Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Um atroz ensurdecedor silêncio

A puta* da aparelhagem pifou?

Não há um recadinho a dar aos sócios e adeptos?

Está tudo bem em Alvalade?

Não se passa nada no Sporting?

Já estão a escolher o sucessor de Silas?

Já informaram da ementa para o camarote para Quinta-feira?

Não têm vergonha na cara?

Algum decoro, também não?

Precisam de um empurrãozinho?

 

* Não confundir com a gala, p.f.

Futebol? Fácil, fácil...

Até ao momento, Frederico Varandas já teve duas intervenções no mercado de transferências. Obviamente que existe uma pesada herança relativa à rescisão de jogadores, mas na maior parte dos casos, o clube acabou por chegar a acordo com os clubes que receberam os atletas, sendo parcialmente ressarcido. Se é verdade que não conseguiu obter as receitas que hipotéticas vendas poderiam ter significado, face ao valor dos atletas em causa, não é menos verdade que não é hoje intelectualmente honesto queixarmo-nos que saíram a custo zero. A soma obtida com Rui Patrício, William e Gelson supera os 50 milhões de euros e nada nos garante que caso tivessem continuado no Sporting, algum estivesse livre do infortúnio, como aconteceu por exemplo a Battaglia.

A um mês da abertura de nova janela do mercado de transferências, deixo abaixo uma lista de entradas e saídas de jogadores, da responsabilidade de Frederico Varandas e sua equipa. O resultado é confrangedor, para alguém que, é preciso recordar, foi eleito graças à promessa de ser um expert em futebol. No comando técnico, o actual presidente, em apenas 15 meses no exercício de funções, já despediu José Peseiro, contratou e despediu Marcel Keizer e contratou Silas. Mas recusa mexer na estrutura que montou e que certamente acreditará ser a melhor estratégia para o clube. 

2018/19 - Janeiro

Entradas:

Tiago Ilori

Plata

Borja

Phellype

Saídas:

Nani

Montero

2019/20 – Julho/Agosto

Entradas:

Luís Neto

Eduardo

Rosier

Vietto

R. Camacho

Bolasie

Jesé

Fernando

Saídas:

Bas Dost

Gudelj

Salin

Raphinha

Thierry

Bruno Gaspar

André Pinto

Petrovic

Apesar dos pífios resultados e sofríveis exibições que deprimem a nação leonina, Frederico Varandas e seus pares impuseram aumentos salariais na Sporting Clube de Portugal SAD, contra a opinião dos restantes accionistas e sentimento geral dos associados do clube. 

Face ao quadro exposto, defendo que as eleições devem ser antecipadas, preferencialmente para Março, mês previsto nos estatutos para realização das mesmas. É tempo de se devolver a palavra aos sócios, para que decidam o que pretendem, a bem do Sporting Clube de Portugal.

Avaliando a presidência de Frederico Varandas...

Enquanto sócio do Sporting Clube de Portugal, não me considero satisfeito com os resultados obtidos por Frederico Varandas. Não o irei insultar, nem assinei até ao momento qualquer pedido para realização de AG destituitiva, mas poderei rever a minha posição no futuro, sem obviamente alinhar com qualquer tentativa de retorno à javardice. Concordo com a suspensão das claques, facto manifestamente insuficiente para justificar a continuidade de Frederico Varandas à frente dos destinos do clube, face aos miseráveis resultados obtidos pelo futebol, verdadeiro core business da instituição. 

Defendo que se antecipem eleições para o início da próxima primavera, devolvendo a palavra aos sócios. Até lá, terá que ser Frederico Varandas e sua equipa a gerirem o próximo mercado de transferências. E até podem apresentar-se a votos, sujeitando-se com humildade democrática à deliberação dos sócios. Se porventura vencerem, sairão com legitimidade reforçada e colocarão um ponto final na contestação, caso saiam derrotados, terão servido o Sporting, de nada adianta barricarem-se atrás dos estatutos contra a vontade da maioria, sob pena de sairem pela porta pequena, ou enxovalhados numa destituição. 

Fica pois o apelo ao bom senso do presidente Frederico Varandas e seus pares dos órgãos sociais. Vamos a votos, porque apesar do empenho e boa vontade que possam ter, não estou a afirmar o contrário, a verdade é que a situação actual está muito longe do cenário que nos foi prometido na candidatura.

O melhor dia para eleições

Depois da belíssima adaptação de "My Way" de Frank Sinatra (ou, antes, de "Comme d'habitude", de Claude François,) pouco faltará, certamente, para que o hit de Quim Barreiros "O melhor dia para casar" seja também adaptado pelo universo leonino, no caso, com o título "O melhor dia pra eleições".

Com efeito, a avaliar pela imprensa, estão imparáveis os processos de recolha de assinaturas para marcar uma assembleia geral extraordinária com o único propósito de destituir os actuais órgãos sociais.

Pessoalmente, acho um enorme disparate provocar mais uma crise directiva, pelo que não apoio, nem subscrevo as iniciativas que os movimentos em causa estão a levar a cabo. E digo-o com total à vontade, pois não votei em Frederico Varandas e na sua equipa.

Os resultados no futebol são desesperantes, mas do mesmo modo que não se coloca uma equipa a jogar bom futebol e a ganhar trocando sistematicamente de treinador, também não se coloca um clube com força e estabilidade estando, sistematicamente, a eleger novos órgãos sociais.

Na minha opinião, muito desta crise do futebol sénior radica na falta de competência da respectiva estrutura. É por aí que Frederico Varandas terá que inverter o rumo dos acontecimentos.

