Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Casa cheia

adeptos2.jpg

O Sporting acaba de anunciar um encaixe record em termos de quotização que ultrapassou os 9M€, o que só pode querer dizer uma grande união dos sócios em torno do clube num ano marcado por eleições que reelegeram o actual presidente por uma esmagadora maioria de votos.

O que, numa temporada de relativo sucesso desportivo do futebol e das modalidades, deveria ter reflexo directo na ocupação do estádio e no pavilhão.

Mas a verdade é que casa cheia em Alvalade ou no João Rocha acontece raramente. Muitas vezes sucede ao contrário: uma casa desoladoramente vazia para a qualidade do espectáculo desportivo em causa. 

Falando com este ou aquele sócio, o que ressalta é o comodismo do sofá acompanhado por um conjunto de argumentos que apenas convencem os próprios. Falam em Covid e testes, falam nas saudades do tempo do outro e que detestam este, falam no preço dos bilhetes. Como se gastar 5€ para ir ver um Sporting-Porto em andebol, decisivo para a atribuição do título, fosse um roubo. Mais que isso gastam em bifanas e imperiais.

E quando a Direcção do clube tenta encher a casa oferecendo bilhetes ou abrindo os torniquetes, na prática está a dar uma mensagem negativa a quem regularmente lá vai e comprou bilhetes de época/Gameboxes para o efeito.

 

Centrando agora a conversa no estádio, a verdade é que tudo o que é acessibilidade tem vindo a degradar-se ao longo dos anos: espaços de estacionamento desapareceram, faixas de rodagem foram canibalizadas por inúteis faixas de bicicletas, as entradas /saídas da garagem continuam um filme de terror, o estaleiro a céu aberto perdura, vieram agora as obras do Metro piorar ainda mais a situação.

Dentro do estádio, cadeiras à parte, tudo está como dantes, sem espaços de restauração e/ou convívio decentes, com os sócios amontoados numa catacumba ao intervalo ou na bicha para os acanhados WC. A olhar para o chão quando saem de lá porque podem partir uma perna se esquecerem o degrau "taveira" ali existente.

O Alvaláxia continua na decadência, a cervejaria há muito fechou, metade das lojas estão encerradas, aguarda a clientela da urbanização que se irá construir em frente.

As roulottes lá continuam num passeio público com os clientes de bifana na mão espalhados pela faixa de rodagem.

 

Depois temos a situação nas bancadas. Se por um lado o Covid de facto afastou muita gente mais velha e rejuvenesceu bastante as bancadas, também pela atracção dos mais novos pelo título nacional alcançado, por outro o famigerado cartão de adepto apenas veio agravar a situação já complicada que atravessam as claques do clube. O que temos hoje é um conjunto de bandos sem controlo a insultar adversários, atirar tochas e rebentar petardos em diferentes pontos das bancadas, na maior impunidade e com o maior desprezo pelos restantes sócios, sem que a Direcção do clube faça seja o que for quanto a isso.

Para terminar, as horas a que têm decorrido os jogos em Alvalade, muitas vezes às 20h30, às vezes ao domingo. Isto, além dos problemas de acessibilidade atrás referidos, desmotiva muitos sócios que moram mais longe.

Assim não admira que as ocupações em Alvalade, sem comparar com números doutros tempos em que o que se ouvia não tinha qualquer correspondência com aquilo que se via, sejam muito inferiores ao desejável, e que bastante seja necessário fazer para que a casa cheia seja norma em Alvalade.

 

SL

Há VAR e VAR, há golo e não validar

Já não comemoro golos em Alvalade. Desde que há o VAR aquilo que é a bola entrar na baliza adversária deixou de ter graça.

Dizem que o vídeo-árbitro veio para colocar mais verdade no futebol. Mas veio também para estragar a festa aos milhares de adeptos presentes no estádio.

Quantas vezes gritamos a plenos pulmões golo, para cinco minutos depois vir o VAR (desculpem-me este trocadilho!) dizer que o marcador estava em situação de fora de jogo por um… pelo de barba.

