Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

O sistema é isto

 

O Adelino Cunha e o José da Xã já tinham comentado aqui a vergonhosa actuação de Duarte Gomes no jogo Académico de Viseu-Sporting da Covilhã. No entanto, como nas telenovelas, também estes folhetins futebolísticos não se esgotam nos primeiros episódios: pelo contrário, têm sempre cenas reservadas a capítulos seguintes.

Lembram-se certamente do senhor Gomes. Trata-se, infelizmente para nós, de um árbitro que o Sporting bem conhece: foi ele que nos pôs fora da Taça de Portugal. Único árbitro português do primeiro escalão capaz de transformar uma grande penalidade em livre indirecto a pedido da equipa da casa no último minuto do tempo extra, como sucedeu no lance de Viseu que o País inteiro já pôde ver graças a expressivas imagens entretanto postas a circular no Youtube, Duarte Gomes foi premiado nesse jogo com a nota 3,3 - equivalente a uma classificação regular - pelo "observador" Luís Pais, figura influente na Associação de Futebol de Viseu, segundo revela hoje o Record. Um "observador" que, a avaliar pela notícia hoje publicada neste jornal, julgava em causa (e casa) própria...

Bafejado com nota tão complacente, o carrasco do Sporting na Luz pôde assim apitar tranquilamente o Sp. Braga-Belenenses, para a Taça da Liga, sem que ninguém franzisse sequer a ponta de um sobrolho. Se o jogo anterior não tivesse sido filmado por alguém na bancada de Viseu, nunca teríamos sabido a enorme discrepância ocorrida entre o que sucedeu em campo e a inaudita benevolência do "observador".

Algumas almas mais ingénuas que gravitam à margem dos meandos do futebol ainda se interrogam por vezes o que será o sistema. Não é preciso procurar mais: o sistema é isto.

Um novo caminho

 

No jogo da vida, tal como no futebol, há demasiados “Guímaros”, “Franciscos Silva” ou “Calheiros” para atentarem os nossos pacatos dias. Todavia, no primeiro caso há a hipótese de recorrermos a instâncias superiores, sempre que reconheçamos injustiça nas nossas pretensões.

 

No entanto, no futebol, qualquer decisão de um juiz de partida é irrevogável - já sei, já sei que o Duarte Gomes tem uma noção de irrevogável à moda de Paulo Portas (vide Académico de Viseu-Sporting da Covilhã). Mas é esta irrevogabilidade que se tornou, de certa forma, um poder… malévolo.

 

Certa vez, um dirigente desportivo confessou a um jornalista que a única coisa que queria dos árbitros é que, em caso de dúvida, decidissem a favor do seu clube, nada mais! Ora pelo que vamos constatando por esses campos de futebol os lances ditos polémicos são-no pelas dúvidas que apresentam. E rapidamente se percebe quem é (quase sempre???) o beneficiado.

 

O Sporting honra-se de jamais ter sido referenciado em qualquer escuta no caso “Apito Dourado”. Mas isso valeu de quê? Pergunto eu! A honradez, a seriedade, a compostura são valores de passados longínquos e que nos tempos actuais não têm qualquer cabimento. Infelizmente!

 

O futebol é hoje uma indústria que serve para capear outros negócios, quase sempre muito pouco claros. O dinheiro que esta indústria gera e faz movimentar é tão grande que alguém que possa colocar as mãos neste “cesto” virá certamente com proveitos colados.

 

Neste contexto Bruno de Carvalho tem vindo a ser uma voz dissonante do que até aqui se ouvia. E começa cedo a originar (muitos) inimigos. Com a equipa de futebol, quiçá, a pagar essa (triste) factura. Mas acredito piamente que um novo caminho vai ser trilhado. Mesmo contra ventos e marés…

Outro cartão encarnado para Duarte Gomes

A Comissão de Análise e Recurso do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol deu razão ao Sporting nos protestos contra Duarte Gomes, a quem o Benfica deve o triunfo na discutida eliminatória da Taça de Portugal. Ficando agora oficialmente reconhecida a existência de seis erros grosseiros do árbitro no decurso desse jogo.

Razões mais do que suficientes para não querermos voltar a ver este senhor arbitrar um jogo do Sporting. Razões mais do que suficientes também para Jorge Jesus engolir estas palavras e Pedro melhor-do-mundo Proença engolir o apito e marcar consulta urgente na Multiópticas.

