Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O dia seguinte

image.jpg

Não sendo eu propriamente um entendido em futebol feminino, e pensando que não fará muito sentido ver ou avaliar da mesma forma futebol masculino e feminino, não podia deixar de fazer aqui um apontamento sobre o que aconteceu ontem no Jamor. 

Até porque foram elas este ano que conseguiram lá estar, que conseguiram que muitos Sportinguistas vindos um pouco de todo o lado lá rumassem para uma bela tarde de futebol, que conseguiram ganhar o jogo categoricamente, que conseguiram trazer para o museu do clube mais uma Taça. Antes disso já tinham conquistado a Supertaça frente ao Benfica, e na Liga lutaram quase até ao fim pelo título.

Mais que merecem este meu pequeno esforço.

 

Foi um jogo em que uma equipa "fórmula Sporting", com mais de metade proveniente da formação, algumas mais experientes e com muitos anos de casa, e algumas estrangeiras diferenciadas, defrontou uma equipa do Famalicão mais velha e mais poderosa fisicamente. Foi preciso competência técnica e táctica, mas também muita crença e muita raça para dominar o jogo e conquistar a vitória.

O Sporting entrou em campo em modo Amorim, uma disposição em campo que parecia 3-4-3 com Diana Silva mais fixa à frente, Brenda a deambular pelo centro e Chandra pelas alas. E como o Famalicão tentava antes do mais ganhar a luta de meio-campo e defender o centro, era Chandra que procurava o melhor espaço para acelerar, tabelar e posicionar-se para concretizar.

Estivesse o remate de entrada da área afinado e não teria sido preciso uma mão na bola do adversário para chegar ao 1-0. Depois o jogo continuou na mesma toada, Diana Silva cabeceia ao poste e minutos mais tarde Chandra marca um golo improvável, daqueles que só marca quem acredita.

Com 2-0 aos 60 minutos, a equipa foi perdendo gás, se calhar a defesa sentiu a falta da central bósnia Melisa Hasanbegović para impor respeito ali atrás. O Famalicão foi atrás do prejuízo, ainda conseguiu um penálti muito bem defendido por Bacic e um golo de oportunidade duma bela assistência da nossa ex-jogadora Raquel Fernandes. Ana Capeta, outra nossa ex-jogadora, foi das mais lutadoras do adversário.

 

Quem assistiu à reportagem da Sporting TV pode perceber por um lado o magnífico ambiente daquela equipa muito "made in Sporting". Confirmando-se a qualidade do projecto de formação que está por detrás desta equipa, com Thomaz Morais e Mariana Cabral como peças-chave, em que uma ou outra das jogadoras seniores e uma adjunta de Mariana Cabral são também treinadoras ou preparadoras físicas de escalões jovens, e a capacidade de integração de atletas estrangeiras de qualidade, como Doris Bacic, Chandra Davidson e Brenda Perez e a tal Melisa Hasanbegović. 

Temos de recordar-nos que no final da época passada sairam várias jogadoras importantes que tinham estado noutras conquistas de títulos e taças, talvez rumo a melhores contratos, e foi preciso construir uma nova equipa e novos lideres de balneário.

 

Esta equipa merece também uma aposta mais forte da Sporting SAD no que respeita ao futebol feminino. Aposta essa que passa por aproximar a equipa dos sócios, trazendo para Alvalade os jogos mais importantes e incentivando a ida gratuita de jovens e famílias, procurar reter os melhores valores e reforçar o plantel com jogadoras diferenciadas relativamente às que conseguimos formar, muito em especial no aspecto físico, capacidade de remate e jogo aéreo.

Porque, tal como acontece no futebol masculino, já temos o mais importante, uma treinadora educada, humilde e competente, Mariana Cabral de seu nome, e uma estrutura sólida por detrás que efectivamente funciona.

Muitos parabéns a todas e a todos os envolvidos nesta grande vitória do Sporting Clube de Portugal.

  

SL

Abrantes, nada como dantes

22305637_OnVCA.png

22305639_5WvRm.png

Na primeira imagem vemos um muro com cem rostos, cem pessoas importantes, cem pessoas de Abrantes.

