Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Alguns erros fatais

Texto de Miguel Correia

img_1280x720$2015_06_02_06_36_00_968597.jpg

Malcolm Allison em 1982

 

Para os mais desatentos:

Mário Lino, Fernando Mendes, Allison e Inácio, todos campeões [no Sporting], foram trucidados.

 

O cúmulo foi com Big Mal, um doido saudável, adepto da máxima liberdade para igual responsabilidade. Despedido logo após um estágio na Bulgária, porque permitia umas liberdades e, entre outras situações, deu permissão (e bem) a uns miúdos pouco mais do que adolescentes para arranjar umas namoradas. Vejam os vídeos da altura: o pressing daqueles miúdos era brutal, durava o jogo todo e morriam por ele.

Isto não tem preço.

 

Foi bufado, que óperas-bufas é o que aqui há mais, voltou ao Setúbal para com uma equipa de velhos jogar um futebol de ataque sem medo. O homem era muito competente.

Grande erro de João Rocha, que havia feito o mesmo com Mário Lino, os bons também falham.

O Sporting começou a fraquejar no futebol, iniciou-se o calvário. E só foi campeão 18 anos depois com Inácio, outro campeão depois escorraçado.

 

E não nos esqueçamos de Robson, despedido no avião por Sousa Cintra, outro erro fatal que em minha opinião, tal como Allison, transcendeu mais do que um campeonato, acabando com um projecto.

Depois vieram as SAD e é o que se sabe...

 

Texto do leitor Miguel Correia, publicado originalmente aqui.

João Rocha, numa entrevista ao Record…

em 15 fevereiro 2006:

 

RECORD – Está preocupado com o Sporting a cerca de quatro meses de eleições?

JOÃO ROCHA – O Sporting está a atravessar a pior crise dos seus 100 anos. Convinha, no entanto, esclarecer, até porque os mais jovens não o sabem, que quando veio a revolução, os clubes passaram por uma crise muito grande, concretamente na altura do PREC. Eram, no fundo ‘presas’ a tomar de assalto. Criaram-se decretos e portarias à luz dos quais os jogadores se transferiam livremente, bastando uma carta. O Sporting passou essa crise colaborando em algo que era necessário, ou seja, apostando na massificação do desporto em Portugal. Não havia ginásios nem pavilhões e o Sporting começou por ter logo 15 mil atletas, um recorde. Nenhum clube da Europa o conseguia, nem o próprio Barcelona.

 

RECORD – Que acções foram levadas a cabo?

JOÃO ROCHA – Fizeram-se ginásios, pavilhões e compraram-se terrenos. Dinamizámos o desporto em Portugal. A ginástica foi de Norte a Sul do País com várias equipas. Promovemos as modalidades junto de entidades como os bombeiros, diversos tipos de associações, polícia, escolas, etc. Introduzimos em Portugal as artes marciais e a dinamização junto das instituições referidas foi a mesma.

 

RECORD – Disse-me que o clube comprou terrenos. Isso quer dizer que o património também cresceu?

JOÃO ROCHA – Começámos a ter um património invejável. Pagámos as dívidas do passado e sempre com dirigentes que nunca ganharam nada. Foram centenas de pessoas a participar neste projecto de servir o Sporting gratuitamente. O clube tem de estar grato a esses dirigentes que pagavam, inclusivamente, hotéis, e passes dos jogadores das modalidades de forma desinteressada. Com tudo isto, o Sporting passou a ter a primazia do desporto em Portugal e a ser a maior força desportiva nacional.

 

RECORD – Essa força foi consubstanciada em mais títulos do que os concorrentes?

JOÃO ROCHA – De tal forma que nos primeiros 10 anos após a revolução, o Sporting tinha 22 modalidades e ganhou 1.210 títulos nacionais e 52 Taças de Portugal. Conquistámos 8 taças europeias em 7 anos, tínhamos 105 mil sócios e, no futebol, entre campeonatos, Taças e Supertaças, o Sporting conquistou 8 títulos contra 10 do Benfica, 6 do FC Porto e 3 do Boavista. Conseguimos reconquistar o estatuto vivido, por exemplo, no tempo dos cinco violinos. Finalmente, juntando provas nacionais e europeias de alta competição, ganhámos 47 títulos contra 20 do Benfica e 13 do FC Porto, ou seja, mais do que os dois rivais juntos. Acrescente-se que mandámos uma equipa de ciclismo à Volta a França. Nenhuma equipa europeia com futebol o fez por duas vezes como nós. Foi importantíssimo para o país.

