Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Vamos lá cambada

Uma boa pergunta é que se preferíamos passar a eliminatória jogando al la Lito Vidigal, com os jogadores a rebolar no chão e a perder tempo. Pensemos nisso.
O que se viu ontem foi uma equipa forte fisicamente, mais avançada na preparação, que estudou muito bem a lição, contra uma equipa de garotos, em construção.
O Lask é uma equipa do ‘nosso campeonato’. Porque não haveria de vir cá ganhar?
Lutaríamos para não descer em Espanha, Itália, Alemanha ou Inglaterra. Acho até que, numa época que começasse coxa, acabaríamos por descer de divisão.
Benfica e Porto lutariam para ir à Liga Europa. Nunca por nunca seriam campeões.
O nosso campeonato europeu será o belga, húngaro, austríaco, escocês, croata, etc.
Não é culpa do Rúben ou do Varandas, nem é de ninguém. Talvez seja dos árabes, russos e chineses, que compram clubes na Europa e investem milhares de milhões de euros.
Mas a vida é mesmo assim. Portugal é pequeno, não tem Economia, estavam à espera de quê? 
Talvez o que deva ser melhorado deva ser a observação dos adversários – o primeiro golo, de canto, deles, é bom exemplo de maus trabalhos de casa. De resto são coisas que acontecem.
É esperar que os jogadores entrosem, cresçam fisicamente, ganhem músculo e ambição e rezar para que não estejam sempre a sonhar com a transferência para um clube do meio da tabela dos big 5.
Estou convicto que a época interna será bem melhor que a anterior. Não estar na Liga Europa só ajudará o Sporting a estar mais bem preparado para aproveitar uma brecha na competitividade de Porto e Benfica.

Uma derrota humilhante

Quaisquer que sejam as razões, e já lá vamos, o Sporting inicia esta época de forma ainda pior do que iniciou a última, de novo vergado a uma derrota humilhante, mas que neste caso afasta a equipa das competições europeias, e dos encaixes financeiros e valorização dos jogadores daí decorrentes.

Tal como na Supertaça do ano passado, foi um jogo com duas partes bem distintas. O Sporting chega ao intervalo com igualdade no marcador, a jogar melhor e a criar mais oportunidades.  O perigo criado pelo Lask resumiu-se a cantos e lançamentos com a mão da lateral que contaram com intervenções desastradas de Nuno Mendes. Já o Sporting, para além do golo, o "pé-frio" Vietto desperdiçou uma ocasião flagrante e Nuno Santos não conseguiu definir duas boas incursões pela esquerda com jogadores soltos na área para encostar. Teve o Sporting nessa primeira parte capacidade para ultrapassar a primeira linha de pressão do Lask, acelerar no meio-campo e colocar em dificuldades a defesa em linha dos austríacos. O golo marcado foi uma bela jogada que envolveu Matheus Nunes, Porro e Nuno Santos, que centrou com precisão para uma bela cabeçada de Tiago Tomás.

Na segunda parte, o Lask entrou de novo a pressionar e a correr, e o Sporting... desconjuntou-se completamente. Os jogadores foram perdendo dinâmica, os duelos a meio-campo eram invariavelmente perdidos, os passes transviados, a equipa tentava sair a jogar, perdia a bola e levava com os contra-ataques do adversário. O individualismo veio ao de cima, e Wendel fazia piscinas até perder a bola num choque qualquer e deixar a equipa descompensada atrás. O segundo golo do Lask surgiu assim, o desarme de risco de Coates que levou ao terceiro também, o quarto a mesma coisa, e o quinto e o sexto não apareceram porque não calhou. Entretanto entrou um Sporar desmoralizado que, desmarcado, passou ao guarda-redes.

E foi assim, o Sporting, tal como o Rio Ave, fora da Liga Europa. Como o Benfica ficou fora da Champions. 

 

Vamos lá então às razões:

1. Além de o Lask estar numa fase mais avançada da época, o Sporting teve uma das piores pré-épocas da sua história, com um surto de Covid que afectou meia equipa, treinador e médico incluidos, e confinou os restantes, ficando dois jogos por disputar e condicionando os treinos. Não deixa de ser estranha esta questão. Vietto e Battaglia vieram de Ibiza contaminados. Algumas semanas depois fica meia equipa. Palhinha anuncia casamento e contamina-se a seguir. Pelos vistos, o médico ainda não está curado. Que se passou exactamente? 

2. Se para Jorge Jesus a prioridade máxima é sempre encontrar um grande ponta-de-lança, daqueles que se sentem como peixes na água na pequena área, para Hugo Viana parece que é mesmo a última, e depois da venda de Bas Dost por um valor irrisório só meia época depois veio Sporar, mesmo assim mais um avançado móvel do que um ponta-de-lança de área, e nesta época veio Pedro Gonçalves, veio Nuno Santos, vem agora Tabata, são 15M€ no total, mas ponta de lança, zero. E ontem nem com Sporar alinhámos no início. A verdade é que um bom e alto ponta de lança é fundamental não apenas ofensivamente mas também defensivamente no que respeita às bolas paradas. E tal como contra o Benfica e o Porto no final da época passada, o Sporting continua a ser castigado com golos nesse tipo de lances.