Há Duartes Gomes por toda a parte

 

Descobri ontem que há um Duarte Gomes esloveno. Foi o que arbitrou o França-Ucrânia. Que colocou os franceses no Brasil validando um golo de Benzema em quilométrico fora de jogo e perdoando-lhes um flagrante penálti.
Depois disto espero que o Presidente Hollande lhe ponha a Legião de Honra ao peito, ao som da Marselhesa, e lhe conceda audiência com fanfarra no Eliseu. Tanto esforço merece ser recompensado.

Cartão encarnado para Duarte Gomes

 

A "excelente arbitragem" que Jorge Magoo Jesus tanto enalteceu acaba de ser classificada como a terceira pior desta época: Duarte Gomes, o benfiquista assumido que suprimiu dois penáltis ao Sporting na Luz, ascende à galeria da fama com esta nota negativa agora atribuída pelos observadores. Confirmando-se o que aqui ficou assinalado no rescaldo imediato do Benfica-Sporting.

Duarte Gomes é até capaz de gostar de receber este cartão encarnado. Pelo menos é da cor de que ele mais gosta.

Uma classificação que também atesta o péssimo critério de avaliação do senhor Pedro Proença, autêntico poeta da bola. Quando está calado.

Cuidados Intensivos (2)

Buster Keaton

 

O Sr. Pedro Proença disse nesta Terça-Feira, a acreditar no Record, que Sei que o que vou dizer pode parecer polémico, mas o Duarte [Gomes] fez uma excelente arbitragem. Teve de tomar perto de 150 decisões naquele jogo e se errou numa ou noutra não é isso que fará uma arbitragem negativa. Está no lote dos melhores árbitros portugueses e assim continuará. Algum conselho? Não, Duarte Gomes tem muita experiência e não precisará que o aconselhe. Para o Sr. Pedro Proença, os meus mais vivos e sinceros votos de um pronto restabelecimento.

Onze de cada lado, bola redonda e campo inclinado

A interessante iniciativa do marketing sportinguista - o já famoso 12º jogador, sócio ou adepto que todas as semanas pode ser escolhido para integrar a equipa (mais explicações aqui) - foi foleiramente copiada pelo SLB, que, à pressa, e sem sorteio nem nada, atribuiu ontem a camisola 12 ao seu adepto de longa data Duarte Gomes, com os resultados que são conhecidos. O off-side do 3º golo deles parece-me desculpável, e o lançamento de linha lateral que vai dar no 4º também, mas os penaltis são clamorosos. O jogo foi equilibrado, sempre muito (embora nem sempre bem) disputado, e uma das duas equipas tinha de ficar pelo caminho; como já disse o João Távora (ou se não disse, pensou), não foi o Duarte Gomes que deixou passar a bola entre as pernas no 4ª golo (ou que andou a dançar, feito bailarina, no 3º: como disse o Pedro Correia, aquela zaga precisa de um patrão depressa), mas lá que dois penáltis faziam diferença, ah isso faziam, e muita. 

Memória de Duarte Gomes

O Sporting fez, de facto, um grande jogo e Duarte Gomes esteve como habitualmente. Socorro-me do jornal A Bola: "Estrela – Benfica (penalti que só ele viu por bola na... cabeça do jogador do Estrela – Taça da Liga 2007)"; "Benfica – FC Porto (penalti inventado e expulsão incorrecta de Otamendi – 2010/11)"; "Benfica – Vitória Guimarães (2 penaltis em que a falta não existiu, houve bola no peito e bola na cabeça – 2011/12)" Em todos estes jogos, Duarte Gomes foi o árbitro.

(Lembrança de um amigo meu, no FB)

Mais do que se deve aqui dizer

Tendo eu a certeza que o árbitro do Sporting-Benfica sairá do binómio Bruno Paixão-Duarte Gomes, dois artistas do apito que primam por serem cavaleiros andantes daquele clube que o Platini derrotou em Lisboa e Londres, foi com um sorriso que li a página do Record onde se dá conta que o inefável Duarte tomou as dores do inimitável Bruno e apresentou queixa contra Carlos Freitas por o dirigente leonino ter dito que o seu bom amigo devia ser afastado da arbitragem. Assim de repente, apesar de o pior cidadão do concelho de Cascais ser casado com uma ex-actriz e de o pior cidadão do concelho do Barreiro até ter um historial de exibicionismo para com mulheres-polícias, lembrei-me daquela página da 'Crónica de D. Pedro' em que Fernão Lopes se refere à relação do alucinado monarca português com o seu fiel escudeiro Afonso Madeira e remata: "Como quer que el-rei muito o amasse, mais do que se deve aqui dizer..."

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D