Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Joguem à bola, pá!

1411105[1].png

 

Não perdemos, mas foi a pior exibição do Sporting esta época - exceptuando o jogo em Alverca, de péssima memória, que nos afastou da Taça.

O Rio Ave-Sporting terminou apenas com dez da nossa equipa em campo, devido à expulsão (mais uma) do capitão Coates, e um sofrido empate 1-1 graças a um penálti aos 84' bem convertido por Jovane, um dos raros que fugiram à mediocridade.

 

Para se perceber melhor como foi confrangedora a exibição dos pupilos de Silas, vou descrever aqui, detalhadamente, quatro minutos terríficos em que o onze das riscas horizontais - um Sporting quase irreconhecível - acabou por ser protagonista pelos piores motivos.

 

Minuto 2

Filipe Augusto faz um cruzamento longo, da ala direita, a variar o flanco ofensivo. Ristovski, na sua zona de cobertura, falha o tempo de salto permitindo a Al Musrati cruzar para a área. Piazón, totalmente solto à boca da baliza, mete-a lá dentro. Coates estava junto ao primeiro poste, no segundo não havia ninguém. O estático Eduardo Henrique deixou-se antecipar por dois rivais, que baralharam marcações, e Neto limitou-se a ver.

Não tinha ainda decorrido minuto e meio de jogo e já perdíamos em Vila do Conde.

 

Minuto 27

Bolasie, sentindo-se bloqueado na ala direita do nosso meio-campo, atrasa para Ristovski e este endossa a Coates, que lateraliza para Neto. Este tenta progredir mas prefere devolver ao uruguaio, que deixa em Eduardo, com Ristovski desmarcado lá adiante. O ex-Belenenses toca a bola para Idrissa Doumbia, que logo a devolve. Eduardo deposita-a então em Neto, que avança três ou quatro metros antes de deixar em Idrissa, que não tarda a passá-la a Coates, como se ela lhe queimasse as chuteiras. Sem progredir com a bola, o capitão toca-a para Eduardo, que dá para Idrissa. Este, sempre de costas para a baliza, deposita-a nos pés do uruguaio, que volta a tocar para Neto, que torna a despejar para Eduardo.

Com tudo isto passou um minuto inteirinho. O Sporting perdia por 0-1 e mostrava-se incapaz de avançar no terreno.

 

Minuto 34

Neto atrasa para Max, que entrega com o pé a Eduardo. Este, colocado no corredor central, toca para Ristovski, que a restitui ao guarda-redes. Max passa a bola a Neto, que volta a confiá-la à guarda de Eduardo. Incapaz de progredir, o médio que veio de Belém devolve-a a Neto, que a entrega a Camacho, entretanto recuado na ala esquerda. Camacho roda e repõe em Neto, que logo volta a depô-la em Max. O guardião toca para Eduardo, que trota uns metros com ela mas ainda na meia-lua do nosso meio-campo deposita-a nos pés de um adversário. Rápida ofensiva vilacondense conduzida por Nuno Santos, solto no lado esquerdo, com Ristovski perdido lá na frente e Wendel incapaz de fechar o corredor.

O Sporting continuava a perder, mostrando-se totalmente incapaz de uma atitude competitiva. Havia "posse de bola", sim, como Silas tanto gosta. Mas não servia para nada.

 

Minuto 76

O Sporting, ainda a perder, precisa de procurar o empate. Borja, junto à linha já no meio-campo adversário, não consegue melhor do que atrasar para Neto. Este lateraliza para Ristovski, colocado junto à linha divisória do terreno. O macedónio coloca em Wendel, que atrasa para Battaglia. O argentino passa a Borja, que atrasa para Neto, no nosso meio-campo defensivo. O português toca para Wendel, que logo a devolve. Depois coloca-a em Plata, que devolve também. Neto volta a pô-la em Wendel, que insiste em atrasá-la no corredor central, parecendo alheado de qualquer desígnio atacante. Metro a metro, a equipa vai recuando. Neto ensaia então um passe longo, esticando a bola para Sporar, que não consegue dominá-la.

