Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O Sporting – Newcastle (2004/2005)…

 

… terá sido, porventura, o melhor jogo que eu me lembro do Sporting ter feito.

O Sporting partia para o jogo em desvantagem e em desvantagem começava o jogo, tal como o treinador profetizava na véspera. A realidade não era favorável visto que alguns jogadores fundamentais, por várias razões, não estavam disponíveis. Porém, a força do querer dos restantes jogadores sobrepôs-se e o resultado foi aquele sabemos.

 

Creio que o espírito deste jogo, a vontade de vencer, seja o mote para a época 2018/2018… afinal de contas o treinador é o mesmo.

Indigno

img_FanaticaBig$2017_06_21_17_40_43_1280049.jpg

A perpetuação de citações em monumentos deve, por regra, ficar reservada a quem marcou (positivamente) a história.

Aquando da inauguração da estátua da rotunda do leão, achei bastante duvidoso que Bruno de Carvalho merecesse honras de ter o nome e uma frase sua (muito básica, por sinal) gravados de forma perene. Veja-se o bom exemplo, em sentido contrário, por parte do seu homólogo nortenho: Pinto da Costa, a propósito da recusa em designar o novo estádio do Porto por "Estádio Jorge Nuno Pinto da Costa", explicou ser contra os seus princípios baptizar qualquer que seja a obra com o nome do presidente que lidera a equipa que a faça. 

Agora, com todos os tristes acontecimentos que, nos últimos meses, vêm caracterizando o período mais negro da história do Sporting, parece-me claro que, seja já em modo de protesto, seja aquando da sua saída (está escrito nas estrelas), a inscrição gravada na estátua do leão, alusiva a Bruno de Carvalho, deverá ser removida. 

Desculpem-me a franqueza, mas a higienização que será necessária levar a cabo no Sporting também terá de passar por aí.

Outros tempos

joao-rocha-1_770x433_acf_cropped[1].jpg

 

João Rocha, presidente do Sporting Clube de Portugal entre 1973 e 1986.

No seu mandato, o clube ganhou mais de 1200 troféus nacionais e internacionais em todas as modalidades, incluindo 52 Taças de Portugal, oito títulos internacionais no corta-mato e quatro no hóquei em patins. No futebol, durante a sua presidência, o Sporting foi três vezes campeão nacional de futebol e venceu três Taças de Portugal.

O que diria ele agora?

«Medo da assembleia geral»

«Godinho Lopes tem medo da assembleia geral. Isto é indesmentível. É legítimo que queira cumprir o seu mandato, mas também é legítimo que as pessoas o contestem: a democracia diz isso mesmo, não tem outra leitura. Como tem medo de ser destituído, quer protelar a realização desta assembleia.»

Palavras de Fernando Correia, pronunciadas a 22 de Janeiro de 2013, na TVI 24. Palavras que se aplicam como uma luva à situação actual no Sporting: basta tirar nesta delcaração o nome de Godinho Lopes e pôr Bruno de Carvalho, o homem que ameaça impugnar a assembleia geral do próximo dia 23, na desesperada tentativa de calar a voz dos sócios. Exactamente como o seu antecessor procedeu há cinco anos.

Novo porta-voz do futuro ex-Conselho Directivo do Sporting, Fernando Correia subscreverá em Maio de 2018 aquilo que afirmou em Janeiro de 2013?

A história repete-se

Sem uma frase de mea culpa, sem o reconhecimento de um erro, sem um traço de humildade, [o presidente] invoca a sacrossanta "estabilidade do clube" enquanto lança litros de gasolina para uma fogueira que não cessa de arder. Diz não ter medo de "enfrentar os sócios" mas recusa reconhecer que ele próprio é o maior foco de instabilidade num clube que tem sido um contínuo vaivém de treinadores, jogadores e dirigentes desde o início do mandato deste Conselho Directivo. Vem invocar as proezas registadas nas modalidades sem admitir que no futebol profissional o Sporting vive a página mais negra do seu longo e prestigiado historial. Diz que nunca fez promessas, já esquecido das abortadas garantias de "dinâmica de vitória", das "estratégias de internacionalização" jamais concretizadas e do clube "independente da banca" que não passou de miragem, usadas como chamariz eleitoral para captar os votos dos sócios.

