Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Reforços ou nem tanto (parte 2)

Mais algumas novidades se vão sabendo. Demirel, J.Silva, T.Djaló e Kiki (B/Sub23) estão de saída a título definitivo, Lumor a título de empréstimo com opção de compra, podendo render no conjunto uns 10 milhões de Euros. Pouco, muito, assim assim, não faço ideia.

Dos reforços, Luiz Phellype demonstrou ontem que tem valor mas ainda está muito aquem das necessidades do Sporting, se calhar como Doumbia e F.Geraldes. Veio mais um médio brasileiro de 20 anos para os sub-23, ou talvez para a futura equipa B.

Uma boa notícia é mesmo essa, o Sporting está a tentar retomar a equipa B na próxima época, à luz de algum protocolo de excepção. Foi mais uma decisão desastrosa do destituido, que nos colocou fora duma competição que é uma importante rampa de lançamento para a primeira equipa, como se viu no passado no Sporting e se pode ver no Benfica de hoje com R.Dias, Gedson e J.Felix.

A pior notícia será mesmo a saída de Acuna, mais uma assistência para golo, e uma raça que não tem mesmo equivalente no plantel, plantel esse muito carente de estrutura e intensidade física, pelas razões que conhecemos.

A grande interrogação é o que se passa com Jovane e Miguel Luís. Empenho? Empresários? Que se passa exactamente? 

SL

Armas e viscondes assinalados: A falta que um Bruno faz

Sporting 2 - Belenenses SAD

Liga NOS - 15.ª Jornada

3 de Janeiro de 2019

 

Renan Ribeiro (2,5)

O desconsolo que exteriorizou ao sofrer o golo da praxe, desta vez à beira do fim do jogo, é compreensível. O brasileiro emprestado pelo Estoril ainda defendeu o primeiro remate de um adversário que lhe surgiu isolado à frente, mas a recarga selou mais um dos momentos “you can’t win, Charlie Brown” que vão pautando a sua passagem por Alvalade. No resto do jogo viu remates com selo de golo passarem a rasar um poste, passarem a rasar o outro, embaterem violentamente nesse mesmo poste, mas parece que os jogos só acabam quando uma bola se anicha nas redes. Mesmo sem culpa alguma de um guarda-redes que, muitas vezes instado a repor a bola em jogo, distinguiu-se pela elevada percentagem de passes para zonas do relvado desabitadas por colegas de equipa.

 

Bruno Gaspar (3,5)

Pouco importa que o golo com que inaugurou o marcador pareça dever-se quase por inteiro ao desvio na cabeça de um jogador da Belenenses SAD. Num jogo vespertino em que ficou patente a falta que o castigado Bruno Fernandes faz ao Sporting, o lateral-direito contratado à Fiorentina foi um dos raríssimos jogadores que pôde sair verdadeiramente satisfeito aquando do apito final. Muito forte nas missões defensivas quando o Sporting estava a ser sufocado pelos visitantes, Bruno Gaspar soltou-se na segunda parte e foi à luta como nunca antes se tinha visto, permitindo que pelo menos numa tarde de 2019 não fosse preciso recordar César Prates, Abel, Cédric Soares, João Pereira ou Piccini com os olhos marejados.

 

Coates (2,0)

Quis o impiedoso destino que o central uruguaio terminasse um dos seus piores jogos envergando a braçadeira de capitão que lhe foi entregue após a saída de Nani. Incapaz de alcançar Freddy na cavalgada que só terminou com um remate ao poste na primeira parte (optando por não cometer uma falta que valeria o cartão vermelho), Coates é o principal responsável pelo golo da Belenenses ML, numa jogada que só deixou de acompanhar com os olhos quando viu dois adversários a correrem para a grande área. Claro que cumpriu a quota de cortes antiaéreos, mas a alguém com a qualidade de Coates exige-se sempre mais.

 

Mathieu (3,0)

A ausência de Bruno Fernandes e a incapacidade de Gudelj e Miguel Luís levaram a que lhe fosse entregue a missão de iniciar a maioria das jogadas leoninas. Assim sucedeu sobretudo na primeira parte, na qual o francês procurou servir de antídoto para o desnorte colectivo, mas a qualidade de sempre manteve-se até ao fim, com mais uma série de cortes providenciais e uma nova tentativa de marcar de livre directo.