Percebo que o VAR possa ajudar os árbitros nas decisões mais controversas, mas retirou ao jogo aquela alegria e espontaneidade que era assaz fértil no futebol.

Ontem não foi excepção. Se não foi no golo foi na decisão da grande penalidade. Muitos minutos perdidos até que saia, por fim, um veredicto.

É tempo de o VAR actuar de uma forma mais célere e mais assertiva de maneira a não haver tantas perdas de tempo.

Para bem do futebol e do espectáculo!

Domingo em casa mas não em casa

É naturalmente com tristeza que não estarei presente com a minha família no próximo e único jogo grande com público que teremos em casa, esta época, no campeonato.

Marcar jogos para o dia de natal às 20h30m, perdão, para o domingo de Páscoa às 20h30m, era algo que não acreditava possível quando comprei pelo 14.º ano a gamebox de sócio.

Devo confessar que têm sido muitas as involuções que senti na gamebox ao longo dos últimos anos - esquecendo a pandemia. Já foi uma forma de conseguir - com os convites oferecidos - trazer pela primeira vez a Alvalade mais de uma dezena de crianças, já foi forma de fidelizar os meus filhos na paixão leonina.

Ultimamente tem sido mais um pretexto de irritação e de tensão. Os exemplos tem sido vários, desde o aumento inusitado para as crianças há poucos anos, passando pelos recorrentes jogos no final de noite de domingo que impedem uma saudável partilha em família (em especial com crianças pequenas em idade escolar que iniciam a sua atividade pelas 8 da manhã de segunda) até à cada vez mais abstrusa relação entre os organizadores da Liga e os adeptos de que a marcação de jogos no fim de semana de Páscoa, incluindo o dia de Páscoa é só mais um exemplo.

A verdade é que a sensação de exploração do sentimento irracional de paixão pelo clube - os maluquinhos que vão ao estádio aguentam, aguentam - tem crescido para lá do que considero pessoalmente saudável.

Mas mais do que a situação própria do ciclo de vida de cada um, encanita-me andarmos há 19 anos com o estádio sistematicamente meio vazio. Fazer jogos ao domingo, na fase crítica do compeonato, para conseguir convencer 28 mil almas a apoiar a equipa, não pode deixar de ser um sinal de alarme para um clube, campeão em título, com a grandeza do Sporting. E se o grande Rubim até gosta - como alguém já me disse - tenha paciência mister, eu não gosto, não por sistema, por regra com uma ou outra exceção.

Não digo que tudo está mal mas muito, mesmo muito está profundamente errado na forma de cultivar a sustentabilidade da popularidade deste desporto. Algo que deveria preocupar tanto os que odeiam o "futebol moderno" quanto os que estão sempre com o "produto futebol" na boca.

Se houver algum interesse em passar a aproveitar melhor os 50 mil lugares haverá certamente um caminho - necessariamente de médio prazo - no qual o clube, os adeptos e a Liga deverão dialogar e acertar passo.

Continuar a fazer tudo da mesma forma, com ligeiríssimas mudanças desde 2003 está condenado a oferecer os mesmos penosos resultados. E ficamos agora a saber, campeões, que o problema não era, estritamente, a falta de títulos, não é verdade?

Entretanto, vem aí uma machadada no poder de compra de muitos e uma crise económica de duração incerta. A que se juntará uma nova época com um calendário suis generis. E há as comparações com a Bundesliga ou a Eredivisie para quem quiser deprimir...

Bom, a prosa já vai longa e pouco mais é do que um desabafo. Pela minha parte, tendo sempre comprado - com um ano de exceção - a gamebox de adepto e, depois, a de sócio, não será de ânimo leve que considero muito seriamente deixar de comprar gamebox para mim e para a família, rendendo-me ao jogo de impulso, à ida a Alvalade de forma mais conveniente e, certamente, menos irritada e tensa à conta da relação entre clube e detentor de lugar de época. 