Perdeu-se mais um minuto, perdeu-se mais um lance que se pretendia ofensivo.

 

Para mais tarde recordar

Lembro qual foi o onze inicial escolhido por Silas para este jogo: Max; Ristovski, Coates, Neto, Borja; Idrissa, Eduardo, Wendel; Camacho, Bolasie, Sporar.

Sete destes jogadores já foram contratados pela actual administração da SAD.

A pior exibição da época

Pelo menos foi o que disse Silas depois do jogo. Referia-se obviamente ao período em que está à frente da equipa, mas para mim foi mesmo a de toda a época. Valeu o emprestado, limitado mas sempre esforçado Bolasie para repetir o que fez na Vila das Aves: do nada cavar um penálti e assim evitar a derrota.

Com um plantel tão desequilibrado como o do Sporting, quando faltam três dos quatro melhores jogadores num campo difícil como o de Vila do Conde seria sempre de prever dificuldades. Mas quando mais uma vez se altera o modelo de jogo e o onze em posições chave, então está-se mesmo a pedi-las.

Do 5-3-2 contra o Portimonense com Battaglia e Wendel a médios mais recuados, passámos para um 4-3-3 com Doumbia e Eduardo nas mesmas funções. Não há equipa que aguente tanta alteração, tanta improvisação, tanta falta de articulação entre colegas. Sucederam-se passes para jogadores marcados em cima e de costas para a baliza, passes para ninguém, centros para lado nenhum.

SIlas já veio dizer que não se demora cá muito, quando quiserem pega nas malas e vai à sua vida. O plantel também sabe isso mesmo, a mensagem já não passa e a equipa transforma-se num bando que corre e luta sem critério. Ontem o Coates lá foi para rua mais uma vez na tentativa de travar adversários lançados pelo seu lado, onde o Ristovski anda sempre em parte incerta e foi responsável por mais um golo (já perdi a conta aos lances por alto perdidos por ele esta época ao segundo poste que dão origem a golos ou centros para golo), não sem antes tentar fazer por ele o trabalho dos onze e quase conseguir um autogolo. Se no caminho perdesse a bola, como normalmente acontece, seria mais um contra-ataque bem perigoso do adversário.

Pelos vistos com a saída de Bruno Fernandes deixou também de haver definição sobre quem marca livres e penáltis: fica à mercê de quem agarra na bola com mais força.

Enfim, que bom seria se a temporada acabasse já. Mas ainda falta muito. O Braga (terceiro com mais um ponto) realmente descobriu um magnifíco treinador que de parecido com Silas tem a falta de habilitações mas conseguiu em pouco tempo transformar aquela equipa que entrava para perder fora de casa contra os grandes e ganhar cinco vezes seguidas aos mesmos, o Rio Ave (quatro com manos três pontos) e o Guimarães (sétimo com menos oito) jogam bem e são adversários a considerar na luta pelo pódio. 

E voltamos também à questão de andarmos a emprestar e vender jogadores a clubes que acabam por competir connosco por posições importantes no acesso às competições europeias: Palhinha e Esgaio no Braga, Dala e Mané (que ontem teve azar no remate que daria a nossa derrota) no Rio Ave. Dá que pensar, de facto.

SL

Uffff......é demais!!

