Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O dia seguinte

Se ontem tivemos um misto AB, hoje tivemos um A+Marsà. E Marsà logo começou a demonstrar o que tem em comum com o azarado (que voltes bem depressa, Daniel) Daniel Bragança. Muita técnica em pouco físico, o que se é mau no meio-campo é péssimo no eixo central da defesa.

O Sporting entrou mal como entrou em muitos jogos do campeonato nacional, mas foi-se encontrando muito pela presença de Matheus Reis na defesa e pela capacidade de desequilibrio de Pedro Gonçalves no ataque. Depois, são de salientar as movimentações de Tabata nos espaços livres criados pelas movimentações de Paulinho.

E assim conseguimos chegar  em vantagem ao meio da segunda parte perante uma boa equipa de Espanha, o Villarreal, com a qual até temos más memórias.

Depois vieram as substituições, o jogo foi decaindo e duma má cobertura dum miúdo de que gosto muito, o Hevertthon Santos, surge o golo do empate.

Concluindo, os titulares da época passada, muitos solicitados pelas respectivas selecções, ainda estáo a aquecer os motores. Os miúdos vão sendo testados nas posições que Amorim entende as melhores para eles, eu até posso discordar, mas ele é que sabe, foi ele que transformou um vulgar médio no melhor marcador do campeonato.

Mais um óptimo treino para chegar a Braga e ganhar.

Melhor em campo: Matheus Reis

SL

Balanço (10)

149120261_10157528637951555_3007303515459387992_o-

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MATHEUS REIS:

 

- Pedro Oliveira: «Nasceu em São João, estado de São Paulo, contribuiu para que o último jogo fosse uma procissão dos Paços mas com os de Ferreira a carregarem a cruz, duas cruzes. Domingo foi dia de São Matheus e de Reis. Matheus Reis.» (9 de Novembro)

Luís Lisboa: «Foi um canivete suiço extremamente eficiente e esteve no lance capital, a expulsão do jogador adversário.» (30 de Dezembro)

Eu: «O melhor em campo. Voltou a evidenciar-se como um dos grandes valores deste Sporting 2021/2022. Sobretudo no seu envolvimento em lances ofensivos bem desenhados, com ponto alto na assistência para o golo.» (27 de Fevereiro)

Pódio: Adán, Matheus Reis, Coates

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no FC Porto-Sporting, da meia-final da Taça de Portugal, pelos três diários desportivos:

 

Adán: 17

Matheus Reis: 16

Coates: 16

Neto: 14

Ugarte: 14

Matheus Nunes: 12

Gonçalo Inácio: 12

Esgaio: 11

Sarabia: 11

Pedro Gonçalves: 11

Porro: 11

Paulinho: 10

Edwards: 8

Palhinha: 1

Nuno Santos: 1

 

A Bola e o Record elegeram Matheus Reis como melhor Leão em campo. O Jogo optou por Adán.

O dia seguinte

Estes primeiros jogos depois das pausas das selecções são sempre complicados, a adrenalina dum grupo focado migra para parte incerta, cada um vive a pausa da sua forma. E ontem o onze feito de titulares que Rúben Amorim colocou em jogo parece que pouco tinha jogado junto, cada um a fazer o seu número que nada tinha a ver com o do colega ao lado, um futebol lento e previsível frente a um adversário "copy cat" do modelo do Sporting treinado por um ex-colega e admirador de Amorim, e foi assim que se chegou ao intervalo em vantagem através dum penálti a que já irei. Fora isso foi o desperdício de Pedro Gonçalves na única vez em que tudo foi bem feito e que fez jus ao título de campeão nacional.

Veio o segundo tempo e tudo ficou ainda pior, às tantas parecia que o Sporting equipava de amarelo. Até que entraram duas das aquisições deste ano, aquelas de que alguns dizem do pior, ou porque são do Mendes, ou porque os passes são partilhados, ou porque os valores são altos de mais, ou pelas comissões, ou daquilo que se lembrarem para justificarem andarem a cuspir na sopa que comem, agora que a relva está óptima e recomenda-se.

E com um Ugarte que regressou do Uruguai em modo turbo (assim vale a pena ter jogadores convocados para as selecções) e um Edwards em modo esgravulha o jogo mudou por completo e partir daí as oportunidades sucederam-se, foi mais um golo, podiam ter sido três ou quatro, que o diga Sarabia. Marcou o Nuno Santos, depois dum passe magistral do Ugarte.

Com adeptos (alguns, como é óbvio) que assobiam a equipa com ela a ganhar, depois do rival ter perdido, realmente só se pode esperar o pior. Felizmente não aconteceu. Depois admiram-se de andarem a perder títulos anos a fio com quem não assobia os seus jogadores mesmo depois das maiores cabazadas. E muito menos a ganhar em casa.

Melhor em campo? Daqueles que iniciaram o jogo, depois do óbvio Sarabia, o Matheus... não o Nunes, que anda a jogar mais para a bancada e menos para a equipa, o outro, o Reis. Dos outros, o Ugarte claro. Parecia-me o novo Aldo Duscher mas agora digo que é mesmo o Manuel Ugarte. Que se calhar chegará mais longe que o outro.

