Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Keizer, rua

Se as taças conquistadas na última época justificaram o benefício da dúvida ao treinador holandês, a verdade é que este início de época tem revelado na plenitude a sua mediocridade. A falta de contratações não justifica o que quer que seja, porque a equipa mantém praticamente todos os titulares da época passada, Gudelj será a excepção, mas não apresenta segurança defensiva, o meio-campo não marca e excepto Bruno Fernandes não demonstra intensidade, o ataque é quase inexistente. A táctica parece ser bola para o Bruno Fernandes e seja o que Deus quiser. É mau demais para ser verdade este futebol miserável que apresentámos hoje na Madeira.

Enquanto sócio e sportinguista que segue o futebol, peço ao presidente Frederico Varandas que demita imediatamente de funções o treinador Marcel Keizer. Caso não o faça, irei repensar o meu apoio aos actuais órgãos sociais, porque não estou para aturar semanalmente esta pobreza futebolística.

O Estado que é o futebol

Cada vez é mais notório que o futebol há muito que deixou de ser somente um desporto. É neste momento uma indústria que move pelo Mundo um número com demasiados algarismos.
De tal forma é importante que, em países como o nosso, o desporto-rei ganhou estatuto de um Estado, dentro de outro Estado.

O nosso futebol tem tamanho poder que não há político que não goste de aparecer ao lado dos homens da bola. Então em competições europeias é vê-los. Mesmo que noutros desportos a presença de equipas lusas em finais seja mais frequente.

A propósito, gostaria de saber quantos políticos estiveram presentes no Pavilhão João Rocha aquando da Final da Liga dos Campeões em Hóquei-em-Patins entre o FC Porto e o Sporting. Acho que nem é necessário responder. Agora imagine-se o que aconteceria se fosse no futebol…

Este novel Estado pretende ser tão independente que nem permite a intervenção da justiça fora dos seus próprios tribunais.

Mas, como qualquer Estado que se preze, este tem também os seus aliados. E as televisões são um dos exemplos.

Venho agora discorrer sobre este tema porque ainda estou para perceber porque é que a final da Supertaça se jogará domingo perto das 21 horas. É que se não houver atrasos, nem prolongamentos, nem grandes penalidades, este jogo acabará por volta das onze da noite.

Os adeptos da equipa vencedora certamente irão ficar no campo até a sua equipa receber a taça. O que equivale a dizer que só muito perto da meia-noite esses mesmos adeptos estarão de regresso a casa. Agora imagine-se se houver tempos adicionais a que horas se sairá do estádio…

Seria bom que este Estado percebesse que realmente o futebol só existe… porque há adeptos. E estes deveriam ser os primeiros a merecer respeito. No entanto tal não acontece.

Os clubes envolvidos são os verdadeiros culpados, ao deixaram que a organização deste evento esteja não só refém de um canal de televisão, mas também por não se imporem perante os patrocinadores.

Percebo que o adepto de sofá é deveras importante. Mas aquele que vai ao estádio mereceria muito mais consideração por parte das entidades organizadoras.

Digo eu…

Fica, Bruno!

21503250_kOg16[1].jpg

 

Bruno Fernandes é o melhor jogador do Sporting, mas não é o mais bem pago do plantel. Face ao rendimento desportivo do nosso capitão, espero que Frederico Varandas apresente uma proposta de renovação que faça jus ao estatuto do melhor jogador a actuar em Portugal e lhe pague os 5 milhões a que o atleta terá direito. Será seguramente justo e com Bruno Fernandes, o Sporting estará seguramente mais perto de ser feliz.

A imprensa dá conta que irão chegar esta semana propostas pelo nosso capitão, desconheço se será verdade ou apenas carvão, mas enquanto sócio que até aqui sempre apoiei a actual direcção, espero que abaixo dos 70 milhões nem se sentem à mesa para falar, seja com quem for e que mesmo que se entenda para bem do clube fazer negócio, direi que abaixo dos 85 a 90 milhões, entre pagamento mais variáveis, o negócio não se pode fazer, sob pena de lesarem financeiramente o clube e desprestigiarem o nosso emblema, face à realidade do mercado actual.

Prefiro que Bruno Fernandes fique muitos anos no Sporting, mas se tiver que sair, que seja por uma verba digna do seu real valor. Saldos num jogador desta categoria é algo que ninguém poderá compreender e muito menos aceitar. Para equilibrar as contas existem jogadores sem lugar no plantel, que poderão baixar a folha salarial se saírem e, mesmo que seja necessário vender um ou outro titular, deixem-nos vibrar nas bancadas vendo evoluir o nosso ídolo em campo.

