Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

E esta, hein?!

21982612_EsuNa.jpeg

 

Dobrar o ano em primeiro lugar, igualar o melhor registo de vitórias e pontos nesta fase do campeonato, ou assistir à afirmação da nova leva de talentos made in Academia, motivos não faltam para o Presidente Frederico Varandas terminar o ano com um sorriso de orelha a orelha e abraçar 2021 com outro ânimo. E esta, hein?!

Como dizia e bem o míster, ainda não chegámos sequer ao primeiro terço do campeonato, mas valha a verdade que estas últimas onze jornadas foram um importantíssimo bálsamo para a Direcção, ao mesmo tempo que são um revés para os seus adversários e inimigos.

As armas por ora estão guardadas e o clima de guerra civil deu lugar à desejada paz. Esperemos, para bem do nosso Sporting, que não seja paz podre.

Muito bom ano, caros leitores, saúde e viva ao Sporting!

Há gap na formação

contratosprofissionais.jpg

(Frederico Varandas a 4 de Março de 2019 aquando da assinatura de contrato profissional com Diogo Almeida, Alexandre Lami, Rodrigo Rego, Eduardo Quaresma, Nuno Mendes, João Daniel, Gonçalo Batalha, Tiago Ferreira, Daniel Rodrigues, Joelson Fernandes, Tiago Tomás e Nicolai Skoglund.)

 

Quando Frederico Varandas chegou a presidente do Sporting, naquela sua forma sincopada e desajeitada de comunicar logo veio falar em duas coisas que muita celeuma levantaram junto de alguns sectores do Sporting, o "gap na formação" e os "colchões de Alcochete".

Como director clínico do futebol do Sporting ele conhecia muito bem a qualidade que existia em Alcochete e a degradação das instalações, e pôs o dedo na ferida, manifestando também o seu propósito de dar a volta à situação.

Sobre a degradação das instalações, foram já investidos alguns milhões de euros em Alcochete em novos relvados, melhoramento dos existentes, upgrade dos equipamentos de apoio, mas não é esse o tema do post. 

 

Vamos então ver o melhor que a formação do Sporting tem produzido nos últimos anos, utilizando para isso as idades actuais (V=Vendido, R=Rescindiu, VC=Vendido e Comprado, E=Emprestado):

17: Joelson, Skolund

18: Nuno Mendes, Quaresma, Inácio, Tiago Tomás, Tiago Ferreira, Bruno Tavares

19: Rodrigo Fernandes, Everthon Santos, Catamo, Félix Correia (V)

20: Gonçalo Costa, Tiago Djaló (V), Rafael Camacho (C), Plata (C), Anthony Walker

21: Luís Maximiano, João Silva, Pedro Mendes (E), Rafael Leão (R), Thierry Correia (V), Mitrovski, João Oliveira, Elves Baldé, Daniel Bragança, Miguel Luís(V)

22: Jovane, Pedro Marques, Demiral (V), Abdu Conté (V), Diogo Sousa

23:

24: Matheus Pereira (V), Gelson Dala (V), Ivanildo Fernandes, Gauld (V), Rafael Barbosa (V)

25: Palhinha, Gelson Martins (R), Domingos Duarte (V), Podence (R), Mama Baldé (V), Francisco Geraldes (V)

26: Carlos Mané (V), Rúben Semedo (V), Dier (V), Bruma (V), Iuri (V), Chaby (E)

27: João Mário (V), Esgaio (V), Ilori (VC)

Os assinalados a negrito já tinham saído quando Varandas entrou.

 

Assim sendo, vemos realmente que nos 22-24 anos actuais (20-22 na altura que Varandas chegou a presidente) muito poucos jogadores se destacam, e apenas dois integram hoje o plantel principal.

Isso deve-se unicamente à sorte, ou existiu de facto nos anos anteriores uma política errada, nos juvenis e juniores, orientada para ganhar títulos e com a equipa B a ser um depósito de encomendas descobertas por Inácio, que tem tanto de pontualmente bom treinador como de péssimo director desportivo, com os Sackos, Dramés e Gazelas e muitas outras nulidades?

 

Se olharmos para os 25-27 anos actuais, vemos um conjunto de jogadores muito interessantes, que chegaram a titulares das respectivas selecções. Há sete anos, quando Bruno de Carvalho chegou a presidente, tinham 18-20 anos...

Importa também lembrar que foi com Marcel Keizer que a recuperação da situação teve início e alguns destes jovens tiveram a primeira oportunidade de mostrar o que valiam em contexto de primeira equipa. Keizer efectivamente levou para o estágio na Suíça Luís Maximiano, Diogo Sousa, Thierry Correia, Eduardo Quaresma, Abdu Conté, Nuno Mendes, Daniel Bragança, Miguel Luís, Rafael Camacho, Gonzalo Plata, Jovane Cabral, Joelson Fernandes e Matheus Pereira.

SL

Esteve bem o presidente Frederico Varandas

A cada dia tenho menos dúvidas, que os nossos rivais equipam de vermelho, ou azul e branco, ao passo que os nossos inimigos, vestem o verde e branco.