Na segunda vemos Joana Marchão.

Uma menina entre bigodudos e fardados.

Uma menina cuja farda são uns calções e uma camisola com o leão rampante no peito ou então as cinco quinas de Portugal.

Uma menina que ontem, com umas discretas chuteiras pretas, contribuiu para a conquista de mais uma Taça de Portugal.

Obrigado, Joana, obrigado Mariana, agradecido a todas por conseguirem mais um troféu, a jogar um futebol vistoso, bonito, sempre com os olhos postos na baliza adversária.

É assim o futebol, suar mais, correr mais, rematar mais, marcar mais golos que a equipa adversária.

Ontem, amanhã e o futuro

22304969_KRIhC.jpeg

Há clubes que fomentam o desporto, que lutam pelo desportivismo, há outros clubes que até na data de fundação/fusão mentem.

Não temos de ter medo das datas, não devemos ter medo dos números

Cada um de nós, cada clube, é ele próprio e as suas (dele) circunstâncias.

No dia 25 de Abril de 2012 estava no Porto, uma cerveja dali, uma conversa daqui, uma futebolada, eis-me na Boavista; Porto vs. Sintra. Quer queiramos quer não (no grupo de amigos onde estava)  pequenez da cidade vs. a imensidão do mundo.

O futebol feminino (tal como o futsal ou o futebol de praia) é um futebol sem graínhas, sem aditivantes, sem "lactose", por enquanto está puro.

Para quem gosta de futebol sério, de futebol a sério, dum futebol que não está aVARiado nem dominado pelo "calor da noite", amanhã, às 17H15, Sporting Clube de Portugal vs. Futebol Clube Famalicão.

Um futebol a nível nacional que, felizmente, ainda se disputa sem a perniciosa presença do Futebol Clube do Porto.

Que ganhe a melhor.

Atentai, mundo, atentai

WhatsApp Image 2022-03-08 at 13.47.47.jpeg.crdownl

Chama-se Angel City FC, é um novo clube de futebol feminino e o próprio nome tem uma pitada de cinema. Está sediado em Los Angeles — a designação terá mais a ver com esse facto — e quer impor-se na National Women’s Soccer League, dos EUA, competição na qual vai estrear-se este mês. Foi fundado e é detido por nomes como os das atrizes Natalie Portman, Eva Longoria ou Jennifer Garner, das lendas do ténis Serena Williams ou Billie Jean King, das antigas futebolistas Abby Wambach e Mia Hamm ou do apresentador inglês James Corden.

Parabéns, Leoas

thumbnail_20210828_195015[3].jpg

 

O futebol feminino do Sporting - agora orientado pela treinadora Mariana Cabral - acaba de conquistar a Supertaça. Derrotando o Benfica por 2-0, no estádio do Restelo. E coroando aquela que, em termos globais, terá sido a nossa melhor época de sempre.

Parabéns, Leoas. Pela conquista de mais um troféu. E por terem honrado o lema do Clube: Esforço, Dedicação, Devoção e Glória.

Outras bancadas

No seguimento do post da CAL e na esperança de que com esta razia no futebol feminino se esteja a ver um pouco mais além, quero chamar a atenção para a excelente reflexão de Álvaro Antunes, n' A Tasca do Cherba, sobre o tema.

Creio ser um assunto que deve ser abordado aqui, com os comentários que muito bem entenderem fazer, uma vez que o FF já deixou de ser (já deixou há muito no resto do planeta futebol) um grupo de "miúdas" que "arremedam" os rapazes e dão uns chutos na bola. E como muito bem reflete Álvaro Antunes, investir no FF é para o clube uma prioridade. E como o ecletismo é a nossa marca de água, é também importante vermos as nossas camisolas nas Ligas europeias, vestidas por mulheres a praticar futebol. Do bom, como é nosso timbre.

Da série: embrulhar e despachar

Isto, não é nem pode ser comportamento aceitável para o Sporting Clube de Portugal. Isto, não é, nem pode ser, o que o Sporting Clube de Portugal é.