Depois da oportunidade perdida que foi a não contratação de Jesualdo Ferreira para treinador (ao invés de um catedrático, contratámos um monitor), o Presidente Varandas terá de sacar de um ás de espadas para liderar o futebol leonino.

Hugo Viana, já se viu, não tem competência para o cargo e a sua continuidade já exaspera. Muitos de nós suspiramos, com saudade, pela dupla Manolo Vidal/José Manuel Torcato. São homens assim que fazem falta à casa.

Espero que Frederico Varandas seja capaz desse golpe de asa. Pelo Sporting.

Aceita um repto, sr. Presidente?

Absolutamente inaceitável o aumento de vencimentos aprovado ontem na AG da Sporting SAD para os administradores. Mesmo que cumpram a recusa anunciada por Salgado Zenha para esta época, ficámos a saber que a partir de agora têm um salário substancialmente melhorado e lá mais para o Verão do próximo ano, o assunto terá perdido mediatismo, com Euro 2020, transferências, quem se preocupará verdadeiramente com esta questão?

Desejo a Silas toda a sorte do mundo, é um treinador que aprecio enquanto pessoa, a equipa que treinou anteriormente praticava um futebol agradável, o seu sucesso será acima de tudo positivo para os superiores interesses do Sporting. Mas não esqueço o que nos trouxe até aqui, a inacreditável crise que ainda estamos a atravessar, pese embora a importante vitória obtida na Vila das Alves:

-Má planificação da época.

-Péssima condição física.

-Desaproveitamento da formação.

-Inacreditável gestão do mercado de transferências.

Não acredito em milagres, alguns resultados podem ser obtidos com sorte, ou falhados por azar, mas os factores aleatórios raramente pendem sempre para o mesmo lado. Cedo ou tarde, como o azeite, a competência vem acima e não me parece apropriado associar a palavra competência ao departamento de futebol do Sporting Clube de Portugal SAD. Acontece que o presidente Frederico Varandas foi eleito precisamente com promessas de restruturação do futebol, à época a tentar recuperar do estado de choque em que uma gestão troglodita o mergulhou. Mais de um ano passou, se é possível falar em pesada herança, ou tempo ainda insuficiente para resolver tudo, a incompetência recente, não faz parte de herança alguma. O autismo patente que vai sendo demonstrado, esse sim, tem muito a ver com o passado recente que rejeitámos. Não foi para isto que libertámos o clube do aprendiz de Napoleão.

Não existem duas oportunidades para se causar uma boa primeira impressão. Frederico Varandas não mostrou até agora ter um rumo seguro para o clube, no qual os sportinguistas de possam rever, confiar e apoiar. Algumas medidas avulsas positivas, como a retirada de apoios às claques, não chegam para dormir tranquilo, com a certeza que o futuro será verde e branco.

Mas se Frederico Varandas e seus pares estão assim tão convencidos terem a razão do seu lado, porque não clarificarmos junto dos sócios? Não precisa ser amanhã, nem tão pouco este mês, eventualmente nem este ano. E até pode ser o sr. Presidente a gerir o processo, agendando o acto eleitoral, por exemplo para a próxima Primavera. Daria tempo para se preparar, os oponentes também, os sócios que não são burros, estarão atentos, diminuiria a pressão sobre a sua presidência, que neste momento depende totalmente dos resultados da equipa de futebol, daria tempo a Silas, aos jogadores, à apresentação de projectos, a tempo de preparar a próxima época.

Vamos a isso sr. Presidente Frederico Varandas? Se não está agarrado ao poder, convoque eleições antecipadas para Março ou Abril. Se tem de facto um projecto em que acredita e está seguro que os resultados irão aparecer, não tenha medo do veredicto dos sócios e apresente-se a eleições. Se perder, sairá de forma digna, respeitado. Se ganhar, sairá legitimado, com um poder reforçado junto dos sócios, como agora não tem e seguramente não terá até final do presente mandato.

A bem do Sporting, que está acima de todos nós!

Saudações leoninas!

Os filhos da puta*

Pedindo desde já desculpa pela "acidez" do título do post, aviso também já que hoje não haverá reticências a seguir à primeira letra de uma qualquer palavra que incomode mentes mais sensíveis. Se não quiser passar daqui, está o leitor avisado e à vontade para me deixar a vociferar sozinho.

Portanto, não vale a pena bater mais no ceguinho com o amadorismo e incompetência na preparação da época e constituição do plantel. Já discorri a propósito, outros colegas o têm feito, é um facto que terá que ser remediado em Janeiro se valer a pena e até lá Leonel Pontes e os jogadores conseguirem manter o barco à tona , mesmo que vá metendo água aqui e ali. E irá, que o pano é curto!

É minha convicção antiga que tenhamos nós as equipas que tivermos, com menor ou maior qualidade dos seus elementos, esteja a máquina oleada e afinada ou não, haverá sempre uma corja de filhos da puta que naquele momento em que estivermos a levantar a cabeça e a retirar um pé do lodo, diligentemente se ancarregam(rão) de, sem qualquer pudor, nos mandar aquela cacetada certeira nos cornos que nos atirará de novo para a merda, donde nunca ou dificilmente nos deixarão sair e onde quem os comanda nos quer ter, mansinhos.

Há umas semanas foi um filho da puta a desferir três tiros certeiros num grupo que começava a levantar a cabeça. Coisa inédita e nunca vista cá no burgo, onde apesar da quantidade de filhos da puta em todas as áreas de actividade, nenhum ainda se tinha atrevido a tanto. Eles atrevem-se até a deslocar-se de Ferrari, têm olho de lince, mas desde o célebre luto que os filhos da puta não punham os cornos de fora com tanta convicção. 