3. O Sporting não se pode dar ao luxo - e muito menos nesta fase de grande dificuldade que o clube e o futebol atravessam - de contratar muito e mal, de fugir ao princípio de quem vem tem de ser bem melhor do que o que existe dentro de casa, de não ter uma estrutura de scouting que descubra qualidade a baixo preço. O Sporting continua com demasiados jogadores encostados, que ninguem quer, frutos de erros de casting desta Direcção e da anterior. Por outro lado, continuam a sair jogadores que faziam coisas que os que vieram não fazem. Por exemplo, Gelson Dala teve a sua oportunidade e marcou, o Vietto também a teve e não marcou. Se para mim Nuno Santos foi o melhor em campo do lado do Sporting, Porro falhou no segundo golo mas fez um jogo aceitável, Adán idem no terceiro, Pote entrou já  com o jogo perdido mas falhou no quarto, já Feddal, que vinha para fazer esquecer Mathieu, esteve ao nível do Ilori, com sucessivos erros crassos de posicionamento e reacção ao lance. E custou 3M€. Como é possível? E onde está o ponta-de-lança?

4. Amorim é um jovem treinador de grande potencial. O que custou agora pouco importa, o que importa é ter condições para que as suas qualidades venham ao de cima, em termos de vitórias no campo e na valorização de jogadores, e ontem mais uma vez tivemos 6 sub-23 em campo, um miúdo de 18 anos marcou o golo. Enquanto houve pernas, o seu 3-4-3, erros individuais à parte, deu conta do recado. O problema foi depois. 

 

E assim voltamos à época Leonardo Jardim, depois de uma das piores temporadas de sempre, fora das competições europeias e um plantel quase sem craques, baseado na prata da casa, substancialmente inferior aos dos dois rivais. Obviamente que, com mais ou menos justificações, a responsabilidade deste estado de coisas é de Frederico Varandas e Hugo Viana, mas o Sporting tem de deixar treinador e plantel de fora da guerra civil instalada, de forma a andar para frente, recuperar os ainda contaminados, fazer os últimos ajustamentos no plantel, focalizar-se na Liga e ir a Portimão garantir os três pontos. 

SL

Imaturidade total

5e407e7526b76.jpg

 

O Sporting perdeu com o Lask mas não perdeu de uma maneira qualquer. Perdeu humilhado por imaturidade dos seus dirigentes, técnicos e jogadores.

Comecemos pelos menos culpados, os jogadores. Há bolas que entram e bolas que não entram. Há erros em campo que até se compreendem. Mas não se compreende a desconcentração total após a expulsão de Coates. Se os jogadores do Sporting não são capazes de manter a cabeça limpa com um mau árbitro, o campeonato vai ser terrível. É que este árbitro não é diferente de um João Pinheiro ou de um Hugo Miguel.

A imaturidade dos jogadores não se limitou aos mais novos. Adán orientou uma barreira como se estivesse num interturmas. Neto viu o clássico cartão amarelo que o condiciona para o resto do jogo. Sporar, apesar de ter entrado tarde, ainda conseguiu falhar dois golos fáceis. Quando Jorge Jesus chegou ao Sporting trouxe um psicólogo que fez maravilhas na cabeça dos jogadores. O aspecto mental é cada vez mais importante no futebol moderno e o Sporting parece não estar minimamente preparado para a mínima adversidade.

Avançando para a equipa técnica. Inicío de época e os mesmos onze jogadores (com excepção de Jovane) em três jogos numa semana. Equipa fisicamente de rastos, como seria de esperar, a jogar contra gajos que punham  qualquer um dos nossos debaixo do braço. Mesmo aceitando que este é o melhor onze para Rúben Amorim, ao intervalo já devia ter percebido que estávamos muito longe de controlar o jogo. A inoperância, que já se viu em jogos da época passada (Setúbal e Moreirense), agravou toda a situação. Amorim tem uma excelente ideia de jogo mas não consegue (ainda?) mexer convenientemente na equipa.

Já sobre a direção há tão mais a dizer. Até se pode compreender que não valorizem a Liga Europa, principalmente em ano de COVID, mas a gestão dessa hipotética decisão é para lá de ridícula. Também não se compreende como é que ninguém dá a cara depois duma derrota com o estrondo desta. Frederico Varandas tem obrigação de aparecer, no final do jogo, a pedir desculpa a todos os adeptos do Clube pelo que aconteceu. Os Presidentes não são necessários para cortar fitas. São necessários para dar a cara em alturas como esta.

Mas não foi só nisso que a direção falhou. Falta menos de uma semana para o final do mercado e vamos começar a época, tal como a anterior, só com um ponta de lança operacional. Piora se considerarmos que nos três jogos oficiais, esse ponta de lança nunca foi titular. Parece óbvio que Rúben Amorim está a querer passar uma mensagem. Infelizmente estão mais preocupados em vender Wendel ou Jovane.