Dia B, de Bruno

Saudações Leoninas, este é o meu primeiro texto no És a nossa Fé. Um obrigado ao Rui e ao Pedro pelo convite. A pressão é grande mas espero estar ao nível dos restantes escribas deste pilar da blogosfera leonina.

Interlúdio.

Passaram-se trinta e nove dias desde a última vez que vimos o melhor jogador da Liga Portuguesa atuar com a camisola do Sporting Clube de Portugal. Os mesmos dias que se passaram desde o nosso último jogo oficial e do último título conquistado. Pelo meio conquistou foi fundamental na conquista portuguesa da Liga das Nações.

Bruno Fernandes apresenta-se hoje em Alcochete para dar início aos trabalhos de pré-época.  Mesmo o mais alheado adepto perceberá que ou ainda não apareceu nenhuma proposta suficientemente tentadora ou o Sporting está a fazer os possíveis para o manter no plantel. Que seja a segunda opção pois é sempre melhor conservar talento do que o ver a ter sucesso com outras cores. Principalmente se considerarmos que os nossos mais diretos rivais perderam, entre outros, João Félix, Jonas, Herrera e Brahimi.

Mesmo tendo que pagar cinco milhões de euros, com Bruno Fernandes estaremos sempre mais perto de ter sucesso.

 

Dez temporadas depois

Nas últimas dez temporadas - sob as presidências de José Eduardo Bettencourt, Godinho Lopes, Bruno de Carvalho e agora com Frederico Varandas - o Sporting ficou sempre atrás do Benfica no campeonato português de futebol.

A última vez que ficámos à frente do velho rival foi na Liga 2008/09, quando o presidente leonino era Filipe Soares Franco.

Há que mudar isto: acredito que será nesta época prestes a começar.

Não percebemos mesmo de bola e é pena

Não percebemos mesmo de bola e é pena. Infelizmente não ironizo (se ironizasse, significaria que percebemos de bola).
Numa entrevista Peseiro reclama algum mérito nas taças ganhas pelo SCP e noutras, variadas, Rui Vitória ajusta contas ao não falar do Benfica e a chegar a dizer que não tem o telefone de Lage, daí não ter enviado os parabéns. Vitória também disse que Félix é bom como são outros e fartou-se de criticar o futebol autóctone, na medida em que se passa o tempo a refilar e a protestar em dia de jogo e em dia de não jogo. Não acenou nenhuma bandeira com águia nenhuma e trabalha em qualquer clube. 
Peseiro afirma-se pacificador e babysitter de jogadores pós-assalto a Alcochete e reitera que ele e a comissão de gestão tiveram um papel fulcral no que viria a ser, afinal, uma boa época para o Sporting. Teve uma palavra para Keizer, mas diz que o trataram mal.
A Bola, sempre atenta aos timings, já malha grosso em Vitória e um cronista chama a atenção para uma entrevista de Luisão, em que este não tece loas a RV, o que prova muita coisa (o quê, não faço ideia, porque não percebo de bola).
Vitória foi campeão no Golfo mas JJ (que no mesmo sítio e à mesma hora não foi) continua a roubar-lhe as parangonas.
De Peseiro parece que todos continuam a não querer saber.
Não percebemos mesmo de bola e é pena. Assim continuamos a não saber se RV ou Peseiro têm ou não têm direito ao capital de queixa.

15 de Maio, o dia da infâmia na História do Sporting Clube de Portugal

Bas Dost.jpgFaz hoje um ano que o país ficou estupefacto com o bárbaro e infame assalto à nossa academia em Alcochete, protagonizado por uma ralé de grunhos desordeiros, a pior escumalha que gravita à volta do futebol, mentalidade ultra, dirão alguns, para mim é imbecilidade levada ao extremo. Sentado na cadeira que considerava de sonho, para ele, porque nós já vínhamos a viver um pesadelo há alguns meses, desde chantagem em AG ou estados de alma delirantes nas redes sociais, o ogre que presidia ao clube limitou-se a afirmar, “é chato”, prosseguindo no seu quadro demencial qual Nero tocando harpa, contemplando Roma a arder.

Um ano decorrido da página mais negra da nossa história centenária, ainda estão por apurar grande parte das responsabilidades, mas importa aprender com os erros e impedir que se repita uma conjectura como a que então se vivia, porque foi na total ausência de valores, dignidade e sentido de responsabilidade no exercício de funções, que o grupo de bandalhos se inspirou para praticar semelhante vil e cobarde acto.

