Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Vai ser tramado

Seis semanas de interrupção do campeonato 2022/2023, entre as jornadas 13 e 14, por causa do Mundial do Catar. Vai ser tramado.

Teremos vários jogadores lá, podem ocorrer lesões e há quase toda uma segunda pré-temporada nesse período - a prova prolonga-se de 21 de Novembro a 18 de Dezembro. Além de que irá reflectir-se no mercado logo a seguir, mexendo com as cabeças dos jogadores.

Gerir tudo isto será uma tarefa inédita para o nosso treinador, com inevitáveis reflexos nas competições internas. Complicações que devem ser previstas desde já.

 

ADENDA. Primeiro clássico da temporada: FC Porto-Sporting, no fim-de-semana de 20-21 de Agosto.

A APAF

Há no futebol luso uma Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, mais conhecida como APAF. Esta entidade tem por obrigação essencial “promover e defender os árbitros portugueses, como refere no primeiro dos seus sete pontos dos estatutos.

Sempre pensei que este tipo de agremiação, quase sindical, teria algum cuidado e atenção para com os seus associados quando muitos deles são ampla e publicamente acusados de não serem isentos.

A verdade é que nenhum dos actuais árbitros intervenientes no nosso futebol de 11 foi convocado para o próximo Mundial que se realizará no fim deste ano no Catar.

Pior que esta já normal e esperada ausência da fase final do Mundial, é a APAF não vir publicamente dizer alguma coisa, pedir explicações e acima de tudo provar que defende os seus associados.

Sintomático de que as entidades europeias de superintendem o futebol percebem que em Portugal os árbitros não são juízes competentes, mas tão-somente meros monges ao serviço de um qualquer Papa futebolístico!

Nota de rodapé: tivesse o Sporting vetado um árbitro para uma qualquer partida, como fez noutros tempos, e provavelmente a APAF já saberia dizer alguma coisa!

As selecções totalistas

Ronaldo-Fernando-Santos.jpg

 

Apenas dez selecções garantiram a presença em todas as fases finais de Campeonatos do Mundo neste século. 

Uma delas é a portuguesa.

 

Estivemos em 2002 (com António Oliveira), 2006 (com Luiz Felipe Scolari), 2010 (com Carlos Queiroz), 2014 (com Paulo Bento) e 2018 (com Fernando Santos). Estaremos no Mundial do Catar, no fim deste ano, novamente com Santos ao leme da selecção.

Além da nossa, eis as outras selecções totalistas: Alemanha, Argentina, Brasil, Coreia do Sul, Espanha, França, Inglaterra, México e Japão.

 

Seis campeões do mundo, portanto.

Estamos bem acompanhados.

Fernando Santos enfrenta Paulo Bento

Os dados estão lançados: a selecção portuguesa de futebol vai defrontar as da Coreia do Sul, Gana e Uruguai na fase de grupos do Campeonato do Mundo. 

Com um aliciante suplementar: será um embate entre Fernando Santos e Paulo Bento, seu antecessor à frente da equipa nacional e actual seleccionador da Coreia do Sul. A coisa promete.

Parabéns, Bruno

image.jpg

 

Venho dar-te os meus calorosos parabéns, meu caro Bruno. Felicitando-te pelo teu jogo de ontem. Foste a figura do decisivo desafio que acaba de nos colocar na rota do Campeonato do Mundo - e bem mereces esta distinção. Vencemos por 2-0 a briosa Macedónia do Norte que havia derrotado a Alemanha e eliminado a Italia, campeã da Europa.

Os dois golos da partida foram marcados por ti.

Espero que tenham servido para calar de vez os teus detractores. Aqueles que insistem em dizer que não deves ser titular da selecção nacional. Que não rendes, que não corres, que não brilhas, que não marcas.

São os do costume: aqueles que estão sempre prontos a denegrir os compatriotas que se destacam da mediania, alvejando-os com estas balas letais que são as palavras. Dando assim razão a uma escritora francesa contemporânea que nos alerta: «A liberdade de odiar jamais esteve tão descontrolada nas redes sociais, mas a liberdade de falar e de pensar nunca esteve tão vigiada na vida real.» 

 

Por vezes até parece que precisamos de pedir licença para elogiar os nossos. Para enaltecer aqueles que demonstram estar à altura dos melhores futebolistas do globo.

Não por acaso, a tua saída do Sporting para o Manchester United constituiu a maior receita de sempre em Alvalade.