Nesta época, ou todos começam a perceber que trabalham para o Sporting Clube de Portugal ou vamos ainda sofrer muitos dissabores. Não peço a demissão, peço coragem para falar aos adeptos e competência para gerir o Clube. Será que eles as têm para dar?

Francisco Geraldes e Gelson Dala

img_920x518$2020_08_21_18_52_31_1743450.jpg

 

O Rio Ave esteve a um passo de entrar na fase de grupos da Liga Europa. Enfrentou em Vila do Conde, nesta noite chuvosa, o Milan - um dos gigantes do futebol europeu e mundial. Só caiu após a marcação de 24 penáltis, no termo do prolongamento: ao minuto 119 vencia por 2-1. Com dois golos marcados por jogadores da formação leonina dispensados por Frederico Varandas, Hugo Viana e Rúben Amorim. Este triste trio considerou que Francisco Geraldes e Gelson Dala não tinham qualidade para integrar o plantel leonino.

Erro crasso. Mais um, entre tantos outros.

 

Na mesma noite em que o futebol leonino naufragou às portas da mesma prova frente ao Lask Linz: desde 2005 que não saíamos tão cedo de uma competição europeia, ainda na fase das pré-eliminatórias da Liga Europa. Desta vez em clima de pesadelo, goleados em casa por 1-4 pela mesma equipa que tínhamos vencido à tangente há um ano, também em Alvalade, ainda sob o comando de Silas. Antes de Varandas ter sacado Amorim da cartola.

Parabéns, em qualquer caso, ao Rio Ave e aos vilacondenses. Parabéns aos "nossos" Geraldes, Dala - e Carlos Mané (que integrou o onze titular no estádio dos Arcos). Jogadores formados na Academia de Alcochete e que o Sporting despachou, em épocas diferentes, como se não prestassem. Enquanto íamos comprando inútil entulho (de)formado sabe-se lá onde.

 

Quanto ao Sporting, não é tempo para felicitar ninguém, muito pelo contrário. Excepto o benjamim da equipa, com apenas 18 anos e três meses: Tiago Tomás, marcador do nosso golo solitário nesta noite catastrófica. Único que merece nota positiva dos 14 que alinharam em Alvalade.

Não me admirava nada que um dia destes vá jogar para o Rio Ave...

Vazio

estadio_0.jpg

 

O Sporting joga mais logo, a partir das 20 horas: recebe o Lask Linz em pré-eliminatória da Liga Europa. Sem um só espectador nas bancadas. 

O nosso estádio permanece interdito ao público para jogos do campeonato e das competições europeias, embora já não o esteja para os desafios da selecção nacional. Tudo em nome das mesmas normas sanitárias, com chancela da Direcção-Geral da Saúde.

Alguém entende isto? Eu não.

Silas, os titulares e a formação

Mudar nove titulares duma vez só não faz qualquer sentido. Como se este jogo que ontem perdemos contra o Lask Linz fosse a feijões. Não era. Estavam em jogo o primeiro lugar no grupo, pelo menos um milhão de euros e o prestígio internacional do Sporting.

Não é assim que se promove a formação. Os jogadores mais jovens devem jogar com os mais experientes: só assim aprendem, só assim evoluem.

Meter miúdos à molhada, também o ex-treinador Marcel Keizer fazia: pôs isso em prática durante a pré-temporada, como sabemos. Com os péssimos resultados que também sabemos.

Depois, de consciência aliviada por ter "apostado na formação", mandava os miúdos às malvas e recorria aos mesmos de sempre. Pelo menos em relação a Silas o holandês tinha essa vantagem: ser previsível.

Com Silas, ninguém consegue adivinhar quem são "os mesmos de sempre". Sou capaz de apostar que por vezes ele próprio também não.

A pior equipa técnica de sempre?

img_920x519$2019_09_28_12_00_08_1608005.jpg

Em todos estes anos que acompanho a cores e ao vivo o Sporting Clube de Portugal (e comecei muito mal habituado, com Mário Lino, Yazalde e a dobradinha) dificilmente consigo identificar uma equipa técnica tão fraca como esta que Frederico Varandas, Hugo Viana (e/ou seja quem for), escolheram para suceder a um treinador holandês minimamente competente e vencedor de duas taças, Marcel Keizer. Talvez Vercauteren. Talvez Carlos Manuel. Talvez outros. Talvez.

E já tivemos plantéis bem piores do que este, que conta com internacionais A de Portugal, França, Argentina, Uruguai, Colômbia e Macedónia. 

O lider desta equipa técnica, Jorge Silas, consegue aliar falta de habilitações e falta de experiência com atrevimento de quem pensa pela sua cabeça e se sente dono da verdade. A sua atracção por um "futebol de posse" arredio da cultura do clube, pela mudança constante, de jogadores e esquemas de jogo, pelas adaptações de última hora de jogadores a posições fora da sua zona de conforto, traduzem-se em exibições deprimentes de onzes sempre novos, sem rotinas e automatismos, apenas disfarçadas pelos momentos de excelência dos poucos craques que temos no plantel.