 

RECORD – Hoje em dia o panorama é, de facto, diferente. Como sente o clube?

JOÃO ROCHA – Quando saí, deixei o clube sem dívidas, com passivo zero, jogadores valorizados zero, estádio valorizado zero, tudo a preço zero e nada reavaliado. Além disso, 300 mil metros quadrados de construção aprovada, o que em termos actuais e se o Sporting tivesse sido administrado como deve ser, faziam dele hoje um dos maiores clubes da Europa. Só nesses 300 mil metros quadrados tinha um valor de 120 milhões de contos.

 

RECORD – Porque é que, na sua opinião, o Sporting não seguiu esse caminho ascendente?

JOÃO ROCHA – Eu saí. Não podia ficar, porque tinha uma doença grave. Nos últimos dois anos, já assistia deitado às reuniões da direcção. Só bebia leite e um médico americano disse-me que eu tinha de decidir entre a morte e o Sporting. Eu queria viver mais alguns anos e saí. Depois, o passivo foi aumentando ao longo dos anos, até que chegou José Roquette com o seu projecto.

 

RECORD – Um projecto que encheu de esperança todos os sportinguistas...

JOÃO ROCHA – O Projecto Roquette liquidou o Sporting. Ninguém soube o que era o projecto, porque ele não dizia. Sabia-se, apenas, que era uma dezena de sociedades, dirigentes e funcionários superiores a ganhar centenas de milhares de contos. O projecto foi reduzir os sócios de mais de 100 mil para pouco mais de 30 mil, foi acabar com as modalidades amadoras, foi vender património, foram dezenas e dezenas de milhões de contos de prejuízo que não aparecem nos resultados, porque parte deles foram executados pelo Sporting. No caso da SAD deram-se informações falsas aos associados e à própria CMVM para a entrada na bolsa.

 

RECORD – Comos se explica isso?

JOÃO ROCHA – O que lhe posso dizer é que era tudo tão bom que ele próprio, José Roquette, ia subscrever capital e a primeira coisa que fez quando saiu foi vender todas as acções da SAD que tinha comprado. Isto levou os sócios a perderem quase 14 milhões de contos só na subscrição e nos resultados negativos.

 

RECORD – Você assistiu a isso sem nenhum tipo de reacção?

JOÃO ROCHA – Antes pelo contrário. Numa assembleia da SAD e para defender os interesses do Sporting, lembrei que ao abrigo do Artº 35, a Sociedade tinha de acabar, mas havia uma possibilidade que era a reavaliação dos jogadores, repondo capital necessário na SAD para esta não ser extinta.

 

RECORD – Muito objectivamente, na sua opinião, José Roquette é o responsável pelo actual passivo do Sporting?

JOÃO ROCHA – O Projecto Roquette liquidou o Sporting. Disso já não restam dúvidas. Queria gerir o clube ditatorialmente e a primeira coisa que fez foi fechar as portas aos jornalistas nas assembleias gerais. No meu tempo, havia uma bancada só para os jornalistas. Não tínhamos receio de nada.

 

RECORD – Recordo-lhe que na altura da entrada de José Roquette foi dito por muitos elementos do universo leonino que o clube se encontrava em falência técnica. Lembra-se?

JOÃO ROCHA – Quando José Roquette entrou, o clube estava numa situação caótica, mas ele aceitou um passivo de 4 milhões de contos e, actualmente, ascende a 60 milhões de contos. É uma diferença enorme. Mas esse não é o grande problema. É preciso ter em conta os prejuízos, os quais foram colmatados com a venda de património e a reavaliação de todo o activo, incluindo jogadores. Esses prejuízos não foram contabilizados.

 

RECORD – Mas o clube também se valorizou patrimonialmente. Concorda?

JOÃO ROCHA – Fez-se a Academia e o estádio, mas nada disso é do Sporting. Mesmo que se venda aquilo que se está a propor vender, ainda vamos continuar a dever o estádio, que é fruto de compromissos com a banca e do contributo de alguns sócios que ajudaram em muitos milhares de contos, comprando lugares cativos.

 

RECORD – Um projecto totalmente falhado, no seu ponto de vista. Porquê?

JOÃO ROCHA – É muito simples. José Roquette julgava que o Sporting era uma operação tão fácil com a do Totta, em que ele, numa operação ilegal, ganhou 20 milhões de contos sem pagar um tostão de impostos e, ainda por cima, acabou por comprometer aquele que foi recentemente eleito Presidente da República, Cavaco Silva.

 

RECORD – Uma forte acusação. O que sabe desse processo?