Atrevo-me a adaptar uma frase atribuída a Winston Churchill, a propósito das críticas internas que o presidente F. Varandas foi alvo esta semana. Mas vamos por partes:

-Após o final do jogo com o FCP, o presidente surpreendeu, mas foi assertivo, tomando para si, a responsabilidade de publicamente manifestar a indignação que julgo todos os sportinguistas sentiam, pelo roubo vergonhoso que acabáramos de assistir. Talvez uma certa facção de hienas, estivesse um pouco mais desiludida com o golo do empate perto do final do jogo, pois a derrota das nossas cores, serviria melhor a agenda e ambição do seu líder espiritual.

-Em Manchester, Pinto da Costa, resolveu atacar o presidente do SCP, lançando insinuações, como por exemplo, ter saído favorecido do ataque a Alcochete. Ao que F. Varandas ripostou, com factos, qualquer um pode pesquisar no Google as palavras “apito dourado” e “escutas” e sabemos o que aparece. Mas o presidente utilizou também a expressão, “um bandido, será sempre bandido”.

Imediatamente surgiu o bando de hienas, uns porque não atacou o presidente do rival encarnado, outros porque está a cavalgar a onda para desviar atenções. Não é difícil imaginar, que todos estes críticos, o teriam apelidado de frouxo, manso e outros mimos menos simpáticos, se F. Varandas tivesse permanecido em silêncio.

-Também esta semana, ficámos a saber, que Miguel Albuquerque foi condenado em Tribunal por violência doméstica. Após a sentença judicial, aqui permitam, vou mesmo fazer um desenho para os mais distraídos, sentença judicial não é propriamente equivalente a rumores que há muito existiam, decidiu e bem, o SCP suspender o contrato do dirigente, porque estão em causa valores nos quais o clube não se revê. Uma vez mais, sequiosos de vislumbrar qualquer fraqueza no reino do leão, as hienas surgem em acção. Uns porque estamos a prescindir do dirigente mais vitorioso da última década, outros porque tudo não passa de manobra de aproveitamento, para afastar possíveis rivais de F. Varandas em futuras eleições. Ora aqui, uma vez mais, tenho que estar em desacordo com esta seita acéfala, não pode o clube pactuar com violência doméstica. Mais um desenho, violência doméstica é mesmo bater na esposa, acto bárbaro e cobarde, que ficou provado em Tribunal. Tentem explicar às sócias e adeptas do nosso clube, que frequentam o estádio ou pavilhão, porque razão devemos manter no cargo de director das modalidades, alguém com uma condenação por violência doméstica. E já agora, tentem também explicar às nossas atletas e treinadoras, que merecem o máximo do nosso respeito, se gostariam de continuar sob o comando de alguém com este perfil.

Claro que trogloditas para quem o ataque a Alcochete ou apertões a jogadores são actos sem gravidade por aí além, terão dificuldade em compreender as minhas palavras, ao passo que os líderes da seita, apenas tentam o aproveitamento para uma vez mais criticarem, porque caso o SCP tivesse ignorado a sentença judicial, já teria surgido do delirante reino da hipocrisia uma crítica em nome da defesa da honra das nossas leoas.

Tenho sido crítico do mandato de Frederico Varandas, mas não vale tudo, não pode valer tudo, o Sporting Clube de Portugal tem valores, esta semana terá sido porventura, a melhor semana do actual mandato dos órgãos sociais. Esteve muito bem o presidente Frederico Varandas.

 

Adenda: Alertado em comentário, vi que a ex-mulher de Miguel Albuquerque, usou do direito de resposta. Porque considero o mesmo relevante no contexto do post, deixo o link:

Direito de resposta

 

O menos culpado de todos

O menos culpado de todos se o Sporting destinar 15 ou mais milhões de euros para a contratação do avançado Paulinho?

O próprio jogador, sem dúvida, que procurará mostrar que é capaz de fazer golos e representar um clube com uma grandeza que nem uma multiplicação de Varandas consegue aniquilar.

No que toca à actual gerência, um negócio nesses moldes, beneficiando mais uma vez de forma irracional o clube que procura intrometer-se na luta pela conquista de títulos e de entradas na Champions, acaba com a minha derradeira esperança de que aquilo está em curso no Sporting é apenas um exercício de brutal incompetência de deslumbrados que não sabem fazer melhor. E a alternativa é demasiado terrível.

Entradas e saídas no plantel

Costuma dizer-se que até ao lavar dos cestos é vindima, pelo que as horas que nos separam do fecho do mercado podem ainda fazer toda a diferença sobre a opinião que inevitavelmente formaremos do trabalho de F. Varandas e Hugo Viana na construção do plantel para a época 2020/2021.

Sendo eu um crítico do actual presidente, não posso deixar de reconhecer que até ao momento excedeu as minhas expectativas, que em abono da verdade também não eram muito altas, face ao passado recente, mas vamos por partes.

Tivemos até agora duas vendas, Acuña e Wendel. E não se pode dizer que a saída de qualquer deles enfraqueceu a equipa. Não faria sentido sentar no banco o internacional argentino e ontem Nuno Mendes provou que seria um crime preteri-lo pelo estatuto, porque futebol tem mais que suficiente. Quanto a Wendel, sem poder colocar em causa a qualidade técnica do jogador, prefiro um meio-campo como vimos ontem, solto, rápido, imprevisível, do que mastigando e enrolando jogo, oferecendo aos adversários todo o tempo do mundo. Claro que os erros do passado continuam a pesar e de que maneira nas contas do clube, porque muito do entulho que se comprou ao longo dos anos não se consegue vender porque os outros clubes não são parvos e scouting todos têm. O que implica cuidados redobrados na hora de comprar.