Insultos a sócios do clube, quem não está comigo é sportingado ou serve interesses terceiros, chantagem tipo, “votam massivamente ou demito-me”, facilidade no acesso de jagunços da guarda pretoriana, vulgo claques, a área reservada do estádio, local de estacionamento dos jogadores, sucessivas e ridículas publicações nas redes sociais, apoiadas por uma minoria ainda hoje activa, que funciona numa lógica de seita fundamentalista para quem aprendiz de Napoleão é um guru, eram sinais evidentes que algo não estava bem no reino do leão.

Após o triste episódio a maioria dos sócios despertou do encantamento e resgatou o clube a 23 de Junho. As feridas continuam abertas, não faltam órfãos e viúvas letais ao clube, servos saudosos do destituído que não desistem de tentar fazer o clube regressar aos tempos tenebrosos. Uma breve passagem pelas redes sociais permite perceber que vários membros da seita apoiante do lunático relativizam o episódio, justificando o injustificável com a menor prestação dos jogadores, como estando na raiz do triste e lamentável episódio. Outros chegam mesmo a avançar com delirantes teorias conspirativas, num guião capaz de fazer inveja a muito bom argumentista em Hollywood. Suspeito que se fossem agredidos no seu local de trabalho mudariam de opinião. Importa pois que a maioria dos sócios não permita que uma minoria, por muito ruidosa e frequentemente mal-educada, não passa de minoria, volte a tomar o clube de assalto. Sob pena de um dia deixar de existir clube. Por agora estamos no rumo certo, como provam os resultados, com várias conquistas europeias que irão perdurar na galeria de troféus do clube. Após o estilhaçar da equipa de futebol, muitos auguravam um futuro negro, mas a direcção conseguiu estabilizar, no mínimo realizámos uma época idêntica à anterior, existe ainda a possibilidade de conquistar a taça de Portugal, a próxima época está a ser planificada dentro da tranquilidade possível. Podem ter a certeza que há um ano o leão ficou ferido, mas recuperou, está bem vivo e continua a rugir. Força Sporting!

Já igualou

Em menos de oito meses de presidência, Frederico Varandas já conseguiu igualar os resultados desportivos de três anos da anterior gerência, que fez o maior investimento de sempre no futebol profissional do Sporting. Sem Rui Patrício, William Carvalho, Gelson Martins, Piccini, Rafael Leão, Podence, Fábio Coentrão. Com Battaglia lesionado durante quase toda a época desportiva. Com Bas Dost e Matthieu intermitentes.

Igualou, mas pode superá-la. Se conquistarmos a Taça de Portugal no Jamor e ganharmos acesso, por via disso, à disputa da próxima Supertaça. 

Fazer mais e melhor com menos. É um excelente lema, uma meritória declaração de princípios, uma louvável linha de rumo. O caminho faz-se caminhando.

Viva Bielsa

No dia deste escandaloso Braga-Benfica, do qual retiro o final ensinamento que não se justifica esperar que isto do futebol português venha alguma vez a melhorar do estado de aldrabismo visceral no qual vive há décadas, é emocionante ver o que Marcelo Bielsa mandou fazer no Leeds United-Aston Villa, ainda por cima numa decisão que impede a sua própria equipa de ascender imediatamente ao ambicionado e riquíssimo campeonato inglês. Bielsa passou assim do consabido "El Loco" a consagrado "El Justo".

Em Portugal temos esta merda. A mim resta-me, algo quixotesco, uma decisão: tentar nunca consumir qualquer produto que anuncie no futebol português.

Quanto ao resto? Que se foda, não dou mais para este peditório abjecto.

 

Todos ao Jamor

Mais uma vitória do Sporting, que foi apenas por 2-0 porque entre bolas nos ferros, bolas a rondar os ferros e boas defesas do GR se perderam mais meia dúzia de golos. Para aí uns 6-1 estariam bem para o que foi o jogo.

Mais uma boa exibição colectiva, futebol simples, prático e eficaz, a defender e a atacar, com vários jogadores a fazer coisas nunca vistas em Alvalade, Renan a colocar bola com precisão à distância, Doumbia a fazer de grande trinco, LP9 a desviar magistralmente de cabeça, Raphinha a dar cabo daquilo tudo. Mesmo o "pé-frio" Diaby teve o mérito de estar no sítio certo para falhar da melhor forma.

Mais 3 pontos de vantagem para o Braga, consolidando o 3º lugar.