O fundamental, no final de contas, é viver o Sporting com alegria e paixão. Se esta minha sensação é apenas mais uma consequência do "futebol moderno", alinho com os Supporting e com as claques... "Para o inferno..."

Viva o Sporting. Terá todo o meu apoio em direto do café central de uma aldeia do interior. Entretanto, em Alvalade, ficarão três lugares vazios.

 

P.S.: Na realidade os lugares poderão não ficar vazios mas serão outros leões a usá-los porque lhes emprestarei o lugar já que o clube, também nisso, não consegue encontrar uma forma dinâmica de ajudar na otimização do recursos que deveria ser escasso: um lugar em Alvalade.

Atualizado dia 14 de abril de 2022

É dia de jogo, toda a gente sabe que eu vou

22260883_6BtgO.jpeg

 

Pelos vistos será mais ou menos assim que ficará a zona envolvente do estádio José Alvalade e pavilhão João Rocha, mais as alterações decorrentes do projecto da "linha circular" do metro.

No que respeita ao próprio estádio, existe também um projecto de transformação, limitado por questões estruturais complicadas ou mesmo impossíveis de resolver, o fosso, as entradas e saídas do parco estacionamento, os écrans gigantes, do qual já vimos resultados avulsos e que se vai alargar a estádio e estacionamento num novo conceito estético, nas antípodas da "taveirada" inicial. 

Com tanta modernidade por todo o lado, não dá mesmo para entender porque não se pensa em terminar com as "roulottes" debaixo do viaduto do Campo Grande ou em cima do passeio na zona de Telheiras num cenário digno das antigas barracas da Praça de Espanha, e não se encontra um espaço condigno para criar uma "FanZone" onde, em dias de jogo em casa ou na do adversário, sócios e adeptos se possam juntar, se calhar em pé e à volta de mesas altas, abrigados do sol ou da chuva, com écrans de TV espalhados pelos cantos e até alguma animação musical. Onde as actuais "roulottes" e as cervejarias da zona tivessem também lugar numa linha de continuidade e de respeito pelos mesmos e pela memória histórica de sócios e adeptos. De acesso gratuito ou por um valor simbólico, de forma a garantir as melhores condições de funcionamento.

O Alvaláxia não tem condições para ser essa FanZone. Precisa de mais comércio permanente como o Lidl. As grandes cervejeiras estão ausentes por falta de rentabilidade, a restauração é forçosamente pobre.

Voltando à imagem acima, nota-se que depois da construção prevista continuará a não existir qualquer continuidade entre estádio e pavilhão, quase poderiam ser de dois clubes diferentes, e existe entre ambos um relvado sintéctico para o futebol infantil completamente desenquadrado de tudo o resto, penso que decorrente de contrapartidas com a Câmara Municipal de Lisboa aquando do projecto do pavilhão. Também não se vislumbra qualquer novo espaço para estacionamento, destruído que foi o antigo, agora ocupado pelo terminal rodoviário.

Porque não tratar com a CML da deslocalização do sintéctico e implantar ali a "FanZone" no meio duma alameda verde entre estádio e pavilhão, ou no limite ter uma "FanZone" "amovível" por cima do referido sintéctico, se possível com um estacionamento por baixo?

dia de Jogo,

Toda a gente sabe que eu vou

Andar nas rulotes e cafés

O Sporting apoiar no estádio a cantar

E p'ra semana cá estou outra vez

Quando chove a potes não vou às rulotes

O pão com chouriço o melhor é no Magriço

Na Ti Margarida minis já não há

Vou beber canecas para o Cantinho do Sá

E no Tip Top prato é no balcão J

á no Alameda marcha um prego no pão

É dia de derby, ouvem-se petardos

No bago de Arroz ou na cave do Leonardo′s

No final do dia no fim da ramboia

Bebo à baladiça no Difícil ou no Boia

É dia de Jogo,

Toda a gente sabe que eu vou

Andar nas rulotes e cafés

O Sporting apoiar no estádio a cantar

E p'ra semana cá estou outra vez "

 

SL

Onde parou a polícia?