 

Acuña (2,5)

Esteve quase a inaugurar o marcador, com um remate rasteiro junto ao poste que foi defendido pelo irmão do guarda-redes mais valioso do Mundo, mas logo a seguir teve um “momento Secretário” que esteve quase a resultar num golo da Belenenses (R) ou na expulsão de Coates. Muito porfiou ao longo de todo o jogo, a atacar e a defender, mas sem o acerto habitual, vendo-se incapaz de resolver a inércia do uruguaio no lance do 2-1, após o que conseguiu somar mais um daqueles cartões amarelos por motivos disciplinares que levarão, mais tarde ou mais cedo, a interromper as férias pagas de Jefferson.

 

Gudelj (2,5)

Incapaz de conduzir jogo, por vezes pouco criterioso na escolha entre dureza e macieza ao enfrentar adversários, e nada convincente na hora de rematar. Assim foi o sérvio, ligeiramente melhor quando subiu no terreno devido à entrada do compatriota Petrovic.

 

Miguel Luís (3,0)

O magnífico golo que acabou por revelar-se decisivo para a conquista dos três pontos resgata uma exibição titubeante, retrato de um meio-campo que não sabe carburar sem combustível BF. Muito lutou o jovem “made in Alcochete”, claro está, mas raramente lutou bem.

 

Wendel (3,5)

Regressou à equipa em boa hora, dedicando-se a tentar suprir a falta do melhor jogador do Sporting. Esteve em todo o lado, acelerou o que tendia para a lentidão, combinou bem com os colegas e saiu cansado, mas com a satisfação do dever cumprido.

 

Nani (3,0)

A assistência para Acuña e o remate ao poste foram pedradas no charco de uma primeira parte em que o Sporting de Keizer parecia repetir a lição que lhe fora dada pelo Vitória de Guimarães. Mesmo sendo excruciantemente lento na execução, demonstrou que quem sabe nunca esquece, procurando rendilhar lances de ataque que acabaram por abrir brechas na muralha dos assaz talentosos SADicos do Jamor.

 

Diaby (3,0)

Ineficaz na cara do golo, nomeadamente na jogada em que procurou fintar o irmão do guarda-redes mais valioso do Mundo, serviu-se da velocidade e do voluntarismo para meter os adversários em sentido. E fez uma assistência para Bruno Gaspar que deveria valer golo mesmo sem intervenção inadvertida de um adversário.

 

Bas Dost (2,0)

Muitos sentiram falta de Bruno Fernandes, mas ninguém sentiu tanta falta quanto o avançado holandês. Teve uma oportunidade de golo, logo na primeira parte, procurou ajudar na luta no meio-campo, viu um adversário roubar-lhe o 1-0, mas... deu-se mal com a solidão e com a falta de bolas à medida das suas capacidades. O Sporting recuperou o segundo lugar, e passou a ter o melhor ataque da Liga NOS, mas desta vez não foi graças a Bas Dost.

 

Raphinha (1,5)

Entrou tarde e para a esquerda, onde não engatou. Quando finalmente passou para a direita também não engatou e pouco ajudou Bruno Gaspar. Melhores dias virão.

 

Petrovic (2,5)

Já habituado aos aplausos que as bancadas lhe dedicam sempre que faz algo supostamente inesperado, como uma finta de corpo ou um passe bem medido, o sérvio cumpriu com o papel de barreira às iniciativas contrárias que Keizer lhe destinou. Em tempos de entradas e de saídas de Inverno, será aconselhável manter quem tanto se dedica a fazer aquilo que sabe.

 

Jovane Cabral (-)

Teve poucos minutos para ser talismã, até porque o final do jogo foi dedicado sobretudo a golos do adversário e a sururus.

 

Marcel Keizer (2,5)

Retirou oxigénio às chamas ao reconhecer que o Sporting fez um mau jogo. Diagnóstico certeiro, tendo em conta o domínio exercido pelo adversário nos primeiros minutos, a falta de acerto nas movimentações da equipa, as falhas que poderiam ter saído caras. Traído por más exibições individuais de alguns dos seus melhores jogadores, acabou por virar a tendência do jogo mesmo sem atingir o brilhantismo de jogos transactos. Na segunda-feira volta a contar com Bruno Fernandes na ida a Tondela, mas há que aperfeiçoar a equipa para que o Sporting-FC Porto possa trazer verdadeira emoção à Liga NOS.