Sobre o penálti? Recordam-se daquele que marcaram ao Matheus Reis contra o Braga e que o Hugo Miguel demorou 5 minutos a convencer-se frente ao ecrã que aquilo era penálti ? Este foi igual. O triste árbitro lá se convenceu que tinha visto mal, e tão afectado ficou que a partir daí foi um festival de asneiras. A diferença é que com ou sem ele ganhávamos a este Paços de Ferreira, e com o outro perdemos em casa com  o Braga. Se foi de propósito para apagar da memória as palhaçadas que acontecem nos jogos do Porto, só apetece dizer uma coisa feia... Este VAR era de onde?

E termino com mais uma tirada genial do Amorim:

“Eu acho que é um excelente elogio , pelo menos é o maior elogio que nos podem dar à equipa técnica , que conseguimos que o Sporting fosse beneficiado pela arbitragem e eu acho que isso realmente é um grande milagre que esta equipa técnica conseguiu.”

É isso mesmo Amorim, deixa a modéstia de lado, conseguiste um verdadeiro milagre. E quando do outro lado estiver o Porto então eu vou mesmo a pé a tua casa agradecer. 

#JogoAJogo

SL

Pódio: Matheus Reis, Porro, Adán, Coates

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Marítimo-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Matheus Reis: 18

Porro: 16

Adán: 15

Coates: 15

Daniel Bragança: 14

Slimani: 14

Edwards: 13

Ugarte: 13

Gonçalo Inácio: 12

Matheus Nunes: 12

Vinagre: 11

Paulinho: 11

Nuno Santos: 10

 

O Jogo e o Record elegeram Matheus Reis como melhor em campo. A Bola optou por Porro.

Rescaldo do jogo de ontem

Não gostei

 

De perder dois pontos no Funchal. Voltámos a tropeçar frente ao Marítimo, a equipa que nos afastou da Taça de Portugal na época passada. No desafio da primeira mão, em Alvalade, conseguimos vencer com muita sorte, graças a um penálti convertido aos 98' por Porro. Desta vez o mesmo jogador enviou um petardo à barra com a bola a fazer ricochete num poste sem transpor a linha de golo, aos 75'. A estrelinha ficou em Lisboa: empatámos 1-1 - resultado que já estava construído ao intervalo. Mais dois pontos perdidos, após as recentes derrotas contra Santa Clara e Braga, além do empate no Dragão. 

 

De Matheus Nunes. Fez-lhe mal ouvir aquele rasgado elogio de Pep Guardiola. Pelo segundo jogo consecutivo, teve uma exibição apagadíssima. Agarrou-se em excesso à bola, abusando do individualismo. Falhou numerosos passes. Foi incapaz de criar um verdadeiro lance de perigo. Perde automatismos quando actua sem Palhinha, seu habitual parceiro no meio-campo. 

 

De Nuno Santos. O golo do Marítimo, logo aos 5', nasce de um mau alívio dele em zona frontal à nossa baliza. Parece ter acusado em demasia este erro individual: nunca mais se reencontrou na partida. Tentou alguns ataques pelo seu flanco, mas foram sempre inócuos.

 

Do nosso início. O que começa mal tarde ou nunca se endireita. Assim aconteceu ao Sporting nesta partida no estádio dos Barreiros. Exibimos um fio de jogo previsível, sonolento, burocrático e desinspirado, concedendo demasiada iniciativa ao adversário. Erro que se pagou caro.

 

Do sistema táctico de Amorim. Confrontado com várias ausências de titulares, o treinador leonino dispôs desta vez os jogadores num 3-5-2 inédito em início de partidas nestes dois anos em que orienta o Sporting. Talvez também para potenciar Paulinho e Slimani em simultâneo lá na frente enquanto entregava a Daniel Bragança a missão de ser o médio mais criativo. Faltam rotinas neste processo, como se foi tornando evidente à medida que o jogo se desenrolava.

 

Da condição física da equipa. Neste seu 40.º jogo oficial da temporada, o onze titular acusou claro desgaste. As pernas já vão pesando em vários jogadores, muito ao contrário do que aconteceu em 2020/2021.

 

Da nossa lentidão em campo. O conceito de "ataque rápido" parece ter rumado a parte incerta no futebol leonino.

 

Das ausências. Quatro das nossas peças nucleares ficaram de fora: Sarabia, Palhinha (por castigos), Feddal e Pedro Gonçalves (por lesões). Não é de somenos, longe disso. Basta referir que dois deles incluem-se entre os nossos três melhores marcadores actuais. 

 

Do banco de suplentes. Amorim só fez duas trocas: Nuno Santos por Edwards (76') e Daniel Bragança por Vinagre (80'). Meter mais quem? Além dos que entraram e de dois guarda-redes, tinha apenas Neto, Esgaio e Dário. 

 

De Edwards e Vinagre. Nada adiantaram: continuam ambos à procura de exibições convincentes no Sporting.

