Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Temos uma equipa que quer ser a maior

Texto de Ambrósio Geraldes

DOC.20201101.29937806._O7I1325.jpg

 

Vamos surpreender imensa gente, mas algo deixa-me sempre de pé atrás: o nosso clube vacila constantemente quando é o centro das atenções, quando se criam expectativas muito elevadas. Parece que algo nos faz ceder sempre nos momentos mais importantes. Um dos exemplos mais importantes foi o primeiro ano de [Jorge] Jesus: tropeçámos no momento em que não o podíamos fazer...

 

Contudo, vários factores podem dar-nos a vantagem de ficarmos longe dos holofotes:

1 - O nosso míster pouco se importa com o que diz a imprensa. (...) Mostra-se um treinador sóbrio, que não vai em euforias nem em depressões. Este é o primeiro passo.

2 - Por outro lado, o míster Rúben Amorim não chama a si as luzes da ribalta. Diz o que tem a dizer sem show-off, discreto. É o que precisamos: além de calmo, [ele é] alguém que faz o seu caminho na sombra, sem que se faça notar.

3 - Isto só se torna imensamente mais fácil porque na mesma cidade, do outro lado da estrada, está um senhor que adora a atenção, não vive sem isso! Metade do trabalho que referi é feito pelos nossos vizinhos: é o plantel que é incrível e tem os melhores de Portugal, é o presidente que sabe tudo, é o treinador que é dos melhores do mundo e não veio para ganhar este campeonatozeco. Tanto assim é que se calhar nem o vai ganhar...

 

Mas eles que pensem que sim, eles que continuem a dar espectáculo e encher capas de jornais, que continuem a ser os mais e os maiores! Nós ficamos melhor sabendo que ninguém nos dá nada.

Enquanto eles têm um onze cheio de craques, nós temos uma equipa. Eles têm jogadores e treinadores que são os maiores, nós temos uma equipa que quer ser maior e que quer ser a maior. É isto que me faz acreditar!

 

Agora, temos de apoiar a equipa, dizer presente, sem chamar a atenção. Deixem-nos correr por fora, que ficamos melhor assim.

 

Texto do leitor Ambrósio Geraldes, publicado originalmente aqui.

Da sabedoria popular: "As cadelas apressadas parem os filhos cegos."

Estamos na frente à condição e não fora o descarado roubo de igreja no jogo em casa com o Fruta Clube do Porto, estaríamos com mais dois pontos, o que nos permitiria estar na frente invictos, fosse qual fosse o resultado de mais logo daqueles vizinhos pouco recomendáveis.

Esta posição na tabela entusiasma, tal como o futebol que ontem, repito, ontem, foi praticado. A equipa tem funcionado como isso mesmo, uma equipa e que apesar de em valores individuais ser claramente inferior (por enquanto), funciona mais como bloco solidário e menos sob a dependência de um ou outro virtuoso do passado recente.

Está tudo bem e já somos campeões? Nada, longe disso! Fazendo parte do nosso ADN acreditar e entrar em euforia sempre que os resultados são mais animadores, convém não esquecer que temos no grupo de jogadores três defesas, os que têm sido titulares, um pouco mais que mediano e dois ao nível da segunda liga e não temos um ponta de lança matador. O Sporting ontem rematou um ror de vezes (nem escrevo aqui o número de remates enquadrados para fazer quatro golos, por vergonha) e apesar do homem do jogo ter sido o GR do Tondela, ou por isso mesmo, o jogo acabou em apenas 4-0. Dir-me-ão que sem criar oportunidades não se marcam golos... pois bem, e desperdiçando tantas oportunidades podem-se perder jogos!

-Olha ele a dizer mal outra vez! Não, pela primeira vez esta época estava calmamente no sofá a ver o jogo com a convicção de que cedo ou tarde "elas entrariam lá dentro", só ficando chateado por o cântaro ter ido demasiadas vezes ao poço e de água, nada. Ou muito, de tanta que metemos...

Resumindo, não fomos assim tão incompetentes no jogo com o Gil Vicente, que acabámos por ganhar com folga, mas que corremos o risco de não ganhar e não fomos tão competentes ontem em que "espetámos" quatro ao Tondela e onde nem os deixámos "levantar os pés do chão".

O nosso PL demorou uns longos quase noventa minutos (se contarmos o tempo extra, mais de 90 minutos) para marcar um golo, apesar de até ter feito um bom jogo, o que demonstra que se quisermos ser mesmo competitivos, em Dezembro teremos que ir às compras e garantir uma bela dupla de centrais que não tenham o cú pesado como o Coates, que ontem apenas por 11 cm não foi o causador de mais um golo adversário e que tenham alguma qualidade a defender e a transportar a bola e que, se não for pedir muito, marquem um golito ou outro num canto ou livre e um verdadeiro ponta de lança matador, daqueles de "cada tiro, cada melro", aproveitando-se para tentar vender todo o entulho que por lá ficou (eu espero sinceramente que tenham continuado a trabalhar no assunto...).