Afirma querer unir os adeptos sem reparar que nunca a desunião entre os sportinguistas foi tão notória.

 

De um texto meu neste blogue, datado de 1 de Fevereiro de 2013

O que dizia ele há cinco anos

«O essencial é e será sempre dar a voz aos Sportinguistas e acreditar sempre na sua capacidade de decidir o que é melhor para o Clube.»

 

«As insinuações de eventual impugnação da Assembleia Geral Extraordinária por parte da Direcção só vêm evidenciar um conjunto de manobras dilatórias para tentar evitar dar voz aos Sócios, o que é indigno e inadmissível numa instituição como o Sporting Clube de Portugal.»

 

«Perante este estado ditatorial e anti-democrático que se quer instaurar no Sporting Clube de Portugal, não podemos ficar calados e temos que manifestar bem alto a nossa indignação. Apenas exigimos que se cumpram os estatutos, pois não é admissível que estes a mando de quem neles manda impeçam que a MAG cumpra o seu dever e obrigação com os Sportinguistas.»

 

«Na AGE, os sócios decidirão aquilo que entenderem o que é melhor para o Clube, assim lhes seja dada a oportunidade, que por direito próprio é sua, e que a mesma seja marcada tendo em conta que o prazo de 30 dias não se inicia na data de confirmação da documentação por parte dos serviços, mas sim na data de entrega do requerimento.»

 

«O Sporting é dos Sócios e ninguém os calará!»

 

Palavras de Bruno de Carvalho, em 22 de Janeiro de 2013

Um erro colossal (texto revisitado)

ng0B9CB578-4452-43FA-A44F-7E276948D796[1].jpg

 

A 15 de Maio de 2015, exactamente três anos antes da dramática violação das instalações de Alcochete, que traçou uma linha fronteiriça - uma espécie de "11 de Setembro" - no Sporting, escrevi neste blogue um texto que hoje lembro:

https://sporting.blogs.sapo.pt/um-erro-colossal-2031028

 

Dois excertos:

«Mudam as gestões, mudam os nomes inscritos no gabinete presidencial, mas o Sporting mantém-se fiel à péssima tradição de ser um cemitério de treinadores. O experimentalismo contínuo, que não permite sedimentar processos de jogo e modelos tácticos nem criar verdadeira empatia entre adeptos e equipas técnicas, tornou-se lei comum em Alvalade. A instabilidade não vem de fora, vem de dentro.»

«Como escrevi aqui em Dezembro, "o destino de um está ligado ao destino do outro. Ou seja, o fracasso de Marco Silva representaria também o fracasso de quem o contratou e o vinculou contratualmente ao Sporting durante quatro anos". Não é preciso nenhum especialista externo em "gestão de crises" soprar-lhe esta evidência ao ouvido para Bruno de Carvalho ter a certeza absoluta de que será assim.»

 

Isto a propósito dos rumores (que viriam a concretizar-se) do iminente despedimento de Marco Silva, último treinador que até hoje deu um troféu digno de nota ao Sporting - alvo também ele, como depois sucederia com Jorge Jesus, de inadmissíveis actos de bullying por parte do presidente da SAD leonina.

Ambos, curiosamente, em situação muito semelhante, a poucos dias da realização de uma final da Taça verdadeira.

 

Muitos dos que aplaudiram Bruno de Carvalho em 2015 viriam a criticá-lo por aplicar a mesma receita a Jesus em 2018.

Mas as sementes do poder inconsistente, experimentalista e errático no Sporting, ao sabor dos estados de alma do presidente, já lá estavam.

 

Lamento muito, mas ao revisitar este meu texto verifico que o início do fim do consulado Carvalho esteve precisamente ali, como naquele instante exacto intuí: no absurdo despedimento de Marco Silva logo após ter vencido a Taça de Portugal para o Sporting.

Sete anos depois da última conquista, com Paulo Bento ao leme do plantel.

 

A partir daí, foi sempre a descer ladeira abaixo.

"Um erro colossal", assim lhe chamei. E reafirmo.

 

 

P.S. - Vale a pena reler também a caixa de comentários desse meu texto de 15 de Maio de 2015.

"Nós éramos uma equipa de jovens miúdos"

Este texto já era para ter saído há umas semanas, mas agora também se adequa. 

