Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O menor dos 3 grandes?

Ainda há pouco, na entrada da gala "Rugidos de Leão", o nosso presidente deixou claro que o tempo do Sporting ser o clube menor dos 3 grandes em Portugal está por um fio.

E é mesmo um fio entrançado feito de vários. Um financeiro claramente demonstrável pelos R&C. Outro desportivo traduzido nos resultados do futebol e nas modalidades. Outro formativo com base nas academias próprias e parcerias de formação. Outro, o das infraestruturas e das arenas desportivas. Outro nos contratos televisivos. Outro ainda, que convém não esquecer, em termos éticos e de reputação desportiva.

 

Senão vejamos:

1. Financeiramente, apresentamos R&C positivos no clube e na SAD onde reforçámos a participação accionista. Enquanto isso o buraco financeiro do FC Porto está à vista de todos e vem aí a Dona Branca. Quem vier atrás que feche a porta.

1. Sporting: + 25,2 M€

2. Benfica : + 4,2 M€

3. FC Porto: - 47,6M€

 

2. Desportivamente, neste momento e olhando para as posições nas classificações nos respectivos campeonatos de cada um dos chamados "3 grandes", considerando a mesma classificação para os mesmos pontos, temos:

No futebol, Benfica 1º, Sporting 2º (mp), FC Porto 3º (Derrota por 1-2 no dérbi da Luz)

No futebol feminino, Benfica 1º, Sporting 2º, FC Porto não tem (Vitória por 3-1 no dérbi do Seixal)

No hóquei em patins, Sporting 1º, FC Porto 3º, Benfica 4º (Vitória no dérbi de Alvalade por 3-2, derrota no Dragão por 3-5)

No andebol Sporting 1º, FC Porto 2º, Benfica 3º (Vitórias fora  contra os dois rivais)

No voleibol, Benfica 1º, Sporting 2º, FC Porto não tem (Derrota por 0-3 no dérbi do João Rocha)

No voleibol feminino, FC Porto 1º, Sporting 3º, Benfica 4º (Derrota com o FC Porto por 0-3, vitória no dérbi de Alvalade por 3-2)

No futsal, Sporting 1º, Benfica 3º, FC Porto não tem (Vitória por 4-1 no dérbi do pavilhão Luz)

No basquetebol, Sporting 1º, Benfica 2º, FC Porto 6º (Vitória por 91-88 no dérbi de sábado)

 

Portanto, neste momento e numa perspectiva global:

1. Sporting

2. Benfica

3. FCPorto

 

3. Além dos resultados, podemos falar do valor do plantel do futebol de cada um dos 3 grandes conforme o TM:

1. Benfica - 359,6 M€

2. FC Porto - 289,0 M€

3. Sporting - 280,3M€

 

4. Em termos de formação temos uma Academia de Alcochete (que se prolonga no pólo EUL) reestruturada a todos os níveis, e uma extensão do conceito às diferentes modalidades numa óptica transversal. Penso que estaremos quase ao nível do Benfica, recuperando do atraso de vários anos de incúria, enquanto no FC Porto Pinto da Costa, que em 40 anos se esteve a marimbar para o conceito, promete agora que vai pensar no assunto antes de lhe dar uma coisa má. 

Ou seja,

1. Benfica

2. Sporting

3. FC Porto

 

5. Em termos de infraestruturas e arenas desportivas, aqui claramente o Sporting está numa posição de inferioridade face ao rival de Lisboa, não por Alcochete e pelo magnífico pavilhão mas pelo estádio e zona envolvente que muito deixam a desejar, e que não sei como poderão melhorar. O FC Porto vive de protocolos manhosos com a câmara de Vila Nova de Gaia que lhe permitem treinar e jogar a custos simbólicos. Pagamos todos nós.

