havendo muito trabalho para fazer de modo a garantir que Alvalade verá jogos europeus nos próximos tempos sem ser enquanto barriga de aluguer de fases finais da UEFA. Louva-se-lhe a aposta nos mais jovens e na formação, mas há que aprimorar a qualidade existente no plantel. E também a comunicação, pois a rábula final da explicação da ausência de Mathieu foi um acto falhado que não prestigia o treinador e desrespeita um dos melhores jogadores que honraram a camisola nos tempos mais recentes.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Deste regresso da nossa equipa a casa. Mais de três meses depois (o jogo anterior tinha sido a 8 de Março, vitória por 2-0 contra o Aves), o Sporting voltou ao seu estádio, com relvado impecável. Infelizmente sem público: apesar de ser um espectáculo ao ar livre, as autoridades sanitárias e o poder político insistem em manter os portugueses longe dos recintos desportivos. Enquanto nos chamam para teatros, cinemas, salas de concerto, museus, restaurantes, centros comerciais e casinos - tudo à porta fechada. Alguém entende isto? Eu não.

 

Dos três pontos conquistados. Vitória leonina por 1-0, frente ao Paços de Ferreira agora treinado por Pepa - um técnico que costuma mostrar uma animosidade muito especial sempre que defronta o Sporting, vá lá saber-se porquê. Vitória sem contestação da que foi a melhor equipa em campo. Com uma exibição ao nível da conseguida na jornada anterior, em Guimarães (2-2). Vale a pena registar: este foi o nosso sexto triunfo consecutivo em Alvalade.

 

De Jovane. Já tinha sido crucial na jornada anterior, com uma assistência para golo e ao sofrer uma falta que fez expulsar um adversário. Desta vez não teve rival em campo: foi mesmo ele o melhor, fazendo a diferença. Marcou um golão, de livre directo, aos 65': a bola embateu na barra, cheia de colocação e força, entrando de seguida. No último minuto do tempo extra (97') esteve quase a repetir a proeza, mas em lance corrido. No entanto a bola, caprichosamente, voltou a embater na trave, agora sem entrar. Ainda (48') ofereceu um golo a Sporar que o esloveno desperdiçou.

 

De Max. Redimiu-se da pálida exibição em Guimarães com uma actuação de grande nível, impedindo o Paços de pontuar. Destaque para quatro grandes defesas, todas na segunda parte: aos 67'; duas vezes aos 79', na marcação de um livre e respectiva recarga; e aos 86'. Impecável, desta vez, a jogar com os pés.

 

De Eduardo Quaresma. Segunda partida de grande nível do benjamim da equipa, o mais jovem central titular de sempre no Sporting. Impecável no desarme, sempre atento e concentrado, resolveu vários lances sem nunca recorrer à falta e demonstrou capacidade também na construção de lances ofensivos pelo corredor direito. Rúben Amorim só pode estar satisfeito com a prestação deste jovem: ainda júnior, Eduardo integra-se bem no sistema de três centrais, ombreando com o veterano Coates (Borja foi desta vez o terceiro elemento, por ausência de Mathieu).

 

De Wendel. Longe ainda da melhor forma, neste seu regresso à equipa após lesão, fez uma dupla bem mais consistente com o jovem Matheus Nunes do que a anterior parceria Battaglia-Matheus (o argentino nem chegou a ser convocado para esta partida). Desequilibra, constrói jogo e abre contínuas linhas de passe no corredor central. Numa destas arrancadas, aos 63', foi ceifado em falta - e da cobrança do livre nasceu o nosso golo. Esteve em campo até ao minuto 83', quando cedeu lugar a Francisco Geraldes.