 

 

Gostei

 

De voltar a ver Slimani como titular. Seis anos depois, o craque argelino voltou a integrar o onze inicial. Está fortemente motivado, o que se reflecte na sua atitude em campo, pressionando a saída em construção da equipa adversária. Esforço recompensado aos 38', quando marcou o nosso golo - à ponta-de-lança, muito bem servido por Matheus Reis. Ei-lo a facturar na terceira vez que veste de verde e branco desde o seu regresso, após uma assistência no jogo anterior, em que foi suplente utilizado. E aguentou os 90 minutos. Exibição muito positiva.

 

De Matheus Reis. O melhor em campo. Voltou a evidenciar-se como um dos grandes valores deste Sporting 2021/2022. Sobretudo no seu envolvimento em lances ofensivos bem desenhados, com ponto alto na assistência para o golo. Aos 85' voltou a fazer um cruzamento perfeito, solicitando Coates, quando o capitão já actuava lá na frente, como ponta-de-lança improvisado.

 

De Porro. Deu-nos os três pontos contra o Marítimo na primeira volta e bem tentou repetir a proeza na partida de ontem. Aquele seu tiro que bateu duas vezes nos ferros merecia melhor desfecho. Tal como o lance aos 49' em que isolou Paulinho na cara do golo, infelizmente desperdiçado.

Pódio: Matheus Reis, Sarabia, Ugarte

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Sporting-Estoril pelos três diários desportivos:

 

Matheus Reis: 19

Sarabia: 19

Ugarte: 16

Paulinho: 16

Porro: 16

Pedro Gonçalves: 16

Feddal: 15

Gonçalo Inácio: 15

Daniel Bragança: 14

Matheus Nunes: 14

Neto: 14

Adán: 13

Slimani: 12

Edwards: 6

Gonçalo Esteves: 6

Nuno Santos: 6

 

A Bola e o Record elegeram Matheus Reis como melhor jogador em campo. O Jogo optou por Sarabia.

Pódio: Matheus Reis, Matheus Nunes, Adán

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no FC Porto-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Matheus Reis: 19

Matheus Nunes: 18

Adán: 18

Sarabia: 16

Paulinho: 16

Nuno Santos: 15

Ugarte: 15

Gonçalo Inácio: 15

Neto: 14

Palhinha: 14

Feddal: 14

Esgaio: 13

Coates: 11

Slimani: 10

Tabata: 5

 

O Jogo e o Record elegeram Matheus Nunes como melhor em campo. A Bola optou por Matheus Reis.

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

De ver a nossa equipa bater-se contra doze. Fomos ao Dragão arrancar o empate mais difícil e suado deste campeonato. Não por causa do poder de fogo do adversário - que perdeu ontem os primeiros dois pontos em casa - ou da sua superioridade técnica ou táctica, mas porque ficámos reduzidos a dez durante mais de 45 minutos, quase toda a segunda parte acrescida de 12 (!) minutos de tempo complementar. E enfrentámos doze: não apenas o onze portista, que se manteve incólume até ao apito final, como seria de esperar sobretudo em casa, mas também o inefável João Pinheiro, um dos mais incapazes e incompetentes árbitros portugueses.

 

De começar o clássico com eficácia máxima. Duas ocasiões de golo, ambas concretizadas antes do minuto 35. Em ataque rápido, muito bem organizado, com a bola de pé para pé, perante o descalabro da defensiva portista, que nos concedeu imenso espaço. Nós aproveitámos da melhor maneira. Balanço final: quatro remates, dois golos. Difícil conseguir melhor.

 

Dos nossos dois golos. Jogadas magistrais, que merecem ser revistas. O primeiro, aos 8', começa a ser construído com um magnífico passe longo de Esgaio lá atrás, junto à linha direita, cruzando para Matheus Reis no flanco oposto. O nosso ala esquerdo progride com ela e faz um cruzamento perfeito para a cabeça de Paulinho, que muito bem colocado, à ponta-de-lança, dispara de cabeça para o fundo das redes, inutilizando o esforço de Diogo Costa para a deter. O segundo, aos 34', merece ser inscrito em compêndios e revela como é competente o treino de Rúben Amorim nas sessões de trabalho em Alcochete: 42 segundos de puro futebol, com a bola a transitar de baliza a baliza sempre ao primeiro toque, com toda a equipa envolvida (14 toques no total). O desfecho foi assim: Matheus Nunes coloca-a em Matheus Reis (novamente ele), que a leva a sobrevoar a área portista para Sarabia, atento ao segundo poste, cruzar recuado e ali surgir Nuno Santos a encostar sem contemplações. Tudo bem feito. 

 

Do resultado ao intervalo. Vencíamos por 2-1 em casa do adversário. E convencíamos nesta partida em que nos colocámos em vantagem logo aos 8'. Quando os jogadores se dirigiam para o balneário tinham reduzido em três pontos a diferença face à equipa anfitriã, líder do campeonato.

 

De Adán. Uma vez mais, imprescindível. Se saímos com um ponto do Dragão, neste desafio de dez contra doze, em boa parte se deve ao nosso guarda-redes. Sem responsabilidade nos golos sofridos aos 38' e 78', fez uma defesa magistral a uma cabeçada de Grujic num dos últimos lances da partida, aos 90'+10, impedindo a vitória portista que seria totalmente injusta.