1. Benfica

2. Sporting

3. FC Porto

 

6. Em termos de contratos televisivos, o Benfica tem TV própria, o Sporting um bom contrato com a NOS, e o FC Porto um contrato manhoso com uma Altice cujos responsáveis foram apanhados pela Justiça e afastados da empresa. Mais um do tipo W52, tudo preso ou quase. Se calhar estão à espera da "bóia de salvação" da centralização dos direitos televisivos patrocinada por um poder político infiltrado por pessoal de confiança, uns até com assento num tal Conselho Superior. O Sporting só tem de ser contra: que seja a massa de sócios e adeptos de cada um a ditar as leis.

Ou seja,

1. Benfica

2. Sporting

3. FCPorto

 

6. Em termos éticos e de reputação desportiva, nem vale a pena argumentar. Luis Filipe Vieira deixou no Benfica uma série de processos judiciais que envergonham qualquer clube, Pinto da Costa são 40 anos de métodos mafiosos, conhecidos e documentados em Portugal e fora dele, como pode testemunhar Sir. Ferguson. 

Ou seja,

1. Sporting

2. Benfica

3. FC Porto

 

Poderão dizer que não, que existe um património "intangível" dos outros dois, na influência nos poderes federativos, arbitrais, até mesmo políticos, autárquicos, judiciais, policiais, que remete fatalmente o Sporting para a figura de parente pobre, sempre a lamentar-se das injustiças causadas pelas canalhices dos outros.

Depois disso tudo, e independentemente de tudo o resto, Sporting e Benfica têm lideranças jovens já com alguma experiência, enquanto o FC Porto vive refém da saúde dum idoso rodeado duma feroz guarda-pretoriana sem vontade de largar a cadeira do poder. As próximas eleições prometem ser escaldantes: desta vez encontrou um adversário que vai a jogo sem medo de aparecer a boiar nas águas do Douro ou noutro sítio qualquer (desgraçado do zelador que ficou sem automóvel, carteira e telemóvel, e ainda teve de ir ao hospital; será que foram os mesmos que atacaram Varandas?) e o resultado pode ser uma vitória de Pirro a deixar um clube fracturado e à beira do desastre. 

 

Então se nestes seis critérios o Sporting não parece ser de forma nenhuma neste momento o menor dos 3 grandes, ainda menos parece que daqui a uns tempos o seja. 

O caminho é longo, as dificuldades estão lá, mas estamos no rumo certo.  As hienas chiam e os leões passam.

SL

FCP em falência técnica profunda

Péssimas notícias para portistas e verdazuis

PdC.jpg

 

«Os capitais próprios dos dragões estão piores do que na pandemia, com o passivo a atingir 522 milhões de euros. Em cinco anos, acumularam 114 milhões de prejuízos. É a pior situação de capitais próprios desde que as sociedades anónimas desportivas foram criadas (entre o final dos anos 90 e o início do século).

Agora com um prejuízo de 47,6 milhões de euros, o terceiro pior de sempre, foi agravado ainda mais o problema dos últimos anos: nunca, desde que foi criada a 5 de Agosto de 1997, a SAD do FC Porto teve tamanha diferença negativa entre activos e passivos, num total de 176 milhões de euros. Nem a SAD do FC Porto nem qualquer outra em Portugal. 

As receitas com vendas, na última época, ficaram nos 23,5 milhões de euros e ainda há que descontar 9,5 milhões de custos associados a essas transacções, o que inclui o mecanismo de solidariedade da UEFA, as comissões pagas a agentes e o abate do valor contabilístico do passe dos jogadores.

O que daqui sobra — 14 milhões de euros — não chega sequer para a FC Porto SAD cobrir o que pagou nessa época pelo investimento no plantel.»

 

Daqui.

No rumo certo

Numa época marcada pela recompra da maior parte das VMOCs detidas pelos bancos, que permitiu ao Sporting passar a deter mais de 80% da SAD,  a mesma SAD fechou as contas da época 2022/2023 com resultado positivo e números record em diferentes rúbricas.

