Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Ecos do Europeu (2)

uefa.jpeg

 

Ontem foi dia de entrada em cena, neste Europeu, de três jogadores que estão ou já estiveram ligados ao Sporting. 

Como se comportaram?

 

MORTEN. Foi titular pela Dinamarca na posição a que nos tem habituado no Sporting, como médio-centro, embora com maior propensão ofensiva - fruto do trabalho desenvolvido em Alvalade, onde é campeão. Esteve sempre muito em jogo contra a Eslovénia, acusando aqui e ali algum excesso de rispidez, o que lhe valeu o amarelo aos 49' (os árbitros têm poupado cartões neste Europeu). Teve um momento de manifesto azar quando a bola disparada pelo lateral esquerdo Janza tabelou nele e foi anichar-se nas redes: golão aos 77', antecedido de um petardo de Sesko (21 anos, Leipzig) que fez tremer os ferros da baliza. Substituído aos 89'. O jogo terminou 1-1: o tento dinamarquês foi marcado aos 17' pelo veterano Eriksen (32 anos, Manchester United) que emocionou o mundo ao cair em campo, no Euro-21, devido a uma paragem cardíaca. Recuperou, felizmente, e está em forma - como se viu pelo seu golo de requintada execução técnica, 1100 dias depois daquele susto que nos pregou.

 

SPORAR. Agora com 30 anos, titular no Panathinaikos, o antigo ponta-de-lança do Sporting foi o avançado mais posicional do onze esloveno neste embate com a Dinamarca em Estugarda, evidenciando as características que lhe conhecemos: anda perto do golo, mas concretiza pouco. Teve três ocasiões sem aproveitar nenhuma: aos 9' pecou por má recepção; aos 74' falhou emenda; aos 81', isolado, rematou à malha lateral. Nada de novo, portanto. Corresponde àquilo que recordamos dele quando passou no Sporting, onde quase não chegou a trabalhar com Rúben Amorim. Esteve época e meia, só marcou 11 golos em 38 jogos.

 

GUDELJ.  Titular na equipa da Sérvia que ontem à noite enfrentou a Inglaterra em Gelsenkirchen. Médio de contenção durinho, daqueles que podem deixar passar a bola mas não deixam passar o homem, foi amarelado aos 39' e já não regressou após o intervalo. Fazendo lembrar a pouca saudosa época de 2018/2019, em que alinhou por empréstimo no Sporting antes de transitar para o Sevilha, onde permanece, aos 31 anos. Mais em força do que em jeito, deu luta aos ingleses, que só marcaram uma vez, pelo astro-rei Bellingham, aos 13'. Sem imaginação ou arte para mais. Kane ainda cabeceou com força, mas a bola embateu na barra (77', com desvio in extremis do guardião Rajkovic). A vitória por 1-0 soube-lhes certamente a pouco.

 

Dinamarca, 1 - Eslovénia, 1

Inglaterra, 1 - Sérvia, 0

A ver o Europeu (16)

320 204.jpg

 

JOGO ÉPICO DA DINAMARCA

Futebol do melhor no Campeonato da Europa: aconteceu hoje, protagonizado pela selecção da Dinamarca, com uma segunda parte de sonho em que cilindrou a Rússia, goleando-a sem apelo nem agravo em Copenhaga.

De quase afastada, após duas derrotas (frente à Finlândia e à Bélgica), ascende assim ao segundo posto no Grupo B, transitando para os oitavos com todo o mérito.

Confesso que fiz questão em ver este desafio tão decisivo para os dinamarqueses torcendo por eles desde o primeiro minuto. Desde logo como homenagem ao malogrado Eriksen, o craque da equipa, vítima de uma síncope no jogo inaugural. E por sentir que a Dinamarca foi alvo de uma clara injustiça ao ter de prosseguir aquela partida tão traumática com todo o onze destroçado animicamente: aquela derrota contra a Finlândia, nesse dia específico, foi uma das maiores injustiças a que já assisti no futebol.

Mas os deuses da bola às vezes escrevem direito por linhas tortas, como esta tarde se confirmou. A Dinamarca venceu e convenceu: marcou quatro e sofreu apenas um, de grande penalidade. Dois dos seus golos foram extraordinários - do melhor neste Euro-2021. O primeiro, aos 38', apontado por Damsgaard, jovem extremo da Sampdoria, foi um tiro indefensável que fez levantar o estádio, cheio com 38 mil espectadores. E o terceiro, aos 79', parecia um míssil - disparado pelo defesa Christensen, outra das figuras da partida. Os restantes foram marcados por Poulsen (59'), aproveitando um monumental brinde da defesa russa, e Maehle (82'), coroando um rápido-contra ataque. Selava-se assim um jogo épico da Dinamarca: tenho a certeza de que nunca será esquecido.

