Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Quem os viu e quem os vê

A estratégia do Benfica, após seis derrotas em jogos oficiais quando ainda estamos em Novembro, girou 180 graus. Como é bem patente nas intervenções de representantes encarnados nos debates televisivos.

No rescaldo do Sporting-Benfica isso ficou mais evidente que nunca: os mesmos que ainda há pouco não desperdiçavam uma ocasião para enaltecer a competência dos árbitros portugueses estão agora na primeira linha dos queixumes contra a arbitragem.

E fazem-no em total sintonia, sem discrepância de qualquer espécie. Como se percebe nestas transcrições inflamadas contra os homens do apito:

 

João Gobern (Trio d' Ataque, RTP 3): «Um dia destes vamos ter que criar uma medalha, um prémio, uma distinção, umas férias pagas em qualquer lado, ao primeiro árbitro que marcar um penálti contra o Sporting. Até agora, nada. (...) Nos três jogos com o Sporting o Benfica foi sonegado de três grandes penalidades!»

Rui Gomes da Silva (O Dia Seguinte, SIC Notícias): «O escândalo que foi esta arbitragem! (...) Jorge Sousa teve má fé.»

Pedro Guerra (Prolongamento, TVI 24): «Todo o País já percebeu que o Sporting está a ser beneficiado por decisões de arbitragem e conseguiu passar a eliminatória da Taça de Portugal graças a decisões de arbitragem. (...) É preciso dar um murro na mesa!»

Sérgio, setenta anos

20150620_010445.jpg

Vinte e dois de Novembro de 2007, um local, FNAC do Colombo (19H00), assisti à apresentação do livro: "Futebol e Rock n' Roll"... o "rock" era o aniversariante de hoje, o Sportinguista Sérgio Godinho; o futebol era um futebolista, que digamos, já não joga no Sporting.

Retiro umas palavras desse livro (p. 31 e 32):

SG - E tu, nunca foste benfiquista?

JM - Para dizer a verdade, fui (...) apesar da minha mãe ser uma adepta anti-benfiquista.

SG - Ah, é uma adepta anti-benfiquista... Boa definição.

JM - Podem ganhar todos, menos o Benfica.

SG - Isso parece uma frase que os brasileiros costumam dizer: «me inclui fora dessa»... (risos)

JM - Quando o Benfica ia jogar a Olhão aconteciam umas certas... trafulhas - é como a minha mãe diz, trafulhas. A partir daí começou a detestar o Benfica (...) o árbitro roubava o Olhanense e a minha mãe, adepta do clube, ficou com um pó ao Benfica (...)

[ficar com pó ao Benfica é uma frase linda, lida à luz daquilo que hoje sabemos, ficar com pó ao clube do pó, há realidades que não podem ser branqueadas :)]

Enfim a ideia era dar os parabéns ao Sérgio mas enveredei pelo estilo João Gobern a quem pagaram para escrever uma crónica em que fala dele; Gobern e não de Godinho.

Vou terminar com um grande abraço para Godinho, Sérgio Godinho e uma frase à Leão:

TEMOS FORÇA E RAZÃO E VONTADE PARA LUTAR!

Revisitando a temática «João Gobern»

Locutores e comentadores da rádio e da televisão são unidades jornalísticas autónomas que fazem parte da experiência desportiva e, pela sua função, assumem o cometimento com a audiência de informar e comentar com exactidão, imparcialidade e integridade, requisitos tão essenciais à sua credibilidade, como instrumentos esterilizados a um cirurgião. Salvo em casos em que o alicerce da programação assenta no debate entre adeptos, provisoriamente instalados em painéis para discussão improvisada, o comentador tem o dever de moderar a sua analogia, enquanto profissional, a fim de preservar a objectividade e fidedignidade do seu desempenho jornalístico, indiferente das suas tendências naturais para uma qualquer coisa. O jornalismo, como profissão e arte, é governado por regras de conduta que não dispõem de precisão científica. Muito por essa implícita latitude, o desempenho não se ajusta meramente à transmissão de opiniões, reacções e ideias, sem primeiro consciencializar a veracidade da informação em que a expressão é fundamentada. Esta, para ter equilíbrio e probidade, não deve ser indevidamente influenciada por factores partidários que comportam, por inerência, o potencial para a desvirtuação desportiva e o desrespeito pela propriedade da audiência. João Gobern, tanto no seu comentário in loco como na sua palavra escrita, sempre transpirou a sua extraordinária inibição em encontrar a imunização contra o seu fervor clubístico, consideração que há longo tempo o deveria ter desqualificado da participação num programa como «Zona Mista», componente da televisão pública que aspira aos ideais de jornalismo no comentário desportivo.

O direito natural à multiplicação de cachecóis

O João Gobern tem todo o direito de se assumir como adepto benfiquista. E, sendo convidado para fazer comentário futebolístico na RTP precisamente como analista de cachecol, tem naturalmente também o direito - e neste caso quase o dever - de assumir a sua condição de benfiquista. Nada a objectar quanto a isto. Sendo assim, quem poderá espantar-se que vibre em directo com a marcação de um golo da sua agremiação ao minuto 92 de um jogo contra um clube que ameaça disputar-lhe o título? Fará sentido compará-lo ao ex-ministro Manuel Pinho que foi afastado do Governo socialista por ter feito um feio gesto a um deputado da oposição na respeitável sede da democracia que é a Assembleia da República?

Quanto a mim, o caso pode e deve servir de pretexto para a indignação sportinguista mas sem ter Gobern como alvo. Quem merece críticas é a RTP, que inclui há quatro anos na grelha regular do seu espaço informativo um programa de comentário futebolístico, intitulado Zona Mista, que apenas permite um adepto de cachecol. O do Benfica. À revelia das suas obrigações de serviço público que lhe impõem normas acrescidas de isenção, pluralismo e equidade. Como se uns cachecóis fossem mais iguais que outros...

A questão é só esta. E é quanto basta para merecer debate. E suscitar legítima indignação.

Publicado também aqui

É a vida

 

RTP dispensa João Gobern 

 

O jornalista e comentador do programa 'Zona Mista' celebrou o golo da vitória do Benfica sobre o Sporting de Braga e foi apanhado por uma câmara do programa da RTP Informação. De acordo com comunicado enviado pela RTP, o comportamento de João Gobern foi "considerado inadequado pelo Diretor de Informação da RTP". "Hoje mesmo, Nuno Santos comunicou a João Gobern a decisão da RTP de pôr fim à colaboração".

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D