 

De Matheus Reis. Elejo-o como melhor em campo. Não apenas por ter intervenção directa - e fundamental - na construção dos nossos golos, e por ter sido competentíssimo nas duas posições em que actuou (foi lateral e central). Mas sobretudo pela garra e pelo brio revelados num dos estádios mais difíceis do País, sem se deixar condicionar pelos 45 mil espectadores que puxavam pela equipa da casa, nem pelas provocações do banco adversário, nem sequer pelo tendencioso desempenho do senhor de apito que inclinou o campo. Quando foi preciso cerrar fileiras e defender em desequilíbrio de forças, ele valeu por dois.

 

De Ugarte. Amorim apostou nele como médio de contenção em vez de Palhinha, desta vez fora do onze titular. Aposta ganha: o jovem internacional uruguaio bateu-se como um verdadeiro Leão no relvado portista. Vencendo vários duelos, recuperando a bola, nunca dando um lance por perdido. Já com Palhinha em jogo, a partir do minuto 55, formou com ele uma parede eficaz contra o ímpeto ofensivo do adversário que beneficiava de vantagem numérica. Saiu só aos 90'+2, exausto, dando lugar a Tabata. Dever cumprido.

 

De Matheus Nunes. Trabalho mais discreto do luso-brasileiro, mas não menos eficaz na elaboração da teia leonina no corredor central, sobrepondo-se com frequência aos adversários directos naquela zona do terreno. Fundamental no início da construção do segundo golo, obra-prima de organização colectiva.

 

De termos disputado o 27.º jogo seguido sempre a marcar. A última partida em que ficámos em branco foi o Borussia-Sporting, para a Liga dos Campeões, em 28 de Setembro.

 

De termos anulado a vantagem do FCP. Após este 2-2, o desempate será a nosso favor em caso de igualdade pontual no fim da Liga 2021/2022. No jogo da primeira mão, a turma azul e branca foi empatar 1-1 a Alvalade.

 

 

Não gostei

 

Do árbitro. João Pinheiro inaugurou novo método de apitar os jogos: primeiro exibe o cartão amarelo sem qualquer justificação, depois pede desculpa aos amarelados talvez para aliviar a má consciência. Teve influência directa não apenas no desfecho da partida como no caos disciplinar subsequente, num espectáculo lamentável que todo o País presenciou pelas imagens televisivas. Aos 27' mostrou amarelo a Coates na disputa de uma bola com Taremi em que o agredido foi o nosso capitão leonino, vítima de um pisão do iraniano, que escapou sem castigo. Sabendo que errara (e após pedir desculpa, sem retirar o cartão), Pinheiro volta a exibir o cartão ao uruguaio, expulsando-o aos 49'. Manifesta injustiça, delito de lesa-futebol. Viria também a amarelar Palhinha por falta inexistente, aos 71'. Se houvesse um mecanismo justo e sério de avaliação dos árbitros, este não voltava a apitar desafios da Liga principal até ao fim da época.

 

De termos jogado só com dez durante mais de metade do clássico. Devido à injustíssima expulsão de Coates, Amorim teve de organizar a equipa num 5-3-1 de emergência, fazendo sair Sarabia e reforçando o meio-campo defensivo com a inclusão de Palhinha. Aos 66', Neto substituiu Nuno Santos, regressando Matheus Reis à lateral esquerda. Do mal, o menos: deu para minimizar os estragos.

 

Do empate. Os portistas só por duas vezes conseguiram furar a nossa muralha defensiva. Infelizmente para nós, foi quanto bastou para perdermos dois pontos no Dragão. E mantermos assim a distância de seis face à turma anfitriã. Estamos agora dependentes de duas derrotas - ou de três empates - do FCP para conquistarmos o bicampeonato. Não é impossível, mas tornou-se mais difícil. E não podemos voltar a ter percalços, como aconteceu com as derrotas sofridas contra Santa Clara e Braga.

 

De não termos contado com Porro e Pedro Gonçalves. Ficaram preservados para o próximo embate do campeonato, a recepção ao Estoril. Males que vieram por bem. E há que reconhecer: Esgaio e Nuno Santos foram substitutos à altura, dando boa conta do recado.

 

De vermos mais de meia equipa excluída do próximo desafio. Coates, Tabata e Palhinha por expulsões (os médios já no sururu que se seguiu ao jogo), Esgaio por ter visto o quinto amarelo e provavelmente Nuno Santos e Matheus Reis por alegado "comportamento antidesportivo" (um disse um palavrão e outro fez um gesto obsceno, coisas jamais vistas em estádios de futebol). Pelo menos estes. Falta saber como estarão os restantes jogadores no capítulo físico. 

 

Do péssimo final do jogo. Simplesmente vergonhoso. E totalmente inaceitável, até com agressões de elementos da estrutura portista a jogadores do Sporting. O "dragão" no seu pior: merecia ser interditado se houvesse coragem para enfrentar esta gente ao nível da justiça desportiva portuguesa. Mas não há, como bem disse Frederico Varandas nas desassombradas palavras que proferiu depois do jogo, sujeitando-se ele próprio a ser agredido por aquela turba sempre impune.