De onde estava não consegui ver nenhum policia dentro do campo, quer fossem de presença, spotters ou de intervenção.

Perguntei a um steward, não me soube responder.

Enquanto isso bombeiros, fotógrafos e adeptos nas primeiras filas da bancada levavam com tochas a arder.

Suponho que a organização do jogo fosse da FPF.

Se calhar estiveram a ver o jogo no Jamor com uns croquetes e umas minis a acompanhar...

SL

O fosso

22232439_8ZzTK.jpeg

 

Segundo a Wikipedia, um fosso (do latim "fossa"), em arquitectura militar medieval, é uma escavação profunda e regular, destinada a impedir ou dificultar o acesso do agressor à linha de defesa de uma fortificação. A terra, retirada durante a sua escavação, pode ser utilizada para erguer muros de defesa. Conforme o tipo de seu preenchimento, pode ser "seco" ou "molhado".

No nosso estádio temos uma coisa desse tipo, que apenas dificulta o acesso dos sócios e adeptos ao jogo, uma ideia realmente estúpida de alguém que talvez sonhasse em fazer do estádio um palco de grandes concertos. E agora lá temos aquela coisa que não serve para nada mas da qual custaria muitos milhões vermo-nos livres. Se calhar mais barato ficaria implodirmos o estádio e fazermos um novo. 

No futebol português também existe um fosso. Dois compadres construiram uma fortaleza com duas torres altaneiras, foram partilhando títulos internos e milhões de participações externas, repartindo "padres", actuais e futuros, como nos drafts da NBA, infiltrando os órgãos decisores de ex-dirigentes e adeptos, colonizando outros clubes, implantando amigos e cartilhados em tudo o que é Comunicação Social, até com a pandemia Covid conseguiram montar uma Unilabs "à maneira". Tudo limpinho, limpinho, limpinho. Ainda temos hoje árbitros que são filhos ou familiares doutros que lá andaram nos tempos dos "quinhentinhos" e dos "cafés com leite". Sem hipóteses de "mijar fora do penico" e sempre prontos a uma ajudinha nos momentos críticos. 

E o castelo foi prosperando. Ganhar traz dinheiro, dinheiro traz capacidade de montar equipas competitivas, equipas competitivas trazem capacidade de ganhar. E quando estão com dificuldade, alguém amigo do castelo dá o jeito. E nas conquistas todos aparecem. Dos pedreiros aos juízes. Claro que sempre houve um ou outro momento em que as duas torres estavam tão distraídas uma com a outra que aconteceu uma entrada furtiva. Mas logo houve um tocar a reunir, no Rei dos Leitões ou noutro sítio qualquer. 

E depois o tal fosso. Qualquer um que não alinhasse não chegaria ao castelo, árbitro inconveniente ou clube que se armasse em independente podia ter a certeza que lhe corria mal a vida. Como correu ao Sporting, muitas vezes esteve quase a ganhar mas depois uma mãozinha dum árbitro, uma azia doutro, uns jogos que pareciam oferecidos a outros, uns jogadores que pareciam estar a jogar de camisola trocada. Como no ano passado em que Palhinha recebe um amarelo inacreditável antes do jogo com o Benfica e Gonçalo Inácio é expulso em Braga. Como naquele ano distante em que perdemos com o Porto em casa com o Manuel José como treinador e ele estranhou o rendimento dum ou doutro dos seus jogadores. Se calhar por isso nunca treinou o Porto. O tal fosso.

E ao dia de hoje o tal fosso ainda lá está, mesmo que bem mais pequeno do que já foi. O fosso existe nos orçamentos e valor dos plantéis daqueles dois relativamente ao nosso clube, nas arbitragens que nos castigam duramente (na B então é mesmo à descarada), nas equipas que contra nós parece que tomaram a poção do Astérix e que contra os rivais chá de cidreira, nos adeptos doutros clubes que parecem adeptos doutro rival. Ainda agora o Porto a perder com o B-SAD contou com um jogador da outra equipa que resolveu sair dali depressa e ir tomar banho, tal era a despreocupação com que entrava aos lances, e até conseguiu ter um jogador lesionado no banco para levar um amarelo e lesionado cumprir o castigo. Outro episódio dos "chitos" à moda do Porto.