Estes resultados só não tiveram mais eco na comunicação social e no universo Sporting porque passaram a ser normais, e a saúde não é notícia, a notícia é mesmo a doença. Estes resultados devem-se muito à estabilidade proporcionada por um presidente com os valores certos no lugar, que soube aprender a navegar num mar revolto e infestado de tubarões, avesso ao estardalhaço, às palhaçadas e às promiscuidades com gente muito pouco recomendável.

No TM relativo ao futebol profissional o ranking dos clubes portugueses, Benfica - 344,5 M€, FCPorto - 283,5M€, Sporting - 241,9€, SCBraga - 124,7M€ indica claramente que o objectivo imediato do Sporting é passar para a 2ª posição, ultrapassando um FC Porto que com Pinto da Costa se tornou num clube mafioso, em que todos os meios servem para se atingir os fins, e com uma claque de bandidos disposta a tudo se lhe derem o sinal para tanto. Mas a idade não perdoa e um dia destes irá cair da cadeira e deixar o clube em guerra civil e com um enorme rombo financeiro por resolver.

Já no que respeita ao futebol de formação e às principais modalidades o Sporting já se encontra claramente em 2.º lugar em termos de resultados desportivos. Acabámos todos os campeonatos respectivos à frente do FC Porto excepto no andebol (mas ganhámos a Taça) e do voleibol feminino (mas a equipa deles consistia numa parceria entretanto desfeita com a AJM). Segundo diz Pinto da Costa, ganharam não sei o quê no bilhar. Não sei se o clássico ou às três tabelas, há muitos anos que não pratico.

 

O Sporting Clube de Portugal está de boa saúde, bem mais unido do que no segundo mandato do ex-presidente. Quase 100 mil sócios pagantes, gameboxes esgotadas mesmo depois dum 4.º lugar na Liga, lotações esgotadas em Alvalade, vendas record no merchandising, e uma lógica transversal de constituição de plantéis, de aposta na formação, e de reconhecimento da importância de treinadores e capitães que qualquer um pode reconhecer.

Claro que ainda tem alguns problemas internos para resolver, desde logo o relacionamento com as claques que continuam a correr em pista própria e a causar danos evidentes ao próprio clube, mas também a requalificação dum estádio e da sua envolvência que se foi tornando um obstáculo ao crescimento do clube (e já agora limpar de vez a frase pindérica e agora semi-apagada do nosso ex-presidente na estátua do leão).

 

Oposição interna com projecto alternativo não existe, existem apenas os que restam do populismo brunista a cavalgar os insucessos do momento e com cada vez menos vontade de pagar quotas e de voltar às bancadas de Alvalade e do João Rocha.

Mas é preciso mais, muito mais. Desde já ultrapassarmos quem está imediatamente à nossa frente no futebol profissional e a partir daí assaltarmos. com base nos nossos valores e não de processos mafiosos e criminosos, a liderança do panorama desportivo nacional. 

Só assim podemos ir de encontro à visão do nosso fundador, "Queremos que o Sporting seja um grande Clube, tão grande quanto os maiores da Europa". 

SL

Euros em vez de golos

Na terça-feira, dia em que vimos actuar pela primeira vez Gyökeres de verde e branco (e em que bastaram 19 minutos para o vermos marcar um golo), um comentador televisivo, antes do jogo, fazia alusões ao «encaixe financeiro» do sueco. Questionado por um repórter sobre a presença em campo do novo avançado, quase em cima do apito inicial, um rapaz de oito ou nove anos lamentou que tivesse custado «muitos milhões».

Ouvi o garoto e transportei-me àquela idade, quando já acompanhava os desafios do Sporting - quase sempre de transístor encostado à orelha. Não faço a menor ideia, ainda hoje, quantos «milhões» custaram Dinis ou Yazalde, ídolos da minha infância. Nem isso era assunto que interessasse à massa adepta. Agora não se fala de outra coisa. Até os miúdos parecem dar mais importância aos euros do que aos golos.

A obsessão pelo dinheiro está a matar a paixão pelo desporto.