JOÃO ROCHA – Não quero falar nisso neste momento, porque me interessa mais o Sporting.

 

RECORD – Lembro-me que durante o mandato de José Roquette, você se revoltou com acordos que nunca ficaram esclarecidos, nomeadamente entre o Sporting e o FC Porto. Quer revelar pormenores em relação a isso?

JOÃO ROCHA – Havia um projecto com o FC Porto que era muito prejudicial para o Sporting. Era mesmo inqualificável. Insurgi-me num Conselho Leonino e numa assembleia geral. Era um projecto gravíssimo que só podia sair da cabeça de um indivíduo sem responsabilidades. José Roquette dizia que era um projecto válido, porque era a única maneira de Sporting e FC Porto estarem sempre representados na Liga dos Campeões.

 

RECORD – Vai concretizar ou continuar a guardar trunfos?

JOÃO ROCHA – Não digo mais nada sobre isso. Foi falado no Conselho Leonino e eu disse ao líder da AG para mandar calar sobre essa informação, que foi longe demais. Disse-lhe ainda que o resumo do acordo com o FC Porto devia ser gravado de tão grave que era, porque talvez fosse necessário que essa gravação viesse a ser pública na defesa dos interesses do Sporting e dos seus sócios. Não vejo o desporto assim.

João Rocha...

... por Vítor Serpa.

 

«As lagostas de Nova Iorque

 

A chegada de João Rocha à presidência do Sporting foi um acaso do destino. Um momento particular, uma oportunidade que se agarra por instinto.

Poderia ter sido presidente do Vitória de Setúbal, e até chegou a preparar a candidatura. Porém, acabou por aceitar ser candidato à presidência do Sporting, e a verdade é que nos seus treze anos à frente do clube acabou por se tornar num líder histórico, o maior de sempre da história do emblema fundado pelo visconde de Alvalade.

João Rocha tinha estudado na Escola Comercial Marquês de Pombal, em Lisboa. Tinha sido colega de aula de um primo direito do meu pai, que esteve ligado ao futebol do Belenenses, Egídio Serpa. No entanto, João Rocha costumava dizer-me que tinha sido colega do meu pai e seu companheiro na equipa de futebol da escola. Fazia essa confusão, provavelmente, por se lembrar do nome Serpa e por ser verdade que o meu pai também tinha frequentado a mesma escola, embora com três anos de diferença. O meu pai nascera em 1927 e João Rocha em 1930.

Foi um presidente inovador, firme, teimoso, por vezes belicista, sempre rodeado por um conjunto de dirigentes da «velha guarda», onde sobressaía a figura inteligentíssima do Dr. Nunes dos Santos, que tinha sobre ele uma enorme influência.

Na segunda metade da década de 70, eu começava a crescer no jornalismo e no jornal A Bola. Os jornalistas mais jovens do jornal, eu e o Joaquim Rita, trabalhávamos como saltimbancos, percorríamos o país de Norte a Sul e não passávamos mais de meia dúzia de fins-de-semana em Lisboa. Depois, o Rebelo Carvalheira, um dos grandes repórteres do jornalismo português, assassinado na sua residência, no ano de 1983, em circunstâncias nunca totalmente esclarecidas, veio de Angola e também se juntou ao duo itinerante.

A pouco e pouco fui ganhando a confiança profissional de Vítor Santos, então o chefe de redacção e líder absoluto d’A Bola, e comecei a ser chamado a fazer reportagens e entrevistas no Benfica e no Sporting, que era o patamar superior do jornalismo desportivo em Portugal. É curioso recordar, hoje, como era próximo, nesse tempo, o relacionamento com jogadores de futebol, treinadores e dirigentes, incluindo presidentes de clubes.

Curiosamente, a minha relação profissional com João Rocha foi-se tornando sólida e sobrevivia com alguma facilidade aos momentos menos bons da relação institucional do jornal com o Sporting, que sempre olhou para A Bola como benfiquista, apesar do reconhecido sportinguismo de Vítor Santos.

Fui algumas vezes convidado para os célebres almoços na sua esplêndida casa, na Lapa. João Rocha adorava cozinhar para os convidados e fazia gala das suas capacidades culinárias. Eram reuniões abertas, com gente muito diversa e dispersa. Reuniões simpáticas, onde nunca alguma coisa me foi pedida que me levasse a sentir-me usado. Mesmo assim, não era um convidado muito assíduo, porque achava que tanta simpatia poderia pôr em risco a minha independência ou a minha imagem de independência. Lá d’A Bola, o convidado mais frequente era o Alfredo Farinha, de quem João Rocha muito gostava, apesar de o saber benfiquista.