Rescaldo do jogo de hoje

Gostei

 

Que o Sporting tivesse vencido o difícil dérbi desta noite em nossa casa. Derrotámos por 2-1 o Belenenses SAD que, muito bem orientado por Jorge Silas, nos deu boa réplica. Mas o nosso triunfo é incontestável: os três pontos moram com justiça em Alvalade. Já somamos 34 nesta Liga 2018/2019. Este resultado tem mérito acrescido pois o Belenenses era até hoje uma equipa sem derrotas fora de casa e a segunda menos batida no campeonato.

 

De Miguel Luís. Foi, para mim, o melhor em campo. Assegurou a ligação entre sectores, no miolo do terreno, e cumpriu com zelo a missão. Recuperou bolas, fez passes bem medidos, foi sempre muito combativo - e sobretudo marcou um grande golo, aos 80'. O golo do 2-1, que nos valeu os três pontos, com um disparo fortíssimo à entrada da área, sem hipóteses para o guarda-redes Muriel. O primeiro golo que este jovem da nossa formação marca para o campeonato.

 

De Bruno Gaspar. Outra estreia a marcar pela equipa principal do Sporting. Aos 57', com um remate bem colocado após exímia assistência de Diaby, que temporizou o lance à espera de que o colega que subia pela ala direita lhe abrisse uma linha de passe. Um golo que recompensa a acção esforçada do lateral que o Sporting foi buscar à Fiorentina.

 

De Acuña. A acutilância de sempre: nunca vira a cara à luta. O argentino foi um dos sportinguistas mais em destaque nesta partida, tanto no plano ofensivo, onde esteve quase a marcar com um grande remate logo aos 8', como no plano defensivo, protagonizando cortes cirúrgicos, em momentos de grande perigo, aos 31' e 44'.

 

Dos regressos de Wendel e Nani. É bom vê-los recuperados, após um período de afastamento por lesão. Ambos cumpriram, embora ainda longe do fulgor físico revelado noutras circunstâncias. Wendel foi o médio criativo de serviço, procurando compensar a ausência de Bruno Fernandes. Nani usou, como de costume, a sua experiência em benefício da equipa, sobretudo em dois lances cruciais: aos 35', levou a bola a embater no poste; aos 57', é ele quem inicia a jogada do nosso primeiro golo.

 

De Petrovic. Marcel Keizer deu-lhe ordem para entrar aos 73', rendendo Wendel. O sérvio mostrou-se em bom plano, revelando até pormenores técnicos que foram sublinhados com aplausos das bancadas. Essencial para dar estabilidade à organização defensiva do Sporting num momento em que o Belenenses SAD acentuava a pressão no meio-campo.

 

Da assistência em número razoável. Hoje havia 30.054 espectadores em Alvalade. Nada mau atendendo ao facto de haver muita gente ainda de férias e de o jogo ter começado às 18 horas, em dia de trabalho.

 

Do registo muito positivo de Marcel Keizer. Desde que chegou ao Sporting, há menos de dois meses, o técnico holandês conduziu a nossa equipa em dez jogos oficiais, com este balanço muito favorável: nove vitórias, sete goleadas, 36 golos marcados. Números que reflectem um futebol ofensivo muito do agrado dos adeptos leoninos.

 

De termos recuperado o segundo lugar no campeonato. Ultrapassámos o Benfica, que ontem perdeu 0-2 em Portimão e hoje rescindiu contrato com o treinador Rui Vitória, e continuamos acima do Braga. A depender só de nós, à espera do confronto que teremos em breve com o FC Porto, líder da Liga portuguesa.

 

 

 

Não gostei

 

 

Que tivéssemos sofrido um golo mesmo ao cair do pano. Começa a tornar-se tradição com Keizer ao leme da equipa: até agora só por uma vez chegámos ao fim de uma partida com as nossas redes intactas. Hoje deixámos o Belenenses marcar aos 90'. O 2-1 até é um resultado que corresponde de modo mais fiel ao que se desenrolou em campo, mas parece-me inegável que devemos melhorar a organização defensiva.