Hoje na Áustria tivemos um novo caso Alverca. Com Bruno Fernandes e Neto impossibilitados, Mathieu, Vietto, Acuña, Wendel, Doumbia e o LP9 ficaram de fora do onze inicial e foram as segundas linhas (as antigas reservas), reforçadas com Coates e Renan, que tentaram vender cara a derrota e evitar a goleada, ficando-se pelos 0-3, quando facilmente poderia ter ocorrido qualquer coisa bem pior.

Tudo isso para os poupar, não para um clássico com Benfica ou Porto, mas para o desafio com o Santa Clara quatro dias depois, e em seguida para um jogo com um Portimonense que não servirá para nada se o Rio Ave ganhar, e as férias de Natal. O que não deixa de ser um atestado de incompetência à preparação física da equipa, da responsabilidade do técnico.

E assim perdeu o Sporting alguns milhões de euros que lhe fazem muito jeito, entre os directamente decorrentes desta partida e os decorrentes da possível passagem à eliminatória seguinte defrontando uma equipa menos forte.

Voltando ao início, que equipa técnica é esta???

SL

Quente & frio

Gostei muito  que tivéssemos seguido em frente na Liga Europa. Algo que nada teve a ver com este jogo, pois era uma meta já alcançada antes deste Lask Linz-Sporting, que terminou com uma pesada derrota: perdemos por 0-3.

 

Gostei  de ver seis jogadores da nossa formação hoje em campo. Infelizmente, o contexto não os favoreceu: integraram um colectivo sem rotinas nem automatismos. Ilori revelou-se a deesgraça do costume, com responsabilidades directas no primeiro golo. Rodrigo, em quem Silas voltou a confiar, não conseguiu ser melhor. Miguel Luís dá sempre a impressão de se esconder do jogo. Pedro Mendes - em estreia como titular da equipa principal - actuou na posição errada. Camacho teve uma exibição calamitosa, falhando um golo cantado aos 63', na única oportunidade do Sporting em todo o jogo. Restou Max, que elejo como o nosso menos mau: em campo desde o minuto 37, sofreu logo a seguir um golo de penálti, mas fez boas defesas (70', 86', 90'+1), adiando o terceiro, que só surgiu ao cair do pano.

 

Gostei pouco  de ver o inutil Jesé como titular da nossa frente de ataque. Quando até tínhamos dois pontas-de-lança convocados: um, Luiz Phellype, ficou no banco até aos 71'; o outro, Pedro Mendes, foi relegado para uma ala, onde rende muito menos. Como se o nosso treinador apostasse tudo em evitar que marcássemos.

 

Não gostei  que tenhamos jogado com menos um, por expulsão de Renan, a partir dos 34'. Nem da deficiente abordagem de Ilori e Rodrigo na cobertura do canto de que nasce o primeiro golo, nem de ver Rosier totalmente desposicionado no segundo, nem de ter sofrido o terceiro a escassos 20 segundos do apito final, com toda a nossa equipa acometida de paralisia. Também não gostei de ver Acuña, Wendel e Bolasie como suplentes não utilizados. E de confirmar que este Sporting sem Bruno Fernandes, hoje ausente por castigo, é uma equipa que roça a mediocridade.

 

Não gostei nada  que este jogo tenha sido perdido por clamoroso lapso do técnico, ao decidir mudar nove titulares em relação ao desafio contra o Moreirense do passado domingo, alterando também (uma vez mais) o sistema táctico, hoje num 4-2-3-1 inicial. O Lask, que jogou no mesmo dia, apenas mudou dois. Não há milagres, muito menos na Liga Europa: ao apostar num inédito onze, Silas abdicou desde o minuto zero de finalizar a fase de grupos no primeiro posto. Seguimos em segundo, iremos defrontar um adversário oriundo da Liga dos Campeões. O pior cenário, portanto. Não havia necessidade.

Amanhã na Áustria

plantelsportingnetoDR.jpg

 

O Sporting discute amanhã com o Lask Linz o 1.º lugar no grupo da Liga Europa, com efeitos directos no sorteio para a eliminatória seguinte.

Áustria tem sido um país que nos tem dado muitos desgostos, o maior dos quais a derrota que levou ao despedimento da melhor equipa técnica de todos os tempos,  Bobby Robson-M.Fernandes-Mourinho-Roger Spry, em pleno avião, por um irresponsável Sousa Cintra.

Alguns jogadores importantes estão de fora: Bruno Fernandes, Mathieu e Vietto não viajaram, para além de Neto e Ristovski. Tudo por razões conhecidas e que não suscitam qualquer questão.

Convocados foram os seguintes:

Guarda-redes: Renan Ribeiro, Luís Maximiano, Hugo Cunha

Defesas: Ilori, Coates, Rosier, Borja

Médios: Eduardo, Wendel, Miguel Luís, Rodrigo Fernandes, Doumbia, Acuña

Avançados: Camacho, Plata, Jesé, Bolasie, Pedro Mendes e Luiz Phellype

 

Silas teima em "baralhar e dar de novo", completamente alérgico a rotinas e automatismos, e a táctica para amanhã pode ser 4-4-2 losango, 4-4-2 tradicional, 4-3-3, 4-2-3-1, 5-3-2, 5-4-0, enfim, qualquer coisa. Logo se verá. Nem vale a pena tentar adivinhar.