Esta equipa do Sporting começa a demonstrar o tal ADN de campeão que o Futsal, o Andebol e outras modalidades já conseguiram atingir, grandíssima vitória a do Futsal só possível pela aposta continuada na modalidade, reforço criterioso do plantel e estabilidade da estrutura técnica, será isso que Frederico Varandas terá de fazer também no futebol, mantendo a estrutura técnica, os principais jogadores e ir buscar mais alguns que façam também a diferença, obviamente não esquecendo o estado problemático das finanças da SAD e as naturais ambições dum ou doutro craque.

Segue-se o Belenenses no Jamor, vamos lá todos apoiar a equipa na sua caminhada para a entrada directa na Liga Europa e para o regresso vitorioso àquele palco na final da Taça.

Para fazer esquecer de vez a vergonha que foi aquele dia em que uma equipa assaltada e fragilizada teve que levar não apenas com o adversário, mas também com a sombra negra dum alucinado a intrigalhar de véspera desde o sofá e com o comportamento miserável das claques, acabando insultada por alguma escumalha oriunda dessa área nas escadarias do estádio.

Sendo assim,

Todos ao Jamor. Em dose dupla.

SL

No rumo certo

O jogo dos núcleos foi hoje uma aposta ganha do Sporting Clube de Portugal. Mais de 44 mil espectadores esgotaram praticamente os lugares disponíveis, há que contar com as gameboxes, sabendo que nem todos os detentores destes lugares vão assistir aos jogos ou cedem os lugares. Obviamente que também ajudou o agendamento do encontro para um final de tarde ao sábado, para além da preciosa colaboração da meteorologia, porque esteve um excelente dia de Primavera.

Os aziados, órfãos ou viúvas sofreram hoje uma dupla e inequívoca derrota, a primeira com a assistência, a segunda com mais uma vitória da nossa equipa de futebol. Salta à vista que estamos no caminho certo, há que pensar nos sócios e adeptos que verdadeiramente amam e sentem o clube, para os quais a verde e branca, o leão rampante, o estádio José de Alvalade ou Pavilhão João Rocha são símbolos e territórios sagrados, mais importantes que qualquer dirigente que exerça funções. Somos do Sporting, estamos no Sporting, mas não somos o Sporting, é uma evidência que muitos parecem às vezes esquecer.

Futebol, presente e futuro próximo...

Não há muito tempo, fui crítico de Marcel Keizer, mas com esta série de vitórias, incluindo a passagem à final da taça de Portugal, o holandês merece o meu respeito e principalmente o direito de iniciar a próxima época, assumindo responsabilidade na planificação da pré-época e escolha do plantel, pormenores de grande importância. Não vale a pena estar sempre a recordar, pese embora nunca possamos esquecer, as atribulações com que iniciámos a presente temporada, que muito condicionaram a prestação da equipa quando o calendário apertou entre Outubro e Janeiro.

Qualquer plantel equilibrado precisa no mínimo dois jogadores para cada lugar, o Sporting até para colocar um onze equilibrado em campo apresenta lacunas, por exemplo, quando Mathieu esteve lesionado, o cenário piorou, sucederam-se os maus resultados.

Ao contrário de épocas anteriores, o mercado de Inverno foi bastante positivo, com as entradas de Borja, Doumbia, Ilori e Luiz Phellype, todos eles já utilizados em vários jogos, o que transmite confiança na competência da actual direcção do clube, mas a prova definitiva será o mercado de Verão, desde logo a forma como poderão lidar com potenciais ofertas por Bruno Fernandes, Bas Dost ou Marcos Acuña, a par da política de contratações. Frederico Varandas chamou a si a gestão do futebol, ficará obviamente associado ao resultado que vier a ser alcançado, não existindo para a próxima época qualquer desculpa quanto à não planificação da mesma.

Uma palavra sobre a formação, historicamente o Sporting é um clube formador, mas nos últimos anos a qualidade dos jogadores promovidos à equipa sénior está longe de épocas passadas, salvo algumas honrosas excepções, como Gelson Martins, o último grande talento da academia a alcançar rapidamente estatuto de titular indiscutível e internacional A. Outros tardam em conseguir impor a sua qualidade no Sporting ou mesmo nos clubes onde são colocados por empréstimo. Estranhamente alguns dos melhores como Tiago Djaló ou Demiral, foram desperdiçados, saindo por valor irrisório, situação que de futuro não pode voltar a ocorrer. Os atletas não são todos iguais, há quem faça a transição mais rapidamente que outros, sendo por isso fundamental uma política de acompanhamento aos nossos jovens, com especial cuidado na colocação por empréstimo e até mesmo quando os dispensamos, incluindo sempre que possível clausulas de recompra, algo que hoje em dia muitos clubes praticam, incluindo os nossos rivais.