 

Do resultado ao intervalo. Permanecia o empate a zero inicial, premiando o dispositivo táctico da equipa representativa da SAD de Belém. Que até nos mandou uma bola ao poste, iam decorridos 31'. Nesse aspecto também se registava empate, pois quatro minutos depois foi a nossa vez de levar uma bola a embater no ferro da baliza.

 

Da ausência de Bruno Fernandes. Enfim, o nosso médio ofensivo titular ficou de fora - devido à acumulação de cartões amarelos. A equipa ressentiu-se desta ausência: faltou alguma criatividade no nosso meio-campo, não inteiramente compensada pelas exibições positivas de Miguel Luís e Wendel.

 

De ver Bas Dost tão desperdiçado. O internacional holandês passou o jogo inteiro sem dispor de uma só oportunidade de golo: os colegas não puderam ou não souberam municiá-lo como ele tanto gosta. Este foi, assim, um dos raros desafios em que o nosso ponta-de-lança ficou em branco.

Armas e viscondes assinalados: Uma reviravolta de mão-cheia

Sporting 5 - Nacional 2

Liga NOS - 13.ª Jornada

16 de Dezembro de 2018

 

Renan Ribeiro (3,0)

Deu por si a encaixar dois golos sem culpa nenhuma, mas por volta da meia-hora põs travão ao descalabro em curso. Fez uma excelente defesa a impedir que um livre directo levasse o Sporting a recolher ao balneário com uma desvantagem de 0-3 e não mais permitiu veleidades à ameaça do nacional-madeirismo. Voltou a destacar-se na segunda parte ao impedir aquilo que seria o 3-3 e deu boa conta de si, não obstante ocasionais imperfeições na reposição de bola.

 

Bruno Gaspar (2,0)

Contam-se os minutos até que um dos youtubbers da moda faça um vídeo com as tentativas de cruzamento do lateral-direito contratado à Fiorentina por um ex-presidente leonino que continua suspenso. Voltou a atrapalhar-se quando tinha boas condições para fazer duas assistências para golo (na segunda parte, muito bem assistido dentro da área, até poderia inscrever o nome na lista de marcadores) e a bola começa a temer rumar à sua zona de influência tal qual os navios temem o triângulo das Bermudas. Bastante mais razoável a defender, diga-se de passagem.

 

Coates (3,0)

Uma das suas duas arrancadas pelo meio-campo adversário deu origem ao primeiro golo do Sporting, tal como na quinta-feira outra arrancada permitira o golo de Miguel Luís. Contrariada a estatística nesse ponto, segue-se o golo de cabeça que tarda em aparecer... Nas missões defensivas esteve tão bem quanto pode estar um central que vê a equipa sofrer dois golos, mesmo condicionado por um amarelo que o retira da difícil deslocação a Guimarães.

 

Mathieu (3,5)

Convém assinalar que o francês foi testemunha ocular do pontapé e do cabeceamento que deram vantagem à equipa visitante. Mas não só levou a equipa para a frente nos períodos de maior desorientação da primeira parte como consumou a reviravolta no resultado com um golo de livre directo que o ex-colega de equipa Lionel Messi decerto aplaudiria. 

 

Jefferson (2,0)

Voltou a provar que sabe fazer bons cruzamentos, e num deles permitiu que Bas Dost testasse os reflexos do guarda-redes adversário. Pena é que esteja cada vez mais apático, não raras vezes suicidário na abordagem aos lances de ataque do Nacional da Madeira. A boa notícia é que Acuña regressa na próxima jornada.

 

Gudelj (3,0)

Começou o jogo perdido no meio-campo e soterrado pela avalancha madeirense, melhorando numa segunda parte em que esteve perto de fazer estragos na baliza contrária. Ao contrário de Coates não viu o amarelo que o afastaria da próxima jornada, mas também há que reconhecer que para um natural da Sérvia Guimarães deve parecer a Disneylândia.