Ontem foi porrada de criar bicho, canela até ao pescoço, descascar em cima do melhor médio a jogar em Portugal e o filho da puta, de  bíblia no braço direito e saco de fruta no esquerdo, que perdeu o apito logo aos cinco minutos e não mais o conseguiu recuperar até ao momento em que terá recebido pelo auricular ordem para expulsar o gajo que hoje entraria na Cova da Moura como um autóctone, tal a quantidade de nódoas negras espalhadas pelo corpo, deixou um outro filho da puta fazer uma dúzia de faltas sobre o mesmo adversário, sem sequer o mandar para o caralho, como é seu timbre.

E com a bíblia num bracinho e o saco da fruta no outro, calculam como apanhou ele o apito do chão. Exactamente nessa posição em que a Alemanha perdeu a guerra e eles ganham posições no ranking dos filhos da puta: De quatro!

Ontem, graças ao anterior filho da puta, o centro da defesa ficou sem um dos seus melhores (esqueçam lá essa merda dos três deslizes, com um filho da puta menos filho da puta um bocadinho, nenhum deles teria existido, ou se a coisa se tivesse dado com a Igreja Universal do Reino de Vieira ou com a banca de fruta do sr. Costa, estaria tudo na santa paz do senhor e no final até havia chocolatinhos e putas, das verdadeiras, para distribuir) e para a próxima ficaremos sem o capitão e melhor jogador da equipa. Cheira-me que a seguir será o GR e depois o outro central e assim sucessivamente, impedindo Leonel Pontes de encontrar um onze fixo e poder juntar os cacos (e a caca) que o holandês deixou e a mão-de-obra que tem à disposição. É que aquela merda anda colada com cuspe, é verdade, mas quando alguém consegue juntar mais que dois cacos, há sempre um filho da puta que (ao contrário dos putos do meu tempo que nos escondíamos para fazer merda) à vista de todos, sem qualquer pudor, leva a puta da pedra na mão e quando lhe apetece, pimba! no centro, para foder aquilo tudo!

A direcção e aquela gente toda que gravita à sua volta tem culpas? Tem, mas foda-se, ou a gente tem colhões para mudar esta merda, ou mesmo com o Ronaldo e o Messi e mais algumas trutas na equipa não ganharemos a ponta de um corno se não conseguirmos tratar destes grandes filhos de uma valente puta e não é o Varandas a meter-se em bicos de pés que resolverá o assunto. Esse é um papel para o Severo e para o Pontes que estiveram muito bem.

Ao Varandas pede-se outra actuação. Por exemplo falar com outros filhos da puta que andam "distraídos" e que daqui a três semanas precisam das cruzinhas dos sportinguistas, ou será pedir demais?

 

*Com um enorme pedido de desculpas às senhoras suas mães, que certamente não os criaram para isto.

Um ano de Team Varandas

Completa-se hoje um ano desde as últimas eleições no Sporting Clube de Portugal, eleições essas que consagraram Frederico Varandas como Presidente do Clube.

Um ano cheio de altos e baixos. Conquistaram-se importantes títulos mas também se falharam outros. Entre as grandes conquistas estão a Liga dos Campeões de Futsal, a Taça dos Clubes Campeões Europeus de Hóquei Patins e, claro, as Taças da Liga e de Portugal em Futebol. No lado dos títulos perdidos, os que mais me custaram foram o título nacional Futsal e a SuperTaça em futebol, onde caímos com estrondo.

As modalidades tiveram um ano agridoce. Conquistaram-se muitos títulos mas falharam os respetivos campeonatos nacionais. O orçamento para este ano foi batizado por alguns como "o do desinvestimento" mas parece-me mais que se procura contratar qualidade de forma a fazer mais com menos. Thierry Anti como treinador do Andebol é um bom exemplo disso. E a época começou da melhor maneira. O Futsal esmagou o Benfica na SuperTaça com uns expressivos 6-2 e o Andebol começou a época com uma vitória na Luz por 28-30.

No futebol, pegou na equipa de futebol liderada, até então, por um Sousa Cintra que prometeu um prémio monetário (superior ao da Taça da Liga) caso a equipa estivesse em primeiro à quarta jornada (!). Ter José Peseiro no banco não deixava ninguém descansado e trocou-se por um relativamente desconhecido Marcel Keizer. A aposta não correu como se esperava a 100% mas ainda foram conquistados dois títulos.

A política desportiva para a equipa de futebol também mudou drasticamente. Os jogadores com os salários mais elevados foram "dispensados". Entre vendas e cedências, acabou por se perder algum talento mas também nos vimos livres de muito "entulho". As contratações de jogadores, com a exceção de Borja, passou a ser de jovens com potencial para brilhar mas sem ainda serem certezas absolutas. É o caso de Rosier, Doumbia, Plata, Camacho, etc.

No último dia de mercado, esta política sofreu um pequeno revés com a chegada de três emprestados (Jesé, Fernando e Bolasie) e com a troca de Marcel Keizer por Leonel Pontes. Há uma nuvem de dúvidas sobre o impacto que terá na equipa mas, como tudo no futebol, será dissipada quando a bola começar a entrar na baliza. Leonel Pontes tem que ter a paciência dos adeptos para mostrar aquilo que sabe fazer.