Boas notícias

Enquanto andamos todos obcecados com o futebol jogado dentro do campo e os golos que se marcam e não se sofrem, não queria deixar de lembrar os "golos" que o Sporting está a marcar na área financeira e no que à sua SAD diz respeito:

1) Recompra das VMOCs ao BCP com desconto

2) Liquidação da dívida ao BCP

3) Apresentação do R&C da SAD com lucros de 25M€ em 2021/2022

São mesmo boas notícias para uma SAD assaltada e com os activos mais valiosos em debandada há 4 anos, um dos quais um dos jogadores mais valiosos da Liga Italiana e do qual passado todo este tempo ainda não vimos 10% do seu valor. Destruir é num instante, reconstruir leva mesmo muito tempo.

Mas outras boas notícias são aquelas que deixaram de existir: incumprimentos de pagamentos, demandas judiciais de credores, guerras institucionais, "trolhas" e agentes desportivos a lavar roupa suja na Comunicação Social, infracções ao "fair play" financeiro da UEFA, etc.

O único processo judicial relevante para o Sporting é aquele que Frederico Varandas colocou a Sérgio Conceição, Vitor Baía e aquele assessor com um triste passado na comunicação social pela cilada e roubo de carteira e telemóvel de que foi vítima no Dragão.

Tudo isto com uma reestruturação completa da formação baseada na Academia de Alcochete/Pólo EUL, com um modelo avançado baseado no jogador que também começa a dar excelentes resultados. Na 1.ª jornada da Youth League empatámos fora num jogo em que fomos superiores e desperdiçámos oportunidades, enquanto os rivais perderam os jogos respectivos.

 

Ainda falando dos rivais, sujeitos às mesmas regras de mercado e obrigações regulamentares, o Benfica apresenta um R&C com um saldo negativo de 35M€, e o FC Porto é multado em 100K€ e ameaçado de exclusão das competições europeias por incumprimento do "fair play" financeiro da UEFA.

São mesmo boas notícias para os Sportinguistas para complementar os 3-0 de Frankfurt. 

SL

A situação financeira do Sporting é preocupante

Diz o "candidato da bancada" Nuno Sousa, e diz muito bem.

Quando mais de 100 milhões de euros estão em viagem para Alvalade, referentes a  Champions, Rafael Leão, Nuno Mendes, três ou quatro vendas entre titulares e emprestados no final da temporada, acesso à Champions do próximo ano no horizonte, a situação financeira do Sporting é deveras preocupante.

Desde logo para ele e para a tropa Letal que andaram numa guerrilha de terra queimada nestes quatro anos, mas também para um Porto minado pelo gamanço e que vê jovens promissores fugir para o Sporting, e para um Benfica a contas com a herança pesada de Vieira e com a incompetência arrogante do delfim, agora pelos vistos promovido a idiota útil do Pinto da Costa.

A situação financeira do Sporting é mesmo preocupante.

Nem sabe bem aplaudir as vitórias do Sporting no estádio e no pavilhao, ou vibrar agarrado à TV, e nestes dias foram a do futebol, a do voleibol feminino contra o eterno rival, a do andebol contra os húngaros, pensar quanto custam treinadores e jogadores e na tal situação financeira preocupante...

Por isso mesmo o "candidato da bancada" foge como o diabo da cruz a falar do que vê da tal bancada... pode-se ler o programa de trás para a frente ou da frente para trás, que sobre os resultados desportivos diz... "bola".

 

#JogoAJogo

SL

2+2=4? As contas do Sporting

Eduardo Hilário chamou no dia de hoje a atenção de todos os Sportinguistas para a necessidade de não nos distrairmos do essencial: a votação das contas do último exercício e a do orçamento para a próxima época. É já no próximo dia 26, os documentos foram disponibilizados online e eu... bom, eu, decidi procurar análises às contas. Servi-me da barra disponível no És a Nossa Fé e que nos liga a difentes espaços blogosféricos, filtrei a pesquisa pelo critério 'primeira quinzena de Setembro' e cheguei aos resultados que partilho infra:

 

A Tasca do Cherba

Dois resultados: 1 e 2.