 

Bruno Fernandes (4,0)

Aquela velha história de o futebol ser um jogo de onze contra onze em que a Alemanha vence no fim encontra paralelismo na série de exibições do melhor jogador da época passada. Nos períodos mais negros da noite chegou a ser avistado perto dos centrais, iniciando jogadas que outros que não queriam ou não podiam iniciar. Ainda ouviu gritos de Bas Dost por tentar o remate cruzado num lance em que poderia ter tentado cruzar para o encosto do holandês, mas na segunda parte aproveitou a boa companhia de Miguel Luís para iniciar um recital que incluiu um golo fácil ao “ir às sobras” de Bas Dost, um remate de muito longe que ficou perto de surpreender o guarda-redes, uma tentativa de marcar em jogada individual e o último tento da noite, assumindo a recarga à queima-roupa do seu próprio remate de cabeça. 

 

Bruno César (2,0)

Escolhido para a titularidade por Marcel Keizer, andou desfasado do resto da equipa e nunca conseguiu provar que tinha um papel a desempenhar neste jogo. Só poderia ter regressado ao relvado após o intervalo se Alvalade ainda vivesse no tempo do outro senhor.

 

Nani (2,5)

Esteve longe de ter a noite mais feliz da carreira, primando pela lentidão no ataque e pelo alheamento nas acções defensivas. Leva como maior influência no jogo o cabeceamento defeituoso na jogada do primeiro pénalti sobre Bas Dost, um remate de longe e um passe longo para a área que seria açucarado caso chegasse a outros pés que não os de Bruno Gaspar. Saiu com problemas físicos que, a manterem-se, podem abrir a porta ao regresso do ex-vimaranense Raphinha ao onze inicial na próxima jornada.

 

Diaby (3,0)

Fez da velocidade e da vontade de ajudar a equipa forças que compensam as ocasionais falhas técnicas difíceis de resolver numa fase tão adiantada da carreira. O melhor cartão de visita foi uma arrancada de um lado ao outro do campo e a assistência para o golo anulado a Bas Dost em que o fiscal de linha viu o maliano em posição irregular e o videoárbitro manteve a decisão por falta de imagens de uma câmara avariada.

 

Bas Dost (4,0)

Invejosos vão dizer que as faltas que deram origem aos dois pénaltis que converteu (três se contarmos com a primeira marcação do segundo, mandado repetir devido à entrada de outros jogadores na grande área) são extremamente parecidas com as sofridas pelo mítico avançado benfiquista conhecido por Vidoso, tantas vezes ocorre o “pénalti do Vidoso”, mas bisou e voltou a colocar-se no topo da lista dos melhores marcadores, ao lado do bracarense Dyego Sousa. E ainda teve tempo para um golo anulado e para servir Bruno Fernandes no lance do 2-2, compensando uma ocorrência na primeira parte em que se esqueceu da aura de “bom gigante” e berrou com o colega após desferir um pontapé num poste que fez abanar a baliza.

 

Miguel Luís (3,5)

Entrou no início da segunda parte e deixou a impressão de que chegava com atraso de 45 minutos mais descontos. Dotado para as trocas no meio-campo em que assenta o modelo de jogo keizeriano, o jovem habituado a festejar títulos europeus mostrou que por ele também se pode festejar títulos nacionais. Líder absoluto nos passes para finalização, selou nova boa exibição com o cruzamento que quase permitiu a Bruno Fernandes marcar de cabeça.

 

Jovane Cabral (3,0)

Voltou a dar cartas em poucos minutos, executando o excelente passe para Bas Dost que levou ao primeiro golo de Bruno Fernandes. E mexeu sempre com o jogo de uma forma que Nani não ousaria fazer.

 

Marcel Keizer (3,0)

Ele bem avisou que prefere vencer por 3-2 em vez de 1-0, mas não deveria estar à espera de começar com um 0-2 e de ver o Nacional a encostar o Sporting às cordas antes de passar a ter o melhor ataque da Liga. Errou ao escolher Bruno César para o onze, corrigindo o passo em falso ao intervalo, só que os 45 minutos da segunda parte duram mais quando toda a gente se diverte, o que se aplica tanto ao relvado quanto às bancadas. Voltou a prescindir da terceira substituição, a conseguir ser feliz sem demasiado esforço e a deixar para mais tarde o inevitável dia em que tudo correrá pior.