Nessas reuniões, falávamos muito sobre o Sporting. O presidente tinha uma ideia muito clara e lúcida sobre o que queria para o clube. Sabia que o Benfica tinha uma base de apoio muito maior e, por isso, uma dimensão que aconselhava que fosse o Sporting a escolher o campo de luta. De forma inteligente, João Rocha optou por uma escolha baseada na valorização da importância das mais diversas modalidades, do atletismo ao hóquei em patins, da ginástica ao andebol, que deram ao clube um lugar único no desporto português.

A ginástica levou centenas, talvez milhares, de novos sócios ao Sporting. O atletismo e o hóquei deram títulos nacionais e internacionais. No andebol e no básquete, o Sporting era invencível em Portugal.

«Se queremos combater o Benfica, temos de ser nós a escolher as armas com que nos batemos», dizia Rocha, com uma noção muito lúcida e pragmática da realidade. E a verdade é que conseguia muitos sucessos nesse combate.

Talvez já poucos se lembrem, mas João Rocha foi o primeiro presidente de um clube português a pensar na mudança de paradigma de todo o edifício, velho e ultrapassado, em que assentava o futebol português. Queria gerir o Sporting, e em especial o futebol profissional do clube, como se fosse uma empresa. Criou, assim, a Sociedade de Construções e Planeamento, que seria aprovada pelo Governo de Marcelo Caetano em Março de 1974, um mês antes do 25 de Abril.

Os tempos de revolução que se seguiram inviabilizaram o projecto inovador e futurista. Tempos que não foram fáceis para João Rocha, um empresário sem especial relação com o mundo da política. Visionário e com espírito pioneiro, aproximou-se da República Popular da China, ganhou a confiança de figuras importantes do país, que, então, era para nós tão distante quanto desconhecido. Ganhou ainda maior dimensão como empresário e levou o Sporting a novas oportunidades de crescimento, através de uma parceria estratégica com os chineses.

Era, no entanto, nos Estados Unidos da América que João Rocha se sentia no «seu mundo». Acompanhava sempre o Sporting nas digressões de Verão pela América e em algumas fiz parte do grupo de jornalistas destacados para a cobertura desses torneios de fim de época, onde muitos dos clubes portugueses se financiavam para pagar ordenados no longo deserto do defeso competitivo.

Numa dessas digressões, o Nuno Ferrari, que já tinha sido submetido, em Portugal, a uma intervenção cirúrgica ao coração, foi acometido de um novo ataque cardíaco grave. João Rocha logo providenciou que ele fosse transferido para um hospital nova-iorquino de renome, mas essa decisão viria a levantar problemas com o seguro.

O Sporting terminou a digressão, voltou para Portugal, o Nuno permaneceu internado e João Rocha continuou a acompanhar, de perto, a sua recuperação. Quando o hospital deu alta ao Nuno, a questão do pagamento ainda não estava resolvida com o seguro. João Rocha nem hesitou. Pagou a despesa e ele regressou a Lisboa, em condições de segurança, com acompanhamento especializado no avião.

Não quero dar uma impressão errada da figura humana de João Rocha. Aquele que foi o mais emblemático presidente do Sporting não tinha uma personalidade fácil. A sua relação com os outros baseava-se numa ideia de mando um tanto ou quanto monárquico. Era um líder absoluto e absolutista. Governava o Sporting numa liderança forte, era crítico duro e até intransigente do poder político, que considerava incapaz de entender o que era essencial para o desenvolvimento do país, tentava dominar no território mais vasto que pudesse, em especial, na área dos negócios e no sistema desportivo.

Também procurava exercer pressões fortes sobre os jornalistas. Alguns, gente de espinha menos direita, aceitavam submeter-se aos seus desígnios e acho que chegavam mesmo a receber algumas compensações por essas fraquezas do espírito. Outros não transigiam.

Num Verão em que acompanhei o Sporting na sua habitual digressão aos Estados Unidos, a minha relação com João Rocha estava em baixa. Cumprimentávamo-nos, mas não nos demorávamos à conversa como noutras alturas.

Ora, em todas as digressões de clubes portugueses e da Selecção Nacional, era bom hábito e costume os jornalistas serem convidados para um almoço ou jantar de convívio com os dirigentes. João Rocha cumpria sempre esse ritual e convidou-me, a mim e aos outros jornalistas, para um jantar especial em Nova Iorque. Seria um jantar, só, de lagosta.