 

Castigo Máximo

1 resultado

 

Leoninamente

1 resultado

 

Leonino (editado às 15:30 - acrescenta ligações: 2 e análise ao Orçamento 2020/2021)

Resultados: 1, 2.

Análise do Orçamento para 2020/2021

 

Mister do Café

1 resultado

 

O Sangue Leonino

1 resultado

 

Pela leitura que fui fazendo à data e que fiz de ontem para hoje, diria que há uma clara tendência para a relativização do que é um exercício que apresenta um lucro de 12,5 milhoes de euros. Aspecto destacado, de resto, por José Cruz, aqui, no És a Nossa Fé.

Dito de outra forma, não nos distraiamos do essencial e analisemos para além da superfície, o já referido lucro de 12,5 milhões de euros. Diria que existem claros sinais de alarme cujo conhecimento será do interesse de todos os Sportinguistas.

Que votemos Relatórios de Contas e Orçamentos previsionais de forma esclarecida é o meu desejo e, espero, o da larga maioria dos Sportinguistas.

Nota: A moderação dos comentários poderá vir a demorar mais do que é minha prática habitual mas estejam certos de que só serão rejeitados comentários que não obedeçam a elementares regras de saudável convivência. 

Aprender com quem sabe

img_920x518$2019_03_18_12_14_34_1519624.jpg

 

O meu amigo Eduardo Hilário é muito mais benevolente do que eu na sua avaliação do plantel leonino. Embora eu perceba a defesa intransigente que faz de jogadores com um mínimo de qualidade para vestir de verde e branco, considero que leva a generosidade longe de mais.

A SAD não chegaria longe, em termos contabilísticos, se apenas vendesse Renan, Ilori, Rosier, Eduardo e Mattheus Oliveira: tudo junto, mal daria uns trocos. Apesar da minha reiterada simpatia pelo guarda-redes brasileiro, a quem devemos duas taças.

A incómoda verdade é que, para salvar a época em termos financeiros, o Sporting terá de recorrer novamente a receitas extraordinárias - e, excluindo a indesejável antecipação de nova fatia dos proventos da NOS, isto só se consegue vendendo jogadores pelo melhor preço de mercado possível. Não a preço de saldo, como aconteceu há um ano com Bas Dost, ou de borla, como acontecera pouco antes com Nani. Quando não havia sequer a crise pandémica a funcionar como desculpa.

 

Já sem Bruno Fernandes nem Raphinha, e com Mathieu agora retirado, resta-nos ver partir pelo menos três ou quatro jóias da coroa - jogadores com presença internacional ao serviço das selecções dos seus países ou um par de talentos da nossa formação.

Preparemo-nos, portanto, para a despedida de Acuña - sem dúvida aquela que mais nos custará, entre os jogadores estrangeiros. Creio que também Battaglia, Borja, Doumbia e Ristovski estarão junto à porta de saída.

O pior, para nós, será vermos partir Jovane, Joelson ou até Max: andando as coisas como andam, já nada me admira. Dou por adquiridas as saídas de Miguel Luís, Pedro Mendes e Rodrigo Fernandes, que não pesarão muito em termos contabilísticos. E só espero que pelo menos Eduardo Quaresma, Nuno Mendes e Matheus Nunes se mantenham. Embora sem fazer apostas, atendendo ao que foi a calamitosa gestão do mercado de transferências em Agosto-Setembro de 2019.

 

O que eu gostaria era de ver replicada no Sporting a capacidade de gestão revelada pelo FC Porto na época desportiva há pouco terminada. Tendo perdido - por motivos semelhantes aos nossos - jogadores da craveira de Brahimi, Herrera, Óliver, Felipe e Militão, além de ficar sem Casillas por doença do guarda-redes que foi campeão europeu e mundial, a agremiação portista conseguiu reinventar-se ao ponto de vencer o campeonato. Obteve êxito desportivo sem descurar a componente financeira. Mudou, sim, mas para melhor.

