Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O sistema é isto

 

O Adelino Cunha e o José da Xã já tinham comentado aqui a vergonhosa actuação de Duarte Gomes no jogo Académico de Viseu-Sporting da Covilhã. No entanto, como nas telenovelas, também estes folhetins futebolísticos não se esgotam nos primeiros episódios: pelo contrário, têm sempre cenas reservadas a capítulos seguintes.

Lembram-se certamente do senhor Gomes. Trata-se, infelizmente para nós, de um árbitro que o Sporting bem conhece: foi ele que nos pôs fora da Taça de Portugal. Único árbitro português do primeiro escalão capaz de transformar uma grande penalidade em livre indirecto a pedido da equipa da casa no último minuto do tempo extra, como sucedeu no lance de Viseu que o País inteiro já pôde ver graças a expressivas imagens entretanto postas a circular no Youtube, Duarte Gomes foi premiado nesse jogo com a nota 3,3 - equivalente a uma classificação regular - pelo "observador" Luís Pais, figura influente na Associação de Futebol de Viseu, segundo revela hoje o Record. Um "observador" que, a avaliar pela notícia hoje publicada neste jornal, julgava em causa (e casa) própria...

Bafejado com nota tão complacente, o carrasco do Sporting na Luz pôde assim apitar tranquilamente o Sp. Braga-Belenenses, para a Taça da Liga, sem que ninguém franzisse sequer a ponta de um sobrolho. Se o jogo anterior não tivesse sido filmado por alguém na bancada de Viseu, nunca teríamos sabido a enorme discrepância ocorrida entre o que sucedeu em campo e a inaudita benevolência do "observador".

Algumas almas mais ingénuas que gravitam à margem dos meandos do futebol ainda se interrogam por vezes o que será o sistema. Não é preciso procurar mais: o sistema é isto.

Um novo caminho

 

No jogo da vida, tal como no futebol, há demasiados “Guímaros”, “Franciscos Silva” ou “Calheiros” para atentarem os nossos pacatos dias. Todavia, no primeiro caso há a hipótese de recorrermos a instâncias superiores, sempre que reconheçamos injustiça nas nossas pretensões.

 

No entanto, no futebol, qualquer decisão de um juiz de partida é irrevogável - já sei, já sei que o Duarte Gomes tem uma noção de irrevogável à moda de Paulo Portas (vide Académico de Viseu-Sporting da Covilhã). Mas é esta irrevogabilidade que se tornou, de certa forma, um poder… malévolo.

 

Certa vez, um dirigente desportivo confessou a um jornalista que a única coisa que queria dos árbitros é que, em caso de dúvida, decidissem a favor do seu clube, nada mais! Ora pelo que vamos constatando por esses campos de futebol os lances ditos polémicos são-no pelas dúvidas que apresentam. E rapidamente se percebe quem é (quase sempre???) o beneficiado.

 

O Sporting honra-se de jamais ter sido referenciado em qualquer escuta no caso “Apito Dourado”. Mas isso valeu de quê? Pergunto eu! A honradez, a seriedade, a compostura são valores de passados longínquos e que nos tempos actuais não têm qualquer cabimento. Infelizmente!

 

O futebol é hoje uma indústria que serve para capear outros negócios, quase sempre muito pouco claros. O dinheiro que esta indústria gera e faz movimentar é tão grande que alguém que possa colocar as mãos neste “cesto” virá certamente com proveitos colados.

 

Neste contexto Bruno de Carvalho tem vindo a ser uma voz dissonante do que até aqui se ouvia. E começa cedo a originar (muitos) inimigos. Com a equipa de futebol, quiçá, a pagar essa (triste) factura. Mas acredito piamente que um novo caminho vai ser trilhado. Mesmo contra ventos e marés…

Outro cartão encarnado para Duarte Gomes

A Comissão de Análise e Recurso do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol deu razão ao Sporting nos protestos contra Duarte Gomes, a quem o Benfica deve o triunfo na discutida eliminatória da Taça de Portugal. Ficando agora oficialmente reconhecida a existência de seis erros grosseiros do árbitro no decurso desse jogo.

Razões mais do que suficientes para não querermos voltar a ver este senhor arbitrar um jogo do Sporting. Razões mais do que suficientes também para Jorge Jesus engolir estas palavras e Pedro melhor-do-mundo Proença engolir o apito e marcar consulta urgente na Multiópticas.

Há Duartes Gomes por toda a parte

 

Descobri ontem que há um Duarte Gomes esloveno. Foi o que arbitrou o França-Ucrânia. Que colocou os franceses no Brasil validando um golo de Benzema em quilométrico fora de jogo e perdoando-lhes um flagrante penálti.
Depois disto espero que o Presidente Hollande lhe ponha a Legião de Honra ao peito, ao som da Marselhesa, e lhe conceda audiência com fanfarra no Eliseu. Tanto esforço merece ser recompensado.

Cartão encarnado para Duarte Gomes

 

A "excelente arbitragem" que Jorge Magoo Jesus tanto enalteceu acaba de ser classificada como a terceira pior desta época: Duarte Gomes, o benfiquista assumido que suprimiu dois penáltis ao Sporting na Luz, ascende à galeria da fama com esta nota negativa agora atribuída pelos observadores. Confirmando-se o que aqui ficou assinalado no rescaldo imediato do Benfica-Sporting.

Duarte Gomes é até capaz de gostar de receber este cartão encarnado. Pelo menos é da cor de que ele mais gosta.

Uma classificação que também atesta o péssimo critério de avaliação do senhor Pedro Proença, autêntico poeta da bola. Quando está calado.