Achei o convite exibicionista e despropositado. Além do mais, poderia parecer que aceitava resolver o problema que nos distanciava pelo preço de um jantar de lagosta. Recusei, mas tive o cuidado de ter a gentileza de explicar que o fazia, apenas, por razões profissionais. A redacção, em Lisboa, esperava o meu trabalho e tinha de ficar no quarto do hotel a escrever.

João Rocha pareceu compreender a justificação. Era sabido que os jornalistas d’A Bola, então ainda um trissemanário, escreviam quilómetros de prosa em reportagem, especialmente quando eram enviados especiais ao estrangeiro. Foi aliás essa cultura jornalística uma das grandes responsáveis pelo crescimento e sucesso do jornal.

Fui, de facto, para o meu quarto e fiquei a escrever durante longas horas. Já estaria perto das dez horas da noite quando me bateram à porta. Fui abrir. Era um empregado do hotel, por sinal, português. Trazia um carrinho com uma enorme bandeja tapada e uma garrafa de vinho branco mergulhada num frappé com gelo.

«Com os cumprimentos do senhor João Rocha», disse-me o empregado, antes de sair.

Destapei a bandeja e não pude deixar de largar uma gargalhada. Não uma, mas duas lagostas de deliciosa aparência e um bilhete:

«Meu caro Vítor,

Espero que aceite este meu pequeno gesto, como homenagem à nossa amizade».

No final, a assinatura:

«João Rocha»

Na sua luta constante por um Sporting líder no futebol português, teve de suportar e de enfrentar, não raras vezes, uma surpreendente aliança entre o FC Porto e o Benfica. Era um combate desigual, que João Rocha travou sempre com enorme coragem.

Com ele, o Sporting conheceu um trajecto difícil, sim, mas consistente e coerente. Tornou maior um clube que já era grande e deu-lhe a necessária identidade para poder marcar diferenças. Em tempos de penúria, investiu dinheiro próprio. Quase sempre a fundo perdido. Sem outra recompensa que não fosse a consolidação da sua indiscutida presidência, que duraria treze anos.

Como sempre acontece, depois de uma liderança forte e muito personalizada, o seu afastamento causaria danos ao Sporting, como se de um forte abalo sísmico se tratasse, e cujas réplicas se vieram a sentir ainda por muitos anos. Acho que ainda hoje, apesar de enfraquecidas, se vão sentindo...»

 

 

In.: SERPA, Vítor - Há vida nas estrelas. 1ª ed. Lisboa : Federação Portuguesa de Futebol, 2019. pp. 79-83

Um novo treinador

«Jogador exímio de cartas, [João] Rocha sabe que precisa de um trunfo. De preferência, um ás, um treinador conceituado. Tenta por isso contratar José Maria Pedroto, o treinador nortenho mais bem-sucedido da década de 1970. Pedroto colocara no mapa as equipas do Vitória de Setúbal e do Boavista, antes de regressar ao FC Porto, em 1977, ali conquistando dois campeonatos dezanove anos depois do último triunfo. Tem aura de génio das táticas e bons amigos na imprensa. Em 1981, exilado em Guimarães, é um portista desconfiado de Américo Sá. Há várias versões sobre o desacordo entre [João] Rocha e o treinador: conforme alguns testemunhos, Pedroto exigiu um orçamento amplo para contratações e… despesas informais [*nr], para outros, o treinador apenas quis ganhar tempo (…)

(…) Entretanto, as páginas do calendário avançam sem resultado concretos. [João] Rocha aponta baterias para John Mortimore que, anos antes, brilhara ao comando do Benfica. Mortimore é polido mas categórico: a saúde da filha não lhe permite viver em Lisboa, pelo que lhe interessa mais o cargo que o Southampton lhe oferece perto de casa. Em jeito de despedida, talvez por delicadeza, o técnico sugere o nome de um amigo – Malcom Allison. Bom rapaz, assegura João Rocha. Um pouco extravagante, mas bom rapaz. (…)

(…) Por coincidência ou sugestão de Mortimore, o inglês estivera em Alvalade em observação de jogadores na última jornada da temporada. No camarote 65, estudara a equipa do Sporting e ficara desde logo impressionado com Jordão e Manuel Fernandes e Manoel (…). Percebe que o ritmo e a linguagem corporal da equipa expressam o saldo de uma temporada infeliz, mas vê qualidade em campo. Tem por isso um único pedido. Gosta de guarda-redes seguros, sempre gostou. Precisa de um nome forte para a baliza. (…)

(…) Com a mão esquerda, Malcom Allison formaliza o contrato com um ano de duração. À despedida, como se lhe anunciasse uma notícia menor, João Rocha deixa cair:

 

Preciso de si amanhã (…)”»

 

[*nr] Em artigo tardio do Diário Popular, de 16 de Maio de 1991 («José Maria Pedroto Homem Avançado no tempo»), o jornalista Neves de Sousa escreverá que Pedroto pedira a João Rocha quinze mil contos de luvas, salário para si e verba idêntica para os árbitros. «Caso contrário, o Sporting só ganha campeonatos lá para o fim do século.» (…)

 

In.: ROSA, Gonçalo Pereira - Big Mal & Companhia : a histórica época de 1981-1982, em que o Sporting de Malcolm Allison conquistou a Taça e o Campeonato. 1ª ed. Lisboa : Planeta, 2018. pp. 65-70

Tratar mal quem ganha

img_920x518$2015_06_02_06_36_00_968597[1].jpg

 Malcolm Allison em 1982: um treinador campeão

 

Em 2015, mal conquistou a Taça de Portugal, Marco Silva foi despedido do Sporting por decisão do presidente Bruno de Carvalho.

Sempre me fez confusão esta má relação entre os líderes leoninos e os técnicos vencedores. Algo que terá sido patente, mais que nunca, durante o longo mandato de João Rocha (1973-1986). Dirigente de méritos firmados e um historial de sucessos ao leme do clube, este empresário teve, no entanto, uma característica que ainda hoje me surpreende: foi incapaz de conviver com os treinadores que se sagraram campeões pelo Sporting durante o seu mandato.

Lembrei-me disto ao ler a entrevista que o jornalista Gonçalo Pereira Rosa - autor do livro Big Mal e Companhia, sobre os bastidores da nossa épica "dobradinha" há 36 anos - deu à edição de ontem do diário A Bola. «Em 13 anos do consulado de Rocha, as três equipas campeãs são destruídas três meses depois. Despede Mário Lino em 1974, Fernando Mendes em 1980 e Allison em 1982. O que constrói, ele destrói logo a seguir. Havia alguma inveja dele», afirma o autor da obra, que vivamente recomendo.

É um mal que não se circunscreve àquela época. Por vezes parece-me que tratamos melhor quem não ganha do que aqueles que são capazes de conquistar títulos e troféus.

Estatutos, eleições e legitimidade...

Como democrata acredito que todos os cidadãos devem votar, que a cada votante deve corresponder um voto. Em eleições nacionais não é possível que um país seja infiltrado por votos de países terceiros, mesmo que alguns naturalizados tenham adquirido a nacionalidade por razões diversas, nunca serão em número suficiente para manipular uma eleição. A coisa pode ser ligeiramente diferente em eleições regionais, alguns caciques podem ser tentados, mas ainda assim não é fácil.

Quando falamos de associações, o cenário é bem diferente. Ninguém é obrigado a filiar-se num partido ou clube. Obviamente cada associação possui legitimidade para se organizar e precaver eventuais infiltrações. É por essa razão que na esmagadora maioria dos clubes, a um sócio não corresponde um voto. A questão colocou-se no Sporting em 2011 e voltou à baila ontem, porque João Benedito teve mais votantes, mas Frederico Varandas acabou eleito com mais votos.

Em primeiro lugar as regras eram conhecidas por todos à partida, pelo que não podem sofrer qualquer contestação quanto à sua legitimidade. Eu também gostaria que houvesse lugar a segunda volta caso ninguém atingisse a maioria absoluta dos votos e que o Conselho Fiscal fosse eleito pelo método de Hondt. Há espaço e tempo, para que seja feita uma reflexão sobre os estatutos e propostas alterações à decisão dos sócios, com ponderação e sem chantagem de aprovação sob ameaça de demissão.

Em tempos, Jorge Gonçalves submeteu a proposta de 1 sócio, 1 voto, durante o seu consulado de má memória. O resultado foi uma AG que acabou mal. À época eu era um jovem com apenas 4 votos, mas estava contra. O rosto opositor da proposta foi o saudoso presidente João Rocha, que subiu à tribuna, com a sua paixão pelo clube exaltou os ânimos e discursou alertando para o perigo iminente de cairmos no populismo. Começou ali o fim da presidência, Jorge Gonçalves convocou eleições antecipadas para clarificar posições, acabou perdendo as mesmas para Sousa Cintra.