"Nós eramos uma equipa de jovens miúdos que eramos caracterizados por tudo menos por sermos arruaceiros em campo. Nós só queriamos era jogar futebol e jogávamos muito bem" 

Ouvi o Nelson (antigo lateral direito do Sporting, na que julgo ter sido a melhor equipa que vi jogar) dizer isto no #Sporting160, a propósito de um jogo com o Porto em 93/94, no qual vimos três jogadores serem expulsos por Carlos Valente (peço desculpa por esta má memória). Voltarei a comentar este episódio noutra ocasião.

E ontem, sobretudo ontem, veio-me à cabeça "jovens miúdos" e "só queríamos jogar à bola". De certa forma consigo rever naquela frase muitas equipas de futebol, em particular do Sporting. Com mais ou menos diferenças, são sempre equipas de miúdos que querem jogar à bola (de vez em quando lá aparece um que mostra menos vontade, mas vá).

Eu sei que há muitas irritações com a equipa, sei que não ganhamos um campeonato há muito tempo, que as fúrias e exaltações tendem a crescer. Mas não me esqueço que a ideia dos "meninos mimados" foi legitimada e tem sido alimentada no último mês e meio. Digam o que disserem, esta escalada veio daí, bastantes pessoas passaram a fazer disso bandeira, como se estar com uns fosse estar contra outro. Que não os aplaudam, que tenham achado tudo muito bem até domingo, é-me indiferente, cada um escolheu o lado que quis, ou não escolheu porque é o Sporting que interessa no fim. Mas a verdade é que foi o que nos trouxe a onde estamos hoje. E não é um lugar bonito.

É legítimo que estejam zangados e nos vejam a todos da mesma forma. É muito mais dificil passar o apoio do que aquela violência, o mau comportamento propaga-se muito mais facilmente e foi a mensagem que receberam. Bem sei que houve apoio ontem à noite, mas há muito a digerir. 

O que aconteceu ontem nunca podia ter acontecido. Nunca. Não os aplaudam se não quiserem, mas pelo menos mostrem que não somos como aqueles palermas que ontem invadiram a Academia.

Saudade

Usando palavras, do nosso leitor Jorge Santos, que faço minhas / nossas:

 

«(… ) Permitam-me uma última nota (mais em jeito de lamento e de saudade): mesmo sem nunca ter assistido a uma grande conquista europeia, tenho IMENSAS saudades das "grandes noites europeias" que vivi no antigo Estádio José Alvalade, onde o Sporting (pelo menos em casa) se batia com qualquer equipa e raramente perdia. Sei muito bem que os tempos eram outros e totalmente diferentes, as equipas só podiam jogar primeiro com 2, depois com 3 estrangeiros e a diferença para os "monstros europeus" não era tão grande como actualmente [é] (…)»

O meu / nosso Sporting (cont.)…

Recentemente, Carlos Carvalhal referiu-se a José Mourinho como o melhor treinador de sempre do futebol português, não só pelos títulos que ganhou mas, principalmente, por aquilo que representa para a mudança de paradigma da imagem do português na sua generalidade.

Diz Carvalhal: «As novas gerações estão mais bem preparadas, já temos no estrangeiro arquitetos, engenheiros informáticos… Mas mudar a imagem do português continua a ser difícil e o Mourinho foi um dos que fez acelerar todo o processo, contribuindo para modernizar a imagem de Portugal».

Concordo!

 

Curiosamente, Carlos Carvalhal e José Mourinho, dois técnicos, de formas distintas, do universo leonino: o primeiro treinou a nossa equipa, o outro… não o quisemos - literalmente. Somos, realmente, um clube muito esquisito!

Passando à frente.

 

Se Mourinho é o melhor técnico de futebol de sempre do futebol português, na minha opinião não o é do desporto português (peço desculpa pela repetição). Esse lugar pertence a

Mário Moniz Pereira.

 

E do futebol sportinguista, qual o treinador que guardam melhores recordações?

 

Para mim, o primeiro treinador que aparece no meu imaginário é Malcolm Allison.

O meu / nosso Sporting...

Nunca duvidei do amor que Bruno de Carvalho sente pelo clube. Reconheci os seus méritos, assim como escrevi que não entendia a razão de Bruno Carvalho sentir necessidade de fazer oposição a ele próprio.