Cuidados Intensivos (2)

Buster Keaton

 

O Sr. Pedro Proença disse nesta Terça-Feira, a acreditar no Record, que Sei que o que vou dizer pode parecer polémico, mas o Duarte [Gomes] fez uma excelente arbitragem. Teve de tomar perto de 150 decisões naquele jogo e se errou numa ou noutra não é isso que fará uma arbitragem negativa. Está no lote dos melhores árbitros portugueses e assim continuará. Algum conselho? Não, Duarte Gomes tem muita experiência e não precisará que o aconselhe. Para o Sr. Pedro Proença, os meus mais vivos e sinceros votos de um pronto restabelecimento.

Onze de cada lado, bola redonda e campo inclinado

A interessante iniciativa do marketing sportinguista - o já famoso 12º jogador, sócio ou adepto que todas as semanas pode ser escolhido para integrar a equipa (mais explicações aqui) - foi foleiramente copiada pelo SLB, que, à pressa, e sem sorteio nem nada, atribuiu ontem a camisola 12 ao seu adepto de longa data Duarte Gomes, com os resultados que são conhecidos. O off-side do 3º golo deles parece-me desculpável, e o lançamento de linha lateral que vai dar no 4º também, mas os penaltis são clamorosos. O jogo foi equilibrado, sempre muito (embora nem sempre bem) disputado, e uma das duas equipas tinha de ficar pelo caminho; como já disse o João Távora (ou se não disse, pensou), não foi o Duarte Gomes que deixou passar a bola entre as pernas no 4ª golo (ou que andou a dançar, feito bailarina, no 3º: como disse o Pedro Correia, aquela zaga precisa de um patrão depressa), mas lá que dois penáltis faziam diferença, ah isso faziam, e muita. 

Memória de Duarte Gomes

O Sporting fez, de facto, um grande jogo e Duarte Gomes esteve como habitualmente. Socorro-me do jornal A Bola: "Estrela – Benfica (penalti que só ele viu por bola na... cabeça do jogador do Estrela – Taça da Liga 2007)"; "Benfica – FC Porto (penalti inventado e expulsão incorrecta de Otamendi – 2010/11)"; "Benfica – Vitória Guimarães (2 penaltis em que a falta não existiu, houve bola no peito e bola na cabeça – 2011/12)" Em todos estes jogos, Duarte Gomes foi o árbitro.

(Lembrança de um amigo meu, no FB)

"Sou adepto do Benfica".

 

Calma, não sou eu. Quem fez esta afirmação, há dois anos, foi Duarte Gomes. Sim, Duarte Gomes, o árbitro do derby de amanhã. Sim, Duarte Gomes, o árbitro que andou aos empurrões ao nosso treinador de guarda-redes na altura, em Alvalade, sem razão. Sim, Duarte Gomes, que um dia expulsou directamente João Pereira por palavras dias depois de deixar passar umas peitaças à tripeira em branco (neste último link, aconselho a saltarem directamente para o segundo 28 do vídeo, para escaparem a umas lampionices).

 

E desconfio que se esperasse mais dois dias para escrever sobre ele, ia ter algo mais a acrescentar. Vale a aposta?

Noite de estreias.

Ontem foi uma noite anormal, em que aconteceram duas novidades para mim. Em primeiro lugar, ontem foi a noite em que pisei o relvado em dia de jogo, como sonhava quando era miúdo. Não foi como jogador, mas acompanhando um novo sócio no seu "baptismo", ao intervalo. Em segundo lugar, foi a primeira vez que vi Duarte Gomes a pisar aquele relvado e a não arranjar confusão, algo que pensava ser ainda mais improvável do que eu pisar o relvado.

 

P.s.: Foi ainda uma noite de estreia para o Carlos Mané, um rapaz que às vezes parece que quer correr mais do que a bola. Com mais maturidade e calma em campo, a sua velocidade pode ser muito importante para desbloquear uns joguitos nos próximos anos. Basta ele querer e trabalhar para isso, em vez de fazer beicinho como outros.

Mais do que se deve aqui dizer

Tendo eu a certeza que o árbitro do Sporting-Benfica sairá do binómio Bruno Paixão-Duarte Gomes, dois artistas do apito que primam por serem cavaleiros andantes daquele clube que o Platini derrotou em Lisboa e Londres, foi com um sorriso que li a página do Record onde se dá conta que o inefável Duarte tomou as dores do inimitável Bruno e apresentou queixa contra Carlos Freitas por o dirigente leonino ter dito que o seu bom amigo devia ser afastado da arbitragem. Assim de repente, apesar de o pior cidadão do concelho de Cascais ser casado com uma ex-actriz e de o pior cidadão do concelho do Barreiro até ter um historial de exibicionismo para com mulheres-polícias, lembrei-me daquela página da 'Crónica de D. Pedro' em que Fernão Lopes se refere à relação do alucinado monarca português com o seu fiel escudeiro Afonso Madeira e remata: "Como quer que el-rei muito o amasse, mais do que se deve aqui dizer..."

Eles fazem tudo para eu perceber os lampiões que lhes partem dentes.

Tal como um gajo orelhudo disse há uns dias, não vou falar de arbitragens. Eu, por outro lado, vou cumprir isso: limitar-me-ei a escrever.

 

Em 9 de Janeiro de 2011, escrevi noutro poiso que Bruno Paixão era o pior árbitro português. E voltei a mencioná-lo noutra ocasião, já esta época.

 

Como é uma pessoa consistente, continua o pior árbitro português. Mas, e para antecipar futuros posts (todos sabemos que isto vai voltar a acontecer), aviso já aqui que o Duarte Gomes não anda longe. Dele já escrevi aqui e aqui.

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D