Poderemos discutir o assunto, até diminuir alguma diferença entre sócios antigos e recentes, a idade aqui pode ter alguma influência, mas alerto que existem associados com 50 anos de idade mas pouca antiguidade, ao passo que outros há com 30 anos de idade e igual tempo de sócio. Existem sócios tipo A e tipo B. Actualmente qualquer sócio com 1 ano de inscrição pode votar. Seria relativamente fácil infiltrar o clube, se ficássemos desprotegidos destes mecanismos de defesa. Quando votei a primeira vez, tinha apenas 1 voto, desde então os estatutos sofreram alterações, hoje teria 13 votos, mas tenho 10. O que significa que houve alguma diminuição no peso dos votos entre sócios. Mesmo que ainda exista espaço para diminuir alguma dessa diferença, não faz sentido a meu ver que algum dia seja 1 sócio, 1 voto. Mas é apenas a minha opinião, tão legítima quanto a de qualquer outro sócio.

Outros tempos

joao-rocha-1_770x433_acf_cropped[1].jpg

 

João Rocha, presidente do Sporting Clube de Portugal entre 1973 e 1986.

No seu mandato, o clube ganhou mais de 1200 troféus nacionais e internacionais em todas as modalidades, incluindo 52 Taças de Portugal, oito títulos internacionais no corta-mato e quatro no hóquei em patins. No futebol, durante a sua presidência, o Sporting foi três vezes campeão nacional de futebol e venceu três Taças de Portugal.

O que diria ele agora?

Em dia de

Apanhei este post sobre o Sporting no 25 de Abril de 74. Achei boa celebração, vale a pena a leitura do texto todo.

Onde estava o Sporting no 25 de Abril?

Lisboa, 10 de Abril de 1974. O Sporting está nas meias-finais da Taça das Taças e recebe o Magdeburgo, da República Democrática Alemã (RDA), vulgo Alemanha Oriental.

 

Palavra de João Rocha: “na manhã do jogo vinham os tipos das Caldas, e disse aos responsáveis do Exército que não se fazia uma revolução num dia de Sporting-Porto.

Ler os outros

José Manuel Freitas, n' A Bola: «O senhor João Rocha será sempre um líder inesquecível para mim, mas igualmente para a maioria dos sportinguistas, pois nos seus 13 anos, mais que os títulos no futebol, representaram os leões muitos dos maiores nomes do nosso desporto: Agostinho, Livramento, Xana, Sobrinho, Rendeiro, Ramalhete, Marco Chagas, Carlos Lisboa, Mário Albuquerque, Nélson Serra, Lopes ou Mamede. Que os candidatos a presidente dos leões se inspirem nele e mostrem o que valem nesta semana. Porque o senhor João Rocha é para recordar eternamente.»

Merecia o cartão vermelho

Bem ao seu estilo, Rui Gomes da Silva destacou-se esta noite no programa O Dia Seguinte com uma entrada a pés juntos merecedora de cartão vermelho. O vice-presidente do Benfica, que é também comentador futebolístico da SIC Notícias, abriu a boca para desvalorizar o legado de João Rocha. Sem sequer respeitar o período de luto que os sportinguistas atravessam, devido ao falecimento do melhor presidente da história do nosso clube, o braço direito de Luís Filipe Vieira afirmou textualmente: "Quem ainda se lembra do Sporting a ganhar, repetidamente, tem de lembrar-se de João Rocha. É a grande referência do Sporting. Mesmo assim, em 13 anos ganhou três campeonatos - cerca de 25 por cento dos títulos em disputa. Não é um presidente de grande dimensão em termos de conquistas no futebol."

Ora bem. Se João Rocha - conquistador de três campeonatos, três taças de Portugal e uma supertaça, só no futebol profissional - "não é um presidente de grande dimensão", pelas contas de Gomes da Silva, o que diremos então de Luís Filipe Vieira, que em nove anos ganhou apenas dois campeonatos, uma taça de Portugal e uma supertaça - muito menos do que 25 por cento dos títulos em disputa?

Diremos, muito provavelmente, o que ele disse num tiro que afinal faz ricochete. Não é um presidente de grande dimensão.

Sporting, primeira metade dos anos 80

Aos sete ou oito anos andei a ver se aprendia a nadar na piscina do Campo Grande, então alugada ao Sporting, onde o meu pai me inscreveu. Dessas aulas recordo-me do dia em que o monitor nos avisou que, na aula seguinte, teríamos a visita de João Rocha. E de a visita do então presidente do Sporting se ter efetivamente concretizado.

Recordei-me deste episódio ao ler o depoimento de Carlos Lopes ao Diário de Notícias: “João Rocha conhecia todos os atletas do Sporting”. Quantos dos últimos presidentes do Sporting visitam a formação mais básica nas modalidades? Quantos conhecem todos os atletas de alta competição? O mais provável é nem saberem o nome de todos os jogadores de futebol!