Será 'despedimento colectivo'? Será verdade que a figura jurídica em apreço permite que as indemnizações a pagar o sejam numa proporção inferior ao que seria um despedimento por mútuo acordo em que se cumpre a legislação aplicável em termos de direitos adquiridos ao longo dos anos? Sim, ainda, o 'despedimento colectivo' público, e o valor que o Sporting diz ter conseguido não gastar pela dispensa dos colaboradores, por atacado, e sem que se lhe conheça especial reconhecimento público pese embora saber-se o que deram ao clube. Não caríssimos, não acho que a situação das jogadoras de futebol feminino se enquadre numa situação de 'despedimento colectivo'. Mas acho que há características transversais à gestão de ambas as situações que devem ser objecto da nossa atenção. 

Talvez seja bom recordar que os treinadores, ou treinadoras, não aparecem na tão propalada estrutura invísivel do Sporting por geração espontânea ou por intervenção divina. Ou fazem-no?

No que ao futebol feminino diz respeito, talvez seja de não perder de vista que uma das primeiras intervenções operadas pela Direcção de Frederico Varandas, comunicado emitido a 5 de Outubro de 2018, foi precisamente no futebol feminino, com a escolha de Filipe Vedor para desempenhar o cargo de Director Geral do Futebol Feminino. Substituiu, como refere o comunicado, Raquel Sampaio. Que, de resto, recebeu agradecimentos no final do comunicado que dava nota das novas funções de Filipe Vedor. De acordo com o perfil Linkedin do referido colaborador, em Junho de 2019, deixou de desempenhar essas funções. 10 meses de exercício.

Quanto ao ex-Director Geral do Futebol Feminino do Sporting, de quem oiço ser competente (é da mais elementar justiça sublinhá-lo), mas a quem é imputada uma relação de âmbito pessoal com o actual Presidente do Sporting Clube de Portugal, só posso desejar que continue a ter a oportunidade de dar o seu melhor em prol deste clube. Não nego, contudo, que me faz espécie que outros, com até bem mais anos de casa, e imensos sacrifícios feitos a favor do melhor para este clube que tanto amamos, não tenham tido a mesma oportunidade. A responsabilidade não é de Filipe Vedor, como é evidente.

Meritocracia, desde que haja qualquer coisa mais que permita que lá se mantenham. Meritocracia, desde que não façam sentir (ainda que de forma inadvertida) a superiores hierárquicos que não sabem o exigível para chefiar. E fazer escolhas. E apresentar solucções. 

O problema, como todos sabemos, mas nem todos queremos ou conseguimos assumir, não está nas pessoas que são postas a desempenhar os cargos. Está em quem as recruta, está no entendimento que conseguem fazer das situações e os recursos de que dispõem (e não dispõem) para mexer bem. Fim. 

O problema está no facto de não se mexer correctamente e, com isso, comprometer seriamente ou implodir por completo, um muito bom trabalho feito por quem antecedeu as escolhas pessoais (bingo!) nas quais estão reflectidas as capacidades profissionais, o juízo crítico, de quem decide. Com uma agravante. É que em certos casos, só vamos ter consciência plena das consequências do, de certa forma, experimentalismo aflictivo de quem manda, daqui a alguns anos. Nessa altura, é abrir cordões à bolsa, pagar o que houver a pagar e falar em gaps. E responsabilizar a Direcção que permitiu que os houvesse.

Soa familiar? 

SPORTING no feminino

Leoas no relvado em dia decisivo

Joga-se amanhã a última jornada da Liga BPI, em jeito de final. Mata-mata, parafraseando o sargentão, que não dá outra oportunidade para a glória na atual temporada. É vencer... ou vencer. Local, Estádio de Alvalade, 17 horas  e Benfica como adversário. O jogo dá na Sporting TV e no Canal 11.

Esta equipa feminina do Sporting tem semelhanças com a comandada por Rúben Amorim. Partiu sem vatícinios vencedores (talvez os mesmos 3% dos leões). Internamente também se discutia o desinvestimento, a equipa técnica e a treinadora, a falta de apoio, etc. O que é facto é que chegam à última jornada à distância de 1 golo (sem sofrer, também), para se sagrarem campeãs nacionais. Uma vitória significa o Olimpo, e juntar aos dois campeonatos conquistados em 2017 e 2018.