Mas, enquanto esperamos pela tarde de amanhã, gostaria de vos perguntar o seguinte:

Silas à parte, e com os jogadores convocados, qual seria o vosso onze e qual a disposição do mesmo em campo?

 

PS: Com os votos de rápido restabelecimento para um grande profissional, Luís Neto, que contraiu uma grave lesão numa intervenção que provavelmente evitou um golo do Moreirense.

SL 

Rescaldo do jogo de ontem

Gostei

 

Dos três pontos conquistados em Paços de Ferreira. Triunfo leonino por 2-1, inaugurado logo aos 11' por Luiz Phellype, que assim regressou aos remates vitoriosos após quase um mês de jejum. O ponta-de-lança brasileiro marcou mas não festejou, por respeito à massa adepta do clube onde jogava há um ano, ainda na segunda divisão. Fez bem.

 

Da nossa primeira parte. Domínio absoluto do Sporting neste período do jogo, com destaque para o nosso processo defensivo, onde não se registou qualquer falha, e para diversas acções ofensivas de inegável qualidade, com abertura de linhas de passe e pressões constantes sobre os adversários quando conduziam a bola. Percebe-se que a equipa vem assimilando as ideias de Silas, estando a consolidar automatismos. Ao intervalo, vencíamos por 1-0. Com toda a justiça.

 

De Bruno Fernandes. Após duas partidas em que esteve muito apagado, o capitão voltou a destacar-se. É dele a assistência para o golo de Luiz Phellype, com um remate cruzado de longa distância. Serviu também da melhor maneira o brasileiro aos 68', num lance que poderia ter terminado igualmente em golo, como já havia acontecido logo aos 3'. E foi ainda ele a apontar de modo impecável a grande penalidade que nos assegurou os três pontos, estavam decorridos 79'. O melhor em campo.

 

De Renan. Protagonizou um conjunto de grandes defesas, confirmando a titularidade absoluta na nossa baliza. Evitou golos do Paços aos 47', aos 68' e num livre mesmo antes do apito final, aos 90'+4. Balanço muito positivo, mesmo considerando que podia ter feito melhor no golo sofrido, quando optou por abandonar os postes na marcação de um canto.

 

De Idrissa Doumbia. Foi o "rei" das recuperações de bola, vital para estancar o fluxo atacante do Paços de Ferreira, destacando-se por exemplo aos 3' e aos 19', quando interceptou lances potencialmente muito perigosos. Mesmo no segundo tempo, quando já acusava alguma fadiga física, manteve um nível exibicional bastante elevado. Em perfeito contraste com a exibição do passado domingo, frente ao V. Guimarães.

 

Do regresso de Ristovski. O macedónio retomou o lugar a quem tem direito no onze titular após prolongada lesão, estreando-se nesta temporada. E voltou com manifesta vontade de mostrar serviço, revelando-se muito dinâmico nas incursões atacantes pelo seu corredor, sem descurar o processo defensivo. Está claramente mais confiante e em melhor condição física do que o anterior titular, Rosier, que desta vez nem chegou a sentar-se no banco.

 

Da nossa terceira vitória consecutiva. Em seis jogos desde que assumiu o comando do futebol leonino, Silas venceu cinco. E acaba de conduzir a equipa a um trio de triunfos sucessivos - algo que sucede pela primeira vez na temporada oficial em curso - após suplantarmos o Rosenborg (1-0) e o V. Guimarães (1-0). Pormenor a registar: o actual treinador ainda não perdeu em jogos da Liga 2019/2020 ao serviço do Sporting.

 

De termos conquistado dois pontos ao FC Porto. Conservamos para já o quarto posto, mas reduzimos a distância para a equipa azul e branca, que soma agora mais cinco pontos - os mesmos que também nos separam do Famalicão. Isto significa que só dependemos de nós para atingirmos o segundo lugar.

 

 

Não gostei

 
 

Da segunda parte do Sporting. A nossa equipa regressou irreconhecível do intervalo. Com menos volume ofensivo, recuando linhas, parecendo nervosa, perdendo demasiadas vezes a bola e acusando até um notório desgaste físico. Foi neste período que sofremos o golo, confirmando o ascendente do Paços de Ferreira. E só não sofremos mais devido aos bons reflexos de Renan.

 

De termos estado cinco minutos empatados. O Paços de Ferreira reduziu a desvantagem aos 74' na sequência de um canto em que Eduardo e Coates, na tentativa de cobertura defensiva, não se entenderam no momento do salto. Logo nos preparámos para mais uma sessão de sofrimento. Felizmente aos 78' o jogador pacense Luiz Carlos cometeu uma grande penalidade infantil, desviando ostensivamente a bola com a mão. E no minuto seguinte, na conversão do penálti, Bruno Fernandes tranquilizou-nos.