O dia seguinte

Ontem tivemos direito em Alvalade a uma das piores exibições do Sporting desta época, contra uma equipa com a qual decididamente não nos damos bem, e o resultado tem que se considerar lisonjeiro para o pouco que conseguimos produzir. Nem uma boa jogada com princípio, meio e fim durante os 93 minutos.

O Famalicão vinha com a lição bem estudada, 3-4-3 como o Sporting, pressing intenso a meio-campo abafando os nossos médios, sempre a procurar o duelo físico porque sabia que tínhamos jogadores condicionados pelos amarelos, e com isso, mesmo correndo riscos atrás, destruiu completamente a construção de jogo do Sporting.

O Famalicão entrou no jogo em rotação máxima, pressionando, mas por querer fazer as coisas depressa falhou na saída a jogar, apanhou-se a perder, mas isso só os fez ainda cerrar os dentes e ir para cima do Sporting.

O Sporting insistia a sair em jogar atraindo a pressão mas depois a pressão do adversário do meio-campo conduzia a perdas de bola e passes falhados. O trio atacante do Sporting em vez de recuar à vez para ajudar na construção esperava que a bola lá chegasse, e nunca chegou em condições: lançamentos longos mal feitos de Coates e Inácio, um Matheus Nunes sem conseguir largar a bola no momento certo, foras de jogo constantes, etc. E a primeira parte acabou com um grande susto, um penálti marcado pelo árbitro (já lá vamos) e uma enorme defesa de Adán.

 

Na segunda parte o Sporting continuou a jogar mal mas pelo menos a controlar melhor o jogo. Adán a colocar a bola directamente nos médios e em Paulinho, Pedro Gonçalves e Sarabia a virem buscar jogo atrás. Quando as coisas pareciam no bom caminho logo veio o amarelo de Porro (já lá vou também), menos um jogador para o Dragão, a troca de Palhinha por Ugarte para evitar outra coisa assim, Esgaio falha um golo feito, mas Matheus Reis compensa com um golaço que ele já bem merecia. 

Com o 2-0 Amorim "mata vários coelhos com a mesma cajadada", saem Porro (nervoso e gasto) e  Sarabia (perigo dos amarelos) para entrarem Nuno Santos (devolvendo Esgaio ao seu lugar, e ficando com jogadores frescos nas duas alas) e Slimani (para lhe dar minutos, defender à frente e libertar o Paulinho para a construção). Embora o Famalicão tenha tido algumas iniciativas individuais interessantes, o jogo ficou muito mais facilitado.

Resumindo, um Sporting cansado pela sucessão de jogos e campanha vitoriosa na Taça da Liga, condicionado pelos amarelos, um Famalicão que se jogasse sempre assim (e aqui é melhor não dizer mais nada) concorria com o Braga pelo 4.º lugar da Liga em vez de estar a lutar pela fuga à despromoção, um resultado melhor do que a exibição. Agora é descansar corpo e cabeça e entrar com tudo no Dragão.

 

Melhores em campo: Adán (enorme exibição que incluiu a defesa do penálti), Coates (o patrão está de volta) e Matheus Reis (golaço e cada vez melhor).

Sobre a arbitragem. Supunha eu que com a introdução do VAR se pretendia corrigir erros grosseiros da equipa de arbitragem na avaliação dos lances e decidir questões de facto como a dos foras de jogo. O que não se pretendia é que existisse um árbitro-sombra escondido algures numa sala que condiciona e reverte as decisões do árbitro em lances discutíveis.

Este jogo tem quatro lances importantes: duas quedas de Paulinho na área, uma de um jogador do Famalicão também na área e a doutro jogador do Famalicão já fora do campo e junto à linha lateral. Os quatro lances prestam-se a várias interpretações e o árbitro em campo fez a sua: apitou penálti na primeira, deixou passar na segunda e na terceira, marcou falta e cartão amarelo na quarta. Como apitador de bancada eu faria bem diferente. O penálti mais óbvio para mim foi aquele que não foi marcado, cada um de nós se calhar também e diria outra coisa qualquer.

Tudo bem até aqui.

O que não está nada bem é que, repetindo a cena do jogo com o Braga, o VAR tenha desrespeitado o protocolo e desvirtuado a verdade desportiva ao condicionar o colega para marcar uma coisa que não viu e que não é claro e óbvio para ninguém que tivesse acontecido: que o jogador do Famalicão tenha caído por acção de Porro.

 

Sou completamente a favor da introdução do VAR, dou os parabéns a Fernando Gomes e ao nosso ex-presidente Bruno de Carvalho que permitiram num caso ou lutaram noutro para que a ferramenta existisse, mas o "sistema" corporativista e altamente manipulado de arbitragem que temos - e que abrange árbitros no activo, APAF, ex-árbitros "especialistas de arbitragem", ex-árbitros dirigentes da arbitragem, muitos deles envolvidos no "Apito Dourado" e no "Padres&Missas" - logo tratou de a subverter para proveito próprio e de quem os controla.