O Sporting Clube de Portugal é um grande clube, com imensa massa adepta e milhares de sócios, não precisa inventar, mas praticar uma boa gestão, rigorosa, profissional, os resultados alcançados serão sempre um reflexo do trabalho e competência.

Tuga soccer...

É frequente ao analisarmos um lance mais duvidoso existam diferentes interpretações para o mesmo. Semanalmente “especialistas” analisam os lances mais polémicos com recurso a imagens e nem sempre existe consenso, sem que o facto provoque danos por aí além. Por norma, aferimos a uniformidade ou dualidade de critérios para considerar ou não uma arbitragem isenta, para aferirmos a competência de determinado árbitro, é preciso analisar o histórico das suas prestações, incluindo naturalmente a coerência.

Artur Soares Dias é considerado um dos dois melhores árbitros portugueses, insuficiente para garantir que a arbitragem portuguesa marque presença nos grandes palcos, porque em abono da verdade, o futebol português é uma trampa, cheio de manhas e trafulhice, sempre em prol dos mesmos. Alguém com um mínimo de lucidez, acredita que um dia em Portugal, poderia acontecer algo sequer parecido com o que sucedeu à Juventus? Costuma-se dizer que onde há fumo, há fogo, mas apesar da imensa fumarada, os poderes instalados teimam em assobiar para o lado e dizer que “no pasa nada”.

Voltando ao árbitro que “dirigiu” ontem o Desp. Aves-Sporting C.P., apesar da indignação, selectiva claro está, de Inácio, a verdade é que a expulsão de Renan Ribeiro é no mínimo discutível, porque o avançado do Aves não caminha em direcção à baliza, pese embora ninguém possa negar a perigosidade do lance. Ora, perante um lance muito parecido na época 2016/17, em Alvalade, jogo Sporting C.P.-S.L.Benfica, quando o guarda-redes Ederson cometeu grosseira falta sobre Bas Dost, o mesmo Artur Soares Dias assinalou falta, correspondente grande penalidade, mas não expulsou o guarda-redes porque Bas Dost não corria em direcção à baliza. Precisamente a mesma circunstância que se verificou ontem, o mesmo árbitro, diferente critério...

Sobre Inácio, tenho a dizer que se indignou com o lance de Doumbia, bem o percebo, gostaria de ter jogado contra 9, ou mesmo contra 8, já que também falou no segundo amarelo que ficou por mostrar a Acuña, sem referir como é óbvio, que o primeiro foi mostrado ao protestar uma falta inexistente, assinalada pelo talentoso árbitro. Prometeu que iria surpreender o Sporting e cumpriu, aquela forma de defender um livre directo não lembraria a ninguém, mas felizmente que lembrou a Inácio, porque permitiu a Mathieu recolocar o Sporting em vantagem, rectificando remate falhado de Wendel. Aliás, a azia de Inácio chegou ao ponto de dizer que o Sporting ganhou porque se uniu a jogar com apenas 10 jogadores, quando se apanhou a ganhar e que teria sido diferente se o jogo estivesse empatado. Inácio esqueceu que ficou em superioridade numérica com o jogo empatado e depois a perder, ainda conseguiu chegar ao empate. Só que pela frente apanhou um Sporting com garra, ontem finalmente, superiormente orientado por Marcel Keizer, que lhe deu um banho de táctica e motivação, para azia de muitos, incluindo sportinguistas, ou que se afirmam como tal...

Pós dérbi!

Sem voz mas muito contente tenho algumas considerações a fazer após o final do dérbi:

1 - Gostaria que a nossa equipa jogasse sempre assim;

2 - ao invés do que alguns sportinguistas me disseram nesta tarde o jogo não estava "feito" (seja lá o que isto quer dizer...);

3 - há muuuuuuuuuitos anos que um jogador do Sporting não era tão importante na equipa;

4 - achei curiosas as declarações do treinador adversário ao afirmar que foi um jogo muito parado, olvidando as vezes que a sua equipa tinha direito a lançamentos de linha lateral e demorava um tempo enorme;

5 - pela primeira vez o público leonino uniu-se à volta da equipa (terão lido o postal da Marta?);

6 - finalmente... estamos no Jamor.

 

Dérbi!

A poucas horas de mais um derbi lisboeta e sendo eu um amante de futebol daqueles incuráveis, gostaria de pedir algumas coisas para este jogo:

1 - que as claques se portem e comportem à altura do desafio;

2 - que os adeptos puxem pelas suas equipas de forma ruidosa como é normal, mas sem usarem do palavreado baixo e vil que só ofende quem o profere;

3 - que os intervenientes mais directos joguem bem pois o futebol é, para além de um desporto, um espectáculo que se quer, de preferência, muito bom;

4 - que os árbitros apitem somente as faltas existentes e não aquelas que pensam ou imaginam que existiram;

5 - que os treinadores ousem!

