Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Farto

Leio com espanto, na blogosfera leonina e na própria imprensa, que o Sporting ficou "afastado do título" anteontem à noite. Não é verdade. O Sporting disse adeus ao sonho de reconquistar o campeonato nacional de futebol há dois meses, a 2 de Fevereiro, quando foi perder ao Estoril, com o último classificado da Liga 2017/18.

Chegou lá em primeiro, saiu em terceiro. Despedindo-se não apenas do título mas da hipótese, ainda que remota, de aceder à Liga dos Campeões.

As coisas são o que são, não adianta varrer os assuntos incómodos para debaixo do tapete. Manda a mais elementar honestidade intelectual reconhecer estes factos. E apontar os responsáveis em vez de, bem à portuguesa, empurrarmos os problemas com a barriga.

Aqui há um responsável principal: é o treinador mais bem pago de sempre do futebol nacional, Jorge Jesus.

Por mim, estou farto. E não é de agora.

Factos em números

 

O Sporting está no restrito lote das seis equipas europeias que ainda disputam todas as competições.

 

O nosso percurso europeu nesta temporada já rendeu mais de 20 milhões de euros aos cofres leoninos.

 

Aconteça o que acontecer, bateremos o recorde de número de jogos disputados por uma equipa portuguesa numa só época: já vamos em 48 - vinte dos quais realizados em 2018.

 

As coisas são o que são

Bruno de Carvalho deu ao treinador todas as condições para ele atacar o título que prometeu aos sportinguistas. Todas. Não se poupou a esforços financeiros para satisfazer os pedidos - e até alguns caprichos - de Jorge Jesus.

Convém reconhecer, portanto: não é por culpa do presidente que o Sporting deixa de ser candidato ao título a nove jornadas do fim do campeonato. Após perder com Porto e Estoril. Após empatar com Porto, Benfica, Braga, Moreirense e V. Setúbal. Após vitórias tangenciais, quase por milagre, e prestações medíocres frente a essas potências futebolísticas chamadas Rio Ave, Belenenses, Tondela e Moreirense.

Há que prestar-lhe esta elementar justiça.

Factos


  • A melhor oportunidade de golo na meia-final de ontem foi do Sporting, naquele petardo do Coates, aos 64', que fez tremer o poste de Casillas.

  • O árbitro perdoou um penálti grosseiro e clamoroso de Danilo sobre Bas Dost logo aos 5 minutos de jogo.

  • Nuno Almeida perdoou ainda uma expulsão a Marega, que apertou o pescoço a Fábio Coentrão com manifesta agressividade e ficou impune.

  • Fomos mais competentes na marcação dos penáltis.

  • Estamos na final da Taça da Liga. O FC Porto foi afastado.

Sofrer um penálti aos 94 minutos

São jogos como este que nos fazem perder campeonatos. Falhando muito à frente, tirando o pedal do acelerador antes do tempo, "defendendo" o magro 1-0 e cometendo uma grande penalidade ao cair do pano.

Foi o que sucedeu esta noite no Bonfim: quase nada esteve verdadeiramente bem. E quando quase nada está bem encurta-se muito a distância para quase tudo ficar mal.

Um sonho tornado realidade

pavilhao[1].jpg

 

Um dia grande para o desporto português e para a cidade de Lisboa, um dia inapagável na história do Sporting. O dia de hoje, com a inauguração do Pavilhão João Rocha. Um sonho antigo da nação leonina tornado realidade pelo presidente Bruno de Carvalho, com o apoio firme de milhares de sócios e adeptos que não ficaram esquecidos neste empreendimento. 

Há que dar o mérito a quem é capaz de passar das intenções aos actos neste país onde sobram palavras e escasseiam obras. Agora que venham as enchentes. E as vitórias.

O elo mais fraco

Portugal é campeão europeu de futebol. Com um treinador português. 
Esta é a maior prova de competência dos jogadores portugueses e dos treinadores portugueses.
Há cinco anos que nenhum árbitro português está na alta roda do futebol internacional. Desde que Pedro Proença apitou os jogos dos títulos europeus de clubes e selecções - proeza inédita que o elevou ao patamar supremo da sua categoria profissional.
De então para cá, com outros protagonistas, tem sido sempre a descer. No Euro 2016 não houve nenhum português a apitar.
Daqui se conclui que o sector da arbitragem se tornou, em termos qualitativos, o elo mais fraco do futebol nacional. Os árbitros não podem portanto comportar-se como se fossem o elo mais forte. Porque não são.

Não se trata só de incompetência

O problema da arbitragem em Portugal não é apenas uma questão de competência. Prova: os profissionais do apito que até agora mais prejudicaram o Sporting nesta temporada são geralmente considerados os "dois melhores árbitros portugueses" - Artur Soares Dias e Jorge Sousa.

Ninguém lhes nega competência. A verdade, porém, é que ambos já nos retiraram pontos. Dois, no caso do primeiro, em Guimarães - transformando uma vitória leonina em empate ao validar um golo ilegal dos vimaranenses. Provavelmente dois, no caso do segundo, que fez vista grossa a um par de penáltis favoráveis ao Sporting numa partida que terminou com a vitória tangencial do Benfica na Luz.

Por mais que insistam, serei o último a chamar-lhes incompetentes. A verdade é que também a competência está sujeita ao erro. Resta exigir-lhes que não errem sempre para o mesmo lado.

Incomparavelmente melhores

«Os quatro anos de Bruno de Carvalho são incomparavelmente melhores que os quatro anteriores com Godinho Lopes e José Bettencourt. Não foi campeão? Quantos dos 25 presidentes leoninos o foram, no primeiro mandato, em 82 edições da prova? Nove. E nos últimos 50 anos apenas três em 11 (João Rocha, José Roquette e Dias da Cunha).»

José Ribeiro, hoje, no Record

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D