No jogo contra o Braga, Hugo Miguel, bem à minha frente, passou vários minutos a convencer-se a si mesmo que o cozinhado que lhe estavam a mostrar era motivo para penálti. Ontem o apitador resolveu a coisa mais cedo, pois tinha mais com que se preocupar. Isto é uma fantochada a gosto dos Duarte Gomes desta vida: contra o Braga o VAR foi decisivo na perda dos três pontos, ontem ia acontecendo exactamente o mesmo. 

 

Recordam-se do jogo em Famalicão na época passada e das declarações de Frederico Varandas que deram 60 dias de suspensão? Disse ele: "O VAR teve influência num momento capital. Este lance final do golo ao Coates, com um dos rivais, Benfica ou FC Porto, nunca seria anulado. O que me preocupa é a natureza e a forma como é visto o VAR, curiosamente nos jogos em que perdemos pontos."

Quantos penáltis tiveram Porto e Benfica nos seus estádios assinalados pelo VAR esta época? Alguém pode dizer-me? 

Cheira-me que um destes dias o presidente vai ter de voltar ao tema, quer queira quer não.

 

#JogoAJogo

SL

Pódio: Matheus Reis, Sarabia, Tabata

Por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Sporting-Santa Clara, na meia-final da Taça da Liga, pelos três diários desportivos:

 

Matheus Reis: 18

Sarabia: 17

Tabata: 17

Ugarte: 16

Esgaio: 15

Nuno Santos: 15

Adán 15

Gonçalo Inácio: 15

Neto: 15

Matheus Nunes: 14

Palhinha: 14

Gonçalo Esteves: 12

Vinagre: 10

Pedro Gonçalves: 10

Paulinho: 9

Tiago Tomás: 1

 

A Bola  elegeu  Sarabia  como melhor em campo. O Record  optou por TabataO Jogo escolheu Matheus Reis.

O dia seguinte

Lá em Alvalade onde eu estava, bem de frente para a saída dos jogadores para o intervalo, a ideia que me ficava era que desta vez iríamos voltar aos velhos tempos: sair de Alvalade vergados por uma derrota completamente estúpida, no final dum ano e quase ao final da primeira volta.

Uma primeira parte onde o Sporting até começou em grande estilo mas sempre desequilibrado, um lado esquerdo com Matheus Reis e Nuno Santos a combinar na perfeição, e ainda com Matheus Nunes e Pedro Gonçalves no jogo interior a criar linhas de passe que confundiam a defesa contrária, um lado direito muito pífio, com Esgaio, Sarabia e até Palhinha completamente desinspirados. E todo o esforço ofensivo esbarrava num 6-3-1 muito elástico do Portimonense, que construia uma muralha no momento defensivo e saltava para o ataque de forma muito objectiva, com um internacional japonês realmente doutro patamar. Além disso, Pedro Gonçalves e Sarabia estavam completamente desinspirados no remate, as bolas saíam todas à figura, parecia que se rematassem 50 vezes acertavam no guarda-redes as mesmas 50.

 

O Sporting entrou na segunda parte com vontade de dar a volta à situação. O lado direito começou a funcionar, mas a bola teimava em não entrar. Rúben decide mexer, tirou um Palhinha a recuperar a forma perdida para meter um Bragança com a força toda. Mas, antes de se poder apreciar a justeza da decisão, Matheus Reis foi por ali fora e provocou a expulsão do capitão adversário. 

Assim se decidiu o encontro. A partir daí houve mais espaço no meio-campo, Bragança tomou a batuta, Geny Catamo substituiu com vantagem Esgaio na direita, Nuno Santos desfez o lado direito contrário, as bolas pingaram na área e Paulinho, que até aí estava a um nível sofrível, fez um "hat trick".

Depois do 3-1 o jogo parecia terminado, mas o Portimonense ainda teve ânimo para falhar por pouco um golo de cabeça e pouco depois marcar um daqueles golos que uns dizem grandes, e outros chamam "chouriço".

 

Se calhar acabou direito por linhas tortas. O 3-2 final representa bem o que foi o jogo: um Sporting superior mas com muitas dificuldades em lidar com um muito bem organizado adversário, que além do que jogou não se coibiu das palhaçadas do costume, simulação de lesões para quebrar o ritmo do Sporting e teatralização de contactos para provocar faltas e cartões por parte do árbitro.

Se calhar para Paulo Sérgio tudo isso são as ferramentas do seu ofício, mas se calhar por isso Rúben Amorim é... Rúben Amorim e Paulo Sérgio é... Paulo Sérgio.

 

Falando do árbitro, a verdade é que fez uma excelente arbitragem, muito longe da mediocridade corporativista reinante cá no burgo. Deixou fluir o jogo, desvalorizou aproveitamentos de contactos, salvaguardou a sua autoridade, deixou o VAR decidir onde tinha que decidir, e fez o que podia nas palhaçadas, obrigando o jogador contrário a sair do campo e aguardando para lhe permitir a reentrada.

Não merecia a pateada ao intervalo. Quem não gosta desta arbitragem francamente não sei do que gosta, só se for do Tiago Martins ou do Luís Godinho.

 

Melhor em campo? Apesar do autogolo cometido no limite para impedir o golo adversário, Matheus Reis foi um canivete suiço extremamente eficiente, e esteve no lance capital, a expulsão do jogadior adversário. 