Será pedir de mais algo semelhante no Sporting? Não: seria reivindicar o mínimo num clube com a dimensão do nosso. Infelizmente, o nível de exigência vai baixando de ano para ano em Alvalade e a gestão das expectativas tornou-se tão baixa que já quase nada esperamos ainda antes de soar o apito inicial da temporada.

Para reflectir

 

«As vendas de jornais caíram, fenómeno agravado por uma pandemia que deixou milhares de habituais leitores em casa, e depois ainda existem os pilha-galinhas dos motores de busca e redes sociais, clippings e edições inteiras de jornais a circular via WhatsApp que não pagam nada a quem produz diariamente esses conteúdos.»

 

«É irresponsável o investimento de milhões em jogadores, quando a única receita segura, pois ninguém sabe quando o público volta às bancadas, provém das receitas televisivas - sendo que devia o exemplo de Abril e Maio do eventual cancelamento de pagamentos da MEO e da NOS pela paragem competitiva servir de aviso.»

 

«A indústria do futebol em Portugal está na obscuridade e na agonia de quem sabe que se está a consumir a última vela. Continua tudo cego.»

 

Excertos do artigo de opinião do Rui Calafate, hoje publicado no Record

O faminto e os fatos Hugo Boss

Sendo importante a discussão das alterações estatutárias no Clube, é preciso fazer um sublinhado: não nos podemos que a mesma desvie a nossa atenção do urgente. 

Não nos iludamos: a casa está a arder... A evolução conhecida da realidade financeira do clube é alarmente. Os resultados desportivos (falta deles...) são os que sabemos. A desmobilização da massa adepta é notória. O Clube continua sem orçamento aprovado. A gestão do Clube é errática a todos os níveis. A comunicação um desastre, protegendo a direcção e atirando areia diariamente para os olhos dos sócios e adeptos, disfarçando a má gestão, incompetência e incapacidade de corrigir erros. Na próxima época o terceiro lugar dá acesso à Champions, mas Braga e Guimarães serão seguramente candidatos e estão a construir plantéis fortes.

A quem interessa que falemos agora, neste preciso momento, de estatutos? Eu diria: aos incompetentes barricados na direcção, que não querem reconhecer a sua incapacidade para gerir um Clube da dimensão do Sporting Clube de Portugal.

Por acaso estes estatutos impediram o Sporting de ir à Champions há 3 anos? De construir uma grande equipa com jogadores como Bruno Fernandes ou Mathieu? De lutar pelo título?

Falar de estatutos nesta fase é um pouco como um faminto estar entretido a ver um catálogo de fatos Hugo Boss.

Sobre a grave situação financeira do Clube, é importante (e urgente...) ler a escalpelização feita pelo Pedro Azevedo aqui:

https://castigomaximo.blogs.sapo.pt/

Saiu o Bruno, veio o Rúben

21847063_sMvmL.jpeg

 

Com algumas semanas de intervalo o Sporting ficou sem o melhor jogador da 1.ª Liga e passou a contar com... o melhor treinador da 1.ª Liga. 

Para mim isso é claro como água. Rúben Amorim conseguiu em pouco tempo transformar completamente o futebol do Sporting. Quer no modelo táctico quer na consistência competitiva, passámos dum futebol miudinho e improvisado para um futebol largo e objectivo, que num ápice transforma um aperto defensivo num lance em profundidade e numa oportunidade de golo. Em que até o Max já começa a tentar ser um Schmeichel. Conseguiu isso mesmo apesar das sucessivas baixas dos jogadores mais influentes, sem ponta de bazófia, com um discurso claro e assertivo, sempre com um sorriso nos lábios.

No fundo, parece-me que o Rúben é um pouco como treinador o que Bruno é como jogador. Objectivo, focalizado, motivador, marca o ritmo que os outros devem acompanhar, e quem tem unhas desata a tocar guitarra. Depois... acho que Bruno encaixava como uma luva neste sistema de Rúben. Que pena não podermos contar com os dois.