 

Aproveitei para acompanhar mais de perto o desempenho de Daniel Wass, ala direito de 32 anos que actua no Valência e estará sob a mira do Sporting. Na partida anterior, em que recebeu um amarelo, nada fez que me despertasse a atenção. Desta vez merece nota positiva sobretudo por dois momentos: o centro milimétrico que fez aos 29' para um disparo de Hojbjerg, e um lance bem construído na extrema direita, aos 54'. Mas confesso que nada vi de extraordinário: Porro e Esgaio, pelo menos estes, são superiores.

Aos 61', Wass foi substituído: já não estava em campo no melhor período da sua equipa. 

 

.........................................................................

 

Enquanto esta partida decorria, em Sampetersburgo disputava-se o Bélgica-Finlândia, outra partida do Grupo B. Já com os belgas qualificados mas sem facilitarem: dominaram por completo, remetendo os finlandeses ao seu reduto. 

A terceira vitória consecutiva belga neste certame foi natural. Já escrevi e reitero: estamos perante um potencial vencedor do Europeu. Menos natural foi vermos um excelente golo anulado por intervenção do vídeo-árbitro, aos 65': assistência de De Bruyne desmarcando Lukaku e este a fuzilar as redes. Ninguém entendeu a alegada deslocação que as imagens não comprovam. Merece alerta máximo: o absurdo critério do fora de jogo milimétrico anda a matar o futebol de ataque.

Mas aqui os deuses da bola voltaram a intervir. Após um autogolo do guardião Hradecky (74') na sequência de um canto, a dupla imparável voltou a dar nas vistas quase numa réplica do golo anulado: De Bruyne assistiu, Lukaku marcou. Fixava-se o resultado aos 81'.

Desta vez valeu.

 

Dinamarca, 4 - Rússia, 1

Bélgica, 2 - Finlândia, 0

A ver o Europeu (6)

320 204.jpg

 

A REVOLTA DE SCHMEICHEL

Na linha do que ontem escrevei aqui, contestando a inconcebível decisão da UEFA de retomar o Dinamarca-Finlândia mesmo depois de Eriksen ter sofrido uma síncope em campo, o nosso bem conhecido Peter Schmeichel - campeão pelo Sporting em 2000 - também não poupou palavras. Com a autoridade acrescida que lhe assiste, enquanto campeão europeu em 1992 como guarda-redes titular da selecção do seu país. 

«Foi uma decisão ridícula da UEFA. Eles deveriam ter assumido uma opção diferente e revelado alguma compaixão, ao contrário do que fizeram», criticou Schmeichel. Revolta que bem percebo, palavras que justificam todo o meu aplauso.

«Os jogadores quebraram, vários estavam emocionalmente destroçados, foi uma experiência traumática», confessou entretanto o seleccionador dinamarquês, Kasper Hjulmand. Um cenário bem compreensível. Aquele jogo (que terminou com a vitória da Finlândia por 1-0) nunca devia ter sido concluído ontem, escassas duas horas após Eriksen ter sofrido a paragem cardíaca que esteve prestes a roubar-lhe a vida com o mundo inteiro a ver.

A ver o Europeu (3)

320 204.jpg

 

DRAMA NO RELVADO

Houve drama no relvado, felizmente sem tragédia. Mas todos nós, os milhões que acompanhávamos as imagens pela televisão, chegámos a recear o pior. Decorria o minuto 43 do Dinamarca-Finlândia quando o astro da selecção anfitriã, Christian Eriksen caiu subitamente, perdendo os sentidos. Aparentemente fulminado por uma síncope.

Prontamente assistido pela equipa médica, que lhe terá salvo a vida, o craque do Inter - que recentemente se sagrara campeão em Itália - saiu em maca cerca de um quarto de hora depois, coberto por lençóis. Com os seus colegas destroçados - e muitos rivais também. Uns choravam, outros rezavam.

Nada deixava antever este momento tão dramático. Logo aos 18', Eriksen fez um excelente remate em arco à baliza finlandesa, forçando o guarda-redes a uma defesa muito difícil. Depois encarregou-se de marcar quatro pontapés de canto, todo bem executados.

 

Este jogo inaugural do Grupo B do Euro-2021 foi suspenso. E devia ter sido adiado: não fez sentido retomá-lo quase duas horas depois, apesar do gesto bonito da selecção finlandesa aplaudindo os dinamarqueses no momento em que regressaram ao relvado, obviamente cabisbaixos.

O resultado era o que menos interessava, perante o sucedido, mas a Finlândia acabou por ter sorte no meio de tanto azar: venceu tangencialmente o onze favorito nesta sua estreia absoluta na fase final de uma grande competição.

Merece parabéns. E a UEFA merece uma sonora vaia por ter posto a ganância do lucro à frente da sensibilidade e da compaixão.

 

Dinamarca, 0 - Finlândia, 1

{ Blogue fundado em 2012. }

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D