Sobre Paulinho? Passou tanto tempo a trabalhar imenso e a lutar contra a sorte que mais que merece este "hat trick". Agora venham outros. Quem o critica por assistir em vez de rematar, que veja o terceiro golo...

E os outros? Estiveram bem e fizeram parte duma grande equipa, que vale muito mas muito mais do que o somatório das individualidades. Mérito do treinador, Rúben Amorim.

 

Assim chegámos ao final do ano a competir em todos os palcos. Vamos desfrutar com o Man. City dois belos jogos na Champions, se calhar disputar com o Benfica a Taça da Liga, com o Porto a Taça de Portugal e amanhã se verá como e com quem na Liga, sendo que pelo menos ficaremos com o máximo de pontos no final desta jornada.

Quando é que alguma vez estivemos em melhor situação ao encerrar o ano? Se alguém souber, pode dizer.

No meu tempo não foi, com certeza.

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

O dia seguinte

Mais uma vitória do Sporting, num jogo que - como é norma contra as equipas treinadas por Petit -não teve nada de fácil.

Ainda mais porque o Sporting não entrou bem em nenhumas das partes, e podia aí ter tornado as coisas ainda mais difíceis. Valeu Adán na única ocasião do Boavista digna desse nome.

Mas depois disso foi sempre um jogo de sentido único: muitas oportunidades para poucos golos.

 

Algumas notas:

1. O Sporting está a jogar muito mais do que no ano passado. A prova disso é que, em vez de vitórias conquistadas a pulso nos últimos minutos, agora temos vitórias por mais dum golo. E se Feddal, Palhinha, Paulinho não jogam e Porro sai ao intervalo, a verdade é que ninguém sente a falta. Sem eles a equipa joga diferente - melhor ou pior, é apenas questão de gosto.

2. Além das conquistas de títulos, um bom treinador nota-se na evolução dos jogadores à sua guarda. Claro que nos casos de Pedro Gonçalves, Ugarte ou Sarabia, mais que mérito de Rúben Amorim existe o de Hugo Viana/Varandas, que os conseguiram obter, porque a qualidade estava todinha lá e ele só tinha de não estragar. Agora se falarmos em Matheus Reis, quem como eu o punha na "Escala Ilori" ao nível dum Bruno Gaspar, tipo quem o contratou devia atirar-se ao poço com uma corda ao pescoço, e que agora o vê ao nível dum Mathieu - desta vez esteve sempre a grande nível e até teve dois remates ao golo em que por azar não marcou -, só tem que dar mérito a Amorim. E Nazinho para lá caminha...

3. Com VAR marcámos três golos, foram confirmados dois. Sem VAR quem saberia o que poderia acontecer? 3-0 ou 0-0? Dependeria dos artistas de serviço e dos quinhentinhos, reais ou figurados, em jogo. Melhor assim. Pior só para quem sabemos, era o dono daquilo tudo.

4. O Ajax marcou-nos mais golos em dois jogos que todos os outros adversários juntos até agora? Deve ter sido mais ou menos isso. Muito difícil normalmente marcar golos a este Sporting, muito mais reverter o resultado nalguma partida em que o Sporting marca primeiro. Desde quando, desde que frequento Alvalade, vi uma coisa assim? Desde... Amorim.

5. Melhor em campo? Sarabia, cada vez mais ambientado. Matheus Reis logo atrás e apenas porque não marcou nas duas oportunidades que teve.

E a seguir? Esgaio, Tabata, Daniel Bragança e Tiago Tomás. Que sorveram a oportunidade que tiveram.

Amorim? Forever.

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

O dia seguinte

O Sporting carimbou hoje em Amsterdão a passagem aos oitavos de final da Champions, alinhando com uma equipa de habituais suplentes tirando um ou outro, e complicando moderadamente a vida a um Ajax que é uma equipa doutro patamar.

Se virmos bem, o Sporting entrou com mais ou menos a equipa que entrou no Restelo para derrotar uma equipa da 4.ª Liga Portuguesa. Obviamente que o resultado esperado seria sempre a derrota, como acabou por acontecer.

Foi um jogo cuja vitória o Sporting nunca conseguiu disputar por ter oferecido três golos de mão beijada. No primeiro Neto escorrega e Bragança demonstra porque não pode jogar a trinco, no segundo o mesmo Neto oferece a Inácio um presente envenenado, no terceiro Nuno Santos escorrega e a equipa fica decompensada. Além disso, a intenção de sair a jogar desde trás nem sempre funcionou, a equipa respirou sempre melhor quando a bola chegava a terrenos mais avançados.

Com a entrada do trio atacante titular, mas Tabata à frente e Pedro Gonçalves nas costas do trio, logo o jogo ficou diferente e o Sporting deu um cheirinho do que poderia ter feito, a começar pelo belo golo do mesmo Tabata.