Cabe agora ao Sporting acompanhar também o ritmo de Rúben Amorim. A pior coisa seria pensar que com uma fase final mais ou menos vitoriosa (e vêm aí dois jogos bem complicados), agora que já temos treinador, o Sporting tem condições para cumprir o desejo de Mathieu e ser campeão na próxima época ou pelo menos voltar à Champions.

Como tenho repetidamente alertado, as referências do plantel estão reduzidas ao mínimo absoluto. Foram saindo Adrien, William, Patrício, Nani, Bas Dost, Bruno, agora Mathieu. Acuña também pode sair e, tal como ontem, assim ficamos com... Coates. 

Não chega, nem pouco mais ou menos. Urge reforçar o plantel com alguns poucos jogadores credenciados e habituados a ganhar nos grandes palcos, que venham para disputar a titularidade com os miúdos de enorme talento que temos e ajudá-los a crescer nas vitórias. 

E as finanças? Não existem finanças equilibradas sem sucesso desportivo. Nem paz no clube.

 

PS: Comentou ontem o portista Paulo Teixeira Pinto em "A Bola":

«Aura. Não se sabe bem o que é. Não se confunde com bom astral, apenas com boa sorte. Sabe-se apenas que uns têm e outros não. Sem que se saiba porquê. Parece não haver dúvidas que Rúben Amorim goza dessa aura. Porquê? Nada disso agora importa. Mas desconfio que, desta vez, o negócio entre leões e bracarenses, quando se fizerem as contas finais do deve e do haver, vai revelar-se - surpresa! - uma mina para os leões e uma perda inestimável para os arsenalistas.»

SL

O Sporting faz milionários

21071446_8DZMk.jpeg

 

Contratar um treinador sérvio desempregado - sem um título de campeão no currículo, fluente apenas em italiano e servo-croata, desconhecedor em absoluto do futebol português - a cinco dias de uma assembleia geral do clube convocada para a sua própria destituição (que não tardaria a consumar-se), foi um dos actos mais danosos que tenho guardados na minha longa memória de sportinguista. "Como se o Edifício Visconde Alvalade fosse o cofre-forte do Tio Patinhas", escrevi aqui nesse mesmo dia.

Com esta tresloucada decisão, a última do seu mandato, Bruno de Carvalho lesou os cofres leoninos, transferindo para quem lhe sucedia o ónus de ficar com um técnico que não escolhera, pagando-lhe quatro milhões de euros por temporada, ou denunciar um generosíssimo contrato com validade de três anos, até 2021, sujeitando-se a desembolsar uma choruda indemnização por quebra unilateral do vínculo laboral entretanto assumido.

Sousa Cintra, sucessor de Carvalho, optou pela segunda via. Frederico Varandas, sucessor do sucessor de Carvalho, viu-se agora forçado a pagar - num momento em que o clube deixou de ter receitas devido aos brutais efeitos da pandemia que nos fustiga há dois meses. Cerca de três milhões de euros acabam de sair de Alvalade para a conta bancária do senhor Mihajlovic, que já nem deve lembrar-se da localização do nosso estádio. 

Espero que o novíssimo milionário ofereça ao presidente destituído um opíparo jantar regado a champanhe: nada é tão bonito como um gesto de gratidão.

Sporting: Orçamento de rico, resultado de pobre

SCP.png

Terminada a 1ª volta da temporada de futebol, a classificação do Sporting é medíocre. Ainda mais interessante é vermos os resultados em função do investimento feito. E, neste particular, o Sporting não é 4º. É dos piores do campeonato. O rei do desperdício.

Por cada ponto feito no campeonato, o Sporting gasta 2,4 milhões de euros. O SLB gasta 1,87 milhões. Com 10% do Orçamento do Sporting, o Famalicão está 2 pontos à nossa frente. Gasta 242 mil euros por cada ponto. O Braga gasta 740 mil euros por cada ponto. 

Estas contas de merceeiro são um mero exercício. Mas que mostra bem o desperdício de recursos que é hoje o nosso clube.