Por falar em bola na baliza. Acho que não vale a pena teorizar muito sobre o que une o Clube. O que une o Clube são e serão sempre os títulos. Os Sportinguistas têm um conjunto de características que os ajudam a rever-se no Clube mas, neste momento, há muita dispersão. Neste último ano tornou-se óbvio que existem vários tipos de adeptos. Existem os que ainda vivem no luto da anterior direção e que se comportam como uma espécie de FARC, sempre prontos a metralhar quem não gostam (mesmo com mentiras). Existem os que estão sempre prestes a salvar o Clube do que quer que seja pois são eles os detentores do mágico elixir que tudo cura. E existem os adeptos normais que entendem que estamos perante uma presidência normal, com altos e baixos e que será avaliada normalmente nas próximas AGs e Eleições. Até lá, que a bola bata sempre na parte de dentro da rede e consigamos o maior número de títulos possível.

A Academia está a ser melhorada a olhos vistos e o projeto de formação ganhou novos contornos. A formação não pode ser vista como a salvação do Sporting, tem que ser vista como uma fonte de recursos onde o Clube se reforça mas nunca a única. Ainda assim é importante ter qualidade em quantidade e comprometidos com o Clube. É claro que quando se fala na formação vêm mil piadas sobre colchões mas não posso fazer nada para mudar a opinião de quem se comporta como um chimpanzé a atirar fezes a quem passa no zoo.

A nível de comunicação, parece que abandonámos de vez o belicismo e começámos à procura de outra linha. Acho que estamos piores nas redes sociais mas melhores na maneira como lidamos com os players da comunicação social. Há uma linha ténue que separa as notícias da propaganda mas é sempre (SEMPRE!) melhor ter pessoas a nosso favor do que contra.

Já a oposição nunca desapareceu. Os eternos "esqueletos" Ricciardi e Dias Ferreira têm sido o rosto mais visível de uma certa oposição. Os tais que acham ter o tal elixir. Também se joga uma campanha suja nas redes sociais onde se tenta ofender o mais possível. Campanha essa levada a cabo por muitos daqueles que criticavam, e bem!, as campanhas sujas contra o anterior Presidente. A democracia não pode ser só boa quando ganha quem nós queremos. É saudável haver oposição mas que seja feita às claras e com medidas para ajudar o Clube em vez de uma política de terra queimada.

No fundo, apesar de tudo, foi um ano normal na vida do Sporting. Conquistaram-se títulos, perderam-se outros. Bem sei que alguém dirá "temos a responsabilidade de ganhar tudo" e é verdade. Mas não se conseguiu. O que se conseguiu foi trabalhar para que a cada ano se tenham mais condições para que "se ganhe tudo".

 

Palmarés 2018/19

Futsal Masculino - Liga dos Campeões, Supertaça, Taça de Portugal

Futsal (sub20) - Campeonato Nacional

Hóquei em Patins - Liga Europeia

Andebol (juniores) - Campeonato Nacional

Voleibol (feminino) - 1º Lugar (II divisão)

Atletismo (masculino) - Campeonato Nacional de Estrada, Campeonato Nacional de Corta-Mato

Atletismo (feminino) - Campeonato Nacional de Estrada, Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta-Mato, Campeonato Nacional de Corta-Mato, Campeonato Nacional de Pista Coberta, Taça dos Clubes Campeões de Pista Coberta, Campeonato Nacional ao Ar Livre

Judo (masculino) - Liga dos Campeões, Campeonato Nacional

Ténis de Mesa - Tetra Campeões, Taça de Portugal, Supertaça

Râguebi - Taça Ibérica

Râguebi (feminino) - Campeonato Nacional, Taça Ibérica, Taça de Portugal, Supertaça

Natação - Octacampeões Nacionais

Ginástica (trampolins masculinos) - Campeões nacionais por equipas

Goalball - Campeões europeus (masculino e feminino), Campeonato Nacional, Taça de Portugal, Supertaça

Futebol - Taça de Portugal, Taça da Liga

Futebol (sub15) - Campeonato Nacional

Futebol (sub14) - 1º lugar na Divisão de Honra AF Lisboa

Futebol (sub14 B) - 1º lugar na Divisão de Honra AF Lisboa

Palmarés 2019/2020 (até ao momento)

Futsal - Supertaça

Judo - Jorge Fonseca campeão do Mundo (< 100kg), Daria Bilodid campeã do mundo (< 48kg)

 

Socialismo Lisboa e Benfica

"O PS já respondeu à carta que o Benfica escreveu e na qual solicitava um esclarecimento sobre se o partido se revia nas opiniões da ex-eurodeputada Ana Gomes.

Na resposta ao clube da Luz, o presidente do partido, Carlos César, explica que «as opiniões da Dra. Ana Gomes refletem apenas uma posição própria e pessoal que, tal como em muitos outros casos, não vincula o Partido Socialista».

Aliás, o PS escreve ainda que «não tomou qualquer posição institucional sobre o assunto».

A 11 de julho, o Benfica solicitou ao Partido Socialista que este esclarecesse «de forma a não subsistirem publicamente quaisquer potenciais equívocos, se as declarações proferidas por Ana Gomes refletem a opinião do partido ou se, ao invés, tais declarações não merecem senão rejeição e repúdio» do PS.

Refira-se que os encarnados anunciaram que iriam processar Ana Gomes devido a uma resposta no Twitter a uma publicação sobre a transferência de João Félix do Benfica para o At. Madrid. Ana Gomes questionou se não seria «um negócio de lavandaria». O clube da Luz considerou, então, que a ex-eurodeputada estava a insinuar tratar-se de uma operação de lavagem de dinheiro/branqueamento de capitais.", retirado do MaisFutebol

Caladinhos e rabinho entre as pernas que é ano de eleições.