 

Do festival de cartões. O árbitro Rui Costa, sem atender ao péssimo estado do terreno, foi amarelando impiedosamente os jogadores. Só do nosso lado, sete viram o amarelo: Ristovski (44'), Acuña (60'), Coates (64'), Idrissa Doumbia (69'), Borja (84'), Renan (87') e Eduardo (90'+3). Não havia necessidade.

 

Do descontrolo emocional de Acuña. O argentino, titular indiscutível do Sporting, é um grande jogador mas perde a cabeça com demasiada facilidade. Desta vez voltou a ser amarelado por protestos e arriscou-se, minutos depois, a ser brindado com um segundo cartão pois continuou a reclamar por tudo e por nada, com gestos e palavras muito exuberantes. Ao ponto de Silas, por elementar precaução, tê-lo mandar avançar no terreno por troca com Borja, numa primeira fase (81'), e depois dar-lhe ordem de saída, substituindo-o por Ilori (88').

 

De ver a nossa equipa remetida ao reduto defensivo no quarto de hora final. Terminámos o jogo com cinco defesas: os laterais Ristovski e Borja, e três centrais (Coates, Mathieu e Ilori). Mas havia que segurar a magra vantagem para garantir os três pontos, Silas fez bem em vedar os acessos à nossa baliza. O bom espectáculo ficará para outra oportunidade.

 

Do relvado empapado. É certo que o futebol é um desporto de Inverno e é verdade que Portugal anda carente de água. Mas o espectáculo desportivo foi claramente prejudicado, sobretudo na vertente técnica, pela chuva copiosa que caiu durante toda esta partida em Paços de Ferreira, com reflexos óbvios na qualidade do tapete verde.

 

Dos imbecis da Juve Leo que gritaram contra Varandas no estádio da Capital do Móvel. Andam tão obcecados com o presidente responsável pelo fecho da torneira de onde lhes escorria o dinheirinho, que nem repararam que o Sporting venceu mais um jogo. Frederico Varandas só pode agradecer-lhes tamanha estupidez: a cada protesto deles, vai consolidando o seu poder em Alvalade.

Volta Keizer, estás perdoado

Era nisso em que pensava ao intervalo do jogo de ontem, a primeira parte mais horrível que me lembro de ter visto em Alvalade nos últimos anos perante uma equipa de terceira linha europeia, desde a falta de intensidade competitiva à confusão táctica apresentada e à incapacidade de atacar e defender com o mínimo de qualidade. 

Veio a segunda parte. Silas conseguiu mexer no jogo com critério, a equipa foi melhorando pouco a pouco, o virtuosismo de Bruno Fernandes finalmente veio ao de cima e decidiu o encontro a nosso favor. Valeu o espírito colectivo e a capacidade de luta demonstrada por uma equipa traumatizada por sucessivas alterações na liderança, farta de alterações na forma de jogar, farta de mudanças tácticas, farta de ousadias e riscos, carente dum modelo simples e duma equipa-tipo assumida que permita consistência e mecanização.

Que Silas entenda que ser treinador do Sporting e do Belenenses são coisas bem diferentes, que desligue o complicómetro e o experimentalismo, para aprender tem os cursos que lhe falta tirar, e ponha a equipa a jogar simples e à volta das características do seu capitão.

E agora que a pausa ajude a curar as feridas e a encontrar uma equipa competente e motivada para lutar pelos objectivos da temporada. Com ou sem claques, cá estaremos para a apoiar.

 

PS1: O despedimento de Keizer, como o de Peseiro, foram mesmo decisões mal pensadas, precipitadas e inoportunas. Os sinais negativos estavam lá para analisar atempadamente o problema e ir à procura dum novo treinador com as características adequadas. Depois sim, despedia-se na segunda-feira e vinha o novo à terça-feira sem interinos no meio a fazer pela vida para tentar assegurar o lugar. Exactamente o mesmo com a venda de Bas Dost. Se ele disse em Maio que queria sair, onde estava o novo ponta de lança quando o resolveram vender? E agora Acuña ou Mathieu cruzam da esquerda para quem?

PS2: Keizer não apostava na formação, não apostava na formação, não apostava na formação... E Silas vai apostar na formação?

PS3: Tudo muda no futebol do Sporting, menos Hugo Viana, Beto e Gonçalo Álvaro... E o Paulinho. Se a coisa com Silas der para o torto, o responsável vai ser o Paulinho?

SL

Ponham os olhos no Lask Linz

21573933_CQrzk[1].jpg

 

Lask Linz. 

Nunca tinha ouvido falar de tal equipa. Calculo que a maioria dos leitores d´És a Nossa Fé também não. 

Absolutamente risível, com aquele equipamento cor-de-rosa. Um clube que é uma nulidade de títulos: https://www.transfermarkt.co.uk/lask-linz/erfolge/verein/413

Li algures que o Lask esteve para fechar há poucos anos.

E que banho de bola nos deram, ontem, em nossa casa, perante 31 mil espectadores.