6 - finalmente, e sem quaisquer pruridos, que ganhe o Sporting.

Memórias a propósito do Braga-Porto

Não tenho acompanhado os jogos portugueses, literalmente perdi a paciência. Não é a primeira vez que isto me acontece. A primeira vez, assim tão radical, foi no início dos anos 1990s. Tinha por costume ir ver os jogos em casa, antes na superior, depois na "bancada nova". Num Sporting-Porto, que terminou 0-0 (1990?, 1991?, por aí ...), saí tão irritado com o árbitro - um mariola muito sabido, que controlou o jogo com "faltas" e "desfaltas" a meio-campo, assim sem ter que recorrer aos "roubos de catedral" - que jurei não voltar aos estádios. Com efeito, para quê gastar dinheiro e, fundamentalmente, tempo, em algo que se sabe estar viciado? Só regressei a Alvalade para ver o Real Madrid (1994/1995), numa eliminatória que o Sporting ingloriamente perdeu por défice de guarda-redes.* Já emigrado, durante umas férias no país em 2002, ali voltaria ainda para me despedir do estádio antes da sua patética demolição - a estupidez de construir um estádio novo em vez de um municipal é uma coisa tão vergonhosa que os adeptos continuam a falar de outras coisas -, numa derrota caseira contra o Porto, mas tendo tido o prazer de ver o recém-titular Quaresma, então em puro estado mustang, e também um jovenzito ex-júnior (como se dizia antes desta patetice de chamar "academia" às escolas de jogadores), um tal de Cristiano.

Depois, neste novo Alvalade - um estádio feio, piroso mesmo, mal-construído, como se percebeu pela rábula do relvado, e desconfortável, de tão empinado que é - estreei-me, também quando em férias, para ver o Inter ainda com Figo. Percebi que estava velho para este desporto de bancada. Ainda via bem, só usei óculos para ler passados uns anos, e levei cerca de 10 minutos para reconhecer o Figo, lá em baixo no relvado. Pagara 13 ou 14 contos pelo bilhete (65-70 euros, qualquer coisa assim) e estava tão acima que nem percebia em quem eram os jogadores! Após regressar a Portugal fui para aí 10 vezes ao estádio: levei a minha filha a estrear-se, a seu pedido; levei os meus sobrinhos-netos; um afilhado de casamento moçambicano (benfiquista); velhos amigos que nunca lá tinham ido, pretexto para patuscadas; a convite de um amigo com quem venho ombreando desde os tempos da primária (e da superior do velho estádio); a convite de afilhado. Sempre coisas assim, sempre com algum motivo para além do jogo ou do clube.

Enfim, dito isto não serei um adepto exemplar, principalmente para gente que se orgulha de "não perder um jogo", como se disso retirassem um qualquer mérito. Estar no estádio é bonito, dá azo a sensações extra-ordinárias, fora do quotidiano? Sim, tal como os jovens adoram discotecas, são modalidades ruidosas e colectivas de atingir formas de êxtase, episódico. Para esses "meritocratas" um tipo opor que essa coisa do "êxtase", um lampejo de suprema alegria que os pobres de espírito confundem com felicidade, pode ser encontrado num registo privado (ou mesmo solitário) - num trecho de um livro, numa música, num vinho especial, numa desgarrada de gargalhadas, num estremecer feminino (ou masculino, para não me acusarem de homofóbico), num cena bíblica exposta numa penumbra eclesiástica, num belo debate - é sempre apupado como dado à "intelectualice", quando não à mera "cagança" - e isto mesmo se o exemplo for o tal erótico, pois nesse eixo de entendimento, o da idolatria do adeptismo, o importante é o "golo", um gajo vem-se, limpa-se às cortinas, e abala. Enfim, há gente que para prescindir do hamburguer só se for para se dedicar ao bitoque. Ou à bifana. Por mim gosto de bifanas e de bitoques, da festa do "golo!!!!". Mas, e repito-me, esta coisa do jogo estar mafiado cansou-me. Enjoei hamburgueres. Sim, tem piada (tem "mérito", para os meritocratas do "não falho um jogo", "amo o clube" - meu Deus clamo, ateu que sou, sempre que ouço estes "amores" a um mero clube da bola) que os "nossos" rapazes ganhem, jogando limpo, com um bocado da malandragem (o "pisão" do bom do Jorge Andrade) necessária à vida. Agora assim, no meio do mais puro aldrabismo? Passei. 