Armas e viscondes assinalados: Primeiro houve baile e depois houve debutantes

Sporting 3 - Vorskla 0

Liga Europa - Fase de Grupos 6.ª Jornada

13 de Dezembro de 2018

 

Salin (3,0)

Voltou à baliza que nunca mais ocupara desde que saiu do estádio do Portimonense directamente para o hospital, superando as piores experiências das adolescentes britânicas na noite da cidade algarvia. Desta vez nada de mal lhe sucedeu, ao ponto de nem sequer sofrer golos. Algo que também não seria fácil, pois os ucranianos remataram muito pouco e quase sempre ao lado. No momento de maior (relativa) aflição saiu depressa e bem da grande área.

 

Ristovski (2,5)

Regressado de lesão, o macedónio recordou aos adeptos que garante maior apoio ao ataque do que Bruno Gaspar sem lhe ficar atrás na defesa. Ganhou algum ritmo que ainda manifestamente lhe falta e pôde descansar mais cedo quando Marcel Keizer decidiu conceder oportunidades à juventude leonina.

 

Coates (3,5)

Terminou o jogo com a braçadeira de capitão, entregue por Bruno Fernandes quando foi substituído, e o uruguaio mereceu a honra num jogo em que foi um dos três únicos titulares da recepção ao Desportivo das Aves que não tiveram direito a sopas e descanso. Mesmo tendo facilitado num lance da segunda parte que poderia ter sido melhor aproveitado pelos ucranianos, Coates não só acumulou os tradicionais cortes pela relva e pelo ar como deu início à jogada do segundo golo dos leões.

 

André Pinto (3,0)

Voltou a demonstrar que os medicamentos genéricos podem ser tão eficazes quanto os de marca, contribuindo de forma decisiva para a nada habitual ausência de golos sofridos. Para a noite poder ser mais risonha bastaria que fosse mais expedito nas oportunidades que teve para marcar na grande área contrária.

 

Acuña (3,5)

Já tinha perdido perdão com palavras pela sua expulsão no jogo anterior, mas desta vez pediu perdão com actos, voltando a mostrar-se inflexível a defender e letal a atacar. Contribuiu directamente para o tento inaugural, destacou-se no um contra um e só não conseguiu ser mais decisivo porque os colegas desperdiçaram os livres e cantos que lançou com conta, peso e medida para a grande área contrária.

 

Petrovic (3,0)

Mesmo o cartão amarelo que recebeu, anacrónico num jogo de inequívoco domínio do Sporting, foi um sacrifício necessário para impedir uma incursão de Careca, o brasileiro que foi o mais perigoso de entre os ucranianos. Seguro a vigiar e punir as movimentações do adversário, o sérvio conquistou as bancadas com alguns toques de classe que nem parecem vir do mesmo jogador que falhou o 4-0 ao enviar para cima da barra uma bola que cabeceou à vontade. Mas não tanto quanto estava na primeira parte, sendo então capaz de saltar em falso e deixar o esférico seguir para longe.

 

Miguel Luís (3,5)

Permitiu a defesa do guarda-redes do Vorskla na primeira assistência que recebeu de Bruno Fernandes, mas à segunda oferta empurrou a bola para o fundo da baliza. Dificilmente poderia esperar melhor naquilo que pareceu um teste de aptidão à corrida pelo lugar do lesionado Wendel. Eficaz nas trocas de bola em que assenta o novo sistema de jogo leonino, o jovem da formação marcou pontos e deu por si rodeado de oriundos dos sub-23.

 

Bruno Fernandes (4,0)

A assistência para o golo de Miguel Luís e a semi-assistência para o autogolo do defesa ucraniano que se antecipou à Montero foram dois dos melhores momentos de mais uma grande exibição do jovem que entrou no relvado como capitão. Ainda melhor foi a assistência de calcanhar desaproveitada por Miguel Luís, o passe de calcanhar que permitiu a Acuña cruzar para o 1-0 e as muitas combinações que infernizaram os adversários e ajudaram a que o resultado ficasse feito antes do intervalo. Saiu vinte e poucos minutos antes do fim, com a sensação de dever muito bem cumprido.

 

Carlos Mané (3,0)

Irrequieto ao longo do jogo inteiro, mesmo que isso tenha implicado foras de jogo e perdas de posse de bola, a esperança adiada da Academia de Alcochete demonstrou vontade de recuperar o tempo perdido. Não ficou nada longe de marcar, ainda que tenha preferido jogar para a equipa.