 

Deste jogo tem mesmo de ficar o palco dado aos menos utilizados do plantel. Virgínia demonstrou ser um guarda-redes com qualidade, nada parecendo dever a Max. Gonçalo Esteves fez uma bela primeira parte. Tabata demonstrou que pode ser de grande utilidade no que resta da temporada.  Gonçalo Esteves, Nazinho e Essugo tiveram uma noite que vai ficar para o resto das suas vidas, são exemplo para todos os miúdos da B e sub23. Com Amorim, quem trabalha e merece é recompensado.

Melhores em campo? Matheus Reis e Tabata. Muito bem em todo o tempo.

Grande aplauso para Rúben Amorim. Fez o que devia fazer em Amsterdão: criou valor ao plantel. Vamos receber o Boavista com disponibilidade física e psíquica para o efeito e, ganhando, ficar com um resto de Dezembro confortável.

 

Uma palavra para o Porto. Teve azar no jogo, merecia talvez ter passado, temos sempre de desejar o melhor para todas as equipas portuguesas nas competições europeias, mas quem brinca com o fogo com aquelas confusões junto ao banco às vezes fica queimado. Recordo-me da cena com Acuña nas Antas, no jogo imediatamente anterior à final da Taça que lhes ganhámos no Jamor. Felizmente o argentino nesse dia teve o maior sangue-frio do mundo, e assim o tivemos no Jamor a centrar para Bas Dost facturar. E o Sérgio Conceição a estrebuchar na tribuna.

Parece que o Taremi também é bem melhor em arrancar penáltis nas competições caseiras do que em atirar ao golo quando tem oportunidades flagrantes, ou em ajudar a defesa nos pontapés de canto. Imaginem só o que seria nalguns sectores do Sporting se o mesmo tivesse acontecido com Paulinho em casa contra o Dortmund.

 

Voltando ao Sporting, possíveis adversários para já nos oitavos de final da Champions:  Manchester City, Liverpool, Bayern Munique, Manchester United e Real Madrid.

Não está mal.

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

O árbitro bem tentou, mas o campeão voltou!

Nem preciso recorrer ao critério utilizado no SCB-SCP da época passada, ao Gonçalo Inácio, essa missa foi celebrada por outro padre. Hoje, durante a primeira parte, Raul Silva teve duas entradas por trás, qualquer delas a merecer o cartão amarelo. O padre Godinho entendeu avisar na primeira e mostrar amarelo na segunda.

Durante a segunda parte, Mateus Reis cometeu idêntica imprudência, mas o árbitro não utilizou o mesmo critério. Nem vou falar nos protestos de Galeno, que teriam merecido outra atitude, pelos constantes protestos.

Em Braga, assistimos à celebração de missa, provavelmente encomendada pelo bafiento tuga soccer. Mesmo assim, vencemos...

O campeão voltou!

Balanço (12)

149120261_10157528637951555_3007303515459387992_o-

 

O que escrevemos aqui, durante a temporada, sobre MATHEUS REIS:

 

- João Rafael: «Não sei do que se está à espera para trazer já o Matheus Reis.» (22 de Janeiro)

Luís Lisboa: «A entrada de Matheus Reis foi muito importante para serenar aquele lado, porque Nuno Mendes estava cada vez mais desgastado e a cometer erros que poderiam ter saído caros.» (28 de Fevereiro)

Eu: «Matheus Reis (substituiu Nuno Mendes aos 57'), Nuno Santos (substituiu Tiago Tomás aos 70'), Daniel Bragança (substituiu Tabata aos 71') e Jovane (substituiu Feddal aos 86') mexeram com o jogo leonino, melhorando a nossa movimentação em campo.» (6 de Março)

Devíamos trazer já o Matheus Reis

Texto de João Rafael

matheusreis3.jpg

 

O Sporting por vezes faz-me lembrar aquelas boas velhas equipas italianas: intensidade defensiva, mas sem nunca estar encostado às cordas ou perder o controlo do jogo. Isso faz toda a diferença.

Já percebemos que o nosso jogo passa muito pelas bolas nas costas da defesa adversária, o que levanta a questão: qual é o papel dos nossos médios? Fácil. Recuperação de bola e lançamento rápido nos três da frente.

Ontem [terça-feira, na meia-final da Taça da Liga] isso não aconteceu porque João Mário não teve a intensidade necessária. Ao contrário do Matheus, que entrou com a voltagem no máximo. E o Nuno Santos também tem de decidir melhor: por duas vezes esteve isolado; na primeira tentou fintar o guarda-redes puxando a bola para o seu pior pé, o direito; na segunda deixou-se apanhar por um jogador que lhe ganhou metros vindo quase da nossa área!

Antunes só provou que não tem qualidade para o Sporting. Não sei do que se está à espera para trazer já o Matheus Reis, meter o Lumor a jogar ou ir buscar alguém aos sub-23 ou à equipa B.

Por fim, Jovane tem uma coisa que poucos jogadores do Sporting têm: um excelente remate de meia distância. Fosse ele consistente e sem lesões, e estávamos a falar de um jogador de 50 milhões ou 60 milhões.

Sérgio Conceição mostrou o que é. E com aquele discurso só mesmo naquele clube, o mesmo que anda a manobrar laboratórios e análises na sombra...

 

Texto do leitor João Rafael, publicado originalmente aqui.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D