Equipa compacta, organizada, subida, atacante. Fisicamente forte, concentrada, a disputar cada lance com agressividade. Rapidamente capaz de colocar quatro ou cinco jogadores na área adversária. Numa das últimas jogadas da partida, contei oito jogadores na nossa área (talvez até demais, porque é um camisola rosa a bloquear o remate do companheiro de equipa). Sem grandes individualidades, mas com um colectivo fortíssimo, destemida a jogar em casa do adversário. 

Parabéns ao Lask Linz e ao seu jovem treinador, Valerien Ismael, pelo excelente futebol que trouxeram ontem a Alvalade. 

Não sei qual é o orçamento do clube, mas calculo que nem a metade do nosso chegue. Os vencimentos dos jogadores também devem ser ao nível de um Braga ou abaixo disso. 

Vice-campeões austríacos. Um campeonato que há alguns anos era insignificante e hoje produz um campeão (Red Bull Salzburg) que bate o pé ao Liverpool (fora) na Champions (3-4).

E o que é que podemos levar (além dos três pontos) do banho de bola que o Lask deu ontem em Alvalade? 

Primeiro, que os jogos não se ganham pelas camisolas. O Sporting pode estar cheio de títulos nacionais (o Lask tem um campeonato na Áustria...) e ter um título europeu (mais recentemente, finalista), mas não é uma equipa de nível europeu, neste momento. O nosso Sporting tem um grande passado, mas, sejamos honestos, é uma fraca equipa no presente. E hoje, a Liga Europa está cheia de equipas austríacas, suíças ou de países de Leste muito competitivas, para aquilo que é o padrão da Liga portuguesa. 

Segundo, que podemos ter boas unidades individuais (Bruno Fernandes, Acuña), mas o nosso colectivo é, neste momento, zero ou próximo disso. Será possível construir uma defesa competitiva com Mathieu e Coates? Cada vez menos acredito. Um ataque com Luiz Phellype e Bolasie? São remendos. 

Terceiro, a componente física. Ontem fomos mais lentos, mais fracos, mais trapalhões do que o vice-campeão da Áustria. E de uma maneira assustadora.

Quarto, os adeptos. Os nossos assobiavam (Wendel, ao ser substituído....). Os do Lask, mesmo a perder, puxavam pela equipa. 

Quinto, o futebol joga-se dentro do campo. Nós, em Portugal - e no Sporting se calhar mais até do que noutros clubes - perdemos dias, horas, semanas a falar mal do presidente, da SAD, do diabo a quatro. Queremos destituição, queremos eleições, etc e tal. Política e mais política. E depois perdemos pouco tempo a pensar em questões mais práticas, que têm a ver com o rendimento da equipa.

Finalmente, há algo de que pouco se tem falado, mas talvez seja a principal explicação para a queda a pique de uma equipa que ainda há dois anos estava a bater o pé ao Real Madrid no Bernabéu: não o treinador, mas os "managers" da equipa. Beto é e será sempre uma das minhas referências no Sporting. Hugo Viana merece o meu apreço. Mas será que estão nas funções certas? Não seria melhor contratar um team manager de excelência, com experiência em clubes de topo, para trabalhar com o treinador na (re)construção (URGENTE!) do nosso paupérrimo plantel? Começar já a subir jovens com alto potencial (Nuno Mendes, João Silva, Quaresma, Tomás Silva, Pedro Mendes, etc etc) para a equipa principal? 

E, já agora, não seria melhor investido num grande team manager o dinheiro gasto em aumentos para a direcção? 

 

PS - Bela homenagem ao grande Jordão, ontem. Que recupere rápido e suba em breve ao relvado que será sempre dele, para mais uma merecida ovação.

PS2 - Já desistimos de cantar "O Mundo Sabe Que"?

Quente & frio

thumbnail_20191003_200729[2].jpg

 

Gostei muito da vitória desta noite, em Alvalade, por 2-1, contra o Lask Linz - equipa que segue em segundo lugar no campeonato austríaco. Uma vitória imerecida, conseguida apenas com muita sorte, num desafio que o adversário dominou em larga medida, dispôs claramente de mais oportunidades de golo e foi para o intervalo a vencer por 1-0. O Sporting só esteve por cima durante cerca de um quarto de hora na segunta parte, mas aproveitou da melhor maneira esse período, marcando os dois golos - por Luiz Phellype, de cabeça, na sequência de um canto apontado por Bruno Fernandes aos 58', e pelo capitão leonino, numa boa desmarcação com assistência do ponta-de-lança brasileiro, aos 63'. Muito melhor o resultado neste confronto da Liga Europa do que a exibição. Há noites assim.

 

Gostei das mudanças operadas pela equipa técnica ao intervalo, fazendo entrar desde logo Vietto para o lugar de Neto no recomeço do jogo e trocando Wendel por Eduardo aos 57'. A equipa tornou-se mais compacta, ganhou dinâmica e deixou de ser tão permeável no meio-campo, onde os austríacos fizeram o que quiseram, ponto e dispondo durante toda o primeiro tempo. Também gostei da exibição de Renan (de longe o melhor em campo: aos 15' já tinha evitado dois golos e salvou os três pontos com uma defesa soberba aos 78') e, a espaços, de Acuña (poupado a um cartão vermelho pelo árbitro e substituído aos 73' por Borja, para evitar males maiores), Vietto e Luiz Phellype. Bruno Fernandes, apesar do golo, teve uma das suas exibições mais irregulares no Sporting, falhando imensos passes, tal como Mathieu. Sinais evidentes de que a condição anímica da equipa está longe de ser a melhor.