Já aqui escrevi, mais do que uma vez, que não se compreende como a equipa dá sempre meio-tempo de vantagem às equipas contrárias. Com raras exceções, nunca entramos em campo com vontade de arrumar o jogo, impondo uma dinâmica forte, e remetendo as equipas contrárias à defesa. Corremos sempre atrás do prejuízo, e depois quando queremos, às vezes já é tarde, não conseguimos, e sofremos...sofremos...sofremos ...ufff é demais. As primeiras partes são sempre dóceis, sem correr muito, lateralizando uma vez e mais outra, passando de jogador para jogador, esperando esperodicamente uma falha da equipa contrária para chegar à baliza contrária. Hoje o primeiro remate foi feito aos 16m, com um remate de Bruno César que bate num defesa contrário. Antes já o Tondela tinha chegado à nossa baliza por algumas vezes e algumas delas com relativo período. Não era necessário tanto sofrimento. Bastava a equipa perceber que aquilo que faz nas segundas partes, começe a fazer a partir do momento que o jogo se inicia. Sim, foi com garra, com vontade, com espírito de sacrifício, mas ....por favor, tenham mais vontade de resolver os jogos logo na primeira parte.Os sócios já estão a sofrer de mais. Uffff

 

Estou irritado, pois claro que estou


Sporting conquistou o terceiro troféu nacional (a seguir ao campeonato e à taça) e – algo infantilmente – parece que falar do óbvio dá azar. E o óbvio é que a jogar assim dificilmente ganhará outro. A equipa está fatigada e nota-se muito stage fright. Ninguém parece querer assumir a responsabilidade agora que o diabinho Gelson está K.O. Tivesse Couceiro mexido mais cedo e encostado os nossos centrais lá atrás e hoje estaríamos a chuchar no dedo. A diferença de investimento nos plantéis é hilariante e mesmo assim só ganhamos ao penúltimo nos penalties, que não sendo lotaria, também não são mecânica dos fluídos como JJ quis fazer crer. Aliás o seu pequeno outburst sobre aqueles que duvidam que William saiba marcar penalties não me comove e acho que (a ser verdade) que tem garantidos 250 mil euros pela conquista da taça deve pelo menos fazer um desconto ao clube pelos miseráveis primeiros 45 minutos, nos quais levou um baile tático e estratégico do Vitória.
Bruno de Carvalho é quem menos merece estas exibições e este modo de ganhar assim meio coiso. Tem feito tudo pelo plantel, tudo pelo clube, nunca esquece os adeptos. Merece este troféu. Mas tenho a certeza que também ele se lembra que em 180 minutos apenas marcámos de penalty e que (ao contrário de anos e anos e anos) temos tido uma sorte incrível: ainda ontem o Setúbal podia ter marcado o segundo no início da segunda parte. Enfim, já passou, parabéns ao adeptos que estiveram em Braga, sempre com a equipa e parabéns ao staff e jogadores.

Bonito é metê-la lá dentro

Alguns colegas e amigos, integrando o temível "tribunal de Alvalade", extasiam-se com o "futebol bonito" que vêem das bancadas, celebrando o mérito deste ou daquele jogador capaz de fazer determinada revienga ou sempre pronto a baralhar um adversário com uma daquelas fintas dignas de provocar aplauso.

Eu também não fico indiferente ao tal futebol "rendilhado" que tanto empolga esses meus amigos. Mas para mim jogar bonito é metê-la lá dentro. Quanto mais vezes, melhor. E quanto mais cedo, muito melhor.

Espero que isso suceda logo, a partir das 19.30, no jogo da apresentação da equipa aos sócios e adeptos, frente ao Mónaco treinado por Leonardo Jardim.

Para ovacionar jogos florais, tenham paciência: não podem contar comigo.

Bater no ceguinho

Para que conste, eu também não gostei da segunda parte de ontem.

No entanto parece-me que a equipa teve sempre o jogo controlado e só por manifesto azar de um lance fortuito o Arouca poderia eventualmente marcar.

Nesta altura do campeonato, em que não se esperariam escorregadelas dos dois da frente, o treinador deveria estar a entrosar os mais jovens na equipa, mas como a esperança é verde e sempre, dizem, a última a morrer, Jesus começa a encarar estas últimas jornadas como uma possibilidade, ainda que remota, de chegar pelo menos ao segundo lugar.

Quem pode estar contra?

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D