Apesar dos títulos alcançados nas últimas três épocas, 1 CN, 1 TP, 2 TL, 1 ST, para muita gente influente aqui e ali o Sporting continua a ser o terceiro clube português, algures entre os dois maiores e o Braga. E sabem bem porquê. 

Por isso entendo que Frederico Varandas esteve muito bem na última entrevista em denunciar o tal fosso e apontar para a sua extinção, num momento em que, dos dois compadres donos das torres, um já saiu de cena vergado a um conjunto de acusações que envergonham qualquer um e o outro, pela idade que tem, já se julga inimputável e se calhar tem razão, vai ser a lei da natureza a decidir do seu destino.

 

#JogoAJogo

SL

Areia na engrenagem

Dentro das nossas quatro linhas, em boa verdade, os poveiros eram os favoritos para o embate da Taça. Se olharmos para a geografia do território nacional, a turma de Varzim estava muito mais preparada para transformar o futebol de 11 em futebol de praia.

Tendo o Sporting muito jogadores do tipo brinca-na-areia, porque dotados de uma técnica muito superior, controlar a bola, driblar, "sprintar" e travar a correria sobre terra seca é uma empreitada cuja técnica referida só atrapalha e prejudica - que o diga o Jovane Cabral.

Posto isto, é inaceitável que Alvalade apresente um relvado naquelas condições. Mais ainda quando este é um problema que se arrasta há anos. Já perdi a conta aos tapetes de relva que foram substituídos.

Temos um relvado que não está à altura das competições que disputamos e, mais grave, que prejudica e lesiona os nossos atletas. 

O problema, repito, é estrutural. O estádio foi mal projectado. O Sol não "banha" o terreno de jogo.

E também por isso considero de rir e de muito condenar que o sr. arquitecto Tomás Taveira ainda "amande" umas sentenças estéticas sobre a mudança da cor das cadeiras do estádio, ameaçando que poderia impugnar a decisão do clube , alegando possível incumprimento contratual e certa traição da sua obra. 

Se assim fosse ou se assim vier a ser com outras transformações que a direcção e os sócios vierem a decidir fazer ao Alvalade XXI sugiro que em primeiro lugar exijamos uma indemnização ao arquitecto pelo mau projecto que executou. Passava a ser ele a pagar os novos relvados e, ainda, nos intervalos dos jogos, passaria a fazer parte da equipa de tratadores que estão os 15 minutos da pausa a tapar buracos.

A porta da rua - e é do lado de fora

Texto de João Gil

cfef6445c3c3d8d001ec8fdc2e14ec42.jpg

Jordão, um Príncipe do Sporting

 

Com a participação baixíssima que houve na AG não admira que os militantes anti-actuais dirigentes do clube tivessem feito vingar algumas das suas posições. Num contexto mais largo e de maior representatividade contam pouco ou nada.

A lista de nomes foi aprovada. Apesar da minoria de participantes, houve uma maioria que aprovou a ideia e a mesma passou.

Apesar de tudo houve alguma separação de assuntos que não tinham por que ser misturados. Sendo o actual estádio convertido exclusivamente ao futebol, é uma boa lista de nomes. (...) Custa-me perceber, entretanto e como já li, como é que há sócios que votariam contra a lista de nomes aprovada, pela presença do nome de Jordão, um dos maiores futebolistas portugueses de todos os tempos, sportinguista desde menino, desde sempre e para sempre.

Só mesmo a ignorância sobre a personalidade, o passado, a história pessoal de Jordão justificam uma posição negativa relativamente à inclusão do seu nome numa das portas do nosso estádio.

Se Eusébio foi o King, Jordão foi um verdadeiro Príncipe do futebol português e do Sporting. Enfim.