Entendo que as saídas devem ficar por aqui. Nesta altura, todos os jogadores do plantel, principalmente os que têm margem de progressão, nomeadamente Nuno Mendes, devem merecer da parte do presidente do SCP o estatuto de inegociáveis, remetendo qualquer eventual abordagem sobre os mais jovens da formação para a cláusula de rescisão. Se alguém aparecer disposto a pagar, ok, nada poderemos fazer, mas pagar cláusula significa pronto pagamento e não pagamentos faseados, sem descontos. Não faz sentido negociar reduções nem objectivos futuros e muito menos pagar comissões por um negócio que não desejamos fazer. Ou seja, só admitiria ver partir N. Mendes mediante o pagamento integral e imediato da cláusula de rescisão. Qualquer outra forma de negócio seria para mim gestão danosa, face ao potencial futuro do activo.

Nas entradas, sem colocar em causa o valor de A. Adán, que ontem ficou evidente, não teria contratado o guarda-redes espanhol, porque Max me oferece garantias e porque ainda temos Renan. Apenas vendendo o guarda-redes brasileiro equacionaria contratar alguém. Uma questão de prioridades, face à pouca disponibilidade financeira. Das restantes entradas, Z. Feddal é o que menos me entusiasma, mas tem cumprido. Nuno Santos e Pote acrescentam valor, V. Antunes é o tipo de jogador experiente que faz falta no plantel, coloco a sua aquisição no mesmo racional que L. Neto na época anterior. Ainda não tenho opinião totalmente formada sobre Tabata, mas tem experiência da liga portuguesa e mostrou valor no Portimonense.

Até ao fecho do mercado faria sentido contratar um ponta de lança, que acrescente e traga golos, mas em qualquer circunstância não quero que seja Paulinho. Nada contra o jogador, mas são absolutamente indesejáveis mais negócios com o SCB e totalmente inadmissível continuar a financiar um rival desportivo quando perdemos dinheiro com a não entrada na fase de grupos da Liga Europa.

Um central também seria bem-vindo, por exemplo Lyanco, de que tanto se tem falado, desde que os valores sejam aceitáveis para os nossos cofres.

No meio-campo não estaremos assim tão precisados, quando se tem várias boas soluções, a não ser que surja uma oportunidade que se enquadre na política salarial do clube e tenha valor para jogar no estilo de jogo do SCP. Pagar taxas de empréstimo elevadas para ver chegar jogadores em momento descendente da carreira, ou lesionados, não faz qualquer sentido. No ano passado tivemos a péssima experiência de Fernando, Jesé e Bolasie, que não se quer ver repetida.

A bem do SCP, desejo que F. Varandas, não estrague o que até agora conseguiu porque o seu mandato tem sido francamente mau, constituindo esta janela de mercado, até ao momento, uma excepção ao que tem sido a regra. Vamos ver como termina...

Imaturidade total

5e407e7526b76.jpg

 

O Sporting perdeu com o Lask mas não perdeu de uma maneira qualquer. Perdeu humilhado por imaturidade dos seus dirigentes, técnicos e jogadores.

Comecemos pelos menos culpados, os jogadores. Há bolas que entram e bolas que não entram. Há erros em campo que até se compreendem. Mas não se compreende a desconcentração total após a expulsão de Coates. Se os jogadores do Sporting não são capazes de manter a cabeça limpa com um mau árbitro, o campeonato vai ser terrível. É que este árbitro não é diferente de um João Pinheiro ou de um Hugo Miguel.

A imaturidade dos jogadores não se limitou aos mais novos. Adán orientou uma barreira como se estivesse num interturmas. Neto viu o clássico cartão amarelo que o condiciona para o resto do jogo. Sporar, apesar de ter entrado tarde, ainda conseguiu falhar dois golos fáceis. Quando Jorge Jesus chegou ao Sporting trouxe um psicólogo que fez maravilhas na cabeça dos jogadores. O aspecto mental é cada vez mais importante no futebol moderno e o Sporting parece não estar minimamente preparado para a mínima adversidade.

Avançando para a equipa técnica. Inicío de época e os mesmos onze jogadores (com excepção de Jovane) em três jogos numa semana. Equipa fisicamente de rastos, como seria de esperar, a jogar contra gajos que punham  qualquer um dos nossos debaixo do braço. Mesmo aceitando que este é o melhor onze para Rúben Amorim, ao intervalo já devia ter percebido que estávamos muito longe de controlar o jogo. A inoperância, que já se viu em jogos da época passada (Setúbal e Moreirense), agravou toda a situação. Amorim tem uma excelente ideia de jogo mas não consegue (ainda?) mexer convenientemente na equipa.

Já sobre a direção há tão mais a dizer. Até se pode compreender que não valorizem a Liga Europa, principalmente em ano de COVID, mas a gestão dessa hipotética decisão é para lá de ridícula. Também não se compreende como é que ninguém dá a cara depois duma derrota com o estrondo desta. Frederico Varandas tem obrigação de aparecer, no final do jogo, a pedir desculpa a todos os adeptos do Clube pelo que aconteceu. Os Presidentes não são necessários para cortar fitas. São necessários para dar a cara em alturas como esta.

