Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Futebol também é economia

Texto de Pedro Sousa

163-192130-coronavirus-sports-events-live-stream_7

 

As duas mais importantes batalhas que a sociedade tem que enfrentar nos próximos tempos sãoa luta contra o vírus invisível e a luta pela manutenção dos postos de trabalho e do respectivo "ganha-pão".

Não sendo o futebol produtor de um bem de primeira necessidade, teve a possibilidade de suspender a sua actividade por algum tempo. Mas tal como as outras actividades, ainda que adaptado aos tempos que vivemos, terá que voltar em breve. Isto se os agentes desportivos (jogadores, treinadores, dirigentes e demais pessoas que vivem directamente do futebol) quiserem defender a sua entidade patronal e, por consequência, a manutenção do seu "ganha-pão".

Um jogador de futebol profissional não é mais importante que um caixa ou repositor de supermercado, ou um trabalhador fabril, que ganham valores a rondar o salário mínimo e têm todos os dias de enfrentar o vírus por todos nós, mas também pela sua entidade patronal e pela manutenção do seu posto de trabalho.

 

O futebol profissional não é só desporto. É um importante produto económico (por isso, a necessidade de ganhar a qualquer custo que transforma isto em qualquer coisa pantanosa, que não é desporto) que movimenta milhões de euros e emprega milhares de pessoas.

Assim que os mais velhos e os que têm uma saúde mais frágil estiverem isolados e protegidos, mal surja uma melhor capacidade de enfrentar o vírus (material de combate e protecção disponível no mercado) a sociedade económica será reaberta (continuando, ainda assim, as normas de distanciamento social, entre outras) para que não aconteça uma crise económica, já esperada, de patamares catastróficos. Poderia surgir algo pior e mais mortal do que a pandemia que enfrentamos.

Quem assenta uma grande fatia dos seus orçamentos em contratos televisivos não tem outra hipótese que não continuar a vender o seu produto, ainda que sem o sal dos adeptos no estádio.

 

Olhamos para as declarações do presidente da Liga de Clubes. Ouvimos as "ameaças" que a UEFA faz às federações de não deixar os clubes participarem nas competições europeias se os campeonatos não terminarem em campo. E chegamos à conclusão de que quem manda quer salvar os clubes e os seus agentes. E a melhor forma de o fazer é competir. Também temos a noção de que os futebolistas, sendo também cidadãos comuns, são por princípio jovens saudáveis, rodeados de estruturas médicas capazes.

O jornal O Jogo fala de uma reunião entre Pedro Proença e os presidentes dos clubes para que o campeonato se conclua em seis semanas. O espaço temporal deverá ser os meses de Junho e Julho.

Notem que o nosso primeiro ministro nos encoraja a programar as nossas férias para o Verão (cá dentro). Mais uma vez a economia a sobrepor-se a um vírus que ainda andará cá em Agosto. Mais um sinal de que o factor económico, mais cedo ou mais tarde, irá prevalecer.

Por outro lado, o Benfica nunca deixaria o campeonato terminar assim. Só se estivesse em primeiro lugar. Mais do que a soma de uma taça ao museu é o prestigio que está em causa. Pode ser a diferença entre vender um Rúben Dias por 30 milhões ou 40 milhões.

 

Já tinha comentado aqui no blogue que achava, que o campeonato se iria disputar até ao fim. Continuando a ser do contra, ferindo, provavelmente susceptibilidades mais sensíveis, o mundo não acabou e, muito menos, o Sporting acabará. O futuro será mais risonho quanto mais cedo e melhor nos prepararmos.

O vírus não distingue homens. Mas a crise distingue os preparados dos impreparados.

 

Texto do nosso leitor Pedro Sousa, publicado originalmente aqui.

Vieira a Ministro

Após uma queda de 2% nas exportações, no primeiro trimestre deste ano, Luís Filipe Vieira, visionário e altruísta, vende a maior pérola da "fortissima" formação benfiquista, Renato Sanches, por 35 milhões de euros.

Com esta transferência, o presidente benfiquista volta a revelar uma enorme veia para negócios de dimensão internacional (não esquecer as suas excelentes ligações com Angola).

Com este negócio, Vieira pretende não só travar a queda das exportações, mas também diminuir os índices de agressividade e o número de bolas perdidas pela sua equipa.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D