Custa-me escrever isto e abomino que se vá propagando a ideia de que o Sporting é a surpresa do campeonato, a equipa sensação. O Sporting terá que ser sempre uma grande equipa, equipa sensação será o Braga, o Guimarães, o Rio Ave, etc. sem desprimor por estes clubes, que por uma vez podem estar na mó de cima. O topo é o nosso lugar, é por lá que deveremos andar sempre. Este ano e depois da miserável época anterior, sem embandeirar em arco, acreditando na equipa e no seu desempenho, apoiando sempre, mandando uns berros ao Coates de vez em quando (falo por mim mas faz parte, no final somos todos amigos). E apreciando o trabalho do treinador que creio, loucura do valor da sua contratação à parte, se revelará uma peça fundamental nesta equipa e no seu desejado êxito e que teve, pasme-se, a frontalidade de afirmar que o que os jornais dizem é mais aldrabice que outra coisa, portanto que "caguemos" no que eles escrevem. E isto "passou como cão por vinha vindimada". Bom sinal.

Bom, mas esqueçam tudo o que eu escrevi, este ano é que é c...!

Decidam-se

Andavam por aí aos gritos porque o Sporting tinha de apostar nos jovens.

Quando o Sporting aposta decididamente nos jovens, andam por aí aos gritos a clamar por gente com mais experiência no onze titular.

Decidam-se de uma vez. Vão lá arrumar ideias. Talvez assim consigam defender seja o que for com um mínimo de coerência.

Bons rapazes


O incrível golo de Pedro Mendes é seguido de um tipo a festejar sozinho. Durante o que me pareceu uma eternidade, o jovem jogador está sozinho no que terá sido um dos momentos mais felizes da sua vida (digo eu). Finalmente, dois ou três colegas lá lhe dão um tapa de felicitações, mas é um golo que não é festejado em equipa. Talvez Bruno Fernandes, o capitão, possa fazer alguma coisa pelo grupo fora das quatro linhas.
O jogo de ontem é o resumo do meu sportinguismo neste século. Expectativas, vamos a eles, hoje é que é, golos estúpidos sofridos, alguns repetentes, um ou outro golito nosso e no fim um mau resultado. Com exceção de fases de JJ e do Sporting aborrecido de Paulo Bento tem sido assim desde Boloni, João Pinto e Jardel.
  

Ninguém acertou

A verdade é esta: houve muitos palpites, mas ninguém - mesmo ninguém - conseguiu adivinhar qual seria o onze que Marcel Keizer disporia em campo na Supertaça de má memória, disputada no passado domingo.

E não foi por falta de tentativas, como aqui se comprova.

O que talvez ajude a explicar como é que este triste Sporting do início da época 2019/2020 continua sem visível fio de jogo: custa muito antecipar o onze titular, que está longe de se encontrar estabilizado a três dias do pontapé de saída do campeonato. O que vemos decorridos sete jogos, traduzidos em quatro empates e três derrotas? Uma equipa com notórias fragilidades defensivas, muitas lacunas de ordem táctica e deficiente condição física.

Nada auspicioso, convém reconhecer. Sem palas nos olhos nem a cabeça enterrada na areia.

Ninguém adivinhou

A questão tornou-se irrelevante, mas queria apenas assinalar aqui que Marcel Keizer foi novamente capaz de surpreender os adeptos com a convocatória anunciada para o Sporting-Villarreal: face ao repto que lancei aos leitores, desafiando-os a anteciparem o onze titular, nem um foi capaz de vaticinar quem alinharia de início.

Aqui para nós, mais valia alguns desses jogadores não terem calçado. Começando por Bruno Gaspar (que cedo se lesionou) e Petrovic. Mas isso agora não interessa nada. Há que pensar já é no jogo contra o Braga.

Qual será o onze titular?

Eis os jogadores que Marcel Keizer convocou para o jogo de hoje, em Alvalade, contra o Villarreal para a Liga Europa:

 

Guarda-redes

Renan, Salin

Defesas

Acuña, André Pinto, Bruno Gaspar, Coates, Ilori, Ristovski

Médios

Bruno Fernandes, Gudelj, Miguel Luís, Petrovic, Wendel

Avançados

Bas Dost, Diaby, Jovane, Luiz Phellype, Raphinha

 

Lanço a partir de agora o repto aos leitores: na vossa opinião, qual será o onze titular escolhido pelo técnico holandês para esta partida, que tem início às 20 horas?