Tudo isto me veio à memória ao ver imagens do resumo do jogo Braga-Porto para o campeonato. Lembrou-me um Braga-Porto de início de 1990, não posso precisar o ano. Mesmo no final do jogo, com o resultado a 0-0, o árbitro (que julgo ter sido um tipo chamado Fernando Correia) marcou um penálti escandaloso contra o Braga, inventando uma mão na bola mesmo à sua frente. Uma óbvia encomenda. Acho que o Porto, para cúmulo do ridículo, falhou o penálti (Kostadinov?), mas isso pouco importa. Passaram quase trinta anos. Ao fim de anos a fio a pedir-se a introdução das "novas tecnologias", como se estas viessem dar "novas oportunidades" a um negócio desacreditado, em plena era do VAR o Porto vai a Braga e a equipa de arbitragem rouba descaradamente o clube da casa. Tal e qual os maus velhos tempos.

E lembrado disso fui googlar imagens ou informações desse velho jogo. Não encontrei mas os algoritmos conduziram-me a uma bela entrevista de Manuel José, publicada em Agosto de 2018. Muito  interessante, é uma "história de vida", cheia de episódios sumarentos, tanto sobre o mundo do futebol desde a sua juventude até ao seu apogeu como técnico em Portugal, com referências a inúmeros agentes conhecidos. E também sobre as suas presenças no estrangeiro. Mais interessante ainda pois  Manuel José aborda os contextos laborais e sociais das épocas passadas, constituindo um lampejo da história social do país através do futebol. Tudo isso narra, com interesse, humor, sageza, e uma apreciável franqueza, até com episódios algo pícaros. A primeira parte dessa belíssima entrevista está aqui, e a segunda aqui.

Ora é nessa segunda parte que ele diz, sem complexos, que "naquela época" [a década de 1990] "compravam-se equipas de arbitragens como se fossem tremoços". E que ele próprio aconselhou determinado presidente do clube no qual estava a comprar árbitros para ser campeão. O futebol era assim, como havia sido em décadas passadas.

E assim continua a ser. Mostra-o o jogo de Braga. Aliás, mostra-o os jogos de Braga. O da roubalheira do jogo da Liga, a cargo de um tal de Xistra, ao que julgo lembrar (vai sem google). E o da meia-final da Taça, importante jogo apitado por aquele Mota, assim recompensado da inacreditável expulsão de Ristovski no jogo anterior.

Honestamente, o que me custa a entender é o masoquismo generalizado (e também o meu), décadas passadas de "paixão" (e alguns, coitados, até de "amor") por um jogo que é esta javardice. Não está uma javardice. É esta javardice.

 

*Para confirmar a data pesquisei o jogo. Encontrei a ficha do jogo. O Sporting alinhou com Lemajic, Nelson, Marco Aurélio, Valckx, Paulo Torres, Oceano, Figo, Peixe, Sá Pinto, Juskowiak, Balakov. Ontem o Pedro Correia fez um postal interrogando os leitores sobre que jogadores deveriam sair. Um tipo vê a qualidade individual de uma equipa de há 25 anos e constata que tirando o guarda-redes, que destoava, todos entravam sem qualquer hesitação na equipa actual. E nisso se percebe o quanto decaíu o clube neste quarto de século.

Do vício de ir ao estádio. Golos precisam-se.

Esta época já estive apreensiva, esperançosa, animada qb com os infelizmente breves momentos de keizerball, apreensiva novamente, para voltar a estar mais triste que outra coisa qualquer. No estádio tudo foi triste na quinta, tudo.

Mesmo assim, amanhã não saberia estar noutro lado à hora do jogo. Não faz de mim mais nem menos que os outros, tenho o lugar pago e sei que estaria com o sentido no jogo estivesse onde estivesse. Não consigo não estar, nem quero. 

Sei que o futsal hoje já ganhou, fico contente, quero o Sporting sempre a ganhar. Por vezes vou ao pavilhão ver outra rapaziada das modalidades e admito que é muito diferente e mais feliz. Sente-se no público também. Mas é o futebol que me dói e vicia. Cada um vive o clube como vive.