Todo este crescendo, que ultimamente – enquanto sportinguistas – vivemos, deixa-me profundamente triste e magoado. Não quero reviver os tristes tempos de final mandato das persidências de Jorge Gonçalves e Godinho Lopes.

Não sou sportinguista por causa de nenhum presidente que o clube teve, sou, em primeira razão, por via do maior sportinguista que conheci – o meu pai. Na minha infância, as figuras do clube que tinha como referências eram duas, por esta ordem:

- Manuel Fernandes;

- Carlos Lopes.

Nenhum presidente pode “eucaliptar” (peço desculpa pela palavra) o clube.

 

E vocês, lanço o convite, quais foram as figuras do Sporting, que, em crianças, tinham como referência?

(por certo não foi nenhum presidente)

A importância de ter memória

«Em 2010, com o Carlos Carvalhal, empatámos com o Atlético de Madrid a zero, acabando a jogar com nove jogadores e jogando com dez mais de uma hora. A equipa tinha esta constituição: Patrício, Abel, Tonel, Polga, Grimi, Pedro Mendes, Miguel Veloso, Pereirinha, Moutinho, Izmailov e Liedson. Nessa altura, tínhamos a mania que a culpa era sempre do treinador.»

 

Rui Monteiro, n' A Insustentável Leveza de Liedson

Séries televisivas

Ontem, na RTP1, passou mais um episódio de uma série escrita por Nuno Markl, cuja acção decorre no ano de 1986 (ano que dá nome à série).

Recuar, na memória, às séries televisivas dos finais dos anos ’80 e início dos '90 seria um desenrolar de um novelo muito extenso, porém recordo uma:

 

 

Peço desculpa por não ter falado do Sporting…

Comparar

 

Em 2013/14, à 25.ª jornada, seguíamos na segunda posição, com 57 pontos. A 7 do Benfica e com mais 8 do que o FC Porto. Com 47 golos marcados e 17 sofridos. Treinador: Leonardo Jardim.

 

Em 2014/15, à 25.ª jornada, seguíamos na terceira posição, com 53 pontos. A 12 do Benfica e a 8 do FC Porto. Com 46 golos marcados e 22 sofridos. Treinador: Marco Silva.

 

Em 2015/16, à 25.ª jornada, seguíamos na segunda posição, com 59 pontos. A 2 do Benfica e com mais 4 do que o FC Porto. Com 49 golos marcados e 15 sofridos. Treinador: Jorge Jesus.

 

Em 2016/17, à 25.ª jornada, seguíamos na terceira posição, com 51 pontos. A 12 do Benfica e a 11 do FC Porto. Com 47 golos marcados e 26 sofridos. Treinador: Jorge Jesus.

 

Em 2017/18, à 25.ª jornada, seguimos na terceira posição, com 59 pontos. A 8 do Porto e a 3 do Benfica. Com 49 golos marcados e 16 sofridos. Treinador: Jorge Jesus.

 

Esclarecimento

Subscrevendo todos os textos aqui publicados, permitam-me um esclarecimento, para os desmemoriados, sobre o significado da palavra «Império» no universo sportinguista.

«Império» refere-se unicamente à Taça que o Sporting ganhou ao Benfica na inauguração do Estádio Nacional, marcando Peyroteo o primeiro golo neste estádio.

 

 

Olympique Lyonnais – Sporting (8 Abril de 1964)

 Ol. Lyon - 0 x Sporting - 0

1ª mão das 1/2 finais Taça das Taças

 

Emigração nos anos '60: A escolha de um destino

 

«“Não escolhi a França. A emigração clandestina fazia-se para lá”. A avó materna arranjou-lhe o dinheiro [1]. “Pediu-o emprestado a uns senhores. Disse-lhes que precisava de comprar duas vacas. Os animais nunca apareceram, claro, e eles ficaram chateados. Mas pagámos tudo que devíamos durante o ano seguinte”.

            Os três homens deixaram Louriçal do Campo no início de outubro, ao fim da tarde. O ponto de encontro era nas traseiras do posto de eletricidade que ficava a mais de dois quilómetros da aldeia. O passador tinha pedido que não levassem muita coisa. “Fugi para a França como se fosse para a festa, com o fato e os sapatos de domingo, sem casaco. Levava às costas um saco de pano com duas sandes que a minha mãe me tinha feito e na mão uma pasta de couro com dois pares de meias e 300 escudos em dinheiro (119 euros aos preços de hoje)”.