Não por acaso, tens brilhado na Premier League. Confirmando esta triste realidade: é sempre mais fácil um português suscitar aplauso entre os estrangeiros do que entre os próprios compatriotas.

Pergunta ao Cristiano Ronaldo, que ontem esteve a ser alvejado durante largos minutos por vários comentadores na TV. Coitado, ele cometeu o pecado de não ter assinado qualquer golo contra a Macedónia. Apenas te ofereceu de bandeja o primeiro, que tão bem marcaste.

 

Se alguém merece estar no Mundial és tu, meu caro Bruno Fernandes.

Confesso-te que vibrei ainda mais com esta qualificação de Portugal - a sexta consecutiva, não falhámos uma presença numa fase final do certame máximo do futebol neste século XXI - por teres sido tu a figura do jogo. E ver-te ovacionado por 48 mil espectadores no Dragão, incluindo por gente que ali certamente te assobiou noutros tempos, quando lá jogaste vestido de verde e branco.

Aquele teu segundo golo, que aos 65' confirmou a nossa presença no Catar fazendo levantar o estádio, é um excelente emblema desta modalidade que continua a apaixonar o mundo. Previste a manobra do Jota, que te serviu a partir da esquerda com um magnífico passe longo, correste para o local exacto onde a bola ia cair e nem a deixaste pousar: trataste logo de disparar a bomba com o teu pé-canhão.

 

Um dos primeiros a felicitar-te, aposto, foi o teu amigo Stefan Ristovski. Ontem, por uma vez, eram adversários. Mas ele até colaborou naquela perda de bola aos 32' que permitiu um rapidíssimo contra-ataque português - e o teu primeiro golo, em parceria com o Ronaldo. Confirmando que o valor supremo do futebol é demonstrar à sociedade que o todo consegue ser maior do que a soma das partes.

Desporto colectivo, como antes se dizia, quando os comentadores usavam uma linguagem simples e clara.

Se alguém percebe disso, és tu.

 

Deixa os imbecis ganir.

Deixa os invejosos destilar fel anónimo nas redes ditas sociais.

Não dês importância àqueles que se dizem sportinguistas mas ainda te insultam quando já comprovaste ser mais Leão do que qualquer deles. 

Tu vais ao Mundial - supremo patamar na carreira de um futebolista. Enquanto eles ficam, cada vez mais afundados no sofá.

Que gente esta

image.jpg

 

Enquanto escrevo estas linhas, oiço dois comentadores televisivos desancar Cristiano Ronaldo minutos após a vitória sobre a Macedónia (2-0) que carimbou a ida da selecção portuguesa ao Campeonato do Mundo. A nossa oitava participação de sempre numa fase final de um Mundial, a nossa sexta consecutiva.

Vitória para a qual Ronaldo contribuiu claramente com uma primorosa assistência para o golo inicial, de Bruno Fernandes, aos 32'.

Mesmo assim lá se dedicam eles à sua modalidade favorita: o tiro ao Ronaldo. Deve dar-lhes um prazer enorme, este de se atirarem ao melhor futebolista português de todos os tempos - com 115 golos marcados em 143 desafios pela selecção, recorde absoluto na história da modalidade - e prestes a marcar presença no seu quinto Mundial, algo que até hoje só sucedeu a dois outros jogadores de campo: o alemão Lothar Matthäus e o mexicano Rafa Márquez.

Que gente esta. Questiono-me se na televisão da Argentina também haverá comentadores deste calibre, sempre prontos a pôr em causa o mérito, a qualidade e o talento de Lionel Messi.

Sinto-me argelino

img014102-135-20151118-123212.png

 

Gosto muito de camarão, mas desta vez sinto-me argelino. Por isso vibrei com a vitória da selecção da Argélia, que acaba de derrotar os Camarões na partida da primeira mão da qualificação para o Mundial pelo continente africano. 

O facto de esta ronda inicial ter sido disputada no país adversário não inibiu o craque leonino. Slimani apontou o golo solitário que valeu a vitória argelina.

Já marcou nove pela selecção nesta temporada, consagrando-se como o maior artilheiro de sempre em desafios oficiais do seu país.

Será que volta a fazer o mesmo na segunda mão, a disputar terça-feira? 

Fundamental é que não se lesione. Porque precisamos dele no ponto certo para continuar com esta fome de golos. De verde e branco, desde que regressou a Alvalade no final de Janeiro, já soma quatro.

Parabéns, Ristovski

ErFxNraXIAAGMS-1-13.jpg

 

Estás de parabéns, meu caro: contra todas as expectativas, a tua selecção - a Macedónia do Norte - venceu ontem a squadra azzurra que assim fica de fora do Mundial do Catar, falhando pela segunda vez consecutiva uma qualificação para a prova máxima do futebol a nível planetário.