 

Tenho pena que hoje o estádio José Alvalade só tenha portas para o futebol e já não tenha portas da maratona por não haver pista de atletismo, ou de ciclismo, onde pudéssemos honrar da mesma maneira um Carlos Lopes ou um Joaquim Agostinho.

No Sporting não faltam nomes para honrar, faltam portas para tantos atletas (m/f) grandes e merecedores da admiração dos Sportinguistas.

 

Para os alarves que insultam dirigentes e consócios em AG e que ainda tentam impedir a normal vivência democrática do clube é que só há uma porta onde merecem estar. A porta da rua - e é do lado de fora.

 

Texto do leitor João Gil, publicado originalmente aqui.

As portas do estádio

Quase metade dos escassos sócios presentes na última assembleia geral do Sporting votou contra a atribuição dos nomes das portas do nosso estádio a glórias do Clube. Estes nomes, em concreto: Damas, Hilário, Stromp, Jordão, Cinco Violinos, Yazalde e Manuel Fernandes

Uma medida que devia ter sido aprovada por unanimidade e aclamação acabou por passar à tangente no conclave leonino. Com 44,6% votos contra.

Questiono-me quais os nomes eleitos por estes que se insurgiram contra ídolos históricos do Sporting. 

Talvez preferissem que as portas passassem a chamar-se assim:

Porta 1 - Bruno

Porta 2 - Miguel

Porta 3 - Azevedo

Porta 4 - Gaspar

Porta 5 - De

Porta 6 - Carvalho

 

Já os imagino, eufóricos, batendo palminhas e dando pulinhos de satisfação perante tal cenário.

Coisa linda.

Os jogadores sabem que a paz neste clube custou-nos muito

Ontem voltei a Alvalade, não para o meu lugar de Gamebox mas para outro não muito distante.

A última vez que lá tinha estado foi em 8/3/2020, no primeiro jogo do Rúben Amorim ao serviço do Sporting.

Um jogo marcado por uma manifestação contestatária à porta, um ambiente crispado nas bancadas, uma irritação geral a que nem a vitória fácil e facilitada contra o Desportivo das Aves pôs cobro.

Depois o futebol parou, voltou, uma época acabou com o Sporting em quarto lugar, outra começou com o Sporting eliminado das competições europeias e terminou com o Sporting campeão nacional e uma viagem triunfal pelas ruas de Lisboa.

Outra entretanto começou. Os sócios e adeptos voltaram às bancadas, e o ambiente agora é completamente diferente, uma comunhão perfeita entre equipa e sócios e adeptos, uns a puxar pelos outros, as bancadas funcionam como o 12.º jogador que devem sempre ser. Obviamente com algumas questões a resolver, mas há uma grande paz, apesar de tudo, naquelas bancadas.

Para que essa paz fosse possível muito devemos a Rúben Amorim, o autor destas palavras: «Os jogadores sabem que a paz neste clube custou-nos muito.» Não nos esqueçamos disso.

Muito obrigado a todos.

E vamos ao que interessa. Muitos objectivos para conquistar este ano. Vamos a eles!!!

 

#OndeVaiUmVãoTodos

SL

Estou pronta para que comece (e corra bem)

O meu certificado só fica válido este fim de semana, por isso fiz teste, comprei bilhe... esperem, a ordem foi outra: comprei o meu bilhete quarta, ontem fui fazer o teste antigénio na farmácia, cujo relatório recebi ao fim do dia (negativo) e hoje vou ao jogo.

Volto hoje a Alvalade. Desde dia 8 de Março de 2020 que não vou "a casa". Foi dia de Sporting - Desportivo das Aves, foi dia de estreia de Amorim. Jogámos contra 9 e vencemos 2-0. Depois confinámos sem saber bem que esperar, fez-se o resto da época como se pôde. A seguir, 2020/21 correu bem, tão bem, à equipa de futebol do Sporting...

Hoje será dia de celebrar um regresso, um reencontro, duas taças e um campeonato! As horas não passam, só quero (e vou) lá estar. 