 

Gostei pouco que o onze titular não correspondesse durante quase uma hora às aspirações dos mais de 30 mil adeptos que acorremos a Alvalade nesta noite amena de Outono, consentindo 22 remates adversários no total da partida enquanto nós só fazíamos dez. Na primeira parte, com o Sporting a ser sucessivamente ultrapassado pelos austríacos, chegou a pairar a sensação de que sairíamos goleados do nosso estádio tal era a diferença exibicional entre as equipas que se movimentavam no relvado e tão evidente se tornou a incapacidade de vários jogadores vestidos de verde e branco para darem a volta ao resultado.

 

Não gostei  do nosso meio-campo, que esteve muito longe de constituir um tampão para as acções ofensivas de Lask Linz e foi quase sempre incapaz de construir lances ofensivos com cabeça, tronco e membros. Wendel revelou-se uma nulidade: perdeu diversas vezes a bola em confrontos individuais e quando a tinha em seu perder e mostrava-se incapaz de a colocar em zonas adiantadas do terreno, preferindo devolvê-la às linhas mais recuadas. Idrissa, sem o menor sentido posicional, limitava-se a marcar com os olhos ou a abusar das faltas por carência de técnica. Miguel Luís, que começou como médio-ala e terminou como lateral direito, foi vítima desta indefinição posicional, concedendo demasiada liberdade de movimentos aos adversários. E a linha de três defesas concebida por Silas para o início do jogo nunca funcionou: Coates, Mathieu e Neto, presos de movimentos e sem rotinas neste dispositivo táctico, estiveram várias vezes à beira do naufrágio. O golo austríaco, marcado aos 16', resulta de um desses momentos de notório descalabro defensivo. E vão dez jogos a sofrer golos, em onze que o Sporting já disputou nesta temporada 2019/2020. Preocupante.

 

Não gostei nada de ouvir os frequentes assobios dos adeptos à equipa, sobretudo a Renan, durante o jogo: considero este comportamento uma inqualificável estupidez. Fez-me igualmente muita impressão ver o nosso treinador quieto e calado no banco, evitando assim ser multado pela UEFA: Silas, que não detém o diploma de nível 4, viu-se forçado a delegar o comando técnico no adjunto Emanuel Ferro, que vinha treinando os jogadores sub-23 em substituição de Leonel Pontes - eis algo que nada facilita a comunicação entre o onze leonino e a equipa técnica. Também não gostei nada de saber que o nosso grande Rui Jordão - inesquecível bicampeão pelo Sporting na década de 80 - enfrenta problemas de saúde. Mereceu inteiramente a ovação que se escutou no estádio, ao minuto 11 deste jogo, em grata memória do número que ele usava quando pôs todo o seu talento futebolístico ao serviço deste clube que nunca o esquecerá.

Peraí, Silas

Isto não é estar a meter veneno, meu caro, mas só por uma razão muito ponderosa e ponderada é que tu vais "meter" o Ilori na zaga direita e deixas o Rosier na bancada (por conta de um eventual cansaço, com uma paragem de seguida no campeonato?) e sem um só jogador com as características de lateral direito.

E se assim for, aceita desde já as minhas desculpas. Caso contrário, acho que estás a dar um tiro no pé. Mas isto sou eu, que não percebo nada de bola.

Que onze titular hoje em Alvalade?

Segunda partida disputada pelo Sporting na fase de grupos da Liga Europa: desta vez recebemos em Alvalade o Lask Linz, equipa austríaca.

A nossa participação neste certame teve início a 19 de Setembro, na Holanda, ao defrontarmos o PSV Einhoven: fomos derrotados 2-3, com golos de Bruno Fernandes e Pedro Mendes.

 

Na altura, lancei o repto aos leitores: qual seria o onze titular?

Houve muitas respostas, mas ninguém acertou na opção de Leonel Pontes. Que foi esta: Renan; Rosier, Coates, Neto, Acuña; Idrissa Doumbia, Miguel Luís, Wendel, Bruno Fernandes; Vietto e Bolasie.

 

Renovo o desafio a quem  me lê: em que jogadores apostam para entrar de início nesta recepção ao Lask?

No momento em que escrevo, sabe-se apenas que Pedro Mendes - marcador de um dos melhores golos recentes do Sporting na sua estreia tardia na equipa principal contra o PSV - não figura entre os convocados.

 

ADENDA

Segue-se a lista de convocados.

 

Guarda-redes:

Renan

Luís Maximiano

Diogo Sousa

 

Defesas:

Ilori

Coates

Neto

Mathieu

Borja

 

Médios:

Idrissa Doumbia

Eduardo

Miguel Luís

Acuña

Wendel

Bruno Fernandes

 

Avançados

Bolasie

Luiz Phellype

Vietto

Jesé

Rafael Camacho

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D