Confesso que me deu muito gozo este vosso triunfo, ainda por cima numa partida disputada em solo italiano. Roberto Mancini, o seleccionador transalpino, deve estar de orelhas a arder, com milhões de adeptos no seu país a exigir que se demita. 

Nós, portugueses, pelo contrário, vencemos. Mas supreendentemente, ou talvez não, muitos compatriotas assumem que preferiam ter perdido. Porque gostariam de «ver corrido o seleccionador», porque garantem que só iremos ao Catar «perder tempo», porque o fracasso é uma espécie de bandeira para adeptos incapazes de conviver com o sucesso.

Vá-se lá saber porquê.

 

Eu sou de um tempo em que púnhamos a selecção acima das paixões clubísticas. Um tempo em que as pulsões identitárias de matriz tribal ainda não tinham contaminado o futebol: nos jogos contra equipas estrangeiras, fosse a nível de clubes ou de selecções, apoiávamos os emblemas portugueses - sempre vistos como rivais, nunca como inimigos. Guardávamos a saudável rivalidade para as competições internas.

Por isso vibrei com a vitória portuguesa desta noite frente aos turcos. Numa equipa em que o melhor em campo foi o portista Otávio e em que o nosso Matheus Nunes se estreou a marcar com as cores nacionais, saltando do banco para apontar o terceiro golo português.

Enquanto a Itália se afundava, nós despachávamos os turcos por 3-1. E podíamos ter ampliado a vantagem: Cristiano Ronaldo fez a bola embater na barra no último lance do desafio.

 

Tenho agora esperança reforçada de que estaremos no Mundial. Marcando presença, uma vez mais, num grande certame desportivo a nível de selecções - algo que acontece ininterruptamente desde 2000. O período mais longo de sempre de sucesso da chamada "equipa de todos nós".

Habituei-me a chamar-lhe assim em miúdo e já não mudo. É contra a corrente dominante? Quero lá saber. Faço questão em continuar assim.

 

Desejo-te tudo de bom. Excepto, claro, a qualificação da tua Macedónia no embate que travaremos na próxima terça-feira.

Espero que torças depois por Portugal no Campeonato do Mundo. Para mim és um português adoptivo. E serás Leão, sempre. É quanto basta para te deixar aqui um forte abraço.

Não nos vem a calhar nada

Ou muito me engano ou esta convocatória para um mini-torneio de apuramento ainda para o Mundial do Catar, prestes a ser divulgada, beneficiará pouco o Sporting. No sentido de nos retirar jogadores indispensáveis para mantermos acesa a esperança no bicampeonato. Toda a nossa energia anímica deve estar centrada nisto.

Ainda por cima trata-se de um campeonato que ninguém consegue hoje garantir que irá mesmo efectuar-se na data prevista (de 21 de Novembro a 12 de Dezembro), sabendo-se como anda o mundo por estes dias. 

Recordo que neste mini-torneio de "repescagem" das selecções que não conseguiram apuramento directo a equipa das quinas terá de derrotar inicialmente a Turquia (daqui a uma semana) e eliminar a Itália caso superemos o adversário anterior (jogo marcado para o próximo dia 29).

Lanço o tema, aguardando reflexões dos leitores.

 

ADENDA: Divulgada a convocatória, aqui. Gonçalo Inácio e Matheus Nunes foram chamados, como ontem previ.

Vá-se catar, engenheiro!

Fosse Portugal um país de gente digna e competente, provavelmente o resultado de hoje na Luz originaria diversas demissões.

A principal do seleccionador e restante equipa técnica e quiçá do próprio Presidente da FPF.

Todavia Portugal é um país pequeno. Em tamanho físico e acima de tudo mentalidades. Talvez por isso países europeus mais pequenos que nós, já nos tenham ultrapassado. Desta postura amorfa e tristemente saudosista advém aquele sentimento de “coitadinhos” ao qual tanto gostamos de apelar.

Em futebol, como em qualquer outro desporto, ganhar é fundamental e sempre muito melhor que empatar ou perder. Desde que se queira ou lute por isso.

O que se passou esta noite em Lisboa foi uma autêntica vergonha. Não interessam agora as desculpas, porque estas não se pedem… simplesmente se evitam!

Hoje os jogadores foram os menos culpados… O problema é que o timoneiro desta pobre barcaça percebe tanto de futebol como eu percebo de dinossauros. Afundou a equipa e com esta  a maioria dos portugueses.