Seria bonito juntar ao título de campeão nacional da Liga NOS o da Liga BPI. Será bom que até amanhã possamos transmitir apoio e confiança às nossas jogadoras, através das redes sociais (a maioria delas tem Instagram e Facebook, e algumas Twitter, com mensagens. Tem muita importância, mais do que possam imaginar. É o nosso pequeno esforço para que elas vençam também por nós.

sporting-fem.jpg

0nze de cada lado

22043434_ZKfaE.jpeg

 

Hoje no canal 11 às 18H00.

Sporting vs. Benfica, as meninas portuguesas enfrentam a legião estrangeira com um roda de bicicleta no peito.

Mais tarde, às 21H00 no mesmo canal, os meninos do Sporting enfrentam os veteranos de Carnide, perdão, de São Domingos de Benfica.

Dois jogos que comentaremos depois, é curioso que Monopólio se escreva de vermelho e branco, será que as notas do monopólio valerão mais que o futebol e o futsal praticados no relvado e no pavilhão?

Mais logo saberemos.

Uma adepta para a vida!

Confesso que já não estou habituado a palavras como as da Mariana Azevedo, jogadora da equipa feminina de futebol, no momento em que cessa o vínculo com o Sporting.  Por isso este realce. Boa jogadora, a sua saída deixa a equipa mais fraca. Sou entusiasta do futebol na versão feminina e vibrei com todos os troféus alcançados nos dois primeiros anos, sob o impulso de Bruno de Carvalho. Para além de Alcochete e Alvalade, fui ao ao Porto, ao Jamor,  e a Coimbra ver o Sporting ser campeão pela 1ª vez, ganhar a Taça de Portugal e uma Super Taça. Depois, bem, depois a espiral vertiginosa de não sabermos o que iria acontecer, no pós Alcochete, para além de algum desinvestimento no nosso futebol feminino apareceu o vizinho da 2ª Circular com um investimento desmesurado em jogadoras internacionais e fez virar o vento e mudar a sorte... 

Mais um caso em que o mais difícil poderá não ser atingir o sucesso, mas mantê-lo! E no Sporting isso é tão comum...

Mas a vida é o que é e a Mariana Azevedo, aos 24 anos, vai seguir o seu caminho. E deixa palavras bonitas, na hora da despedida:

“Têm aqui uma adepta para a vida, vibro e continuarei a vibrar para sempre por este Clube. Obrigada por tudo”.

É pena. Até sempre e obrigado, Mariana.

MAze.jpg

https://www.sporting.pt/pt/noticias/futebol/futebol-feminino/2020-08-03/mariana-azevedo-de-saida

Parabéns, leoas!

Texto do leitor Leão de Quiosque

V8RBSI6R.jpg

 

O tema do futebol feminino merece, esta semana, redobrado destaque.

Temos que ser francos e dizer que o Sporting se apresentou para este campeonato como outsider.

O Braga foi campeão nacional na época transacta e tinha-se reforçado esta época para jogar a Liga dos Campeões.

O Benfica ascendeu pujantemente ao primeiro escalão com uma super-equipa, recheada de internacionais, construída para ganhar tudo.

O Sporting manteve a estrutura da equipa dos anos anteriores e reforçou alguns sectores-chave contratando jogadoras como Meister (defesa esquerda), Raquel Fernandes (médio) e Wilkinson (avançada). Juntamente com Nevena e Carlyn constituíam as cinco jogadoras estrangeiras do plantel, de longe o mais português dos três grandes. Simultaneamente contratou Susana Cova, treinadora que estava ligada à FPF há vários anos.

 

Quem conhece o futebol feminino português sabe que existe manifesta insuficiência de jogadoras. Os clubes só recentemente começaram a apostar na formação e teremos que aguardar dois ou três anos para ver os frutos dessa aposta e começar a ter equipas mais competitivas. A FPF está a apostar verdadeiramente no desenvolvimento do campeonato e nas selecções nacionais.