Mas não foi só nisso que a direção falhou. Falta menos de uma semana para o final do mercado e vamos começar a época, tal como a anterior, só com um ponta de lança operacional. Piora se considerarmos que nos três jogos oficiais, esse ponta de lança nunca foi titular. Parece óbvio que Rúben Amorim está a querer passar uma mensagem. Infelizmente estão mais preocupados em vender Wendel ou Jovane.

Nesta época, ou todos começam a perceber que trabalham para o Sporting Clube de Portugal ou vamos ainda sofrer muitos dissabores. Não peço a demissão, peço coragem para falar aos adeptos e competência para gerir o Clube. Será que eles as têm para dar?

O Sporting depois de Varandas

Os sócios do Sporting rejeitaram ontem de forma clara - claríssima - o relatório e contas e o orçamento da direcção de Frederico Varandas:

https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/sporting/detalhe/socios-do-sporting-chumbam-relatorio-e-contas-e-orcamento-por-larga-maioria?ref=HP_DestaquesPrincipais

Rejeitaram depois de umas semanas de intensa propaganda, com "notíciazinhas" diárias sobre o "naming" da Academia e até de campos de futebol dentro da mesma. Ouvimos a palavra "formação" centenas e centenas de vezes - como se a aposta nos jovens fosse novidade para o Sporting Clube de Portugal. Para o dia da votação a direcção guardou um "rebuçado": a contratação de um jogador do Portimonense (atente-se ao pormenor, "roubado ao Braga"):

https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/sporting/detalhe/tabata-o-novo-bruno-de-alvalade-que-o-sporting-roubou-ao-sp-braga?ref=Sporting_DestaquesPrincipais 

A afluência às urnas foi impressionante, tendo em conta que estamos em tempo de pandemia e de desânimo no Clube. 

Não há outra leitura a fazer de que o resultado da votação demonstra o descontentamento da larga maioria dos sócios com a direcção de Varandas, a sua falta de metas, de ideias e de resultados. 

No final da desastrosa época de futebol do ano passado, promovi um inquérito on-line - certamente falível - mas que já mostrava o descontentamento enorme com a falta de resultados do Clube: 

 https://sporting.blogs.sapo.pt/inquerito-mais-de-90-a-favor-de-5673337

Se a gente que se alapou à direcção do Sporting tivesse um pingo de honra, ter-se-ia já demitido a esta hora e convocado eleições. Já o devia ter feito antes, como aqui escrevi em Julho, para dar tempo à realização de eleições e preparação de uma nova época por outra direcção: 

https://sporting.blogs.sapo.pt/dr-varandas-se-e-um-homem-convoque-5668054

Virão agora os alapados dizer que é preciso estabilidade. Mas incompetência diária é o garante de instabilidade futura. 

Virão agora os alapados dizer que se não forem eles no leme, por aí virá o caos dos malvados das claques. Mas foram eles que, depois de numa primeira fase terem dado o abraço às claques, se passaram a referir a estas como "escumalha", "anormais"  e coisas afins. E, como sabemos (e vemos...), não há melhor receita para a violência do que o insulto a gente violenta.

Sobretudo, virão agora os alapados dizer que não podemos voltar ao passado. Pois não. E, felizmente, o Sporting tem imensa gente competente e disponível para ajudar o Clube. Como também aqui já disse, Pedro Azevedo tem o perfil certo para devolver o Sporting à sua grandeza:

https://sporting.blogs.sapo.pt/pedro-azevedo-um-excelente-candidato-a-5692321

Dr Varandas... endireite as costas, levante o queixo, puxe os ombros para trás e preserve a dignidade que lhe resta - demita-se. 

F. Varandas cada vez mais perto do fim da linha... - IV

Desde o outono de 2019 que defendo abertamente a antecipação de eleições. Primeiro para a Primavera de 2020, falei inclusivamente em Março ou Abril, meses que o COVID19 inviabilizou, posteriormente passei a defender que as mesmas passassem para o Outono. 2020, após o encerramento do mercado de transferências. Também sugeri há vários meses, que as AG para votação do orçamento e posteriormente a do r&c seriam oportunidades para mostrar um cartão amarelo ao CD. Por via da pandemia, as duas AG ordinárias previstas foram reunidas numa só.

Porque não gosto de más companhias, mesmo que circunstanciais, evitei fazer abertamente campanha pelo chumbo dos documentos. É fácil de prever que o lunático alienado em boa hora destituído e seus fervorosos acólitos acéfalos irão procurar cavalgar o resultado das votações, mas não se iludam, uma coisa é termos assistido à amostra de cartão amarelo a F. Varandas, outra bem diferente é querer regressar ao passado troglodita.

Não chegámos a este resultado por acaso, nem por obra e graça divina, ele resulta em primeiro lugar da fragilidade da direcção eleita desde o dia da tomada de posse. A não existência de 2.ª volta, propicia a eleição de órgãos sociais com votação pouco expressiva.