Pena que o senhor Engenheiro Fernando Santos nunca tenha conseguido perceber o que estava hoje verdadeiramente em causa. Mas também não lhe explico…

 

Também publicado aqui

O mais invejado do mundo

naom_605fb361bea2c.jpg

 

Ser o maior do mundo provoca efeitos secundários: Cristiano Ronaldo é também o futebolista mais invejado do mundo.

Que o seja pelos próprios compatriotas, já não estranho: sempre tivemos uma certa tendência para a autoflagelação. E a clubite aguda leva muitos benfiquistas e alguns portistas a detestá-lo só por ter sido formado na Academia leonina.

Lamentável? Claro que sim. Nunca vi, por exemplo, um argentino falar ou escrever contra Messi.

 

Acontece que CR7 volta a ser notícia. Não por motivos fúteis mas por contestar um gravíssimo erro da equipa de arbitragem no Sérvia-Portugal que lhe anulou um golo limpo no último lance da partida, disputada em Belgrado. Este erro - que alguns pretendem menorizar - pode custar-nos o apuramento para o Mundial de futebol.

As imagens do protesto deram a volta ao mundo. Cristiano, tão bom a comunicar como a jogar, sabia o efeito que produziria. Assim aquele erro indesculpável tornou-se notícia em todos os continentes. Não reparou a injustiça de que fomos vítima, mas deu-lhe projecção universal. 

 

Fez ele muito bem ao proceder como procedeu: assim o roubo não passou despercebido. E ou muito me engano ou o gesto do capitão da equipa das quinas traçará uma linha de fronteira: a FIFA passará finalmente a incluir a tecnologia de linha de baliza e o vídeo-árbitro nas competições para o apuramento do Mundial.

Acontece que por cá, nas redes sociais e nos meios de informação, muita gente ferveu de indignação ao vê-lo atirar a braçadeira ao chão mal saiu de campo. Dizem-me (não vi) que nessa mesma noite um canal de televisão dedicou duas horas (!) ao tema. Com intervenientes escandalizados, não com o roubo mas com o gesto de Cristiano. 

Preferiam talvez que comesse e calasse.

Como se o roubo de catedral que tanto nos prejudicou não devesse ter sido assinalado com fúria e frustração.

Como se fizessem tábua rasa desta sabedoria popular que nos devia servir de lema: quem não se sente não é filho de boa gente.

 

ADENDA: O VAR é uma conquista civilizacional do futebol. Como é possível duvidar-se disto? Que a mais elevada instância da modalidade prescinda deste instrumento já utilizado nas competições internas para analisar os lances polémicos na fase de apuramento do Mundial é algo que roça o escândalo.

O que já escrevi aqui sobre Joel Campbell

15 de Junho de 2014:

«A maior figura do dia de ontem emergiu inesperadamente do Costa Rica-Uruguai: Joel Campbell, o ponta-de-lança costarriquenho que marcou o primeiro dos três golos da sua equipa, derrotando de forma categórica a selecção que ficou em quarto lugar no Mundial de 2010.»

 

20 de Junho de 2014:

«O golo do triunfo da Costa Rica surgiu aos 44' numa rapidíssima jogada de ataque concluída por Bryan Ruiz, após assistência de Júnior Díaz. O regressado guardião Buffon - um dos sobreviventes da squadra azzurra que se sagrou campeã mundial em 2006, convocado para cinco campeonatos do mundo desde 1998 - nada pôde fazer. E maior seria a vantagem, em princípio, se dois minutos antes o árbitro tivesse marcado uma grande penalidade mais do que evidente cometida sobre Joel Campbell, que voltou a ser um dos melhores em campo.»

Bosch(es)?

As coisas vão mal para os lados das alemanhas.

Não bastava o escândalo da Ferrostaal, do Deutsche Bank, dos carros do povo, aparece agora isto.

Não sei se será do cumbíbio com os pindéricos do sul que eles apodam de vígaros para cima, mas vai-se a ver e afinal começam a descobrir-se muitas carecas e eles não são assim tão melhores que os porcos.

Bom, sejamos honestos, eles são bastante melhores nisto: O facto importante de não chutarem para canto estes assuntos, como num certo país que eu cá sei, onde andam umas caixas à deriva, sem que se tome medida alguma, sujeito até a que os jantarinhos que lá estão dentro, azedem.

Um país onde, curiosamente, as vendas da marca fraudulenta, aumentaram depois da descoberta da vigarice. Já nada me surpreende, confesso.