Valeu quase por uma sondagem

Lembrei-me de recapitular, por curiosidade, os votos publicamente assumidos por quantos fazem este blogue ao longo da campanha eleitoral leonina que desembocou no histórico escrutínio de sábado.

Para perceber quem teria sido o eleito do És a Nossa Fé.

 

Breves notas prévias:

- A maioria dos autores não exprimiu apoio a nenhum candidato;

- Dois colegas admitiram estar indecisos perante duas opções distintas;

 - Durante a campanha tivemos dois autores convidados que exprimiram intenções de voto;

- Registou-se um "empate técnico" entre Frederico Varandas e João Benedito: valeu, portanto, quase por uma sondagem, antecipando de algum modo o que viria a resultar das urnas. Com o primeiro a vencer, por ter mais votos, e o segundo a congregar mais votantes.

 

.....................................................

 

Entre os que tomámos posição, alinhámo-nos do seguinte modo:

 

Por Frederico Varandas

Francisco Chaveiro Reis - «Ainda não sei a quem oferecer os meus cinco votos a oito de Setembro. Só conhecendo o elenco e a suas ideias, poderei escolher um favorito. Mas será difícil ter uma opinião que não esta: Frederico Varandas lidera a corrida, destacadíssimo.»

Helena Ferro de Gouveia - «Aceitei integrar a equipa de Frederico Varandas e pensar a inclusão da mulher no desporto. Dia 17 de Julho, pelas 18.30, na sede de campanha, apresento o #we too, porque nós sportinguistas queremos ver mais treinadoras, mais atletas do sexo feminino, mais modalidades abertas a mulheres, queremos um sério combate ao assédio sexual no desporto.»

João Távora - «Tomei a decisão de votar em Frederico Varandas. Convenceram-me a sua genuína vontade de ocupar o cargo, reflectida no corajoso e antecipado anúncio da sua candidatura, a lufada de juventude que transparece e a consistência da sua carreira como médico e militar, que dá indicações dum perfil decidido, resiliente e ponderado, qualidades necessárias para o difícil período que o nosso emblema enfrentará nos próximos tempos.»

Pedro Almeida Cabral - [Integrou a lista de candidatos aos órgãos sociais do Sporting liderada por Varandas, tendo tomado posse no domingo como secretário da Mesa da Assembleia Geral]

Pedro Boucherie Mendes - «Votarei em Frederico Varandas, satisfeito com a minha impressão e com o que ouvi dele e da sua candidatura. Nada tenho contra os outros candidatos, pelo que, qualquer que vença, será o meu presidente.»

Eu - «Obviamente, faço minhas as palavras do Mestre [que anunciou voto em Varandas].»

Ricardo Roque - «Declaração de interesses: integro a comissão de honra de Frederico Varandas, líder da candidatura Unir o Sporting. A minha intervenção no blogue não será condicionada por este meu posicionamento.»

 

Por João Benedito

Duarte Fonseca - «Votarei em João Benedito. (...) Provou inequivocamente durante a campanha que foi o candidato que mais evoluiu no seu discurso e que teve a capacidade de se adaptar a todas as circunstâncias mesmo quando o retiraram da sua zona de conforto.»

Frederico Dias de Jesus - «João Benedito terá os meus votos para Presidente do Sporting Clube de Portugal. Ninguém nasce presidente de nada, um presidente constrói-se à medida que se vai ultrapassando desafios. A capacidade que deve ter é a de liderança e de agregar pessoas com valências e conhecimentos.»

Leonardo Ralha - «O meu voto - e trata-se literalmente de um voto, pois segui durante quase toda a vida o ensinamento de Groucho Marx quanto a pertencer a clubes que me aceitem - neste sábado será entregue a João Benedito.»

Luís de Aguiar Fernandes - «Os meus quatro votos vão para João Benedito, obviamente.»

Pedro Bello Moraes - «Voto em João Benedito porque foi campeão várias vezes pelo Sporting. Logo, é campeão. O Benedito é um campeão. E no Sporting. Do Sporting. É, por isso, de todos os candidatos, o único que tem a cultura do clube que eu quero ver preservada, cultivada, aumentada, fortalecida.»

Rui Cerdeira Branco - «Neste momento acho mais comportáveis os riscos apresentados pelo João Benedito e mais valiosa a sua capacidade de unir a família e de projectar o Sporting para o futuro como um clube vencedor. Se as eleições fossem hoje votava no João Benedito.»

Zélia Parreira - «É o meu candidato. Tem a vontade e a garra necessárias. Tem o Sporting entranhado nas veias e na alma. Nada do que ele fez até hoje me envergonha ou embaraça, sempre foi motivo de orgulho sportinguista.»

 

Por Dias Ferreira

Filipe Costa e Silva (autor convidado) - «Devo dizer que faço parte dlista do Dr. Dias Ferreira e é sobretudo a este nível que aceitei o repto de vos escrever sobre futebol, num momento em que me parece determinante que os sportinguistas percebam que é hora de ser Sporting novamente.»

 

Por Rui Jorge Rego

Pedro Guerreiro Cavaco (autor convidado) - «Faço desde já uma declaração de interesses. Apoio Rui Rego e faço parte da Lista E, candidata à Assembleia Geral.»

 

Por Benedito ou Dias Ferreira

Edmundo Gonçalves - «Estou indeciso entre Benedito e Dias Ferreira, não sei se hei-de dar o meu aval ao novo pelas suas ideias inovadoras em detrimento do mais velho, ou se ao mais velho pela sua sabedoria e tudo o que isso possa ser uma mais-valia para o clube, em detrimento do mais novo.»