A falta de empatia, ausência de comunicação, péssima gestão do futebol, culminando num horrendo 4.º lugar, levaram a que os sócios apresentassem hoje a F. Varandas a factura, onde estarão entre outras as contratações de T. Ilori, Fernando, Jesé, Bolasie, a manutenção no cargo de Hugo Viana e sucessivas fugas em frente na contratação de treinadores.

A partir de hoje, caberá a F. Varandas decidir se nada muda ou tudo muda. Não é obrigatório que se demitam ou, como defendo, antecipem eleições, mas sabem que não contam com a aprovação dos sócios. Se mantiverem teimosamente o rumo, em 2022 nem 10% dos votos provavelmente irão conseguir e acabarão por sair pela porta pequena.

Têm a palavra o presidente F. Varandas e restantes membros dos órgãos sociais. Entretanto, porque o SCP é um grande clube, com vários sócios qualificados, é natural que se vão preparando candidaturas. Não tenhamos medo do futuro.

 

Adenda - Comunicado oficial do Sporting Clube de Portugal

Quem deverá ser o dono da baliza do SCP?

Não percebo o racional da contratação de Antonio Adán, guarda-redes com 33 anos, avaliado em 800 mil euros, após ter passado boa parte da carreira no banco de suplentes, sem grande margem de progressão.

Com 30 anos e avaliado em 2 milhões de euros, temos no plantel Renan Ribeiro. O titular tem sido Luís Maximiano, 21 anos, com um valor de mercado de 6 milhões de euros e grande margem de progressão.

Parece-me óbvia a aposta na manutenção do jovem titular, porque a sua continuidade irá valorizá-lo, permitindo num prazo razoável, de 2 a 3 anos, realizar um importante encaixe financeiro.

Numa situação de baixa de forma, lesão ou castigo, Renan Ribeiro oferece garantias para desempenhar o lugar. A não ser que seja realizada alguma venda surpreendente, não vejo alternativa.

Ou então sou eu que não percebo nada de gestão desportiva e financeira e devemos confiar em Frederico Varandas e Hugo Viana, porque alguém irá aparecer disposto a pagar no mínimo 20 milhões de euros por Max, ou 3 a 4 milhões por Renan. Escrevi refiro-me a milhões de euros, não a mendilhões de monopólio, nem pornográficas comissões de 20% ou mais a intermediar o negócio. Considero obsceno tudo o que for pago acima de 10%.

Homenagem ao “scouting” de Hugo Viana e Frederico Varandas

As baixas expectativas quanto ao encontro dos não-internacionais do Sporting com uma equipa do fundo da tabela da La Liga foram ultrapassadas a partir do instante que Ruben Amorim recorreu a um reforço que a genial dupla Hugo Viana-Frederico Varandas em boa hora lhe ofereceu.

Quem diria que num mercado tão difícil quanto este seria possível encontrar um médio defensivo com as qualidades de João Palhinha, um aparente "free agent" que ainda há poucos dias treinava sozinho, em ambiente rural, trajado com equipamento do Sporting de Braga?

Mais umas jogadas de génio como a integração deste Palhinha no plantel,  de preferência permanente ou pelo menos até depois de 15 de Setembro, e até me convenço de que a época passada não passou de uma sucessão de azares que acontecem aos melhores e não uma prova da mais completa incompetência ou mesmo de gestão danosa.

Quem viver verá.

 

 

Falhar em 2020/2021 comprometerá as cinco épocas seguintes

image.jpg

 

Depois de mais uma época em que os resultados ficaram muito aquém da grandeza do Clube, esperava-se uma grande revolução no plantel. O atual mostrou que não tem a capacidade para nos levar ao patamar que o clube, os sócios e os adeptos exigem.

No entanto, até agora, nada. Nem um nome foi apresentado, e nem foi comunicada uma única saída. Nós, sportinguistas, olhamos para esta apatia diretiva com enorme preocupação, pois, até à data, os responsáveis leoninos, em 2 anos e meio, não conseguiram contratar um único jogador com qualidade para jogar “de caras” em qualquer equipa portuguesa. Este desnorte evidencia duas coisas: a época que se aproxima ainda está na fase zero da sua preparação; o Sporting perdeu espaço no mercado e não consegue chegar a nenhum nome decente.

O clube está, por estes dias, à deriva. Ninguém percebe qual é o rumo que o timoneiro Varandas traçou. A sensação que tenho é que estamos completamente perdidos, sem que haja no barco uma pessoa lúcida que indique o caminho de um porto seguro.

É, por isso, urgente mudar de comandante. É, por isso, urgente exigir que Varandas saia. Quem não tem soluções para o Sporting não pode ser o seu Presidente. Não podemos desperdiçar mais um ano com anormalidades. Esta época, onde o terceiro lugar dá acesso à Liga dos Campeões, é fundamental, para o nosso posicionamento estratégico nos próximos 5 anos, garantir que pelos menos conseguimos uma destas vagas. Se falharmos este acesso, veremos o fosso que nos separa dos nossos maiores rivais a aumentar, e um Braga a ultrapassarmo-nos no poderio futebolístico.

O Mundo está cheio de exemplos de grandes clubes que caíram. O nosso, infelizmente, está a ir pelo mesmo caminho.