Queria poder dizer lá para dentro - não me ouviriam, já sei - o que é para nós o clube, o jogo, o estádio, o verde às riscas. O leão rampante. Que não nos impressionam a nós que já vimos tantos outros por ali passarem, mas que são os nossos e é com eles que contamos e com quem queremos estar num só objectivo. Que sabemos reconhcer a raça, a eficácia, gostamos de ver bom futebol e é isso que esperamos época após época. O que é celebrar um golo do Sporting, que percebessem o que é um golo do Sporting para nós. Alguns o entenderão, quero acreditar que quase todos. Não tem a ver com profissionalismos e essa conversa formatada que se faz, isso já sabemos de cor nós também. É tudo muito diferente de há vinte anos, do jogo ao público, mas alguma coisa tem de passar para o lado de lá. 

Sou uma pessoa calada por natureza, vejo jogos quieta no meu lugar. Mas um golo faz-me levantar, gritar, aplaudir e urrar sem sequer pensar no assunto (tanto que celebrei efusivamente o belo golo de Raphinha, depois anulado, frente ao Moreirense. Mas enquanto não o foi, vibrei bastante). 

São golos que vos pedimos. 

Carta aberta ao presidente Frederico Varandas

Caríssimo presidente Frederico Varandas, na minha qualidade de sócio do Sporting desde 1976, gostaria que se dignasse a nos dirigir, não serei o único sócio que o quer ouvir, algumas palavras.

Freddy Montero saiu do clube em final de contrato. A imprensa dá como certa a saída de Nani, facto ainda não comunicado pelo Sporting, estando ainda em cima da mesa a possível venda de Acuña, o mercado na Rússia apenas fecha dia 20. Por si só estes factos e rumores justificam uma palavra aos sportinguistas, mas surgem num contexto desfavorável, com a equipa de futebol protagonizando paupérrimas exibições, acumulando maus resultados.

Os sócios perderam a paciência com Marcel Keizer, que todos já percebemos, pode ser simpático, uma excelente pessoa, mas não tem capacidade para continuar a treinar o Sporting. A hora é sua, presidente, que já sabia ao que ia quando apresentou a candidatura ao cargo que ocupa, tendo sempre afirmado conhecer bem a casa e estar preparado. Pois bem, presidente, o tempo é de agir, rapidamente, antes que o quadro se agrave.

Enquanto sócio exijo respostas, não quero desabafos sobre estados de alma nas redes sociais sobre o que poderia ter mudado com esta ou aquela decisão do árbitro, com maior ou menor desempenho do jogador A ou B, porque já demos para peditório idêntico que não leva a parte alguma, por mais que algumas viúvas continuem por aí a carpir com esperança na ressurreição, está morto e enterrado, passemos à frente que tão reles defunto nem cera merece. A comunicação do clube não funciona, porque não informa, limita-se à publicação de comunicados de agenda horária de eventos e pouco mais. Até quando pretende manter este registo presidente Frederico Varandas? Como explica a fraca aposta nos jovens da formação, desde Janeiro, sabendo que uma das suas justificações para a opção por Marcel Keizer foi precisamente a aposta na formação? Chegámos ao cúmulo de ver entrar em campo a nossa equipa sem um único jogador da formação, algo que não acontecia há vários anos.

Por enquanto a sua presidência não está em causa, foi eleito em Setembro, ainda não teve direito a preparar uma época, mas quer mesmo arriscar as suas fichas mantendo a aposta em Marcel Keizer? Não será preferível uma solução tipo, Raul José ou outra que internamente encontre? E começar a preparar a próxima época, porque esta já todos percebemos estar perdida, o que face aos tristes acontecimentos que vivemos no início de época nem é assim tão surpreendente, mas como sabe os sportinguistas são optimistas por natureza, gostamos de confiar e confiámos em si quando nos disse que iriamos lutar pelo título, confiámos em si quando despediu o anterior treinador e escolheu o actual para revolucionar a qualidade do futebol praticado e apostar nos jovens da formação, hoje, vendo o quadro que temos à frente, tenho que lhe perguntar, valeu a pena, presidente?

Sou dos que ainda o apoiam presidente Frederico Varandas, na decisão de terminar com borlas para as claques, por não andar sempre a divulgar os estados de alma, como todos nós tem direito à privacidade, respeito-a, mas hoje o seu silêncio está ensurdecedor, não é possível continuar, algo menos que uma vitória amanhã diante do Braga e vitória no Villareal na quinta-feira, podem precipitar movimentos que já se adivinham por aí, colocando inclusivamente a sua presidência em causa. O que compreenderá, porque ao não tomar parte na solução, torna-se no problema, pois não é possível continuarmos a ver jogos miseráveis, acreditando que algo irá mudar. Sabemos que não existem milagres, sem alterar o rumo não é possível mudar de vida. A palavra é sua presidente, por enquanto ainda é, use-a...

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D