António F«Edmundo, o seu texto é o meu pensamento.»

 

 

ADENDA: Se por lapso tiver omitido a posição de algum colega, peço o favor de me corrigir.

Varandas para o sucesso?

O Doutor Frederico Varandas tem desde a madrugada de Domingo sobre si todos os holofotes apontados. Pelos jornalistas, pelos nossos adversários, pelos candidatos perdedores e essencialmente pelos sócios e pelos adeptos que não votando têm outrossim uma opinião.

Cabe então ao novel Presidente do Sporting saber gerir as solicitações a que estará sujeito nos próximos tempos, sejam as televisões, rádios ou jornais. Acima de tudo não dar para todos os peditórios, sejam eles quais forem. Resguardar-se!

Há que aprender com os erros por outros cometidos e evitar entrar em guerras directas ou indirectas com os adversários (internos e externos!).

Unir os Sportinguistas foi o tema principal da campanha do Dr. Varandas. Todavia fica aqui a minha ideia de que há (ainda) muuuuuuuito sportinguista que não se quer unir aos restantes sócios e adeptos. Infelizmente, acrescento.

Olhando um pouco para trás, jamais imaginei que a votação em Março do ano passado (e sobre a qual, na altura, escrevi este texto) viesse a descambar nos tristes acontecimentos deste ano e que culminaram nas eleições no passado fim de semana.

Portanto... já não passo cheques em branco a ninguém. Nem mesmo o faria a João Benedito em quem votei, conscientemente. Vou aguardar os futuros desenvolvimentos, no sentido de perceber qual o novo caminho do Sporting. Espero e anseio que seja o do sucesso!

Como católico termino com um simples desejo: que Deus ajude o nosso Presidente.

Parabéns ao Sporting

Não fui votar.

A minha indecisão foi resolvida em tempo e o meu apoio seria para Benedito. Mas nem sempre somos nós que comandamos o ritmo dos nossos dias, por isso apenas hoje estou em casa e por isso apenas na madrugada/manhã de ontem, Domingo, soube o resultado da eleição.

Ouvi quase nada da declaração do novo presidente do Sporting, ainda estou a colocar o fuso no lugar, mas pareceu-me entender que já prometeu títulos. Nada a opor, se não fosse para obter títulos, os sócios (ou votos, se quisermos) não teriam confiado nele e na sua equipa, mas parece-me que será assunto a ser tratado com pinças, para evitar erros recentes, que me parece que não virão a ser cometidos, apesar de tudo (pelo menos é o meu desejo e certamente de todos os sócios e adeptos).

Já aqui escrevi que nada me move contra Frederico Varandas como pessoa e que até nutro alguma simpatia por ele, reconhecendo-lhe, na minha humilde ignorância na matéria, capacidade excepcional na sua área profissional, a ver pelo que dele dizem os seus pares. Não lhe dei o meu apoio apenas pelo "lastro" que carregava na lista, não me incomodando a forma como entende dirigir o clube, afinal todas as fórmulas são boas desde que vencedoras e cá estaremos para ver os resultados, que é o que comanda a vida de quem entra num jogo do qual não domina todas as vertentes, porque honesto, porque não entende o jogo sujo como um fim para atingir resultados.

Frederico Varandas foi eleito com uma diferença de votos não correspondente ao número de eleitores. Teve menos pouco mais de mil votos que João Benedito, ou seja, o segundo classificado teve mais eleitores que o vencedor. Não é novidade, já aconteceu noutras eleições e apesar de não retirar qualquer legitimidade aos resultados, abre a porta a uma discussão entre os sócios sobre a busca de uma nova fórmula de distribuição do número de votos, não perdendo de vista o factor antiguidade, mas permitindo que o leque feche de modo a que não haja uma diferença tão grande, sendo que o que eu defendo é mesmo um sócio/um voto, mas admitindo uma solução como a que referi atrás. Este acto de reflexão servirá também para resolver a questão da segunda volta. Felizmente houve uma concentração de votos em dois (três se considerarmos Ricciardi) candidatos e o espectro de uma clivagem que resultaria da eleição de um presidente com pouco mais de 15% dos votos e seria trágico, foi afastado.

Estas são as regras do jogo e com elas Varandas venceu, está portanto no lugar de presidente em pleno direito e a sua vitória é incontestável. Quando refiro está no lugar de presidente, reporto-me ao que li no post do Pedro Correia, onde o nóvel presidente diz que não é o Sporting. Começa bem, não se confundindo com o clube. Que continue, que terá aqui um apoiante tardio (que a exemplo das colheitas tardias de uvas, poderá ser dos bons) e por tardio quero inferir convicto, que o apoio "institucional" tem, a partir da tomada de posse

Ainda assim quem está mesmo de parabéns é o Sporting, que julgo, espero e desejo, com este resultado inequívoco terá começado a fase de cicatrização das feridas abertas no passado recente.

E agora uns dediquem-se ao seu trabalho de dirigir e outros à sua obrigação de apoiar o clube e as suas mais variadas equipas e atletas. Sem que deixem de estar vigilantes, porque a qualquer altura, quando menos esperarmos, isto pode virar-se tudo ao contrário e se à primeira caem todos, à segunda...

 

Publicado também aqui.

Sporting unido

8 de Setembro entrou na história gloriosa do Sporting. Foi dia glorioso. E foi uma glória participar nele.

Enquanto esperava para votar, passo curto dando a volta ao estádio, um pensamento não me largava: que grandes somos.