#VarandasOut

A gestão desportiva de Varandas

Texto de Leão da Cova da Beira

fredericovarandas3[1].jpg

 

Se me é permitido, [recordaria] as abordagens ao mercado do Sporting, neste consulado de Frederico Varandas.

2018/19 (Mercado de Inverno), INVESTIMENTO 11 M€:
Tiago IIori: 2,4 M€.
Borja: 3,2 M€.
Doumbia: 3,8 M€.
Gonzalo Plata: 1,1 M€.
Luiz Phellype: 0,5 M€.

2019/20 (Mercado de Verão e Inverno), INVESTIMENTO 28,5 M€ + o passe de Mama Baldé:
Vietto: 7,5 M€.
Sporar: 6 M€.
Rosier: 5 M€ (+ o passe de Mama Baldé, avaliado em 5 M€).
Rafael Camacho: 5 M€.
Eduardo Henrique: 3 M€.
Jesé Rodriguez: (taxa de empréstimo 2 M€).
Neto: "custo zero" (com prémio de assinatura desconhecido)
Bolasie: (emprestado).
Fernando: (emprestado, nem fez estreia na equipa principal do Sporting).

Um investimento total de mais de 40 M€ em 11 reforços e três empréstimos.

Mas verdadeiros reforços serão apenas dois ou três: Plata, Vietto e Sporar...

 

Um mero exemplo: o Sporting contratou Sporar em Janeiro de 2020, é um ponta de lança móvel e deixou bons indicadores. Em meia temporada, fez seis [sete] golos. Gelson Dala, emprestado ao Rio Ave em Janeiro (Rio Ave que então lutava pela Europa com o Sporting, surreal esse empréstimo), mas Dala fez em meia temporada os mesmos seis golos de Sporar, sendo um habitual suplente do Rio Ave. Fez sentido contratar, quando em casa temos um avançado móvel com as mesmas características?

Em Agosto [de 2019], chegaram três emprestados: Bolasie, Jesé e Fernando. Em sentido oposto, o Sporting cedeu/vendeu Carlos Mané por 0,750 mil€ (a taxa de empréstimo de Jesé foi de 2 M€), cedeu Mama Baldé, que fez seis golos na Liga francesa no modesto Dijon, e emprestou Gelson Dala e Matheus Pereira.

Pergunto: alguém vislumbra algum critério, alguma racionalidade nesta gestão desportiva?

Qual foi o critério dos três emprestados?

Bom, o Jesé fez um golo, o Bolasie fez outro [fez dois] e o Fernando nem se estreou. Se isto não é gestão desportiva danosa...


Texto do leitor Leão da Cova da Beira, publicado originalmente aqui.

Quase como se fosse por ideologia

unnamed.jpg

 

«Frederico Varandas já não tem como fugir. O Sporting tomou más decisões e, para as consertar, tomou outras piores que o escorraçaram do pódio, a uns lunares 22 pontos do campeão. Perdeu seis dos sete jogos que fez com as três equipas das quais quer estar próximo e, pelo menos, meia dúzia dos nove reforços contratados foram pouco mais do que inúteis. De fortes hipóteses, os erros potenciais passaram a factos. 

A justificação de que, no último defeso, só pôde escolher entre o mau e o péssimo foi-se esgotando com o andar da época e os sucessivos fracassos nas correcções de curso. As várias opções de alto risco também foram dando razão aos contestatários, uma a uma. Bolasie, Jesé e Fernando não substituíram Bas Dost, nem sequer Raphinha, e o Varandas "Mário Centeno" que vendeu dessa maneira dois titulares acabou a contrastar violentamente com o Varandas "Indiana Jones" que paga (um dia destes) 12 milhões de euros por um treinador. Mesmo que Rúben Amorim funcione, e pode acontecer (como Bolasie e Jesé podiam ter funcionado), continua a ser um indício de que a administração do Sporting não valoriza a sua própria (e natural) inexperiência, porque se continua a rodear de estreantes, em todos os postos, quase como se o fizesse por ideologia.»

 

José Manuel Ribeiro, ontem, n' O Jogo

Sobre o i-voting...

São preocupantes as notícias que vamos lendo diariamente sobre reforços da equipa de futebol. Oxalá esteja enganado, mas não confio na capacidade de Frederico Varandas e Hugo Viana para apresentarem no início da próxima época, um plantel equilibrado que possibilite um nível de competitividade que a dimensão do SCP exige.

Sabemos que o Sporting Clube de Portugal é bem mais que futebol, mas este é a mola real que movimenta milhões e exacerba paixões.

Agastados pelos fracos resultados alcançados, enquanto aguardam com desconfiança o que fará o presidente com mais esta oportunidade que a pandemia lhe ofereceu, muitos sócios, entre os quais me incluo, pretendem fazer ouvir a sua voz e mostrar o descontentamento aos órgãos sociais que dirigem o clube. Votação do orçamento, adiada não se sabe bem para quando, relatório e contas e i-voting, serão decisivos para o futuro do clube e determinantes para levar o mandato até final, ou antecipar eleições. Por maior que seja a legitimidade para continuar em funções, os órgãos sociais não poderão assobiar para o lado sem retirar consequências, caso os associados chumbem as propostas que apresentem. O contrário também é verdadeiro, aqueles que contestam, terão que ler com a devida atenção aquilo que vier a acontecer.