Que nos corra bem! 

Coisas que eu mudaria nas imediações do Estádio de Alvalade

2017-09-19.jpg

 

À medida que se vai conhecendo a "Cidade Sporting" verifica-se um muito melhor aproveitamento do espaço entre o estádio e o pavilhão João Rocha. No entanto, e a meu ver, a "Rotunda do Leão", na sua presente forma, deveria ser revista. Nem tanto pelos motivos que referi aqui: o tempo, e a gravidade, encarregar-se-ão naturalmente desse verdadeiro culto da personalidade que é uma das inscrições na estátua do leão.

Obviamente acho muito bem que exista uma estátua ao leão no exterior do estádio. Não estou a discutir os méritos estéticos daquela estátua em particular. O que eu contesto naquela estátua (além das inscrições laterais, ou pelo menos uma delas) é a sua colocação e a sua orientação.

Parece-me óbvio que qualquer estátua deveria ter a frente voltada para o exterior do estádio. Quem tirar uma foto ao enquadramento da estátua com o estádio só pode fotografar o traseiro do leão. Quem fotografar a estátua de frente ou de lado não apanha o estádio. Uma foto isolada daquela estátua não permite reconhecer o local. A isto acresce que o leão deve ser visto por quem chega ao estádio. Assim como está, ainda mais estando ao lado da garagem, aquela estátua funciona como uma despedida de quem sai da garagem do estádio. É isto que se pretende?

Falei em tirar fotografias. Qualquer visitante do estádio e do museu desejaria ter uma foto sua ao lado da estátua. Isso é muto difícil com aquela estátua, pelo menos com aquela configuração. Não há nenhum espaço pedonal ao seu lado. Quem tentar tirar uma foto ao lado da estátua arrisca-se seriamente a ser atropelado.

Haveria necessidade de colocar aquela estátua numa rotunda, com tanto espaço pedonal disponível entre o estádio e o pavilhão?

Aquela "Rotunda do Leão" é, sem tirar nem pôr, uma rotunda de província. Deve ter sido projetada por algum amigo do comendador Marta Soares.

Coisas que eu mudaria no Estádio de Alvalade (II)

Uma vez que o estádio está a ser alvo de (bem vindas) remodelações, eu espero que sejam removidas as faixas alusivas às claques existentes no topo sul, por trás da baliza de onde costumam surgir os petardos (simétricas das alusivas aos títulos que referi anteriormente nesta publicação). Não estou a defender a extinção das claques nem a discutir os seus apoios, mas elas não devem estar presentes de forma permanente no estádio, como se fossem entidades oficiais que fazem parte do clube. Não devem ter esse estatuto. As claques que façam as suas próprias tarjas e que as pendurem. As claques é que se devem adaptar ao estádio, e não o estádio às claques.

As cadeiras verdes

22074579_tcEe9.jpeg

 

A partir de 2 de maio, tem início o processo de substituição das cadeiras coloridas por cadeiras verdes, com algumas zonas a branco, para inclusão de lettering alusivo ao Clube.

Aspiração antiga dos Sportinguistas, a substituição decorrerá em duas fases e estará terminada em 2022.

Posso fazer um pedido? Podem repintar as escadas de um verde menos folclórico? Eu sei que o facto de o verde estar a cobrir o amarelo tem impacto na cor final, mas... é feio, pronto.

 

(imagem retirada da página do Sporting Clube de Portugal no Facebook)

Público em Alvalade

IMG_20190427_193853.jpg

 

Vejo a foto que ilustra este texto de Luís Lisboa e recordo com inveja os tempos em que o público cantava “O mundo sabe que”. Estes novos tempos, tempos esquisitos que vivemos, impedem que esse público não possa assistir, ao vivo, à brilhante época que o Sporting tem feito. Não vou repetir a pergunta de José Peseiro fez e que aqui o Pedro Correia deu eco, sobre se esses bons resultados seriam possíveis com público - principalmente aquele público -, vou tão só lamentar que esse mesmo público, aquele que verdeiramente gosta do Sporting, não possa aplaudir estes jogadores, esta equipa técnica, que merecem esses aplausos.