Professor Marcel

1200px-Marcel_Keizer.jpg

 

O treinador do Sporting conseguiu surpreender tudo e todos com o onze inicial que escolheu para a primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, no estádio da Luz. De tal maneira que, apesar das muitas sugestões aqui registadas após ter sido divulgada a convocatória, nem um só leitor do És a Nossa Fé foi capaz de antecipar qual seria o elenco leonino que acabou por entrar em campo. 

Eis um ponto favorável a Marcel Keizer: tendo sido capaz de iludir quem aqui comenta, provavelmente surpreendeu também os responsáveis técnicos do SLB. Seria quase tudo perfeito se não tivéssemos perdido esse jogo.

Apanhar o comboio em andamento.....

A propósito daquilo que começa a aparecer nos órgãos de comunicação, no sentido de apelar à destituição do Presidente Varandas, e de uma concentração junto a Alvalade no final do jogo de hoje, apelo esse feito por aqueles que têm a memória curta e que ajudaram a que hoje estivéssemos a atravessar este período bastante conturbado, relembro que, da equipa que iniciou o jogo no domingo passado, todos os jogadores foram contratados, fora da época de Varandas, que só leva 150 dias de mandato. Esses jogadores ou foram escolhas de Bruno de Carvalho ou de Sousa Cintra. Tenhamos serenidade e julguemos as pessoas com racionalidade e bom senso. É fácil imputar as culpas aos outros, quando às vezes nos esquecemos da história recente.

 

Qual será o onze titular?

convocados-luz.png

 

 

Está divulgada a convocatória para o clássico da Taça de Portugal que vai disputar-se daqui a umas horas no estádio do SLB. Uma convocatória com algumas originalidades - desde logo por incluir três laterais esquerdos (Acuña, Borja e Jefferson) e apenas dois médios com características ofensivas (Bruno Fernandes e Wendel).

A partir deste conjunto de jogadores, lanço o repto aos leitores: qual deve ser o onze titular do Sporting?

Cambada de imbecis

GettyImages-10117019841_770x433_acf_cropped[1].jpg

 

Temos um plantel cheio de lacunas (um dos mais fracos laterais direitos da nossa última década, um lateral esquerdo adaptado à posição, só um ponta-de-lança digno desse nome, nenhum médio defensivo de raiz no onze titular). Na quinta-feira, em Alvalade, actuámos com dois jogadores vindos de lesão e sem o nosso melhor elemento, ausente por castigo.

Já jogámos esta época em três dos quatro estádios dos adversários mais fortes: falta-nos apenas ir ao Dragão.

Mesmo assim seguimos, isolados, no segundo lugar do campeonato, continuando a depender só de nós. Vencemos nove dos dez jogos disputados sob o comando do novo treinador.

 

Alegria entre os adeptos? Quase nenhuma.

Li o que se foi escrevendo por essa blogosfera leonina e pelos adeptos do Sporting nas redes sociais e fiquei com a sensação de ter visto um jogo diferente do que viram. Refiro-me ao que travámos na quinta-feira frente ao Belenenses SAD, que já venceu o Benfica, encostou o FC Porto às cordas e chegou a Alvalade com nove dos 11 jogadores titulares poupados pelo técnico no desafio anterior, para a Taça da Liga.

Renan? É frangueiro. Coates? Mais lento que William Carvalho (antigo alvo de estimação). Acuña? Tem paragens cerebrais. Gudelj? Só sabe jogar para trás. Miguel Luís? Demasiado inexperiente. Diaby? Nunca devia ter vindo.

Quem ouça ou leia estas carpideiras fica com a sensação de que o Sporting perdeu ou foi até goleado pela turma da SAD pasteleira treinada por Silas. Nada disso: vencemos, amealhámos mais três pontos, somamos 36 em 14 jornadas do campeonato.

 

Típica nota de masoquismo sportinguista: faz parte da nossa identidade, este péssimo costume de dizer mal de tudo quanto é nosso.

Mas o que eu acho mesmo imperdoável é verificar que - uma vez mais - centenas de alegados adeptos leoninos vaiaram neste jogo mais recente esse grande jogador que é o Nani. Filho da casa, formado entre nós, campeão europeu em título. Um dos mais inteligentes e experientes profissionais de futebol a actuar em Portugal.

Assobiam-no em vez de o aplaudirem por terem o privilégio de vê-lo actuar ao vivo - e ainda dizem ser do Sporting. Cambada de imbecis.

Estamos a jogar à bola

Mesmo que o texto não fale de boxe e sim de futebol, mesmo assim, o título não é redundante. Porque não era nada claro que num passado recente jogássemos à bola. Nesse tempo, exasperantemente, os nossos limitavam-se a dar umas corridas sobre a relva atrás da bola. Na dita lá iam dando  uns chutos mas sem convicção e, como se não bastasse, sem direcção, invisíveis que eram as linhas de passe, incapazes que eram os jogadores de as inscreverem, mergulhados que estavam na profunda inércia. E metê-la na baliza adversária, claro, era um custo. 