 

Jovane Cabral (2,5)

Não era a noite do habitual talismã quando salta do banco de suplentes. Alternou momentos em que pareceu perdido no relvado com períodos de hiperactividade pouco esclarecida. Sendo o mais rematador da equipa, nada melhor conseguiu do que um remate às redes laterais na primeira parte e do que permitir uma boa defesa ao guarda-redes ao receber uma assistência de Carlos Mané em posição frontal. Pode ser que no domingo recupere o hábito de saltar do banco para alterar o marcador.

 

Montero (3,5)

Atrapalhou-se ao ser isolado frente ao guarda-redes por Jovane Cabral, mas no lance do primeiro golo provou que é capaz de cabecear por instinto e a sua presença bastou para induzir um adversário a fazer autogolo. Sempre excelente a combinar com Bruno Fernandes, não merecia o extremo azar de sair de maca devido a uma bola dividida no meio-campo.

 

Pedro Marques (3,0)

O jovem avançado que está longe de ser titular indiscutível nos sub-23 teve direito a mais de meia hora de jogo devido à lesão de Montero e tudo fez para deixar marca. Campeão dos foras de jogo, podia ter marcado num cabeceamento por cima da barra e numa jogada de insistência dentro da grande área do Vorskla. Nada mal para um dos dois estreantes na equipa principal do Sporting.

 

Thierry Correia (2,5)

Voltou a somar minutos na Liga Europa, e sem estar isento de erros defensivos pode dizer que ficou a centímetros de juntar o seu nome à lista de marcadores na competição.

 

Bruno Paz (3,5)

O segundo e último debutante na equipa principal deu muito boa conta de si desde o instante em que ocupou o lugar de Bruno Fernandes. Robustez física, qualidade de passe e visão de jogo foram os requisitos para fazer figura em pouco mais de 20 minutos, pois assistências como aquela que fez para Thierry Correia não estão ao alcance de qualquer um.

 

Marcel Keizer (3,5)

Trocar oito titulares e mesmo assim chegar ao intervalo a ganhar por 3-0 é um sinal de que a sorte protege os audazes. Depois de ter visto a equipa dar baile aos ucranianos, optou por dar minutos aos jovens que convocara e chegou ao apito final com seis ‘made in Alcochete’ no relvado, para gáudio dos 25 mil que foram a Alvalade numa noite fria. Domingo há mais, e o treinador holandês terá  quase todos os titulares bem frescos para somar mais três pontos na recepção ao Nacional da Madeira.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - O Renascimento by Keizer

Num passado não tão longínquo, um jogo contra uma equipa menor na Liga Europa, do género de um Skenderbeu, um Astana ou um Plzen, seria um sofrimento. Entrando em campo sem 8 titulares e com Battaglia e Wendel lesionados (a quem hoje se juntou Montero), os dias anteriores seriam pródigos em desculpas antecipadas e desvalorização da competição uefeira, até porque já estávamos qualificados. Os miúdos dos Sub23 teriam sido convocados apenas para mostrar à Direcção que eram necessários reforços e a partida terminaria com uma derrota, um empate ou uma vitória tirada a ferros, tudo muito carpido e de modo a manter os adeptos permanentemente ligados ao desfibrilador. Nesse tempo, futebol era sinónimo de condicionamento e não de golo, e os artistas eram os treinadores e não os jogadores. O futebol como anti-futebol.

 

Algo mudou em Alvalade, pois Marcel Keizer na preparação do jogo começou a ganhá-lo e a conquistar os jovens que teve ao seu dispôr. Ele pediu-lhes que mostrassem que podiam ser opção e eles corresponderam, mostrando grande atitude. E, pormenor importante, num jogo europeu, terminámos o encontro com 6 jogadores made-in Alcochete, tudo isto sem sofrermos qualquer golo. Mantendo apenas Coates, Acuña e Bruno Fernandes na equipa inicial, o Sporting mostrou desde o início a qualidade do seu jogo interior. Miguel Luís e Bruno Fernandes iam trocando sistemáticamente de posição e baralhando as marcações do Vorskla, sempre com o apoio por dentro de um dos alas e com os laterais em simultâneo a darem profundidade e, com isso, a deslocarem adversários do centro do terreno. O maiato, hoje capitão, foi o maestro que pautou o compasso de todo o jogo dos leões: de calcanhar, começou por isolar Miguel Luís na cara do guarda-redes ucraniano para mais tarde servir Acuña no lance em que Montero inaugurou o marcador; depois, em jogada iniciada por uma recepção de bola prodigiosa de "El Avioncito", tabelou com Mané e ofereceu de bandeja para Miguel Luís concretizar; a finalizar a primeira parte, recebeu de Jovane e colocou na dividida entre Montero e Dallku para o terceiro da noite; já no segundo tempo, e imediatamente antes de ter sido poupado a mais esforço, brindou-nos a todos com uma roleta russa digna de causar um traumatismo ucraniano aos dois oponentes com quem dividiu o lance. 