Que fique claro que não estou a fazer qualquer tipo de associação ao Euro 2004!...

Bom, aí sim, ficaria surpreendido. Ou não...

 

 

 

Nota: Este post limita-se a "linkar" para notícias publicadas, com o intuito de demonstrar a boa-fé com que foi escrito.

Qualquer conotação política é responsabilidade da interpretação do leitor, excepto no que à Caixa Dourada diz respeito, onde o autor assume claramente o seu partido.

Tudo como dantes

Depois de um sofrível apuramento para o Mundial, de uma convocatória onde a amiguismocracia prevaleceu sobre a meritocracia, e de uma fase de grupos sofrível, concluída com a eliminação da prova, Paulo Bento continua à frente da Selecção Nacional de futebol.

Depois dos 10-1 do Mundial, de praticar um futebol muito longe do melhor que se pratica na Europa e ao arrepio da opinião brasileira especializada, o Brasil vai agora ser treinado por Dunga, o seleccionador do Mundial de 2010, onde a canarinha foi eliminada nos quartos-de-final de uma prova em que primou por um futebol...mal jogado.

Portugal e Brasil têm os resultados internacionais que merecem, é o que apetece dizer.

A ver o Mundial (30)

Escutei já hoje o que se disse ontem à noite nas televisões portuguesas sobre o Brasil-Holanda. Num dos canais - por sinal aquele que, de longe, pior trata o futebol - todo o espaço de comentário foi utilizado para pendurar Luiz Felipe Scolari no pelourinho. Um dos intervenientes chegou ao ponto de dizer que a conquista da Taça das Confederações em 2013, já com Scolari ao leme do escrete, foi péssima para o Brasil pois travou a indispensável renovação dos canarinhos, blablablablá patati patatá.

Ainda esperei que, numa lógica simétrica, todos quantos degolaram, vergastaram e lapidaram Scolari - tornando o treinador já não só o responsável máximo mas o responsável único dos desaires de uma equipa - saíssem em elogio e louvor do seleccionador holandês, Louis van Gaal. Nada disso: nem uma palavra sobre o tema. Os treinadores, na óptica do painel deste canal, só merecem menção pela negativa, nunca pela positiva.

 

Toda a linha de raciocínio deste programa de rescaldo e análise do encontro de ontem para a obtenção do terceiro lugar no pódio do Mundial decorreu em obediência à lógica do demérito brasileiro, sem invocação expressa (e mais que justificada) do mérito holandês.

Como se fosse por acaso que a Holanda se despediu do Mundial sem uma derrota.

Como se fosse por acaso que os holandeses tivessem renovado em grande parte a sua selecção, eliminada no Euro-2012 ainda na fase de grupos.

Como se fosse por acaso que Robben se sagrou o maior valor individual deste torneio, correndo em cada jogo como se fosse o último (e no Brasil-Holanda sofreu uma grande penalidade cometida por Fernandinho à qual o árbitro fez vista grossa, talvez para poupar a turma anfitriã a uma segunda goleada consecutiva).

 

Os erros grosseiros cometidos pelos brasileiros em campo foram igualmente escamoteados por estes comentadores.

Nem uma palavra sobre a falta cometida por Thiago Silva sobre Robben logo aos dois minutos (e que o árbitro, amiguinho, sancionou apenas com cartão amarelo quando devia ter exibido o vermelho).

Nem uma palavra sobre o absurdo alívio de David Luiz aos 17' que funcionou como assistência ao segundo golo holandês.

Nem uma palavra sobre as exibições apagadíssimas de Jo e Willian, os "reforços" que os críticos de Scolari mais vinham reclamando para o onze titular.

 

Toda a análise foi feita à luz da putativa obrigação do Brasil em sagrar-se vencedor.

Como se houvesse triunfadores antecipados em futebol.

Como se a Holanda não existisse.

O escrete comandado por Scolari sai do Mundial no quarto lugar. Como saiu em 1974, no Campeonato do Mundo que se seguiu à brilhante conquista do troféu Jules Rimet no México, ainda com vários jogadores titulares da conquista desse tricampeonato. E em melhor posição do que conseguiu a tão elogiada selecção de 1982, eliminada antes das meias-finais mesmo com o brilhantismo de Sócrates, Falcão e Zito.

 

Falar assim de futebol, sem critério nem memória, é demasiado fácil. Os cafés portugueses estão cheios de comentadores deste género: qualquer mediano olheiro televisivo pode recrutá-los lá.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D