A manifestação de sportinguismo que ontem demos é para mim o equivalente a jogos ganhos de goleada, e troféus, muitos, conquistados.

A diferença que temos para os demais clubes é abissal. Não precisamos de ganhar sempre para votarmos a nossa fé ao nosso Sporting. 

Queremos muito ganhar, todos, sermos campeões, todos, uma e outra vez; mas não a qualquer custo. Sem Apitos Dourados ou E-Toupeiras. Temos o Cashball a ensombrar-nos, sim, é verdade, mas, com enorme sanidade e sentido de responsabilidade e, claro, amor ao clube; corremos com quem mandava na instituição à época em que os alegados actos que deram aso a investigação foram cometidos.

Votei vencido. A minha escolha para líder do clube recaiu em João Benedito, mas é Frederico Varandas o meu presidente.

Foi a votos com o lema Unir o Sporting, e gloriosamente, depois de tudo o que passámos recentemente, ontem no decorrer da votação já demonstrávamos essa união. Uma demostração avassaladora de entrega.

Uma glória!

Os maiores sucessos é o que desejo à nova direcção leonina, que serão também os meus. Os nossos.

Tudo ao molho e FÉ em Deus - Eleições

Contagem dos votos - O voto electrónico é já uma figura da mitologia leonina, um placebo para o sócio do Sporting se sentir melhor, uma espécie de máquina de fazer "plim", imortalizada pelos Monty Python em "O sentido da vida". Na verdade, e  após sucessivas Noites Longas Eleitorais, os sportinguistas chegaram à conclusão de que não temos sistema informático, temos ábacos. Bom, dirão vocês, antes ábacos do que ácaros ("hackers"), do Benfica. É que, concomitantemente, não havendo email, e tendo de comunicar por Post-Its, também não nos violam a correspondência. Mas estamos bem assim. E mantemos semelhanças com o rival: se o Benfica tem o Varandas Fernandes, nós agora temos o Varandas mais a Papelaria Fernandes.

 

Jaime Marta Soares - "Marta attack" no seu melhor. Nem uma palavra (sobre o atraso na contagem) aos sócios durante a Noite Longa Eleitoral. Apareceu após as 02:30 e achou conveniente dissertar para um pequeno grupo de sócios com insónias. Como, enquanto bombeiro, está sempre a pedir chuva, demorou-se a explicar como um candidato com mais votantes pode não ser o que tenha mais votos. 

 

Rui Jorge Rêgo - Teve uma excelente ideia ao convidar um lateral esquerdo para Director Desportivo, mas enganou-se na escolha. Assim, ficou sem votantes ou cem votantes (exactamente 98). Trouxe um tal de Roberto Carlos, mas Jefferson teria sido uma melhor opção. Sempre nos víamos livres dele, no campo.

 

Tavares Pereira - Teve três vezes e meia menos votantes do que tem funcionários. Bastaria ter tornado sócios todos os seus funcionários para ter ficado à frente de Dias Ferreira, pelo menos no número de votantes. Um ano de quotas pago a todos, a doze euros a peça, ter-lhe-ia custado a módica quantia de 109 200 euros, bem menos do que se ouve falar que custaram algumas campanhas de comunicação. Menos ainda, se fossem apenas sócios correspondentes. Num país que muitas vezes não valoriza os seus, merece todo o respeito e admiração pelo empresário que é, mas parece ter corrido sempre por fora. E por escolha própria, ao que consta.

 

Dias Ferreira - O maior paradoxo eleitoral. O candidato com mais idade, mais anos de militância leonina e mais cargos no Sporting teve a sua base de apoio no voto dos associados mais jovens. O problema é que foram tão poucos que cabiam todos nas matinés do Teatro Maria Matos.

 

José Maria Ricciardi - O seu número de votantes não deu para encher o (Pavilhão) João Rocha, mas ontem já se deve ter equipado para amanhã, ou seja, hoje, visto termos jogo de andebol com o ABC. 

 

João Benedito - Se o processo eleitoral fosse a Miss Universo, ele teria sido a Miss Simpatia. À entrada da última semana e à frente nas sondagens, faltou-lhe "killer instinct" para explorar a divulgação de uma certa peça de áudio. Habituado a defender, faltaram-lhe rotinas de avançado. Não que isso seja necessariamente um ponto negativo, bem pelo contrário, a sua postura institucional foi um exemplo nestas eleições. Curiosamente, rematou com chave d`ouro a sua participação nestas eleições, com um discurso agregador e de apoio ao novo presidente. Chapeau!

 

Frederico Varandas - Alto e pára o baile, que agora falamos a sério. É o novo presidente do Sporting e, como tal, o meu presidente. Desejo-lhe as maiores felicidades e a máxima inspiração. Terá todo o meu apoio e lealdade, o que não deverá confundir com comportamento acrítico. Porque é tempo de o clube se voltar de novo, realmente, para os sócios. De os escutar, reter as suas impressões, fazê-los sentirem-se, efectivamente, parte de um todo. Não vendo em cada opinião divergente uma potencial oposição, algo que infelizmente se foi acentuando nos últimos anos. Só assim se conseguirá unir a briosa família leonina. O sucesso de Frederico Varandas será o meu sucesso, o nosso sucesso. Todos desejamos um clube tão grande quanto os maiores da Europa e todos temos consciência da dificuldade dos tempos que se avizinham. Que o momento histórico, que ontem Frederico disse estar a viver, seja também um momento histórico para o centenário Sporting Clube de Portugal. E que honra e privilégio deverá ser servir um clube com esta grandeza... Oxalá, portanto, seja feliz na(s) estratégia(s) que implementará. May the force be with you!