 

Não se pense que o Sporting foi só o seu maestro. Já depois deste sair, a orquestra continuou a tocar boa música até ao fim, com destaque para Petrovic e os jovens Thierry Correia, Jovane Cabral e Pedro Marques, este último por duas vezes, os quais tiveram nos pés e na cabeça oportunidades para dilatarem o marcador, sinal de que hoje em dia os espectáculos são entendidos como longas-metragens e não como festivais de curtas. Para além destes, cumpre realçar o bom jogo de pés de Salin, a raça de Acuña (por vezes a complicar o que torna fácil), os desdobramentos de Miguel Luís e a classe e inteligência de Montero, hoje saído prematuramente dado o infortúnio de uma lesão no tornozelo. Bons pormenores também de Bruno Paz, na condução de bola e passe. Uma última menção para a diagonal para a área protagonizada por Pedro Marques nos últimos minutos do encontro, com dois adversários em cima, que não está seguramente ao alcance de muitos. Ficou-me na retina, até por não ser rotina (vêr esse tipo de movimento).

 

Respira-se um óptimo ar no balneário do Sporting e nota-se que os jogadores desfrutam em campo, sinal de que já foram conquistados pelos métodos de Keizer. Há uma cultura em que todos são importantes e cada jogo é valorizado e visto como uma oportunidade para quem joga menos. A vontade com que os miúdos entraram em campo mostrou à saciedade que sentem que o treinador conta com eles e que não estão a ser usados como uma chiclete que se prova, mastiga e deita fora (sem demora).

 

Não deixa de ser curioso que na quadra natalícia se esteja a assistir ao nascimento de um novo Sporting. Em época de Jesus (Cristo, não o "Lawrence" das Arábias), o protagonista desta mudança de paradigma é Marcel Keizer, o nosso Mona Lisa. Onde outros viam ameaças ou pediam meses, ele vê oportunidades e não perde tempo com vaidades ou minudências. A arte de transformar o complexo em simples é um dom só ao alcance de poucos e requer apurada inteligência. Keizer tem-na. Podemos nem ganhar o campeonato, mas a satisfação que hoje tiramos ao vêr um jogo do nosso clube mostra à evidência que o holandês foi o presente antecipado que o Pai Natal verde (o original, não o da Coca-Cola) nos colocou este Natal no sapatinho. Há 20 golos, 20 razões que justificam esta afirmação.

Então, até à próxima! (que agora vou tomar uma "túlipa".)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes

vorskla liga europa.jpg

O que fazer com estes três?

Nos últimos anos, a política desportiva do Sporting em matéria de formação andou aos tropeções. De tal maneira que perdemos influência e peso nas selecções jovens. Não por acaso, o Sporting B foi desvalorizado - ao ponto de descer de divisão. E os miúdos formados na Academia foram perdendo as expectativas de singrarem em escalões superiores, esbarrando com mil obstáculos levantados por gente mais propícia a acolher de braços abertos o primeiro sérvio que desembarcasse em Lisboa.

Mesmo assim, tivemos três jogadores na selecção que acaba de vencer o Campeonato Europeu de sub-19: Thierry CorreiaMiguel Luís e Elves Baldé.

É o momento de perguntar aos responsáveis desportivos do Sporting - e a todos os candidatos à eleição de 8 de Setembro - o que pretendem fazer com a formação em geral e estes jovens jogadores em particular. Para que não se percam, como tantos outros, de empréstimo em empréstimo e de tropeção em tropeção.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D