Infelizmente a falta de competitividade actual faz com que o campeonato se resolva nos jogos entre as três equipas. Salvo raras excepções (e o Braga já teve uma esta época) os jogos com as restantes equipas são desnivelados.

O Benfica chegou ao jogo de ontem [domingo] só com vitórias e apenas um golo sofrido, o que traduz bem a sua larga superioridade. No mercado de Inverno tinha trocado algumas jogadoras estrangeiras e apresentou-se em Alcochete como favorito. Na primeira volta havia ganho às leoas por 3-0 no Estádio da Luz.

 

Nas equipas iniciais preponderavam as nove jogadoras portuguesas do Sporting contra as nove estrangeiras do Benfica.

Os primeiros minutos foram avassaladores. Tirando um lance casual da nossa avançada Carolina Mendes, as leoas estiveram verdadeiramente encostadas às cordas até ao golo, natural, do Benfica.

Depois apareceu a justificação para as questões que pareciam incompreensíveis ao adepto de bancada.

Porque é que, perdendo o campeonato da época passada, não acompanhámos o investimento das restantes equipas grandes esta época, porque ficaram três estrangeiras no banco, porque se apostou em Patrícia Morais na baliza para este jogo, porque se atira ao jogo a irrequieta, mas fisicamente ainda frágil, Joana Martins, de 19 anos, porque insiste Susana Cova em jogar no Aurélio Pereira quando podia levar estes jogos a Alvalade?

Porque o Sporting não vai comprometer o futuro da sua formação (onde tem enorme qualidade), porque temos duas extraordinárias guarda-redes (internacionais por Portugal) que merecem ser motivadas, porque ninguém nesta equipa joga de início por vir de campeonatos mais competitivos, porque Joana Martins tem lutado, com tudo o que pode, naquele meio-campo após a lesão de Carlyn no início da época, porque o Aurélio Pereira, digam o que disserem, é a verdadeira casa das leoas.

 

Susana Cova, com a sua experiência organizativa e capacidade de liderança, gerou uma verdadeira equipa.

Poderemos não ganhar o campeonato deste ano (que pode vir a ser dirimido por diferença de golos) mas este grupo transcendeu-se e fez tudo para ganhar o respeito dos adeptos. Definem uma verdadeira E-QUI-PA!

Parabéns, leoas!

 

Texto do nosso leitor Leão de Quiosque, publicado originalmente aqui.

Seria mais do que merecido para as leoas

Dos três “jogos grandes” que o Sporting disputou neste primeiro domingo de 2020 foi a equipa feminina de futebol que conseguiu a vitória, com um trunfo por 2-4 na visita ao Sporting de Braga. Ficou praticamente selado o destino das campeãs em título, já com oito pontos de desvantagem para o Sporting, que consolidou a segunda posição, e ainda mais três para o Benfica, que soma por vitórias todos os jogos que disputou.

A capacidade de superação de atletas como a Nemena, a Ana Borges, a Raquel Fernandes, a Diana Silva, a Carolina Mendes, a Carole Costa, a Joana Marchão, a Tatiana Pinto e tantas outras grandes leoas deve forçosamente ser recompensada. Mesmo que não em dinheiro, certamente escasso apesar de ainda não ter sido desferida a temida estocada na aposta no desporto feminino, pelo menos em reconhecimento do clube que tão bem representam.

E que melhor forma de o fazer do que realizar no Estádio de Alvalade o Sporting-Benfica marcado para o fim-de-semana de 23 de Fevereiro? Embora seja assaz improvável que as leoas possam vencer as rivais por 4-0, o que lhes daria vantagem em caso de igualdade pontual, nunca se sabe se o Sporting de Braga comete uma gracinha e rouba dois ou três pontos às actuais líderes no jogo que ainda irão disputar. E, nesse caso, bastaria vencer o Benfica, sendo certo que mesmo nos tempos da RDA havia provas de atletismo que não vencidas pelas alemãs de Leste, pese embora o seu assinalável poderio físico.