E não é difícil perceber porquê: pagamentos de milhões a jogadores vendidos (Thierry), "protocolos" com o Wolverhampton, 600 mil euros gastos com um jogador (Fernando) que esteve basicamente de férias em Portugal, indemnizações a treinadores despedidos, etc etc etc...

É isto a chamada "gestão profissional" do clube? 

Sobre entradas e saídas

Um olhar rápido pelas operações financeiras relacionadas com entradas e saídas de jogadores do Sporting no defeso de Verão, descritas na informação prestada à Comissão do Mercado de Valores Imobiliários, permite desde logo estas conclusões:

 

  •  Pagamos comissões pela saída de jogadores como André Pinto e Petrovic, que rumaram a outros clubes sem renderem um euro aos cofres leoninos - algo inacreditável

 

  •  Pagamos 700 mil euros à empresa de Jorge Mendes por intermediar no acordo com o Olympiacos sobre Podence, tendo o Sporting abdicado do processo no Tribunal Arbitral do Desporto - algo incompreensível.

 

  •  Pagamos cerca de sete milhões de euros em comissões globais na época em que temos um dos piores plantéis de que há memória - algo inaceitável.

Banca perdoa, mas é muito beneficiada

21579364_jgy4E[1].jpg

 

A reestruturação financeira do Sporting iniciada pela anterior administração está finalmente a ser concretizada. Varandas e Zenha conseguiram dar um passo importante e decisivo para a estabilidade financeira do Sporting que estava asfixiada pelo endividamento.   

A dívida total à banca da SAD ascende a cerca de 360 milhões de euros. Um valor astronómico e que requere muita inteligência para negociar com todas as partes. Para já, a SAD anunciou que vai antecipar em sete anos o pagamento de todas os Valores Mobiliários Obrigatoriamente Convertíveis (VMOC) que custariam, em 2026, cerca de 135 milhões de anos. Uma antecipação que implica o pagamento imediato de 40,5 milhões de euros em vez dos 135 milhões, ou seja, o Sporting poupa quase 95 milhões de euros.

Aos olhos de todos, trata-se de um perdão bancário, mas na realidade a banca também sai beneficiada. A verdade é que os bancos recebem já um terço de uma dívida que daqui a sete anos arriscariam ver transformada em acções de uma SAD que já hoje tem capitais próprios negativos, ou seja, está tecnicamente em falência. Receber 40,5 milhões de uma coisa falida é um perdão?

Depois, as novas regras financeiras impostas pela União Bancária ao sector bancário obrigam a que haja uma libertação urgente de dívidas a terceiros. Dívidas a clubes de futebol não são bem-vindas, muito seria perdoado serem accionistas de uma SAD em falência.

Nesta restruturação, o Sporting conseguiu depois algumas benesses, como o facto de 50% da mais-valias com a venda de jogadores terem de ser aplicadas no abate de dívida bancária. Por exemplo, com a reestruturação só 30% da receita líquida da eventual venda do Bruno Fernandes é que irá para reduzir dívida (15%) e para reforçar a conta de reservas (15%).  

Quanto à reestruturação dos restantes cerca de 225 milhões de euros de dívida (empréstimos e outros financiamentos) ainda pouco se sabe, além de que o parceiro estratégico Apollo (fundo de investimento) pode vir a ser o credor dessa dívida. Quanto é que custará?

Na prática, os bancos libertam-se de cerca de 360 milhões de dívidas que arriscavam nada receber e ainda seriam pressionados pelos supervisores financeiros com eventuais sanções.

A reestruturação concretizada é uma boa notícia para o Sporting, mas também para os bancos que se libertam finalmente de um fardo que valia 360 milhões. Quanto ao valor a suportar pelos contribuintes, nada se sabe, mas seguramente se a reestruturação não tivesse acontecido, os portugueses iriam suportar a maior parte da dívida não paga.

Ganha o Sporting, ganha a banca e ganham os portugueses.

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D