Sobre o i-voting, mixed feelings. Vivi alguns anos fora de Portugal, impossibilitado de participar e votar em várias AG e nas eleições de 2013, 2017 e 2018 e até na histórica AG de 23 de Junho de 2018. Por razões profissionais, com mais de 40 anos de sócio e quotas em dia, não consegui participar em momentos importantes da vida do meu clube. O voto por correspondência não era solução no meu caso, além de ser muito dispendioso. E não existia qualquer núcleo por perto, aliás, cheguei a estar a mil kms do consulado mais próximo. Sou por isso favorável à sua implementação, se garantida a segurança do mesmo, porque não sou ingénuo e detesto chapeladas eleitorais. Convém aliás ler posts anteriores sobre o assunto, aqui no blog.

Estou tentado a votar favoravelmente uma alteração estatutária que introduza o i-voting, se vier acompanhada da 2ª volta na eleição, caso não exista maioria absoluta à 1ª volta e se for recuperado o método de Hondt na eleição do CFD, colocando assim um ponto final na bizarra eleição em lista única dos diferentes órgãos sociais. O clube precisa de mais alterações estatutárias, mas não será este o tempo para uma discussão séria sobre a matéria. Estas serão talvez as mais urgentes e também consensuais.

É incompreensível que proponham aos sócios a aprovação do i-voting de forma isolada, mas também fica mais fácil em consciência rejeitar, pelo que os meus votos irão neste sentido. Tal como votarei contra o orçamento, relatório e contas e tudo o mais que apresentarem.

 

A Vida (não) é Bela

guido-the-giving-tree-la-vita-e-bella.jpg

 

É minha convicção que apoiar é uma das grandes responsabilidade dos adeptos (supporters). Mas não podemos ignorar a responsabilidade da direção em dar aos adeptos algo para acreditar e apoiar.

A gestão de um clube deve ser altamente racional mas o futebol é extremamente emocional, os adeptos precisam que a chama da sua paixão esteja constantemente a ser regada com a dose certa de gasolina. Bruno de Carvalho percebeu bem metade desta premissa, infelizmente levou o lado emocional para a gestão do clube e emolou-se nele.

Para se ser adepto do Sporting, hoje em dia, é quase preciso ter um mestrado em Alta Finança. Temos que saber o que são VMOCs, discutir os benefícios de uma venda da SAD, entender que não temos liquidez apesar das vendas pornográficas que foram feitas, etc. Isto tudo é errado, é claro que podemos entender tudo isto mas, no fundo, o único número que importa para a paixão é o número de vezes que a bola bateu no fundo das redes adversárias.

O Presidente do Sporting tem que ser uma espécie de Roberto Benigni em "A Vida é Bela". Ter ambição e criatividade para conseguir uma miúda "impossível", ser humilde para trabalhar diariamente e, acima de tudo, ter a capacidade de manter o filho (os adeptos?) feliz e motivado durante a maior tragédia de que há memória na História da Humanidade. Sim, no fim "o seu mandato" acabou. Todos acabam inevitavelmente, não é? Mas é o que se faz durante "o mandato" que faz valer a pena. A vida, de para quem o Guido trabalhou, continuou.

Desce da Torre de Marfim, Frederico. Trabalha para os adeptos e sócios do Sporting Clube de Portugal. Ainda vais a tempo de tornar a tornar a nossa vida bela.

As juras de Varandas

Num inquérito encomendado, com perguntas à medida das respostas - um módico de deontologia impede chamar a isto "entrevista" apesar de impressa em papel de jornal - o Presidente do Sporting toca três pontos que convém registar.

O primeiro é que "assume" e "dá a cara" pela desairosa época do Sporting. Claro que acto contínuo evoca as mil e uma dificuldades do cargo, justificação que faz ricochete pois é como quem diz que não teve cabeça ou capacidade para acorrer a tudo. Mas isto do "assumir" sem daí tirar consequências decorre de uma ética um bocado torpe, embora esteja na moda. Seria como se perguntando o juiz  ao réu se se declara incoente ou culpado e tendo este dito "culpado" o merítissimo o mandasse em paz pois basta que tenha "assumido" para ficar ilibado.

O segundo e terceiro pontos interessantes é que Varandas se atravessa inequivocamente - repito: inequivocamente - por Rúben Amorim e pela continuação no plantel da época 20/21 dos jovens Quaresma, Nuno Mendes, Matheus Nunes, Joelson e Tiago Tomás. Registe-se e guarde-se para memória futura; cá estaremos para avaliar a credibilidade e idoneidade de quem assim jura.

Receio o pior

img_920x518$2019_07_10_01_26_23_1573848.jpg

 

1

Temo o pior neste curtíssimo defeso agora iniciado. Porque as decisões serão tomadas pelos mesmos que conduziram a catastrófica pré-temporada do Verão anterior. 

Sem surpresa, já se acumulam os maus indícios. Na imprensa amiga, a administração da SAD pôs a circular que Acuña e Palhinha serão vendidos. Soa a asneira.

Acuña é um dos raros internacionais que subsistem no plantel leonino. Em entrevista ao Record de hoje, Frederico Varandas sublinha a necessidade de «encontrar jogadores experientes»: isto não cola com a prioridade atribuída à saída do argentino.