 

A foto inicial deste texto, foi tirada por mim no último jogo que assisti em Alvalade, a 27 de Abril de 2019 (Sporting – 2, Vit. Guimarães – 0).

 

P.S.- Pisco, amigavelmente, o olho a Pedro Oliveira para repetir que, felizmente, sempre que assisti, ao vivo, a jogos do Sporting só festejei vitórias.

Nem um passo atrás

portugal-e-espanha-empatam-a-zero-em-encontro-amig

Foto: Manuel de Almeida / Lusa

 

Sete meses depois, o estádio José Alvalade voltou a ter público. Não aquele público de que muitos de nós fazemos parte - com lugares cativos, bilhetes de época ou ingressos jogo a jogo. Mesmo assim, há que registar o facto. Com satisfação e até alegria. Porque foi vencida uma absurda barreira que tardava a ser levantada pela Direcção-Geral da Saúde, entidade que foi dizendo quase tudo e o seu contrário sobre a pandemia enquanto mantinha uma inabalável recusa de "desconfinar" os espectáculos desportivos, em particular o futebol. Enquanto autorizava viagens aéreas em voos lotados, o regresso dos concertos, das sessões de cinema, dos espectáculos teatrais, dos circos e das touradas, enquanto permitia manifestações e concentrações de rua promovidas por forças partidárias, movimentos cívicos ou grupos espontâneos de cidadãos, enquanto dava luz verde a eventos tão diversos como a Festa do Avante no Seixal, o concurso hípico de saltos internacionais em Esposende ou a realização do Grande Prémio de Fórmula 1 em Portimão.

Como se nós, aqueles que durante anos costumávamos ir à bola, ajudando assim a financiar os clubes e a promover o desporto como baluarte da saúde pública, estivéssemos marcados por uma espécie de capitis diminutio para efeitos de cidadania responsável: os burocratas de turno na DGS imaginam-nos como perigosos transmissores de vírus enquanto frequentadores de um estádio. Não num restaurante ou num hotel ou num comício ou numa plateia de rábulas humorísticas ou enquanto utentes de transportes públicos. Para estas luminárias, só o desporto (não motorizado nem centrado em provas hípicas) está empestado.

 

Há que saudar a Federação Portuguesa de Futebol por ter conseguido derrubar o tabu: de algum modo, os 2500 espectadores que ontem marcaram presença nas desguarnecidas bancadas do nosso estádio para assistir ao amigável Portugal-Espanha (que terminou sem golos) foram pioneiros. Antecipando um regresso à normalidade possível.

A partir de agora, nem um passo atrás. Aberto o precedente, a autoridade sanitária não poderá negar à Liga de Clubes aquilo que autorizou à Federação Portuguesa de Futebol. Os jogos com público deverão ser retomados a curto prazo. Com bilhetes nominais, intransmissíveis e disponibilizados on line a cada adepto devidamente identificado, além do escrupuloso cumprimento das normas em vigor: uso permanente de máscara, higienização das mãos, controlo da temperatura à entrada do recinto e lugares atribuídos de acordo com o distanciamento físico sanitariamente recomendado.

Sem mais desculpas esfarrapadas. Porque futebol sem público é futebol amputado. E uma sociedade que força pessoas saudáveis a permanecer em casa por prazo ilimitado é uma sociedade doente.

Vazio

estadio_0.jpg

 

O Sporting joga mais logo, a partir das 20 horas: recebe o Lask Linz em pré-eliminatória da Liga Europa. Sem um só espectador nas bancadas. 

O nosso estádio permanece interdito ao público para jogos do campeonato e das competições europeias, embora já não o esteja para os desafios da selecção nacional. Tudo em nome das mesmas normas sanitárias, com chancela da Direcção-Geral da Saúde.

Alguém entende isto? Eu não.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D