Frederico, o Grande?

Confesso que andei arredado e fora do País nas últimas semanas e, por motivos pessoais e profissionais, acabei por não dar a devida atenção a estas eleições no nosso SCP. Apesar disso e do pouco que consegui ver em alguns debates, acho que a contenda decorreu com a elevação que se exigia e os candidatos estiveram à altura dos acontecimentos. O meu amigo Sousa Cintra deu um contributo importante para que o clube se levantasse do chão e começasse a andar pelo seu próprio pé. Estamos em primeiro lugar no campeonato de futebol, o que também ajuda. Mas o principal está feito: remover Bruno de Carvalho e a sua turba da liderança do clube e da SAD.

 

Frederico Varandas ganhou com inteira justiça e é o nosso novo Presidente. Parece-me um homem bem intencionado, com formação e com ética. Isto é importante nos dias que correm, sobretudo depois do descalabro que foi a anterior direção e com o que está a acontecer na casa de um dos nossos rivais. Mas Varandas precisa de ser ajudado por todos nós, verdadeiros Sportinguistas.

 

Varandas deve trabalhar melhor o projeto estratégico que tem, aprimorar a vertente institucional e desenvolver a sua comunicação (estar mais à vontade em público é o princípio). O clube está sequioso de muita e boa gestão, de financiamento não-especulativo e de voltar ao equilíbrio orçamental. Tudo isto com vitórias, porque só as vitórias nos darão as receitas à altura da nossa ambição.

 

Acredito que Frederico Varandas pode representar um novo momento na História do Sporting Clube de Portugal. Um momento de refundação e de afirmação. Espero mesmo não estar errado, Força Sporting!

 

P. S. - Gostei muito de ver o Bas Dost a votar em Alvalade. Representa bem o nosso espírito indomável. Um verdadeiro leão.

Estatutos, eleições e legitimidade...

Como democrata acredito que todos os cidadãos devem votar, que a cada votante deve corresponder um voto. Em eleições nacionais não é possível que um país seja infiltrado por votos de países terceiros, mesmo que alguns naturalizados tenham adquirido a nacionalidade por razões diversas, nunca serão em número suficiente para manipular uma eleição. A coisa pode ser ligeiramente diferente em eleições regionais, alguns caciques podem ser tentados, mas ainda assim não é fácil.

Quando falamos de associações, o cenário é bem diferente. Ninguém é obrigado a filiar-se num partido ou clube. Obviamente cada associação possui legitimidade para se organizar e precaver eventuais infiltrações. É por essa razão que na esmagadora maioria dos clubes, a um sócio não corresponde um voto. A questão colocou-se no Sporting em 2011 e voltou à baila ontem, porque João Benedito teve mais votantes, mas Frederico Varandas acabou eleito com mais votos.

Em primeiro lugar as regras eram conhecidas por todos à partida, pelo que não podem sofrer qualquer contestação quanto à sua legitimidade. Eu também gostaria que houvesse lugar a segunda volta caso ninguém atingisse a maioria absoluta dos votos e que o Conselho Fiscal fosse eleito pelo método de Hondt. Há espaço e tempo, para que seja feita uma reflexão sobre os estatutos e propostas alterações à decisão dos sócios, com ponderação e sem chantagem de aprovação sob ameaça de demissão.

Em tempos, Jorge Gonçalves submeteu a proposta de 1 sócio, 1 voto, durante o seu consulado de má memória. O resultado foi uma AG que acabou mal. À época eu era um jovem com apenas 4 votos, mas estava contra. O rosto opositor da proposta foi o saudoso presidente João Rocha, que subiu à tribuna, com a sua paixão pelo clube exaltou os ânimos e discursou alertando para o perigo iminente de cairmos no populismo. Começou ali o fim da presidência, Jorge Gonçalves convocou eleições antecipadas para clarificar posições, acabou perdendo as mesmas para Sousa Cintra.

Poderemos discutir o assunto, até diminuir alguma diferença entre sócios antigos e recentes, a idade aqui pode ter alguma influência, mas alerto que existem associados com 50 anos de idade mas pouca antiguidade, ao passo que outros há com 30 anos de idade e igual tempo de sócio. Existem sócios tipo A e tipo B. Actualmente qualquer sócio com 1 ano de inscrição pode votar. Seria relativamente fácil infiltrar o clube, se ficássemos desprotegidos destes mecanismos de defesa. Quando votei a primeira vez, tinha apenas 1 voto, desde então os estatutos sofreram alterações, hoje teria 13 votos, mas tenho 10. O que significa que houve alguma diminuição no peso dos votos entre sócios. Mesmo que ainda exista espaço para diminuir alguma dessa diferença, não faz sentido a meu ver que algum dia seja 1 sócio, 1 voto. Mas é apenas a minha opinião, tão legítima quanto a de qualquer outro sócio.

Virar de página

A derrota de Bruno de Carvalho é total.

É total pela participação recorde que o ato eleitoral teve, contrariando assim a sua desvalorização e os apelos à não participação e demonstrando que a sua impugnação é um cenário em que os sportinguistas não se revêem.

É uma derrota total também pela vitória do candidato que Bruno de Carvalho e os seus apoiantes mais detestavam: o "fivelas"; o "traidor". Vítima de insultos, infâmias e difamações, manteve sempre a elevação que o caracteriza. E ao Sporting.

Parabéns ao presidente eleito Frederico Varandas. Parabéns aos candidatos derrotados, ao João Benedito acima de todos. Protagonizaram uma jornada que dignificou o nome do clube.

Viva o Sporting!

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D