 

Da aposta na formação. Parece consistente e promete dar bons frutos. Rúben Amorim - ao contrário de técnicos anteriores, que apregoavam as virtudes da formação mas não demonstravam confiar nos jovens - fez desta vez alinhar oito sub-23. Seis de início: Max, Eduardo Quaresma, Matheus Nunes, Wendel, Rafael Camacho e Jovane. E mais dois como suplentes utilizados: Plata (que rendeu o lesionado Vietto aos 43') e o júnior Nuno Mendes, em estreia absoluta na equipa principal (aos 73', e logo com a responsabilidade de substituir Acuña. O caminho faz-se caminhando. Isto é, jogando.

 

Do vídeo-árbitro. Aos 67', o árbitro Rui Costa assinalou uma grande penalidade inexistente favorável ao Paços de Ferreira por alegada falta que Borja não cometeu. Alertado pelo VAR, foi ver as imagens do lance e reconheceu que se tinha equivocado. Sem este recuo ter-se-ia cometido uma enorme injustiça em Alvalade, distorcendo a verdade desportiva. 

 

Da "estrelinha" do treinador. Rúben Amorim, técnico com fama de sortudo, soma agora doze jogos sem perder no campeonato. Só é pena que nove desses doze tenham sido ao serviço do Braga. No Sporting, regista duas vitórias (Aves e Paços) e um empate (em Guimarães).

 

 

Não gostei
 
 

Do empate a zero ao intervalo. Os jogadores recolheram aos balneários deixando uma impressão geral de falta de intensidade, falta de velocidade e falta de perícia no último passe. Desenvolvendo um jogo mastigado, com muita "posse de bola" mas longe da baliza. A pausa fez-lhes bem: o melhor período do Sporting foram os 20 minutos iniciais da segunda parte, coroados no golo de Jovane.

 

De ver a equipa recuar após o 1-0. Em vez de prosseguir o ímpeto ofensivo, procurando de imediato ampliar a vantagem, o Sporting concedeu a iniciativa de jogo ao adversário, que a partir daí se instalou no nosso meio-campo, procurando o empate. Que só foi impedido pela boa actuação de Max. 

 

Da lesão de Vietto.  O argentino saiu aos 42', com fortes dores numa clavícula, após ter sido derrubado em falta num lance em que o árbitro deixou o cartão por mostrar e nem sequer sancionou com livre. Momentos antes, o avançado leonino protagonizara um excelente lance, com um passe a rasgar a defesa, oferecendo de bandeja a Sporar um golo que este desperdiçou.

 

De Sporar  Do oito para o oitenta: de uma eficácia extrema em Guimarães, passou ao lado deste desafio. E nem sequer pode queixar-se de não lhe terem feito chegar a bola em condições. Vietto encarregou-se disso aos 37', Jovane fez o mesmo aos 48' e a seguir foi Acuña a centrar para ele. Esforço escusado: o esloveno parecia não estar lá.

 

Das exibições apagadas de Camacho e Plata.  O primeiro, actuando como um lateral avançado no corredor direito neste sistema posto em prática por Amorim, parece ainda desconfortável nas missões defensivas e ontem foi demasiado trapalhão na metade dianteira do terreno. O segundo entrou desconcentrado e com falta de atitude competitiva, parecendo em má forma física. Passaram ambos ao lado do jogo.

 

De Eduardo. Suplente utilizado, em campo desde o minuto 73', ocupou o lugar de Matheus Nunes, que já tinha visto um cartão (por falta inexistente). Revelou-se uma autêntica nulidade: foi amarelado mal entrou em jogo e distinguiu-se apenas pelos passes errados, que nele são uma espécie de marca autoral. Confirma-se: não tem qualidade mínima para jogar no Sporting.

 

Da ausência de público. Futebol sem assistência ao vivo não chega a ser espectáculo. É uma espécie de atentado ao futebol. De positivo, desta vez, só encontro isto: ao menos não se ouviram assobios aos nossos jogadores num período nada entusiasmante da partida. Se houvesse adeptos nas bancadas, as vaias eram garantidas. Dirigidas sobretudo aos jogadores mais jovens, cumprindo assim uma lamentável tradição em Alvalade. Se assobios ajudassem a vencer jogos, o Sporting era campeão todos os anos.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D