Não era um mero slogan, era a realidade: durante o consulado de João Rocha o Sporting era indiscutivelmente o maior clube português e a maior potência desportiva nacional. Foi deste Sporting que eu me tornei sportinguista, e João Rocha era a sua maior referência.

Dito isto, também cometeu erros (e não foram poucos) na gestão do futebol. Recordei um neste meu texto (deixou sair Futre), e nos comentários foram recordados outros. Não manteve nunca a estabilidade, despediu treinadores ao desbarato, destruiu equipas campeãs.

Que o Sporting consiga encontrar um presidente que torne o clube tão respeitado e mantenha os adeptos tão unidos como no tempo de João Rocha, mas que tenha uma melhor gestão do futebol, é o que eu desejo.

(meu) Ponto de situação

Cada jogo agora é uma nervoseira. Não que não costumem ser, mas este ano é uma nervoseira diferente. Estas semanas a alternar entre o "mais perto da Europa" e o "mais perto dos últimos" não podem dar saúde a ninguém. 

A semana passada adiei o meu jantar de anos para ir ver o jogo com o Porto: "é que joga o Sporting... com o Porto..." e os meus amigos percebem mesmo que alguns nem vejam futebol, nem me dizem "mas está tão mal, que vais lá fazer?" já sabem que não é por aí. 

Gostei bastante mais do que vi. Gostei da formação a crescer para o Porto. Gostei menos das oportunidades perdidas na frente, mas já se falou de sobra em van Wolfswinkel.

Tinha lido e ouvido toda a semana coisas como "não se percebe tanto alarido, o primeiro a jogar com o 11º... " e sim, eu ainda ligo a estar provocações. Não respondo, mas ligo. Tinha então ouvido esse tipo de coisas e se um empate jamais será uma vitória, sabemos que este foi perto de precioso. 

Hoje não adiei, mas também não ía a Coimbra. Vi os convocados (podem ver-se aqui, aproveito para concordar com todo o post e dedicatória do Bancada de Leão) e gosto das opções. Jantarei atenta. E nervosa. Mas sempre com esperança e confiança nos miúdos (e nos outros, que na verdade também não são muito mais velhos). 

 

Era pequena quando João Rocha foi presidente do Sporting. Tinha noção que os clubes tinham um presidente e aquele era o do meu. O que sei e lhe agradeço hoje, fui aprendendo ao longo dos anos. Ficará para sempre como referência para todos nós. 

 

No que toca a eleições, continuo a observar. Nada a declarar por enquanto. Hoje importa ganhar. Ganhamos todos. 

Onde o futuro começa

“Se eu fosse treinador dele [Eric Dier] durante muitos anos, diria que vai ser um grande médio (…) O Dier tem todas as condições para ser um grande jogador. E não é só ele, há mais”, disse esta tarde Jesualdo Ferreira na antevisão do jogo de amanhã contra a Académica.

Jesualdo Ferreira não esconde a admiração e empatia pela postura, qualidade técnica e ambição em campo dos jovens atletas que lhe foram confiados, a quem augura um futuro muito promissor.

Nesse âmbito, volta a ser clara a vontade do treinador leonino em potenciar a marca do Clube, que é a sua formação, durante muitos anos.

Eric Dier revela-se como uma forte aposta pessoal de Jesualdo Ferreira que, para sobressalto de muitos corações leoninos, está decidido em fazer do jogador um médio de eleição.

Só o tempo dirá se o vaticínio expresso pelo “pai futebolístico de Falcão”, na conferência de imprensa de hoje, se revelará certo ou errado.

No entanto, a vocação e intenção de Jesualdo em forjar novos craques, e a aspiração de Dier em conquistar títulos em Alvalade e ser internacional por Inglaterra, são, seguramente, bons indícios para que a missão venha a ser bem sucedida!

 

P.S.1 – Com o presente post, inicio hoje a minha colaboração no SPORTING – És a nossa Fé, agradecendo ao Pedro Correia pela oportunidade concedida.

 

P.S.2 – No período mais grave de sempre da Presidência leonina, desaparece um dos seus antigos titulares e que foi, emblematicamente, dos mais carismáticos e vitoriosos na sua história centenária. Que na evocação da memória de João Rocha, mais do que a saudade desses tempos idos de fulgor sportinguista, surja, inspirado pelo seu exemplo, um renovado esforço, dedicação e devoção para recolocar o Sporting na senda da glória!  

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D