3 jogos 13 golos é um rácio que dá ânimo mas também esperança numa época que, afinal, nos poderá sorrir. Sorrir, aliás, é o que hoje fazem os nossos em campo. Alegres, bem na pele técnica e tática de Keizer.

A equipa respira saúde. Joga para ganhar e ganha. E isso é mesmo jogar à bola.  

O que é isto?

A minha explicação é que eles agora comem bifes mal passados, os banhos de imersão foram a reduzidos a um máximo de 3 por semana e a videoteca está mais provida de filmes do Jet Li. Há também novos jogadores que ainda não tínhamos visto, o Wendel, o Gudelj e o Diaby e um Bruno Fernandes que está mais Pirlo, o que só lhe fica bem. Não consigo imaginar outra teoria para a formidável metamorfose a que estamos a assistir. É para durar?

Se a coisa começar mal

Já há desculpa.

Diz o CM que os jogadores que rescindiram e que regressaram, mais o Acuña, estão preocupados com o hipotético regresso de Bruno de Carvalho ao clube.

Esta notícia traz a novidade interessante de não haver cláusula "anti-Bruno" nos contratos dos regressados, o que, a ser verdade, marca pontos a favor de Sousa Cintra. O CM já sabe que a lista de Bruno de Carvalho não será aprovada, o que não é grande furo porque até eu sei que não, mas que a simples aceitação da candidatura está a gerar instabilidade no plantel.

Ó senhores, a sério?

Hoje giro eu - Equipa da Jornada (5)

Esta é a minha equipa da 5ª jornada do campeonato nacional:

 

Charles (Marítimo)

Bebeto (Marítimo)

Abarhoun (Moreirense)

Vasco Fernandes (Vitória FC)

Alex Telles (FC Porto)

Fábio Pacheco (Marítimo)

Bruno Fernandes (SPORTING)

Miguel Cardoso (Tondela)

Ryan Gauld (Aves)

Rincon (Vitória SC)

Bas Dost (SPORTING)

Antes que comece… a sério!

Provavelmente o que vou aqui escrever poderá ser uma afronta a muitos adeptos, mas tal não me preocupa pois é a ideia que tenho e pronto… fico-me por aqui!

O fenómeno BdC teve o seu momento áureo que, entretanto e por culpa própria, já se desvaneceu. Creio, portanto, que seria fantástico que o Presidente se resguardasse mais e não desse para todos os peditórios que lhe aparecem pela frente. Eu sei que por vezes torna-se difícil, mas há que ter uma postura mais sóbria. O que não é a mesma coisa de sombria…

A parceria de BdC e JJ pode parecer aos olhos de muitos perfeita, só que em resultados desportivos esta dupla deu-nos… uma supertaça. Somente.

Entretanto a cada época que passa olho para o nosso plantel e vejo cada vez menos qualidade. As “paletes” de jogadores que chegam não significam “paletes” de qualidade. Note-se que do ano passado ficou um jogador: Bas Dost. O resto… parece refugo (Castaignos, André Filipe, Douglas, Campbell e muitos outros).

Custa-me ainda mais esta filosofia quando vejo jogadores da Academia a partirem para reforçarem outros clubes enquanto se continua a comprar jogadores estrangeiros de qualidade muito duvidosa e em condições físicas, no mínimo, deploráveis.

BdC e JJ, se lerem este texto, podem pensar que estou a dizer imbecilidades sem qualquer sentido. Mas chamo à atenção do seguinte: não fui eu que no discurso de vitória das últimas eleições no Sporting afirmei que o nosso clube seria campeão na próxima época. Quer queiram quer não, esta última promessa perdurará nos ouvidos dos sócios e adeptos por toda a época.

Para a semana inicia-se o campeonato. O Sporting vai dar o pontapé de saída na Liga 2017/2018 e por isso acho bem que Jesus se municie dos melhores e se deixe de merdas e experiências, ao colocar jogadores fora dos sítios onde normalmente gostam de jogar. Não devem ser os jogadores a adaptar-se às tácticas de JJ, mas este a aproveitar o melhor de cada atleta para benefício da equipa. É para isso que serve essencialmente um treinador: perceber o que há de melhor em cada jogador e usá-lo em prol de toda a equipa. Tudo o resto é fantasia.

Portanto, não me preocupa ganhar um jogo em cada três enquanto estamos no defeso. Preocupa-me o que se irá passar a partir da próxima sexta-feira. Aí é a doer e Jorge Jesus tem, nesta altura, muito pouca margem de manobra.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D