            A primeira hora de viagem foi feita de táxi. O passador recebeu todo o dinheiro de uma vez. “Comprometeu-se a levar-nos novamente sem receber mais dinheiro caso fossemos presos”. Deixou os três homens a 20 quilómetros da fronteira, na Serra da Malcata. Grande parte do caminho até França seria feita a pé. “Acho que a viagem durou uns 23 dias, mas perdemos a noção do tempo”. Atravessaram a fronteira naquela noite, sozinhos, e dormiram ao relento. O passador voltou para conduzi-los a uma casa numa aldeia perdida, quase abandonada. De vez em quando, dava-lhes chouriço, pão e chocolate. No fim do mês, quando entraram no comboio em Hendaia, receberam uma lata de sardinha. “Nunca na minha vida passei tanta fome. Chegámos a lutar uns com os outros por comida. Transformámo-nos em animais”.

            O grupo foi crescendo à medida que a viagem avançava - já eram 30 homens quando chegou o momento de cruzar a fronteira francesa. Manuel continuava a ser o mais novo. “Viajámos até Vitória, no País Basco, num camião de gado cheio de esterco, íamos de pé e o cheiro era insuportável. Chegaram de madrugada a outra pequena aldeia. Dormiram num aprisco, entre mais de 100 ovelhas. “Foi um dos momentos mais felizes da viagem, porque nós vínhamos cheiinhos de frio. Metemo-nos no meio dos animais, aquecemo-nos e bebemos leite quente, mungido ali”, recorda. Nesta altura, os sapatos de domingo de Manuel já estavam desfeitos - o passador deu-lhe umas botas de borracha para a travessia dos Pirenéus, mas isso serviu de pouco. “O frio era tanto, o martírio foi tão grande durante aquela semana a caminhar pelas montanhas, que se eu tivesse encontrado um polícia espanhol rendia-me e pedia para voltar”, garante. “O sentimento que mais recordo é o medo. Em certas ocasiões fomos deixados um ou dois dias abandonados. Pensámos que íamos morrer ali. Um dos homens do grupo perdeu-se pelo caminho - nunca chegou a França. Outro esteve quase a ser deitado por uma ribanceira pelos passadores. Via mal e começou a dizer, aos gritos, que não queria avançar. Pedia para o deixarem pelo caminho. Não podia ser: ou seguia ou morria. Vivo podia denunciá-los à polícia”.

            Antes de o grupo chegar à estação ferroviária de Hendaia - por onde, entre 1969 e 1971, mais de 300 mil portugueses entraram em França - o passador dividiu o grupo em três, consoante o destino de embarque: Paris, Toulouse e Lyon. Manuel Dias Vaz escolheu o último comboio. “Tinha um primo afastado a viver em Lyon e levava a morada dele escrita num papel. Para além disso, o meu Sporting tinha jogado há pouco tempo contra o Olympique Lyonnais e eu fiquei impressionado com o jogo, embora tenha acabado por nunca ir ao estádio”.

            O comboio chegou de madrugada, havia cinco centímetros de neve no chão. “As luzes impressionavam, davam uma ideia de festa”. Na gare, Manuel pediu ajuda para encontrar o endereço do primo. Um autocarro deixou-o quase à porta de uma empresa de construção civil. A mulher ao balcão ligou a um chefe de equipa português para pedir ajuda: “Ele veio. Conversou com ela à minha frente em francês. Só percebi a palavra miséria. Como sabia de carpintaria, decidiram dar-me emprego” Escreveu à família a dizer que tinha chegado bem e que estava feliz. O primo apareceu oito dias depois.»

 

[1] - Numa reportagem publicada a 4 de novembro de 1966, o jornal católico francês La Croix escreveu que o "salto" podia custar entre 4 mil e 8 mil escudos, 14211 e 2841 euros aos preços de hoje, respetivamente.

 

In: FERNANDES, Joana Carvalho - A porteira, a madame e outras histórias de portugueses em França. Lisboa : Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2015. pp. 38, 39

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D