Por outro lado Palhinha - que fez duas épocas de alto nível no Braga, como emprestado - preenche uma das mais gritantes lacunas do actual onze titular: a de médio defensivo posicional. Despachá-lo já constitui um duplo risco: prescindimos de mais um profissional formado na Academia de Alcochete e continuamos a precisar com urgência de alguém para aquela posição, que pode vir a ser preenchida por outro perna-de-pau importado (lembremos os maus precedentes de Idrissa e Eduardo).

 

2

Já que fiz alusão à entrevista do Record, deixo um apontamento rápido sublinhando a minha estranheza: afinal para que serve a Sporting TV? O presidente da SAD leonina manteve-se vários dias em silêncio, após o fim do campeonato, e rompe-o só agora para prestar declarações a um jornal diário quando tem à sua disposição a televisão do clube. Eis algo incompreensível.

Nesta entrevista, Varandas garante fazer «exercícios de autocrítica diariamente». Não parece. Voltou, por exemplo, a desperdiçar uma oportunidade de elogiar a Comissão de Gestão que o precedeu e conduziu o Sporting no turbulento Verão quente de 2018. Graças a essa equipa, liderada por Artur Torres Pereira no clube e Sousa Cintra na SAD, os estilhaços de Alcochete foram minorados, vários jogadores regressaram a Alvalade e foi possível formar um plantel competitivo.

Varandas já apanhou o comboio em andamento - de tal maneira que o Sporting até liderava a Liga no dia em que os actuais corpos sociais tomaram posse.

 

3

Vangloria-se o presidente de ter conseguido «vencer duas Taças no futebol» e de ter superado o difícil teste da «renovação do plantel devido às rescisões». Vai mesmo ao ponto de proclamar: «No ano passado, alcançámos a melhor época dos últimos 17 anos.»

Lamentavelmente, nem uma palavra de apreço por Sousa Cintra - obreiro dessa época que deixou um treinador (José Peseiro) despedido por Varandas quando o Sporting ia a dois pontos do primeiro já depois de termos jogado em Braga e na Luz. Outra oportunidade desperdiçada, portanto, para "unir o Sporting" - lema da candidatura à presidência do antigo director clínico do consulado Bruno de Carvalho.

A prova do algodão da actual gerência não foi a época 2018/2019: foi aquela que agora terminou, a primeira em que este presidente da SAD e este director desportivo lideraram todo o processo do princípio ao fim. Uma época em que se prometeu muito mas chegámos à meta com um recorde de derrotas numa temporada e todos os objectivos falhados: Supertaça, Taça de Portugal, Taça da Liga, Liga Europa e campeonato.

 

4

Ainda mal se iniciou o defeso e já receio o pior.

Por serem os mesmos a liderar o processo. E por ter a plena convicção de que a actual equipa dirigente nada quis aprender com a sucessão de erros acumulados.

E consequências da época miserável?

O vergonhoso quarto lugar alcançado pelo SCP não é filho de pai incógnito, tem 2 progenitores, Frederico Varandas e Hugo Viana com a sua incompetente gestão desportiva e miserável construção do plantel.

Aprendam de vez, não se financiam rivais, esqueçam R. Esgaio, Fransérgio ou qualquer outro jogador do SCP, excepto naturalmente o nosso João Palhinha, que tal como Gelson Dala, Ivanildo Fernandes ou Daniel Bragança, têm que regressar a Alvalade, porque são superiores a grande parte do entulho que lá têm colocado.

Felizmente que Fernando, Jésé e Bolasie, já receberam guia de marcha. Não deixaram saudades, o fundamental é não virem mais turistas nas mesmas condições. E podem aproveitar para vender, mesmo que seja preciso saldar, T. Ilori, Eduardo, C. Borja, Ristovski, Battaglia, V. Rosier. Se ninguém lhes pegar, ofereçam 50% de comissão a Jorge Mendes, ou mesmo 70%, desde que não venha ninguém em troca, porque entulho já temos de sobra.

Precisamos competência no reforço da equipa, Wendel tem demasiadas paragens cerebrais, oferecendo demasiadas vezes a bola ao adversário em zona proibida. Entre ele e Matheus, só pode jogar um, precisamos reforçar o meio-campo. Jovane vai agitando as águas, mas é curto. G. Plata é uma perfeita nulidade, esqueçam comprar a metade que falta do passe, é preferível vender a metade que nos pertence, caso alguém esteja disposto a comprar.

Vamos ver o que nos reserva o mercado de transferências, mas face à incompetência até aqui demonstrada pelos nossos responsáveis, temo o pior. Oxalá me engane.

Os verdadeiros generais assumem responsabilidade, deixam os soldados colherem os louros da vitória, mas dão a cara na hora da derrota. Frederico Varandas é militar, oficial do exército, mas comporta-se como um soldado recruta. Manifestamente não tem vida para presidir ao SCP, é um erro de casting.

Ao menos que Rogério Alves, presidente da MAG e representante dos sócios, exerça a sua influência e procure devolver a palavra aos sócios, antecipando eleições. Não tenham medo da democracia, precisamos votar, deixem os sócios decidir se continuamos ou mudamos de rumo...

 

Viva o Sporting C.P.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D