Tendo em conta que a equipa masculina joga em casa para a Liga Europa na quinta-feira anterior, o que atirará a recepção ao Boavista para a noite de domingo, porque não marcar o Sporting-Benfica para a tarde de sábado, abrindo o jogo aos detentores de gameboxes que queiram demonstrar àquelas valentes futebolistas, dignas do respeito de todos os sportinguistas, que acreditamos nelas?

Até porque seria o mínimo que a atual gerência poderia fazer para homenagear aquele excelente grupo após a desconsideração de ter tomado posse à mesma hora a que a centenas de quilómetros a equipa feminina de futebol disputava a Supertaça que só perdeu com o Sporting de Braga nos pénaltis.

Recordo-me muito bem das lágrimas da Carlyn Baldwin ao ficar ligada à nossa derrota, ainda sem poder imaginar as provações que uma lesão terrível lhe iria trazer. Mas também vou acompanhando a forma como a nossa polivalente norte-americana vai sentindo a equipa e o clube, e a esperança em voltar a pisar relvados. Bem que poderia ser o relvado de Alvalade, daqui a pouco mais de um mês e meio.

Indignação?

Aquele grupo organizado de adeptos travestido de claque, ou aquela claque travestida de grupo organizado de adeptos, nunca percebi bem, voltou a fazer merda. Desta vez o visado foi o autocarro do Sporting, como já outras vezes o alvo foram instalações do clube ou gente conhecida ou anónima, que pelas mais tristes circunstâncias se tornou conhecida. Dois deles pós-mortem.

E desta vez, como em outras anteriormente, quem tem responsabilidades nisto assobia para o lado. O secretário de estado, que faz o frete ao ministro e que se está cagando para o Sporting; O ministro que se está cagando para o Sporting e que faz o frete ao lampião do primeiro-ministro, que por sua vez caga no Sporting e nos seus adeptos e sócios e no seu património. E as polícias, todas! E o ministério público e os juízes, com muitos poucos exemplos que contrariem este clima de ditadura lampiónica.

O "outro" era maluco. Fez "tilt", queimou os fusíveis, o que quiserem, mas porra, enquanto lá esteve era o primeiro, de dentes arreganhados, na defesa do Sporting e exigindo medidas a todos e a mais alguns. Há uma enorme diferença entre um post no facebook, goste-se ou não, barafustando contra os "bois" e dando-lhe nomes e um comunicado a dizer, de mansinho, de forma polida para não sujar os colarinhos que "nós já tratamos dos nossos arruaceiros, os outros que tratem dos deles também". Como se os outros fossem algum grupo que se pautasse pelo cumprimento básico da Lei, ou como se os que agora foram ilegalizados não se venham a comportar como travestis de claques, tal como os outros. Tanto amadorismo, tanta desgraça, tanta incompetência. Tanta falta de tomates!

Efeito contágio

Já não é só no futebol profissional sénior masculino, que apresenta o pior início de época desde a temporada 1966/1967, com seis derrotas e apenas quatro vitórias em 12 jogos - e acaba de registar um triste recorde de 70 anos com esta eliminação da Taça de Portugal por um adversário do terceiro escalão. O descalabro parece contaminar outros redutos do desporto-rei leonino. No futebol feminino, levámos 3-0 do Benfica. E na Liga Revelação perdemos igualmente frente ao velho rival, por 2-1. Neste caso com a agravante de defrontarmos uma equipa com uma média etária claramente inferior e termos a nossa equipa reforçada (com ou sem aspas) com o craque Rafael Camacho, que custou cinco milhões de euros aos cofres leoninos e praticamente ainda não jogou na equipa principal.

O efeito contágio é tramado.

Futebol no feminino

As nossas leoas começaram da melhor maneira o campeonato nacional de futebol feminino com uma vitória por 2-1 sobre o o atual campeão, o Braga. 

O SPORTING, que até começou a perder logo aos 2´, conseguiu uma  reviravolta fantástica já na 2ª parte, aos 76´ e 78´, com golos de Diana Silve e Nevena Damjanovic. 

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D